Moldávia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Republica Moldova
República da Moldávia
Bandeira da Moldávia
Brasão de armas da Moldávia
Bandeira Brasão de armas
Lema: Limba noastră-i o comoară
Hino nacional: Limba noastră
Gentílico: moldávio, moldávico, moldavo

Localização da Moldávia

Localização da Moldávia (em vermelho)
Localização na Europa (em branco)
Capital Chişinău
Língua oficial Língua romena[1]
Governo República parlamentarista
 - Presidente Nicolae Timofti
 - Primeiro-ministro Iurie Leancă
 - Presidente do Parlamento Marian Lupu
Independência  
 - da União Soviética 27 de agosto de 1991 
Área  
 - Total 33.844 km² (139.º)
 - Água (%) 1,4
População  
 - Censo 2013 3 619 925[2] hab. 
 - Densidade 121,9 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ 9 367 milhões (141.º)
 - Per capita US$ 2 962 (135.º)
IDH (2012) 0,660 (113.º) – médio[3]
Moeda Leu moldávio (MDL)
Fuso horário (UTC+2)
 - Verão (DST) (UTC+3)
Cód. Internet .md
Cód. telef. +373
Website governamental www.moldova.md

Mapa da Moldávia

República da Moldávia (em romeno: Republica Moldova; pronúncia AFI[reˈpublika molˈdova]) é um país sem costa marítima da Europa Oriental, limitado a norte, leste e sul pela Ucrânia e a oeste pela Roménia (pela região também chamada Moldávia). A sua capital é a cidade de Quichinau (Chişinău, em romeno).

Em 1991, a Moldávia declarou independência da União Soviética, da qual fazia parte enquanto República Socialista Soviética Moldávia, durante o processo de dissolução daquele Estado. A 29 de julho de 1994, adotou a sua nova constituição. Uma faixa internacionalmente reconhecida como território moldávio, situada a leste do rio Dniestre, está de facto sob controlo do governo separatista da Transdniéstria, desde 1990.

Desde o colapso da União Soviética, o peso relativo do setor dos serviços na economia moldávia cresceu e começou a dominar o seu Produto Interno Bruto (hoje cerca de 62,5%) como resultado de um decréscimo do peso da sua indústria e agricultura. Contudo, a Moldávia é considerada o país mais pobre da Europa, e a única nação independente do continente que ainda apresenta um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) considerado "médio" pela ONU.

A Moldávia é uma república parlamentar com um presidente como chefe de Estado e um primeiro-ministro como chefe de governo. O país é membro das Nações Unidas, do Conselho da Europa, da Organização Mundial do Comércio (OMC), da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), do GUAM — Organização para a Democracia e o Desenvolvimento Económico, da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), da Organização de Cooperação Económica do Mar Negro (OCEMN), entre outras organizações internacionais. A Moldávia aspira a fazer parte da União Europeia,[4] e já implementou o primeiro Plano de Ação trianual, no contexto da Política de Vizinhança Europeia (PEV).[5]

História[editar | editar código-fonte]

No século XV, o Reino da Moldávia era um importante centro regional de poder. Ocupava a Bessarábia, a Moldávia Ocidental e a Bucovina. A partir do século XVI, teve sucessivos suseranos (senhores feudais) húngaros, lituanos, romenos e turcos. Em 1812, a região foi dividida pelo tratado de Bucareste:[desambiguação necessária] a Bessarábia, localizada entre os rios Prut e Dniestre, foi entregue pelo Império Turco-Otomano à Rússia. Em 1878, a Romênia proclamou a independência e uniu-se à Moldávia Ocidental. Os russos controlaram a Bessarábia até a Primeira Guerra Mundial. Em 1918, a Bessarábia uniu-se à Roménia.

Durante o domínio russo, uma forte política de russificação foi implementada, com a substituição do alfabeto latino pelo cirílico, a deportação da população local e sua substituição por nacionais russos.

