Antifeminismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O antifeminismo é amplamente definido como a oposição a algumas ou todas as formas de feminismo. Esta oposição tomou várias formas através dos tempos e das culturas. Por exemplo, os antifeministas do final dos anos 1800 e início dos anos 1900 resistiram ao sufrágio feminino, enquanto antifeministas no final do século 20 se opuseram à Emenda aos Direitos da Igualdade dos Estados Unidos.[1][2] O antifeminismo pode ser motivado pela crença de que as teorias feministas do patriarcado e as desvantagens sofridas pelas mulheres na sociedade são incorretas ou exageradas;[3][4] que o feminismo como um movimento encoraja a misandria e resulta em dano ou opressão aos homens; ou apenas a oposição geral em relação aos direitos das mulheres.[5][6][7][8]

Definição[editar | editar código-fonte]

O sociologista Michael Flood argumenta que uma ideologia antifeminista rejeita ao menos um do que ele identifica como os três princípios gerais do feminismo:[3]

  1. Os arranjos sociais entre homens e mulheres não são nem naturais nem divinamente determinados.
  2. Os arranjos sociais entre homens e mulheres favorecem aos homens
  3. Há ações coletivas que podem e devem ser tomadas para transformar esses arranjos em arranjos mais justos e equitativos, como o direito ao voto e outros direitos conquistados ao longo do tempo

O antifeminismo é inteiramente um movimento reacionário e um contra-movimento definido como uma "tentativa consciente, coletiva e organizada de resistir ou reverter a mudança social"[9] Os sociólogos canadense Melissa Blais e Francis Dupuis-Deri escrevem que esse pensamento antifeminista assumiu principalmente a forma de uma versão extrema do masculinismo, em que "os homens estão em crise por causa da feminização da sociedade".[10]

"Antifeminista" também é usado para descrever figuras femininas públicas, algumas das quais (como Naomi Wolf, Camille Pagila e Kate Roiphe,) que se definem como feministas, com base na sua oposição a alguns ou todos os elementos dos movimentos feministas.[11] Outras feministas rotulam escritores como Christina Hoff Sommers, Jean Bethke Elshtain, Katie Roiphe e Elizabeth Fox-Genovese com esse termo[12][13] por causa de suas posições sobre a opressão e linhas de pensamento dentro do feminismo.[14] Daphne Patai e Noreta Koertge argumentam que a intenção de rotular essas mulheres "antifeministas" é silenciá-las e evitar qualquer debate sobre o estado do feminismo.[15]

O significado do antifeminismo tem variado ao longo do tempo e das culturas, eo antifeminismo atrai homens e mulheres. Algumas mulheres, como aquelas na Liga Nacional Anti-Sufrágio das Mulheres, fizeram campanha contra o sufrágio feminino. Emma Goldman, por exemplo, foi amplamente considerada antifeminista durante a sua luta anti-sufragista contra o sufrágio nos EUA. Décadas mais tarde, no entanto, ela foi anunciada como um fundador do Anarcafeminismo .[16]

O estudioso de estudos de homens Michael Kimmel define o antifeminismo como "a oposição à igualdade das mulheres". Ele diz que os antifeministas se opõem "à entrada das mulheres na esfera pública, à reorganização da esfera privada, ao controle das mulheres de seus corpos e aos direitos das mulheres em geral". Kimmel escreve ainda que a argumentação antifeminista se baseia em "normas religiosas e culturais", enquanto os defensores do antifeminismo avançam sua causa como um meio de "salvar" a masculinidade da poluição e da invasão ". Ele argumenta que os antifeministas consideram a "divisão tradicional do trabalho como natural e inevitável, talvez também divinamente sancionados".[5]

Posturas antifeministas[editar | editar código-fonte]

