Teoria do mito de Jesus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Teoria do mito de Cristo
A Ressurreição de Cristo, por Carl Heinrich Bloch (1700). Alguns mitólogos veem isso como um arquétipo de uma deidade de vida, morte e ressurreição.
Descrição Cogita-se que Jesus de Nazaré nunca existiu, ou se existiu, praticamente não tinha nada a ver com a fundação do cristianismo e os relatos nos evangelhos.
Primeiros defensores Charles François Dupuis (1742–1809)
Constantin-François Chassebœuf (1757–1820)
Bruno Bauer (1809–1882)
Arthur Drews (1865–1935)
Defensores modernos G.A. Wells, Alvar Ellegård, Robert M. Price, Richard Carrier, Earl Doherty
Temas Jesus histórico, cristianismo primitivo, história antiga

A teoria do mito de Cristo (também conhecida como a teoria do mito de Jesus, Jesus mítico ou a teoria da não-historicidade de Jesus, ou ainda a hipótese da inexistência de Jesus)[1] é "a visão de que a pessoa conhecida como Jesus de Nazaré não teve existência histórica".[2] Alguns defensores da teoria[3][4][5][6] alegam que os eventos ou frases associados com a figura de Jesus no Novo Testamento podem ter sido elaborados a partir de uma ou mais pessoas que realmente existiram, mas que nenhuma delas era, em nenhum sentido, o fundador do cristianismo.[7][8] Alternativamente, nos termos dados por Bart Ehrman em sua crítica a Cristo, declara:[9] "O Jesus histórico não existiu. Ou, se existiu, não teve praticamente nada a ver com as origens do cristianismo." Praticamente todos os estudiosos envolvidos com a pesquisa do Jesus histórico acreditam que sua existência pode ser estabelecida usando documentos e outras evidências, embora a maioria sustente que muito do material sobre ele no Novo Testamento não deve ser tomado ao pé da letra.[10]

A teoria do mito de Cristo é uma teoria marginal, apoiada por poucos acadêmicos ou especialistas eméritos em credibilidade bíblica ou disciplinas cognatas.[11][12][13] A teoria se afasta da visão histórica de Jesus que — embora os evangelhos incluíssem muitos elementos míticos —, são elaborações religiosas adicionadas aos relatos do Jesus histórico que foi crucificado no século I, na província romana da Judeia.[14][15][16]

Os antecedentes da teoria podem ser remontados até os pensadores do Iluminismo francês Constantin-François Volney e Charles François Dupuis, na década de 1790. O primeiro acadêmico a defender tal tese foi o historiador do século XIX e teólogo Bruno Bauer e outros defensores como Arthur Drews foram notáveis nos estudos bíblicos durante o início do século XX. Autores como George Albert Wells, Robert M. Price e Earl Doherty recentemente repopularizaram a teoria entre o público leigo.

Jesus e as origens do cristianismo[editar | editar código-fonte]

As origens e a rápida ascensão do cristianismo, bem como o Jesus histórico e a historicidade de Jesus, são uma questão de debate de longa data na pesquisa teológica e histórica. Enquanto o cristianismo pode ter começado com um núcleo inicial de seguidores de Jesus, poucos anos depois da sua morte em c. 33 d.C., na época em que o apóstolo Paulo começou a pregar, vários "movimentos de Jesus" pareciam ter existido, o que propagou interpretações divergentes dos ensinamentos de Cristo.[17] Uma questão central é como essas comunidades se desenvolveram e quais eram suas convicções originais,[17] e como uma ampla gama de crenças e ideias poderiam ser encontradas no cristianismo primitivo, incluindo o adotacionismo e o docetismo, incluindo as tradições gnósticas que usavam imagens cristãs, todas consideradas heréticas pelo cristianismo proto-ortodoxo.[18] No meio acadêmico tradicional Jesus é tido como uma pessoa real que foi posteriormente deificada.[14][15]

Visão histórica tradicional[editar | editar código-fonte]

Jesus é estudado por várias disciplinas acadêmicas, usando uma variedade de métodos críticos textuais.[lower-roman 1]

Esses métodos críticos e a busca do Jesus histórico levaram a uma desmitologização de Jesus, e a visão histórica dominante é que, embora os evangelhos incluam elementos míticos ou lendários, essas são interpretações religiosas da vida e morte do Jesus histórico que viveu na Palestina romana do primeiro século.[14][19][15] Enquanto os estudiosos diferem na historicidade dos episódios específicos descritos nos relatos bíblicos de Jesus,[20] o batismo e a crucificação são dois eventos na vida de Jesus que estão sujeitos a um "assentimento quase universal". De acordo com a historiadora Alanna Nobbs,

enquanto os debates históricos e teológicos permanecem sobre as ações e o significado desta figura, sua fama como mestre, e sua crucificação sob [a ordem d]o governador romano Pôncio Pilatos, pode ser descrita como historicamente certa.[21]


O erudito do Novo Testamento Bart D. Ehrman afirma que Jesus "certamente existiu, como virtualmente todo erudito competente da antiguidade, cristão ou não-cristão, concorda",[22][23] e também afirma que a existência de Jesus e sua crucificação pelos romanos é atestada por uma ampla gama de fontes, incluindo Josefo e Tácito.[22]

Embora haja um acordo acadêmico generalizado sobre a existência de Jesus como uma figura histórica, os retratos de Jesus frequentemente divergiram um do outro e da imagem retratada nos relatos evangélicos.[23][24][25][lower-roman 2]

Visões cristãs tradicionais e modernas[editar | editar código-fonte]

A teologia cristã e o dogma tradicionais veem Jesus como a encarnação de Deus/Cristo na Terra e como o Messias, cuja morte foi o sacrifício que obteve a expiação para todos os que creem que Jesus é o Cristo. De acordo com as tradições cristãs, tanto os Evangelhos, quanto as epístolas paulinas são escritos inspirados, [27] que relatam de maneira confiável o nascimento e a vida de Jesus, seu ministério, suas palavras, sua crucificação e ressurreição, de acordo com o plano de Deus.

A teologia liberal, seguindo a desmitologização de Jesus, enfatiza sua vida terrena como um modelo exemplar a ser seguido pelos cristãos.

Teóricos do mito de Cristo[editar | editar código-fonte]

Alguns autores moderados, mais notavelmente Wells, argumentaram que pode ter havido um Jesus histórico, mas que esse Jesus histórico foi fundido com outra tradição cristã, a saber, o Cristo mítico de Paulo.[28][29] Outros, mais notavelmente Wells e Alvar Ellegård, argumentaram que o Jesus de Paulo pode ter vivido muito antes, em um passado remoto vagamente lembrado.

Os mitólogos mais radicais sustentam, nos termos dados por Price, o ponto de vista do "ateísmo de Jesus", isto é, nunca houve um Jesus histórico, apenas um personagem mítico, e o mitema de sua encarnação, morte e ascensão. Esse personagem se desenvolveu a partir de uma fusão sincrética do pensamento religioso judaico, helenístico e do Oriente Médio; foi apresentado por Paulo; e historicizado nos evangelhos, que são também sincréticos.​ São "ateus" notáveis dessa corrente Paul-Louis Couchoud, Conde Doherty, Thomas L. Brodie e Richard Carrier.[30]

Alguns outros autores defendem o ponto de vista agnóstico de Jesus. Isto é, não se pode concluir se houve um Jesus histórico. E se houvesse, quase nada poderia ser conhecido sobre ele. São ​"agnosticistas" notáveis dessa corrente Robert Price, Thomas L. Thompson e Raphael Lataster.[31][32][33]

Enquanto defensores da teoria do mito de Cristo, como Earl Doherty, Price e Carrier, estão preocupados com as origens do cristianismo e a gênese da figura de Cristo, a percepção e o debate sobre a teoria tem se voltado cada vez mais para a questão mais simples de se Jesus existiu ou não[34][35] e consequentemente com alguns estudiosos propondo uma posição mais moderada.[36]

Argumentos[editar | editar código-fonte]

De acordo com o estudioso do Novo Testamento Robert Van Voorst, a maioria dos mitólogos que defender o mito de Cristo segue um argumento tríplice: eles questionam a confiabilidade das epístolas paulinas e dos Evangelhos com relação à historicidade de Jesus; eles notam a falta de informação sobre Jesus em fontes não cristãs do primeiro e do início do segundo século;[37] e eles argumentam que o cristianismo primitivo era sincrético e mitológico desde o começo.[38]

Visão geral dos principais argumentos[editar | editar código-fonte]

A maioria dos defensores da teoria argumenta que a evidência da existência de um Jesus Cristo histórico é, na melhor das hipóteses, fraca,[39] apontando para uma série de peculiaridades percebidas nas fontes que elas consideram como não dignas de confiança para um relato histórico.[Nota 1] Os cristãos primitivos e outras fontes não possuem informações biográficas sobre Jesus,[Nota 2] o chamado "argumento do silêncio". [40][Nota 3] Em vez disso, o Cristo de Paulo[41] e o Jesus dos Evangelhos são de natureza mítica e alegórica.[Nota 4][Nota 5] Eles argumentam ainda que os Evangelhos são um composto de várias linhas de pensamento,[42][43] dependendo dos escritos judaicos, e notam as semelhanças do cristianismo primitivo e da figura de Cristo com as religiões de mistério do mundo greco-romano.[Nota 6]

  • O Jesus de Paulo é um ser celestial, não uma pessoa histórica, ou pode ter vivido em um passado sombrio – as epístolas paulinas são mais antigas que os evangelhos, contudo, além de algumas passagens que podem ter sido interpoladas, não fazem referência a um Jesus histórico que viveu na Terra fisicamente, nem citam quaisquer declarações de Jesus. Há uma ausência completa de qualquer informação biográfica detalhada, como seria de se esperar se Jesus fosse contemporâneo de Paulo;[44][Nota 7] em vez disso, Paulo se refere a Jesus como um ser exaltado. Portanto, Paulo provavelmente está escrevendo sobre uma entidade mítica, uma deidade celestial, "uma figura salvadora modelada a partir de figuras semelhantes dentro das antigas religiões de mistério" chamado Jesus; ou uma pessoa histórica que pode ter vivido em um passado sombrio, muito antes do início da Era Comum.
  • Os Evangelhos não são registros históricos – embora os Evangelhos pareçam apresentar uma estrutura histórica, eles não são registros históricos, mas escritos teológicos, que são baseados em uma variedade de fontes e influências, incluindo os escritos do Antigo Testamento,[45] filosofia estoica grega e os métodos exegéticos de Filo. O gênero dos Evangelhos seria, portanto, mito ou ficção lendária que impuseram "uma narrativa histórica fictícia" a uma "figura mitológica do salvador cósmico" tecendo várias tradições pseudo-históricas de Jesus, mais notavelmente o do "personagem sobrenatural" das epístolas de Paulo[46] e "ideias importantes na literatura da sabedoria judaica".[47]
  • Sem relatos de testemunhas oculares independentes – Nenhuma testemunha independente sobreviveu, apesar do fato de que muitos autores escreviam naquela época. Os primeiros relatos romanos do século II contêm pouca evidência e podem depender de fontes cristãs.[Nota 8]
  • Diversidade no cristianismo primitivo e paralelos com outras religiões – O cristianismo primitivo era amplamente diversificado e sincretista, compartilhando ideias filosóficas e religiosas comuns com outras religiões da época.[48][49] Suas origens não podem ser atribuídas a um único (grupo) fundador, mas devem estar enraizadas em um movimento religioso mais amplo. Surgiu no mundo greco-romano do primeiro e segundo século d.C., sintetizando a grega e a antiga filosofia judaica do Período do Segundo Templo.[49] Paralelos com outras religiões incluem as ideias de aspectos personificados de Deus, ideias proto-gnósticas e figuras de salvação destacadas nas religiões de mistério, que eram muitas vezes (mas nem sempre) uma deidade de vida, morte e ressurreição.

