Pierre Clastres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pierre Clastres
Nascimento 17 de maio de 1934
Paris
Morte 29 de julho de 1977 (43 anos)
Gabriac
Nacionalidade França Francês
Cidadania França
Cônjuge Hélène Clastres
Alma mater Universidade de Paris
Ocupação Antropólogo e etnógrafo
Principais trabalhos O grão-falar: mitos e contos sagrados dos índios Guarani
Empregador École pratique des hautes études
Causa da morte acidente rodoviário

Pierre Clastres (Paris, 17 de maio de 1934Gabriac, 29 de julho de 1977) foi um importante antropólogo e etnógrafo francês da segunda metade do século XX. Clastres é conhecido sobretudo por seus trabalhos de antropologia política, por sua suposta vinculação ao anarquismo e por sua pesquisa sobre os índios Guayaki do Paraguai.

Filósofo de formação, se interessou pela antropologia e especificamente pela América do Sul sob a influência de Claude Lévi-Strauss e de Alfred Métraux. Foi diretor de pesquisa no Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS, Paris) e membro do Laboratoire d´Anthropologie Sociale do Collège de France. Realizou pesquisas de campo na América do Sul entre os índios Guayaki, Guarani e Yanomami. Publicou Crônica dos índios Guayaki (1972), A sociedade contra o Estado (1974), e A fala sagrada - mitos e cantos sagrados dos índios Guarani (1974).

Sua morte prematura, em um acidente de carro em 1977, interrompeu a conclusão de textos que mais tarde seriam reunidos no livro Arqueologia da violência - ensaios de antropologia política (1980).

Uma de suas principais contribuições para a antropologia foi sua crítica à visão, até então dominante, de que sociedades como as dos índios da América do Sul são mais "primitivas" ou "menos desenvolvidas culturalmente" do que sociedades mais hierárquicas, onde a presença do Estado é mais evidente – como no caso das sociedades Maia, Inca e Asteca. Ele procurou demonstrar a falsidade do pressuposto de que todas as sociedades necessariamente evoluem de um sistema "tribal", "comunista" e "igualitário" para sistemas mais hierárquicos. As sociedades não-hierárquicas, segundo seus estudos, possuem mecanismos culturais que impedem ativamente o aparecimento de figuras de comando – seja isolando os possíveis candidatos a chefe (como no caso dos Pajés), seja destituindo-os do poder do mando (como no caso dos chefes que só têm poder para aconselhar). Sendo assim, elas não estariam evoluindo em direção à estatização: ao contrário, configuram-se como verdadeiras sociedades "contra o Estado", pois sua dinâmica cultural almejaria precisamente impedir a formação de uma classe de dirigentes e outra de dirigidos.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Crônica dos índios Guayaki: o que sabem os Aché, caçadores nômades do Paraguai. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995 (1972)
  • A sociedade contra o Estado: Pesquisas de Antropologia Política.  São Paulo: Cosac & Naify, 2003 (1974)
  • A fala sagrada: mitos e cantos sagrados dos índios Guarani. Campinas, SP: Papirus, 1990 (1974)
  • Arqueologia da violência: estudos de antropologia política. São Paulo: Cosac & Naify, 2004 (1977)

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ABENSOUR, M. (ed.). L’Esprit des Lois Sauvages: Pierre Clastres ou une Nouvelle Anthropologie Politique. Paris: Seuil, 1987.
  • BARBOSA, G. B. "A socialidade contra o Estado: a antropologia de Pierre Clastres". Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2004, v.47, n.2.
  • DESCOLA, Philippe. “La chefferie amérindienne dans l’anthropologie politique”. Revue Française de Science Politique, 38 (5), p.818-827, 1988.
  • GOLDMAN, M. "Pierre Clastres ou uma Antropologia contra o Estado". Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2011, v.54, n.2.
  • LANNA, M. "As sociedades contra o Estado existem? Reciprocidade e Poder em Pierre Clastres. MANA 11(2):419-448, 2005.
  • LEIRNER, P. de., TOLEDO, L. H. de. “Lembranças e Reflexões sobre Pierre Clastres: Entrevista com Bento Prado Júnior”. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2004, v.46, n.2
  • LIMA, Tânia S.; GOLDMAN, M. "Prefácio", in A sociedade contra o Estado: Pesquisas de Antropologia Política.  São Paulo: Cosac & Naify, 2003.
  • LIMA, Tânia Stolze & GOLDMAN, Marcio. 2001 “Pierre Clastres, Etnólogo da América”, Sexta-Feira, 6 – Utopia, pp. 291-309.
  • LIMA, Tânia S. "O dois e seu múltiplo: Reflexões sobre o Perspectivismo em uma Cosmologia Tupi". MANA 2(2):21-47, 1996.
  • _______. "Por uma Cartografia do Poder e da Diferença nas Cosmopolíticas Ameríndias". Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2011, V. 54 Nº 2.
  • MAGNELLI, André. Pierre Clastres (1). O Copérnico do Político. Blog do Sociofilo. 30 de novembro de 2016.
  • _______. Pierre Clastres (2). A Sociedade contra o Estado - Renovação da Antropologia Política. Blog do Sociofilo. 15 de dezembro de 2016.
  • _______. Pierre Clastres (3): Filosofando com a chefia indígena. Blog do Sociofilo. 21 de março de 2017.
  • PERRONE-Moisés; SZTUTMAN, R. "Metamorfoses do Contra-Estado. Pierre Clastres e as Políticas Ameríndias". Ponto Urbe, 13, 2013.
  • PRADO Jr., BENTO. Prefácio, in Arqueologia da violência: estudos de antropologia política. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.
  • SZTUTMAN, R. "Religião Nômade ou Germe do Estado? Pierre e Helène Clastres e a Vertigem Tupi". Novos Estudos Cebrap, 83, março de 2009.
  • SZTUTMAN, Renato. O profeta e o principal: A ação política ameríndia e seus personagens. São Paulo: Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da USP, 2005.
  • VIVEIROS DE CASTRO, E. Posfácio. Intempestivo (ainda), in Arqueologia da violência: estudos de antropologia política. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.
Ícone de esboço Este artigo sobre um antropólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.