Vladimir Putin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vladimir Putin
Владимир Путин
Putin em 2022.
4Presidente da Rússia
Período 7 de maio de 2012
a atualidade
Antecessor(a) Dmitri Medvedev
Presidente da Rússia
Período 7 de maio de 2000
a 7 de maio de 2008
Antecessor(a) Boris Iéltsin
Sucessor(a) Dmitri Medvedev
11º Primeiro-Ministro da Rússia
Período 7 de maio de 2008
a 7 de maio de 2012
Antecessor(a) Viktor Zubkov
Sucessor(a) Dmitri Medvedev
Primeiro-Ministro da Rússia
Período 9 de agosto de 1999
a 7 de maio de 2000 [1]
Antecessor(a) Sergei Stepashin
Sucessor(a) Mikhail Kasyanov
Diretor do Serviço Federal de Segurança
Período 25 de julho de 1998
a 29 de março de 1999
Antecessor(a) Nikolay Kovalyov
Sucessor(a) Nikolai Patrushev
Vice-prefeito de São Petesburgo
Período março de 1994
a junho de 1996
Antecessor(a) Vladimir Yakovlev
Sucessor(a) Sem dados
Dados pessoais
Nome completo Vladimir Vladimirovitch Putin
Nascimento 7 de outubro de 1952 (69 anos)
Leningrado, RSFSR, União Soviética
Alma mater Universidade Estatal de Leningrado
Cônjuge Ludmila Putina (1983–2013)
Filhos Maria Putina (n. 1985)
Ekaterina Putina (n. 1986)
Partido Rússia Unida (2008–presente)
Unidade (1999–2001)
Nossa Terra (1995–1999)
PCUS (antes de 1991)
Religião Cristão Ortodoxo Russo
Profissão Ex-agente do KGB e político
Assinatura Assinatura de Vladimir Putin
Website Página oficial
Serviço militar
Lealdade União Soviética
Serviço/ramo KGB
Anos de serviço 1975–1991
Graduação Coronel
Condecorações Ordem de Honra[2]

Vladimir Vladimirovitch Putin (russo: Loudspeaker.svg? Влади́мир Влади́мирович Пу́тин, AFI: [vɫɐˈdʲimʲɪr vɫɐˈdʲimʲɪrəvʲɪtɕ ˈputʲɪn]; Leningrado, 7 de outubro de 1952) é o atual presidente da Rússia, além de ter servido como ex-agente do KGB no departamento exterior e chefe dos serviços secretos soviético e russo, KGB e FSB, respectivamente. Putin exerceu a presidência entre 2000 e 2008, além de ter sido primeiro-ministro em duas oportunidades: a primeira entre 1999 e 2000, e a segunda entre 2008 e 2012.

Putin governa a Rússia desde a renúncia de Boris Iéltsin, em 1999. Seu primeiro governo foi marcado por profundas reformas políticas e econômicas, pelo estadismo, por novas tensões com os Estados Unidos e Europa Ocidental, pela rigidez com os rebeldes chechenos e pelo resgate do nacionalismo russo, atitudes que lembram em parte o regime soviético e o czarismo. Entre os eventos mais notáveis de seu governo, estão o decreto que permite a indicação dos governadores dos distritos russos pelo próprio presidente,[3] a restauração do controle russo sobre a república separatista da Chechênia,[4] os assassinatos não esclarecidos de vários seus opositores políticos, como Anna Politkovskaia e Alexander Litvinenko,[5][6] o fim do colapso econômico russo,[7] a estatização de setores estratégicos que até então estavam nas mãos dos oligarcas russos e as consequentes prisões de muitos deles[8][9] e vários desacordos diplomáticos com a OTAN,[10][11] sendo os mais memoráveis deles a discussão quanto ao estabelecimento de mísseis no Leste Europeu, que levou Putin a criticar publicamente a política internacional norte-americana,[12] e o apoio russo aos separatistas na Ucrânia, após este país ter se alinhado à Aliança Atlântica.[13]

