Igreja Cristã Maranata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Igreja Cristã Maranata
Presbitério Espírito-Santense
{{{imagealttext}}}
Classificação Protestante.
Orientação Pentecostal e Fideísta.
Líder Gedelti Victalino Teixeira Gueiros (de 1986 a 2007 como vice-presidente e desde 2007 como presidente).
Área geográfica 91 países, segundo a vinheta que precede suas transmissões de cultos, sendo: América (25 países, incluindo o Brasil), África (32 países), Europa (22 países), Ásia (10 países) e Oceania (Austrália e Nova Zelândia).[1]
Fundador Abílio Teixeira Gueiros, Gedelti Victalino Teixeira Gueiros, Sara Victalino Gueiros Dodd e outros.
Origem 3 de janeiro de 1968 (53 anos).

(primeiro culto em 31 de outubro de 1967, na Congregação Presbiteriana de Cruz do Campo, ata de organização em 3 de janeiro de 1968 e registro em 22 de janeiro de 1968)
Vila Velha, Espírito Santo, Brasil.

Separado de Igreja Presbiteriana do Brasil.
Separações 2009: Siló Igreja Cristã;

2010: Igreja Bíblica Nova Aliança;

2012: Igreja Cristã Louvai;

2012: Igreja Evangélica Louvai;

2012: Igreja Restituídos em Cristo;

2012: Igreja Assembleia de Deus Tabernáculo (Rádio Web Trombetas);

2014: Igreja Cristã Celeiros;

2015: Igreja Cristã Nova Jerusalém;

2015: Igreja Cristã Renovo da Aliança;

2015: Ministério Lírio dos Vales;

2016: Igreja Evangélica Maranata;

2016: Igreja Cristã Viva o Rei;

2017: Comunidade Cristã Reformada Vem;

2018: Elohim Tzevaot Church;

2019: Igreja Congregacional Comunhão;

2020: Igreja Cristã Renovai;

2020: Igreja Cristã Comunidade da Graça;

2020: Igreja Cristã Reformada Avivalista.

Congregações Mais de 5.000 templos.
Membros 114.927 (Brasil).
Site oficial www.igrejacristamaranata.org.br

A Igreja Cristã Maranata - Presbitério Espírito-Santense (ICM-PES) é uma denominação protestante, com orientação pentecostal, sediada na cidade de Vila Velha, Espírito Santo. Presente em 91 países, foi presidida (cargo vitalício) pelos pastores Manoel dos Passos Barros (entre 1970 e 1986) e Edward Hemming Dodd (entre 1986 e 2007, estando, desde 2007, sob a direção de seu terceiro presidente, o pastor Gedelti Victalino Teixeira Gueiros, também na primazia do Conselho Presbiteral, formado, desde outubro de 2020, por mais 18 pastores.

O primeiro culto foi realizado aos 31 de outubro de 1967, na “Congregação Presbiteriana de Cruz do Campo”, da Primeira Igreja Presbiteriana de Vila Velha. No entanto, sua ata de organização, escrita pelo primeiro presidente, o Pr. Manoel dos Passos Barros, se deu em 3 janeiro 1968, considerada a data de sua fundação oficial,[2] sob a denominação “Igreja Cristã Presbiteriana”, pois alguns de seus fundadores eram provenientes da Igreja Presbiteriana do Brasil e outros da Igreja Cristã Congregacional.

Somente teve sua denominação alterada para “Igreja Cristã Maranata” (segundo a ICM, por revelação dada ao Pr. Jonas José Marques em 1978. Em 1980[3], a igreja contava, segundo o último número oficial referente ao Censo 2010, com 356.021 membros[4].

Histórico

De acordo com o Presbitério da Igreja Cristã Maranata, a igreja surgiu no seio da comunidade evangélica como resultado de um acontecimento previsto para o tempo presente como está escrito no livro do profeta Joel 2:28 que diz: “E há de ser que nos últimos dias derramarei o meu Espírito sobre toda a carne. E vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões.[5] . O presbitério da igreja afirma que a instituição não dá ênfase em pessoas específicas e não determina um fundador oficial da organização Igreja Cristã Maranata, pois acredita ter sido a pessoa do Senhor Jesus Cristo o motivo do início da denominação.[6]

O primeiro registro da Igreja Cristã Maranata (ainda chamada de Igreja Cristã Presbiteriana) foi no dia 31 de outubro de 1967 na casa da irmã Eurides Bagatelli no bairro Itacibá, em Cariacica; esse primeiro culto foi dirigido pelo reverendo Milton Leitão. Dito isso, o início da Igreja Cristã Maranata se dá, como instituição religiosa, em janeiro de 1968, no município de Vila Velha, Estado do Espírito Santo, Brasil, com o objetivo de adorar a Deus e pregar o evangelho conforme as escrituras do Velho e Novo Testamento como única regra de fé e prática, bem como conscientizar a formação espiritual e social do homem, a educação cristã, promover obras beneficentes e assistência moral e educacional, sem fins lucrativos em território nacional e exterior. Quando iniciaram-se as primeiras reuniões da igreja, tinha como seu primeiro nome "A Toca", pois os fiéis se reuniam dentro de um apartamento no bairro Divino Espírito Santo, em Vila Velha (Espírito Santo).[7] Antes de adotar seu nome atual, denominava-se Igreja Cristã Presbiteriana.

Na versão contada pelos fundadores da Igreja Cristã Maranata, porém, ocorreu que vários membros da então Igreja Presbiteriana de Vila Velha passaram a reunir-se regularmente, em um lugar ermo para orar a Deus. "Estando no meio dessas orações, um novo pentecostes ocorreu, testemunhado por todos: o Espírito Santo começou a se manifestar no meio dos irmãos" – palavras do pastor Alexandre Gueiros - '' as pessoas começaram a falar línguas estranhas, como ocorrera na igreja primitiva". Segundo o que diz Gedelti Gueiros, atual presidente da instituição, isso foi tomado como um chamamento do Espírito Santo para o início de uma nova obra, que foi o movimento Maranata.

Em 1968 formalizou-se a igreja em Itacibá, na vizinha Cariacica. De forma paralela, residentes de Caratinga e Juiz de Fora passaram a frequentar a igreja. Mais tarde, em janeiro de 1980, por revelação do Senhor Jesus, a Obra passou a chamar-se Igreja Cristã Maranata, mostrando que ela seria conhecida no mundo todo pela mensagem que estaria pregando. “Maranata, o Senhor Jesus vem”.[8]

A igreja expandiu-se muito por todo o Brasil e pelo mundo, principalmente no Estado do Espírito Santo e no Estado de Minas Gerais.[4]

Confissão de Fé

Os principais pontos da Confissão de fé da ICM, suas bases bíblicas e o entendimento das Escrituras que fundamentam cada ponto estão descritos a seguir:[9]

