Santificação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Santificação (ou em sua forma verbal, santificar) significa literalmente o processo pelo qual se separa algo ou alguém para um uso ou um propósito religioso, ou seja, tornar sagrado ou consagrar.

Catolicismo[editar | editar código-fonte]

No catolicismo, é possível que o processo de santificação de uma pessoa seja reconhecido por sua comitiva, que então pode propor ao estudo de autoridades religiosas para entrar no catálogo de santos para quem o culto é prestado.[1] A canonização é o último passo para reconhecer o estado do Santo verão.

Cristianismo evangélico[editar | editar código-fonte]

Existem duas posições evangélicas sobre a santificação, a santificação progressiva e a santificação posicional.[2]

Santificação progressiva[editar | editar código-fonte]

A santificação progressiva é a obra de santificação do crente por meio da graça e das decisões do crente após o novo nascimento.[3] Esta é a posição de algumas denominações evangélicas, como as Igrejas Batistas e algumas denominações Pentecostais, como Assembléias de Deus e Igreja Quadrangular. [4] [5]

Santificação posicional[editar | editar código-fonte]

A santificação posicional é o trabalho de santificação do crente que se torna completamente completo no novo nascimento.[6] Esta é a posição de algumas Pentecostais denominações, como Igreja Internacional Pentecostal de Santidade, Igreja de Deus (Cleveland) e Igreja de Deus em Cristo. [7]

Islã[editar | editar código-fonte]

No Islã, usa-se a santificação para orar sobre os santos, especialmente entre sufis, em quem é comum dizer "que Deus santifica o seu segredo" ("qaddasa Llahou Sirruhu"), e que o Santo está vivo ou morto.[8]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Frank K. Flinn, Encyclopedia of Catholicism, Infobase Publishing, USA, 2007, p. 562
  2. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press, USA, 2004, p. 319
  3. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press, USA, 2004, p. 319
  4. Keith Kettenring, The Sanctification Connection: An Exploration of Human Participation in Spiritual Growth, University Press of America, USA, 2008, p. 29
  5. James Leo Garrett, Systematic Theology, Volume 2, Second Edition, Wipf and Stock Publishers, USA, 2014, p. 395; "those branches which derived from Baptist or Reformed roots have taught positional and progressive sanctification as distinguishable from baptism in or with the Spirit (e.g., Assemblies of God, International Church of the Foursquare Gospel)."
  6. Roger E. Olson, The Westminster Handbook to Evangelical Theology, Westminster John Knox Press, USA, 2004, p. 319
  7. James Leo Garrett, Systematic Theology, Volume 2, Second Edition, Wipf and Stock Publishers, USA, 2014, p. 395; "Those branches of the Pentecostal movement in the United States which arose from the Holiness movement have retained the Wesleyan doctrine of entire sanctification and made baptism in or with the Spirit to be the third essential experience (e.g., Church of God, Cleveland, Tenn., Pentecostal Holiness Church, and Church of God in Christ)."
  8. Juan Eduardo Campo, Encyclopedia of Islam, Infobase Publishing, USA, 2009, p. 598

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Teologia ou sobre um teólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.