Por dezesseis anos, Putin foi oficial do KGB, o serviço secreto da União Soviética, chegando à patente de tenente-coronel. Ele se aposentaria das atividades militares para ingressar na política, em sua cidade, São Petersburgo, em 1991. Mudou-se para Moscou em 1996, para que fizesse parte da administração do então presidente Boris Iéltsin, na qual cresceu rapidamente, tornando-se presidente interino em 31 de dezembro de 1999, quando o presidente Iéltsin renunciou ao cargo inesperadamente.[14] Putin venceria a eleição do ano seguinte, tornando-se de fato Presidente da Rússia, sendo reeleito em 2004. Putin foi impedido de concorrer para um terceiro mandato em 2008, já que, na época, a Constituição russa só permitia dois mandatos consecutivos. Assim sendo, seu aliado Dmitri Medvedev seria seu sucessor, o que levaria à escolha de Putin como primeiro-ministro do país, cargo que ele manteve até o final da presidência de Medvedev. Em Setembro de 2011, Putin anunciou que concorreria a um terceiro mandato nas eleições do ano seguinte, gerando diversos protestos nas principais cidades do país. Como esperado, Putin foi reeleito por mais seis anos, em seu terceiro mandato, que tem fim previsto para 2018.[15][16]

Putin tem sido amplamente responsabilizado pelo retorno da estabilidade política e do progresso econômico da Rússia, pondo fim à crise dos anos 1990.[17][18] Durante a primeira gestão de Putin (1999-2008), o lucro real aumentou em fator 2,5, e os salários mais que triplicaram. O desemprego e a pobreza caíram em mais da metade, e a satisfação de vida da população russa aumentou significantemente.[19] O primeiro governo de Putin foi marcado pelo grande crescimento econômico: a economia russa cresceu diretamente em oito anos, observando um aumento de 72% no PIB.[19][20][21] Essas conquistas foram atribuídas pelos analistas à boa gestão macroeconômica, a importantes reformas fiscais, ao aumento do fluxo de capitais, ao acesso às finanças externas de baixo custo e a um aumento de cinco vezes no preço do petróleo e gás, que constituem os principais produtos de exportação da Rússia.[17][22][23][24]

Como presidente da Rússia, Putin transformou em lei um aumento de 13% na taxa proporcional da receita, uma taxa reduzida de impostos sobre a receita, e novos códigos legais territoriais.[17][24] Como primeiro-ministro, Putin foi responsável por reformas militares e policial de larga escala. Sua política energética afirmou a posição da Rússia como superpotência em energia.[25] Putin apoiou indústrias de alta-tecnologia como as nucleares e de defesa. Um aumento no investimento de capital estrangeiro[26] contribuiu pela explosão em certos setores, como na indústria automotiva. O desenvolvimento sob Putin incluiu a construção de oleodutos e gasodutos, a restauração do sistema de navegação por satélite GLONASS e a construção de infraestrutura para eventos internacionais.

Na Rússia, a liderança de Putin goza de considerável popularidade, com altas taxas de aprovação geral. Por outro lado, várias de suas ações têm sido caracterizadas pela oposição como antidemocráticas.[27] Observadores ocidentais e organizações também juntaram vozes para criticar o governo de Putin. A classificação de 2011 do Índice de Democracia apontou que a Rússia está em "um longo processo de regressão graças à mudança de um governo híbrido para um regime autoritário" sob Putin. Os cabos diplomáticos vazados pelo WikiLeaks alegam que a Rússia se tornou um "Estado mafioso virtual", devido à corrupção sistemática no governo de Putin.[28] Alguns críticos o descrevem como ditador, alegações que o próprio Putin nega incondicionalmente. A Human Rights Watch em 2021 observa uma degradação contínua dos direitos humanos sob Putin.[29]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Vladimir Putin aos seis anos, com a mãe, em 1958.

