The Christian Science Monitor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
The Christian Science Monitor
Periodicidade Semanal
Sede Boston, Massachussets
País  Estados Unidos
Fundação 1908 (113 anos)
Fundador(es) Mary Baker Eddy
Pertence a Christian Science Publishing Society
Editor Mark Sappenfield
Idioma Inglês
ISSN 0882-772
OCLC OCLC 137342671
Página oficial https://www.csmonitor.com/

The Christian Science Monitor (CSM), comumente conhecido como The Monitor, é uma organização de notícias sem fins lucrativos que publica artigos diários em formato eletrônico, bem como um jornal impresso semanal.[1][2] Foi fundado em 1908 como um jornal diário por Mary Baker Eddy, fundadora da Igreja de Cristo, Cientista.[3] Em 2011, a tiragem impressa era de 75.052.[4]

De acordo com o site da organização, “a abordagem global do Monitor se reflete em como Mary Baker Eddy descreveu seu objeto como 'Não ferir ninguém, mas abençoar toda a humanidade'. O objetivo é abraçar a família humana, iluminando com a convicção de que compreender os problemas e as possibilidades do mundo nos leva às soluções.” Ao longo de sua existência, o Christian Science Monitor ganhou sete prêmios Pulitzer.[5]

Linha editorial[editar | editar código-fonte]

Apesar do nome, o Monitor não é um jornal com temática religiosa e não promove a doutrina de sua igreja. No entanto, a pedido de sua fundadora Eddy, um artigo religioso diário é publicado perto do fim de cada edição do Monitor.

O jornal é conhecido por evitar sensacionalismo, produzindo uma "marca distinta de jornalismo não histérico".[6][7] Em 1997, o Washington Report on Middle East Affairs, uma publicação crítica da política dos Estados Unidos no Oriente Médio, elogiou o Monitor por sua cobertura objetiva e informativa do Islã e do Oriente Médio.[8]

Durante os 27 anos em que Nelson Mandela esteve na prisão na África do Sul por se opor ao apartheid, o Christian Science Monitor era um dos jornais que ele possuía permissão para ler.[9] Cinco meses após sua libertação, Mandela visitou Boston e esteve na sede do jornal, dizendo à equipe que o Christian Science Monitor "continua a me dar esperança e confiança para o futuro do mundo"[10] e agradecendo-lhes por sua "cobertura inabalável do apartheid".[9] Ele chamou o Monitor de "uma das vozes mais importantes que cobrem eventos na África do Sul".[11]

Em 2006, Jill Carroll, repórter freelance do Monitor, foi sequestrada em Bagdá e libertada em segurança após 82 dias. Embora Carroll fosse inicialmente freelancer, o jornal trabalhou incansavelmente para sua libertação, até mesmo contratando-a como redatora logo após seu sequestro para garantir que ela tivesse benefícios financeiros.[12] Em agosto de 2006, o Monitor publicou um artigo relatando sobre o sequestro de Carroll e posterior libertação,[13] contando com relatos em primeira pessoa de Carroll e outros envolvidos.

Circulação[editar | editar código-fonte]

No final de 2011, o Monitor possuía uma média de cerca de 22 milhões de acessos por mês em seu site, um pouco abaixo do Los Angeles Times.[14] Em 2017, o Monitor passou a ter acesso pago em seu conteúdo e, em 2018, havia aproximadamente 10.000 assinaturas do serviço de e-mail Monitor Daily.[15]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

A equipe do Monitor recebeu sete prêmios Pulitzer por seu trabalho:

Referências

  1. Kasuya, Jacquelyn (30 de abril de 2010). «Nonprofit Christian Science Monitor Seeks New Financial Model». The Chronicle of Philantropy (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  2. Barnett, Jim (27 de abril de 2010). «What advocacy nonprofits can learn from The Christian Science Monitor». Nieman Lab (em inglês). Harvard College. Consultado em 16 de julho de 2021 
  3. Koestler-Grack, Rachel A. (2013). Mary Baker Eddy (em inglês). Nova Iorque: Chelsea House. ISBN 978-1-4381-4707-9 
  4. «Circulation averages» (em inglês). Audit Bureau of Circulations. 31 de março de 2012. Consultado em 16 de julho de 2021. Arquivado do original em 27 de outubro de 2012 
  5. «About Us». The Christian Science Monitor (em inglês). 12 de março de 2012. Consultado em 16 de julho de 2021 
  6. Beam, Alex (9 de junho de 2005). «Appealing to a higher authority». The Boston Globe (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  7. Akst, Daniel (2005). «Nonprofit Journalism: Removing the Pressure of the Bottom Line». Carnegie Reporter (em inglês). Carnegie Corporation of New York. Consultado em 16 de julho de 2021. Arquivado do original em 11 de março de 2015 
  8. Curtiss, Richard (Dezembro de 1997). «Media Watch: As U.S. Media Ownership Shrinks, Who Covers Islam?». Washington Report on Middle East Affairs (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  9. a b Malek, Alia (12 de dezembro de 2013). «If you were there, you remember Mandela's 1990 tour of the US». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  10. «Nelson Mandela at the Monitor: A memorable visitor on a quiet Sunday». Christian Science Monitor. 6 de dezembro de 2013. ISSN 0882-7729. Consultado em 16 de julho de 2021 
  11. «From the Collections: Mandela visits the Monitor». Mary Baker Eddy Library (em inglês). 2 de março de 2020. Consultado em 16 de julho de 2021 
  12. «Jill Carroll reunites with family». CNN (em inglês). 2 de abril de 2006. Consultado em 16 de julho de 2021. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2013 
  13. «Hostage: The Jill Carroll story». Christian Science Monitor. ISSN 0882-7729. Consultado em 16 de julho de 2021 
  14. COLLINS, Keith S. (2012). The Christian Science Monitor: Its History, Mission, and People. [S.l.]: Nebbadoon Press. ISBN 978-1-891331-27-5 
  15. «The Christian Science Monitor's new paid, daily product is aiming for 10,000 subscribers in a year». Nieman Lab. Consultado em 16 de julho de 2021 
  16. «The Pulitzer Prizes; 1950 winners». Pulitzer (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  17. «The Pulitzer Prizes; 1967 winners». Pulitzer (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  18. «The Pulitzer Prizes; 1968 winners». www.pulitzer.org (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  19. «The Pulitzer Prizes; 1969 winners». Pulitzer (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  20. «The Pulitzer Prizes; 1978 winners». Pulitzer (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  21. «The Pulitzer Prizes; 1996 winners». Pulitzer (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  22. «The Pulitzer Prizes; Editorial cartooning – Citation». Pulitzer (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.