Igreja Cristã Maranata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Igreja Cristã Maranata
Presbitério Espírito-Santense
Icm (2).png
logotipo da Igreja Cristã Maranata
Orientação Pentecostal
Origem Outubro de 1968
Sede Vila Velha, Estado do Espírito Santo, Brasil.
Número de membros 356,021 membros (Brasil)[1]
Número de igrejas Mais de 6 mil templos (Brasil)
Países em que atua Internacional, com maior concentração de fiéis e templos nas Américas, Europa e Ásia. Presente em mais de 100 países.

A Igreja Cristã Maranata - Presbitério Espírito-Santense (ICM), ou Igreja Cristã Maranata, é uma igreja evangélica de orientação pentecostal brasileira, com sede na cidade de Vila Velha, Espírito Santo.

Fundada em Outubro de 1968, a igreja conta hoje conta com mais de 5 mil templos em todo o país.[2] Em 2013, foi alvo de muitas investigações por fraude sendo alguns de seus pastores suspeitos de envolvimento. Os mesmos foram investigados pela polícia e pela própria Igreja Cristã Maranata e presos posteriormente, incluindo o fundador e presidente da ICM, Gedelti Gueiros.[3] [4] [5]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Igreja Cristã Maranata é fruto de um avivamento que ocorreu na década de 1960 no Brasil, quando fiéis de diversas igrejas protestantes tradicionais começaram a crer na doutrina do Batismo com o Espírito Santo.

Tem-se início da Igreja Cristã Maranata com membros oriundos da Igreja Presbiteriana de Vila Velha, entre 1967 e 1968, quando iniciou-se as primeiras reuniões da igreja, então chamada de "Igreja Cristã Presbiteriana" no bairro Divino Espírito Santo, em Vila Velha (Espírito Santo) [6] .

Em 1968 formalizou-se a igreja em Itacibá, na vizinha Cariacica. De forma paralela, residentes de Caratinga e Juiz de Fora passaram a frequentar a igreja. Mais tarde o grupo mudou o nome para Igreja Cristã Maranata.[7] [nota 1]

A igreja expandiu-se muito principalmente no Estado do Espírito Santo nas gestões de seus presidentes Manuel de Passos Barros (1968-1986), Edward Hemming Dodd (1986-2007) e Gedelti Victalino Teixeira Gueiros (2007- atualmente).

Atuação[editar | editar código-fonte]

A Igreja Cristã Maranata, através de sua missão internacional, denominada Missão Internacional Cristã Maranata, atua em diversos países das Américas, Europa, Ásia e África. Ademais, mantém relações de comunhão e cooperação com igrejas no Oriente Médio, Europa Oriental e Ásia Central, além do subcontinente Indiano.

Organização[editar | editar código-fonte]

Templo construído no início da década de 1980 no Rio de Janeiro, este foi o primeiro padrão de construção.

A Igreja Cristã Maranata é autodenominada pelos membros como sem fins lucrativos e tem um local com o nome de Presbitério Espírito-Santense, localizado na cidade de Vila Velha, estado do Espírito Santo, responsável pela gestão das igrejas filiadas.

Templo no padrão atual em Campo Grande, Rio de Janeiro.

O Presbitério Espírito-Santense da Igreja Cristã Maranata mantém centros denominados "Maanains", para retiros, confraternizações e doutrinação de seus fiéis. Para os fiéis, as confraternizações, se limitam a ouvir as palestras dos pastores e tocar e cantar louvores nos intervalos.

Templos[editar | editar código-fonte]

Os templos podem ser facilmente localizados pelo padrão institucional de construção com estilo colonial, com edificações parecidas com o formato de chalés. Em geral, são compostos pela sala principal – em que os cultos são realizados – salas anexas, cozinha, banheiros e, na área externa, varandas e jardins. Em alguns, há ainda, os jardins de inverno localizados numa das laterais do templo e/ou ao lado do púlpito, considerados por muitos uma marca dos templos Maranata. Em templos instalados em bairros nobres há condicionadores de ar devido ao isolamento acústico. Todos possuem banheiros e bebedouros.

