Zwinglianismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O zwinglianismo é uma confissão reformada com base na Segunda Confissão Helvética, promulgada pelo sucessor de Ulrico Zuínglio, Heinrich Bullinger, na década de 1560. Os pontos de vista de Zuínglio sobre o batismo eram, em grande parte, uma resposta aos anabatistas, movimento que atacou a prática do batismo infantil. Ele defendeu o batismo de crianças, descrevendo-o como um sinal de aliança do cristão com Deus, assim como Deus fez uma aliança com Abraão. Ele desenvolveu a visão simbólica da Eucaristia, negou a doutrina católica da transubstanciação e seguindo Cornelius Henrici Hoen, ele concordou que o pão e o vinho da instituição significavam e não se tornavam literalmente o corpo e o sangue de Cristo. As diferenças de opinião de Zuínglio sobre o assunto da Eucaristia com Martinho Lutero resultou no fracasso do Colóquio de Marburgo, que visava trazer a unidade entre os dois líderes protestantes.[1]

Zuínglio acreditava ainda que o Estado governava com sanção divina, que tanto a igreja como o estado são colocados sob o governo soberano de Deus. Em sua doutrina, os cristãos são obrigados a obedecer ao governo, mas a desobediência civil é autorizada se as autoridades agiram contra a vontade de Deus. Ele descreveu preferência por uma aristocracia sobre regra monárquica ou democrático.[carece de fontes?]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Strohl, Henri. O Pensamento da Reforma. [S.l.]: Editora Aste 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.