Horário de verão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mapa do mundo. A Europa, a maior parte da América do Norte, partes do sul da América do Sul e o sudeste da Austrália, além de outros lugares, usam o horário de verão. A maior parte da África equatorial e alguns outros lugares próximos ao Equador nunca usaram-no. O resto das nações já usou, em algum momento, o horário de verão.
Embora não seja usado na maioria dos países, o horário de verão é comum no mundo ocidental.
  Usado
  Usado anteriormente
  Nunca usado

Horário de verão é a prática de adiantar os relógios em uma hora durante os meses do verão, com o objetivo de fazer com que a luz do dia seja experienciada também durante o início da noite, enquanto sacrificando o horário normal do nascer do sol. Tipicamente, a população de regiões que adotam a medida, avançam uma hora próximo ao início da primavera e retornam para o padrão no outono.[1]

A ideia moderna do horário de verão foi proposta pelo neozelandês George Hudson em 1895.[2] A Alemanha e a Áustria-Hungria organizaram a primeira implementação, começando em 30 de abril de 1916. Vários países usaram-no diversas vezes desde então, particularmente durante a crise da energia em 1970.

A prática recebeu tanto advocacia quanto críticas.[1] Adiantar os relógios traz benefícios para o varejo, os esportes, e outras atividades que exploram a luz do sol após a jornada de trabalho,[3] mas pode trazer problemas para o entretenimento da tarde e para outras atividades ligadas diretamente à luz solar, como a agricultura.[4][5] Mesmo que alguns dos primeiros proponentes do ato tenham pensado que o mesmo reduziria o uso de lâmpadas incandescentes durante a tarde, sendo a iluminação anteriormente o principal motivo da eletricidade,[6] o clima moderno e os padrões de uso de aparelhos para refrigeração diferem bastante, e pesquisas em relação a como o horário de verão atualmente afetam o uso de energia têm sido limitadas e contraditórias.[7]

As mudanças causadas pela medida às vezes complicam a cronometragem e podem atrapalhar viagens, faturamento, manutenção de registros, dispositivos médicos, equipamentos pesados[8] e padrões de sono.[9] O software dos dispositivos contemporâneos pode frequentemente alterar o horário por si só, mas as mudanças de políticas por várias jurisdições de datas e horários do horário de verão podem ser confusas.[10]

Base lógica[editar | editar código-fonte]

As sociedades industrializadas geralmente seguem um cronograma baseado em relógios nas atividades do dia a dia que não mudam no decorrer do ano. O horário de início do trabalho e da escola, e a coordenação do transporte público, por exemplo, mantém-se constante no ano. Em contraste, as rotinas de trabalho e conduta pessoal dos agricultores são mais comumente governadas pela tempo em que a luz solar está visível[11][12] e pelo horário solar aparente, que pode mudar sazonalmente devido à inclinação axial da Terra. A luz do dia dos trópicos norte e sul dura mais no verão e menos no inverno, com o efeito tornando-se maior à medida que nos afastamos dos trópicos.

Ao sincronizadamente redefinir todos os relógios de uma região para uma hora adiante ao horário padrão, os indivíduos que seguem essa rotina vão acordar uma hora antes do que iriam de outro modo; eles vão iniciar e completar as rotinas de trabalho uma hora antes, e terão sessenta minutos extras da luz do dia após a jornada de trabalho.[13][14] No começo de cada dia, contudo, haverá uma hora de luz a menos, tornando a política menos prática durante o inverno.[15][16]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A primeira menção à ideia de adiantar os relógios para aproveitar melhor as horas de sol foi lançada em 1784 pelo político e inventor americano Benjamin Franklin, isso quando ainda não existia luz elétrica. Mas sua ideia não recebeu qualquer receptividade, quer dos governos, quer da sociedade científica, mesmo após ele publicar um artigo (“An Economical Project for Diminishing the Cost of Light” — para o Jornal de Paris, em 1784) sobre a possível economia em cera de vela que seria gerada caso a medida fosse adotada[17]. É importante notar que Franklin apenas sugeriu que as pessoas acordassem mais cedo no verão – sem, no entanto, mencionar mudanças na hora oficial[18]. Ele partiu da observação de que, durante parte do ano, nos meses de verão, o sol nascia antes que a maioria das pessoas se levantasse, e concluiu que a luz do dia poderia ser mais bem aproveitada[19], assim, a maioria da população passaria a acordar, trabalhar e estudar em consonância com a luz do sol, e com isso não se consumiriam tantas velas nas fábricas e residências daquela época. A ideia, na época, não chegou a sair do papel.