Putin nasceu no dia 7 de outubro de 1952, em Leningrado (atual São Petersburgo).[4] O pai de Putin, Vladimir Spiridonovitch Putin (1911–1999), participara da Segunda Guerra Mundial, onde foi gravemente ferido. A mãe era Maria Ivanovna Shelomova (1911–1998). O pai era operário qualificado numa fábrica de vagões de comboios; sua mãe Maria tinha diversos trabalhos, como vigia noturna ou limpeza; tinha sido ferida durante a guerra, quase morrera de fome, mas sobreviveu ao cerco a Leninegrado.[30]

Seu avô era um renomado chef de cozinha, que trabalhava para diversas autoridades, cozinhando, inclusive, para Lenin e Stalin. Vladimir Putin era o terceiro filho da família, apesar de os irmãos mais velhos já terem falecido: Albert, nascido cerca de 1930, morreu na infância, e Viktor, nascido em 1940, morreu de difteria e fome em 1942 durante o cerco de Leninegrado pelas forças nazis na II Guerra Mundial.[31][32] Vladimir foi batizado às escondidas de seu pai, membro do Partido Comunista da União Soviética.[33]

A família de Putin vivia em um apartamento comunitário de Leningrado.

Putin quando jovem (1960)

Em 1 de setembro de 1960, Putin começou a frequentar a escola, em Baskov Lane, perto de sua casa. Ele era um dos poucos na classe de aproximadamente 45 alunos que não eram membros da organização comunista dos Jovens Pioneiros, em parte devido ao seu comportamento desordeiro. Putin confirmou: "Eu não era um pioneiro; era um hooligan. (...) Eu era um verdadeiro rufia"[30]

Aos doze anos, começou a praticar Sambo, uma arte marcial soviética, uma mistura de judo, karaté, e luta livre. A disciplina do Sambo tornou-se parte da transformação de Putin de fraco estudante para um adolescente trabalhador e orientado para a realização de objetivos. O seu comportamento continuou a mudar quando ele tinha treze anos: começou a aplicar-se nos estudos, e foi admitido nos Jovens Pioneiros. [30]

Após ter sido eleito presidente, o próprio Putin afirmou que na infância se divertia com filmes soviéticos de espionagem, e sonhava trabalhar no KGB. Em 1966, aos 14 anos ingressou em um instituto técnico, onde estudou química, terminando seus cursos em 1970.

Entre 1970 e 1975, estudou na faculdade de direito da Universidade Estatal de Leningrado. Lá ingressou no Partido Comunista, então o único partido político permitido na União Soviética. Graduou-se em 1975, com a dissertação a respeito da Cláusula de Nação Mais Favorecida.

Serviços no KGB[editar | editar código-fonte]

Putin como oficial do KGB.
  • Em 1975, aos 23 anos de idade e recém graduado no curso de direito, ingressa no Comitê de Segurança Nacional, o KGB.
  • No mesmo ano, acaba o seu curso preparatório, assumindo o posto de Oficial Júnior, de acordo com o antigo sistema organizacional do KGB.
  • A partir de 1977, passa a trabalhar no setor de contra-inteligência no departamento investigativo do KGB de Leningrado.
  • Em 1979, se forma de um curso semestral em Moscou, voltando para Leningrado no mesmo ano.
  • Em 1985, como Major de Justiça, se especializa em inteligência estrangeira, aprendendo alemão.
  • Entre 1985 e 1990, trabalhou em Dresden, na Alemanha Oriental, chefiando o departamento de fronteiras.

Após o término de seu serviço e retorno à União Soviética, Putin recusou o serviço na central de inteligência estrangeira, na capital Moscou. Em vez disso, voltou a trabalhar no primeiro departamento do KGB de Leningrado, cuja especialidade era a inteligência territorial. Em 20 de agosto de 1991, em meio aos golpes de estado que tentavam manter o estado soviético e as manobras que pretendiam consolidar o fim da União Soviética, Putin abandona o KGB, após Anatoli Sobchak, seu principal aliado, se posicionar contra o serviço secreto, que até então apoiava o golpe a favor da integridade da União Soviética.