Epístolas paulinas[editar | editar código-fonte]

Fragmento do século III da Cartas aos Romanos, de Paulo.

Datação[editar | editar código-fonte]

Visão acadêmica tradicional[editar | editar código-fonte]

As sete epístolas paulinas são consideradas pelo consenso acadêmico como epístolas genuínas, geralmente datadas de 50 a 60 d.C. (isto é, aproximadamente vinte a trinta anos após o período de tempo geralmente aceito para a morte de Jesus, 30–36 d.C.) e são os primeiros textos cristãos sobreviventes que incluem informações sobre Jesus.[50]

Visão dos mitólogos[editar | editar código-fonte]

Alguns mitólogos questionam a datação inicial das epístolas, levantando a possibilidade de representarem uma vertente posterior e mais desenvolvida do pensamento cristão primitivo. O teólogo Willem Christiaan van Manen da escola holandesa de crítica radical observou vários anacronismos nas epístolas paulinas. Van Manen afirmou que eles não poderiam ter sido escritos em sua forma final antes do século II. Ele também observou que a escola marcionita foi a primeira a publicar as epístolas, e que Marcião (c. 85–160) as usou como justificativa para suas visões gnósticas e docéticas de que a encarnação de Jesus não estava em um corpo físico. Van Manen também estudou a versão de Marcião da Epístola aos Gálatas em contraste com a versão canônica, e argumentou que a versão canônica foi uma revisão posterior que enfatizou os aspectos gnósticos.[51]

Price escreveu que "o problema histórico de Jesus se replica no caso de Paulo", e que as epístolas têm as mesmas limitações que os Evangelhos como evidência histórica. Price vê as epístolas como uma compilação de fragmentos (possivelmente com um núcleo gnóstico),[52] e sustenta que Marcião foi responsável por grande parte do corpus paulino ou até mesmo escreveu as próprias cartas, enquanto criticava a falácia ad hominem circunstancial dos outros teóricos do mito de Cristo da metade do primeiro século (por exemplo, Gálatas é convencionalmente datado c. 53 d.C. por suas próprias razões apologéticas).[53][54]

Historicidade dos Evangelhos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Evangelhos

Datação e autoria[editar | editar código-fonte]

O consenso geral dos estudiosos modernos é que Marcos foi o primeiro evangelho a ser escrito, e data antes de c. 65 d.C., enquanto Mateus e Lucas, que o usam como fonte, foram escritos entre 80 e 85 d.C.[55] A história da composição de João é complexa, mas a maioria dos estudiosos a vê acontecendo em estágios que começam já em 70 d.C. e se estendem até o final daquele século.[55] De acordo com Carrier, "Os Evangelhos não podem ser realmente datados, nem os verdadeiros autores são conhecidos. Seus nomes foram atribuídos muito cedo, mas não cedo o suficiente para termos certeza de que eram conhecidos. É baseado na especulação de que Marcos foi o primeiro, escrito entre 60 e 70 d.C., Mateus o segundo, entre 70 e 80 d.C., Lucas (e Atos) em terceiro lugar, entre 80 e 90 d.C. e João por último, entre 90 e 100 d.C.".[56]

Josefo e Tácito[editar | editar código-fonte]

Existem três fontes não-cristãs que são tipicamente usadas para estudar e estabelecer a historicidade de Jesus — duas menções em Josefo e uma menção na fonte romana de Tácito.[57][58][59][60] Segundo John Dominic Crossan:

Aquele [Jesus] que foi crucificado é tão certo quanto qualquer coisa histórica pode ser, já que tanto Josefo quanto Tácito [...] concordam com os relatos cristãos sobre pelo menos esse fato básico.[61]


Josefo[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Flávio Josefo

Josefo em História dos Judeus, escrito em torno de 93–94 d.C., inclui duas referências ao Jesus bíblico.[62][63] A visão acadêmica geral é que, embora a passagem mais longa no livro 18, conhecida como Testimonium Flavianum, não seja provavelmente autêntica em sua totalidade, é amplamente aceito que ela originalmente consistia de um núcleo autêntico, que era então sujeito à interpolação cristã ou mesmo falsificação.[64][65] Alguns mitólogos também argumentam que o Testimonium Flavianum pode ter sido uma interpolação parcial ou uma falsificação pelo apologista cristão Eusébio no século IV ou por outros.[66][67][lower-roman 3]

Tácito[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tácito

Os defensores da teoria do mito de Cristo, como G. A. Wells e Carrier, afirmam que fontes como Tácito e outras, que foram escritas décadas depois dos eventos descritos na bíblia, não incluem tradições independentes que se relacionam com Jesus e, portanto, não podem confirmar fatos históricos sobre ele.

O historiador romano Tácito referiu-se a "Christus" e sua execução por Pôncio Pilatos em seus Anais (escrito c. 116 d.C.):[75][76][77]

[...] odiava uma classe por suas abominações, chamada cristã pela população. Christus, de quem o nome teve sua origem, sofreu a penalidade extrema durante o reinado de Tibério nas mãos de um dos nossos procuradores, Pôncio Pilatos.


O tom muito negativo dos comentários de Tácito sobre os cristãos faz a maioria dos especialistas acreditar que é extremamente improvável que a passagem tenha sido forjada por um escriba cristão.[78] A referência de Tácito é agora amplamente aceita como uma confirmação independente da crucificação de Cristo,[78][79][80][81][82][83][84] embora alguns estudiosos insistem em questionar a autenticidade e valor histórico da passagem em vários campos.[85][86]

Outras fontes[editar | editar código-fonte]

Em Jesus Outside the New Testament (2000), o estudioso Van Voorst considera as referências a Jesus em escritos clássicos, escritos judaicos, fontes hipotéticas dos Evangelhos canônicos e escritos cristãos existentes fora do Novo Testamento. Van Voorst conclui que fontes não-cristãs fornecem "uma pequena mas certa corroboração de certas tradições históricas do Novo Testamento sobre o contexto familiar, tempo de vida, ministério e morte de Jesus", bem como a "evidência do conteúdo da pregação cristã, que é independente do Novo Testamento", enquanto fontes cristãs extra-bíblicas dão acesso a "algumas informações importantes sobre as primeiras tradições sobre Jesus". No entanto, as fontes do Novo Testamento permanecem centrais "tanto para as linhas principais quanto para os detalhes sobre a vida e o ensino de Jesus".[87]

Diversidade e paralelos[editar | editar código-fonte]

Ver também: Gnosticismo

Paralelos com outras religiões[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Sincretismo religioso e Mitema

Doherty observa que, com as conquistas de Alexandre, o Grande, a cultura grega e o idioma da Grécia Antiga espalharam-se pelo mundo do Mediterrâneo oriental, influenciando as culturas já existentes por lá.[49] A conquista romana dessa área se somou à diversidade cultural, mas também a uma sensação de alienação e pessimismo.[49] Uma rica diversidade de ideias religiosas e filosóficas estava disponível e o judaísmo era tido em alta consideração por não-judeus por suas ideias monoteístas e seus altos padrões morais.[49] O monoteísmo também foi sincretizado pela filosofia grega, especialmente o platonismo, com seu Deus superior e o intermediário Logos.[49] De acordo com Doherty, "foi deste rico solo de ideias que surgiu o cristianismo, um produto da filosofia judaica e grega",[49] ecoando Bruno Bauer, que argumentou que o cristianismo era uma síntese de estoicismo, neoplatonismo grego e pensamento judaico.

Crença judaica em um anjo celestial chamado Jesus[editar | editar código-fonte]

Alguns estudiosos notaram a extensão e o significado da crença judaica em um anjo-chefe agindo como um mediador celestial durante o período do Segundo Templo, bem como as semelhanças entre Jesus e este anjo celestial chefe. Ehrman chegou a ponto de argumentar que Paulo considerava Jesus um anjo, que estava encarnado na terra.[19][lower-roman 4]

Segundo Carrier, originalmente "Jesus era o nome de um ser celestial, subordinado a Deus": "Esse 'Jesus' provavelmente teria sido o mesmo arcanjo identificado por Filo de Alexandria como já existia na teologia judaica".[88][Nota 9] Filo conhecia essa figura por todos os atributos que Paulo já conhecia Jesus: o filho primogênito de Deus (Epístola aos Romanos 8:29), a imagem celestial de Deus (Segunda Epístola aos Coríntios 4:4) e agente da criação de Deus (Primeira Epístola aos Coríntios 8:6). Ele também foi o sumo sacerdote celestial de Deus (Hebreus 2:17, 4:14, etc.) e o Logos de Deus. Filo diz que esse ser foi identificado como a figura chamada Jesus no Livro de Zacarias.

Personificação do Logos e da Sabedoria[editar | editar código-fonte]

Separadamente da teoria do mito de Cristo, o estudioso de estudos religiosos antigos Peter Schäfer afirma que o Logos de Filo provavelmente deriva de sua compreensão da "literatura da Sabedoria pós-bíblica, em particular a Sabedoria de Salomão". O professor do Novo Testamento da Universidade Loyola Urban, C. von Wahlde observa que a literatura da Sabedoria judaica e os escritos filosóficos de Filo podem fornecer "o pano de fundo para o Logos do Prólogo Joanino".