Alguns antifeministas vêem o feminismo como uma negação das diferenças inatas entre os sexos e uma tentativa de reprogramar as pessoas contra suas tendências biológicas. Os antifeministas também freqüentemente argumentam que o feminismo, apesar de afirmar que adota a igualdade, ignora questões de direitos exclusivas aos homens. Alguns acreditam que o movimento feminista atingiu seus objetivos e agora busca um status mais elevado para as mulheres do que para os homens por meio de direitos especiais e isenções, como bolsas de estudo femininas, ações afirmativas e cotas de gênero.[17][18][19]

Alguns antifeministas argumentam que o feminismo resultou em mudanças nas normas anteriores da sociedade relativas à sexualidade, que elas vêem como prejudiciais aos valores tradicionais ou crenças religiosas conservadoras.[20][21][22] Por exemplo, a ubiquidade do sexo casual e o declínio do casamento são mencionados como conseqüências negativas do feminismo.[23][24] Alguns desses tradicionalistas se opõem à entrada das mulheres, ao processo de votação e à diminuição da autoridade masculina nas famílias.[25] Os antifeministas argumentam que a mudança dos papéis das mulheres é uma força destrutiva que põe em perigo a família ou é contrária à moral religiosa. Por exemplo, Paul Gottfried afirma que a mudança dos papéis das mulheres "foi um desastre social que continua a afetar a família" e contribuiu para uma "descida de indivíduos cada vez mais desconectados no caos social".[26]

História[editar | editar código-fonte]

Americanos contra o direito ao voto feminino, início do século 20

O "movimento das mulheres" começou em 1848, articulado por Elizabeth Cady Stanton e Susan B. Anthony, Pedindo direitos de voto e muitos outros direitos, tais como educação, liberdade de trabalho, direitos conjugais e de propriedade e o direito de escolher se quer ser mãe ou não[27]Mas, no fim do século, um contra-movimento cultural tinha começado. Janet Chafetz identificou em um estudo 32 movimentos antifeministas da primeira-onda, including aqueles no século 19 e início do século 20.[28] Estes contra-movimentos foram em resposta a demandas crescentes de algumas mulheres, que foram percebidas como ameaçando o modo de vida padrão. Embora os homens não fossem os únicos antifeministas, os homens experimentaram o que alguns chamaram de "crise da masculinidade"[29] em resposta aos tradicionais papéis de gênero sendo desafiados. As respostas dos homens ao crescente feminismo variaram. Alguns homens até se inscreveram na ideologia feminista, mas outros foram para a outra direção e se tornaram decididamente antifeministas. Os homens que acreditavam nesse modelo citavam modelos religiosos e leis naturais para enfatizar a necessidade das mulheres de retornarem à esfera privada, a fim de separar homens e mulheres e previnir as mulheres desafiarem os homens desafiadores em público.[29]

No século 19, um dos principais pontos focais do antifeminismo foi a oposição ao sufrágio feminino, que começou como um movimento de base em 1848 e durou 72 anos.[30][2] Os oponentes da entrada das mulheres em instituições de ensino superior argumentaram que a educação era uma carga física muito grande para as mulheres. O professor de Harvard Edward Clarke "previu" que se as mulheres fossem para a faculdade, seu cérebro cresceria cada vez mais, e seus ventres se atrofiariam.[31] Outros antifeministas opunham-se à entrada das mulheres na força de trabalho, ao seu direito de ingressar em sindicatos, de se sentar em júris ou de obter controle de natalidade e controle de sua sexualidade.[5]

O movimento pró-família apareceu no final do século 19, por volta de 1870.[32] Este movimento pretendia parar o índice crescente dos divórcios e reforçar valores tradicionais da família. A Liga Nacional para a Proteção da Família, anteriormente conhecida como Liga de Reforma do Divórcio, assumiu o movimento em 1881.[32][33] Samuel Warren Dike foi um dos fundadores da Liga e considerado um dos primeiros especialistas em divórcio. Através de seus esforços, a Liga chamou a atenção dos defensores pró-família. Passou da luta contra o divórcio para a promoção do casamento e da família tradicional.[32] Falando em nome da Liga em um discurso de 1887 à Conferência da Aliança Evangélica, Samuel Dike descreveu a família ideal como tendo "um homem e uma mulher, unidos no casamento, juntamente com seus filhos".[32]