Putin havia renunciado ao cargo de tenente-coronel em 20 de agosto de 1991, no segundo dia da tentativa de golpe de Estado na União Soviética em 1991 contra o presidente soviético Mikhail Gorbachev.[34] Putin teria dito em uma ocasião posterior: "Assim que o golpe começou, eu imediatamente decidi de que lado eu estava", embora ele também tenha observado que a escolha era difícil porque ele passara a melhor parte de sua vida com "os órgãos".[35]

Em 1999, Putin afirmou sobre o comunismo, no chamado "Manifesto do Milénio" : "O comunismo e o poder dos soviéticos não fizeram da Rússia um país próspero, com uma sociedade em desenvolvimento dinâmico e um povo livre. O comunismo demonstrou vividamente a sua inaptidão para um autodesenvolvimento sólido, condenando o nosso país a um atraso constante em relação aos países economicamente avançados. Foi um caminho para um beco sem saída, que está longe do mainstream da civilização."[36][37]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Putin discursa na Praça Vermelha, no coração de Moscou, em 2005.

Em maio de 1995, ele organizou o ramo de São Petersburgo do então partido político pró-governo Nossa Terra, o partido liberal fundado pelo primeiro-ministro Viktor Chernomyrdin. Em 1995, ele gerenciou a campanha eleitoral legislativa para esse partido e, de 1995 a junho de 1997, foi o líder de seu ramo em São Petersburgo.

Em agosto de 1996, com a derrota de Anatoli Sobchak nas eleições para o governo de São Petersburgo, Putin foi a Moscou, onde tornou-se vice-assessor do Presidente da Rússia. Em 25 de maio de 1998, torna-se primeiro oficial da administração do presidente. A partir de sua posse, torna-se uma das figuras mais influentes do Kremlin.

Um mês depois, torna-se diretor do Serviço Federal de Segurança, o FSB, agência russa de serviços de informação que sucedeu ao KGB no que respeita a assuntos domésticos. Putin comandou a complexa e esperada reorganização do FSB, que lhe valeu a promoção para a chefia do comitê de segurança do país, em Março de 1999, tornando-se o primeiro civil a dirigir a polícia secreta.

No mesmo ano Putin ingressou no recém formado partido conservador de centro-direita Unidade (atual Rússia Unida)[38] que ganhou a segunda maior porcentagem do voto popular (23,3%) nas eleições na Duma Federal de dezembro de 1999.

Em 5 de agosto de 1999, em um encontro com o presidente Boris Iéltsin, Putin é convidado a assumir o cargo de confiança de primeiro-ministro, e é rapidamente apontado como o provável sucessor do então presidente, na época já muito doente e temulento.

O governo de Putin[editar | editar código-fonte]

Primeiro-Ministro (1º mandato)[editar | editar código-fonte]

Em 16 de agosto de 1999, Vladimir Putin foi eleito Primeiro-Ministro da Rússia com 233 votos, e Boris Iéltsin apontou-o como seu sucessor. A posse de Putin coincidiu com o confronto entre as forças de segurança do Daguestão e guerrilheiros separatistas da Chechênia. Putin chefiou energeticamente a operação de larga-escala, que expeliu completamente os rebeldes chechenos. O combate selou a confiança dos russos em Putin, que no ano seguinte tentaria a eleição para a Presidência, com o objetivo de suceder seu padrinho político. Em 31 de dezembro de 1999, no tradicional discurso presidencial na passagem de ano, o então presidente Iéltsin renunciou inesperadamente, passando os poderes de presidente para Putin, e adiantando as eleições em três meses.

Em vez da dicotomia do "comunismo versus o capitalismo" que dominou o discurso político na década de 1990, de 1999-2000, Putin começou a enfatizar outra razão para votar em seu partido (Unidade): a estabilidade, desejada pelos cidadãos russos após uma década de mudança revolucionária caótica. Com exceção da luta contínua no Cáucaso do Norte, Putin a entregou.

Presidente (2000-2008)[editar | editar código-fonte]

1º mandato[editar | editar código-fonte]

Prometendo reconstruir o país, Vladimir Putin, presidente em exercício, foi eleito oficialmente presidente da Rússia com mais de 53% dos votos, o que lhe deu uma vitória logo no primeiro turno.[39] Tomou posse em 7 de maio de 2000, apontando Mikhail Kasianov como seu primeiro-ministro. Como meio de consolidar poder, Putin anunciou um decreto que dividia as 89 subdivisões da Rússia em 7 distritos federais, de forma a facilitar a administração do país.

