Cogito ergo sum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Page de titre de la première édition du Discours de la méthode
Folha de rosto da primeira edição de Discurso do Método

Cogito, ergo sum” é uma frase de autoria do filósofo e matemático francês René Descartes (1596 - 1650). Em geral, é traduzida para o português como “penso, logo existo”; entretanto, é mais correto traduzi-la como “penso, portanto sou”. Na quarta parte da versão francesa de Discurso do Método (1637), essa sentença é formulada como “je pense, donc je suis”;[1] nesse sentido, “cogito ergo sum” é a sua versão latina.

Descartes alcança essa conclusão após duvidar da verdade de todas as coisas. A seu ver, mesmo que ele duvidasse de tudo, não poderia duvidar de que ele mesmo existe pelo menos enquanto “coisa que pensa”[2] (res cogitans). Entretanto, na meditação segunda de Meditações Metafísicas (1641), essa conclusão aparece como “Eu sou, eu existo”[2] (“Je suis, j’existe”[3]).[4]

A Demonstração do Cogito[editar | editar código-fonte]

A demonstração do Cogito se dá de maneira bastante breve no Discurso do Método, mas é muito mais extensa e detalhada nas Meditações Metafísicas. Para chegar ao “cogito ergo sum”, Descartes estabelece dois movimentos: primeiro, demonstrar as razões que o levam à dúvida hiperbólica; e segundo, demonstrar como a dúvida hiperbólica leva à certeza indubitável de que ele mesmo existe enquanto coisa que pensa. Delineemos, a seguir, esses dois movimentos meditativos que o levam ao cogito.[5]

Meditação Primeira[editar | editar código-fonte]

Descartes deixa claro que o propósito de suas meditações é estabelecer o conhecimento sob bases sólidas e seguras.[6][7] Nesse sentido, ele rejeita – como se fosse totalmente falso – tudo aquilo que pudesse supor a menor dúvida.[8][7]

Em seguida, ele estabelece três pontos[9][10] para especificar como esse processo de rejeição ocorrerá, que são:

I. Negação daquilo que se baseia nos sentidos, já que é claro que os sentidos às vezes nos enganam e que não é prudente confiar naqueles que um dia nos enganaram.[7][11]

II. Negação das coisas que se apresenta em um sonho, já que não há indícios concludentes de que podemos distinguir a vigília do sono e, portanto, não podemos saber se estamos sonhando agora ou se estamos acordados.[7][12]

III. Negação dos paradigmas matemáticos. Esse é um ponto mais complicado, pois parece que, acordando ou dormindo, 2 + 3 = 5; que, mesmo em sonho, 2 + 3 nunca será igual a 7.[13] Para negar essa objeção, Descartes apontará para o fato de que raciocinamos errado em relação às demonstrações mais simples da matemática.[7] Entretanto, ele irá se concentrar principalmente no apontamento da possível existência de um gênio maligno que poderia fazê-lo crer que 1 + 1 = 2, mesmo que isso não fosse verdadeiro.[14] Nesse sentido, a suposição do gênio maligno parece promover a negação não só de suas crenças matemáticas, mas também de o restante de suas opiniões.[15]

Diante desses pontos, Descartes conclui que deve rejeitar tudo aquilo que recebera em sua crença como verdadeiro e considerar todas as suas antigas opiniões como falsas. Esse é momento em que ele assume a suspensão do juízo[16] e a dúvida hiperbólica.

Meditação Segunda[editar | editar código-fonte]

Descartes percebe que, ao duvidar de tudo, ele não poderia negar que há a própria dúvida. Então ele admite que “penso, logo sou” deve ser o seu primeiro princípio firme e indubitável que sustentará o fundamento do conhecimento.[17] Em outras palavras, tentando negar tudo como falso, acabava-se afirmando a existência do pensamento. Descartes duvidava e isso era indubitável, i. é, que Descartes duvidava era aquilo que conseguia resistir ao gênio maligno, pois o próprio Descartes precisaria, para ser enganado pelo gênio maligno, existir enquanto aquele que é enganado (ou aquele que pensa).[18]

Assim, “cogito ergo sum” se torna o primeiro princípio firme e indubitável de sua jornada meditativa.[17] Ele é o ponto arquimediano de sua filosofia.[19] De sua própria existência enquanto coisa que pensa, então, Descartes não pode duvidar, já que, enquanto pode pensar, ele próprio é uma coisa que pensa.[20] Essa “coisa que pensa” é aquilo “que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer, que imagina também e que sente”.[21] Em contrapartida, ele só pode afirmar que é uma coisa que pensa enquanto pensa. Se cessar o seu pensar, cessasse simultaneamente o seu existir.[20]

As Objeções ao Cogito[editar | editar código-fonte]

Ao longo da história do pensamento, diversos filósofos se enveredaram na tentativa de objetar o argumento cartesiano.

Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716)[editar | editar código-fonte]

A objeção de Leibniz consiste em apelar que haveria na demonstração do cogito uma circularidade. Isto é, o “eu” que existe já está pressuposto ao assumir “eu penso”.[22]

Friedrich Nietzsche (1844-1900)[editar | editar código-fonte]

Embora Nietzsche, em Além do bem e do mal, §16, não chegue a se referir diretamente a Descartes, fica claro que ele está se referindo ao pensamento cartesiano e estabelecendo uma crítica ao “cogito ergo sum”.[23]

Ele coloca que, ao decompor o processo lógico que leva Descartes ao “penso, logo sou”, é possível detectar algumas pressuposições por trás da frase, tais como:

  • Eu sou aquilo que pensa;
  • Deve existir algo que pensa;
  • O pensamento não pode existir sem algo para efetivá-lo;
  • “Pensar” é a atividade de um ente que é;
  • “Pensar” é o efeito de um ente que é;[24]
  • Um ente é a causa do pensar;[24]
  • O “eu” sabe o que significa “pensar”;
  • O “eu” difere o pensar de outros fenômenos que ocorrem nele;
  • Existe um “eu”; etc.

A crítica de Nietzsche se norteia aqui no sentido de que haveria uma dificuldade – ou quem sabe impossibilidade – de fundamentar esses pressupostos sobre um suporte inabalável. Desse modo, por meio da demonstração do cogito, Descartes não construiria um conhecimento sem pressupostos e nem o firmaria em bases sólidas e seguras, como pretendia.[23]

Bertrand Russell (1872-1970)[editar | editar código-fonte]

Russell objetará que, no máximo, Descartes poderia inferir que há o pensamento, e não que “eu penso”.[22]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. DESCARTES, René. Discours de La Méthode (PDF). [S.l.: s.n.] pp. 23–23. Consultado em 15. Jun. 2017.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. a b DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 46–46 
  3. DESCARTES, René. Méditations Métaphysiques (PDF). [S.l.: s.n.] pp. 9–9. Consultado em 15. Jun. 2017.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. Também atribui-se erroneamente a Descartes uma frase semelhante, que é “puisque je doute, je pense; puisque je pense, j'existe”; em latim, “dubito, ergo cogito, ergo sum”; em português: “porque eu duvido, eu penso; porque eu penso, eu existo”. Embora essa frase pareça sintetizar bem a proposta cartesiana, ela é de Antoine Léonard Thomas e está em seu Éloge de René Descartes. (Cf. THOMAS, Antoine Léonard. Éloge de René Descartes. [S.l.: s.n.] pp. 32–32. Consultado em 15. Jun. 2017.)
  5. O primeiro movimento corresponde sua Meditação Primeira e o segundo, a sua Meditação Segunda. Ambos são etapas das Meditações Metafísicas, que são resumidas em seu Discurso do Método.
  6. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 29–29 
  7. a b c d e DESCARTES, René (2013). Discurso do Método. Porto Alegre: L&PM. pp. 63–63 
  8. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 30–30 
  9. Também pode-se considerar o argumento do gênio maligno como um quarto ponto, embora nas Meditações Metafísicas ele surja como um contraponto em relação a resistência dos paradigmas matemáticos ao argumento do sonho.
  10. No Discurso do Método, Descartes estabelece o ponto III antes do II, mas nas Meditações Metafísicas essa ordem é invertida, i. é, primeiro ele utiliza o argumento dos sonhos e, em seguida, nega os paradigmas matemáticos. Isso ocorre porque ele utiliza argumentos diferentes nas duas obras para chegar à suspensão do juízo. Na verdade, no Discurso do Método essa ordem não importa, mas nas Meditações Metafísicas, em que Descartes elabora mais amarradamente o argumento do cogito, a ordem dos argumentos passa a importar.
  11. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 31–31 
  12. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 32–33 
  13. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 35–35 
  14. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 35–36 
  15. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 36–37 
  16. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 36–38 
  17. a b DESCARTES, René (2013). Discurso do Método. Porto Alegre: L&PM. pp. 64–64 
  18. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 42–43 
  19. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 41–42. Arquimedes, para tirar o globo terrestre de sua posição e transportá-lo para outro lugar, nada pedia senão um ponto que fosse fixo e assegurado. Assim, terei direito de conceber altas esperanças, se for feliz o bastante para encontrar uma coisa que seja certa e indubitável. 
  20. a b DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 46–46 
  21. DESCARTES, René (2005). Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes. pp. 47–48 
  22. a b MARCONDES, Danilo (2015). Iniciação à História da Filosofia: Dos Pré-Socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar. pp. 173–173 
  23. a b NIETZSCHE, Friedrich (2013). Além do bem e do mal. São Paulo: Escala. pp. 34–36 
  24. a b É interessante notar que, na interpretação nietzschiana, o “ergo” (“logo”) é um conectivo que sugere relação de causa e consequência. Assim, “penso” seria uma premissa e “sou” seria a conclusão que se segue dessa premissa. Nesse sentido, Nietzsche questiona por quais razões deve aceitar essa premissa e acreditar nessa relação de causa-e-consequência. Essa interpretação, entretanto, será questionada posteriormente.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

DESCARTES, René. Discurso do Método. Porto Alegre: L&PM, 2013.

DESCARTES, René. Discours de La Méthode. Consultado em 15. Jun. 2017.

DESCARTES, René. Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DESCARTES, René. Méditations Métaphysiques. Consultado em 15. Jun. 2017.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 2015.

MARINHO, Elan. O que significa "penso, logo sou"?. Universo Racionalista, 2017.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. São Paulo: Escala, 2013.