Predefinição Discussão:Denominações evangélicas no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Restauracionismo[editar código-fonte]

O movimento Campbellita deve ser listado sob restauracionismo pois assim se auto-define. Vide a Wiki em inglês: |RestorationMovement Grato Brighella

Igrejas que são ou não protestantes[editar código-fonte]

Acho que antes de incluir alguma igreja aqui nesta predefiniço, deveriam ser apresentadas fontes fiáveis que comprovem que tais igrejas são mesmo consideradas evangélicas e se elas mesmas se consideram evangélicas. Considero que classificar determinadas igrejas como evangélicas só porque nasceram no seio das igrejas protestantes é um erro. Seguindo esse critério, o protestantismo deveria ser considerado parte do catolicismo. Aliás, esse critério histórico não é seguido em lugar nenhum: procurei em fontes bibliográficas e online e não achei uma que diga que inclúa as igrejas que estou insistindo em retirar dessa lista entre as evangélicas. Nem mesmo as outras wikipédias e nem os próprios artigos, aqui e em outros idiomas, as consideram "evangélicas". Mateus RM msg 19h26min de 4 de junho de 2010 (UTC)

Symbol support vote.svg Concordo com o Mateus RM, mas Symbol question.svg Pergunta qual seria a proposta? Renomear a predef, ou simplesmente discutir quais denominações seriam "evangélicas"? Detalhe "evangélicas" é um termo errado ou com o perdão da palavra "vulgo" para se definir estas denominações, o certo é protestante. Valew! HallelDiga aê 20h07min de 5 de dezembro de 2011 (UTC)

Há vários critérios que divergem. Historicamente Protestantismo são os cristãos oriundos da Reforma Protestante, sem levar em questão conteúdo teológicos ou desdobramento cultural. Sociologicamente protestantismo são os cristãos sob uma autoridade difusa ou imaterial (a Bíblia por exemplo), contrapondo à hierarquia do Catolicismo ou a liturgia do cristianismo Ortodoxo como autoridades orientadoras. Antropologicamente denominações cristãs que surgiram entre sociedades nativas (como as Igrejas Independentes Africanas, os Kakure Kirishitan no Japão, os mórmons nos Estados Unidos) que reinterpretam radicalmente o cristianismo Europeu são Igrejas independentes, outros cristãos, cristianismo nativo e não Protestanttes ou Católicos. Já evangélico é um termo bem vago. Por exemplo, em algumas regiões do RS "evangélico" é sinônimo de luterano enquanto outros protestantes são chamados de "crentes". Muitos no Brasil usam "evangélico" como sinônimos de "protestantes" (sociologicamente falando) enquanto alguns auto-declarados evangélicos estabelecem critérios e só consideram "evangélicos" os que forem evangelicalistas. Acho melhor manter o óbvio, classificar como protestantes grupos reconhecidos como tais em tabelas e classificações estabelecidas, como o IBGE. --Brighella11 (discussão) 00h39min de 6 de dezembro de 2011 (UTC)

