ONU Mulheres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Small Flag of the United Nations ZP.svg Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres
ONU Mulheres
Bandeira das Nações Unidas
Tipo Agência especializada
Comando África do Sul Phumzile Mlambo-Ngcuka[1]
Status Ativa
Fundação 2010
Sede Nova Iorque, Território Internacional
Website www.unwomen.org
Organização das Nações Unidas

A Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, também conhecida como ONU Mulheres (em inglês: UN Women, em francês: ONU Femmes) é uma entidade das Nações Unidas destina-se a promover a empoderamento de mulher e igualdade de género.[2]

ONU Mulheres foi criada em 2010 e iniciou suas operações em 2011;[3] foi estabelecida através da unificação dos mandatos e recursos para um maior impacto de quatro entidades pequenas e sua primeira chefe foi Michelle Bachelet, presidente do Chile.[4] [5] Sua atual diretora-executiva é Phumzile Mlambo-Ngcuka, da África do Sul.[6]

No Brasil, a ONU Mulheres conta com um escritório-país localizado em Brasília. Anteriormente (desde 1992) a instituição era o escritório Regional do UNIFEM para Países do Cone Sul.

Mandato[editar | editar código-fonte]

O mandato e as funções da ONU Mulheres consistem em mandatos consolidados e funções do Escritório do Assessor Especial para Questões de Gênero e Avanço das Mulheres, a Divisão para o Avanço das Mulheres, o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher e o Instituto Internacional de Pesquisa e Treinamento para a Promoção da Mulher. Além disso, a entidade deve liderar, coordenar e promover a responsabilização do sistema das Nações Unidas no seu trabalho sobre a igualdade de género e o empoderamento das mulheres. A meta da ONU Mulheres é para melhorar, e não substituir, os esforços por outras partes do sistema das Nações Unidas, tais como UNICEF, PNUD e UNFPA, tudo o que vai continuar a trabalhar para a igualdade de género e o empoderamento das mulheres em suas áreas de especialização.[7]

Em conformidade com as disposições da Resolução 64/289, a ONU Mulheres vai trabalhar no âmbito da Carta das Nações Unidas, a Declaração de Beijing e a Plataforma de Acção - incluindo as suas 12 áreas críticas de preocupação e os resultados da vigésima terceira sessão especial da Assembleia Geral - bem como outros instrumentos das Nações Unidas aplicáveis, normas e resoluções que abordam a igualdade de género e o empoderamento e promoção das mulheres.[8]

As principais áreas temáticas femininas da ONU de trabalho incluem:

  • Liderança e Participação Política;[9]
  • Desenvolvimento Econômico;[10]
  • Fim da Violência contra as Mulheres;[11]
  • Ação Humanitária;[12]
  • Paz e Segurança;[13]
  • Governança e Planejamento Nacional;[14]
  • Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030;[15]
  • HIV e AIDS.[16]

No final de 2013, uma série de anúncios, desenvolvido como uma ideia criativa para a ONU Mulheres por Ogilvy & Mather, usaram genuinamente pesquisas do Google para revelar a prevalência generalizada de sexismo e a discriminação contra as mulheres.[17] Os anúncios mostravam os rostos de quatro mulheres e pediam sugestões dos internautas sobre o que fazer com tais mulheres. As sugestões foram todas machistas ou misóginas.[18] Uma campanha similar foi também executada de sensibilização para os direitos dos homossexuais.[19]

Também no final de 2013, a ONU Mulheres lançou um banco de dados constitucional que examina constituições através de uma lente de gênero. O primeiro de seu tipo, este banco de dados mapeia os princípios e as regras que garantem, negam ou protegem os direitos de mulheres e meninas ao redor do mundo. Esta ferramenta para a igualdade de género e activistas dos direitos humanos é anualmente actualizada e pesquisada, e fornece uma visão abrangente do estado atual das disposições relevantes para os direitos das mulheres e igualdade de gênero em vários países em todo o mundo. Os usuários podem pesquisar ,embora o banco de dados por palavra-chave, e as disposições legais são agrupados em 16 categorias que foram cuidadosamente definidas por uma revisão das constituições a partir de uma perspectiva de direitos humanos.[20]

A ONU Mulheres é uma das agências líderes na coordenação de eventos do Dia Internacional da Mulher bem como da Comissão sobre o Status da Mulher.[21] [22]

