Etnobotânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Etnobotânica é a ciência, que estuda simultaneamente as contribuições da botânica e da etnologia, evidenciando as interações entre as sociedades humanas e plantas como sistemas dinâmicos. Também consiste no estudo das aplicações e dos usos tradicionais dos vegetais pelo homem, permitindo um melhor entendimento das formas pelas quais as pessoas pensam, classificam, controlam, manipulam e utilizam espécies de plantas e comunidades. [1] É uma ciência multidisciplinar de prática multiprofissional que envolve botânicos, antropólogos, farmacólogos, médicos, engenheiros e também uma interdisciplina capaz de proporcionar explicações sobre a interação de comunidades humanas com o mundo vegetal, em suas dimensões antropológica, ecológica e botânica. [2]

Para alguns autores esse ramo da etnociência [3] parte da linguística [4] para estudar o conhecimento de diferentes sociedades sobre os processos naturais, ou relação do homem com a natureza buscando entender a lógica subjacente ao conhecimento humano sobre esta, as taxonomias e classificações que os diferentes povos produzem. [5] Contudo depara-se com a tarefa de comparar o sistema de classificação popular ou indígena encontrado com as próprias concepções de botânica que possui, assim como a etnomedicina procede diante da patologia e clínica médica. [6] [7] [8]

Os primeiros registros do cultivo do milho datam de 7.300 anos, localizados no México

Ciência multidisciplinar[editar | editar código-fonte]

Osanyin - a entidade das folhas sagradas no Candomblé

O conhecimento botânico destina-se à identificação das espécies de plantas usadas pelas várias etnias, que é a base para todas as ramificações subseqüentes, identifica inclusive as espécies autóctones, selvagens e domesticadas. [9] As contribuições da antropologia destinam-se ao estudo da origem, estrutura social e étnica das comunidades humanas em foco, estabelecendo relações entre as diversas etnias e extensão do universo linguístico e papéis sociais associados ao conhecimento em questão além de elaborar questionários que serão aplicados aos informantes no inventário das espécies utilizadas. É na interação com as populações que se constrói o conhecimento, não só da utilidade tradicional das plantas em foco, como da cosmologia que embasa a estrutura social à qual está associada. [10] [11]

Outras formas de conhecimento também podem ser relevantes, da farmacologia [12] pode-se pesquisar se há alguma propriedade medicinal, algum princípio ativo [13] presente nas plantas. Da clínica médica pode-se determinar se as plantas usadas provocam algum efeito fisiológico positivo ou negativo. A utilização de madeiras usadas na construção, fabricação de armas, instrumentos musicais, embarcações, por sua vez também podem requerer de especialistas de áreas afins em nosso saber ocidental científico.

Todo estudo etnobotânico tem como objetivo contribuir para o conhecimento científico das espécies vegetais, mas deve ter em foco a reversão do conhecimento fornecido pelos informantes para o benefício da própria comunidade. [14] [15]