É interessante perceber que o sistema de fusos horários somente foi introduzido apenas em 1883 (99 anos depois da ideia de Benjamin Franklin) na Inglaterra devido à necessidade de se padronizar os horários de trens que cruzavam o país. Até então as grande cidades mantinham seu padrão horário baseado no movimento dos astros e estabeleciam o horário a ser seguido na região. Logo no ano seguinte houve uma padronização internacional de horários estabelecendo os fusos horários em vigor até hoje[20].

Aquela que pode ser considerada como a primeira proposta oficial da criação do horário de verão só apareceu mais de um século depois, em 1895. O autor dessa proposta foi George Vernon Hudson, um entomologista neozelandês que, enquanto fazia as suas pesquisas, se apercebeu do valor da luz do dia no seu trabalho, que era examinar o comportamento dos insetos. Dois anos depois, em 1898, Hudson voltou à carga publicando mais uma pesquisa que iria apoiar as suas reivindicações sobre o horário de Verão[21]

Mais tarde, em 1907, William Willett, da Sociedade Astronômica Real tentou persuadir, sem sucesso, a sociedade britânica a adotar a prática. Ele deu início a uma campanha que propunha alterar os relógios no verão para reduzir o que classificava de "desperdício de luz diurna". O jovem Winston Churchill apoiou a teoria de Willett, mas ela não chegou ser aprovada. Willett morreu em 1915, um ano antes de a Alemanha, durante a Primeira Guerra Mundial, adotar sua tese como medida para economizar carvão, e tornar-se, assim, o primeiro país no mundo a implantar o horário de verão[22], no dia 30 de Abril de 1916. Logo depois da Alemanha, o império Austro-Húngaro abraçou a ideia. O Reino Unido e a França anunciaram poucos dias depois a mesma decisão.

Embora atualmente muitos países façam uso dessa prática (ou tenham feito há algum tempo atrás), críticos do horário de verão alegam que a medida afeta o chamado relógio biológico das pessoas, principalmente das mais velhas, com prejuízos à saúde.[23]

Conceito[editar | editar código-fonte]

O horário de verão contribui para reduzir o consumo de energia, mas a medida só funciona nas regiões distantes da linha do equador, porque nesta estação os dias se tornam mais longos e as noites mais curtas. Porém nas regiões próximas ao equador, como a maior parte do Brasil, os dias e as noites têm duração igual ao longo do ano e a implantação do horário de verão nesses locais, traz pouco ou nenhum proveito. Contudo, seu maior efeito é diluir o horário de pico, evitando assim uma sobrecarga do sistema energético. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), "O Horário de Verão tem como objetivo principal a redução da demanda máxima do Sistema Interligado Nacional no período de ponta. Isso é possível, pelo fato da parcela de carga referente à iluminação ser acionada mais tarde, que normalmente o seria, motivada pelo adiantamento do horário brasileiro em 1 hora. O efeito provocado é de não haver a coincidência da entrada da iluminação, com o consumo existente ao longo do dia do comércio e da indústria, cujo montante se reduz após as 18 horas.[24]"

Locais Onde É Adotado[editar | editar código-fonte]

Cerca de trinta países usam o horário de verão pelo menos em uma área dos seus territórios. Grande parte das terras habitadas, no Hemisfério Norte, fica em altas latitudes, onde o inverno é mais rigoroso, com o Sol se pondo muito cedo e nascendo lentamente durante o dia. No verão, o inverso ocorre. É comum o dia ainda estar claro às 20 ou até às 22 horas. Por isso, nesses lugares o horário de verão faz uma grande diferença.