A Primeira Guerra Mundial trouxe mais consciência política e cultural à população, já que cerca de 300 mil bessarábicos foram enviados ao recém-formado exército russo em 1917 e grandes unidades de soldados moldavos foram formadas. Acompanhando a Revolução russa em 1917, um parlamento bessarábico, Sfatul Ţării (Outubro-Novembro 1917), inaugurado no dia 3 de dezembro daquele ano, proclamou a República Democrática da Moldávia, ainda como parte do Federação Russa, e formou seu governo em 21 de dezembro. A Bessarábia proclamou sua independência da Rússia em Fevereiro de 1918, e, sob proteção do exército romeno, que havia entrado na região em janeiro a pedido das autoridades locais para impor a ordem (as tropas russas ainda presentes no território mas em retirada desorganizada iniciaram uma série de ataques, assaltos e violações). O Sfatul Ţării decidiu (86 votos a favor, 3 contra e 36 abstenções) unir-se ao Reino da Romênia. Essa união foi logo reconhecida pelo Tratado de Paris (1920), mas a Rússia soviética não reconheceu o domínio romeno sobre a Bessarábia, em razão de antigas reivindicações sobre essa região. No Tratado de Kellogg-Briand de 1928 e no Tratado de Londres de julho de 1933, a União Soviética e a Romênia acordaram o princípio da não-violência para tratar de suas disputas territoriais.

Numa tentativa de afastar a influência russa, as autoridades romenas permitiram que a língua de formação e educação fosse escolhida pelos moldavos. A longo prazo, seu objetivo era substituir pelo idioma romeno a língua imposta pelos russos.

Em 1939, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, URSS e Alemanha assinam o Pacto Molotov-Ribbentrop no qual, secretamente, inseria-se a intenção russa de anexar diversos territórios, dentre os quais a Bessarábia, que já havia estado sob seu domínio. Após o encerramento do conflito, Moscou garantiu sua soberania sobre a Bessarábia, que, somada a um ínfimo pedaço do território ucrfaniano, a Transnístria, deu origem à República Soviética da Moldávia.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A maior parte do país encontra-se entre os rios Prut o Dniester. O solo rico e o clima continental temperado (com verões quentes e invernos relativamente leves) possibilitaram o seu desenvolvimento agrícola, tornando a Moldávia um dos maiores fornecedores de produtos agrícolas da região.

A fronteira Oeste da Moldávia é formada pelo rio Prut, que se conecta ao Danúbio antes de desembocar no Mar Negro. Na parte Nordeste do país, o Dniester é o principal rio, atravessando-o de norte a sul.

Apesar da proximidade com o Mar Negro, o país não possui litoral. A parte norte da Moldávia é bem montanhosa, mas nunca ultrapassa 430 metros. Seu ponto mais elevado é o Dealul Bălăneşti. As principais cidades do país são a capital Chişinău, no centro do país, Tiraspol (na Transnistria), Bălţi e Tighina.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Etnias[editar | editar código-fonte]

Composição étnica em 1989

A definição de grupos étnicos é um assunto muito questionado e as informações abaixo devem ser tratadas com cautela. A questão principal trata da identidade entre moldávios e romenos, e também da questão linguística (veja língua moldava). A distinção entre romenos e moldávios é marcada por intensa discussão política, com alguns argumentando se tratarem de grupos étnicos diferentes e outros, de subgrupos.

Segundo dados de 1989, é possível verificar a percentagem de cada etnia no país. São elas:

Informação contida no Censo Moldávio de 2004[6] e no Censo da Transnistria de 2004:

# Etnia Censo Mold.  % Mold Censo Transnistriano  % Tran Total  %
1. Moldávios* 2.564.849 75.8% 177.156 31.9% 2.742.005 69.6%
2. Ucranianos 282.406 8.3% 159.940 28.8% 442.346 11.2%
3. Russos 201.218 5.9% 168.270 30.3% 369.488 9.4%
4. Gagauz 147.500 4.4% 11.107 2.0% 158.607 4.0%
5. Romenos* 73.276 2.2% NA NA 73.276 1.9%
6. Búlgaros 65.662 1.9% 11.107 2.0% 76.769 1.9%
7. Outros 48.421 1.4% 27.767 5.0% 76.188 1.9%
8. TOTAL 3.383.332 100% 555.347 100% 3.938.679 100%
Nota: Autoridades transnistrianas publicaram somente percentuais dos grupos étnicos; o número de pessoas foi calculado a partir desses percentuais. O número de romenos na Transnistria não foi publicado, sendo incluídos em "outros".