  1. O único Deus vivo, verdadeiro e todo-poderoso existe eternamente em três pessoas, todas com a mesma glória e poder: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Mateus 28:19; 2 Coríntios 13:14). Deus é perfeito em santidade (Isaías 6:3), sabedoria (Romanos 16:27), justiça (Apocalipse 15:3-4) e amor (1 João 4:8). Ele criou e sustenta todas as coisas (João 1:3; Hebreus 1:3) pela Sua Palavra. O homem foi criado para adorá-Lo e serví-Lo. Somente Deus deve ser adorado ou exaltado (Êxodo 20:4-5; Atos 10:25-26).
  2. O Filho eterno de Deus, para salvar a Igreja, tornou-se homem perfeito, embora igualmente perfeito em divindade, na pessoa do Senhor Jesus Cristo (João 3:16). Ele nasceu de uma virgem por obra do Espírito Santo (Mateus 1:18, 23), viveu uma vida de perfeição, sem pecado, cumpriu a lei, foi crucificado pelos pecados da humanidade, ressuscitou dentre os mortos (1 Coríntios 15:3-4) e subiu aos céus (Atos 1:9), de onde intercede continuamente diante do Pai pela Igreja (Hebreus 7:25). Como resultado da sua perfeita obediência (Filipenses 2:8-11) o Senhor Jesus recebeu do Pai toda autoridade no céu e na terra (Mateus 28:18) e se tornou o Salvador (Atos 4:12) de todos aqueles que confiam n’Ele (Atos 16:31) e o único Mediador entre Deus e os homens (1 Timóteo 2:5). Os crentes têm assim o privilégio de se aproximar de Deus, o Pai, e orar a Ele (Mateus 6:9), assistidos pelo Espírito Santo (Romanos 8:26) e no nome de Jesus Cristo (João 14:13-14).
  3. A Bíblia, composta do Antigo e do Novo Testamento, é a Palavra Revelada de Deus (2 Timóteo 3:16-17). Seus manuscritos originais foram integralmente inspirados pelo Espírito Santo. Conseqüentemente eles não contêm nenhum erro (João 17:17). A Bíblia é a única regra de fé e conduta para a Igreja (2 Timóteo 1:3). A Igreja não ensina nenhuma doutrina além daquelas claramente ensinadas nas Santas Escrituras (1 Timóteo 6:3-5), conforme cridas pela Igreja fiel ao longo de sua história. Tais doutrinas devem ser cridas, obedecidas, (1 Pedro 1:22) e vividas pela Igreja (2 Timóteo 3:15). O mesmo Espírito que inspirou a Bíblia provê a iluminação necessária para que a Igreja possa compreender as Escrituras (1 Coríntios 2:10-12). O Espírito Santo vivifica as Escrituras (João 6:63) e as utiliza para revelar Jesus Cristo ao homem (João 15:26) e glorificá-Lo (João 16:14).
  4. Todos os homens são pecadores e, por conseguinte, sujeitos à condenação eterna (Romanos 3:23). Eles podem ser salvos apenas pela graça de Deus, através da fé em Jesus (Efésios 2:8-9; João 6:47), como Filho de Deus, como Cristo (Mateus 16:16-17) e como o único e suficiente Salvador. A morte e a ressurreição do Senhor Jesus – tipificados pelo Seu sangue derramado na cruz (Efésios 1:7; 2:13) – para a salvação de todo aquele que crê é a suma e a essência do Evangelho (1 Coríntios 15:1-4) e a única fonte de toda vida espiritual (João 6:53-54; 7:37-39). Os crentes são eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito (1 Tessalonicenses 2:13; Efésios 1:4), para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo (1 Pedro 1:2).
  5. Os crentes manifestam sua fé em Jesus e seu amor por Ele através de uma vida de obediência (João 14:21-23) e boas obras (Tiago 2:17-18; João 15:8), as quais Deus preparou de antemão para que eles andassem nelas (Efésios 2:10). Os crentes se esforçam para viver em comunhão com Jesus (João 15:7), andar no Espírito (Romanos 8:9-13; Gálatas 5:16) e viver por fé (Romanos 1:17). Eles são dirigidos pelo Espírito de Deus (Romanos 8:14) e apresentam o fruto do Espírito (Gálatas 5:18, 22-25). À medida em que continuam ouvindo e seguindo o Bom Pastor, nenhum deles será arrebatado das mãos de Deus (João 10:27-28). O Espírito Santo capacita os eleitos a perseverar até o fim na fé (Apocalipse 2:10, 26), na santificação (Hebreus 12:14), na obediência (João 10:27; Romanos 6:17; Lucas 8:15) e no serviço à Igreja (Hebreus 6:9-12).
  6. O Senhor batiza na Igreja todos aqueles que crêm em Jesus (1 Coríntios 12:13). A Igreja é o instrumento de Deus para manifestar ao mundo a multiforme sabedoria de Deus (Efésios 3:10) através da realização, em nossos dias, do ministério de Jesus (João 14:12). A Igreja deve realizar a Obra de Deus na terra, pregar o Evangelho (Mateus 28:19-20), sustentar os seus membros (Efésios 6:18; Gálatas 6:2, 10), adorar a Deus (Atos 2:46-47), batizar os crentes nas águas (Mateus 28:19) e celebrar a Ceia do Senhor (Atos 2:41-42). O Senhor quer que a Sua Igreja seja constitua um só Corpo, que todos os seus membros estejam unidos por um mesmo Espírito (Efésios 4:3), ouçam a voz de um mesmo Espírito (Apocalipse 3:22), sejam dirigidos por um mesmo Espírito (Gálatas 5:18; Romanos 8:14), tenham uma só fé e se submetam em verdadeira obediência a um mesmo Senhor, o Cabeça da Igreja (Efésios 1:22-23; 4:1-6).
  7. O Senhor Jesus batiza os crentes com o Espírito Santo (João 1:33; 14:16-17, 23; Efésios 1:13; Atos 8:14-17) para edificar o Corpo de Cristo (1 Coríntios 12:18, 24; 14:4-5, 12), levando os crentes a toda verdade (João 16:13-14), através da operação do quíntuplo Ministério da Palavra e dos nove dons do Espírito (1 Coríntios 12:7-12; Efésios 4:11-16). Desta forma o Senhor prepara a Igreja para Sua segunda vinda, que é a sua grande esperança (1 Coríntios 1:7-8; Efésios 5:25-27; 2 Timóteo 4:8).
  8. O Senhor Jesus voltará para a Sua Igreja, composta por todos os crentes ao longo da história que confiaram unicamente no sangue do Senhor Jesus - em outras palavras, em sua morte e ressurreição - para a sua salvação (Apocalipse 7:9, 13-14), em dia e hora desconhecidos (Mateus 24:40-42). Aqueles que morreram em Jesus ressuscitarão dentre os mortos e com todos os crentes receberão corpos glorificados (1 Tessalonicenses 4:15-17; 1 Coríntios 15:51-52). Deste momento em diante a Igreja viverá em comunhão com o Senhor Jesus na eternidade (Apocalipse 21). Aqueles que rejeitaram a graça de Deus oferecida em Jesus Cristo serão julgados e condenados à separação eterna de Deus (João 3:36; Apocalipse 20:12-15).

Doutrinas

Segundo a Igreja Cristã Maranta, muitas de suas doutrinas tiveram origem no Pr. Jonas José Marques, que havia deixado a Igreja Congregacional[10] para participar da Maranata quando esta ainda era uma Congregação Presbiteriana em Cruz do Campo.[11] Numa biografia sobre a canção "Aquilo que fui não sou mais", composta pelo referido pastor, a instituição, sobre ele, afirma:[12]

Para seus irmãos em Cristo, [Pr. Jonas José Marques] deixou, além de seu testemunho de fé e servidão a Deus, registros doutrinários e proféticos que nortearam a Igreja Cristã Maranata, desde sua formação até os dias de hoje e enquanto existir.

A Igreja Cristã Maranata tem um entendimento de que suas doutrinas, conforme relatado pela Maranata, derivam de “revelação”, seja por dons que viriam a ser do Espírito Santo (sonhos, visões ou revelações particulares), seja por meio de anjos, como ensinado no Instituto Bíblico da Igreja. Entendem que o mesmo Espírito Santo que inspirou as Escrituras deve ser o intérprete delas, deste modo, utilizam-no como origem de muitas de suas interpretações alegóricas do texto bíblico. Muitas vezes essa revelação do Espírito Santo, como explicado anteriormente, se daria por meio de visões e revelaçõe, ou por meio de anjos:[13]

... um irmão anunciou uma visão... Ele [Deus] envia os seus anos (...) para revelar (...). A todo instante veem-se anjos, ouvem-se Revelações trazidas por anjos do Senhor (...). Anjos a todo instante curando, libertando, abençoando o servo, sendo usados na salvação. (Negritado)

A prática do Clamor pelo Sangue de Jesus

O Clamor pelo Sangue de Jesus passou a se tornar uma prática característica da Igreja Cristã Maranata após uma revelação (explicada mais adiante). Seus cultos são iniciados com uma oração na qual se clama pelo poder do sangue de Jesus, condição para que seja ouvida por Deus. Nela, pedem a Deus, que perdoe os pecados e renove a comunhão dos fiéis. Todos os membros são orientados a iniciarem essas orações, fora as glorificações (agradecimentos), com "Senhor, clamamos pelo poder que há no sangue de Jesus". Alguns, como o Pr. Josias, encerram a oração com “oramos no nome e no sangue de Jesus. Amém!”

