Igrejas Reformadas do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Igrejas Reformadas do Brasil
Classificação Protestante
Orientação Calvinista
Política Reformada [1]
Associações Conferência Internacional das Igrejas Reformadas[2]
Área geográfica Brasil
Origem 1970 (52 anos) [3]
Recife e Maceió
Ramo de(o/a) Igrejas Reformadas Liberadas e Igrejas Reformadas Canadenses e Americanas
Congregações 19 (2020)[4]
Membros 1.038 (2020)[4]
Site oficial igrejasreformadasdobrasil.org

As Igrejas Reformadas no Brasil (IRB) são uma confederação de igrejas reformadas continentais, iniciadas por missionários canadenses e holandeses em 1970. As igrejas funcionam como confederação de igrejas locais e estão presente em vários Estados do Brasil, sendo a maior confederação de igrejas reformadas de tradição holandesa no país.[3]

Em 2020, era formada por 19 igrejas e congregações e 1.038 membros (690 comungantes e 348 não comungantes).[4]

História[editar | editar código-fonte]

França Antártica[editar | editar código-fonte]

As Igrejas Reformadas do Brasil têm suas raízes na Reforma Protestante do Século XVI na Europa continental. Desde o início da colonização do Brasil, as igrejas reformadas da França enviaram ao Brasil um grupo de fieis com vários pastores reformados, com o apoio do reformador João Calvino, Chegaram em em 1557 na Baía de Guanabara, para estabelecer a colônia da França Antártica. Todavia, devido as guerras religiosas entre franceses, a maior parte dos colonos protestantes foram mortos. Alguns dos colonos foram executados 1558 pelos portugueses, sendo os primeiros mártires protestantes no Brasil.[5]

Invasão Holandesa[editar | editar código-fonte]

Na primeira parte do século XVII, por meio da Invasões holandesas no Brasil, a Fé Reformada voltou ao Brasil, sendo pregada pelos holandeses na Região Nordeste aos nativos. No auge do trabalho reformado, existiam 22 igrejas instituídas, organizadas em duas classes (presbitérios) e um sínodo regional. As Igrejas Reformadas realizaram muitos trabalhos missionários nas aldeias dos indígenas, usando uma tradução em Tupi do Catecismo de Heidelberg, o que levou a conversão de indígenas e até mesmo a ordenação de ministros nativos para as igrejas formadas, formados na Universidade de Leiden.[6][7]

A primeira tradução da Bíblia para a Língua portuguesa foi feita por João Ferreira de Almeida, um português, ex-padre e pastor da Igreja Reformada Holandesa, tendo sido completada posteriormente por pastores holandeses.[8]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

No século XIX, a Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos da América e Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos (que também eram reformadas) reiniciaram o trabalho reformado no Brasil, originando a atual Igreja Presbiteriana do Brasil, que é a maior igreja confessional reformada no Brasil.[9][10]

Missões Canadenses em Holandesas[editar | editar código-fonte]

A partir do ano de 1970, as Igrejas Reformadas Canadenses e Americanas iniciaram trabalhos missionários na região litorânea entre Recife e Maceió no Nordeste do Brasil. O trabalho missionário iniciou após consultas com a Igreja Presbiteriana do Brasil, que indicou esta área como sendo necessitada de evangelização. Na mesma época, as Igrejas Reformadas Liberadas iniciaram trabalhos missionários em Curitiba e depois Colombo no Sul do Brasil. No ano 2000, as igrejas iniciadas nestes trabalhos missionários se confederaram, adotando o nome "Igrejas Reformadas do Brasil".[11]

Igrejas Reformadas no Brasil no Século XXI[editar | editar código-fonte]

Desde então a confederação continua crescendo e trabalhando pela plantação de novas igrejas, que já estão presentes em vários estados do Brasil. Atualmente, a Confederação das igrejas conta com um seminário para a formação de ministros, o Instituto João Calvino, localizado em Camaragibe, Pernambuco.[12][13]

Em 2020, a denominação tinha 9 igrejas organizadas, 10 congregações, 13 ministros (pastores) e 1.038 membros (690 comungantes e 348 não comungantes).[4]