Durante seu primeiro mandato, Putin procurou esfriar as ambições políticas de alguns dos oligarcas russos, como Boris Berezovski, que de acordo com a BBC, teria "ajudado Putin a ingressar na família, fundando o partido que formou a base parlamentar de Putin".[40] Entre 2000 e 2004, Putin conseguiu vencer grandes disputas de poder com os oligarcas, representada pela tomada da YUKOS, uma empresa privada estatizada por Putin, e cujo dono, Mikhail Khodorkovski, foi julgado e condenado a nove anos de prisão por sete crimes, incluindo roubo, fraude e sonegação fiscal. Desta forma, os oligarcas foram intimidados a ponto de alinharem-se ao governo de Putin, resultando na emersão de novos magnatas próximos do presidente.

A reforma legal da Rússia prosperou durante o primeiro mandato de Putin. Particularmente, Putin obteve sucesso na codificação das legislações sobre terra e impostos, que não progrediram na gestão de Iéltsin, por causa das oposições comunista e oligárquica, respetivamente. Outras reformas legais incluíram novos códigos nas legislações trabalhistas, administrativas, comerciais e civis.

O primeiro grande desafio à popularidade de Putin ocorreu em Agosto de 2000, quando foi criticado por seus supostos equívocos no desastre com o submarino Kursk. Em dezembro de 2000, Putin sancionou uma lei para a mudança do Hino da Federação Russa. O então hino oficial, uma composição de Mikhail Glinka, não tinha letras. A mudança restabeleceu a música do hino da União Soviética, composto durante a Segunda Guerra Mundial, em 1944. Uma nova letra foi criada pelo mesmo autor da letra do hino soviético, Serguei Mikhalkov, que manteve o refrão histórico.

Em 2002, em meio à crise do teatro de Dubrovka, quando terroristas tomaram um teatro lotado de Moscou, que resultou na morte de 130 reféns, era esperado que a popularidade de Putin fosse seriamente afetada. Surpreendentemente, logo após o evento, o presidente desfrutava de uma aprovação sem precedentes - 83% dos russos declararam-se satisfeitos com Putin e o modo como lidou com a situação.

Poucos meses antes da eleição, Putin destituiu Kasianov do posto de primeiro-ministro, indicando Mikhail Fradkov como seu novo premier.

Em 2003, realizou-se um referendo na Chechênia, maior ameaça à segurança interna russa, a partir do qual uma nova constituição que declarava a república como parte da Rússia. A Chechênia foi gradualmente estabilizada com a instauração de eleições parlamentares e de um governo regional. Com o decorrer da guerra, a Rússia desmantelou severamente o movimento rebelde checheno, apesar da violência continuar, principalmente na região da Ciscaucásia.

Vladimir Putin comandou a Rússia na Guerra da Chechênia.
2º mandato[editar | editar código-fonte]

Em março de 2004, Putin foi reeleito com 71% dos votos. O massacre de Beslan, ocorrido em setembro de 2004, no qual centenas de civis foram assassinados, fez com que a popularidade de Putin caísse, devido às críticas à sua postura tomada contra os rebeldes chechenos. Putin foi até mesmo acusado de ter comandado o atentado, de forma a justificar a repressão contra os terroristas.[41][42] Entre as medidas tomadas após o ato terrorista, Putin substituiu a eleição direta de governadores das subdivisões federais, de forma que as autoridades fossem nomeadas pelo presidente, e então aprovadas pelos legislativos regionais. Em 2005, Putin criou a Câmara Pública da Rússia.

