Dia do Orgulho Hétero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Dia do Orgulho Hétero é um projeto de lei proposto pelo vereador Carlos Apolinário, do Democratas (DEM), na Câmara Municipal de São Paulo.Erro de citação: Elemento de fecho </ref> em falta para o elemento <ref> Ao ser questionado sobre o projeto pelo jornal Folha de S. Paulo, Kassab declarou que a criação do Dia do Orgulho Hétero na cidade não incentivaria a homofobia. "É um projeto como outro qualquer", afirmou.[1] O projeto de lei obteve repercussão internacional, sendo destaque nos sites das revistas estadunidenses The Advocate,[2] Time,[3] Forbes[4] e Newsday.[1]

Em 14 de agosto de 2011, em entrevista ao jornal Agora, Kassab voltou atrás e declarou que irá vetar a criação do Dia do Orgulho Hétero. Segundo ele, o projeto é "despropositado", uma vez que: o heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos.[5]

Em 31 de agosto de 2011, conforme noticiado pelo Portal G1[6], o prefeito Gilberto Kassab vetou o Projeto de Lei nº 294/2005, que instituía o Dia do Orgulho Hétero. Kassab enviou ao então presidente da Câmara Municipal de São Paulo, José Police Neto, as razões do veto, afirmando que o projeto de lei é "materialmente inconstitucional e ilegal, bem como contraria o interesse público." Para o prefeito de São Paulo, ao se associar a criação do Dia do Orgulho Heterossexual à defesa da moral e dos bons costumes, o autor do projeto quer dizer, por via contrária, que a homossexualidade seria contra a moral e os bons costumes.

"Não é necessário fazer grande esforço interpretativo para ler, nas entrelinhas do pretendido preceito, que apenas e tão só a heterossexualidade deve ser associada à moral e aos bons costumes, indicando, ao revés, que a homossexualidade seria avessa a essa moral e a esses bons costumes", diz o texto.

O veto desse projeto de lei é considerado uma importante vitória do movimento LGBT, que conseguiu vencer, na sociedade e nas instituições, esse debate sobre o orgulho hétero.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Orgulho Hétero não incentiva homofobia, diz Kassab Terra.com.br. Página visitada em 7 de agosto de 2011.
  2. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de agosto de 2011. Arquivado do original em 29 de abril de 2012 
  3. [1]
  4. "‘Straight Pride’ suggested as Brazil’s gay pride parade kicks off". Forbes.com. Página visitada em 7 de agosto de 2011
  5. [2]
  6. «Kassab veta Dia do Orgulho Hétero e diz que projeto é inconstitucional». São Paulo. 31 de agosto de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]