Feminismo individualista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Feminismo individualista (às vezes também chamado de feminismo libertário) é um termo para as ideias feministas que enfatizam o individualismo.[1] Esta posição política combina o feminismo com o libertarianismo, argumentando que uma postura pró-capitalista e antiestado implica o reconhecimento de direitos iguais e empoderamento para as mulheres.[2][3][4]

Geral[editar | editar código-fonte]

Feministas individualistas tentam mudar os sistemas jurídicos, a fim de eliminar os privilégios de classe e privilégios de gênero e para garantir que as pessoas tenham direitos iguais. O feminismo individualista incentiva as mulheres a assumir total responsabilidade por suas próprias vidas. Ele também se opõe a qualquer interferência do governo nas escolhas que pessoas adultas fazem com seus próprios corpos, porque, segundo ele, esse tipo de interferência cria uma hierarquia coercitiva.[5][6] Por esta razão rejeita mecanismos que limitam os direitos individuais ou a igualdade de direitos, como por exemplo a discriminação positiva, a proibição da prostituição e da pornografia,[7][8] ou políticas de cotas de gênero. Isto conecta o feminismo individualista ao feminismo sexo-positivo, que é conhecido por defender o direito à liberdade de expressão da feminilidade e da sexualidade.[9][10]

O feminismo individualista tem suas raízes nas figuras femininas do liberalismo antiescravista e anarcoindividualismo do século XIX,[11] do qual destaca-se a figura de Voltairine de Cleyre,[12] entre outras,[13][14] e nas mulheres fundadoras do movimento libertário moderno (capitalista laissez-faire) no século XX, como Rose Wilder Lane[15], e Isabel Paterson [16]. Suas principais expoentes são Wendy McElroy,[17] Christina Hoff Sommers,[18] Sharon Presley e Cathy Young.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Pessoas[editar | editar código-fonte]

Topicos[editar | editar código-fonte]

Organizações[editar | editar código-fonte]

References[editar | editar código-fonte]

  1. Association of Libertarian Feminists
  2. Feminismo individualista: uma voz pela sensatez de gênero (em inglês), por Wendy McElroy
  3. Libertarian Feminism: Can This Marriage Be Saved?, por Roderick Long e Charles Johnson
  4. "Feminism in Liberty", por Sharon Presley.
  5. McElroy, Wendy, ed. (2002). Liberty for Women: Freedom and Feminism in the 21st century. [S.l.]: Ivan R. Dee, Publisher. ISBN 978-1-56663-435-9 
  6. Reclaiming the Mainstream: Individualist Feminism Rediscovered (Prometheus, 1992) and What to Do When You Don't Want to Call the Cops: A Non-Adversarial Approach to Sexual Harassment by Joan Kennedy Taylor (New York University Press, 1999)
  7. Wendy McElroy, XXX: A Woman's Right to Pornography.
  8. La publicidad y el sexo, por María Blanco, Instituto Juan de Mariana
  9. "A Feminist Overview of Pornography, Ending in a Defense Thereof" by Wendy McElroy, WendyMcElroy.com.
  10. "From a Sexually Incorrect Feminist" by Wendy McElroy, Penthouse, July 1995. (archived at WendyMcElroy.com)
  11. The Roots of Individualist Feminism in 19th-Century America. Wendy McElroy
  12. Exquisite Rebel: The Essays of Voltairine de Cleyre. Livro de Sharon Presley
  13. An Individualist Feminist Compendium. With Emphasis upon 19th Century America.
  14. Gertrude B. Kelly: Una feminista olvidada, por Wendy McElroy, Independent Institute
  15. La vida de Rose Wilder Lane
  16. La vida de Isabel Paterson
  17. McElroy, Wendy (2002). Liberty for Women: Freedom and Feminism in the 21st century. [S.l.]: Ivan R. Dee, Publisher. ISBN 978-1-56663-435-9 
  18. Sommers, Christina Hoff (1995). Who stole feminism?: how women have betrayed women. New York: Simon & Schuster. 320 páginas. ISBN 0-684-80156-6