Doutrina[editar | editar código-fonte]

As Igrejas Reformadas do Brasil subscrevem os Credos Ecumênicos (Credo dos Apóstolos, Credo Niceno, e Credo de Atanásio) e as Três Formas de Unidade (Confissão Belga, Catecismo de Heidelberg, e Cânones de Dort), fazendo assim parte das Igrejas Reformadas Continentais.[14][15]

As igrejas confederadas também não admitem a ordenação feminina e possuem liturgia e formas genebrinas, com revisões do Sínodo de Dort.[16][17]

Igrejas e congregações da confederação[editar | editar código-fonte]

- Congregação de Salvador Lyra, Maceió, Alagoas
- Congregação Barra Grande
- Congregação Barreiras de Boqueirão, Japaratinga, Alagoas
- Congregação em Paulista, Pernambuco
- Congregação de Alberto Maia, Camaragibe, Pernambuco
- Congregação de Beberibe, Recife, Pernambuco
- Congregação em Caruaru, Pernambuco
- Congregação em Brasília[20]
- congregação de Remígio, Paraíba
- congregação de Gurinhém, Paraíba

Relações Intereclesiásticas[editar | editar código-fonte]

Igrejas-Irmãs[editar | editar código-fonte]

As Igrejas Reformadas do Brasil possuem relacionamento de igrejas-irmãs com as Igrejas Reformadas Canadenses e Americanas e Igrejas Reformadas Liberadas, que enviaram os primeiros missionários que originaram suas congregações.

Orgãos Internacionais[editar | editar código-fonte]

A confederação das Igrejas Reformadas do Brasil participa como membro da Conferência Internacional das Igrejas Reformadas, uma organização ecumênica de igrejas reformadas conservadoras de vários países.[2]

Calvinismo
John Calvin.jpg
João Calvino
Bases históricas:

Cristianismo
Reforma

Marcos:

A Institutio Christianæ Religionis de Calvino
Os Cinco Solas
Cinco Pontos (TULIP)
Princípio regulador
Confissões de fé
Bíblia de Genebra

Influências:

Teodoro de Beza
John Knox
Ulrico Zuínglio
Jonathan Edwards
Teologia puritana

Igrejas:

Reformadas
Presbiterianas
Congregacionais
Batistas Reformadas

Referências

  1. «Governo Igrejas Reformadas no Brasil (século XX e XXI)». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  2. a b «Igrejas Membro da Conferência Internacional das Igrejas Reformadas». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  3. a b «Monergismo:As Igrejas Reformadas no Brasil (século XX e XXI)» (PDF). Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  4. a b c d «Estatísticas das Igrejas Reformadas do Brasil em 2020». Consultado em 30 de julho de 2021 
  5. «Universidade Federal Fluminense:Relato das França Antártica» (PDF). Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  6. «Isto É: Os primeiros protestantes brasileiros». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  7. «Tok de História:Índios Protestantes no Brasil HolandÊs». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  8. «Sociedade Bíblia do Brasil:primeira tradução da Bíblia para o português». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  9. «História de Ashbel Green Simonton». Consultado em 4 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 26 de novembro de 2016 
  10. «Estatísticas da Igreja Presbiteriana do Brasil em 2016». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  11. «História das Igrejas Reformadas do Brasil». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  12. «Instituto João Calvino das Igrejas Reformadas do Brasil». Consultado em 4 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2018 
  13. «Centro de Treinamento da Aldeia: Instituto João Calvino». Consultado em 4 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2015 
  14. «Uso do Catecismo de Heidelberg nas Igrejas Reformadas do Brasil». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  15. «Reformiert Online: Igrejas Reformadas do Brasil». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  16. «Forma Litúrgica das Igrejas Reformadas do Brasil». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  17. «História da Litúrgica nas Igrejas Reformadas do Brasil». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  18. «Igreja Reformada em Maceió». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  19. «Igreja Reformada em Maragogi». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  20. «Igreja Reformada em Brasília». Consultado em 4 de dezembro de 2017 
  21. «Igreja Reformada em Cabo Frio». Consultado em 4 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2010