No mesmo ano, um projeto de prioridade nacional foi iniciado para melhorar a assistência médica, a educação, a moradia e a agricultura. A mudança mais relevante dentro do projeto foi o aumento geral do salário nas áreas médica e educacional, assim como a decisão de modernizar os equipamentos em ambos os setores, durante os anos de 2006 e 2007. Putin anunciou suas intenções de aumentar os benefícios da assistência maternidade e um apoio do estado para cuidados pré-natais. Os programas demográficos do governo levaram a um aumento de 45% na taxa de nascimentos de um segundo filho entre as mulheres, e a um aumento de 60% na taxa de nascimentos de um terceiro filho, segundo dados de 2012.[43]

O processo criminal contra o então homem mais rico da Rússia e presidente da YUKOS, Mikhail Khodorkovski, ocorrido em 2003, foi visto pela imprensa internacional como uma retaliação pelo apoio financeiro de Khodorkovski aos oponentes liberais e comunistas do Kremlin. O governo afirmou que Khodorkovski estava corrompendo um grande setor da Duma Federal para impedir mudanças no código de impostos. Com a prisão de Khodorkovski, a YUKOS faliu, e as ações da empresa foram vendidas a um valor irrisoriamente a baixo do seu valor de mercado, compradas principalmente pela estatal Rosneft. O caso YUKOS foi visto pelos analistas ocidentais como um grande passo dado pela Rússia em direção a um sistema de capitalismo de estado.
Um estudo publicado por um instituto do Suomen Pankki em 2008 mostrou que a intervenção estatal teve um impacto positivo na administração de várias companhias russas.[44]

Vladimir Putin interroga o oligarca Mikhail Khodorkovski, antes de sua prisão.

Putin foi criticado pelo que vários observadores consideram uma queda em larga escala da liberdade de imprensa na Rússia. Em 7 de outubro de 2006, Anna Politkovskaia, uma jornalista crítica do Kremlin que expôs a corrupção dentro do exército russo e sua conduta na Chechênia, foi assassinada no elevador de seu apartamento, no dia do aniversário de Putin. A morte de Politkovskaia iniciou um escândalo na mídia ocidental, com acusações de que Putin não foi capaz de proteger a nova mídia independente de seu país.[45][46] Quando questionado sobre o assassinato de Politkovskaia durante uma entrevista para a emissora alemã ARD, Putin disse que seu assassinato traz muito mais preocupação para as autoridades russas que suas próprias acusações. Em 2012, segundo a Tass (propriedade do governo russo), os assassinos foram presos e acusaram Boris Berezovski e Akhmed Zakaiev como possíveis clientes.[47] [ligação inativa]A morte por envenenamento radioativo de Alexander Litvinenko rendeu ainda mais acusações e críticas à autoridade de Putin, já que Litvinenko, também ex-agente do KGB, era um opositor e crítico de seu governo.[48][49] Apesar das críticas à sua posição autoritária, feitas principalmente pela imprensa internacional, Putin teve alto índice de aprovação entre os russos - 77% em julho de 2006.

Em 2007, diversas marchas de protestos foram organizadas por grupos da oposição, comandados pelo campeão de xadrez Garry Kasparov e pelo ativista Eduard Limonov. Desafiando as várias advertências das autoridades, os demais protestos, nas mais diversas cidades russas, foram suspensos pela polícia, terminando com mais de 150 pessoas presas.[50]

Putin com o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.

Um dos mais publicados discursos de Putin ocorreu em 10 de fevereiro de 2007, na Conferência de Munique sobre Política de Segurança, e tornou-se conhecido como o "Discurso de Munique", sendo citado pela imprensa como "a virada na política externa da Rússia". Observadores ocidentais afirmaram que este foi o discurso mais firme de um líder russo desde a Guerra Fria. O discurso também foi visto como uma forma que Putin achou para deixar claro o papel da Rússia na política internacional, um papel próximo daquele desempenhado pela União Soviética. O retorno a este "papel" é visto como uma das mais importantes conquistas do governo de Putin. O presidente russo acusou os Estados Unidos de estarem se utilizando da força para impor sua vontade sobre o mundo, além de promover uma nova corrida armamentista. Suas declarações foram rechaçadas indiretamente pelo secretário de segurança norte-americano, Robert Gates, dizendo que "uma guerra fria já havia sido suficiente".[51]

Em setembro de 2007, Viktor Zubkov foi indicado por Putin como o novo primeiro-ministro, substituindo Fradkov. Em Dezembro, o partido Rússia Unida conquistou 64% dos votos nas eleições para a Duma Federal. Essa vitória representou o forte apoio popular e confiança na então liderança da Rússia.