Culto de mistério judaico-helenístico[editar | editar código-fonte]

De acordo com Doherty, o Cristo de Paulo compartilha semelhanças com os cultos de mistério greco-romanos.[46]

Os autores Timothy Freke e Peter Gandy explicam que Jesus era uma divindade,[89] semelhante às do culto de mistério, enquanto Dorothy Murdock argumenta que o mito de Cristo se baseia fortemente na história egípcia de Osíris e Hórus.[90] Segundo Robert Price, a história de Jesus retratada nos Evangelhos é semelhante ao arquétipo do herói mítico de Rank-Raglan. O arquétipo do herói mítico está presente em muitas culturas que frequentemente têm concepções miraculosas ou nascimentos virginais proclamados por homens sábios e marcados por uma estrela, são tentados ou combatem forças malignas, morrem numa colina, aparecem após a morte e ascendem ao céu.[91] De acordo com Carrier, o cristianismo primitivo era apenas um dos vários cultos de mistério que se desenvolveram a partir de influências helenísticas em cultos e religiões locais.

A maioria dos acadêmicos discorda dessa interpretação. Muitos acadêmicos bíblicos renomados respondem que a maioria desses paralelos são coincidências ou sem base histórica e/ou que esses paralelos não provam que uma figura de Jesus não existiu.[92] Em particular, as transformações enfrentadas pelas divindades têm diferenças distintas da ressurreição de Jesus. Osíris recupera a consciência como rei do submundo, em vez de ser "transformado em uma nova criação escatológica", como escreve Craig S. Keener:[93]

Enquanto Jesus nasce de uma mulher humana (tradicionalmente virgem) e acompanhado de pastores, [Mitra] nasce (não acompanhado por pastores) da deusa Aditi (para quem a palavra "virgem" é apenas raramente, frouxamente, e indiretamente aplicada num sentido altamente poético), ao passo que Mitra (concebido, é acompanhado por pastores mais tarde) emerge adulto de uma rocha.[94] O renascimento de muitas dessas divindades foi uma clara metáfora para a renovação da primavera que repetia a morte a cada ano, em vez de um acontecimento histórico destinado a proclamar o cancelamento da morte pelo deus em questão. Alguns desses paralelos aparecem após o cristianismo (por exemplo, as primeiras referências a Adônis ressurgindo dos mortos são do segundo século d.C., Átis um século mais tarde), e são frequentemente conhecidas apenas por fontes cristãs posteriores. A maioria dos outros e mais recentes paralelos foram feitos nos trabalhos de James George Frazer,[93] ou pode ser considerado mais um caso de paralelomania na teoria[95] e até deturpação de fontes religiosas (cristãs e não-cristãs) e linguísticas[93][96] (por exemplo, ignorando o falso cognato entre Cristo e Krishna).[96]


Os teólogos cristãos citaram o arquétipo do herói mítico enquanto afirmavam completamente um Jesus histórico.[97][98][lower-roman 5] Os acadêmicos seculares também apontaram que os ensinamentos de Jesus marcaram "um afastamento radical de todas as convenções pelas quais os heróis foram definidos".[99]

Defensores dos séculos XVIII e XIX[editar | editar código-fonte]

a sketch of a bust of Constantin-François Chassebœuf
Historiador francês Constantin-François Volney, um dos mais remotos defensores da teoria do mito de Cristo.

De acordo com Van Voorst, "o argumento de que Jesus nunca existiu, mas foi inventado pelo movimento cristão por volta do ano 100, remonta aos tempos do Iluminismo, quando o estudo histórico-crítico do passado nasceu", e pode ter-se originado com o Sr. Bolingbroke, um deísta inglês.[100]

De acordo com Weaver e Schneider, os primórdios da negação formal da existência de Jesus remontam à França do final do século XVIII com as obras de Constantin-François Chassebœuf e Charles-François Dupuis.[101][102] Volney e Dupuis argumentaram que o cristianismo era uma fusão de várias mitologias antigas e que Jesus era um personagem totalmente mítico.[101][103] Dupuis argumentou que os rituais antigos na Síria, Egito, Mesopotâmia, Pérsia e Índia influenciaram a história cristã, que passava a ser uma alegoria tal como as deidades solares, como o Sol Invicto.[104] Dupuis também disse que a ressurreição de Jesus era uma alegoria para o crescimento da força do sol no signo de Áries no equinócio da primavera.[104] Volney argumentou que Abraão e Sara eram derivados de Brahma e sua esposa Sarasvati, enquanto Cristo estava relacionado a Krishna.[105][106] Volney fez uso de uma versão de rascunho do trabalho de Dupuis e às vezes diferiu dele, por exemplo, ao argumentar que as histórias do evangelho não foram intencionalmente criadas, mas foram compiladas organicamente.[104] A perspectiva de Volney tornou-se associada às ideias da Revolução Francesa, que impediram a aceitação dessas visões na Inglaterra.[107] Apesar disso, o seu trabalho reuniu seguidores significativos entre os pensadores radicais britânicos e americanos durante o século XIX.[107]

portrait
Professor alemão Bruno Bauer

O alemão Bruno Bauer, que lecionou na Universidade de Bonn, levou os argumentos racionalistas de David Strauss e tornou-se o primeiro autor a argumentar sistematicamente que Jesus não existira.[108][109] Começando em 1841 com seu Criticism of the Gospel History of the Synoptics, Bauer argumentou que Jesus era principalmente uma figura literária, mas deixou em aberto a questão de saber se existia um Jesus histórico. Em seguida, em seu Criticism of the Pauline Epistles (1850–1852) e em A Critique of the Gospels and a History of their Origin (1850–1851), Bauer argumentou que Jesus não existira.[110] O trabalho de Bauer foi fortemente criticado na época, já que em 1839 ele foi removido de sua posição na Universidade de Bonn e seu trabalho não teve muito impacto nos futuros teóricos do mito de Cristo.[108][111]

Em seu livro de dois volumes, 867 páginas, Anacalypsis (1836), o cavalheiro inglês Godfrey Higgins disse que "o mito dos hindus, o mito dos judeus e os mitos dos gregos têm a mesma base, e são artifícios sob a aparência de histórias para perpetuar doutrinas".[112] e que os editores cristãos "ou de rogueria, ou loucura, corromperam todos eles".[113]

A partir da década de 1870, o poeta e escritor inglês Gerald Massey interessou-se por egiptologia e supostamente aprendeu por si mesmo os hieróglifos egípcios no Museu Britânico.[114] Em 1883, Massey publicou The Natural Genesis onde ele afirmou paralelos entre Jesus e o deus egípcio Hórus. Sua outra obra importante, Ancient Egypt: The Light of the World, foi publicada pouco antes de sua morte em 1907. Suas afirmações influenciaram vários escritores posteriores como Alvin Boyd Kuhn e Tom Harpur. Apesar das críticas de Stanley Porter e Ward Gasque, as teorias de Massey sobre etimologias egípcias para certas escrituras são apoiadas por notáveis ​​egiptólogos contemporâneos.[115]

Defensores do século XX[editar | editar código-fonte]

Durante o início do século XX, vários escritores publicaram argumentos contra a historicidade de Jesus, recorrendo frequentemente ao trabalho de teólogos liberais, que tendiam a negar qualquer valor às fontes de Jesus fora do Novo Testamento e limitavam sua atenção a Marcos e à hipotética fonte Q.[116] Eles também fizeram uso do crescente campo de história religiosa, que encontrou fontes para ideias cristãs em cultos de mistérios gregos e orientais, ao invés do judaísmo.[117] O trabalho do antropólogo social Sir James George Frazer influenciou vários teóricos do mito de Cristo, embora o próprio Frazer acreditasse que Jesus tivesse existido.[118] Em 1890, Frazer publicou a primeira edição de The Golden Bough, que tentou definir os elementos compartilhados da crença religiosa. Este trabalho se tornou a base de muitos autores posteriores que argumentaram que a história de Jesus era uma ficção criada pelos cristãos. Depois que várias pessoas afirmaram que ele era um teórico do mito de Cristo, na edição ampliada de 1913 de The Golden Bough, Frazer afirmou expressamente que sua teoria pressupunha um Jesus histórico.[119]

Em 1900, o deputado escocês John Mackinnon Robertson argumentou que Jesus nunca existiu, e que foi uma invenção de um culto messiânico do primeiro século.[120][121] Na visão de Robertson, grupos religiosos inventam novos deuses para atender às necessidades da sociedade da época.[120] Robertson afirmou que uma divindade solar simbolizada pelo cordeiro e pelo carneiro havia sido adorada por um culto israelita de Josué e que esse culto havia então inventado uma nova figura messiânica, Jesus de Nazaré.[120][122][123] Robertson argumentou que uma possível fonte para o mito cristão pode ter sido a história talmúdica do Jesus Pandera executado, que data de 100 a.C.[120][124]

O professor da escola inglesa George Robert Stowe Mead argumentou em 1903 que Jesus existira, mas que ele havia vivido em 100 a.C.[125][126] Mead baseou seu argumento no Talmude, que apontava para Jesus sendo crucificado c. 100 a.C. Na opinião de Mead, isso significaria que os evangelhos cristãos são míticos.[127]

Em 1909, o professor John Eleazer Remsburg publicou The Christ, que fez uma distinção entre um possível Jesus histórico (Jesus de Nazaré) e o Jesus dos Evangelhos (Jesus de Belém). Remsburg pensava que havia boas razões para acreditar que o Jesus histórico existia, mas que o "Cristo do Cristianismo" era uma criação mítica.[128] Remsburg compilou uma lista de 42 nomes de "escritores que viveram e escreveram durante o tempo, ou dentro de um século após o tempo" que Remsburg achou que deveria ter escrito sobre Jesus se a conta dos Evangelhos fosse razoavelmente precisa, mas quem não o fez.[129][130][131]

portrait
Professor alemão Arthur Drews

Também em 1909, o professor de filosofia Heinrich Arthur Drews escreveu O Mito de Cristo para argumentar que o cristianismo tinha sido um culto gnóstico judeu que se espalhou se apropriando de aspectos da filosofia e da vida grega, e divindades de morte e renascimento.[132] Em seus livros posteriores The Witnesses to the Historicity of Jesus (1912) e The Denial of the Historicity of Jesus in Past and Present (1926), Drews revisou a erudição bíblica de seu tempo bem como o trabalho de outros teóricos do mito de Cristo, tentando mostrar que tudo o que foi relatado sobre o Jesus histórico tinha um caráter mítico.[133] Drews recebeu críticas de Nikolai Berdyaev, que afirmou que Drews era um anti-semita que argumentava contra a existência histórica de Jesus em prol do arianismo.[134] Drews participou de uma série de debates públicos com teólogos e historiadores que se opuseram a seus argumentos.[135][136]

