Califa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Califa (em árabe: خليفة; transl.: khalīfah, "sucessor" ou "representante") é o chefe de Estado em um Califado, e o título para o governante da Umma muçulmana, uma comunidade islâmica governada pela sharia.

O título de califa foi inicialmente usado por Abu Bakr, o sogro de Maomé, quando o sucedeu pela primeira vez como líder da Umma (comunidade do Islão), em 632, e tornou-se o título que se atribuía ao chefe primário do islamismo.

O califa, no caso, era escolhido através de uma eleição na Majlis al Ummah, órgão que congregava as principais lideranças tribais, e, mais tarde, provinciais. Em 661, o cargo passou a ser hereditário, após um golpe de estado, sendo a Majlis deixada em segundo plano. Em 750, ocorreu outro golpe de estado, e a capital foi transferida de Damasco para Bagdá. Cerca de 200 anos depois, o Califado se dividiu em dois, e, alguns anos depois, em três. Com o tempo, foi se desintegrando, até que, no final do século XII, o sultão do Egito, Saladino, reestruturou-o através de alianças entre os estados, e reiniciou o processo de expansão.

No seguimento do conflito entre o Califado Fatímida e o Califado Abássida, outros líderes muçulmanos começaram a reivindicar o título de califa. Com a derrota destes califados periféricos, o califado otomano começou a ser crescentemente considerado como o califado principal. Assim, até à Primeira Guerra Mundial, o califado otomano representava a maior e mais poderosa entidade política islâmica.

O título de califa deixou de existir quando a República da Turquia aboliu o Império Otomano, em 1924.

Os "Califas bem guiados"
Outros Califas
Principais dinastias

ver também[editar | editar código-fonte]