Em entrevista à Rádio Maanaim, pertencente à Igreja Cristã Maranata, o Pr. Amadeu Loureiro Lopes, afirmou, no programa "Conversas Bíblicas":[14]

Mas nós não entendíamos, doutrinariamente, biblicamente, o porquê do clamor [pelo sangue de Jesus]. Tava na Bíblia [o poder do sangue]. O Espírito Santo revelou que nós tínhamos que clamar pelo sangue de Jesus... Nós começamos a fazer até por obediência à revelação e porque os dons espirituais eram uma coisa, como sempre foram, uma coisa muito forte nas experiências que vinham. Começamos a fazer e funcionou. Mas nós não tínhamos uma base doutrinária que definisse bem isso. Pastor Jonas começou a dar aulas nos seminários nossos sobre o clamor pelo sangue, mas não tinha uma base [bíblica]. Muitos pastores foram embora achando que nós éramos... que aquilo era místico, que era supersticioso clamar por sangue, sangue... Pr. Amadeu Loureiro Lopes.

Também numa aula de seminário no "Maanaim" de Domingos Martins, em 18 de dezembro de 2004, a Igreja disse:[15]

Muito bem! Então o clamor pelo sangue de Jesus é isso. No começo de cada culto nós fazemos. É o início de um culto onde todos entram numa mesma comunhão. Se você na hora da oração quiser renovar o clamor, pode renovar, mas é até dispensável... na comunhão é dispensável. Todas as vezes que você vai entrar na presença do Senhor é pelo sangue. A porta da Graça só se abre pelo sangue. É pelo sangue que eu clamo agora! Eu não vou cantar um louvor antes não! Eu primeiro clamo, depois canto o louvor. Eu clamo porque é o meu momento de comunhão. É ali que Deus abre as portas.

A Maranata também entende que o Espírito Santo é o próprio sangue de Jesus:[15]

O sangue que Ele derramou ia fazer parte desse corpo [a igreja], para dar vida a esse corpo. Jesus pegou o pão e disse assim: 'o pão é símbolo do meu? Do meu? O sangue é símbolo do meu Espírito.' Agora nós entendemos, então, esses dois elementos que são parte da igreja. A igreja é o corpo e sangue (...), corpo e sangue, é isso que todo mundo tem. Maanaim de Domingos Martins, 18 de dezembro de 2004.

Palavra Revelada, Revelação ou "Quinta Medida"

A Igreja Cristã Maranta entende que o Senhor Jesus, por meio da Sua Palavra escrita e da doutrina revelada, dá as orientações necessárias para a edificação da igreja. Isto é, entende que o Espírito Santo continua a dar novas revelações. Segundo o atual presidente:[16]

Nós [Maranata] estamos vivendo nesse tempo de "revelação". Não existe outra coisa. Antes era a Palavra (...). Agora não! Agora é revelação. Por quê?! Porque a "letra" perdeu o efeito.

Enfatiza a supremacia da "revelação" em relação à “letra” (Bíblia Sagrada). Desestimulam os membros a aprofundarem-se nos ensinos teológicos e filosóficos, sob o argumento de que seria decair da “5ª medida” (sinônimo de “revelação”, internamente) para a “4ª medida” (sinônimo de “razão”, isto é, sem as lentes do Espírito Santo, segundo o Presbitério; que tem esse nome em referência às medidas de altura, largura, profundidade e tempo)[17].

Os temas centrais de suas mensagens e ensinos são: Arrebatamento secreto (entre a 3ª e a 4ª trombetas do Apocalipse), segunda vinda de Jesus, a excepcionalidade da “obra do Espírito” (entendida por muitos sinônimo da “Igreja Cristã Maranata”, ainda que, no discurso, a liderança diga que é possível que outras denominações façam parte da "obra", para isso, veja Obra como forma de vida) e o viver no “tempo do breve” (como denomina o período intermediário entre as 3ª e 4ª trombeta). Para o atual Presidente, Pr. Gedelti Victalino Teixeira Gueiros, é a "quinta medida, essencial para a vida, um elo que é capaz de ligar o homem à eternidade através do Senhor Jesus, que poderá ser compreendido como revelação. Portanto, para o crente, além das quatro medidas da física moderna, existe uma quinta medida, que é a revelação, responsável pela transcendência da Palavra de Deus, como Palavra revelada..."[18] Entende-se por "Palavra revelada" a interpretação alegórica de passagens Bíblicas num sistema de interpretações desenvolvido pela Igreja Cristã Maranata, conforme informam, por "revelação".

Em seu livro "Resumo Histórico, Profético e Doutrinário - volume II", o Pr. Gedelti afirma que:[19]

... a tradição [segundo a Maranata, “Tradição” é um “grupo de evangélicos que vivem de ensinos, mas sem compromisso com a Palavra viva” (sic)[20]] perdeu o sentido do projeto e já não sabe onde está, rejeitando o batismo com o Espírito Santo, os dons espirituais e a Palavra Revelada - recursos colocados à disposição dos crentes para serem vitoriosos nesse tempo, um projeto que o Senhor tem estabelecido para a Igreja Fiel nos últimos dias. Fato esse que nos levou ao afastamento e rejeição da doutrina pregada pela 'tradição', visto que a tradição vivia e vive da mesma ortodoxia vazia e sem conteúdo profético, estagnada - uma história envelhecida, já sem frutos, como resultado do fracasso teológico que capitulou diante das ideologias estabelecidas pela razão.

Numa transmissão especial para os jovens, em 23 de maio de 2020, o Presidente Pr. Gedelti Gueiros afirmou que a doutrina da igreja era suficiente para salvação, de modo que a denominação não teria preocupação com a elaboração de pregações sobre e para salvação diretamente:

É de muita importância, nesta hora, uma palavra que esteja dentro do momento profético em que estamos vivendo. Os irmãos têm observado que não há uma preocupação da Igreja Cristã Maranata de fazer mensagens, pregações sobre salvação, isso porque a doutrina é suficiente para encaminhar o entendimento das pessoas quanto ao projeto de salvação. À medida em que nós entendemos a doutrina, que está na Palavra de Deus... à medida em que isto é entendido, automaticamente a salvação é resultado da aceitação dessa palavra em nossos corações e é o seguimento natural da Igreja no seu projeto de evangelização.

Obra como forma de vida

Há, como uma das doutrinas basilares da denominação, uma associação da denominação com o termo "Obra do Espírito Santo", "Obra de Deus" ou só "Obra", muito embora afirmem alguns de seus membros, de modo contrário, que, na realidade, ela apenas pertence à “Obra”. No entanto, o que acontece na prática é que a denominação sempre usa o termo como sinônimo para si, como é evidenciado na apostila do curso de "Doutrinas Bíblicas" de seu Instituto Bíblico, na qual a Igreja Maranata afirma que é conhecida por "Obra" em razão do que segue abaixo:[21]

Esta Obra faz parte de uma organização religiosa que possui o nome Maranata. Um nome não muito comum para ser dado a uma organização religiosa como as demais que existem, mas foi dado por Revelação do Espírito Santo. Esse nome foi dado para que se entendesse o projeto de Deus para este momento final.

