Igreja Metodista Livre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Igreja Metodista Livre é uma denominação evangélica histórica, de herança metodista e influenciada pelo Movimento de Santidade ocorrido nos EUA no século XIX. Organizada em Genesee, norte do estado de Nova Iorque nos Estados Unidos em 23 de agosto de 1860, por vários ex-membros expulsos da Igreja Metodista Episcopal americana, por suas críticas à decadência espiritual e atividades abolicionistas. O Reverendo Benjamin Titus Roberts (18231893) foi o principal líder na organização da IMeL.

Porém mais tarde, anos após sua morte, o Concílio de Genesee da Igreja Metodista Episcopal em uma análise de sua história por ocasião das comemorações do centenário de organização, acabou retrocedendo e, em 1910, o dito Concílio percebeu que a expulsão era injusta e devolveu as credenciais pastorais de Benjamin e cinco outros pregadores que foram expulsos em 1859. Naquele evento, o Reverendo Benson Roberts, filho de B.T. Roberts, foi o Delegado escolhido para representar a Igreja Metodista Livre perante o Concílio de Genesee da Igreja Metodista Episcopal.

Os Metodistas Livres defendiam que a igreja deveria ser "Livre":

  • Para acesso de todos, proibindo a cobrança (aluguel) de assentos nos bancos dos templos, muito comum na época em todas as denominações;
  • Da escravidão ou de qualquer outra forma de injustiça e segregação étnica;
  • De vínculo de seus membros com sociedades secretas;
  • Do domínio episcopal, passando a ter a participação dos leigos na administração espiritual e material da igreja;
  • Do pecado original, porque a ênfase na santidade e na doutrina da inteira santificação deveria ser restabelecida;

Além disso a igreja deveria ser livre para ser guiada e usada pelo Espírito Santo, principalmente nos cultos, sem, é lógico, cair na licenciosidade da carne e da falsa "espiritualidade".

A Igreja Metodista Livre no Brasil iniciou por meio do missionário Massayoshi "Daniel" Nishizumi - japonês que nascera em Osaka, Japão em 1900 e que, em 1923, foi acolhido por uma família de missionários norte americanos - os Miliikan, que passaram a tratá-lo como filho, chamando-o de Daniel, o nome pelo qual passou a ser conhecido. Graças a esse convívio, converteu-se, batizou-se e formou-se no Seminário de Osaka em 1928. Posteriormente, lendo um artigo que falava sobre a emigração japonesa ao Brasil, sente-se tocado para seguir seus conterrâneos com o propósito de evangelizá-los. Encontrou apoio da família Milikan e de outros dois irmãos. Eles eram Wada, homem de negócios e oficial da igreja de 69 anos, e Shoh Koh Mita, jovem coreano de 17 anos. Wada e Mita partem um mês após Nishizumi, chegando ao Brasil em Setembro de 1928, com objetivo de proporcionarem sustento ao missionário com seu trabalho, enquanto Daniel se dedicava ao estudo da língua e fazia os primeiros contatos evangelísticos. Desta maneira se plantou a semente que mais tarde germinaria em solo brasileiro e encontraria crescimento não somente entre os japoneses e seus descendentes até os dias atuais, mas também entre os brasileiros sem ascendência nipônica. O primeiro culto constituindo a Igreja Metodista Livre no Brasil foi realizado pelo Pr. Daniel Nishizumi, em São Paulo, no dia 1 de Novembro de 1936, na Rua Conde de Sarzedas, Bairro da Liberdade. Em 1946, com a vinda dos primeiros missionários americanos, Ms. Helen Voller, Ms. Lucile Damon, Dr. e Sra. Harold Hykman, e com o auxílio do Rev. José Emílio Emerenciano e Sra. Irene Emerenciano, provenientes da Igreja Holinnes, deu-se início a Igreja Metodista Livre entre os brasileiros.

O Concílio Geral Brasileiro tem 7.347 membros; 116 pastores; 35 candidatos ao ministério; 79 igrejas locais; 7 campos missionários; 15 congregações e 17 pontos de pregação em 13 estados brasileiros (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Pernambuco, Paraíba, Ceará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Sergipe, Paraná, e Santa Catarina) mais o Distrito Federal. Mantém missionários nos Estados Unidos e em Portugal, segundo dados de abril de 2018. O Concílio Geral Brasileiro ainda é responsável pela supervisão da IMeL em Angola, na África. Lá temos 2.558 membros, 6 pastores, 11 candidatos ao ministério e 14 Igrejas.

O Concílio Nikkei é vinculado ao Concílio Geral Norte Americano. Somos uma Igreja Brasileira, de origem japonesa. Reconhecemos com apreço nossa origem étnica e histórica, que entendemos ser dádiva do Senhor. A partir dessa consciência, somos responsáveis para com o povo nikkei, para com a nação que adotamos (Brasil) e, por extensão, para com a visão de alcançar todos os povos com o Evangelho de Jesus Cristo. Composta por 2.033 membros; 25 pastores; 3.122 participantes nos cultos nas suas 17 igrejas, 5 pontos de pregação nos estados de São Paulo, Paraná, 3 igrejas no Paraguai, uma na Argentina (em Buenos Aires) e 2 Igrejas no Japão onde há dois casais de missionários.

Juntas, as duas alas mantém a Faculdade de Teologia Metodista Livre, sediada na rua Pirapitingui, 165 - Liberdade, São Paulo (SP).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]