Escola de Mileto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Miletus agora.jpg
Mileto, na costa do Mar Egeu da Anatólia

Escola de Mileto ou milésia foi uma escola de pensamento fundada no século século VI a.C. As idéias associadas a ela são exemplificadas por três filósofos da cidade jônia de Mileto, na costa do Mar Egeu da Anatólia: Tales de Mileto, Anaximandro e Anaxímenes.[1] Convém distingui-la da Escola Jônica, que inclui estes e outros jônios como Heráclito (de Éfeso), ou Diógenes de Apolônia (que viveu em Creta).[1]

Esses pensadores introduziram novas opiniões contrárias ao ponto de vista que prevalecia sobre a forma como o mundo foi organizado, em que os fenômenos naturais eram explicados unicamente como a vontade de deuses antropomorfizados. Os Milesianos apresentaram uma visão da natureza em termos de entidades metodologicamente observáveis​​, e como tal foi uma das primeiras filosofias verdadeiramente científicas[2] defendendo a teoria do hilozoísmo que afirma que matéria e vida são inseparáveis.[3][4]

Anaximandro, denominou a energia vital como apeiron ("ilimitado"), uma substância indestrutível da qual a matéria deriva. Anaximenes, o terceiro membro da Escola de Mileto, acreditava que a substância básica da existência era o ar, a que ele denominou de "criador", o ar era onipresente e essencial ao crescimento de todos os objetos naturais.[3] Tales considerava a água como a origem de todas as coisas e embora os três filósofos discordassem quanto a substância primordial que constituía a essência do universo, todos concordavam a respeito da existência de um princípio único para essa natureza primordial.[5]

Referências

  1. Richard D. McKirahan. Philosophy Before Socrates (Second Edition): An Introduction with Texts and Commentary: An Introduction with Texts and Commentary. Hackett Publishing; 2011. ISBN 1-60384-612-3. p. 77.
  2. Donald K. McKim. The Westminster Handbook to Reformed Theology. Westminster John Knox Press; 2001. ISBN 978-0-664-22430-1. p. 169.
  3. a b Stephano Sabetti. Principio Da Totalidade, O. Grupo Editorial Summus; 1991. ISBN 978-85-323-0068-3. p. 43.
  4. Robert Bruce Ware. Hegel: The Logic of Self-consciousness and the Legacy of Subjective Freedom. Edinburgh University Press; 1999. ISBN 978-0-7486-1093-8. p. 81.
  5. Fabiano José dos Santos; Silvimar Fábio Ferreira. Geometria Analítica. Bookman; 2009. ISBN 978-85-7780-503-7. p. 10.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CRESON, André. A Filosolofia Antiga. São Paulo: Difel, 1960.
  • SPINELLI, Miguel. Filósofos Pré-Socráticos. Primeiros Mestres da Filosofia e da Ciência Grega. 2ª edição. Porto Alegre: Edipucrs, 2003, pp. 15–92.