Cosmogonia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cosmogonia (ou Cosmogenia) é qualquer modelo relacionado à existência (ou seja, a origem) quer seja do cosmos (ou o universo), ou da chamada realidade dos seres sencientes.[1][2] A cosmogonia é a especulação sobre a origem e formação do mundo que se encontra em muitos mitos religiosos e na filosofia dos pré-socráticos, principalmente Tales de Mileto, o primeiro a buscar a origem de todas as coisas, acreditando encontrá-las na água,[3] considerada por ele como a substancia primordial do universo.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra vem do grego koiné κοσμογονία (de κόσμος "Cosmos, o mundo") e da raiz de γί(γ)νομαι / γέγονα ("entrar em um novo estado de ser").[5] Em astronomia, cosmogonia refere-se ao estudo da origem de determinados objetos ou sistemas astrofísicos, e é mais comumente usada em referência à origem do universo, o sistema solar, ou o sistema Terra-Lua.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

As primeiras tentativas do homem de explicar a origem do mundo foram os mitos. A mitologia grega, por exemplo, diz que no princípio havia o Caos, e em algum momento surgiu Érebo, o lugar desconhecido onde a morte mora, e Nix, a noite. Havia apenas silêncio e vazio. Então, Eros nasce produzindo um início de ordem, e se faz Luz e Dia, e a terra (Gaia) aparece. Érebo e Nix copulam e dão nascimento a Éter, a luz celestial, e Dia, a luz terrena. Gaia, por si só, gera Urano, o céu. Urano torna-se o esposo de Gaia e a cobre por todos os lados. Da união de Urano e Gaia surgem todas as criaturas, Titãs, Ciclopes e Hecatonquiros.

A ciência atual aceita a teoria do big bang. Segundo esta teoria, o Universo teria surgido de uma grande explosão há cerca de 13 bilhões de anos, quando então as primeiras estrelas e galáxias se formaram.

Na Bíblia, o livro do Gênesis narra a criação do mundo pelo Senhor Deus, começando pela criação do céu e da terra e a separação das águas, em seis dias, tendo no sétimo dia Deus descansado. Hoje, a Teologia liberal considera esta narrativa alegórica, abandonando seu sentido literal. A Igreja Católica Romana atualmente aceita a teoria científica do big bang.

Segundo a cabala, a tradição esotérica e mística do judaísmo, a criação do mundo e do Homem deu-se por emanações de um princípio chamado de Ain Soph. Estas emanações são chamadas de Sephiroth, em número de dez, e o seu conjunto forma a árvore da vida, que representa esotericamente o Homem Arquetípico, Homem Primordial, Adam Kadmon. O mundo material é representado na árvore da vida por sua base, que é associada a Adonai (veja: Tetragrammaton).

Na Teosofia, filosofia esotérica fundada por Helena Petrovna Blavatsky e outros, explica-se que o cosmo é emanado de um princípio que é chamado de Parabrahman, e que não é o deus criador das religiões monoteístas. Esta manifestação do cosmo ocorre de forma periódica, em um ciclo eterno, sem início nem fim.

Blavatsky descreve esta teoria em seu livro A Doutrina Secreta (1888) que, segundo ela própria, tem como inspiração pergaminhos muito antigos, chamados de Estâncias de Dzyan, os quais ela teria tido acesso e teria estudado. A cosmogênese da Teosofia tem suas raizes na filosofia oriental, particularmente o hinduismo e o budismo e influenciou as chamadas ciências ocultas.

Mitos[editar | editar código-fonte]

Tupi-Guarani[editar | editar código-fonte]

Na cosmogonia Guarani, tudo que existe nasce e é nomeado a partir de um som produzido no mundo superior, o Espírito-Música, o Grande Som Primeiro, esse som desdobra-se em formas que serão pais e mães de seus filhos, as palavras-almas.[6] Tupã não é a divindade suprema, mas apenas uma força da natureza, como por exemplo, entre os Sioux e na mitologia germânica.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Ridpath, Ian (2012). A Dictionary of Astronomy Oxford University Press [S.l.] 
  2. a b Woolfson, M.M.. (1979). "Cosmogony Today". Quarterly Journal of the Royal Astronomical Society 20: 97–114. Bibcode1979QJRAS..20...97W.
  3. Gérard Durozoi; André Roussel; Marina Appenzeller (2005). Dicionário de filosofia. PAPIRUS. p. 108. ISBN 978-85-308-0227-1.
  4. CARLOS CHESMAN; AUGUSTO MACEDO; CARLOS ANDRE (2004). Física Moderna Experimental e Aplicada. Editora Livraria da Fisica. p. 109. ISBN 978-85-88325-18-0.
  5. Staff. «γίγνομαι - come into a new state of being». Tufts University. Consultado em 14/7/2015. 
  6. Luciana Marino do Nacimento; Simone de Souza Lima (2014). Caleidoscópios da Cultura Brasileira. Letra Capital Editora LTDA. p. 82. ISBN 978-85-7785-256-7.
  7. Roberto Gambini (2000). Espelho índio: a formação da alma brasileira. Editora Terceiro Nome. p. 100. ISBN 978-85-85554-14-9.
Ícone de esboço Este artigo sobre Ciência (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.