O trabalho de Drews encontrou solo fértil na União Soviética, onde o ateísmo marxista-leninista era a doutrina oficial do Estado. O líder soviético Lenin argumentou que, na luta contra os obscurantistas religiosos, era necessário formar uma união com pessoas como Drews.[137] Diversas edições de The Christ Myth, de Drews, foram publicadas na União Soviética a partir do início da década de 1920. Seus argumentos acabaram sendo incluídos nos livros escolares e universitários.[138] Reuniões públicas perguntando "Cristo existiu?" foram organizados, durante as quais os membros do partido debateram com os clérigos.[139]

O fundador da Igreja da Cientologia, L. Ron Hubbard, estava convencido de que Jesus nunca existira, afirmando que o cristianismo evoluiu do "Implante R6": "O homem na cruz. Não havia Cristo! A Igreja Católica Romana, observando as dramatizações de pessoas pegaram alguns pequenos fragmentos de R6".[140]

Defensores modernos[editar | editar código-fonte]

O filósofo francês Paul-Louis Couchoud publicou nas décadas de 1920 e 1930 The historical Jesus in the twentieth century, 1900–1950, foi um antecessor dos defensores contemporâneos da teoria. De acordo com Couchoud, o cristianismo não começou com uma biografia de Jesus, mas de "uma experiência mística coletiva, sustentando uma história divina misticamente revelada". Chouchoud afirmava que Jesus não era um mito, mas uma "concepção religiosa".[141]

George Albert Wells (1926–2017), professor de alemão, reavivou o interesse pela teoria do mito de Cristo. Em seus primeiros trabalhos,[142] incluindo Did Jesus Exist? Wells argumentou que, como os Evangelhos foram escritos décadas após a morte de Jesus por cristãos motivados teologicamente, mas que não tinham conhecimento pessoal dele, uma pessoa racional deveria acreditar nos evangelhos somente se eles fossem confirmados independentemente.[143] Mais tarde, Wells concluiu que a figura histórica de Jesus existira e era um pregador galileu, cujos ensinamentos foram preservados no documento Q, uma hipotética fonte comum para os evangelhos de Mateus e Lucas. O erudito bíblico Robert E. Van Voorst disse que com esse argumento Wells causou uma reviravolta entre os teóricos.[Nota 10]

Em seu livro de 2009, Cutting Jesus Down to Size, Wells esclareceu que acreditava que os Evangelhos representam a fusão de duas correntes originalmente independentes: uma da tradição da pregação do Galileu e outra da personagem sobrenatural das primeiras epístolas de Paulo, mas ele diz que ambas as figuras devem muito de sua substância às ideias da literatura sapiencial judaica.

Em 2000, Van Voorst apresentou uma visão geral dos defensores da "Hipótese da Não-Existência", seus argumentos, sete argumentos contra essa hipótese, conforme apresentados por Wells e seus predecessores:[144][145]

  1. O "argumento do silêncio" deve ser rejeitado, porque "é errado supor que o que não é mencionado ou não detalhado não exista". Van Voorst argumenta ainda que a literatura cristã primitiva não foi escrita para fins históricos.[145]
  2. Datar a "invenção" de Jesus por volta de 100 d.C. é demasiado tarde; Marcos foi escrito anteriormente e contém detalhes históricos abundantes que estão corretos.[145]
  3. O argumento de que o desenvolvimento das tradições do Evangelho mostraria que não havia Jesus histórico é incorreto; "o desenvolvimento não prova indiscriminadamente uma invenção, e as dificuldades na interpretação não provam uma invenção."[145]
  4. Os argumentos não podem explicar por que "nenhum pagão e judeu que se opusesse ao cristianismo negou a historicidade de Jesus ou mesmo a questionou". A rejeição de Tácito e Josefo ignora o consenso acadêmico.[145]
  5. Os defensores da "Hipótese da Não-Existência" não são movidos por interesses acadêmicos, mas por sentimentos anticristãos.[145]
  6. Wells e outros não oferecem alternativas a "outras hipóteses confiáveis" para as origens do cristianismo.[145]
  7. Ele mesmo aceitou a existência de um Jesus histórico mínimo, refutando, assim, efetivamente, a "Hipótese de Não-Existência".[145]

De acordo com Graham Stanton, escrevendo em 2002, Wells apresentou a versão mais sofisticada da teoria do mito de Cristo, observando que "[sua] teoria intrigante repousa sobre vários pilares, cada um dos quais é instável".[15] De acordo com Maurice Casey, o trabalho de Wells repetiu os principais pontos da Religionsgeschichtliche Schule, que são considerados ultrapassados ​​pelos acadêmicos tradicionais. Suas obras não foram discutidas pelos estudiosos do Novo Testamento, porque "não eram consideradas originais, e todos os seus pontos principais foram refutados há muito tempo, por razões que eram muito bem conhecidas".[146]

Robert Price at a microphone
Estudioso americano do Novo Testamento Robert M. Price

O estudioso americano do Novo Testamento e ex-pastor batista Robert M. Price (nascido em 1954) era parceiro do Jesus Seminar, um grupo de escritores e estudiosos que estudam a historicidade de Jesus e que argumentam que a imagem que o cristianismo dá a Cristo é uma construção teológica na qual traços de Jesus de Nazaré foram tecidos.[147]

Price questionou a historicidade de Jesus em uma série de livros, incluindo Deconstructing Jesus (2000), The Incredible Shrinking Son of Man (2003), Jesus Is Dead (2007) e The Christ-Myth Theory and Its Problems (2011), bem como nas contribuições para The Historical Jesus: Five Views (2009), em que ele reconhece que está contra a visão da maioria dos estudiosos, mas adverte contra a tentativa de resolver o problema, apelando para a maioria.[148] Price observa que "o consenso não é um critério" para a historicidade de Jesus.

Em Deconstructing Jesus, Price aponta que "o Jesus Cristo do Novo Testamento é uma figura composta", dos quais uma ampla variedade de Jesuses históricos podem ser reconstruídos, qualquer um dos quais pode ter sido o verdadeiro Jesus.[149] Segundo Price, várias imagens de Jesus fluíram juntas na origem do cristianismo, algumas delas possivelmente baseadas na teoria, outras possivelmente baseadas em "um Jesus histórico Nazareno".[43] Price admite incerteza a esse respeito, escrevendo em sua conclusão: "Pode ter havido uma figura real ali, mas simplesmente não há mais como ter certeza".[150]

De acordo com Price, os relatos de Jesus são derivados de escritos judaicos, que mostram influências gregas e semelhanças com as deidades salvadoras pagãs. O cristianismo seria, então, uma síntese historicizada de mitologias principalmente egípcias, judaicas e gregas.[151]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Segundo Derek Murphy, os documentários The God Who Wasn't There (2005) e Zeitgeist, o Filme (2007) levantou interesse pela teoria do mito de Cristo com um público maior e deu ao tópico uma grande cobertura na Internet.[152] Daniel Gullotta observa a relação entre a organização "Atheists United" e o trabalho de Carrier relacionado à teoria, que aumentou "a atenção do público".

Supostas semelhanças entre as divindades pagãs com Jesus[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Jesus na mitologia comparada

Segundo os defensores dessa teoria, é possível notar algumas semelhanças míticas na história de Jesus com outras histórias de outras mitologias.[153][154][155] Abaixo estão as mais fortes e questionáveis similaridades de alguns aspectos da vida e história de Jesus Cristo com outras deidades, segundo os teóricos do Mito de Cristo.

