Esoterismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Exoterismo.

Esoterismo é o nome genérico que evidencia um conjunto de tradições e interpretações filosóficas das doutrinas e religiões - ou mesmo das Fraternidades Iniciáticas - que buscam transmitir um rol acerca de determinados assuntos que dizem respeito a aspectos da natureza da vida que estão sutilmente ocultos. Um sentido popular do termo é a percepção de que transmitem um conhecimento enigmático ou incomum, sempre com vetor oculto. Segundo alguns, o esoterismo é o termo para as doutrinas cujos princípios e conhecimentos não podem ou não devem ser “vulgarizados”, sendo comunicados a um restrito número de partidários adeptos.

Tais escolhas de partidários acontecem da instituição (de caráter esotérico) para indivíduo - ao manifestar interesse - para a instituição esotérica, não havendo, a rigor, um âmbito secreto, mas ritos tradicionais e burocracias internas que acontecem tanto de forma discreta e privada quanto aberta, pois a filiação não está à margem de qualquer lei. No entanto, é possível entrar em contato com o esoterismo por conta própria, isto é, desvinculado de qualquer instituição. Encontra-se esse tipo de conhecimento em leituras; e costumeiramente as bibliotecas e livrarias oferecem este gênero de acervo.

No tempo presente, com a despreocupação da sociedade para com arregimentação de conceitos variados, o esoterismo, enquanto característica sobre assuntos das coisas ocultas, tem adquirido uma deturpação na conexão com o misticismo. Não são, naturalmente, sinônimos, uma vez que o esoterismo contém variadas correntes ocultistas, ciências ocultas e mesmo correntes místicas dentro de seu rol. Logo, não são, a rigor, a mesma coisa; o misticismo desce do plano do esoterismo (que é um termo genérico), e tem a sua especificidade, onde se apresenta, costumeiramente, com práticas de ensinamento místico que conduzem à experiência empírica e comprovações fenomenológicas pessoais do que é estudado pelos seus adeptos. O considerado 'místico', como se reconhece, tem um propósito a alcançar e não se limita aos estudos. Portanto, temos que esoterismo é o termo que afunila e comporta toda e qualquer ciência oculta.[1]

Em suma, esoterismo evidencia a característica do conhecimento "das verdades e leis últimas que regem todo o universo", porém ligando ao mesmo tempo o natural com o que chamam de 'sobrenatural'. Há doutrinas, nomeadamente as espiritualistas, que são também chamadas esotéricas. Há também, com o fenômeno da globalização e o conhecimento mútuo entre as nações e suas culturas, a percepção da compatibilidade do esoterismo com as religiões mais famosas do Oriente; a saber, o budismo, o taoismo, etc., uma vez que elas têm muitos pontos de afinidade conceitual e consonância na aplicabilidade.

Esotérico versus Exotérico[editar | editar código-fonte]

Existem duas espécies de conhecimento: esotérico e exotérico. O termo "exotérico" (antônimo de "esotérico", apesar de ter a mesma pronúncia) se refere ao ensinamento que, nas escolas da Antiguidade grega, era transmitido ao público sem restrições, por se tratar de ensinamento dialético, provável e verossímil. O conhecimento exotérico ou conhecimento do mundo exterior é aquele que percebemos através dos sentidos físicos.

Helena Blavatsky, que é considerada a criadora da moderna teosofia, dizia que o termo "esotérico" refere-se ao que está "dentro", em oposição ao que está "fora" e que é designado como "exotérico". Aponta o significado verdadeiro da doutrina, sua essência, em oposição ao exotérico, que é a "vestimenta" da doutrina, sua "decoração". Também segundo ela, todas as religiões e filosofias concordam em sua essência, diferindo apenas na "vestimenta", pois todas foram inspiradas no que ela chamou de "Religião-Verdade".