Primeiro-Ministro (2º mandato)[editar | editar código-fonte]

Putin como primeiro-ministro, ao lado do então presidente Dmitri Medvedev.

A constituição russa não permite um terceiro mandato, portanto Putin não pôde disputar as eleições de 2008. Em 8 de maio, no dia seguinte às eleições, Dmitri Medvedev, o presidente eleito, escolheu Putin como seu primeiro-ministro, de modo a manter o poder político de seu partido.

A crise financeira de 2008 afetou duramente a economia russa, interrompendo o fluxo de crédito barato e investimento do Ocidente. Este fato coincidiu com a tensão nas relações entre a União Europeia e os Estados Unidos logo após a Guerra na Ossétia do Sul em 2008, na qual a Rússia derrotou os EUA e a Geórgia, aliada da OTAN. Por outro lado, as largas reservas financeiras acumuladas nos anos em que o preço do petróleo estava em alta foram capazes de salvar o país e lidar com a crise, dando continuidade ao crescimento econômico do país. As medidas anticrise do governo russo vêm sendo elogiadas pelo Banco Mundial, que disse em seu relatório de Novembro: "Política fiscal prudente e reservas financeiras substanciais protegeram a Rússia de consequências mais profundas do choque externo."[52] O próprio Putin citou o modo como a Rússia conseguiu lidar com a avalanche de consequências da crise econômica mundial como um dos dois principais proveitos de seu segundo mandato como primeiro-ministro. O outro proveito terá sido a estabilização das taxas de crescimento da população russa no período 2008-2011, após um longo período de colapso demográfico, iniciado nos anos 1990.[53]

Protesto contra Putin em Moscovo, Fevereiro de 2012
Manifestação de apoio a Putin no estádio Lujniki em 23 de Fevereiro de 2012

No congresso do partido Rússia Unida em Moscou, ocorrido em Setembro de 2011, Medvedev propôs oficialmente que Putin se apresentasse como candidato nas eleições de 2012, proposta que Putin aceitou. Devido ao domínio quase que absoluto do Rússia Unida na política, muitos observadores acreditavam que Putin tinha o terceiro mandato nas mãos. Após as eleições parlamentares de Dezembro, dezenas de milhares de russos se juntaram a protestos contra supostas fraudes eleitorais, naqueles que foram os maiores protestos desde que Putin tornou-se figura principal na política russa. Os participantes do protesto criticaram Putin e o Rússia Unida, exigindo a anulação dos resultados das eleições. Segundo a imprensa russa, esses protestos, que foram organizados por líderes da oposição, suscitaram o medo de uma revolução colorida na sociedade, e diversos contra-protestos foram liderados por simpatizantes e partidários de Putin, superando os protestos da oposição.[54][55][ligação inativa][56][ligação inativa] Por ironia, a socialite Ksenia Sobchak, filha do padrinho político de Putin, Anatoli Sobchak, foi uma das celebridades que mais fortemente criticaram o governo de Putin nos protestos do final de 2011, manifestando sua indignação com seu terceiro mandato no dia de sua posse.[57]

Presidente (2012-2018)[editar | editar código-fonte]

3º mandato[editar | editar código-fonte]

Em 4 de março de 2012, Putin venceu as eleições presidenciais no primeiro turno, com 63% dos votos. Enquanto medidas extraordinárias foram tomadas para manter as eleições transparentes, incluindo o uso de webcams na grande maioria dos locais de votação, o resultado foi criticado pela oposição russa e por algumas organizações internacionais por irregularidades perceptíveis. Vários chefes de estado parabenizaram Putin pela vitória nas eleições. O presidente venezuelano Hugo Chávez congratulou pessoalmente Putin pela vitória, afirmando que o presidente russo é "uma força ativa por detrás dos laços estratégicos e de cooperação entre Venezuela e Rússia".[58] O ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, também parabenizou Putin, dizendo que está "certo de que, sob sua liderança, a Rússia continuará a trilhar o caminho de sucessos que vem alcançando nos planos interno e internacional e que a sólida parceria com o Brasil será aprofundada, intensificando o denso diálogo político que logramos consolidar nos últimos anos".[59]

Vladimir Putin assume o terceiro mandato, 7 de maio de 2012.