Evento Teoria do Mito de Cristo Visão acadêmica (mainstream) Ref.(s) Notas
Átis (Frígia/Roma)[156][157]
Nascimento virginal Há paralelos entre o nascimento virginal de Cristo e o nascimento de Átis Não há fontes que comprovem o nascimento virginal de Átis. [93][158] Átis é concebido de uma semente de amêndoa, a qual cai da amendoeira após Zeus derramar seu sêmen sobre ela. Outros relatos dizem que Átis foi concebido por uma fruta produzida pelo sangue de sua mãe.
Crucificação Alguns defensores da teoria do Mito de Cristo cogitam que existem semelhanças entre a morte de Átis e a de Cristo Paralelomania. [93][158] Átis se castrou debaixo de um pinheiro. O seu sangue correu pelo chão através de seu órgão ferido, fazendo nascer um trecho de violetas.
Ressurreição dos mortos Existem paralelos entre a ressurreição dos mortos de Jesus com o renascimento de Átis Não existem fontes históricas que sustentam essa afirmação. [93][158] Considerada paralelomania. As interpretações são posteriores.
Remissão dos pecados Alguns defensores consideram que Átis foi morto para salvar a humanidade assim como Cristo [93][158]
Adônis (Grécia Antiga)
Ascensão Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Adônis e Cristo quanto à Ascensão As fontes relatam a ascensão de Adônis enquanto vivo. [93][158]
Baal (Mesopotâmia)
Filho de Deus Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Baal e Cristo quanto ao epíteto "Filho de Deus" Baal era filho de El (nome de um deus adorado na mesopotâmia) ou ainda de Dagon. [93][158]
Ressurreição dos mortos Existem paralelos entre a ressurreição dos mortos de Jesus com uma suposta ressurreição de Baal Existem muitas lacunas na narrativa original de Baal, possibilitando interpretações errôneas. [93][158]
Descida ao Mundo dos Mortos Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Baal e Cristo quanto à Descida ao Mundos dos Mortos Paralelomania. [93][158] Baal desce ao submundo.
Baco/Dioniso (Roma/Grécia)[159][160]
Filho de Deus Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Dioniso e Cristo quanto ao epíteto "Filho de Deus" Paralelomania. [93][158] Dioniso era (mais) um dos filhos de Zeus. Não era clamado como "o Filho de Deus".
Salvador Alguns teóricos defendem que o epíteto "Salvador" dado a Jesus já era utilizado nas mitologias greco-romana à Baco/Dioniso [93][158][161]
Realização de milagres Defensores da Teoria do Mito de Cristo afirmam que existe um paralelo entre os milagres realizados por Jesus e os milagres realizados por Dioniso [93][158]
Ressurreição dos mortos Existem paralelos entre a ressurreição dos mortos de Jesus com uma suposta ressurreição de Dioniso O relato diz que Dioniso foi "restaurado para a vida em seu coração". Paralelomania. [93][158]
Descida ao Mundo dos Mortos Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Dioniso e Cristo quanto à Descida ao Mundos dos Mortos Paralelomania. [93][158] Dioniso desce ao submundo.
Hermes (Grécia Antiga)[162]
Filho de Deus Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Hermes e Cristo quanto ao epíteto "Filho de Deus" Paralelomania. [93][158] Hermes era (mais) um dos filhos de Zeus. Não era clamado como "o Filho de Deus".
Realização de milagres Defensores da Teoria do Mito de Cristo afirmam que existe um paralelo entre os milagres realizados por Jesus e os milagres realizados por Hermes [93][158] Hermes criou a lira quando criança.
Descida ao Mundo dos Mortos Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Hermes e Cristo quanto à Descida ao Mundos dos Mortos [93][158] Hermes guia as almas para o submundo.
Hórus (Antigo Egito)
Filho de Deus Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Hórus e Cristo quanto ao epíteto "Filho de Deus" Hórus era filho de Osíris, depois filho de Rê. [93][158]
Realização de milagres Defensores da Teoria do Mito de Cristo afirmam que existe um paralelo entre os milagres realizados por Jesus e os milagres realizados por Hórus Quando criança, Hórus curava e praticava magia. [93][158]
Krishna (Civilização Védica/Hindu)
Nascimento virginal Há paralelos entre o nascimento virginal de Cristo e o nascimento de Krishna Krishna foi o oitavo filho de Devaki, que o concebeu virgem. [93][158]
Realização de milagres Defensores da Teoria do Mito de Cristo afirmam que existe um paralelo entre os milagres realizados por Jesus e os milagres realizados por Krishna Quando criança, Krishna curava e praticava magia, no Mahabharata. [93][158]
Ressurreição dos mortos Existem paralelos entre a ressurreição dos mortos de Jesus com a ressurreição de Krishna Krishna ressuscitou dos mortos no épico Mahabharata. Paralelomania. [93][158]
Ascensão Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Krishna e Cristo quanto à Ascensão A ascensão de Krishna ocorre no mesmo dia, não no terceiro. Paralelomania. [93][158]
Mitra (Pérsia)[163][164]
Salvador Alguns teóricos defendem que o epíteto "Salvador" dado a Jesus já era utilizado na mitologia persa em referência ao deus Mitra Paralelomania. [93][158][161] Mitra era considerado uma "deidade de luz e salvação"
Refeição de Pão e Vinho Mitólogos que defendem a teoria afirmam que existe um paralelo entre a refeição do pão e vinho de Jesus e os Apóstolos e a refeição comunitária de Mitra [93][158] A refeição, porém, não era considerada "carne e sangue de Deus"
Ascensão Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Mitra e Cristo quanto à Ascensão Mitra ascende ao céu na "carruagem do sol". Paralelomania. [93][158]
Osíris (Egito Antigo)[165][166]
Filho de Deus Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Osíris e Cristo quanto ao epíteto "Filho de Deus" Paralelomania. [93][158] Osíris era filho de Geb, mas não há certeza de que Geb fosse uma divindade.
Ressurreição dos mortos Existem paralelos entre a ressurreição dos mortos de Jesus com a revivificação de Osíris [93][158] Depende de interpretação dos hieróglifos.
Descida ao Mundo dos Mortos Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Osíris e Cristo quanto à Descida ao Mundos dos Mortos [93][158] Osíris desce para o submundo.
Juiz Divino Os defensores da teoria afirmam que existe um paralelo entre o epíteto "Juiz Divino" entre Jesus e Osíris [93][158] Osíris preside o julgamento da alma.
Tamuz (Suméria)
Ressurreição dos mortos Existem paralelos entre a ressurreição dos mortos de Jesus com a suposta ressurreição de Tamuz Não há consenso entre os estudiosos se Tamuz de fato ressuscitou dos mortos nas fontes originais. [93][158] Depende de interpretação das fontes originais.
Descida ao Mundo dos Mortos Alguns teóricos defendem que existe um paralelo entre Tamuz e Cristo quanto à Descida ao Mundos dos Mortos Paralelomania. [93][158] Tamuz desce para o submundo.

Recepção no meio acadêmico[editar | editar código-fonte]

No meio acadêmico moderno, a teoria do mito de Cristo é uma teoria marginal e não encontra virtualmente nenhum apoio dos estudiosos.[11][167][12][13]

Carência de apoio[editar | editar código-fonte]

De acordo com o erudito do Novo Testamento, Bart D. Ehrman, a maioria das pessoas que estuda o período histórico de Jesus acredita que ele existiu, não apoiando à teoria do mito de Cristo.[168]

Maurice Casey, teólogo e erudito do Novo Testamento e do cristianismo primitivo, afirmou que a crença entre os acadêmicos de que Jesus existiu é completamente certa. De acordo com Casey, a visão de que Jesus não existira é "a visão dos extremistas", "comprovadamente falsa" e "os estudiosos profissionais geralmente a consideram como tendo [a exisência de Cristo] se estabelecido em estudos sérios há muito tempo".[169]

Em seu livro de 1977, Jesus: An Historian's Review of the Gospels, o historiador clássico e autor popular Michael Grant concluiu que "os métodos modernos de crítica fracassam em apoiar a teoria do mito de Cristo".[170] Em apoio a isso, Grant citou a opinião de Roderic Dunkerley de 1957 de que a teoria do mito de Cristo "foi repetidamente respondida e aniquilada por estudiosos de primeira linha".[171] Ao mesmo tempo, ele também citou a opinião de Otto Betz, de 1968, de que "nenhum estudioso sério ousou postular a não-historicidade de Jesus — ou, pelo menos, pouquíssimos, e eles não conseguiram se livrar das mais fortes, de fato muito abundantes, evidências contraditórias".[172] No mesmo livro, ele também escreveu:

Se aplicarmos ao Novo Testamento, como deveríamos, o mesmo tipo de critério que devemos aplicar a outros escritos antigos que contenham material histórico, não podemos mais rejeitar a existência de Jesus como podemos rejeitar a existência de uma gama de personagens pagãos como figuras históricas que nunca é realmente questionada.[173]


Graeme Clarke, professor emérito de História Clássica e Arqueologia na Australian National University[174] declarou: "Francamente, eu não conheço nenhum historiador antigo ou historiador bíblico que teria uma pontada de dúvida sobre a existência de Jesus Cristo — a evidência documental é simplesmente esmagadora".[175]

R. Joseph Hoffmann, que havia criado o Jesus Project, que incluía tanto mitólogos e historiadores para investigar a historicidade de Jesus, escreveu que um adepto da teoria do mito de Cristo pediu para criar uma seção separada do projeto para aqueles comprometidos com a teoria. Hoffmann achava que estar comprometido com a teoria assinalava uma falta de ceticismo necessário e observou que a maioria dos membros do projeto não chegava à conclusão mítica sobre a existência de Cristo.[176]

Questionamentos sobre a competência dos defensores do Mito de Cristo[editar | editar código-fonte]

Críticos da teoria do mito de Cristo questionam a competência de seus defensores Segundo Ehrman:

Poucos desses mitólogos são na verdade eruditos treinados em história antiga, religião, estudos bíblicos ou qualquer campo cognato, muito menos nas antigas línguas geralmente consideradas importantes para aqueles que querem dizer algo com qualquer grau de autoridade sobre um professor judeu que (alegadamente) viveu na Palestina do primeiro século.[177]


Em resposta, Thompson questionou a natureza polêmica dessa qualificação, apontando para sua própria posição acadêmica e experiência. Thompson declarou: "[Ehrman] atribuiu ao meu livro argumentos e princípios que eu nunca tinha apresentado, certamente não que Jesus nunca tivesse existido". Thompson questiona as qualificações de Ehrman em relação aos escritos e pesquisas do Antigo Testamento, bem como sua competência para reconhecer os problemas envolvidos na "narrativa reiterada" e "a historicidade de uma figura literária", afirmando que Ehrman "entendeu mal" [...] a própria questão da historicidade da figura do Novo Testamento de Jesus".[45]

Maurice Casey criticou os mitólogos defensores da teoria, apontando total ignorância da parte deles de como os estudos críticos modernos realmente funcionam. Ele também critica os defensores por sua frequente suposição de que todos os estudiosos modernos da religião são fundamentalistas protestantes da variedade americana, insistindo que essa suposição não é apenas totalmente imprecisa, mas também exemplar das concepções errôneas dos mitólogos sobre as ideias e atitudes dos estudiosos convencionais.[178]

Oposição[editar | editar código-fonte]

Poucos acadêmicos se incomodaram em criticar as teorias do mito de Cristo. Robert Van Voorst escreveu:

Os estudiosos contemporâneos do Novo Testamento tipicamente viam os argumentos (do mito de Cristo) como tão fracos ou bizarros que os relegam a notas de rodapé, ou frequentemente os ignoram completamente [...] A teoria da inexistência de Jesus está agora efetivamente morta como questão acadêmica".[179]


Paul L. Maier, ex-professor de História Antiga na Western Michigan University e atual professor emérito do Departamento de História, declarou: "Qualquer um que use o argumento de que Jesus nunca existiu está simplesmente ostentando sua ignorância".[180] Entre os estudiosos notáveis ​​que abordaram diretamente o mito de Cristo estão Bart Ehrman, Maurice Casey e Philip Jenkins.