Outros dados estatísticos sobre a população moldava:

  • Faixas etárias
    • 0-14 anos: 20,2% (homens 459.452/mulheres 442.725)
    • 15-64 anos: 69,5% (homens 1.489.813/mulheres 1.606.202)
    • 65 anos para cima: 10,3% (homens 169.038/mulheres 288.191) (2005 est.)
  • Média etária
    • Total: 32,22 anos
    • Homens: 30,14 anos
    • Mulheres: 34,27 anos (2005 est.)
  • Mortalidade infantil
    • Total: 40,42 mortes/1.000 nascimentos
    • Homens: 43,11 mortes/1.000 nascimentos
    • Mulheres: 37,58 mortes/1.000 nascimentos (2005 est.)
  • Expectativa de vida
    • Total: 65,18 anos
    • Homens: 61,12 anos
    • Mulheres: 69,43 anos (2005 est.)

Política[editar | editar código-fonte]

A Moldávia é uma república democrática representativa parlamentar, segundo a qual o Primeiro-Ministro é o chefe de Governo, e de um sistema multipartidário. O poder executivo é exercido pelo Governo. O poder legislativo é exercido tanto pelo Governo como pelo Parlamento. O poder judiciário é independente do executivo e do legislativo. A posição da república da Transnístria, as relações com a Roménia e a adesão à União Europeia dominam a agenda política.

O parlamento é composto por 101 membros, eleitos de quatro em quatro anos, bem como o Presidente da República.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Divisões administrativas da Moldávia

A República da Moldávia é dividida administrativamente em 32 raioane (singular: raion; grosso modo, condados ou distritos), três municípios (municipiu) (Chişinău, Bălţi e Tighina) e duas regiões autônomas: a Gagaúzia e a Transnístria, esta última tendo declarado unilateralmente sua independência. As subdivisões são as seguintes:

Economia[editar | editar código-fonte]

Notas de leu moldávio
Ficheiro:Balti Bielce.jpg
Bălţi, zona norte do país

A economia da Moldávia é, em grande parte, determinada pelas condições naturais. Tem um clima favorável e solos férteis, e a maior exportação é o vinho. O seu subsolo não é rico em minério. Desta forma, a economia está muito dependente da agricultura, produzindo frutas, produtos hortícolas, vinho e tabaco. Todas as necessidades energéticas relativas ao petróleo, carvão e gás natural são satisfeitas através da importação - da Rússia, principalmente.

O turismo é incipiente, e a maior atracção turística são as minas de Cricova, cujo complexo subterrâneo de túneis alberga a maior adega do mundo, com mais de 120 km de armazéns de vinho.

Continua a ser o país mais pobre da Europa, tendo o pior IDH do continente (0,720 - 2007). Após a independência a economia foi muito perturbada pelos problemas com as regiões com aspirações independentistas, a Transnístria e a Gagaúzia. Embora a situação da Gagaúzia tenha sido resolvida pacificamente a separação de facto da região da Transnístria deixou fora do controlo do governo central a maioria das indústrias pesadas.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

  • Trem
    • Ferrovias: 1.138 km
      • bitola larga: 1.124 km
      • bitola standard: 14 km
  • Rodovias/estradas
    • estradas: 12.719 km
    • pavimentadas: 10.977 km
    • terra/chão: 1.742 km (2002)
  • Indústria naval
    • total: Dois navios (1.000 GRT ou mais) 1.636 GRT/1.088 DWT
    • por tipo: 2 navios cargueiros (2005)
  • Aeroportos
    • total: 23 (2004 est.)
    • Com pistas de decolagem pavimentadas: 6
    • Com pistas de decolagem sem pavimento: 17

Cultura[editar | editar código-fonte]

Mihai Eminescu, poeta nacional da Roménia, nascido na região histórica da Moldávia

Localizada geograficamente em um emaranhado de culturas eslavas e latina, a Moldávia enriqueceu sua cultura ao adotar e manter algumas das tradições de seus países vizinhos. O príncipe Dimitrie Cantemir foi uma das figuras mais importantes na cultura moldávia durante o século XVIII. Ele escreveu a primeira descrição geográfica, etnográfica e econômica desses país em seu trabalho Descriptio Moldaviae (Berlim, 1714).[7] Mihai Eminescu foi um poeta romancista, provavelmente o mais conhecido e aclamado poeta da Língua romena.