Organizações[editar | editar código-fonte]

A partir da década de noventa do século 20 o antifeministmo se diversificou, além das organizações tradicionais como a Eagle Forum e a Concerned Women for America, surigiram outras como a Susan B. Anthony List e a Independent Women's Forum.[34]

Fundada nos EUA por Phyllis Schlafly mm 1972, Stop ERA, agora conhecido como Eagle Forum, conseguiu bloquear com êxito a passagem da Emenda da Igualdade dos Direitos nos EUA.[35] Foi também Schlafly que criou ligações entre o Stop ERA e outras organizações conservadoras, bem como grupos de uma só questão como contra o aborto, a pornografia, o controlo de armas e os sindicatos. Ao integrar o Stop ERA com o assim chamado "nova direita", ela foi capaz de alavancar uma ampla gama de recursos tecnológicos, organizacionais e políticos, mirando com êxito contra candidatos pró-feminismo.[35]

Na Índia, a Save Indian Family Foundation é uma organização antifeminista[36] que se opõe a várias leis que alegam terem sido usadas contra homens.[37]

A Concerned Women for America São também uma organização antifeminista. Concerned Women for America (CWA) começou como uma organização de base, e é um movimento que luta pela santidade do casamento e da vida, entre outras questões. É decididamente e publicamente antifeminista na prática e na teoria. Ela se enquadra como sendo para as mulheres, por mulheres, mas como um grupo se opõe ao pensamento feminista. CWA e grupos similares de mulheres conservadoras, apelam para o maternalismo e diferenças biológicas entre mulheres e homens[38][39]

O Independent Women's Forum (IWF) é outro grupo antifeminista, conservador, orientado para as mulheres. É mais jovem e menos estabelecido do que o CWA, embora as duas organizações são frequentemente discutidos em relação uns aos outros. Foi fundada para assumir o "antigo establishment feminista"[39] Ambas as organizações se orgulham de reunir mulheres que não se identificam com a retórica feminista em conjunto. Essas organizações se enquadram como sendo pelas mulheres, para as mulheres, a fim de combater a ideia de que o feminismo é a única ideologia orientada para as mulheres. Essas organizações criticam feministas por suporem universalmente falar por todas as mulheres. A IWF afirma ser "a voz de mulheres" razoáveis "com idéias importantes que abraçam o senso comum sobre a ideologia divisória".[39]


Discurso[editar | editar código-fonte]

Como o feminismo desafia a estrutura de poder tradicional na sociedade, qualquer pessoa que se beneficie da estrutura atual pode ser mais motivada a manter posições antifeministas. No entanto, os antifeministas afirmam e podem mesmo acreditar, que eles são motivados por uma preocupação pelo bem-estar dos outros negando que a preservação de seu próprio poder tenha qualquer coisa a ver com sua oposição ao feminismo.[40]

Segundo o professor de sociologia Jerome L. Himmelstein do Amherst College, o antifeminismo está enraizado nos estigmas sociais contra o feminismo e, portanto, é um movimento puramente reacionário. Himmelstein identifica duas teorias prevalecentes que procuram explicar as origens do antifeminismo: a primeira teoria, proposta por Himmelstein, é que a oposição conservadora nos debates do aborto e do ERA criou um clima de hostilidade em relação a todo o movimento feminista.[41] A segunda teoria de Himmelstein afirma que as mulheres antifeministas que lideram o movimento são em grande parte casadas, têm menos educação formal e baixa renda pessoal que encarnam o "cenário inseguro da dona de casa" e procuram perpetuar sua própria situação em que as mulheres dependem de homens para apoio financeiro. No entanto, numerosos estudos não conseguiram correlacionar os fatores demográficos acima mencionados com o apoio ao antifeminismo e somente a religiosidade se correlaciona de fato com o alinhamento antifeminista.[41]