Os crentes da ICM foram chamados para pregar a mensagem identificada pelo nome Maranata. Ainda que outros grupos também preguem isso, o compromisso deles é diferente do [compromisso] da ICM, pois o compromisso dela é com o momento profético relacionado aos sinais para a Igreja e para o mundo, [compromisso] assumido por ela diante do Senhor de anunciar a Sua vinda para buscar Sua igreja. (...)

Os servos desta Obra escolheram e aceitaram esse projeto (...). Os outros grupos têm suas diversas doutrinas e ensinos cujo propósito revela outro projeto, mas o propósito desta Obra revela um projeto que é [somente de] anunciar que Jesus virá. (...)

A Obra do Espírito Santo tem uma missão a cumprir, pois tem uma mensagem, uma ênfase para o momento: Maranata! O Senhor Jesus vem!

Num seminário no "Maanaim" de Domingos Martins, em 2004, Pr. Amadeu Loureiro Lopes afirmou que "se saíram três pessoas, Ele [Deus] tirou uma 'unha encravada', não mexeu em nada do corpo [de Jesus Cristo, isto é, a Igreja]; pelo contrário, deu um alívio porque tirou um negócio ruim". De igual modo, o atual presidente da igreja, Pr. Gedelti Gueiros, no mesmo ano e no mesmo ''Maanaim'', disse:[22]

Meus irmãos, 'filho único'! Essa Obra é filho único. Quem não conhecer essa Obra, não amar essa Obra como filho único, ele não vai... vai cair com o ministério de Eli... (...) Porque esta Obra, meus irmãos, esta Obra, prestem bem atenção no que eu estou dizendo, todos trabalham pra ela, porque os fiéis vão vir para ela. Onde eles estiverem, eles vão vir pra essa Obra. Eles vão vir! O fiel! O infiel, não. Ele [o 'infiel'] vai continuar, é meia sola mesmo e vai embora [da 'Obra']. Agora... agora a Obra, meus irmãos, é filho único, é filho único. (...) Meus irmãos, a nossa preocupação, toda a nossa preocupação, tudo o que nós falamos, tudo o que nós vivemos é a Obra... Samuel, meu filho. Samuel, meu filho, como você é querido. Essa Obra é assim. Como essa Obra é querida! Almoçamos a Obra, jantamos a Obra, dormimos a Obra, madrugamos a Obra, acordamos a Obra, trabalhamos e a Obra está no nosso coração. Quando não é assim, não é a Obra, é uma Religião, é uma Religião, e a Religião ela vai acabar na sua vida, mas a Obra é filho único. É aquilo que nós temos todos os dias da nossa vida, enquanto nós vivermos. Meus irmãos, nós não temos outro lugar para ir. Não há outro lugar para nós. Esta é a Obra do Espírito. Meus irmãos, quem não teve o entendimento ainda de Obra, está num momento difícil. Quem não entendeu aquilo que o Senhor estabeleceu para este momento que nós estamos vivendo, para nós, para um grupo de pessoas que Ele chamou, que escolheu, que comissionou... quem não entendeu 'tá' (sic) vivendo grandes dificuldades. Por quê? Porque nós estamos diante de um acúmulo de informações que se parecem com um evangelho que estão muito adequados àquilo que é a cultura chamada Evangélica, que todo mundo fala de salvação, de bênçãos e tudo isso, mas que finalmente caminham para um lugar que não é o que o Senhor marcou para nós. Que caminham para uma posição totalmente diferente da nossa." Pr. Gedelti Victalino Teixeira Gueiros, Maanaim de Domingos Martins, 2004 (trechos destacados).

Sobre desligamento de membros da instituição, conforme a Circular nº 46 de 2010, a igreja Maranata afirma, ainda, que:[23]

se alguém resolve sair do nosso meio, seja por exclusão ou por decisão pessoal, sabemos que não levará Jesus, nem o Espírito Santo, nem a Igreja Fiel, e isto serve de advertência para que ninguém se precipite, levados por enganos em decisões pessoais de terceiros, irresponsáveis, em certos casos que levam à derrocada a vida espiritual.

Não obstante, em comemoração aos 52 anos da igreja, em 31 de outubro de 2020, Gedelti Gueiros, seu presidente, afirmou acerca dos que saíram da instituição:

Atender aquilo que vem do Espírito Santo, [isto é] atender revelação. E o nosso povo, os nossos pastores, os nossos obreiros que não entendem isso, alguns se vão. O que é natural até... Nós temos hoje o mês da oferta voluntária [outubro]. Há aqueles que estão entrando e aqueles que estão se oferecendo para irem embora. Ninguém se preocupe com isso [saída de membros]! Aqueles que ficam [fora da Maranata] é porque nunca vão continuar... eles não entenderam o chamado, não entenderam para que foram chamados, não sabem contra quem estão lutando, não sabem por quem estão lutando e buscam nos seus sentimentos, muitas vezes, a solução para problemas espirituais...

Aos 15 de dezembro de 2020, o também membro do Conselho Presbiteral, Pr. Marcelo Ferreira do Nascimento, sobre aqueles que se desligam, pregou que:[24]

Quando esses ventos sopram, a palha leva. Palha é o crente que não tem consistência, é a falta de conteúdo, de doutrina [da ICM], de uma experiência, de um chamado, de ter raízes. Então, quando os ventos sopram, as provas sopram, quando a igreja é sacudida, esses que são vazios de uma experiência com 'a Obra do Espírito' [internamente, sinônimo de Igreja Cristã Maranata], que estão vazios de uma Palavra 'Revelada', o vento bate e sopra... Mas o trigo, não, porque, meus irmãos, o trigo é o fiel, o trigo é aquele que tem a Palavra, o trigo é o que tem a doutrina [ maranática ou icemita], o trigo é o que tem consistência espiritual, tem peso, ele sente nele o peso de seu chamado, de suas experiências; o vento bate nele, mas não leva, ele é sacudido, mas ele permanece na eira [[[Igreja Cristã Maranata]]], ele permanece na igreja, ele permanece na 'Obra do Espírito' [sinônimo de Maranata]...

Em suma, os ex-membros são chamados, pela instituição, de: "Caído", "sacerdote da Casa de Mica" (diversos seminários do segundo semestre de 2020), "Eliasibe" (sacerdote deposto por Neemias - seminários e EBDs entre 2018 e 2020), "Tobias" (inimigo de Neemias - seminários e EBDs entre 2018 e 2020), "Peixe Ruim" (EBD de 24 de janeiro de 2021), "Corá", "Caim", Judas", "Joio" e tantos outros exemplos negativos. Alguns dos que saem e confrontam suas doutrinas costumam ser processados pela denominação.

Arrebatamento, “tempo do Breve” e quarta trombeta

A Maranata adota uma posição dispensacionalista quanto ao entendimento acerca do milenarismo, semelhante a denominações como Assembleia de Deus ou Igreja Batista (majoritariamente), isto é, que a segunda vinda de Jesus Cristo se daria em duas fases: 1) secreta e somente para a igreja, que sumirá; 2) para juízo do mundo. Mas a Maranata crê que Arrebatamento e Segunda vinda são eventos distintos.[25] No entanto, difere quanto à crença no momento em que se dará o arrebatamento, isto é, apesar de crer que se dará antes da grande tribulação, acredita que acontecerá após o toque da quarta trombeta do Livro de Apocalipse, não da sétima, afirmando que este é um segredo que somente a ela foi revelado. A instituição entende que há sete tempos, cada qual correspondente a uma das Sete igrejas do Apocalipse, a saber: Éfeso = Igreja Primitiva; Esmirna = Igreja perseguida pelo Império Romano; Pérgamo = surgimento do Catolicismo através de Constantino; Tiatira = fortalecimento da Igreja Católica na Idade Média e sua perseguição aos opositores; Sardes = Lutero e Reforma Protestante; Filadélfia = avivalistas como John Wesley, George Whitefield, Jonathan Edwards e outros. No entanto, recentemente (2020), passou a entender que esta Igreja seria paralela à Laodiceia, sendo esta a “igreja infiel” e aquela, “igreja fiel”; Laodiceia = até 2020, era entendida como o último tempo profético, de frieza espiritual. Após 2020, passou a entender que a 6ª e a 7ª cartas pertenceriam ao mesmo tempo profético, sendo uma antônimo da outra. Acerca da última “dispensação”, ou último tempo profético, a Igreja Maranata o denomina de “Tempo do Breve”. No entanto, cita textos de todas as cartas para justificá-lo, apesar de dizer que ele se limita apenas à última carta (até 2020) ou às duas últimas (após 2020).