Boa parte dos países que adota a medida está situada nas regiões entre os trópicos e os polos. É possível citar os países membros da União Europeia, a maioria dos países que formavam a antiga União Soviética, a maioria do Oriente Médio (Irã, Iraque, Síria, Líbano, Israel, Palestina), parte da Oceania (Austrália, em parte do seu território, e Nova Zelândia), a América do Norte (Canadá, Estados Unidos e México), alguns da América Central (Cuba, Honduras, Guatemala, Haiti e Bahamas), e da América do Sul (Brasil, Paraguai, Uruguai e Chile).

  • África: Egito, Marrocos, Namíbia
  • América Central: Cuba, Honduras, Guatemala, Haiti e Bahamas;
    • Medida adotada anualmente, no período de outubro a março.
  • América do Sul: Brasil, Paraguai, Uruguai e Chile.
  • América do Norte: Canadá, Estados Unidos e México;
    • Nos Estados Unidos, a medida se consolida no chamado “Daylight Saving Time”, que começa normalmente no primeiro domingo de abril e dura até o último domingo de outubro. Mas assim como nas demais regras e regulamentos, os estados da Federação tem certa autonomia para definir as regras do horário de verão. No Canadá e México a medida também é adotada anualmente, no período de Abril a Outubro.
  • Europa: União Européia, Leste Europeu, Turquia; Oriente Médio: Irã, Iraque, Síria, Jordânia, Líbano, Israel, Palestina, Macedônia;
    • Na União Europeia, o “horário de verão”, inicia-se à uma hora da Hora Universal (“Greenwich Mean Time”), no último domingo de março, e finalizando-se no último de outubro, assim como nos Estados Unidos.
  • Oceania: Parte da Austrália e Nova Zelândia;
    • Medida adotada anualmente, no período de outubro a março.
Adoção do Horário de Verão Países
Países e territórios que não adotam o Horário de Verão 158
Países e territórios que adotam, pelo menos em parte, o Horário de Verão 82
Países e territórios que adotam o Horário de Verão em algum período do ano 73
Países e territórios que adotam o Horário de Verão apenas em parte do território 9

Benefícios[editar | editar código-fonte]

Internacionalmente os estudos apontam três benefícios do horário de verão: economias de energia, redução de acidentes nos horários de pico do trânsito (que durante esse período possuem mais iluminação natural) e redução de assaltos e crimes. No caso brasileiro podemos acrescentar um importante benefício que se refere à possibilidade de armazenarmos mais água nos reservatórios de nossas hidrelétricas durante o verão e podermos utilizá-la depois durante os meses secos do inverno[20].

Economia de Energia[editar | editar código-fonte]

O Horário de Verão reduz a demanda por energia no período mais crítico do dia, ou seja, que vai das 18h às 21h quando a coincidência de consumo por toda a população provoca um pico, denominado "horário de ponta". Além disso, a implantação do Horário de Verão, ao permitir que entre 19 e 20 horas ainda se disponha de claridade no céu, evita o custo de operação de usinas de energia elétrica para iluminar, ao entardecer, todas as regiões do País onde o sistema é implantado e que abrangem os maiores centros consumidores do País.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em nota divulgada à imprensa, os resultados, verificados durante o Horário de Verão 2011/2012, apontam para uma redução da demanda no horário de ponta da ordem de 2.555 MW — sendo 1840 MW no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, 610 MW o subsistema Sul e 105 MW no subsistema Nordeste, referente à participação do Estado da Bahia. A redução representa 4,6% da demanda máxima dos três subsistemas[25].

A economia com o horário de verão chegou nesta edição a R$ 160 milhões. Segundo o Diretor Geral do ONS, Hermes Chipp, o Horário de Verão aumenta a segurança e diminui os custos de operação do sistema. E isso tem como consequência a redução da tarifa de energia elétrica para o consumidor[26].

