Androfobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O termo "androfobia" ( do grego "andros"= homem e "fobia" = medo) significava antigamente o medo anormal de homens em oposição ao termo também de origem grega ginofobia. Mas atualmente, devido ao crescimento e transformações nas políticas de luta por diretos sexuais e de gêneros, o termo vem sendo cada vez mais usado popularmente para significar todos os tipos de preconceito, medo, discriminação, ódio e generalização aos homens, em analogia e acompanhamento ao uso do termo "homofobia", que foi usado para se referir ao preconceito, medo, discriminação, ódio e generalização aos homossexuais. E como parte dos homossexuais também são e não deixam de ser homens, a "homofobia" contra homens também é considerado uma forma de "androfobia" ou "misandria", já que aos homens sempre foi proibida a homossexualidade. Portanto para os movimentos que defendem o termo, toda homofobia contra homens é também androfobia, assim como toda exigência para que os homens sejam patriarcais como no passado.

O uso do termo também cresceu a partir da confluência de movimentos masculinos contra a "alienação parental" e movimentos por "direitos dos homens" de tendência não masculinista - mas, ao contrario, feminista, de reconhecimento dos direitos de mulheres e igualdade e que ainda não criaram instituições oficiais. Um dos movimentos que usam e defendem o termo "Androfobia" para se referir ao preconceito contra os homens é o grupo ABRACODHPAI ou "Associação Brasileira Contra a Androfobia e pela Igualdade de Direitos aos Homens Pais" que foi criado nas redes Orkut e Facebook no início dos anos 2000, principalmente contra a Alienação Parental que afeta 90% dos homens pais separados e contra o uso de falsas acusações de assédio e abuso sexual para criminalizar e impedir o acesso de homens aos seus filhos, e mante-los presos. Além disso, tal associação começou a questionar e lutar também contra a criminalização e prisão arbitrária de homens incapazes de dar pensão alimentícia por vários motivos e que não são levados em consideração pela justiça na maioria dos casos e também à discriminação contra a "Guarda" de filhos serem dadas apenas às mães em mais de 90% dos casos. Ai começaram também a ser discutidos todos os casos em que se os homens passaram a não ter direitos ( como programas governamentais de moradia, programas assistenciais como bolsa família, protetores e licenças de paternidade, e de saúde dos homens - com diversos projetos parados em discussão no Congresso Nacional - como a proibição de homens (sobretudo homossexuais) de adotarem filhos, além de outras discriminações como homens serem babás, trabalharem em creches, empregados domésticos, etc.Tais movimentos cresceram e conseguiram o apoio de várias mulheres inclusive e, em alguns casos, hove mudança , como a obrigatoriedade da Guarda Compartilhada dos filhos ser adotada em todos os casos de separação, que foi aprovada em 2014.

Outro exemplo de discriminação contra homens ocorreu com a controvérsia da política de discriminação sexual de companhias aéreas. A British Airways, Qantas, e Air New Zealand todas possuíam políticas proibindo homens de se sentarem próximos a crianças desacompanhadas em voos comerciais. Esta regra, que se referia ao gênero como a mais importante qualidade de um grupo de pessoas, foi considerada discriminatória. Não há registros de qualquer caso documentado de abuso de uma criança durante um voo

Ver também direitos[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre fobias é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.