Numa entrevista à “Rádio Maanaim”, da própria Maranata, no programa Conversas Bíblicas, cujo tema foi “A 4ª Trombeta” o Pr. Gérson Beluci Miguel afirmou que o trecho de Apocalipse, capítulo 8, versículo 5, diz que o fogo do incensário seria o próprio derramamento do Espírito Santo na “última hora”, que seria “uma intensidade maior da presença do Espírito Santo sobre a terra para que a igreja fiel perceba esses sinais proféticos e se prepare para a volta do Senhor Jesus, ou seja, o arrebatamento da igreja“ (muito embora, exegeticamente, “relâmpagos, vozes, trovões e terremotos”, consequências daquele derramar de fogo, estejam relacionados à Justiça e Juízo Divinos, com base correlacionada em Apocalipse, capítulo 11, versículo 13). Anunciou o referido pastor, na mesma ocasião:

... o batismo com o Espírito Santo. Ele demonstra, ele dá à igreja essa capacidade de entender a profecia do Senhor Jesus. Então, para nós [Igreja Maranata], a quarta trombeta é a última e nós vamos explicar isso (...). Porque a quarta trombeta [ferimento da terça parte do Sol, da Lua e dos demais astros celestes] está prestes a tocar. (...) Evidentemente essa trombeta ainda não tocou, mas se nós fizermos menção dos evangelhos, tanto em Lucas 21 quanto em Mateus 24 (...). Esse é o momento em que a igreja vai subir, vai ser arrebatada, encontrar o Senhor Jesus dentre nuvens e entrar para as bodas do Cordeiro. E aí, enquanto o mundo aqui vai passar por sete anos de tribulação, na sua metade, né?! Três anos e meio [de “paz” e nos últimos três anos e meio vai] entrar na grande tribulação e os gentios, o tempo dos gentios termina no arrebatamento [porque a Maranata crê que os judeus daquele período serão salvos].

Os estudos, portanto, da denominação se limitam às quatro primeiras trombetas, enquanto as três últimas seriam maldições aos ímpios. Muito embora a sétima trombeta diga respeito ao triunfo final reino de Cristo sobre todas as Nações.

Batismo com o Espírito Santo e Dons Espirituais

O rompimento da Igreja Cristã Maranata com a Fé Reformada, ou Tradição Reformada, deu-se especialmente em razão de seu abraço ao Pentecostalismo.[5] Tal "abraço" pode ser entendido como uma adoção de doutrinas como Batismo com o Espírito Santo (Igreja consideradas Reformadas creem no Batismo com o Espírito Santo, porém que este acontece no momento da conversão), durante ou posterior à conversão, e ênfase nos Dons Espirituais chamados "extraordinários", isto é, os nove dons elencados na Primeira Epístola aos Coríntios, capítulo 12, versículos 8 a 10: sabedoria, ciência/conhecimento, fé, dom de curar, operação de maravilhas, profecia, discernimento de espíritos, variedades de línguas (glossolalia) e interpretação de línguas.

Acerca do Batismo com o Espírito Santo, na Igreja Cristã Maranata, é entendido como podendo ser confirmado nos seminários (estudos doutrinários da Maranata com duração de um dia nos locais de reunião chamados "Maanaim(ns)") para "Principiantes" por meio de Consulta à Palavra, entendido por alguns como "bibliomancia" (clamar pelo sangue de Jesus, abrir a Bíblia e colocar o dedo ou apenas olhar para um versículo aleatório; se "positivo", é confirmado o batismo; se "negativo", o indivíduo ainda não teria sido batizado). Já sobre os Dons Espirituais, a Igreja Maranata entende que estes correspondem exclusivamente à lista da I Coríntios 12:8-10. Os demais, chamados pela Tradição Reformada de "dons ordinários/comuns" (Romanos 12:6-8; 1ª aos Coríntios 12:28; Efésios 4:11-12; 1ª Pedro 4:10-11]]). Nos chamados 'cultos proféticos', isto é, cultos para busca por dons espirituais, geralmente visões e/ou revelações, que nortearão o culto público que ocorrerá, em média, meia hora depois ao início da dita reunião.

Atuação

A Igreja Cristã Maranata, através de sua missão internacional, denominada Missão Internacional Cristã Maranata, atua em diversos países das Américas, Europa, Ásia e África. Ademais, mantém relações de comunhão e cooperação com igrejas no Oriente Médio, Europa Oriental e Ásia Central, além do subcontinente Indiano.

Presidência

A presidência da Igreja Cristã Maranata tem sido de caráter vitalício. Segundo o Presbitério da Igreja, os presidentes são eleitos pelos próprios pastores. Atualmente o Presidente da Igreja Cristã Maranata e o Presidente do Conselho Presbiteral é o Pr. Gedelti Victalino Teixeira Gueiros (genro do primeiro presidente e cunhado do segundo presidente da Maranata). O Vice-Presidente da Instituição e do Conselho Presbiteral é seu primo-sobrinho (neto de seu tio Jerônimo Gueiros), o ex-embaixador Alexandre Rubem Milito Gueiros (cunhado do segundo presidente, Dr. Dodd).

Lista de Presidentes

Nome Mandatos
Pr. Manoel dos Passos Barros 1970-1986
Pr. Edward Hemming Dodd 1986-2007
Pr. Gedelti Victalino Teixeira Gueiros 2007-atualidade

No período da prisão do terceiro e atual presidente, Pr. Gedelti Gueiros, a Justiça Federal nomeou como Interventor Federal, para ocupar a presidência interinamente, o Pr. Júlio Cezar Costa.[26] No entanto, o Juiz Dr. Ivan Costa Freitas, da 8ª Vara Criminal de Vitória, destituiu o Pr. Júlio Costa para nomear, como seu sucessor, o Engenheiro Antônio Fernando Barroso Ribeiro.

Conselho Presbiteral

Conselho Presbiteral: 2013-2020:

Desde o episódio de 2013 até agosto de 2020, a denominação passou a contar, como braço da Presidência, com o Conselho Presbiteral, formado pelos pastores:

  1. Pr. Gedelti Victalino Teixeira Gueiros - Presidente do Conselho Presbiteral;
  2. Pr. Adaíso Fernandes Almeida;
  3. Pr. Alexandre Melo Brasil;
  4. Pr. Diniz Cypreste de Azevedo;
  5. Pr. Gilson Pereira de Sousa;
  6. Pr. José de Anchieta Fraga Carvalho (desligado como conselheiro em 10 de fevereiro de 2015);
  7. Pr. Luiz Eugênio do Rosário Santos;
  8. Pr. Marcelo Ferreira do Nascimento; e
  9. Pr. Renato Duguay Siqueira.