Na verdade, as organizações mais propensas a se organizar contra o feminismo são religiosas. Isso ocorre porque os movimentos de mulheres podem exigir o acesso a posições dominadas pelos homens dentro do setor religioso, como o clero, e os movimentos de mulheres ameaçam os valores masculinos de algumas religiões.[28] Quanto mais bem-sucedido for um movimento feminista em desafiar a autoridade dos grupos dominados pelos homens, mais esses grupos irão organizar um contra-movimento.[28]

A professora de sociologia da Universidade de Illinois em Chicago, Danielle Giffort, argumenta que o estigma contra o feminismo criado pelos antifeministas resultou em organizações que praticam o "feminismo implícito", que ela define como a "estratégia praticada por ativistas feministas dentro de organizações que operam em ambientes anti- e pós-feministas que escondem identidades feministas e idéias, enfatizando os ângulos mais socialmente aceitáveis de seus esforços".[42] Devido ao estigma contra o feminismo, alguns ativistas, como os envolvidos com o "Rock and Roll Camp for Girls", podem assumir os princípios do feminismo como fundamento do pensamento e ensinar as meninas e as mulheres independência e auto-suficiência sem rotulagem explícita da marca estigmatizada do feminismo. Assim, a maioria das mulheres continuam a praticar o feminismo em termos de procurar igualdade e independência para as mulheres, mas evitando o rótulo.[42]

