Êmica e ética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Na antropologia, folclorismo e ciências sociais e comportamentais, êmica e ética referem-se a dois tipos de pesquisa de campo realizadas e pontos de vista obtidos:[1] emica, de dentro do grupo social (da perspectiva do sujeito) e ética, de fora (da perspectiva do observador).

Definições[editar | editar código-fonte]

"A abordagem êmica investiga como as pessoas locais pensam" (Kottak, 2006): como elas percebem e categorizam o mundo, suas regras de comportamento, o que tem significado para elas e como imaginam e explicam as coisas. "A abordagem ética (orientada a cientistas) muda o foco das observações, categorias, explicações e interpretações locais para as do antropólogo. A abordagem ética percebe que os membros de uma cultura geralmente estão envolvidos demais no que estão fazendo... para interpretar suas culturas de maneira imparcial. Ao usar a abordagem ética, o etnógrafo enfatiza o que considera importante".[2]

Embora êmica e ética sejam às vezes considerados inerentemente em conflito e um possa ser preferido em detrimento do outro, a complementaridade de abordagens êmica e ética à pesquisa antropológica tem sido amplamente reconhecida, especialmente nas áreas de interesse em relação às características da natureza humana bem como a forma e função dos sistemas sociais humanos.[3]

... O conhecimento e as interpretações êmicas são aqueles existentes em uma cultura, 'determinados pelo costume local, significado e crença (Ager e Loughry, 2004: n.p.) e melhor descritos por um 'nativo' da cultura. O conhecimento ético refere-se a generalizações sobre o comportamento humano que são consideradas universalmente verdadeiras e comumente vincula práticas culturais a fatores de interesse do pesquisador, como condições econômicas ou ecológicas, que os insiders culturais podem não considerar muito relevantes (Morris et al., 1999).

As abordagens êmicas e éticas da compreensão do comportamento e da personalidade se enquadram no estudo da antropologia cultural. A antropologia cultural afirma que as pessoas são moldadas por suas culturas e subculturas, e devemos explicar isso no estudo da personalidade. Uma maneira é olhar as coisas através de uma abordagem êmica. Essa abordagem "é específica da cultura porque se concentra em uma única cultura e é entendida em seus próprios termos". Conforme explicado abaixo, o termo "êmico" se originou do termo linguístico específico "fonêmico", do fonema, que é uma maneira específica de idioma de abstrair os sons da fala.[4][5]

  • Um relato êmico é uma descrição do comportamento ou uma crença em termos significativos (consciente ou inconscientemente) para o ator; isto é, um relato êmico vem de uma pessoa dentro da cultura. Quase tudo dentro de uma cultura pode fornecer uma conta êmica.
  • Um relato "ético" é uma descrição de um comportamento ou crença de um analista social ou observador científico (um estudante ou estudioso de antropologia ou sociologia, por exemplo), em termos que podem ser aplicados em culturas; isto é, um relato ético tenta ser "culturalmente neutro", limitando qualquer viés ou alienação etnocêntrica, política e/ou cultural pelo observador.

Quando essas duas abordagens são combinadas, a visão "mais rica" de uma cultura ou sociedade pode ser entendida. Por si só, uma abordagem êmica teria dificuldade em aplicar valores globais a uma única cultura. A abordagem ética é útil para permitir que os pesquisadores vejam mais de um aspecto de uma cultura e para aplicar observações a culturas ao redor do mundo.

História[editar | editar código-fonte]

Os termos foram cunhados em 1954 pelo linguista Kenneth Pike, que argumentou que as ferramentas desenvolvidas para descrever comportamentos linguísticos poderiam ser adaptadas à descrição de qualquer comportamento social humano. Como Pike observou, os cientistas sociais há muito debatem se seu conhecimento é objetivo ou subjetivo. A inovação de Pike foi afastar-se de um debate epistemológico e, em vez disso, buscar uma solução metodológica. EMIC e etic são derivadas da linguística termos fonémica e fonética, respectivamente, onde phonemics eficazmente encarar os elementos de significado e fonética encarar os elementos de som. A possibilidade de uma descrição verdadeiramente objetiva foi descartada pelo próprio Pike em sua obra original; ele propôs a dicotomia êmica / ética na antropologia como uma maneira de contornar questões filosóficas sobre a própria natureza da objetividade.[carece de fontes?]