Cultos[editar | editar código-fonte]

A ICM realiza cultos diariamente, exceto às sextas-feiras, quando os cultos noturnos são realizados nos lares, por cada família. A igreja se reúne de segunda-feira a sábado; e também aos domingos para a Escola Bíblica Dominical e para o culto noturno. Os cultos públicos são breves e objetivos, em geral, com duração de 30 minutos à 45 minutos.

Mídia[editar | editar código-fonte]

Sistema de comunicação do Presbitério Espírito-Santense da Igreja Cristã Maranata

Para estabelecer comunicação com seus fiéis, bem como com a sociedade em geral, a Igreja Cristã Maranata possui um sistema de comunicação administrado pelo Presbitério Espírito-Santense, sendo composto pelo sistema de transmissões via satélite, pelo sistema de video conferência - TELECOM, pela Rádio e TV WEB Maanaim, pelo site da Central de Louvor (comissão responsável pela catalogação e proteção de louvores pertencentes a Igreja Cristã Maranata) e pelos diversos sites institucionais da Igreja Cristã Maranata.

Transmissões via satélite

Para dinamizar e unificar as práticas e doutrinas mantidas pela instituição, a Igreja Cristã Maranata possui um sistema de transmissões via satélite, para transmissões simultâneas de reuniões e seminários. O sistema de transmissões via satélite tem alcance continental, possibilitando o recebimento das transmissões do norte do Canadá ao sul da Argentina, cobrindo quase todo o continente americano, como também cobrindo toda a Europa Ocidental e partes da Europa Oriental.[8] Para possibilitar a cobertura dos continentes africano, asiático, Europa Oriental (incluindo Rússia Europeia e sua parte oriental) e Oriente Médio, existem pontos de retransmissão de sinal em Portugal, Ucrânia e Bielorrússia. A maioria das Igrejas possui uma antena parabólica e um receptor, conectados a um projetor de imagens e ao sistema de áudio do templo, com o objetivo de transmitir um mesmo ensino a todas as Igrejas conectadas. Porém, vários membros demonstram descontentamento com esse sistema de transmissão. Além de limitar a figura do Pastor na igreja local, é utilizado para fins pessoais, principalmente após as denúncias de desvio de dinheiro. Onde pastores defendem as pessoas investigadas pela justiça e usam de várias formas a convencer os membros a não saírem da Maranata. [9]

Denúncias e prisões[editar | editar código-fonte]

Em 14 de maio de 2013, dezenove membros da igreja foram denunciados pelo Ministério Público do Espírito Santo pelos crimes de estelionato, formação de quadrilha e duplicata simulada. Segundo o próprio MPES, eles teriam praticado desvio de dízimo da igreja, envolvendo uma movimentação financeira de R$ 24,8 milhões de reais. Em 24 de junho de 2013, o pastor Gedelti Gueiros, presidente da Igreja Maranata e mais dez membros da igreja tiveram os pedidos de prisão expedidos. Uma outra denúncia foi apresentada contra cinco pastores, que foram acusados de terem ameaçado e coagido testemunhas, uma juíza e um promotor.[10] [11] [12] [13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. A palavra maranata (do original מרנא תא) é uma expressão aramaica que ocorre uma vez na Bíblia, empregada pelo Apóstolo Paulo na Primeira Epístola aos Coríntios:
    Cquote1.svg Se alguém não ama ao Senhor, seja anátema. Maranata. Cquote2.svg

    O termo é a composição de duas palavras, que transliteradas dão origem a maranata e que significa o Senhor vem! ou ainda nosso Senhor vem!, e foi, provavelmente, usada como oração ou saudação entre os cristãos primitivos. No desfecho do livro de Apocalipse, a mesma expressão é utilizada como uma oração ou pedido, desta vez feita na língua grega, e traduzida por: Ora vem, Senhor.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]