Referências

  1. Ford, Lynne E. (2009). Encyclopedia of Women and American Politics. [S.l.]: Infobase Publishing. p. 36. ISBN 978-1-4381-1032-5 
  2. a b Maddux, Kristy (outono de 2004). «When patriots protest: the anti-suffrage discursive transformation of 1917». Project MUSE. Rhetoric & Public Affairs. 7 (3): 283–310. doi:10.1353/rap.2005.0012. 
  3. a b Flood, Michael (18 de julho de 2007). «International encyclopedia of men and masculinities». ISBN 978-0-415-33343-6 
  4. Brosnan, Greg (24 de julho de 2014). «#BBCtrending: Meet the 'Women Against Feminism'». BBC news. BBC. Consultado em 24 de julho de 2014 
  5. a b c Kimmel, Michael; Aronson, Amy (2004), «Antifeminism», in: Kimmel, Michael; Aronson, Amy, Men and masculinities a social, cultural, and historical encyclopedia, ISBN 978-1-57607-774-0, Santa Barbara, California: ABC-CLIO, pp. 35–37. 
  6. Blee, K. (1998). Antifeminism. In W. Mankiller (Ed.), The reader's companion to U.S. Women's history. Boston, MA: Houghton Mifflin.
    • "As duas grandes ondas de atividade antifeminista coincidem com as duas ondas do movimento dos direitos da mulher: a campanha para garantir o sufrágio feminino no final do século XIX e início do século XX e o movimento feminista do final do século XX. Em ambos os períodos, aqueles que mantinham uma visão tradicional do lugar das mulheres no lar e na família tentaram avançar sua causa juntando-se a outros grupos conservadores para prevenir os esforços de estender os direitos das mulheres."
  7. Mertz, Thomas J. "Antifeminism." New Dictionary of the History of Ideas. Ed. Maryanne Cline Horowitz. Vol. 1. Detroit: Charles Scribner's Sons, 2005. 94–98. Gale Virtual Reference Library. Web. 30 Sept. 2015.
    • "O antifeminismo, então, repudia as críticas à supremacia masculina e resiste aos esforços para eliminá-la (muitas vezes acompanhada pela demissão da idéia de que a mudança é possível). Observe que essa definição de antifeminismo limita sua referência a reações contra críticas a hierarquias de gênero e esforços para aliviar a opressão das mulheres."
  8. Howard, Angela Marie. "Antifeminism." The Oxford Encyclopedia of Women in World History. : Oxford University Press, 2008. Oxford Reference. 2008. Date Accessed 30 Sep. 2015
    • "A atividade de reforma que desafiava a subordinação das mulheres aos homens ou a limitação patriarcal do estatuto das mulheres provocou uma resposta antifeminista que incluiu uma campanha intelectual e política para travar o progresso em direção aos direitos e à igualdade das mulheres."
  9. Mottl, Tahi (1980). «The Analysis of Countermovments». Social Problems. 27: 620-635. JSTOR 800200 
  10. Blais, Melissa; Francis Dupuis-Déri (2012). «Masculinism and the Antifeminist Countermovement». Journal of Social, Cultural and Political Protest. 11 (1): 21–39. doi:10.1080/14742837.2012.640532. Consultado em 11 de maio de 2013 
  11. Hammer, Rhonda (2006). «Anti‐Feminists as Media Celebrities». Review of Education, Pedagogy, and Cultural Studies. 22: 207-222 
  12. Judith Stacey, Is Academic Feminism an Oxymoron?, Signs, Vol. 25, No. 4, Feminisms at a Millennium. (Summer, 2000), pp. 1189–94
  13. Elizabeth Kamarck Minnich, Review: 'Feminist Attacks on Feminisms: Patriarchy's Prodigal Daughters', Feminist Studies, Vol. 24, No. 1. (Spring, 1998), pp. 159–75
  14. BITCHfest: Ten Years of Cultural Criticism from the Pages of Bitch Magazine, by Margaret Cho (Foreword), Lisa Jervis (Editor), Andi Zeisler (Editor), 2006
  15. Patai and Koertge, Professing Feminism: Education and Indoctrination in Women's Studies, (2003)
  16. Marshall, Peter (1992). Demanding the impossible : a history of anarchism. London: HarperCollins. 409 páginas. ISBN 0-00-217855-9 
  17. Wattenberg, B (1994). «Has Feminism Gone Too Far?». MenWeb. Consultado em 30 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2006 
  18. Pizzey, Erin (1999). «How The Women's Movement Taught Women to Hate Men». Fathers for Life. Consultado em 30 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2006 
  19. Janice Shaw Crouse (2006). «What Friedan Wrought». Concerned Women for America. Consultado em 30 de setembro de 2006 
  20. Desai, Murli. The Paradigm of International Social Development: Ideologies, Development Systems and Policy Approaches. [S.l.]: Routledge. p. 119 
  21. Robert T. Francoeur; Raymond J. Noonan. The Continuum Complete International Encyclopedia of Sexuality. [S.l.]: A&C black. p. 1163 
  22. Jaggar, Alison M. Feminist Politics and Human Nature (Philosophy and Society). [S.l.]: Rowman & Littlefield. p. 75 
  23. Mary A. Kassian, The Feminist Mistake (2005) ISBN 1-58134-570-4
  24. Carrie L. Lukas, The politically incorrect guide to women, sex, and feminism, Regnery Publishing, 2006, ISBN 1-59698-003-6, ISBN 978-1-59698-003-7
  25. Busch, Elizabeth Kaufer. Democracy Reconsidered. [S.l.]: Lexington. p. 242 
  26. Gottfried, Paul (2001). «The Trouble With Feminism». LewRockwell.com. Consultado em 30 de setembro de 2006 
  27. Falludi, Susan (1991). The Undeclared War Against American Women. New York: Three Rivers Press. 63 páginas. ISBN 978-0-307-34542-4 – via Google Scholar 
  28. a b c Chafetz, Janet; Dworkin, Anthony (1987). «In the Face of Threat: Organized Antifeminism in Comparative Perspective». Gender and Society. 1: 33–60. JSTOR 190086 
  29. a b Kimmel, Michael (1987). «Men's Responses to Feminism at the Turn of the Century». Gender and Society. 1: 261-283. JSTOR 189564 
  30. Dolton, P (2014). «Women's Suffrage Movement». Reference & User Services Quarterly. 54: 31–36 – via Proquest 
  31. Clarke, Edward H. (1873). Sex and education. [S.l.]: Wildside. pp. 29, 55. ISBN 978-0-8095-0170-0  Preview.
  32. a b c d Adams, Michele (2007). «Women's Rights and Wedding Bells: 19th-Century Pro-Family Rhetoric and (Re)enforcement of the Gender Status Quo» (PDF). Journal of Family Issues. 28: 501–528 
  33. Henderson, C (1898). «American Journal of Sociology». American Journal of Sociology. 3. 705 páginas. JSTOR 2761696 
  34. Adília Maia Gaspar (2011). O Inimigo no Gineceu: Mulheres contra os Direitos das Mulheres. Edições Ecopy. p. 267. ISBN 978-989-656-161-1.
  35. a b Tierney, Helen (1999). Women's Studies Encyclopedia. Westport, CT, USA: Greenwood Publishing Group, Incorporated. p. 95 
  36. 52 J. Legal Pluralism & Unofficial L. 49 (2006) Playing off Courts: The Negotiation of Divorce and Violence in Plural Legal Settings in Kolkata; Basu, Srimati
  37. Rohit K. Dasgupta; K. Moti Gokulsing (2013). Masculinity and Its Challenges in India: Essays on Changing Perceptions. [S.l.]: McFarland. p. 65 
  38. Schreiber, Ronnee (2008). Righting Feminism. New York: Oxford University Press 
  39. a b c Schreiber, Ronnee (2002). «Injecting a Woman's Voice: Conservative Women's Organizations, Gender Consciousness, and the Expression of Women's Policy Preferences». Sex Roles. 47: 331-341. doi:10.1023/A:1021479030885 
  40. Nelson, Lori; Shanahan, Sandra; Olivetti, Jennifer (1997). «Power, Empowerment, and Equality: Evidence for the Motives of Feminists, Nonfeminists, and Antifeminists» (PDF). Sex Roles. 37: 227-247 – via Springer  (em inglês)
  41. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Himmelstein
  42. a b Giffort, D. M. (2011). «Show or Tell? Feminist Dilemmas and Implicit Feminism at Girls' Rock Camp». Gender & Society. 25 (5): 569, 585. JSTOR 23044173. doi:10.1177/0891243211415978 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Sobre o antifeminismo[editar | editar código-fonte]