Os termos também foram defendidos pelos antropólogos Ward Goodenough e Marvin Harris com conotações ligeiramente diferentes daquelas usadas por Pike. Goodenough estava interessado principalmente em entender o significado culturalmente específico de crenças e práticas específicas; Harris estava interessado principalmente em explicar o comportamento humano.[carece de fontes?]

Pike, Harris e outros argumentaram que "insiders" e "outsiders" culturais são igualmente capazes de produzir relatos êmicos e éticos de sua cultura. Alguns pesquisadores usam "ética" para se referir a contas objetivas ou externas e "êmico" para se referir a contas subjetivas ou privilegiadas.[6]

Margaret Mead era uma antropóloga que estudou os padrões da adolescência em Samoa. Ela descobriu que as dificuldades e as transições que os adolescentes enfrentam são culturalmente influenciadas. Os hormônios liberados durante a puberdade podem ser definidos usando uma estrutura ética, porque os adolescentes em todo o mundo têm os mesmos hormônios secretados. No entanto, Mead concluiu que a maneira como os adolescentes respondem a esses hormônios é grandemente influenciada por suas normas culturais. Através de seus estudos, Mead descobriu que classificações simples sobre comportamentos e personalidade não podiam ser usadas porque as culturas das pessoas influenciavam seus comportamentos de maneira tão radical. Seus estudos ajudaram a criar uma abordagem êmica para entender comportamentos e personalidade. Sua pesquisa deduziu que a cultura tem um impacto significativo na formação da personalidade de um indivíduo.[7][8]

Carl Jung, um psicanalista suíço, é um pesquisador que adotou uma abordagem ética em seus estudos. Jung estudou mitologia, religião, rituais antigos e sonhos, levando-o a acreditar que existem arquétipos que podem ser identificados e usados para categorizar o comportamento das pessoas. Arquétipos são estruturas universais do inconsciente coletivo que se referem à maneira inerente pelas quais as pessoas estão predispostas a perceber e processar informações. Os principais arquétipos[9] que Jung estudou foram a persona (como as pessoas escolhem se apresentar ao mundo), o animus/ anima (parte das pessoas que experimentam o mundo vendo o sexo oposto, que orienta como selecionam seu parceiro romântico) e a sombra (lado sombrio das personalidades porque as pessoas têm um conceito do mal. Pessoas bem ajustadas devem integrar partes boas e más de si mesmas. Jung examinou o papel da mãe e deduziu que todas as pessoas têm mães e as vêem de maneira semelhante; eles oferecem nutrição e conforto. Seus estudos também sugerem que "os bebês evoluíram para sugar o leite da mama; também é o caso de todas as crianças que têm tendências inatas de reagir de certas maneiras". Essa maneira de olhar para a mãe é uma maneira ética de aplicar um conceito transcultural e universal.[8]

Importância no que diz respeito à personalidade[editar | editar código-fonte]

Abordagens êmicas e éticas são importantes para a compreensão da personalidade, porque os problemas podem surgir "quando conceitos, medidas e métodos são transferidos descuidadamente para outras culturas, na tentativa de generalizações transculturais sobre a personalidade". É difícil aplicar certas generalizações de comportamento a pessoas tão diversas e culturalmente diferentes. Um exemplo disso é a escala F (Macleod).[10] A escala F, criada por Theodor Adorno, é usada para medir a Personalidade Autoritária, que pode, por sua vez, ser usada para prever comportamentos preconceituosos. Este teste, quando aplicado aos americanos, retrata com precisão preconceitos contra indivíduos negros. No entanto, quando um estudo foi realizado na África do Sul usando a escala F (Pettigrew e Friedman)[8] resultados não previram nenhum preconceito anti-Black. Este estudo utilizou abordagens êmicas do estudo, realizando entrevistas com os locais e abordagens éticas, dando aos participantes testes de personalidade generalizados.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Outras explorações das diferenças entre a realidade e os modelos humanos:

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Creswell, J. W. (1998), Qualitative Enquiry and Research Design: Choosing among Five Traditions, London, UK: Sage. 
  • Dundes, Alan (1962), «From Etic to Emic Units in the Structural Study of Folktales», Journal of American Folklore, 75 (296): 95–105, JSTOR i223629, doi:10.2307/538171. 
  • Jingfeng, Xia (2013), An Anthropological Emic-Etic Perspective On Open Access Practices, Academic Search Premier. 
  • Goodenough, Ward (1970), «Describing a Culture», ISBN 978-0-202-30861-6, Cambridge, UK: Cambridge University Press, Description and Comparison in Cultural Anthropology, pp. 104–119. 
  • Harris, Marvin (1976), «History and Significance of the Emic/Etic Distinction», Annual Review of Anthropology, 5: 329–350, doi:10.1146/annurev.an.05.100176.001553. 
  • Harris, Marvin (1980), «Chapter Two: The Epistemology of Cultural Materialism», ISBN 978-0-7591-0134-0, New York, NY, USA: Random House, Cultural Materialism: The Struggle for a Science of Culture, pp. 29–45. 
  • Headland, Thomas; Pike, Kenneth; Harris, Marvin (eds) (1990), Emics and Etics: The Insider/Outsider Debate, Sage. CS1 maint: extra text: authors list (link)
  • Jahoda, G. (1977), «In Pursuit of the Emic-Etic Distinction: Can We Ever Capture It?», Basic Problems in Cross-Cultural Psychology (Y.J. Poortinga, ed.), pp. 55–63. 
  • Kitayama, Shinobu; Cohen, Dov (2007), Handbook of Cultural Psychology, New York, NY, USA: Guilford Press. 
  • Kottak, Conrad (2006), Mirror for Humanity, ISBN 978-0-07-803490-9, New York, NY: McGraw Hill. 
  • Nattiez, Jean-Jacques (1987), Music and Discourse: Toward a Semiology of Music (Musicologie générale et sémiologue, 1987). Translated by Carolyn Abbate, ISBN 978-0-691-02714-2. 
  • Pike, Kenneth Lee (ed.) (1967), Language in Relation to a Unified Theory of Structure of Human Behavior 2nd ed. , The Hague, Netherlands: Mouton. CS1 maint: extra text: authors list (link)
  • Jardine, Nick (2004), «Etics and Emics (Not to Mention Anemics and Emetics) in the History of the Sciences», History of Science, 42 (3): 261–278, Bibcode:2004HisSc..42..261J, doi:10.1177/007327530404200301. 

Referências

  1. EE intro, SIL 
  2. Kottak, Conrad (2006). Mirror for Humanity, p. 47. McGraw-Hill, New York. ISBN 978-0-07-803490-9.
  3. Jingfeng, Xia (2013). An Anthropological Emic-Etic Perspective On Open Access Practices Academic Search Premier.
  4. Friedman, Howard S; Schustack, Miriam W (2012), Personality: Classic Theories and Modern Research, Boston: Pearson Allyn & Bacon .
  5. Akane (outubro de 2011), Using one or more examples explain emic & etic concepts, CN: SIS, cópia arquivada em 3 de dezembro de 2012 .
  6. «Thomas N. Headland: Controversies: Etic-Emic Introduction». Sil.org 
  7. «Papua New Guinea: Sex and Temperament - Margaret Mead: Human Nature and the Power of Culture - Exhibitions - Library of Congress». loc.gov 
  8. a b c Friedman, Howard S., and Miriam W. Schustack. Personality: Classic Theories and Modern Research. Boston: Pearson Allyn & Bacon, 2012. Print.
  9. «What Are Jung's 4 Major Archetypes?». About.com Education 
  10. «Theories of Personality». simplypsychology.org. Consultado em 22 de setembro de 2019. Arquivado do original em 24 de outubro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]