Código Internacional de Nomenclatura Botânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Página de título de Species Plantarum, 1753

O Código Internacional de Nomenclatura para Algas, Fungos e Plantas (conhecido pela sua sigla em inglês, ICN) é o conjunto de regras e recomendações que tratam dos nomes botânicos formais dados a plantas, fungos e alguns outros grupos de organismos, todos aqueles "tradicionalmente tratados como algas, fungos ou plantas".[1] Era anteriormente denominado Código Internacional de Nomenclatura Botânica (ICBN); o nome foi mudado no Congresso Internacional de Botânica em Melbourne em julho de 2011 como parte do Código de Melbourne[2] que substituiu o Código de Viena de 2005.

A versão atual do código é o Código de Shenzhen adotado pelo Congresso Botânico Internacional realizado em Shenzhen, China, em julho de 2017. Assim como os códigos anteriores, ele entrou em vigor assim que foi ratificado pelo congresso (em 29 de julho de 2017), mas a documentação do código em sua forma final não foi publicada até 26 de junho de 2018.

O nome do Código é parcialmente maiúsculo e parcialmente não. A minúscula para "algas, fungos e plantas" indica que esses termos não são nomes formais de clados, mas indicam grupos de organismos que eram historicamente conhecidos por esses nomes e tradicionalmente estudados por ficologistas, micologistas e botânicos. Isso inclui algas verde-azuladas (cianobactérias); fungos, incluindo quitrídeos, oomicetos e fungos viscosos; protistas fotossintéticos e taxonomicamente grupos não fotossintéticos relacionados. Existem disposições especiais no ICN para alguns desses grupos, assim como para os fósseis.

O ICN só pode ser alterado por um Congresso Internacional de Botânica (IBC), com a International Association for Plant Taxonomy fornecendo a infraestrutura de apoio. Cada nova edição substitui as edições anteriores e é retroativa a 1753, exceto onde datas de início diferentes são especificadas.[1]Principle VI

Para a denominação de plantas cultivadas existe um código separado, o Código Internacional de Nomenclatura de Plantas Cultivadas, que fornece regras e recomendações que complementam o ICN.

Princípios[editar | editar código-fonte]

  • A nomenclatura botânica é independente da nomenclatura zoológica, bacteriológica e viral.
  • Um nome botânico é fixado a um táxon por um tipo.[1]Article 7 Este é quase sempre material vegetal seco e geralmente é depositado e preservado em um herbário, embora também possa ser uma imagem ou uma cultura preservada. Alguns tipos de coleções podem ser consultados online nos sites dos herbários em questão.
  • Um princípio orientador na nomenclatura botânica é a prioridade, a primeira publicação de um nome para um táxon.[1]Principle III A data formal de início para fins de prioridade é 1º de maio de 1753, a publicação de Species Plantarum de Lineu. No entanto, para evitar efeitos indesejáveis ​​(desestabilizadores) da aplicação estrita de prioridade, a conservação de nomes de famílias, gêneros e espécies é possível.
  • A intenção do Código é que cada grupo taxonômico ("táxon", plural "táxons") de plantas tenha apenas um nome correto que é aceito mundialmente, desde que tenha a mesma circunscrição, posição e classificação.[1]Principle IV  O valor de um nome científico é que ele é um identificador; não é necessariamente de valor descritivo.
  • Os nomes dos táxons são tratados como latinos.
  • As regras de nomenclatura são retroativas, a menos que haja uma declaração explícita de que isso não se aplica.

Versões[editar | editar código-fonte]

Todas as versões estão listadas abaixo.

Ano de publicação Nome informal
1867 Laws of botanical nomenclature
1883 Laws of botanical nomenclature, ed. 2
1906 Vienna Rules
1912 Brussels Rules
1935 Cambridge Rules
1950 Amsterdam Code
1952 Stockholm Code
1956 Paris Code
1961 Edinburgh Code
1966 Montreal Code
1972 Seattle Code
1978 Leningrad Code
1983 Sydney Code
1988 Berlin Code
1994 Tokyo Code
2000 St Louis Code, The Black Code
2006 Vienna Code
2012 Melbourne Code
2018 Shenzhen Code (atual, capa azul)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e «International Code of Nomenclature for algae, fungi, and plants». www.iapt-taxon.org (em inglês). Consultado em 4 de outubro de 2021 
  2. «International Code of Nomenclature for algae, fungi, and plants». www.iapt-taxon.org (em inglês). Consultado em 4 de outubro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]