Demarcação do conceito acadêmico[editar | editar código-fonte]

Ocidental versus oriental ou não ocidental. Esoterismo global[editar | editar código-fonte]

Marco Pasi aponta que o conceito ocidental de esoterismo surgiu não em um contexto acadêmico, mas devido ao religionismo no século XIX, quando foi feita pela primeira vez a polêmica distinção entre um esoterismo oriental e ocidental.[2] Inicialmente, essa dicotomia surgiu na década de 1880, em que, segundo Julian Strube, ocultistas franceses reivindicaram a autenticidade do que chamaram de "l'ésotérisme occidental", enquanto rejeitavam o "falso esoterismo oriental" da Sociedade Teosófica.[3][4] Houve também em 1890 um conflito dentro da própria Sociedade Teosófica entre William Quan Judge, que defendia um chamado "ocultismo ocidental", e Annie Besant, que defendia a variante "oriental".[5] Segundo Pasi: "É, portanto, principalmente como reação a uma ideia de 'esoterismo oriental' que a ideia de 'esoterismo ocidental' poderia se desenvolver". Porém, segundo Strube, isso não basta para definir esses significantes, pois uma complexa rede de entrecruzamentos ocorreu entre várias culturas do oriente e ocidente, e por isso defende a conceituação de um esoterismo global.[6] Diferentes entendimentos de esoterismo foram produzidos globalmente, principalmente através de intercâmbios ao longo do século XIX.[5] Assim, acadêmicos da religião costumam utilizar o termo "esotérico" para categorizar práticas que reservam "certos tipos de conhecimento salvífico para uma elite selecionada de discípulos iniciados", segundo a descrição de Wouter Hanegraaff.[4]

É, assim, um conceito de difícil demarcação, bem como as noções de "Oriente" e "Ocidente", que são vagas e cujas bordas mudam historicamente, politicamente e ideologicamente.[7][8] Dependendo das definições, a maior parte do esoterismo ocidental poderia ser considerado oriental.[8] O chamado esoterismo ocidental foi profundamente influenciado por tradições não ocidentais, e vice-versa, principalmente na contemporaneidade a partir do mundo globalizado. Essa categorização em dois hemisférios aparentemente foi de mais importância interna à retórica dos movimentos esotéricos do que ao discurso acadêmico.[7]

Por exemplo, no neoplatonismo, e depois novamente a partir da Renascença, foi associado um exotismo à origem dos ensinamentos maiores, como da origem da filosofia platônica no Antigo Egito ou de antigos conhecimentos aos "mistérios caldaicos", e nisso o místico e oculto representava a "sabedoria oriental".[9][10][7] Assim, Iâmblico, por exemplo, fazia referência aos Oráculos Caldeus como transmitindo "doutrinas ancestrais assírias",[11] e Pletão atribuiria a origem deles a Zoroastro;[12][13] tal conceito do imaginário ocidental foi chamado por acadêmicos de "Orientalismo Platônico".[9][10][7]

A perspectiva também poderia variar conforme a agenda dos ocultistas, como em movimentos esotéricos neopagãos italianos no século XX que, inspirados pela escola romana tradicionalista, consideravam o cristianismo uma "degeneração" "vinda do Oriente" que nada teria em comum com a tradição esotérica ocidental, a qual afirmavam ser o paganismo.[14] A esotérica "retórica de uma verdade escondida" também se articulava ao exótico, formando-se na imaginação um "Oriente místico", e quando o Egito deixou de ser atrativo em seu exotismo, o polo do "Oriente místico" se deslocou à Índia e além, como "verdadeira morada da sabedoria antiga".[15][8]

