Mary Douglas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mary Douglas (Sanremo, 25 de Março de 1921Londres, 16 de Maio de 2007) é filha de Gilbert Tew, funcionário do serviço colonial Britânico e sua esposa Phyllis; o nome de solteira era Margaret Mary Tew. Passou a infância em Totnes, sul da Inglaterra.

A área de pesquisa é a de antropologia social. Foi considerada uma seguidora de Émile Durkheim e uma proponente da análise estruturalista, com um grande interesse por religião comparada.

Com 12 anos a mãe morreu e teve que ficar aos cuidados dos avós. Margaret e a irmã foram educadas no colégio católico "Sagrado Coração de Roehampton", distrito a sudoeste de Londres. Entre 1939 e 1943 estudou Filosofia, Ciências Políticas e Economia em Oxford onde foi aluna do antropólogo Evans-Pritchard que exerceu uma grande influência intelectual sobre ela.

Durante a Segunda Guerra trabalhou em um serviço colonial mas retornando a Oxford em 1947, terminou os estudos em 1949 realizando um trabalho antropológico com os Lele, uma tribo africana que vivia na época no Congo Belga. No inicio dos anos 50 se casou com James Douglas e tiveram três filhos. Durante 25 anos foi professora universitária do Colégio de Londres e depois lecionou nos Estados Unidos por mais 11 anos. Na obra aparecem os temas: análise de risco, economia, economia do consumo e bem-estar, comida e ritual. Muitos dos trabalhos foram tornados populares fora dos círculos antropológicos; o livro “Pureza e Perigo” se tornou célebre dentro da área.

Apos quatro anos de trabalho (1977-1981) como professora de Estudos Culturais no Instituto Russel Sage de Nova York; mudou para a Universidade Northwestern como professora de Humanidades, produzindo os vínculos entre Teologia e Antropologia. Nesta época, com ajuda do economista Baron Isherwood, publica "O mundo dos bens" que foi uma obra pioneira na antropologia econômica.

Em 2004 perde o marido; e em 16 de maio de 2007 falece em Londres aos 86 anos, por complicações associadas a um câncer.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Lele of kasai - 1963
  • Purity and Danger: An Analisys of Concepts of Pollution an Taboo- 1966
  • Natural Symbols: Exploration in Cosmology - 1970
  • Implicit meanings: Essays in Anthropology - 1975
  • The World of Goods: An Anthropological Approach of the Theory of Consuption - 1976
  • Risk and Cultura: An Essay on the Selection of Technological and Environmental Danger - 1982
Ícone de esboço Este artigo sobre um antropólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.