Elizabeth Cady Stanton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Elizabeth Stanton.jpg

Elizabeth Cady Stanton (Johnstown, New York, 12 de novembro de 181526 de outubro de 1902) foi uma feminista, ativista social e abolicionista estadunidense, uma figura líder do movimento pelos direitos das mulheres. Sua Declaração de Sentimentos, apresentado na Convenção de Seneca Falls realizada em 1848 em Seneca Falls, Nova York, é muitas vezes creditado com o início da organização e movimento pelos direitos das mulheres e sufrágio feminino nos Estados Unidos.[1][2] Stanton foi presidente da National Woman Suffrage Association de 1892 até 1900.

Antes de Stanton estreitou seu foco político quase exclusivamente aos direitos das mulheres, ela era uma ativa abolicionista com o marido Henry Brewster Stanton (co-fundador do Partido Republicano) e seu primo Gerrit Smith. Ao contrário de muitos dos envolvidos no movimento pelos direitos das mulheres, Stanton abordou várias questões relativas à mulher, além dos direitos ao voto. Suas preocupações incluíam parentais e custódia para as mulheres, direitos de propriedade, direitos ao emprego e renda, divórcio, a saúde econômica da família, e controle de natalidade.[3] Ela também foi uma defensora do movimento de temperança do século 19.

Após a Guerra Civil Americana, o compromisso da Stanton ao sufrágio feminino causou um cisma no movimento pelos direitos das mulheres, quando ela, juntamente com Susan B. Anthony, se recusou a apoiar a as emendas XIV e XV da Constituição dos Estados Unidos. Ela se opôs a ser dado direitos de proteção e voto para homens afro-americanos, enquanto as mulheres, negras e brancas, fossem negadas os mesmos direitos. Sua posição sobre esta questão, juntamente com seus pensamentos sobre o cristianismo organizado e as questões das mulheres para além dos direitos de voto, levou à formação de duas organizações separadas pelos direitos das mulheres que depois foram juntadas, com Stanton como presidente da organização conjunta, cerca de vinte anos depois de sua ruptura do movimento pelo sufrágio das mulheres. Stanton morreu em 1902, sendo autora de The Woman's Bible e sua autobiografia Eighty Years and More, junto com muitos artigos e folhetos relativos ao sufrágio feminino e os direitos das mulheres.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começou sua carreira como abolicionista, e quando um grupo de oito mulheres foi banido do World's Anti-Slavery Convention de 1840, em Londres, que ela e Lucretia Mott, duas das delegadas banidas, resolveram fundar uma convenção pelos direitos das mulheres, em 1848.[4] Outras delegadas frustadas, como Mary Grew, se juntaram, e o movimento pelos direitos femininos acabou surgindo em Seneca Falls.[4]

Ela formou uma aliança com a líder feminista Susan B. Anthony; durante o dia, elas cuidavam juntas da casa e dos filhos, e, à noite, se armavam de munição e se preparavam para atacar o inimigo.[5] Elizabeth Stanton descreveu a relação entre as duas em termos românticos, dizendo também que preferia uma tirania de seu próprio sexo, e que era submissa a Susan.[5]

Anthony e Stanton formaram a primeira convenção sufragista depois da Guerra Civil Americana, em 1869, que fundou a National Woman Suffrage Association.[5]

Elizabeth Cady Stanton foi casada e teve sete filhos.[6]

Foi sepultada no Cemitério de Woodlawn.

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Elizabeth Cady Stanton
Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Elizabeth Cady Stanton

Referências

  1. "Elizabeth Cady Stanton Dies at Her Home.". New York Times. October 27, 1902. RetrievedOctober 31, 2007. Mrs. Elizabeth Cady Stanton died at 3 o'clock yesterday afternoon at her home in the Stuart Apartment House, 250 West Ninety-fourth Street. Had she lived until the 12th of next month she would have been 87.
  2. Though it is popularly known as the first-ever women's rights convention, the Seneca Falls Convention was preceded by the Anti-Slavery Convention of American Women in 1837 held in New York City, at which women's rights issues were debated, especially African-American women's rights. •  In June 1848, two male-organized conventions discussed the rights of women: The Conference of Badasht in Persia, at which Táhirih advocated women's rights and took off her veil; and the National Liberty Party Convention in New York at which presidential candidate Gerrit Smith established a party plank of women's suffrage
  3. Baker, p.109
  4. a b Lillian Faderman, To Believe in Women - What Lesbians Have Done for America - A History, Capítulo 1, The loves and living arrangements of nineteenth-century suffrage leaders, "A Closer Union Than That of Most Marriages": Female Couples Among the Early Suffragists.
  5. a b c Lillian Faderman, To Believe in Women - What Lesbians Have Done for America - A History, Capítulo 1, The loves and living arrangements of nineteenth-century suffrage leaders, How the Suffrage Movement Got Off the Ground: Susan B. Anthony
  6. Lillian Faderman, To Believe in Women - What Lesbians Have Done for America - A History, Capítulo 1, The loves and living arrangements of nineteenth-century suffrage leaders, Overcoming "Real" Women, livro parcialmente disponível no site do jornal The New York Times [em linha] ISBN 0-395-85010-X