"Protestantes" ou "Protestantismo" foram termos criados pela Igreja Católica durante a Contrarreforma de maneira pejorativa já que os seguidores dissidentes de Martinho Lutero estavam protestando contra as indulgências e o papado.
Quando questionado sobre o termo que deveria ser usado, se "protestante" ou "luterano", Lutero disse que o mais correto seria "evangélico", por causa do princípio do Sola Scriptura (a Bíblia como regra de fé e prática do cristão), princípio base do Protestantismo. Portanto, mesmo que o termo "protestante" tenha sido admitido conforme o decorrer do tempo e o "luterano" para designar os membros das igrejas luteranas, todos os grupos cristãos defensores dos princípios elencados no início do movimento de Reforma religiosa de Lutero podem ser considerados "evangélicos" ou "protestantes".
Nesse sentido tanto a Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil como a Igreja Universal do Reino de Deus são protestantes ou evangélicas, mesmo sendo diferentes. Apenas a interpretação doutrinária das duas que são diferentes, mas os princípios e bases são os mesmos. Ambas são seguidoras apenas da Bíblia como sendo autoridade máxima em matéria de revelação normativa.
Popularmente dizendo, existem alguma confusão, pois na Alemanha, por exemplo, evangélicos são os luteranos especificamente. Para piorar, dentro do Protestantismo surgiu o Evangelicalismo, um protestantismo tardio e conversionista que agrega todas as linhas protestantes. Existe um "Evangelicalismo católico", mas não se pode dizer que é evangélico ou protestante, pois os católicos possuem o Papa como autoridade ao lado da Bíblia e da Tradição. O Evangelicalismo tem a Bíblia como única regra de fé e prática, mas acrescentam a necessidade de conversão pessoal pregada pelos luteranos pietistas e calvinistas puritanos.
No mais, luteranos, calvinistas, evangelicalistas, metodistas, batistas, independentes etc são evangélicos ou protestantes no sentido original do termo. Já os mórmons, Ciência Cristã, Testemunhas de Jeová são considerados como "Paraprotestantes", pois surgiram dentro do protestantismo, mas acabaram por violar o princípio máximo do movimento que é a Bíblia como única regra de fé e prática criando outros livros sagrados além da Bíblia. Os adventistas do sétimo dia eram considerados como sendo desse grupo, porém eles já se pronunciaram dizendo que defendem o princípio do "Sola Scriptura", sendo assim protestantes e não paraprotestantes. --Jimmymsg 01h15min de 16 de fevereiro de 2017 (UTC)

Presbiterianos e o Protestantismo Tardio[editar código-fonte]

De acordo com o teólogo protestante Helmut Renders, em seu artigo A tradução do livro católico O coração do ser humano, de J. E. Gossner (1812) pelo presbiteriano A. Jensen (1914): a promoção de um imaginário católico ou sua releitura protestante? apresenta o Presbiterianismo como sendo uma linha protestante tardia, diferente do Calvinismo original. O trabalho do teólogo aborda a forma como um pastor presbiteriano brasileiro traduziu um livro escrito por um católico omitindo partes polêmicas a sua confessionalidade protestante conservadora.

A linha é endossada pelo teólogo presbiteriano Antônio Gouvêa Mendonça que diz:

Portanto, seria correto inserir as Igrejas Reformadas como protestantes históricas, mas não os congregacionais e presbiterianos. Os congregacionais se diferenciam dos presbiterianos apenas no modo de governo --Jimmymsg 00h23min de 16 de fevereiro de 2017 (UTC)

@Jimmy.T.: reverti tua edição pois desnecessariamente retirou a formatação pela classe das listas horizontais (hlist). Conforme a fonte que apresentou, faça novamente a reclassificação das denominações, mas sem retirar as listas horizontais e sem usar códigos obsoletos. Cumprs., Luan (discussão) 23h13min de 17 de março de 2017 (UTC)
@Luan: Ok! Yes check.svg Feito Veja se está correto. Saudações! Jimmymsg 02h40min de 18 de março de 2017 (UTC)
Tudo agora está bem, Jimmy.T.. Obrigado. Boas edições. Luan (discussão) 16h02min de 18 de março de 2017 (UTC)

Erro crasso na predefinição[editar código-fonte]

Havíamos feito uma ampla abreviação dos nomes nesta navecaixa para que viesse a ocupar um espaço menor. Foi com surpresa que vimos ter o Luan devolvido à equivocada formatação anterior... Mesmo sem pesquisar links de edição, vê-se que é totalmente um contrassenso termos caixas de navegação grandes como esta, sem a devida compactação, e vi que o Luan fizera o ajuste para que "coubesse" uma imagem que alguém pusera de modo equivocado anteriormente... Qual o sentido real de ter aquela imagem com tal destaque, numa navecaixa de rodapé que, mesmo sem ela, ocupa um espaço absurdo?

Apenas estou a considerar que esta não é a diretriz que devemos seguir. Diz o livro de estilo para não exagerar. Aqui é tal o exagero que a caixa de navegação fica maior que um artigo como este (e que não é artigo pequeno!).