Outros Benefícios[editar | editar código-fonte]

Em entrevista ao G1, David Prerau, especialista em horário de verão e P.h.d. pelo Instituto Tecnológico de Massachusetts, disse que a economia de energia não é o único benefício da implantação do horário de verão. Segundo ele, muitos países adotam a medida por conta da diminuição da criminalidade no horário de saída do trabalho e também pelo aumento do lazer da população, que pode curtir o fim de tarde por mais tempo.

Para Michael Downing, professor da Universidade de Tufts, em Boston, e autor de "Spring Forward: The Annual Madness of Daylight Saving Time" (A primavera avançada: a loucura anual do horário de verão") a real intenção do adiantamento dos horários é o lobby das companhias de petróleo e das lojas de shopping, pois "as pessoas saem mais cedo do trabalho e vão às compras. E não vão andando. Elas pegam carros."[27].

Malefícios[editar | editar código-fonte]

Com o horário de verão, as pessoas dormem antes do habitual e acordam uma hora mais cedo. Esta alteração do horário de sono, segundo especialistas, pode trazer alguns prejuízos, como sonolência durante o dia, insônia à noite, cansaço e falta de apetite. Essa confusão que acontece no nosso organismo é um fenômeno que os médicos chamam de "desordem temporal interna"[28] em tudo semelhante ao jet lag.

As discussões acadêmicas significativas sobre seu impacto na saúde começaram nos anos de 1970. Segundo um estudo realizado no Brasil, o corpo humano precisa de ao menos 14 dias para se adaptar totalmente ao horário de verão[29]. Uma análise publicada em 2011 no "The New England Journal of Medicine" demonstrou um aumento na ordem de 5% nos ataques cardíacos (infartos do miocárdio) na população como um todo, na primeira semana do horário de verão[30].

Para o professor Michael Downing, o horário de verão também contribui para o aquecimento global, já que aumenta o uso do ar-condicionado[27].

Segundo a revista TecMundo, a falta de sincronização de dispositivos eletrônicos com o horário de verão, que pode ser uma porta de entrada para cibercriminosos, trazendo riscos à segurança de usuários e até de empresas, pois a diferença de horário dificulta o trabalho de rastrear e identificar falhas de segurança. O analista de segurança da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), Alan Santos, comentou que a precisão é a peça-chave para também apontar a hora exata de erros ou crimes cometidos por meio da rede[31].

