Devotio Moderna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Devotio Moderna
NHKerkWindesheim.jpg
Foto moderna de Windesheim
Países Baixos Países Baixos

Século XIV - Século XVI

Representantes
Gerhard Groot

Florent Radewijns

Tomás de Kempis

Obra
A Imitação de Cristo

Devotio Moderna ou Devoção Moderna foi um movimento de renovação apostólica do final do século XIV até o XVI, onde homens e mulheres procuravam orientar suas vidas pelos ideais do cristianismo primitivo, despojando-se de bens materiais e praticando exercícios de ascese espiritual.[1] associado principalmente aos irmãos de vida comum, seu fundador foi Gerhard Groote e seu escritor mais famoso o Monge Tomas de Kempi[2]. Ocorreu inicialmentenos Países Baixos (Deventer, Holanda atualmente) e sua ramificação a congregação dos canônes agostinianos de Windeshein [3], criando uma forte e convencional forma para a vida devota, fazendo-se conhecer os seus devotos por seus movimentos calmos e calculados, sua postura curvada e suas roupas remendadas propositalmente.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Devotio (de devovere) - Ação de se dedicar, dedicação. Voto com que alguém se obriga, se consagra, se dedica.[5]  

Origem[editar | editar código-fonte]

Gerhard Groot (1340- 1384), conhecido também como Geert Groote, denunciava os abusos da Igreja e procurava a reforma dessa instituição, sendo assim, a Igreja retirou a autorização para ele pregar.[6] Dentro desse contexto, Groote modificou seu estilo de vida e converteu sua casa, em Deventer, nos Países Baixos, em uma comunidade de mulheres devotas no final do século, que mais tarde tornaram-se “Irmãos da Vida Comum”.[7] Em decorrência de seus estudos na Universidade de Paris, Groote utilizou o aprendizado sobre o direito canônico para defender a devotio moderna das acusações de heresia.[8]

Nos seus sermões escritos, Groote relatava sobre a pobreza, a vida comunitária, o compromisso com Cristo e a necessidade da Igreja estar presente no mundo, grande parte do pensamento do holandês está inserida na obra A Imitação de Cristo de Tomás de Kempis.[6] No final da década de 1370, a pregação de Groote já era conhecida em outras cidades holandesas como Zutphen, Amsterdã, Delft, Gouda, Haarlem, Kampen, Leiden e Zwolle.[9]

Em 1387, posteriormente à morte do fundador do movimento devocional, Florent Radewijns converteu a casa vicarial que possuía, em Windesheim, em uma comunidade masculina. A partir disso, os contemporâneos de Groote iniciaram um processo de expansão da devotio moderna para levar o movimento para outras regiões, como a Alemanha, França e Suíça.[10] Especula-se que no auge do movimento havia cerca de 80 casas.[7]

No final do século XIV e início do século XV houveram outros movimentos no cenário religioso europeu, na Inglaterra desencadeou o Lollardismo, enquanto na Boêmia surgiu o Hussita.[11]

Características[editar | editar código-fonte]

A Devotio moderna é caracterizada pelo foco na vida interior pessoal e na oração, era menos coletiva do que a devoção monástica tradicional e menos sensível ao sagrado. Suas missas eram curtas e a associação entre os fiéis se dava através da oração individual, nem sempre ligada aos temas litúrgicos. Assim, o contato com Cristo deixa de ser baseado em regras litúrgicas e passa a ser direto, através do direcionamento da consciência. Ao aproximar Cristo e afastar a liturgia, esta nova devoção reduz o lugar na igreja no contato com o sagrado. A Devotio moderna era um meio de reagir à crise da Igreja pelo esvaziamento, tendo por base a mística e espiritualidade internas do homem comum.[12]

De Imitatione Christi por Thomas a Kempis

Obras Influenciadoras[editar | editar código-fonte]

A obra De Imitatione Christi (Imitação de Cristo [13]), escrita por Tomás de Kempis em meados do século XV, foi utilizada como modelo para a criação de um conjunto de práticas e ideais no qual os grupos religiosos (Comunidades irmãos e irmãs de vida comum) deveriam seguir durante o período conhecido como Devotio Moderna. [14] Nessas comunidades, seus membros eram instruídos e guiados pelos ideais apostólicos do cristianismo primitivo de viver da abnegação dos pecados mundanos, libertando-se dos bens materiais, e buscar a vida espiritual. [14]

Apesar da Imitação de Cristo ter tido um destaque no movimento, a obra está inserida em meio a outros manuais de exercitação espiritual - uma tendência do período - encontrados no final da Idade Média e no início da Idade Moderna, como Vita Christi (Vida de Cristo) de Ludolfo da Saxônia; as produções do Mestre Eckhart; De spiritualibus ascensionibus (Ascensões Espirituais) de Gerard Zerbolt von Zutphen; e o antecessor direto da Imitatio Christi, Tractatulus Devotus (Pequeno Tratado do Devoto) de Florent Radewijns, tutor e mestre de Tomás de Kempis. [15]

Principais Representantes e colaborações[editar | editar código-fonte]