Línguas[editar | editar código-fonte]

A Constituição da Moldávia declara que a língua moldávia é a língua oficial do país.[8] Entretanto, o termo "moldávio" é o nome oficial para a língua romena na Républica da Moldávia.[9] Na declaração de independência da Moldávia, a mesma língua é chamada de romeno.[10] [11] [12] O uso do termo língua moldávia é limitado a apenas algumas esferas, e "romeno" para outras ocasiões: "romeno" é o termo usado nas escolas, meios de comunicação e até mesmo em áreas legislativas, como administração e direito.[13]

Em uso formal, as línguas são virtualmente idênticas. Em uso informal, o linguajar nas áreas de Chişinău e Transnístria distinguem-se do de Iaşi, uma cidade romena que faz parte do histórico Principado da Moldávia; entretanto, as diferenças entre o linguajar entre Iaşi e a capital da Romênia, Bucareste, é ainda maior. Linguisticamente, o moldávio é considerado um dos cinco principais dialetos do romeno, sendo esses cinco escritos de forma idêntica.

Apesar disso, existem ainda mais diferenças entre as linguagens coloquiais da Moldávia e da Romênia, devido à grande influência da língua russa na Moldávia, que não existiu na Romênia. Após 1989, as diferenças no vernacular estão se tornando cada vez menos perceptíveis.

Uma significante minoria fala russo como língua materna e existem muito mais eslavismos na linguagem coloquial moldávia do que na romena.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Segue-se uma lista de dados estatísticos relativos às comunicações na Moldávia:

  • Telefones fixos: 706 900 (2002)
  • Telefones móveis: 338 200 (2002)
  • Sistema de telefonia, avaliação geral: serviço inadequado, antigo; algum esforço para modernizar-se está sendo implantado
    • Residencial: A Espera por uma nova linha é longa. Os telefones móveis estão se tornando mais acessíveis no país.
    • Internacional: Código de país 373. Presta serviços através da Romênia e Rússia via satélite; *Possui Estações da INTELSAT, Eutelsat, e Intersputnik
  • Usuários de Internet: 150 000 (2002)
  • Pontos de acesso à Internet: 11 984 (2003)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Chisinau reconhece romeno como língua oficial (em inglês). Radio Free Europe - Radio Liberty (22 de dezembro de 2013). Página visitada em 22 de dezembro de 2013.
  2. Moldova Demographics Profile 2013, recuperado 14 de março 2014
  3. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Relatório de Desenvolvimento Humano 2013 – Ascensão do Sul: progresso humano num mundo diversificado (14 de março de 2013). Página visitada em 15 de março de 2013.
  4. Moldova will prove that it can and has chances to become EU member (em inglês). Moldpress News Agency (19 de junho de 2007). Arquivado do original em 30 de abril de 2008.
  5. Moldova-EU Action Plan Approved by European Commission (em inglês). moldova.org (14 de dezembro de 2004). Página visitada em 2 de julho de 2007.
  6. Resultados oficiais do censo moldávio de 2004
  7. Descriptio Moldaviae em latim
  8. "Constituição Moldávia"
  9. "Concepţia politicii naţionale a Republicii Moldova" [Parlamento Moldávio]
  10. Declaraţia de independenţa a Republicii Moldova, [Moldova Suverană]
  11. Um Guia para as principais Línguas da Europa, no Sítio da Comissão Europeia
  12. Kogan Page 2004, p 242
  13. Registro do Estado de Atos Legais na Moldávia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]