Conselho Presbiteral: 2020 - atualidade:

Dentre 2020 à atualidade, mais especificamente a partir de 3 de outubro de 2020, o Conselho Presbiteral tem sido:

  1. Pr. Gedelti Victalino Teixeira Gueiros - Presidente do Conselho Presbiteral;
  2. Pr. Alexandre Rubem Milito Gueiros - Vice-Presidente do Conselho Presbiteral;
  3. Pr. Luiz Eugênio do Rosário Santos - Secretário Geral e substituto imediato do Presidente do Conselho;
  4. Pr. Adaíso Fernandes Almeida;
  5. Pr. Alexandre Melo Brasil;
  6. Pr. Amadeu Loureiro Lopes;
  7. Pr. Antônio Carlos Oliveira;
  8. Pr. Antônio Carlos Ribeiro;
  9. Pr. Diniz Cypreste de Azevedo;
  10. Pr. Edilson Rocha Dias;
  11. Pr. Gilson Pereira de Sousa;
  12. Pr. Luiz Carlos Monferrari de Oliveira;
  13. Pr. Luiz Fernando Gaspar Pitta;
  14. Pr. Júlio Cezar Costa;
  15. Pr. Kleber O. Freitas;
  16. Pr. Marcelo Ferreira do Nascimento;
  17. Pr. Renato Duguay Siqueira;
  18. Pr. Silvio Marques; e
  19. Pr. Valter S. Babo.

Organização

A Igreja Cristã Maranata é autodenominada pelos membros como uma igreja sem fins lucrativos que tem um local com o nome de Presbitério Espírito-Santense, localizado na cidade de Vila Velha, estado do Espírito Santo, responsável pela gestão das igrejas filiadas.

O Presbitério Espírito-Santense da Igreja Cristã Maranata mantém centros denominados "Maanains" (para a denominação, significa "Acampamento de anjos": heb. "dois campos", confira Maanaim), para retiros, confraternizações e doutrinação de seus fiéis. O que atrai os fiéis para estes locais são as aulas ministradas pelos pastores, estudos da Bíblia e louvores.

Maanains

Photo taken in a Maranatha Christian Church space called Maanaim, located in Domingos Martins.

A Igreja Cristã Maranata tem um espaço com o objetivo de transmitir o ensino da doutrina revelada pelo Senhor. São os maanains, que funcionam em todo o território nacional e no exterior.

Atualmente são 60 unidades, sendo que o primeiro deles, o Maanaim de Domingos Martins, fundado na década de 1970, está localizado em um sítio no meio da mata atlântica, na região de Domingos Martins, a 40 quilômetros de Vitória, capital do Espírito Santo, estado de origem da ICM.

Com infraestrutura e método próprio de administração, o local é chamado também de “Cidade Maanaim”, onde há divulgação de toda a doutrina da Obra que o Espírito Santo de Deus tem realizado no meio da Igreja. Seu espaço tem ampla estrutura de monitoramento por Circuito Fechado de Televisão (CFTV), coleta seletiva de resíduos e controle automatizado de sua planta, com uma ampla rede de comunicações por "handie talkie". Os maanains também são destinados à realização de eventos da Igreja Cristã Maranata. São lugares aprazíveis, com toda a condição para que os membros possam absorver o aprendizado e o conhecimento do que o Senhor Deus tem operado no meio da Igreja.

Templos

Templo construído no início da década de 1980 no Rio de Janeiro, este foi o primeiro padrão de construção.
Templo no padrão atual em Campo Grande, Rio de Janeiro.

Os templos podem ser facilmente localizados pelo padrão institucional de construção com estilo colonial, com edificações parecidas com o formato de chalés, tendo em vista que essa construção gera um custo menor no valor final da obra. Em geral, são compostos pela sala principal – em que os cultos são realizados – salas anexas banheiros e, na área externa, varandas e jardins. Em alguns, há ainda, os jardins de inverno localizados numa das laterais do templo e/ou ao lado do púlpito. Há templos instalados nas mais diversas regiões do país, existem também alguns que são denominados de "Trabalho", que são bairros onde ainda não possuem o templo fixo, sendo assim, o trabalho é feito dentro de pequenos salões onde os irmãos se reúnem para os cultos diários. A Igreja Cristã Maranata realiza cultos diariamente, com exceção das sextas-feiras, quando os membros se reúnem em família, em seus lares.

Administração financeira dos recursos arrecadados

A administração financeira dos recursos arrecadados pela igreja é realizada de forma centralizada, de forma que todas as igrejas locais remetem as contribuições [depois de pagas despesas básicas como energia elétrica, água, aluguel (se for o caso) e pequenas despesas de manutenção] ao Presbitério localizado na cidade de Vila Velha. Investimentos fora do pagamento de despesas básicas precisam de autorização do Presbitério para serem executadas.

O Presbitério, responsável pela administração financeira da organização, também não divulga os montantes arrecadados bem como os valores investidos anualmente na aquisição, construção ou reformas de igrejas, gastos administrativos de pessoal do Presbitério, ações sociais e marketing.

Mídia

Sistema de comunicação do Presbitério Espírito-Santense da Igreja Cristã Maranata

Para estabelecer comunicação com seus fiéis, bem como com a sociedade em geral, a Igreja Cristã Maranata possui um sistema de comunicação administrado pelo Presbitério Espírito-Santense, sendo composto pelo sistema de transmissões via satélite, pelo sistema de vídeo conferência - TELECOM, pela Rádio e TV WEB Maanaim, pelo site da Central de Louvor (comissão responsável pela catalogação e proteção de louvores pertencentes a Igreja Cristã Maranata) e pelos diversos sites institucionais da Igreja Cristã Maranata.

Transmissões via satélite

Utilizado para levar a palavra para alguns locais onde não tem pastores, ungidos, diáconos ou obreiros para pregar todos os dias e também para dinamizar e unificar as práticas e doutrinas mantidas pela instituição, a Igreja Cristã Maranata possui um sistema via satélite, para transmissões simultâneas de reuniões e seminários. O sistema de transmissões via satélite tem alcance continental, possibilitando o recebimento das transmissões do norte do Canadá ao sul da Argentina, cobrindo quase todo o continente americano, como também cobrindo toda a Europa Ocidental e partes da Europa Oriental.[27] Para possibilitar a cobertura dos continentes africano, asiático, Europa Oriental (incluindo Rússia Europeia e sua parte oriental) e Oriente Médio, existem pontos de retransmissão de sinal em Portugal, Ucrânia e Bielorrússia. A maioria das Igrejas possui uma antena parabólica e um receptor, conectados a um projetor de imagens e ao sistema de áudio do templo, com o objetivo de transmitir um mesmo ensino a todas as Igrejas conectadas.[28]

Instituto Bíblico Educacional Maranata

O Instituto Bíblico foi instituído em 25 de dezembro de 1972, ato assinado pelo então Presidente da Igreja Cristã Maranata, pastor Manoel dos Passos Barros.[29]

Em seu objetivo inicial, o Instituto estava destinado a prover Curso Bíblico e explicações suplementares para os obreiros da Igreja, visando melhorar seus conhecimentos da Bíblia, a fim de prepará-los para o ministério na seara do Senhor Jesus.

Destacava-se ainda no Estatuto de sua instituição:

O Instituto promoverá igualmente, por todos os meios, o conhecimento do Evangelho, conforme as Escrituras do Velho e Novo Testamento, assim como Educação Cristã e obras de caridade.

Fundação Manoel dos Passos Barros

A Fundação Manoel dos Passos Barros, homônima do seu primeiro presidente, o Pr. Manoel dos Passos Barros, surge em 1999, mas se consolidada em 8 de junho de 2007. Tem por objetivo prestar assistência social, contando com mais de quatrocentos (400) voluntários.[30][31]

A fundação, no entanto, esteve envolvida em acusações sobre desvio de dinheiro e uso irregular de R$ 762.000,00 (setecentos e sessenta e dois mil reais), tendo o Ministério Público de Contas do Espírito Santo requerido a devolução do valor em questão.[32]

Cisões

Uma das primeiras comunidades dissidentes foi a Siló Igreja Cristã. No entanto, desde a divulgação na mídia das denúncias feitas pelo Ministério Público contra denominação, muitas outras denominações passaram a surgir, das quais, até 2019, destaca-se a Igreja Evangélica Maranata.[33]

A maior cisão se deu em 10 de agosto de 2020, quando o Pr. José de Anchieta Fraga Carvalho, que, até a data em questão, era membro do Conselho Presbiteral, professor dos Seminários nos “Maanains” e presidente do Instituto Bíblico Educacional Maranata - IBEM, juntamente com mais seis (6) pastores da Maranata, saíram da denominação e fundaram a Igreja Cristã Reformada Avivalista no primeiro mês. No fim de setembro do mesmo ano a nova denominação já contava mais de 50 templos e 900 membros, estando presente em 8 países, incluindo, obviamente, o Brasil, Estados Unidos da América (50 membros somente de Boston, da “Maranatha Christian Church of America”) e Inglaterra (Reino Unido).

