Jesuísmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jesuísmo é uma visão filosófica diferente da visão do cristianismo ortodoxo sobre Jesus de Nazaré, mas que aprecia os ensinamentos dele e a sua forma de viver como sendo a de um "homem bom e inteligente", mas rejeita a sua divindade.
Para alguns teólogos o termo "jesuísmo" é uma forma de opor ao paulinismo que, segundo estes filósofos, teria alterado as doutrinas e ensinamentos de Jesus e de verdadeiros apóstolos[1] [2] [3] [4].
De acordo com o escritor estadunidense Owen Flanagan, o "jesuísmo é uma forma de filosofia naturalista e racionalista"[5] evitando o conflito entre a ciência e a .

Crenças, práticas e aderentes[editar | editar código-fonte]

Não há um significado definitivo do Jesuísmo nem uma ideologia clara. No entanto, Frank Seaver Billings descreveu "Jesusísmo" como uma combinação de anarquismo e de comunismo. Billings, um ateu e materialista americano, criticava todas as religiões, incluindo o Jesuísmo.

Vários grupos usam os termos Jesuísmo, Jesusismo e Jesuanismo. Neles se incluem cristão desencantados que são críticos da religião institucionalizada ou do cristianismo paulino, gente que prefere identificar-se como discípulos de Jesus em vez de cristãos, cristãos ateus que aceitam os ensinamentos de Jesus mas não acreditam em Deus, e ateus que rejeitam todas as religiões incluindo o Jesuísmo. Os aderentes poderem ser designados por jesuistas, jesusistas ou jesuanos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The entire Jesus' Words Only (Second Edition 2007) - Free, em inglês, acesso em 1º de novembro de 2015.
  2. Paulinism versus Jesuism, em inglês, acesso em 1º de novembro de 2015.
  3. The Progress of Jesuism, em inglês, acesso em 1º de novembro de 2015.
  4. Jesuism, em inglês, acesso em 1º de novembro de 2015.
  5. ^ J. Owen Flanagan. O problema realmente rígido: Significado em um Mundo Material. Cambridge: MIT Press, 2007. p.263