O ano de 2015 marcou uma série de marcos significativos - o 20º aniversário da Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres e adoção da Declaração de Beijing e Plataforma de Ação - que era o foco da 59ª sessão da Comissão sobre o Status da mulheres (CSW59) a partir de março de 2015,[23] onde os líderes mundiais fizeram um balanço dos avanços e desafios restantes para a aplicação desse acordo marco para a igualdade de gênero e direitos das mulheres.[24] A ONU Mulheres desempenhou um papel ativo nas grandes negociações e processos intergovernamentais, incluindo a Conferência sobre Financiamento para o Desenvolvimento em Addis Abeba, em julho de 2015, cujo resultado foi forte sobre a necessidade de financiar adequadamente a igualdade de género e incorporá-lo no planejamento do desenvolvimento,[25] bem como as negociações e adoção bem sucedida da nova agenda de desenvolvimento pós-2015 em 25 de setembro de 2015.[26] O novo planejamento de desenvolvimento global inclui uma meta na igualdade de género e o empoderamento das mulheres (desenvolvimento Sustentável meta 5).[27] [28]

Composição atual Diretoria[editar | editar código-fonte]

O Conselho Executivo de 2015, eleito em 2014, é composto por:[29]

Referências

  1. Nações Unidas (11 de Julho de 2014). «Secretary-General appoints Phumzile Mlambo-Ngcuka of South Africa Executive Director of the United Nations Entity for Gender Equality and Empowerment of Women (UN-Women)» (em inglês). Consultado em 11 de Março de 2014. 
  2. ONU Brasil. «Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres». Consultado em 11 de Março de 2014. 
  3. ONU Mujeres. «Preguntas Frecuentes» (em espanhol). Arquivado desde o original em 11 de dezembro de 2014. Consultado em 11 de Março de 2014. 
  4. Morales, Ricardo (14 de setembro de 2012). «Chile's Bachelet to head new U.N. women's entity» (em inglês). Consultado em 11 de Março de 2014. 
  5. Agencias (14 de setembro de 2010). «Bachelet se instala en Nueva York tras ser nombrada como la nueva encargada de ONU Mujer» (em espanhol). La Tercera. Consultado em 11 de Março de 2014. 
  6. Phumzile Mlambo-Ngcuka (em inglês)
  7. «Frequently Asked Questions» (em inglês). UN Women. 14 de setembro de 2010. Consultado em 3 de novembro de 2011. 
  8. «Resolution on 64/289 on system-wide coherence.» (em inglês). United Nations General Assembly. 21 de julho de 2010. Consultado em 13 de março de 2011. 
  9. UN Women Leadership and political participation, November 5, 2015.
  10. UN Women Economic Empowerment, UN Women, November 5, 2015.
  11. UN Women Ending Violence against Women, November 5, 2015.
  12. UN Women Humanitarian Action, UN Women, November 5, 2015.
  13. UN Women Peace and Security, UN Women, November 5, 2015.
  14. UN Women Governance and National Planning, UN Women, November 5, 2015.
  15. UN Women 2030 Sustainable Development Agenda, UN Women, November 5, 2015.
  16. UN Women Leadership and political participation, UN Women, November 5, 2015.
  17. UN Women ad series reveals widespread sexism, UN Women, October 21, 2013.
  18. Google's auto-complete spells out our darkest thoughts, The Guardian, Oct 22, 2013.
  19. UN Campaign Reveals Shocking, Depressing Gay Google Auto-Complete Function, Huffington Post, Oct 24, 2013.
  20. UN Women Constitutional Database UN Women, December 13, 2013
  21. UN Women International Women's Day editorial package March 1, 2014
  22. UN Women CSW In Focus UN Women, November 5, 2015
  23. UN Women at CSW59 In Focus UN Women, March 23, 2015
  24. Beijing+20 UN Women, March 23, 2015
  25. Financing for Gender Equality In Focus UN Women, November 5, 2015
  26. 2030 Agenda for Sustainable Development UN Women, November 5, 2015
  27. Women and the Sustainable Development Goals UN Women, November 5, 2015
  28. SDG 5, Women and the Sustainable Development Goals UN Women, November 5, 2015
  29. «Executive Board» (em inglês). UN Women. 10 de novembro de 2010. Consultado em 5 de novembro de 2015.