Não tenho tempo mais a perder com a monstruosidade que se tornou isso (e nem conhecimento de edição para remover aquela imagem absurda e indevida), muito menos para refazer o trabalho que o Luan desfez de resumir o que não tem sentido ser repetido. Deixou de ser uma navecaixa, passou a ser o centro das atenções onde quer que seja usada! Verdadeira aberração, diga-se... Enfim, aos editores interessados, além do link sobre o uso de exageros já reportado, melhor entender o que é, e para que serve, uma navecaixa dentro dos verbetes. E me perdoem se estou errado ou fui veemente, mas para mim em nenhum lugar está dito ali que ela deve ser algo mais destacado do que os artigos onde porventura venha a ser usada...

André Koehne (discussão) 10h25min de 18 de março de 2017 (UTC)

Muita coisa por pouco, não, André? Não sei o porquê daquela imagem, mas eu tinha retirado sem falar/perguntar/avisar nada, então acabei repondo. Retirei-a novamente e quem quiser contestar, favor deixar a mensagem nesta página de discussão argumentando contrariamente. Quanto aos textos apresentados nas hiperligações, também já foram reduzidos. Boas contribuições. Luan (discussão) 16h02min de 18 de março de 2017 (UTC)
Bem, Luan, ficar duas horas analisando os links e como reduzi-los talvez seja pouca coisa para ti, mas para mim... Me fez exarar tal desabafo! Muitas predefinições estão problemáticas, poluindo em vez de cumprir suas funções; eu perco muito tempo tentando consertá-las quando posso, noutros nada parece dar resultado (como no caso da {{Metodismo}}, que tem uma "caixa" dentro da caixa deixando-a mais larga do que deveria) e então vou aos programadores pedir ajuda (nem sempre com sucesso, como neste caso que citei)... Agora, sim! Você a deixou como deveria já que não dá para diminuir ainda mais... Enfim, como falei acima, peço desculpas se fui veemente, de novo... Abraços, André Koehne (discussão) 20h43min de 18 de março de 2017 (UTC)

Luan, me perdoe insistir nisto... Mas ao nos desfazer a edição você recolocou as letras na cor branca, sobre fundo branco. Isto, quando no artigo em que está a ser usada, leva a esconder o nome do próprio artigo que está aberto, já que o link (que dá visibilidade forçada ao que está escrito em fonte branca sobre fundo branco) não é usado. Infelizmente, parece que você não notou isso... Abraços, André Koehne (discussão) 21h02min de 18 de março de 2017 (UTC)

Corrigido. Luan (discussão) 21h15min de 18 de março de 2017 (UTC)

Reclassificação de igrejas presbiterianas deuteropentecostais e neopentecostais[editar código-fonte]

Entre as doutrinas adotadas mundialmente pelos presbiterianos está a subscrição da Confissão de Fé de Westminster, que envolve o pedobatismo, calvinismo e o sistema de governo presbiteriano.[1][2][3]

A Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil e Igreja Evangélica Cristã Presbiteriana descrevem a si mesmas como igreja pentecostais, sendo amplamente reconhecidas como tal e não guardam nenhuma doutrina semelhante aos grupos presbiterianos históricos, como o pedobatismo, subscrição a Confissão de Fé de Westminster ou qualquer outra doutrina distintiva dos presbiterianos, razão pela qual seria mais adequado agrupa-las com as igrejas do Deuteropentecostalismo e não com o Presbiterianismo.[4][5][6]

Já a Igreja Presbiteriana Viva e Igreja Presbiteriana da Graça descrevem a si mesmas como igrejas neopentecostais, e são reconhecidas como tal, por também não guardarem nenhuma semelhança doutrinário com os grupos presbiterianos históricos, como o pedobatismo e a subscrição a Confissão de Fé de Westminster, razão pela deveriam ser agrupadas com esse grupo e não no Presbiterianismo.[7][8]

--Daniel Silva Mendanha (discussão) 14h12min de 12 de dezembro de 2017 (UTC)

  1. «Confissão de Fé de Westminster adotada na Igreja Presbiteriana». Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  2. «História da Confissão de Fé de Westminster» (PDF). Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  3. «Confissão de Fé de Westminster na Igreja Presbiteriana Ortodoxa dos Estados Unidos». Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  4. «Descrição da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil». Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  5. «Igrejas Pentecostais no Brasil». Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  6. «Lista de Igrejas Pentecostais no Brasil». Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  7. «Igreja Presbiteriana da Graça». Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  8. «Descrição da Igreja Presbiteriana Viva». Consultado em 12 de dezembro de 2017