Como resposta ao êxodo de membros e pastores, além de alterar estruturas de horários dos cultos, retornar aos cultos presenciais (em início de setembro de 2020), e trazer temas em cultos e Escolas Bíblicas Dominicais acerca de desligamentos de pastores e demais membros, o Presbitério da Igreja Cristã Maranata ordenou e ungiu quinhentos e um (501) membros ao pastorado, até 3 de outubro de 2020. Entre 3 e 31 de outubro do mesmo ano, duzentos e cinquenta e três (253) novos pastores foram ungidos ou ordenados, totalizando em setecentos e cinquenta e quatro (754).[34]


Controvérsias

Presidência

Muito embora o primeiro Presidente da Maranata tenha sido o Pr. Manoel dos Passos Barros, que não nasceu na família Gueiros, sua filha Jurama Barros Gueiros foi dada em matrimônio ao Pr. Gedelti Victalino Teixeira Gueiros. A irmã do Pr. Gedelti, Sara Gueiros Dodd, por sua vez, casou-se com o Pr. Edward Hemming Dodd (que veio a ser segundo Presidente da Instituição, enquanto seu cunhado, e fundador da Maranata, Pr. Gedelti, foi-lhe Vice-Presidente).

Do casamento do Pr. Edward H. Dodd com Sara Gueiros Dodd, nasceu Gladys Dodd Gueiros, que veio a casar-se com o Pr. e ex-embaixador Alexandre Rubem Milito Gueiros (filho de Rubem Gueiros, primo do Pr. Gedelti e neto do Pr. presbiteriano Jerônimo Gueiros, tio-materno do Pr. Gedelti e, obviamente, da D. Sara Gueiros Dodd). Em 2020, Pr. Gedelti, em Assembleia Extraordinária, convocou os líderes regionais da Igreja Cristã Maranata para alteração estatutária. Em outubro do mesmo ano, numa reformulação do Conselho Presbiteral, Pr. Alexandre Gueiros, seu primo-sobrinho e genro de sua irmã, foi apresentado como Vice-Presidente da Maranata, de sorte que a futura presidência continuará vinculada, por laços sanguíneos ou de afinidade (parentesco decorrente de lei, confira [[Parentesco

Processos criminais

O pastor Gedelti Gueiros, presidente e fundador da Igreja Cristã Maranata (ICM), foi preso na manhã do dia 24 de maio de 2013, em sua casa, na Praia da Costa, Vila Velha, Grande Vitória. De acordo com a polícia, ao todo, foram expedidos 10 mandados de prisão contra membros da igreja. Oito foram cumpridos e dois integrantes se apresentaram espontaneamente. De acordo com o promotor de Justiça Paulo Panaro, os membros continuavam participando da administração e praticando crimes como estelionato de forma indireta.[35]

Em 14 de maio de 2013, dezenove membros da igreja foram denunciados pelo Ministério Público do Espírito Santo pelos crimes de estelionato, formação de quadrilha e duplicata simulada. Segundo o próprio MPES, eles teriam praticado desvio de dízimo da igreja, envolvendo uma movimentação de, aproximadamente, 24,8 milhões de reais. Antes, em março do mesmo ano, Gedelti e outros três membros da ICM haviam sido presos por coagir e ameaçar testemunhas do inquérito que investiga a igreja, conforme áudio que se tornou público na internet.

Além de Gedelti, que foi detido em casa, na Praia da Costa, Vila Velha; Antônio Angelo Pereira dos Santos, Antonio Carlos Rodrigues de Oliveira, Antonio Carlos Peixoto, Amadeu Loureiro Lopes, Carlos Itamar Coelho Pimenta e Jarbas Duarte Filho foram levados para o DPJ, passaram por exames no Departamento Médico Legal (DML) e foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Viana. O pastor Arlínio de Oliveira Rocha teve prisão domiciliar decretada. Wallace Rozetti e Leonardo Meirelles de Alvarenga se apresentaram diretamente na delegacia, pela manhã. O interventor da instituição, Júlio Cezar Costa, foi destituído. A sede do presbitério da Maranata, em Vila Velha, foi interditada pela polícia.

Júlio Cezar Costa, que havia sido nomeado interventor da ICM, disse que foi comunicado de sua destituição por ordem judicial. Entretanto, o Ministério Público defende que a Igreja continuava sob o mesmo comando de forma dissimulada, havendo grande intimidade entre o interventor e os investigados.[36] O novo interventor será Antônio Barroso Ribeiro.

Para justificar a saída dos R$ 24,8 milhões, notas fiscais frias teriam sido usadas. Mais de R$ 900 mil foram gastos em uma papelaria, por exemplo, mas os produtos no local custam muito menos.[37]

A própria Maranata investigou e chegou a mover uma ação contra o vice-presidente e o contador. Eles foram afastados dos cargos. Mas, para o Ministério Público, toda a direção da igreja pode estar envolvida no desvio do dinheiro dos fiéis. Ainda segundo informações publicadas no jornal "A Gazeta", as investigações do MP-ES apontam para a prática de vários crimes, como: estelionato, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, ameaça e formação de quadrilha.

"A polícia ainda realizou busca e apreensão na casa dos acusados, escritórios e na Rádio Maanaim, local onde acontecia as reuniões com as testemunhas. Além de documentos e computadores, a Polícia Federal apreendeu uma arma [de fogo]." [38]

Em novembro de 2014, o Superior Tribunal de Justiça confirmou a legalidade de provas obtidas por escutas telefônicas, que os advogados dos investigados alegavam ser juridicamente nulas. A Fundação Manoel dos Passos Barros, ligada à igreja Cristã Maranata, também é investigada em ação de improbidade, movida pelo Ministério Público. A entidade é acusada de suposta fraude no uso de recursos públicos, obtidos através de emendas parlamentares.[39]

Em 2016, após concessão de “Habeas Corpus” pelo Ministro Enrique Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, os pastores Gedelti Victalino Teixeira Gueiros, Amadeu Loureiro Lopes e outros, então presos, tiveram a liberdade decretada até que o caso fosse julgado na primeira instância da Justiça Federal do Espírito Santo. O processo ainda está em andamento.[40]

Escola Bíblica Dominical

Comumente, nas transmissões da Escola Bíblica Dominical ou Seminários, Pr. Gedelti, Pr. Daniel Moreira, Pr. Marcelo Ferreira, Pr. Amadeu Loureiro e outros costumam atacar os pastores e/ou membros que saem da instituição, de forma indireta, por meio de alegorias inspiradas na Bíblia, de modo que chama todos aqueles que não permanecem na denominação por: "Caído", "sacerdote da Casa de Mica" (diversos seminários do segundo semestre de 2020), "Eliasibe" (sacerdote deposto por Neemias - seminários e EBDs entre 2018 e 2020), "Tobias" (inimigo de Neemias - seminários e EBDs entre 2018 e 2020), "Peixe Ruim" (EBD de 24 de janeiro de 2021), "Corá", "Caim", Judas", "Joio" e tantos outros exemplos negativos.