Documentários[editar | editar código-fonte]

Desde 2005, vários documentários em inglês focalizaram — pelo menos em parte — a teoria do mito de Cristo:

Referências

  1. Lataster (2015a)
  2. Gullotta (2017), p. 310.
  3. Ehrman 2012, pp. 12–13.
  4. Price 2011, pp. 17, 421.
  5. Wells 2007, p. 446.
  6. Van Voorst 2000, p. 6.
  7. Farmer 1975, p. 43
  8. Price, Robert M. "Of Myth and Men", Free Inquiry magazine, Volume 20, Number 1, accessed August 2, 2010.
  9. Lataster (2016)
  10. Stanton, Graham. The Gospels and Jesus. Oxford University Press, 2002, p. 145 (first published 1989).
    • Wells, G. A. "Jesus, Historicity of" Tom Flynn (ed.) The New Encyclopedia of Disbelief. Prometheus, 2007, p. 446.
    • For a summary of the mainstream position, see Eddy, Paul R. and Boyd, Gregory A. The Jesus Legend: A Case for the Historical Reliability of the Synoptic Jesus Tradition. Baker Academic, 2007, pp. 24–27.
    • Veja também Dickson, March 21, 2008.
  11. a b Van Voorst (2003), pp. 658, 660.
  12. a b Burridge & Gould (2004), p. 34.
  13. a b Ehrman, Bart D. (25 de abril de 2012). «Fuller Reply to Richard Carrier». The Bart Ehrman Blog. Consultado em 2 de maio de 2018. 
  14. a b c Ehrman (2012)
  15. a b c d Stanton (2002), pp. 143ff.
  16. "The radical solution was to deny the possibility of reliable knowledge of Jesus, and out of this developed the Christ myth theory, according to which Jesus never existed as a historical figure and the Christ of the Gospels was a social creation of a messianic community." Farmer 1975, p. 43
  17. a b Mack (1995)
  18. Ehrman (2003)
  19. a b Ehrman (2014)
  20. Powell (2013), p. 168.
  21. Alanna Nobbs and Edwin Judge ap. Dickson, John (24 de dezembro de 2012). «Best of 2012: The irreligious assault on the historicity of Jesus». ABC Religion and Ethics (em inglês). Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 2 de maio de 2018. 
  22. a b Ehrman (1999), p. 248.
  23. a b Ehrman (2011), p. 285.
  24. Theissen & Winter (2002), p. 5.
  25. Cross & Livingstone (2005)
  26. Lataster, Raphael (18 de dezembro de 2014). «Did historical Jesus really exist? The evidence just doesn't add up.». The Washington Post. WP Company LLC. Consultado em 2 de maio de 2018. 
  27. Stout (2011)
  28. Price (1999)
  29. Thompson & Verenna (2012)
  30. Carrier (2014) pp.614–616
  31. Lataster (2014), §. Raphael Lataster’s Jesus Agnosticism.
  32. Price (200)17
  33. Eddy & Boyd (2007)365
  34. Ehrman (2012), p. 4
  35. Dykstra, Tom (2015).
  36. Davies, Philip (August 2012). "Did Jesus Exist?"
  37. Van Voorst (2000), p. 9
  38. Van Voorst (2000), p. 9
  39. Evans, Craig A. (2008). Fabricating Jesus: How Modern Scholars Distort the Gospels. InterVarsity Press. p. 25. ISBN 978-0-8308-3355-9.
  40. Doherty (1995a)
  41. Doherty (1995b).
  42. Doherty (1995c)
  43. a b Price (2000), p. 86.
  44. Wells (1999), pp. 94–111, §. Conclusion: The Origins and Development of Christology
  45. a b Thompson (2012).
  46. a b Doherty (1995d)
  47. Doherty (1995e)
  48. Doherty (1995f)
  49. a b c d e f g Doherty (1995g)
  50. Tuckett (2001)
  51. Detering, Hermann (1996). «The Dutch Radical Approach to the Pauline Epistles». Journal of Higher Criticism. 3 2 ed. 163–193. Consultado em September 2, 2016.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  52. Price, Richard M. (2012). The Amazing Colossal Apostle. Salt Lake City: Signature Books. viii. ISBN 978-1-56085-216-2 
  53. Price, Robert M. (2012). «Does the Christ Myth Theory Require an Early Date for the Pauline Epistles?». In: Thomas L. Thompson; Thomas S. Verenna. "Is this Not the Carpenter?": The Question of the Historicity of the Figure of Jesus. [S.l.]: Equinox. 95ff. ISBN 978-1-84553-986-3 
  54. Price, Robert M. (2011). «Does the Christ Myth Theory Require an Early Date for the Pauline Epistles?». The Christ-Myth Theory and Its Problems. [S.l.]: American Atheist Press. 353ff. ISBN 978-1-57884-017-5 
  55. a b Reddish (2011), pp. 73–74, 144.
  56. Carrier, Richard. «The Formation of the New Testament Canon». Academia. Consultado em 24 de setembro de 2016. 
  57. The Cambridge Companion to Jesus by Markus N. A. Bockmuehl 2001 ISBN 0521796784 pp. 121–125
  58. Bruce David Chilton; Craig Alan Evans (1998). Studying the Historical Jesus: Evaluations of the State of Current Research. [S.l.]: Brill. 460–470. ISBN 90-04-11142-5 
  59. Jesus and the Gospels: An Introduction and Survey by Craig L. Blomberg 2009 ISBN 0-8054-4482-3 pp. 431–436
  60. Van Voorst (2000) pp. 39–53
  61. Crossan (1995), p. 145.
  62. História dos Judeus, Livro XVIII, Capítulo 3, p. 18
  63. História dos Judeus, Livro XX, Capítulo 9, p. 20
  64. Schreckenberg, Heinz; Kurt Schubert (1992). Jewish Traditions in Early Christian Literature. [S.l.: s.n.] ISBN 90-232-2653-4 
  65. Kostenberger, Andreas J.; L. Scott Kellum; Charles L. Quarles (2009). The Cradle, the Cross, and the Crown: An Introduction to the New Testament. [S.l.: s.n.] ISBN 0-8054-4365-7 
  66. Kenneth A. Olson, Eusebius and the Testimonium Flavianum. The Catholic Biblical Quarterly 61 (2): 305, 1999
  67. Eddy, Paul Rhodes; Boyd, Gregory A. (2007). The Jesus Legend: A Case for the Historical Reliability of the Synoptic Jesus Tradition. [S.l.]: Baker Academic. 197 n. 103). ISBN 978-0-8010-3114-4 
  68. História dos Judeus, Livro XVIII, Capítulo 3
  69. História dos Judeus, Livro XVIII, Capítulo 1, p. 18
  70. Maier (2007), pp. 336-337.
  71. Louth (1990).
  72. McGiffert (2007).
  73. Olson (1999).
  74. Wallace-Hadrill (2011).
  75. Anais de Tácito, Livro 15, capítulo 44.
  76. P.E. Easterling, E. J. Kenney (general editors), The Cambridge History of Latin Literature, p. 892 (Cambridge University Press, 1982, reprinted 1996). ISBN 0-521-21043-7
  77. Translation from Latin, por Alfred John Church e W. J. Brodribb, 1876
  78. a b Robert E. Van Voorst, Jesus Outside the New Testament: An Introduction to the Ancient Evidence, Wm. B. Eerdmans, 2000. pp. 39–53
  79. Eddy, Paul; Boyd, Gregory (2007). The Jesus Legend: A Case for the Historical Reliability of the Synoptic Jesus Tradition Baker Academic, ISBN 0-8010-3114-1 p. 127
  80. F.F. Bruce,Jesus and Christian Origins Outside the New Testament, (Grand Rapids: Eerdmans, 1974) p. 23
  81. The Historical Jesus in the Twentieth Century: 1900–1950, By Walter P. Weaver, pp. 53, 57
  82. Secret of Regeneration, por Hilton Hotema, p. 100
  83. Jesus, University Books, New York, 1956, p. 13
  84. France, R. T. (1986). Evidence for Jesus (Jesus Library). [S.l.]: Trafalgar Square Publishing. 19–20. ISBN 0-340-38172-8 
  85. Theissen & Merz (1998), p. 83.
  86. Martin, Michael (1993). The Case Against Christianity. [S.l.: s.n.] 50–51. ISBN 9781566390811 
  87. Robert E. Van Voorst (2000). Jesus Outside the New Testament: An Introduction to the Ancient Evidence. Grand Rapids, MI: Eerdmans. 217. ISBN 0-8028-4368-9 
  88. Carrier (2014), pp. 200–205
  89. Freke & Gandy (1999).
  90. a b Price, Robert M. (2009). «Book review of D.M. Murdock (Acharya S.), Christ in Egypt: The Horus-Jesus Connection. Stellar House Publishing.». r m p Reviews. Consultado em 4 de agosto de 2010. 
  91. Price (2011), p. 425.
  92. Ehrman (2012), p. 208.
  93. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah The Historical Jesus of the Gospels, by Craig S. Keener, Wm. B. Eerdmans Publishing, 2012. p. 336
  94. Casey (2014), p. 155.
  95. Jesus and His Contemporaries: Comparative Studies, por Craig A. Evans, Brill, 2001. p. 48
  96. a b Casey (2014), p. 206.
  97. a b What Is Christianity?: An Introduction to the Christian Religion, by Gail Ramshaw, Fortress Press, 2013. pp. 52–54
  98. a b God and Caesar: Troeltsch's Social Teaching as Legitimation, by Constance L. Benson, Transaction Publishers. p. 55
  99. The Heroic Ideal: Western Archetypes from the Greeks to the Present, by M. Gregory Kendrick, McFarland, 2010. p. 43
  100. Van Voorst (2000), p. 568.
  101. a b Weaver (1999), pp. 45–50.
  102. Schweitzer (2001), pp. 355ff.
  103. Voorst (2000), p. 8.
  104. a b c Wells (1969).
  105. British Romantic Writers and the East by Nigel Leask (2004) ISBN 0521604443 Cambridge Univ Press pp. 104–105
  106. Stuart, Tristram (2007). The Bloodless Revolution. [S.l.]: W. W. Norton. 591. ISBN 978-0-3930-5220-6. Consultado em 20 de setembro de 2018. 
  107. a b Stephen Prickett in the Companion Encyclopedia of Theology edited by Peter Byrne, Leslie Houlden (1995) ISBN 0415064473 pp. 154–155
  108. a b Robert E. Van Voorst Jesus Outside the New Testament: An Introduction to the Ancient Evidence Eerdmans Publishing, 2000. ISBN 0-8028-4368-9 pp. 7–11
  109. Beilby, James K. and Eddy, Paul Rhodes. "The Quest for the Historical Jesus", in James K. Beilby and Paul Rhodes Eddy (eds.). The Historical Jesus: Five Views. Intervarsity, 2009, p. 16.
  110. Schweitzer (2001), pp. 124–128, 139–141.
  111. Bennett (2001), p. 204.
  112. Harpur (2004), p. 30.
  113. Harpur (2004), p. 59.
  114. Harpur (2004).
  115. «Biography - Tom Harpur - The Official Website». 13 de maio de 2008. Cópia arquivada em 13 de maio de 2008 
  116. Schweitzer (2001), pp. 356–361, 527 n. 4.
  117. Arvidsson, Stefan. Aryan Idols: Indo-European Mythology as Ideology and Science. University of Chicago Press, 2006, pp. 116–117.
  118. Bennett (2001), p. 205.
  119. Price (2000), p. 207.
  120. a b c d Van Voorst, Robert E (2000). Jesus Outside the New Testament: An Introduction to the Ancient Evidence. Eerdmans Publishing. ISBN 0-8028-4368-9 pp. 11–12
  121. Wells (1987), pp. 162–163.
  122. Christianity And Mythology by John M. Robertson London: Watts 1900 ISBN 0766187683 (reprinted by Kessinger 2004) p. 34
  123. A Short History of Christianity by John M. Robertson 1902 London: Watts ISBN 0766189090 (reprinted by Kessinger 2004) p. 72
  124. Robertson, J. M. A Short History of Christianity. Watts, 1902, pp. 6–12, 14–15.
  125. G. R. S. Mead and the Gnostic Quest by Clare Goodrick-Clarke (2005) ISBN 155643572X pp. 1–3
  126. Price (2009), pp. 80–81.
  127. Did Jesus Live 100 B.C.? by G. R. S. Mead (1903) ISBN 1596053763 (Cosimo Classics 2005) pp. 10–12
  128. The Christ by John Remsburg 1909, Chapter 1: "Christ's Real Existence Impossible"
  129. The Christ Myth by John Remsburg 1909, Chapter 2: "Silence of Contemporary Writers"
  130. Paulkovich, Michael (2014). «The Fable of the Christ». Free Inquiry. 34 5 ed. 56 
  131. Paulkovich, Michael (2016). Beyond the Crusades. [S.l.]: American Atheist Press. 267–2805. ISBN 978-1-5788-4037-3 
  132. O livro de Drews foi revisado por A. Kampmeier em The Monist, volume 21, n. 3 (julho de 1911), pp. 412–432. [1]
  133. Weaver, Walter P. The historical Jesus in the twentieth century, 1900–1950. Continuum International Publishing Group, 1999, pp. 50, 300.
    • Ver também Wood, Herbert George: Christianity and the Nature of History. Cambridge University Press, 1934, p. xxxii.
    • Arthur Drews: Die Christusmythe. Eugen Diederichs, 1910, published in English as The Christ Myth, Prometheus, 1910, p. 410.
  134. Nikolai Berdyaev: "The Scientific Discipline of Religion and Christian Apologetics", Put' / Путь, vol. 6, 1927.
  135. Brian A. Gerrish: "Jesus, Myth, and History: Troeltsch's Stand in the 'Christ-Myth' Debate", The Journal of Religion, vol. 55, issue 1, 1975, pp. 3–4.
  136. "Jesus never lived, asserts Prof. Drews", The New York Times, February 6, 1910.
  137. James Thrower: Marxist-Leninist "Scientific Atheism" and the Study of Religion and Atheism. Walter de Gruyter, 1983, p. 426.
  138. Nikiforov, Vladimir. "Russian Christianity", in Leslie Houlden (ed.) Jesus in History, Thought, and Culture: An Encyclopedia. ABC-CLIO, 2003, p. 749.
  139. Peris, Daniel. Storming the Heavens. Cornell University Press, 1998, p. 178.
  140. Corydon, Bent; Brian Ambry (1992). L. Ron Hubbard: Messiah or Madman?. [S.l.]: Barricade Books. 353. ISBN 0-942637-57-7 
  141. Hibbert Journal 37 (1938–9), pp. 193–214
  142. Wells 1971, Wells 1975, Wells 1982
  143. Martin, Michael (1993). The Case Against Christianity. [S.l.]: Temple University Press. 38. ISBN 978-1-56639-081-1 
  144. Van Voorst (2000), p. 14-15.
  145. a b c d e f g h Van Voorst|2003|p=659-660
  146. Casey (2014).
  147. Van Biema, David; Ostling, Richard N.; and Towle, Lisa H. "The Gospel Truth?". Time magazine. April 8, 1996.
  148. Price (2009), pp. 61ff.
  149. Price (2000), pp. 15–16.
  150. Price (2000), p. 261.
  151. Price (2009), pp. 55ff[Nota 11][90]
  152. Murphy (2011), p. 65.
  153. The Hero with a Thousand Faces, por Joseph Campbell (Princeton Univ Press, 1972, orig. 1949)
  154. Citação:
  155. Citação: localLondon, England
  156. Attis: Between Myth and History, por Maria Grazia Lancellotti (Brill, 2002)
  157. Cybele and Attis: The Myth and the Cult, por Maarten J. Vermaseren (Thames and Hudson, 1977)
  158. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae «Jesus Evidence Crucified Saviors». Consultado em 21 de setembro de 2018. 
  159. Dionysos, por Richard Seaford (Routledge, 2006)
  160. Dionysos: Archetypal Image of Indestrucible Life, porC. Kerenyi (Princeton Univ Press, 1976)
  161. a b http://www.tektonics.org/copycathub.html
  162. Hermes: Guide of Souls, por Karl Kerenyi (Spring Publications, 1986, 1996)
  163. The Religion of the Mithras Cult in the Roman Empire, por Roger Beck (Oxford Univ Press, 2006)
  164. The "Mithras Liturgy", por Marvin W. Meyer (Scholars Press for SBL, 1976)
  165. Osiris: Death and Afterlife of a God, por Bojana Mojsov (Oxford Blackwell, 2005)
  166. Handbook of Egyptian Mythology, por Geraldine Pinch (ABC-CLIO, 2002)
  167. Fox (2005), p. 48.
  168. Ehrman (2012), p. 2.
  169. Casey, Maurice, Jesus of Nazareth: An Independent Historian's Account of His Life and Teaching (T&T Clark, 2010), pp. 33, 104, 499.
  170. Michael Grant (1977), Jesus: An Historian's Review of the Gospels. Charles Scribner's Sons, p. 200.
  171. Dunkerley, Roderic, Beyond the Gospels (Penguin Books, 1957) p. 12.
  172. Betz, Otto, What Do We Know About Jesus? (SCM-Canterbury Press, 1968) p. 9.
  173. Grant19 (1995).
  174. «The Academy Fellows». Australian Academy of the Humanities. Consultado em 11 June 2014.. Arquivado do original em 27 de maio de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  175. Dickson, John (21 de março de 2008). «Facts and friction of Easter». Brisbane Times. Consultado em 11 de junho 2015. 
  176. Hoffmann, R. Joseph. "Threnody: Rethinking the Thinking behind The Jesus Project", bibleinterp.com, October 2009, accessed August 6, 2010.
  177. Ehrman, Bart D. (March 20, 2012) [Updated: May 20, 2012]. "Did Jesus Exist?". Huffington Post. Retrieved 2014-04-08.
  178. Casey (2014), pp. 1–41.
  179. van Voorst, Robert (2000). Jesus Outside the New Testament. [S.l.]: Eerdmans. 6. ISBN 978-0802843685 
  180. Grace, John Patrick (21 de julho de 2015). «Questioning Jesus' existence is sheer madness». The Herald-Dispatch. Consultado em 7 de agosto de 2018. 


Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Os critérios que são usados para determinar se as passagens bíblicas podem ser atribuídas a Jesus incluem atestado múltiplo, o dissimilaridade, o constrangimento, a plausibilidade histórica, a rejeição e execução, e congruência.
  2. According to Lataster, "the only thing New Testament scholars seem to agree on is Jesus' historical existence".[26]
  3. Uma das razões pelas quais os mitólogos de Cristo suspeitam de falsificação é porque a passagem anterior ao Testemonium Flavianum diz respeito a Pôncio Pilatos libertando seus soldados para massacrar uma grande multidão de judeus em Jerusalém e, sem o Testimonium Flavianum, o seguinte parágrafo começa dizendo:[68] "Por volta da mesma época, outra triste calamidade colocou os judeus em desordem". Eles julgam isso suspeito como Josefo supostamente acabou de escrever sobre Jesus sendo "o Cristo" e a ascensão da "tribo dos cristãos", vendo isto como não apropriado no contexto. Outras razões incluem a passagem de não ser judeu devoto como Josefo escreveria (especialmente, "se é lícito chamá-lo de homem" e "realizador de feitos incríveis"), já que sua escrita era geralmente sofisticada, e teria explicado qualquer coisa fora do comum para seu público gentio, como explicar o que a palavra "Cristo" significa, por que Jesus foi chamado assim e outras explicações, como ele conquistou muitos judeus e gregos, como ele fez para todos os outros grupos ([69]), ou por que ele mencionaria Jesus "aparecendo" no "terceiro dia" – um credo cristão ‐ sem explicá-lo [70] e como ninguém parecia notar essa passagem até o século IV, nem mesmo Orígenes que citasse Josefo extensivamente em suas obras, [71] levando assim os mitólogos a pensar que o Testimonium Flavianum seria uma falsificação do século IV, talvez escrito por Eusébio [72] a fim de fornecer uma autoridade judaica externa para a vida de Jesus.[73][74]
  4. Ehrman-blog, Paul’s View of Jesus as an Angel: "Paul understood Christ to be an angel who became a human."
  5. Alguns têm identificado o arquétipo histórico dos "Jesuses"[98] ou citando a declaração de Carl Jung "este Cristo de S. Paulo dificilmente teria sido possível sem o Jesus histórico."[97]

Citações[editar | editar código-fonte]