Gehard Groot (1340 – 1384) foi fundador da Irmãos da Vida Comum, onde se espalharam por toda a Europa e contribuíram para a educação do ensino fundamental e médio.[16] O grupo se preocupava em copiar os manuscritos, imprimi-los e traduzi-los para os idiomas locais.[17]

Por sua vez, Florentius Radewyns (1350-1400) foi um teólogo católico romano e sucessor de Groot. Quando retornou da Universidade de Praga, ouviu uma das pregações de Gehard e tornaram-se amigos em 1380, sendo seu sucessor e co-fundador da Irmãos da Vida Comum. Chegando até acompanhar seu mestre em suas viagens.[18]

Junto de seis Irmãos, entre eles, Tomás de Kempis, fundou a congregação de Windesheim, em 1386, por conselho de Groot, pois precisavam fundar uma Ordem aprovada para ter credibilidade. Em 1386, ergueram cabanas para um mosteiro temporário e posteriormente, construíram um mosteiro e uma igreja, consagrados por Hubert Leberne, bispo titular de Hipona. Eles prezavam pela hospitalidade em seu apostolado. Porém, mais tarde, quando o calvinismo surgiu, o apoio dos cânones diminuiu e a Ordem foi desfeita gradativamente.[19]

Já, Tomás de Kempis (1380-1471) estudou na matriz dos Irmãos de Vida Comum, onde foi observado que possuía excelente habilidade em copiar manuscritos.[20] Ele escreveu o livro A Imitação de Cristo, onde auxilia na oração e práticas devocionais pessoais. É um dos livros mais representativos do movimento Devotio Moderna.[21]

Influências[editar | editar código-fonte]

Dentre as inúmeras influências do movimento podemos citar a maior ascendência de ordens de clausura femininas em Portugal intrinsecamente afetadas pelo movimento[22], igualmente tendo grande influência para a criação por leigos do famoso grupo "Irmãos da vida comum" que gerou a renovação da Ordem Agostiniana, reorganizando as comunidades locais que respeitavam todas as vocações da população no território holandês.[23]

Na Itália por influência leiga foi fundado o Oratório do Amor Divino no século XV que buscava maior importância nas orações e santificações pessoais para uma vida de ajuda comunitária[24] que acabaram se tornando base para movimentos católicos modernos como o Apostolado da Oração[25].

Nesta época pré reforma católica a influência da Devotio Moderna se limitava apenas a Holanda, Sacro Império e França[26] onde devocionistas ficaram conhecidos por participarem de movimentos calmos, sempre de postura curvada, com grandes sorrisos para a comunidade e por estarem sempre chorando nas missas.[27]

Posteriormente esses movimentos humanistas cativaram alguns bispos como Gian Matteo Giberti, bispo de Verona, que participou do Concílio de Trento. Tendo a igreja mudado intrinsecamente após o mesmo com grandes bases que eram defendidas pela Devotio Moderna.[28]

Com tudo isso a Devotio Moderna foi parte integrante nas transformações sociais da época, tendo influenciado Jesuítas e Protestantes, já que buscavam uma maior participação de leigos na religião, os quais participariam ainda mais de peregrinações por exemplo, reforçando ainda mais a ideia.[29] Já que a maior contribuição da Devocio Moderna é a criação de uma religião católica onde as celebrações são muito mais ligadas a sensibilidade do que racionalismo, inclusive em catequeses.[30] Assim como a crença que Deus estava presente nas virtudes cotidianas da população[31].

Embora com grandes virtudes, todo esse movimento causou grandes críticas internas no seio da Igreja como a do tratado "diversis diaboli tentationibus" onde o autor Johannes Gerson defendia que Satanás criou os sentimentos de realização espiritual (defendidos por influenciados da Devotio Moderna) para os fiéis amarem a Jesus apenas pela realização dos sentimentos e não pelo que ele realmente representa, condenando assim as almas ao inferno.[32]