Processos contra ex-membros da Maranata

Juntamente com alguns pastores ou não, a instituição tem aberto diversos processos contra ex-membros ou apologistas que fazem críticas às doutrinas que prega ou aos que relembram das acusações criminais que sofrem tanto os pastores quanto a instituição, dentre os quais destaca-se o Pr. Sólon Pereira (ex-pastor da Maranata).

Homenagens - Jubileu de Ouro (2018)

Em 2018 a Igreja Cristã Maranata completou 50 anos de existência e, com isso, recebeu homenagens em todo o país, desde Câmaras Municipais ao Senado Federal do Brasil. No ano em questão, recebeu as seguintes honrarias:[41]

  • 7 de maio de 2018: Homenagem da Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo;
  • 25 de maio de 2018: Homenagem do Senado Federal;
  • 11 de junho de 2018: Homenagem da Câmara Municipal de Vila Velha/ES;
  • 30 de julho de 2018: Homenagem da Câmara Municipal de Vitória/ES;
  • 1 de agosto de 2018: Homenagem da Câmara Municipal de São Paulo/SP;
  • 17 de agosto de 2018: Homenagem da Câmara Municipal de Belo Horizonte/MG;
  • 20 de agosto de 2018: Homenagem do Governo do Estado do Espírito Santo;
  • 12 de setembro de 2018: Homenagem da Câmara Municipal de Juiz de Fora/MG;
  • 20 de setembro de 2018: Homenagem da Câmara Municipal de Campinas/SP;
  • 22 de novembro de 2018: Homenagem da Câmara Municipal de Guarapari/ES.


Referências

  1. «Canal da Igreja Cristã Maranata». Consultado em 30 de agosto de 2020 
  2. «Maranata é uma das igrejas que mais cresce no Brasil». tribunaonline.com.br. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  3. «Como surgiu a Igreja Cristã Maranata». Igreja Cristã Maranata. 25 de agosto de 2020. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  4. a b Alves, Leonardo Marcondes (2017). «Igreja Cristã Maranata». Cham: Springer International Publishing (em inglês): 1–5. ISBN 9783319089560. doi:10.1007/978-3-319-08956-0_218-1 
  5. a b Site oficial Igreja Cristã Maranata; https://www.igrejacristamaranata.org.br/quem-somos/
  6. Cristã Maranata, Igreja (2019). «Site oficial da Igreja Cristã Maranata». Sítio oficial da Igreja Cristã Maranta, aba "Quem somos". Consultado em 20 de novembro de 2019 
  7. Brinco, Joel Ribeiro. "Igreja Presbiteriana de Vila Velha: 50 anos de história". Vila Velha: 2003
  8. Chung Nin, Altamir; Batista, Dimas ; Bodart, Cristiano das Neves. Instituição Política: Igreja Cristã Maranata. Cachoeiro de Itapemirim/ES: São Camilo: Espírito Santo, 2000
  9. «Igreja Cristã Maranata». maranathachurches.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  10. «Discurso do Deputado Federal Carlos Manato - Sessão 298.3.55.O» 🔗. Câmara dos Deputados. 9 de outubro de 2017. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  11. BRINCO, Joel Ribeiro (2003). Igreja Presbiteriana de Vila Velha: 50 anos de história. Vila Velha: Edição do Autor 
  12. «História dos Hinos - Aquilo que fui não sou mais - Igreja Cristã Maranata». Igreja Cristã Maranata. 14 de setembro de 2020. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  13. Apostila de Doutrinas Básicas, módulo III: Anjos. Vila Velha: Instituto Bíblico da Igreja Cristã Maranata. 2018. p. 34-37. 40 páginas 
  14. Conversas Bíblicas. Clamor pelo sangue de Jesus - Pr. Amadeu Loureiro Lopes. Rádio Web Maanaim.
  15. a b "Maanaim" de Domingos Martins, em 18 de dezembro de 2004
  16. GUEIROS, Gedelti Victalino Teixeira. Maanaim de Domingos Martins: Marechal Floriano, 2019.
  17. GUEIROS, Gedelti Victalino Teixeira. «Fé e a quinta medida». www.agazeta.com.br. Consultado em 17 de setembro de 2020 
  18. GUEIROS, Gedelti Victalino Teixeira (2018). Resumo Histórico, Profético e Doutrinário - Volume I. Vila Velha: Igreja Cristã Maranata. p. 12 
  19. GUEIROS, Gedelti Victalino Teixeira (2018). Resumo Histórico, Profético e Doutrinário - volume II. Vila Velha: Igreja Cristã Maranata. p. 31 
  20. Apostila de “Doutrinas Bíblicas”, módulo IV: Arrebatamento da Igreja e Volta de Jesus. Vila Velha: Instituto Bíblico da Igreja Cristã Maranata. 2018. p. 73. 74 páginas 
  21. Apostila de Doutrinas Bíblicas, módulo IV. Vila Velha: Instituto Bíblico da Igreja Cristã Maranata. 2018. p. 16-17. 27 páginas 
  22. Pr. Gedelti Gueiros. Maanaim de Domingos Martins, 2004.
  23. Circular nº 46 de 2010. Vila Velha: Igreja Cristã Maranata. 2010. p. 12. 12 páginas 
  24. NASCIMENTO, Marcelo Ferreira do (15 de dezembro de 2020). «"E limpará a sua eira" - Mateus 3: 12». Igreja Cristã Maranata. Consultado em 20 de janeiro de 2021 
  25. Apostila “Doutrinas Bíblicas”, módulo IV: Arrebatamento da Igreja e Volta de Jesus. Vila Velha: Instituto Bíblico da Igreja Cristã Maranata. 2018. p. 12. 74 páginas 
  26. ES, Do G1 (2 de abril de 2013). «Interventor da Maranata no ES confirma uso indevido de dinheiro». Espírito Santo. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  27. «Cobertura do satélite Intelsat 805». Consultado em 30 de janeiro de 2012 
  28. «O satélite». Consultado em 22 de janeiro de 2012 
  29. «Sobre o Instituto». Instituto Bíblico da Igreja Cristã Maranata. Consultado em 16 de outubro de 2020 
  30. «A fundação – Fundação Passos Barros». Consultado em 17 de outubro de 2020 
  31. Lei nº 9.608, de 22 de setembro de 2008. Belo Horizonte: Diário Oficial do Município de Belo Horizonte. 2008 
  32. «MPC reitera pedido de condenação da Fundação Manoel dos Passos Barros para devolver R$ 762 mil usados irregularmente – Ministério Público de Contas do Estado do Espírito Santo». Consultado em 17 de outubro de 2020 
  33. «Igreja Evangelica Maranata». Igreja Maranata. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  34. GUEIROS, Gedelti Victalino Teixeira. Culto especial pelos 52 anos. Transmissão via satélite. 31 de outubro de 2020.
  35. Le; Am, ro Nossa e; ES, a MonteiroDo G1 (24 de junho de 2013). «Fundador e pastores da Igreja Maranata são presos no ES». Espírito Santo. Consultado em 2 de julho de 2020 
  36. ES, Mariana PerimDo G1 (24 de junho de 2013). «Pastores presos agiam na Maranata mesmo afastados, diz MP-ES». Espírito Santo. Consultado em 2 de julho de 2020 
  37. ES, Do G1; Gazeta, com informações da TV (10 de março de 2012). «MP-ES abre inquérito para investigar desvio de dízimo na Igreja Maranata». Espírito Santo. Consultado em 2 de julho de 2020 
  38. Jornal "A Gazeta": 12/03/2013
  39. STJ confirma legalidade de provas na investigação contra membros da Igreja Maranata
  40. «Liminares do STF soltam membros da Igreja Maranata». Consultor Jurídico. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  41. Maranata, Igreja Cristã (14 de dezembro de 2018). «Maranata 50 anos: um 2018 de homenagens». Gazeta Online. Consultado em 22 de outubro de 2020 

Ligações externas