  1. Doherty (1999a), §. Was There No Historical Jesus?: "[M]odern analysis of the Gospels has placed them in the category of "midrash", a traditional Jewish scribal and teaching device in which elements drawn from the scriptures are combined and reworked to create new prescriptions for moral behavior and new interpretations of divine truths. Traditional midrash often did this through entirely fictional creations, whose story elements served symbolic purposes, like morality tales."
  2. Bethune, Brian (23 March 2016). "Did Jesus really exist?". Macleans.ca (Macleans March 28, 2016). Rogers Media. [Richard Carrier notes that per corroborating the New Testament account of Jesus] for a century there are no other Christian witnesses; perhaps more inexplicably, no pagan witnesses (whose references to Jesus would have been mentioned by later Christians, either to celebrate or [to] refute).
  3. Ehrman (2012), p. 34: "[The basic mythicist position is] the negative argument, that we have no reliable witness that even mentions a historical Jesus, and the positive one, that his story appears to have been modeled on the accounts told of other divinities..."
  4. Lataster (2015a), p. 70, §. Critiquing the Epistles: "Paul’s knowledge of Jesus comes from the Scriptures and his direct channel to the divine rather than first-hand eyewitness accounts, he can almost certainly be written off as a reliable and primary source of evidence for the historical Jesus. New Testament scholar Gerd Lüdemann (University of Göttingen) agrees: “In short, Paul cannot be considered a reliable witness to either the teachings, the life, or the historical existence of Jesus.” (Gerd Lüdemann, “Paul as a Witness to the Historical Jesus,” in Sources of the Jesus Tradition: Separating History from Myth, ed. R. Joseph Hoffmann (Amherst, NY: Prometheus Books, 2010), p. 212.)"
  5. Price (2009), p. 63, §. The Traditional Christ-Myth Theory: "[W]e should never guess from the Epistles that Jesus died in any particular historical or political context, only that the fallen angels (Col 2:15), the archons of this age, did him in, little realizing they were sealing their own doom (1 Cor 2:6–8)."
  6. Eddy & Boyd (2007), p. 202: "While New Testament scholars agree that Paul has relatively little to say about the life and ministry of Jesus, most grant that Paul viewed Jesus as a recent contemporary. The most extreme legendary-Jesus theorists, however—particularly the Christ myth theorists—deny this. They argue that nothing in Paul’s letters indicates that he believed Jesus was a contemporary of his. Rather, they contend, the Jesus of Paul’s theology is a savior figure patterned after similar figures within ancient mystery religions. According to the theory, Paul believed that Christ entered the world at some point in the distant past—or that he existed only in a transcendent mythical realm—and died to defeat evil powers and redeem humanity. Only later was Jesus remythologized [i.e. historicized] as a Jewish contemporary."
  7. Carrier (2014), p. 53: "At the origin of Christianity, Jesus Christ was thought to be a celestial deity much like any other. [...] Like some other celestial deities, this Jesus was originally believed to have endured an ordeal of incarnation, death, burial and resurrection in a supernatural realm [not on Earth]."
  8. Carrier (2015), p. 418: "[T]here is no independent evidence of Jesus’s existence outside the New Testament. All external evidence for his existence, even if it were fully authentic (though much of it isn’t), cannot be shown to be independent of the Gospels, or Christian informants relying on the Gospels. None of it can be shown to independently corroborate the Gospels as to the historicity of Jesus. Not one single item of evidence. Regardless of why no independent evidence survives (it does not matter the reason), no such evidence survives."
  9. Jesus como um anjo pré-existente: Fil. 2:5–11. Jesus era um anjo: Gal. 4:14. Jesus conheceu Moisés: 1 Cor. 10:4. Ver também Metatron.
  10. Van Voorst (2003), p. 660: "[Per] The Jesus Myth (1999), [G. A.] Wells ...now accepts that there is some historical basis for the existence of Jesus, derived from the lost early “gospel” “Q” (the hypothetical source used by Matthew and Luke). Wells believes that it is early and reliable enough to show that Jesus probably did exist, although this Jesus was not the Christ that the later canonical Gospels portray."
  11. Veja também a resenha de Robert M. Price sobre Christ in Egypt: The Horus-Jesus Connection.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Allegro, John M. The Sacred Mushroom and the Cross. Hodder & Stoughton, 1970.
  • Allegro, John M. The Dead Sea Scrolls & the Christian Myth. Prometheus 1992, first published 1979.
  • Avalos, Hector. The End of Biblical Studies. Prometheus, 2007.
  • Arvidsson, Stefan. Aryan Idols: Indo-European Mythology as Ideology and Science. University of Chicago Press, 2006.
  • Bader, Christopher, et al. American Piety in the 21st Century. Baylor Institute for Studies of Religion, 2006.
  • Baggett, John. Seeing Through the Eyes of Jesus: His Revolutionary View of Reality and His Transcedent Signigicance for Faith. Eerdmans, 2008.
  • Barker, Dan. Godless: How an Evangelical Preacher Became One of America's Leading Atheists. Ulysses, 2008.
  • Barnett, Paul. Jesus and the Logic of History. InterVarsity, 2001.
  • Barnett, Paul. Messiah Jesus – the evidence of history. InterVarsity, 2009.
  • Beilby, James K. and Eddy, Paul Rhodes. "The Quest for the Historical Jesus," in James K. Beilby and Paul Rhodes Eddy (eds.). The Historical Jesus: Five Views. Intervarsity, 2009.
  • Berdyaev, Nikolai. "The Scientific Discipline of Religion and Christian Apologetics," Put, volume 6, 1927.
  • Bevan, Edwyn R. The History of Christianity in the Light of Modern Knowledge. Blackie & Son, 1929.
  • Bevan, Edwyn R. Hellenism And Christianity. G. Allen & Unwin, 1930.
  • Blomberg, Craig L. "Gospels (Historical Reliability)" in Joel B. Green, Scot McKnight, & I. Howard Marshall (eds.) Dictionary of Jesus and the Gospels. InterVarsity, 1992.
  • Brandon, S. G. F. "The Ritual Perpetuation of the Past", Numen, volume 6, issue 1, 1959.
  • Breen, Tom. The Messiah Formerly Known as Jesus. Baylor University Press, 2008.
  • Bruce, F. F. Paul and Jesus SPCK, 1977.
  • Charlesworth, James H. Jesus and Archaeology. Erdmans, 2006.
  • Dunn, James D. G. The Christ and the Spirit. Eerdmans, 1998.
  • Dunn, James D. G. Jesus Remembered. Eerdmans, 2003.
  • Dunn, James D. G. "Response to Robert M. Price" in James K. Beilby & Paul Rhodes Eddy. The Historical Jesus: Five Views. InterVarsity, 2009.
  • McClymond, Michael James. Familiar Stranger. Eerdmans, 2004.
  • Mettinger, Tryggve N. D. The Riddle of Resurrection. Almqvist & Wiksell, 2001.
  • Metzger, Bruce M. "Book review of Rim i rannee Khristianstvo by R. Yu. Vipper". Journal of Biblical Literature, volume 75, issue 3, 1956.
  • Metzger, Bruce M. Historical and Literary Studies, Pagan, Jewish, and Christian. Brill 1968.
  • Porter, Stanley E. and Bedard, Stephen J. Unmasking the Pagan Christ. Clements, 2006.
  • Price, Robert M. and Craig, William Lane. "The Craig-Price Debate: Did Jesus Rise From the Dead?", at Ohio State University, The Veritas Forum, 1999.
  • Robertson, John M. Pagan Christs. Watts, 1903.
  • Sloyan, Gerard Stephen. The Crucifixion of Jesus: History, Myth, Faith. Fortress, 1995.
  • Taylor, Robert Syntagma of the Evidences of the Christian Religion. Richard Carlile, 1828.
  • Taylor, Robert The Diegesis; Being a Discovery of the Origin, Evidences, and Early History of Christianity. Richard Carlile, 1829.
  • Ulansey, David. The Origins of the Mithraic Mysteries. Oxford University Press, 1991.
  • Waite, Charles B., History of the Christian Religion to the Year Two Hundred. Kessinger, 2003.
  • Walsh, George. The Role of Religion in History. Transaction, 1998.
  • Warfield, Benjamin B. "Book review of The Witnesses to the Historicity of Jesus by Arthur Drews", The Princeton Theological Review, volume 11, issue 2, 1913.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Massey, Gerald. The historical Jesus and the mythical Christ. books.google.es
  • Bennett, Clinton (2001). In search of Jesus: insider and outsider images. New York: Continuum. ISBN 0826449158
  • Case, Shirley Jackson (1911). The Historicity of Jesus an Estimate of the Negative Argument. The American Journal of Theology. 15 (1): 20-42
  • Conybeare, Frederick Cornwallis (1914) [1914]. The Historical Christ, or an investigation of the views of J.M. Robertson, A. Drews and W.B. Smith. London: [s.n.]
  • Farmer, William R. (1975), A Fresh Approach to Q, in: Neusner, Jacob, Christianity, Judaism and Other Greco-Roman Cults, Brill

Gerrish, B. A. (1975). Jesus, Myth, and History: Troeltsch's Stand in the "Christ-Myth" Debate. The Journal of Religion. 55 (1): 13-35

  • Goguel, Maurice (1926a) [1925]. Jesus the Nazarene: Myth or History?, traduzido por Frederick Stephens. London: T. Fisher Unwin.
  • Goguel, Maurice (abril 1926b). Recent French Discussion of the Historical Existence of Jesus Christ. Harvard Theological Review. 19 (2): 115–142
  • Hoffmann, R. Joseph (2006). Maurice Goguel and the 'Myth Theory' of Christian Origins. In: Maurice Goguel. Jesus the Nazarene: Myth or History?, traduzido por Frederick Stephens, com uma nova introdução por R. Joseph Hoffmann. Amherst, NY: Prometheus. pp. 11–41. ISBN 1-59102-370-X
  • Robertson, John M. (1902). A Short History of Christianity. London: Watts & Co. pp. 1–97.
  • Schweitzer, Albert (2000) [1913]. The Quest of the Historical Jesus, editado por John Bowden, first complete edition ed. London: SCM. ISBN 0-334-02791-8
  • Solmsen, Friedrich (abril–junho 1970). George A. Wells on Christmas in Early New Testament Criticism. Journal of the History of Ideas. 31 (2): 277–280
  • Townsend, John T. (2006), Christianity in Rabbinic Literature, in: Kalimi, Isaac, Biblical Interpretation in Judaism and Christianity, Continuum
  • Van Voorst, Robert E. (2000). Jesus Outside the New Testament: An Introduction to the Ancient Evidence. Grand Rapids, MI: Eerdmans. ISBN 0-8028-4368-9
  • Weaver, Walter P. (1999). The Historical Jesus in the Twentieth Century, 1900-1950. Harrisburg, PA: Trinity. ISBN 1-56338-280-6
  • Wells, G. A. (abril–junho 1969). Stages of New Testament Criticism. Journal of the History of Ideas. 30 (2). pp. 147–160
  • Wells, G. A. (janeiro–março 1973). Friedrich Solmsen on Christian Origins. Journal of the History of Ideas. 34 (1): 143–144
  • Rosière C. J. A., O Mito Jesus - O Pantera
  • Rosière C. J. A., O Mito Jesus - A Mulher sem Nome
  • Rosière C. J. A., O Mito Jesus - A Linhagem

Links externos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]