Aristipo de Cirene

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade. Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Aristipo de Cirene
Filosofia antiga
Aristipo de Cirene
Nome completo Ἀρίστιππος
Aristipo
Escola/Tradição: cirenaica
Data de nascimento: 435 a.C.
Local: Cirene
Data de falecimento 356 a.C. (79 anos)
Local: Cirene
Principais interesses: Hedonismo
Ideias notáveis Hedonismo
Trabalhos notáveis Felicidade e prazer
Influências: Sócrates
Influenciados: Areta de Cirene, Aristipo, o Jovem, Aniceres, Teodoro, o Ateu, Epicuro, Michel Onfray

Aristipo de Cirene (em grego: Αρίστιππος ο Κυρηναίος, transl. Arístippos ho Kyrēnaíos; c. 435 - 356 a.C.), conhecido simplesmente como Aristipo, foi um filósofo grego e o primeiro dos discípulo de Sócrates e, dentre os discípulos de Sócrates, foi também o primeiro a ser remunderado por seus ensinamentos. Ganhou a vida escrevendo e lecionando em Atenas e Egina, e na corte de Dionísio, o tirano de Siracusa. Na corte, ganhou a reputação de sibarita. Essa experiência levou-o a ensinar que os sábios não devem abdicar de sua liberdade em favor do Estado. Dizia ao seu mestre que não desejava pertencer à classe governante nem à classe governada.[1]

Aristipo fundou a escola cirenaica (também conhecida como hedonista), segundo a qual o prazer era o bem supremo. Como Sócrates, Aristipo interessou-se quase que exclusivamente pela ética. Segundo ele, a vida ética deveria ser praticada para atingir um fim específico, que era o gozo de todo prazer imediato. Defendia, porém, o controle racional sobre o prazer, para que não se desenvolvesse uma dependência dos prazeres. Tanto a dor quanto o prazer eram vistos como uma espécie de movimento. O prazer seria um movimento leve e a dor um movimento violento. Já o êxtase era visto como a ausência, tanto de prazer quanto de dor - não sendo, portanto, nem agradável nem doloroso.

Do que escreveu, nada restou, nem mesmo fragmentos. Tudo o que se conhece da reflexão filosófica de Aristipo decorre de comentários de terceiros.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.