Academicamente, passou a se considerar em alguns estudos mais recentes do esoterismo, como os de Gordan Djurdjevic e Henrik Bogdan, a existência de equivalentes próximos do esoterismo ocidental em culturas asiáticas, sugerindo um "esoterismo" indiano, chinês ou do Extremo Oriente em geral.[2] Grande parte dos estudiosos do esoterismo defende que é preferível analisá-lo de maneira transcultural e globalizada, de acordo com cada nacionalidade ou região cultural, enfocando-se as interações do conceito de maneira local ou intercultural mais específica para além de "ocidental" e "oriental",[4][6][8][16][17] ou também de modo relativo e aberto.[18] Com isso, levam-se em conta as diferenças de cada sistema, apesar de algumas semelhanças em questões do oculto e da possibilidade de um sistema de sigilo, como em conhecimentos secretos, elitismo, teorias sobre espírito e matéria, um suposto saber universal e ritos iniciáticos hierárquicos de mistérios e transmissão.[4][18][19]

Alguns se utilizam do termo "esoterismo oriental" (em inglês, eastern esotericism).[20][7] Henrik Bodgan e Gordan Djurdjevic consideram o "esoterismo oriental" como estando presente junto a elementos ocidentais do sistema de Magick de Aleister Crowley,[7] e Djurdjevic reconhece a difusão do estudo do esoterismo oriental como um importante legado de Crowley.[21] Jeffrey J. Kripal utiliza o termo "esoterismo asiático" em seu estudo de Tantra[22] e Olga Saraogi defende a possibilidade de análise "asiacêntrica" do esoterismo.[23] Georgiana Hedesan e Tim Hudbøg consideram que "ocidental" e "oriental" podem ser utilizados como designações relativas, mas que são limitantes, sendo preferíveis localidades específicas como europeia, indiana e africana.[16]

Já outros como Helmut Zander afirmam que não é porque existe o conceito técnico bem definido de "esoterismo ocidental" que necessariamente deve haver um esoterismo oriental, esoterismo do norte ou esoterismo do sul. Há propostas de uma categoria aberta ao "esoterismo global" ou "esoterismo aberto", considerando que definições rígidas de esoterismo não se aplicam a todas as culturas e em todos os tempos. Assim, Zander afirma, por exemplo, como teoriza Jan Assmann, que é parte da história da religião ocidental desde a antiguidade uma tensão que se reflete na semântica de público versus privado, aberto versos secreto; mas propõe que definir o "secreto" como uma possibilidade e não um requisito pode permitir a consideração de esoterismo em outras tradições não ocidentais.[18] Não é porque um sistema se origina em contexto ocidental e assimilado por culturas colonizadas que continua sendo ocidental, segundo estudiosos como Egil Asprem, Julian Strube, Keith Cantú e Liana Saif, que defendem a autonomia da agência local na criação de inovações sobre o material.[24][6][25][26]

Antoine Faivre e Wouter Hanegraaff definiram o esoterismo como um fenômeno especificamente ocidental, com intenção de superar o paradigma religionista de um "núcleo esotérico" comum a todas as religiões ou de uma verdade perene universalista, e o termo "ocidental" servia para delimitar o esoterismo não como uma essência transhistórica de toda religião, mas realçando-o como um conjunto particular a uma corrente histórica.[4][6] Assim, nesse sentido, Asprem indica que o termo é tão oposto a "esoterismo universal" quanto a esoterismos geograficamente localizados: "O termo se opõe não tanto ao esoterismo “oriental” (ou “do norte” ou “do sul”) quanto ao esoterismo universal".[4] Hanegraaff afirma que a criação de uma categoria de "esoterismo oridental" teria de ser diferente da definição inaugural de Faivre: "Segue-se que, se alguém conceber um “esoterismo oriental” (qualquer que seja a definição), isso seria necessariamente outra coisa".[2] Karl Baier afirma que o atual estudo comparativo das religiões possui técnicas mais refinadas e não necessariamente adota uma agenda religionista, e que então não é impedido o uso da comparação da categoria "esoterismo". Segundo Baier, o paradigma Faivre/Hanegraaff exclui qualquer agência não europeia, como se culturas não ocidentais não pudessem contribuir ou desenvolver ativamente o esoterismo: "No entanto, a pesquisa sobre o ioga moderno e em outros campos de interações interculturais entre as culturas do Oriente Próximo e Médio, do Sul da Ásia e do Leste Asiático, bem como culturas africanas e correntes esotéricas europeias ou americanas revelam desenvolvimentos globalmente emaranhados".[4] Assim também defende Julian Strube, de que o esoterismo foi formado de um modo globalmente entrelaçado e que a perspectiva conceitual atual de Hanegraaff repete o religionismo e exclui contextos de desenvolvimento não ocidentais.[6]