Informações adicionais[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde dezembro de 2009).
  • Enquanto o horário de verão está ativo, o horário universal UTC não sofre alterações. Isso significa que a diferença entre o horário de Brasília (UTC-3) e o UTC, geralmente de três horas, se reduz para somente duas durante o período do horário de verão.
  • Nos estados brasileiros onde não vigora o horário de verão, os impactos que as pessoas sentem são na programação das emissoras de televisão e nas agências bancárias, onde o horário de funcionamento em muitos locais é antecipado em uma hora, para compatibilizar com o horário de Brasília. No entanto, algumas afiliadas ou emissoras próprias das redes de televisões (localizadas no Norte, Noroeste, Nordeste e Oeste), geralmente afiliadas às grandes Redes SBT, Record, Band, preferem atrasar a programação nacional em uma hora para garantir a programação local no horário normal. Porém, as emissoras são obrigadas a exibir as atrações classificadas para maiores de 12 e 14 anos em relação do horário de Brasília, como no caso da Rede Globo entre 2009 a 2010.
  • Em Portugal, quando se está no período do horário de inverno (do último domingo de outubro ao último domingo de março) há uma diferença de cerca de 30 minutos a mais entre a hora legal e a hora solar. Durante o horário de verão (entre o último domingo de março e o último domingo de outubro) essa diferença passa a ser de 1h30, ou seja três vezes mais. No solstício de verão, o sol nasce cerca das 6h00 e põe-se cerca das 21h00. Notar que o horário de verão está em vigência durante a primavera e verão, mas também durante o primeiro mês de outono. Assim, os últimos dias de outubro, anteriores à mudança de horário, são o período do ano em que o sol nasce mais tarde na hora oficial, e não durante o mês de dezembro, que corresponde aos dias mais curtos.[32]
  • A mudança de horário impacta os sistemas críticos de informática em uso nas empresas. Alguns destes sistemas precisam ser desligados e religados para que a atualização de horário não provoque problemas internos nos programas e nem efeitos indesejáveis. O mesmo acontece para a volta ao horário normal[33].
  • Em 08 de setembro de 2008 foi publicado, pela Casa Civil da Presidência da República, o decreto N° 6558[34] que definiu regras para as datas de início e término do horário de verão no Brasil. A partir da publicação deste decreto, passou a ser possível saber, antecipadamente, quais serão as datas de início e término do horário de verão, informação essa que era definida e publicada anualmente. Até a publicação deste decreto, a definição anual das datas exatas era um enorme problema pra área de Tecnologia da Informação (TI), que precisava ajustar todos os sistemas, todos os anos, com as datas de início e término do horário de verão. Em resumo, o decreto diz que nos Estados onde o horário de verão é observado, ele inicia-se no terceiro domingo de outubro e encerra-se no terceiro domingo de fevereiro, exceto quando o terceiro domingo de fevereiro coincidir com o domingo de Carnaval. Nesse caso, o horário de verão encerra-se no domingo seguinte. O objetivo disso é evitar que, em meio a um feriado, pessoas esqueçam de ajustar seus relógios.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. a b Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Downing-Prerau
  2. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas DNZB-Hudson
  3. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Benfield
  4. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas farming
  5. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Kissell
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Bartlett
  7. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Aries
  8. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Neumann
  9. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Lahti
  10. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Tong
  11. «Daylight savings time». Session Weekly Minnesota House Public Information Office [S.l.] 1991. Consultado em 2013-08-07. 
  12. «Single/Double Summer Time policy paper» (PDF). Royal Society for the Prevention of Accidents. October 2006. 
  13. G. V. Hudson. (1895). "[1]". Transactions and Proceedings of the New Zealand Institute 28 p. 734.
  14. Seize the Daylight [S.l.: s.n.] pp. 115–118. 
  15. Mark Gurevitz. (7 de março de 2007). "Daylight saving time".
  16. Handwerk, Brian. «Permanent Daylight Saving Time? Might Boost Tourism, Efficiency». National Geographic. Consultado em 5 de janeiro de 2012. 
  17. Ana Rita Faria. «Segurar as rédeas do tempo tem muito que se lhe diga». Consultado em 5 de outubro de 2011. 
  18. senadofederal.com/ Amado e odiado, horário de verão existe desde o começo do século passado
  19. empresasefinancas.hsw.uol.com.br/ A história do horário de verão
  20. a b fem.unicamp.br/ O horário de Verão: suas origens e seu propósito
  21. origemdascoisas.com/ A origem do horário de verão.
  22. «Divisão Serviço da Hora - DSHO Histórico do Horário de Verão». 
  23. ebc.com.br/ Os benefícios e os problemas do horário de verão
  24. «ONS - Horário de Verão». 
  25. ons.org.br/
  26. econexos.com.br/ Benefícios do horário de Verão
  27. a b g1.globo.com/ Ideia do horário de verão surgiu antes mesmo da luz elétrica
  28. maisequilibrio.com.br/ Como o horário de verão afeta seu organismo
  29. bbc.com/ Corpo humano leva 14 dias para se acostumar com horário de verão
  30. medicinadoestilodevida.com.br/ Horário de Verão Traz Prejuízos à Saúde
  31. tecmundo.com.br/ Você sabia que o horário de verão ajuda os cibercriminosos?
  32. «Cálculo de nascentes e poentes». 
  33. «Conheça dicas para preparar a área de TI para o horário de verão». 
  34. «Decreto 6558 da Casa Civil da Presidência da República». 2008-09-08. Consultado em 2012-02-25. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]