A etnobotânica tem contribuído não só para resgatar conhecimento tradicional que está em processo de se perder pelo choque com a cultura dominante, como resgatar os próprios valores das culturas com que entra em contato. Tem também apoiado etnias minoritárias no embate contra a apropriação intelectual indevida do conhecimento das propriedades terapêuticas de plantas medicinais por grupos econômicos, que registram princípios ativos como propriedade privada, em contraste com as informações tradicionais que lhes foram cedidas gratuitamente. [16] [17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ROCHA, Joyce Alves; BOSCOLO, Odara Horta; FERNANDES, Lucia Regina Rangel de Moraes Valente. Etnobotânica: um instrumento para valorização e identificação de potenciais de proteção do conhecimento tradicional. Interações (Campo Grande), Campo Grande , v. 16, n. 1, p. 67-74, June 2015 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-70122015000100006&lng=en&nrm=iso>. access on 26 July 2019. http://dx.doi.org/10.1590/151870122015105.
  2. CABALLERO, Javier. La etnobotânica. apud: GONCALVES, Karina Gondolo; PASA, Maria Corette. A etnobotânica e as plantas medicinais na Comunidade Sucuri, Cuiabá, MT, Brasil. Interações (Campo Grande), Campo Grande , v. 16, n. 2, p. 245-256, Dec. 2015 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-70122015000200245&lng=en&nrm=iso>. access on 26 Aug. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1518-70122015201.
  3. CYPRIANO, Raphael Jonas; DUQUE-BRASIL LANDULFO TEIXEIRA, Reinaldo. Etnociência da Ciência: a busca por simetria na pesquisa científica. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, v. 14, n. 3, p. 01-13, set. 2017. ISSN 1807-1384. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/1807-1384.2017v14n3p1>. Acesso em: 26 ago. 2019. doi:https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n3p1.
  4. FRAZAO-MOREIRA, Amélia. Ethnobiological research and ethnographic challenges in the “ecological era”. Etnográfica, Lisboa , v. 19, n. 3, p. 605-624, out. 2015 . Disponível em <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-65612015000300011&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 26 ago. 2019.
  5. Diegues 1996 apud: Haverroth, Moacir. Etnobotânica: uma revisão teórica. NESSI – UFSC Antropologia em Primeira Mão nº22 Dez. 2011
  6. BERTARELLO, Ana Lúcia; PARISOTTO, Zeni Amanda Varnier; MATTOS , Gerson; SANTA HELENA, Ernani Tiaraju de. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil Ciênc. saúde colet. 22 (8) Ago 2017 https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.18892015 https://www.scielosp.org/article/csc/2017.v22n8/2703-2712/ Acesso 26 de agosto de 2019
  7. MELATTI, Julio Cezar. Sistemas de classificação de animais e plantas pelos índios Informativo FUNAI, ano IV, n° 14, pp. 13-20, 1975 Disponível em PDF acesso em agosto de 2019
  8. OLIVEIRA, Joana Cabral de. Classificações em cena: algumas formas de classificação das plantas cultivadas pelos Wajãpi do Amapari (AP). 2006. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. doi:10.11606/D.8.2006.tde-03092007-141754. Acesso em: 2019-08-26.
  9. SCHULTES, Richard Evans ; REIS, Siri von. Ethnobotany Evolution of a Discipline. Portland, Oregon: Dioscorides Press , 1995; Timber Press, 1997. ISBN: 0931146283
  10. SCHULTES, Richard Evans; HOFMANN, Albert. Plantas de los Dioses Las fuerzas mágicas de las plantas alucinogenas. Mexico: Fondo de Cultura, 2000 ISBN 968 16 6303-9
  11. CABRERA, Lidia. El Monte. Miami: Ediciones Universal, 1983 ISBN-10: 0897290097; ISBN-13: 978-0897290098
  12. ELISABETSKY, Elaine. Etnofarmacologia. Cienc. Cult., São Paulo , v. 55, n. 3, p. 35-36, Sept. 2003 . Available from <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252003000300021&lng=en&nrm=iso>. access on 26 Aug. 2019.
  13. Rodrigues, Eliana & Carlini, E.A. (2006): Plants with possible psychoactive effects used by the Krahô Indians, Brazil. Revista Brasileira de Psiquiatria 28(4): 277–282. PDF fulltext
  14. ALBUQUERQUE, Ulysses Paulino de; HANAZAKI, Natália. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e pespectivas. Rev. bras. farmacogn., João Pessoa , v. 16, supl. p. 678-689, Dec. 2006 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2006000500015&lng=en&nrm=iso>. access on 26 Aug. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2006000500015.
  15. SANTOS, A.B.; RIBEIRO-OLIVEIRA, J.P.; CARVALHO, C.M.. Sobre a botânica, a etnofarmacologia e a química de Calycophyllum spruceanum (Benth.) Hook. f. ex K. Schum. Rev. bras. plantas med., Botucatu , v. 18, n. 1, supl. 1, p. 383-389, 2016 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-05722016000500383&lng=en&nrm=iso>. access on 26 Aug. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1983-084X/15_152.
  16. REZENDE, E.A., Ribeiro, M.T.F. Conhecimento tradicional, plantas medicinais e propriedade intelectual: biopirataria ou bioprospecção? REV.BRAS.PL.MED., Botucatu, v.7, n.3, p.37-44, 2005. PDF Arquivado em 18 de janeiro de 2015, no Wayback Machine.Acesso, Jan. 2015
  17. BERLINCK, Roberto Gomes de Souza. Bioprospecção no Brasil: um breve histórico. Cienc. Cult., São Paulo , v. 64, n. 3, p. 27-30, 2012 . Available from <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252012000300010&lng=en&nrm=iso>. access on 26 Aug. 2019. http://dx.doi.org/10.21800/S0009-67252012000300010.

Bibliografia adicional[editar | editar código-fonte]

  • Alcorn, J. 1995. The scope and aims of ethnobotany in a developing world. In: Ethnobotany: evolution of a discipline, ed. R. E. Schultes e S. von Reis, 23-39. Portland: Dioscorides Press.
  • Minnis, P. E. 2000. Introduction. In: Ethnobotany: a reader, ed. P. E. Minnis, 3-10. Norman; U. Oklahoma Press. Google Books Mar. 2011
  • DORSA, A. C. A etnobotânica e o saber local [online]. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2015 [viewed 26 August 2019]. Available from: https://humanas.blog.scielo.org/blog/2015/12/17/a-etnobotanica-e-o-saber-local/ Acesso em agosto de 2019

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Etnobotânica
Ícone de esboço Este artigo sobre Botânica é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.