Segundo Hanegraaff, Carl Gustav Jung foi um dos grandes contribuidores na difusão de estudo transcultural do esoterismo em perspectiva mais global, estudando uma tradição oculta ocidental e buscando paralelos com sistemas do Oriente. Ele interpretava que havia duas mentalidades, uma consciente mais racional e outra inconsciente, e afirmou que no estudo de pensamentos das culturas ocidentais e orientais encontrou um mesmo substrato compartilhado do inconsciente coletivo, que podia ser estudado historicamente, mas que, segundo Hanegraaff, corresponde ao reservatório de "conhecimento rejeitado" tradicionalmente.[2]

Segundo Marco Pasi, "se o esoterismo não é um fenômeno universal, mas está especificamente enraizado e limitado à cultura ocidental, então não deveria ser necessário qualificá-lo como ‘ocidental’. No momento em que é rotulado como ‘ocidental’, torna-se também possível conceber que existem outras formas ‘não-ocidentais’ de esoterismo".[6] Há críticas, porém, à aplicação indevida do esoterismo a outros contextos, como a de que foi utilizada em suposições religionistas e que transbordou a outras categorias ocidentais generalizantes sobre culturas não ocidentais, como o xamanismo.[27] Por exemplo, estudos como o de Marcel Griaule foram criticados por induzirem a criação de mistificações consideradas "esotéricas" em um contexto não ocidental: o da religião africana dos dogons,[27] no que ele chamou de "la parole claire" o nível mais profundo de conhecimento secreto.[28] Há nuances de análise: o esotérico se relaciona a partir das noções de segredo, embora nem toda dimensão do segredo se refira ao esotérico, como por exemplo assuntos vergonhosos, e nem todo segredo é iniciático.[29] Apter sugere, por sua vez, que os conhecimentos secretos não são necessariamente fixos em determinadas culturas, como a esotérica dos iorubás e dos dogons, e talvez seja sempre fluida e mutável de acordo com contextos.[28] Quanto ao Oriente, perspectivas europeias da religião foram influenciadas por tendências do orientalismo, que influenciou a atribuição do esoterismo em um "orientalismo esotérico", muitas vezes rebaixando as crenças e práticas religiosas orientais como supersticiosas ou irracionais.[26]

O esoterismo, como termo amplo em seu perspectiva ética, aplica-se como categoria comparativa a visões de mundo ou práticas conectadas que são difundidas em diversas culturas ao longo da história e ao redor do mundo. Porém em um segundo significado estrito, emicamente, origina-se a correntes históricas estritas em interação de diferentes culturas, ou como um fenômeno euro-americano, do esoterismo ocidental propriamente dito.[4]

Entretanto, tornou-se comum a sua atribuição a doutrinas do hinduísmo, como nos Tantras e Ioga; a ramos do budismo encontrados na Índia, China, Japão, Tibete, Coreia e Vietnã, chamando-se "budismo esotérico"; e a outras práticas não sectárias, como as dos Bauls.[4] Encontra-se, por exemplo, o sistema de pensamento analógico de correspondências externas e internas (como macrocosmo e microcosmo) em rituais e teorias indianas comparáveis a afirmações de sistemas esotéricos ocidentais, além de práticas de magia, alquimia e adivinhação.[30] Richard Kaczynski, por exemplo, aponta que, apesar de não ser sua intenção "confluir Tantra Oriental e Magia Ocidental, embora eu ache heuristicamente útil me referir a ambos como formas de esoterismo", emprega o "termo de segunda ordem (ético) que é aplicado pelos estudiosos ao assunto sob escrutínio muito mais consistente do que é usado como uma designação autorreferencial (êmica)", com utilidade para comparação tal como fazia Aleister Crowley em relação às semelhanças que via entre as tradições orientais e ocidentais.[31]