  • Nielsen, Kim E. (2001). Un-American womanhood : antiradicalism, antifeminism, and the first Red Scare. Columbus: Ohio State University Press. ISBN 978-0-8142-5080-8 
  • Redefining the New Woman, 1920–1963 (Antifeminism in America: A Collection of Readings from the Literature of the Opponents to U.S. Feminism, 1848 to the Present), Howard-Zophy
  • Faludi, Susan (1991). Backlash: The Undeclared War Against American Women. [S.l.]: Crown Publishers, Inc. ISBN 0-517-57698-8 
  • Kampwirth, Karen. 2006. "Resisting the Feminist Threat: Antifeminist Politics in Post-Sandinista Nicaragua" NWSA Journal. Vol. 18, No 2. (Summer). pp. 73–100.
  • Kampwirth, Karen. 2003. "Arnoldo Alemán Takes on the NGOs: Antifeminism and the New Populism in Nicaragua" Latin American Politics and Society. Vol. 45. No. 2. (Summer) 2003. pp. 133–58.
  • Kampwirth, Karen. 1998. "Feminism, Antifeminism, and Electoral Politics in Post-War Nicaragua and El Salvador" Political Science Quarterly Vol. 113, No. 2. (Summer) pp. 259–79.
  • Cynthia D. Kinnard, Antifeminism in American Thought: An Annotated Bibliography (Boston: G. K. Hall & Co., 1986, ISBN 0-8161-8122-5)
  • Kipnis, Laura, The Female Thing: Dirt, Sex, Envy, Vulnerability (Pantheon, 2006).
  • Mansbridge, Jane: Why We Lost the ERA, Chicago, University of Chicago Press, 1986
  • Nielsen, Kim E. Un-American Womanhood: Antiradicalism, Antifeminism, and the First Red Scare
  • Schreiber, Ronnee (2008). Righting Feminism. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-533181-3 
  • Swanson, G. Antifeminism in America: A Historical Reader (2000) ISBN 0-8153-3437-0

Literatura antifeminista[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]