Referências

  1. BIONDI, Franco (2018). «TRADUZINDO A DEVOTIO MODERNA: DE IMITATIONE CHRISTI E OS "IRMÃOS E IRMÃS DE VIDA COMUM"» (PDF). ANPUH-SP.p.1 
  2. ELWELL, Walter. Enciclopédia histórico teológica da igreja cristã. [S.l.: s.n.] pp. p.452 
  3. KNOWLES; OBOLENSKY (1974). Nova História da Igreja II: A idade média (600-1500). Petrópolis- RJ: Editora Vozes Ltda. pp. p.496 
  4. HUIZINGA, JOHAN. O outono da idade média. [S.l.: s.n.] pp. p.314 
  5. SARAIVA, F.R dos Santos. Dicionário latino-português. [S.l.: s.n.] pp. p.368 
  6. a b ELWELL, Walter A. (2009). Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. São Paulo: Vida Nova. p. 229 
  7. a b BIONDI, Franco A. (2018). «Traduzindo a Devotio Moderna: De Imitatione Christi e os "Irmãos e Irmãs de Vida Comum"» (PDF). Universidade Federal de São Paulo. p. 3 
  8. ELWELL, Walter A. (2009). Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. São Paulo: Vida Nova. p. 452 
  9. MEDEROS, Sara Danielle (2016). «Devotion and Obedience: A devotio moderna construction of St Bridget of Sweden in Lincoln Cathedral Chapter Manuscript 114» (PDF). University of Lincoln. pp. 42–43 
  10. MEDEROS, Sara Danielle (2016). «Devotion and Obedience: A devotio moderna construction of St Bridget of Sweden in Lincoln Cathedral Chapter Manuscript 114» (PDF). University of Lincoln. p. 45 
  11. MEDEROS, Sara Danielle (2016). «Devotion and Obedience: A devotio moderna construction of St Bridget of Sweden in Lincoln Cathedral Chapter Manuscript 114» (PDF). University of Lincoln. p. 41 
  12. CHAUNU, Pierre (1993). O tempo das reformas (1250-1550): A crise da cristiandade. [S.l.]: Edições 70. pp. 218–219 
  13. KEMPIS, Tomás (2014). Imitação de Cristo: com reflexões e orações de São Francisco de Sales. Rio de Janeiro: Vozes 
  14. a b BIONDI, Franco (2018). «Traduzindo a Devotio Moderna: De Imitatione Christi e os "Irmãos e Irmãs de vida comum"» (PDF). ANPUH-SP. p. 1 
  15. BIONDI, Franco (2018). «Traduzindo a Devotio Moderna: De Imitatione Christi e os "Irmãos e Irmãs de vida comum"» (PDF). ANPUH-SP. p. 2 
  16. HYMA, Albert (1950). The Brethren of the Common Life. Grand Rapids: Eerdmans. pp. 35 e 40 
  17. «Gerhard Groot». New World Encyclopedia 
  18. «Florentius Radewyns». Encyclopaedia Britannica 
  19. «Congregation of Windesheim» 
  20. TEIXEIRA, Marcos. «Thomas de Kempis» 
  21. «TOMÁS DE KEMPIS (1379-1471)» 
  22. «SciELO 20 Anos». SciELO. 24 de setembro de 2018. Consultado em 6 de junho de 2019 
  23. «SciELO 20 anos». SciELO. 24 de setembro de 2018. Consultado em 6 de junho de 2019 
  24. DELUMEAU, Jean (1973). Ela Catolicismo de Lutero a Voltarie. Barcelona: Labor. pp. PP. 3–6 
  25. «Organizações de Vida Consagrada - Apostolado da Oração». Arquidiocese de Florianópolis. Consultado em 18 de maio de 2019 
  26. HUIZINGA, Johan. O outono da Idade Média. [S.l.: s.n.] pp. p.312 
  27. HUIZINGA, Johan. O outono da Idade Média. [S.l.: s.n.] pp. pp. 314, 315 
  28. DELUMEAU, Jean (1973). El Catolicismo de Lutero a Voltaire. Barcelona: Labor. pp. pp. 5, 6 
  29. PRADO, Wilson da Silva; HERNANDES, Paulo Romualdo. «OS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS E A FORMAÇÃO DO JESUÍTA NO SÉCULO XVI». Revista HISTEDBR On-line. ISSN 1676-2584. Consultado em 6 de junho de 2019 
  30. PRADO, Wilson da Silva; HERNANDES, Paulo Romualdo. «OS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS E A FORMAÇÃO DO JESUÍTA NO SÉCULO XVI». Revista HISTEDBR On-line. ISSN 1676-2584. Consultado em 6 de junho de 2019 
  31. «SciELO 20 anos». SciELO. 24 de setembro de 2018. Consultado em 6 de junho de 2019 
  32. HUIZINGA, Johan. O Outono da Idade Média. [S.l.: s.n.] pp. p.322 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

BIONDI, Franco. A. Traduzindo a Devotio Moderna: De Imitatione Christi e os “Irmãos e Irmãs de vida comum”. História e Democracia - Precisamos falar sobre isso. ANPUH-SP, 2018.

CHAUNU, Pierre. O tempo das reformas (1250-1550): A crise da cristandade. Edições 70, 1993.

DELUMEAU, Jean. El Catolicismo de Lutero a Voltaire. Barcelona: Labor, 1973.

ELWELL, Walter A. Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã. São Paulo: Vida Nova, 2009.

HUIZINGA, Johan. O outono da ldade Média. São Paulo; Cosac Naifi, 4a Ed, 2015. ISBN 978-85-7503-756-0

KNOWLES, David OBOLENSKY, Dimitri. Nova História da Igreja II: A Idade Média (600-1500). Petrópolis; Editora Vozes, 4a Ed, 1973.

KEMPIS, Tomás. Imitação de Cristo: com reflexões e orações de São Francisco de Sales. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

SARAIVA, F. Dicionário latino-português. Belo Horizonte:Garnier, 1993.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Gerhard Groot

Tomás de Kempis

A Imitação de Cristo

Humanismo cristão

Cristianismo primitivo

Reforma Protestante

Reforma católica