Cantú utiliza por conveniência "ocidental" e "oriental", e afirma que é uma noção que está implícita a partir da divisão de "ocidental", porém vaga: "Meu ponto é que postular um esoterismo ocidental também implica a postulação de um “esoterismo oriental”, que mesmo que não seja declarado ou não analisado, cria uma categoria que não tem existência intrínseca à parte de vários movimentos desconexos, sejam islâmicos, hindus, budistas, taoistas, ou não sectário (por exemplo, os faquires bāuls de Bengala ...) que poderiam ser justificadamente ditos como participantes de um tipo de esoterismo". Ele propõe uma abordagem mais neutra e global de esoterismo, considerando-se as dimensões local, nativa, e translocal, em que um sistema se torna difuso e variado em diversos lugares conforme se distancia de seu ponto de origem. Com o fluxo do translocal ao local (chamada "localização"), pode ocorrer assimilação de conceitos ocidentais a partir da agência interna de membros das comunidades colonizadas. Nem por isso se pode afirmar que o sistema perde o reconhecimento de ser autêntico, ainda que tenha havido influência em movimento de polinização de retorno da Europa à Ásia, com apropriação de novas categorias ditas esotéricas, como no Ioga. Assim, indica a existência de duas dimensões: de "esoterismo translocal" e "esoterismo local",[25] a partir do que se constrói localmente a afirmação de autenticidade e inautenticidade.[24]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Isaac Newton: ciencia y religión en la unidad de su pensamiento
  2. a b c d Hanegraaff, Wouter J. (19 de janeiro de 2016). «The Globalization of Esotericism». Correspondences (em inglês) (0). ISSN 2053-7158. Consultado em 11 de agosto de 2022 
  3. Strube, Julian (28 de setembro de 2017). «Occultist Identity Formations Between Theosophy and Socialism in fin-de-siècle France» (PDF). Numen. 64 (5-6): 568–595. ISSN 1568-5276. doi:10.1163/15685276-12341481. Consultado em 11 de agosto de 2022 
  4. a b c d e f g h i Baier, Karl (26 de fevereiro de 2021). «Esotericism». The Wiley Blackwell Companion to the Study of Religion (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons
  5. a b Strube, Julian (2022). Global Tantra (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 
  6. a b c d e f Strube, Julian (2021). «Towards the Study of Esotericism without the “Western”: Esotericism from the Perspective of a Global Religious History». In: Aspem, Egil; Strube, ed. New Approaches to the Study of Esotericism (em inglês). Col: Supplements to Method & Theory in the Study of Religion. 17. Leiden; Boston: Brill. Arquivado em 18 de agosto de 2022 na Wayback Machine.
  7. a b c d e f Bogdan, Henrik; Djurdjevic, Gordan (2013). «Introduction: occultism in a global perspective». In: Bogdan, Henrik; Djurdjevic, Gordan, ed. Occultism in a Global Perspective (em inglês). Abingdon; Nova Iorque: Routledge
  8. a b c d Granholm, Kennet (2013). «Locating the West: problematizing the Western in Western esotericism and occultism». In: Bogdan, Henrik; Djurdjevic, Gordan, ed. Occultism in a Global Perspective (em inglês). Abingdon; Nova Iorque: Routledge
  9. a b Burns, Dylan (2021). «Receptions of Revelations: A Future for the Study of Esotericism and Antiquity». In: Aspem, Egil; Strube, ed. New Approaches to the Study of Esotericism (em inglês). Col: Supplements to Method & Theory in the Study of Religion. 17. Leiden; Boston: Brill. Arquivado em 18 de agosto de 2022 na Wayback Machine.
