Objeto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Objeto (AO 1945: Objecto) (latim: obiectum, significa atirado adiante) Assim, a etimologia da palavra conduz ao que é posto diante. O correspondente alemãoGegenstand” apresenta mesma significação “o que está diante, em frente”. Desta forma, a terminologia filosófica rigorosa percebe “uma relação a alguém, em face de quem o objeto se encontra” e não como uso comum “como simples sinônimo de coisa”. [1]

Sentido lato[editar | editar código-fonte]

Em sentido lato, objeto é o “fim do ato”, da faculdade ou atitude psíquica; seja atitude duradoura, seja ato por hábito, seja da ciência. Assim, explica De Vries que se torna objeto o que recebe o sabor do fato, sendo conhecido. [1]

A filosofia escolástica divide em material e formal. [2]

  • O objeto material seria um ente material palpável a que se dirige o sujeito.
  • O objeto formal seria o aspecto comum de uma faculdade, ciência ou virtude; que seja apreendido explicita ou implicitamente, um aspecto especial (formal), em um todo considerado.

Sentido restrito[editar | editar código-fonte]

No sentido estrito é qualquer coisa conhecida ou querida, mas unicamente aquilo que está diante do sujeito com independência deste e ao qual este deve se amoldar. [3]

Em outro sentido, não objetivo seria o que pertence ao eu, seja na condição de sujeito [4] e de pessoa. O não objetivo, por intermédio "unicamente da realização de seus atos", "co-relacionados em seus atos intencionais", e tendo como instrumento a percepção, direcionam-se restritivamente ao ente material. [3]

Um outro conceito restrito seria um puro e desinteressado afã de conhecer.[3] O que não deve ser confundido, com isso, o objeto do conteúdo. Objeto transcende o pensamento, é o produto do pensamento, entendido. Assim, dado nem sempre coincide com objeto. [3]

Ens rationis[editar | editar código-fonte]

Levando em consideração que ente de razão, é existente somente como conteúdo do pensamento, nunca independente do pensamento; [5] nesse contexto, objeto pode ser também definido como ente de razão. Somente recebendo o nome de ente, no sentido impróprio, e no mesmo contexto, se for concebido a um modo específico.

Referências

  1. a b Josef de Vries, Dicionário de Filosofia, editora Herder, SP, 1969, pag 299
  2. De Vries, Dicionário de Filosofia, editora Herder, SP, 1969, pág 299 e 300
  3. a b c d Josef de Vries, Dicionário de Filosofia, editora Herder, SP, 1969, pág 300
  4. G. Mayos, O PROBLEMA SUJEITO-OBJETO EM DESCARTES, PERSPECTIVA DA MODERNIDADE, traduzido por Mariá Brochado e Natália Freitas Miranda.
  5. Josef de Vries, Dicionário de Filosofia, editora Herder, SP, 1969, pág 150