Etnocentrismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Etnocentrismo é um conceito antropológico que ocorre quando um determinado individuo ou grupo de pessoas, que têm os mesmos hábitos e caráter social, discrimina outro, julgando-se melhor ou pior, seja por causa de sua condição social, pelos diferentes hábitos ou manias, por sua forma de se vestir, ou até mesmo pela sua cultura.[1]

A tendência em si é observada em ideologia nacionalistas, como o fascismo por exemplo, na qual seus seguidores tem a tendência de julgarem a cultura em que se localizam superior em algum critério em relação as demais. Tal posição não pode ser considerada com o racismo em si, pois o racismo usa critérios supostamente biológicos para estabelecer o conceito de superioridade, já o etnocentrismo usa uma visual cultural e social para estabelecer o conceito de superioridade.

Comportamentos etnocêntricos resultam também em apreciações negativas dos padrões culturais de povos diferentes. Práticas de outros sistemas culturais são muitas vezes catalogadas como absurdas, deprimentes e imorais.[1]

Tal termo não pode ser confundido com valorização cultural, sendo que o etnocentrismo em si significa considerar-se superior a outros povos por critérios culturais, ou consequentes da sociedade em questão.

Referências

  1. a b Paulo Silvino Ribeiro. Etnocentrismo (em português) R7 Brasil Escola. Visitado em 19 de novembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.