  10. a b Foxen, Anya P. (2020). Inhaling Spirit: Harmonialism, Orientalism, and the Western Roots of Modern Yoga (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 
  11. Viglas, Katelis (27 de dezembro de 2016). «Chaldean and Neo-Platonic Theology» (PDF). Philosophia (em inglês). 14 
  12. Burns, Dylan (2006). «The Chaldean Oracles of Zoroaster, Hekate's Couch, and Platonic Orientalism in Psellos and Plethon» (PDF). Aries. 6 (2): 158–179. ISSN 1567-9896. doi:10.1163/157005906777811925 
  13. Hanegraaff, Wouter J. (21 de agosto de 2009). «The Pagan Who Came from the East: George Gemistos Plethon and Platonic Orientalism» (PDF). Hermes in the Academy: 33–50. doi:10.1017/9789048510597.004. Consultado em 15 de agosto de 2022 
  14. Baroni, Francesco (2013). «Occultism and Christianity in twentieth-century Italy: Tommaso Palamidessi's Christian magic». In: Bogdan, Henrik; Djurdjevic, Gordan, ed. Occultism in a Global Perspective (em inglês). Abingdon; Nova Iorque: Routledge
  15. Granholm, Kennet (27 de janeiro de 2012). «The Serpent Rises in the West». In: István. Transformations and Transfer of Tantra in Asia and Beyond: Positive Orientalism and Reinterpretation of Tantra in the Western Left-Hand Path (em inglês). [S.l.]: Walter de Gruyter 
  16. a b Hedesan, Georgiana D.; Rudbøg, Tim (10 de maio de 2021). Innovation in Esotericism from the Renaissance to the Present (em inglês). [S.l.]: Springer Nature 
  17. Saif, Liana (2019). «What is Islamic Esotericism?». Correspondences. 7 (1). Cópia arquivada em 11 de agosto de 2022 
  18. a b c Zander, Helmut (2021). «What Is Esotericism? Does It Exist? How Can It Be Understood?». In: Mühlematter, Yves; Zander, Helmut, ed. Occult Roots of Religious Studies. On the Influence of Non-Hegemonic Currents of Academia Around 1900. Col: Beiträge zur Nichthegemonialen Innovation. 4. Berlim; Boston: De Gruyter Oldenbourg.
  19. Urban, Hugh B. (1997). «Elitism and Esotericism: Strategies of Secrecy and Power in South Indian Tantra and French Freemasonry». Numen. 44 (1): 1–38. ISSN 0029-5973 
  20. Sorgenfrei, Simon (3 de abril de 2018). «Hidden or Forbidden, Elected or Rejected: Sufism as 'Islamic Esotericism'?». Islam and Christian–Muslim Relations (2): 145–165. ISSN 0959-6410. doi:10.1080/09596410.2018.1437945. Consultado em 15 de agosto de 2022 
  21. Djurdjevic, Gordan (5 de setembro de 2012). «The Great Beast as a Tantric Hero: The Role of Yoga and Tantra in Aleister Crowley's Magick». In: Bogdan, Henrik; Starr, Martin P. Aleister Crowley and Western Esotericism (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 
  22. Kripal, Jeffrey J. (31 de dezembro de 2008). «The Roar of Awakening: The Eros of Esalen and the Western Transmission of Tantra». In: Hanegraaff, Wouter J.; Kripal, Jeffrey J. Hidden Intercourse: Eros and Sexuality in the History of Western Esotericism (em inglês). [S.l.]: BRILL 
