Anticlericalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Na Dinamarca a escultura de um tiranossauro pastoreando ovelhas foi a forma artística escolhida para criticar a influência do papa e da Igreja Católica sobre o Ocidente.

O anticlericalismo difere do chamado laicismo, pois implica uma hostilidade aberta face ao mundo clerical, pelo fato deste ter influência social ou política. O laicismo apenas rejeita a influência da Igreja na esfera pública, considerando que os assuntos religiosos pertencem à esfera privada de cada indivíduo[1].

É um movimento histórico que se caracteriza por condenar a influência dominante de instituições religiosas, especialmente contra o clero da Igreja Católica. Sua atitude denota uma crítica à instituição eclesiástica e à hierarquia católica em geral, o que não implica necessariamente em anticristianismo. Ou seja, é possível que uma mesma pessoa mantenha uma posição anticlerical e seja cristã.

O ativista anticlerical critica a acção política das instituições religiosas.

O anticlericalismo é mais frequente contra o cristianismo, mas há atitudes anticlericais contra as demais religiões.

O anticlericalismo foi um sentimento presente no Iluminismo, Revolução francesa, revoluções proletárias e/ou socialistas e liberais. No século XVII, essa postura readquiriu um novo vigor, na medida em que a burguesia, que já possuía e controlava o poder económico, era dada mais para o materialismo e menos para o lado espiritual[2]. Como consequência, existem países laicos que barraram (ou reduziram) a influência clerical em sua política (e até mesmo estatizando as propriedades clericais), servindo de exemplo países como França, Cuba, Venezuela, Itália, República Checa etc.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Anticlericalismo, o que é?, Tópicos Políticos, 17 de Outubro de 2004
  2. A Igreja tem várias reacções. Pio IX, em 1864, edita a Syllabus, onde inclui, entre os oitenta erros que deviam ser reprovados pelos católicos, o racionalismo, o naturalismo e o liberalismo, porque este consideraria que a autoridade não é mais do que a soma do número e das forças materiais - Anticlericalismo, o que é?, Tópicos Políticos, 17 de Outubro de 2004.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]