  23. Saraogi, Olga Serbaeva (2010). «Review Essay The Serpent of Love Biting Its Western Esoteric Tail». Numen (em inglês). 57 (2): 231–250. ISSN 1568-5276. doi:10.1163/156852710X487600. A related problem is the definition throughout the book of Western esotericism without any reference to a probable “Eastern” counterpart, except for Kripal’s idea of representing Tantra as the term for Asian esotericism (496). Would “Eastern” esotericism, if such a thing existed, imply no more than an esotericism independent from the Western set of historical traditions or would it be something different in quality? A new and self-determining approach? This question demands an independent investigation; and precisely this analysis is the subject of my forthcoming article dealing with the theoretical possibility of an Asia-centric approach to esoteric material. 
  24. a b Asprem, Egil; Strube, Julian (2021). «Esotericism’s Expanding Horizon: Why This Book Came to Be». In: Aspem, Egil; Strube, ed. New Approaches to the Study of Esotericism (em inglês). Col: Supplements to Method & Theory in the Study of Religion. 17. Leiden; Boston: Brill. p. 4 e 9. Arquivado em 18 de agosto de 2022 na Wayback Machine.
  25. a b Cantú, Keith (2021). «“Don’t Take Any Wooden Nickels”: Western Esotericism, Yoga, and the Discourse of Authenticity». In: Aspem, Egil; Strube, ed. New Approaches to the Study of Esotericism (em inglês). Col: Supplements to Method & Theory in the Study of Religion. 17. Leiden; Boston: Brill. Arquivado em 18 de agosto de 2022 na Wayback Machine.
  26. a b Saif, Liana (2021). «“That I Did Love the Moor to Live with Him”: Islam in/and the Study of “Western Esotericism”». In: Aspem, Egil; Strube, ed. New Approaches to the Study of Esotericism (em inglês). Col: Supplements to Method & Theory in the Study of Religion. 17. Leiden; Boston: Brill. Arquivado em 18 de agosto de 2022 na Wayback Machine.
  27. a b Boekhoven, Jeroen W. (2011). Genealogies of Shamanism: Struggles for Power, Charisma and Authority (PDF) (em inglês). [S.l.]: Barkhuis 
  28. a b Apter, Andrew (1 de janeiro de 2005). «Griaule's Legacy: Rethinking "la parole claire" in Dogon Studies». Cahiers d’études africaines (em francês) (177): 95–129. ISSN 0008-0055. doi:10.4000/etudesafricaines.14901. Consultado em 11 de agosto de 2022 
  29. Beek, Walter E. A. van (abril de 1991). «Dogon Restudied: A Field Evaluation of the Work of Marcel Griaule» (PDF). Current Anthropology. 32 (2): 139-167 
  30. Djurdjevic, Gordan (2014). «A Web of Relations: Interpreting Indian Yoga and Tantra as Forms of Esotericism». In: India and the Occult. Nova Iorque: Palgrave Macmillan. p. 21-33.
  31. Kaczynski, Richard (5 de setembro de 2012). «Continuing Knowledge from Generation unto Generation: The Social and Literary Background of Aleister Crowley's Magick». In: Bogdan, Henrik; Starr, Martin P. Aleister Crowley and Western Esotericism (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • José Manuel Anes, Re-creações Herméticas, Lisboa: Presença, 1985, 82 p.
  • José Manuel Anes, Fernando Pessoa e os Mundos Esotéricos, Lisboa: Ésquilo, 2004, 216 p.
  • Antoine Faivre, O esoterismo (1992), Campinas: Papirus Editora, 1994, 118 p.
  • Wouter J. Hanegraaff (editor), Dictionary of Gnosis and Western Esotericism, Leida / Boston: Brill, 2005, 2 v., 1228 p.
  • Pierre A. Riffard, Dicionário do esoterismo (1983), Lisboa: Editorial Teorema, 1994, 405 p.
  • Pierre A. Riffard, O Esoterismo. O que é esoterismo? Antologia do esoterismo ocidental (1990), Sâo Paulo: Editora Mandarim, 1996, 858 p.
  • Giuliano Kremmerz - A CIÊNCIA DOS MAGOS VOL.I° - Devir Livraria

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Esoterismo