Protestos anti-Putin ocorreram durante e logo após a campanha presidencial. O protesto mais notório foi a performance do grupo Pussy Riot, em 21 de Fevereiro, e seu subsequente julgamento.[60] Outra manifestação de destaque ocorreu meses depois, quando por volta de 8 000-20 000 manifestantes protestaram em Moscou, em 6 de maio - dia anterior à posse presidencial - resultando em oito feridos e 450 presos.[61]

Putin tomou posse no complexo do Kremlin, em 7 de maio de 2012. Em seu primeiro dia como presidente, Putin passou 14 decretos presidenciais, sendo um deles um comprido artigo a respeito dos objetivos de longo prazo da economia russa. Outros decretos foram sobre educação, moradia, treinamento de trabalho especializado, relações com a União Europeia, indústria de defesa, relações interétnicas e outras áreas tratadas por Putin em seu programa político proposto em sua campanha presidencial.[62] Em dezembro de 2012, em retaliação à lei Magnitsky — que impôs sanções a oficiais russos acusados de violar os direitos humanos — sancionada pelos Estados Unidos, foi aprovada por Putin uma lei que proíbe cidadãos norte-americanos de adotarem crianças russas. Mais de 700 mil crianças vivem em orfanatos na Rússia. Nas últimas duas décadas, 70 mil órfãos russos foram adotados por famílias americanas.[63] A justificativa é que diversas crianças adotadas da Rússia morreram nos Estados Unidos ou foram devolvidas ao país, como foi o caso de Artem Saveliev, de sete anos, que foi colocado sozinho em um avião com destino a Moscou, e de Dima Iakovlev, que morreu após ser esquecido no carro por seu pai adotivo americano.[64][65] Quando questionado se não seria melhor permitir que as crianças russas fossem viver em países onde as condições de vida são melhores, Putin respondeu com sarcasmo: "Há provavelmente muitos lugares no mundo onde os padrões de vida são maiores do que os nossos. E então, vamos enviar todas as nossas crianças para lá? Talvez devamos nos mudar para lá nós mesmos?"[66]
Em 12 de junho de 2013, em pleno feriado nacional, milhares de pessoas reuniram-se em Moscou para protestar contra o governo de Putin.[67] Entre as exigências, estava a libertação dos manifestantes presos nas ondas de protestos em 2011 e 2012. Alguns dos cartazes apresentavam dizeres como: "Putin vergonha da Rússia" e "Abaixo a autocracia presidencial". Entre os manifestantes, era possível encontrar as tendências mais variadas.[68]

Em março de 2014, motivado pela crise política na Ucrânia, Putin enviou ao Soviete da Federação a proposta de uma intervenção militar na Crimeia, região de maioria russa, após apelo do primeiro-ministro. A proposta foi aceita pelo órgão superior, desagradando às autoridades ocidentais, que condenaram o ato, levando o presidente norte-americano, Barack Obama, a afirmar que “qualquer violação da integridade territorial e soberania da Ucrânia seria profundamente desestabilizadora, e representaria uma séria interferência em matérias que devem ser decididas pela população ucraniana”.[69] Para Putin, a intervenção foi a fim de proteger os cidadãos russos que compõem a maioria étnica da Crimeia, que havia se declarado independente antes de qualquer movimentação militar russa, devido à alegada perseguição da população russa por parte do governo extremista e nacionalista que havia tomado posse na Ucrânia. Putin declarou apoio aos separatistas russos das regiões de Donetsk e Lugansk, também regiões de maioria russa.[70][71] O povo da Crimeia festejou[72] o resultado do referendo, que se tornou polêmico devido ao fato da OTAN, o governo ucraniano e os EUA não terem aceitado o resultado, afirmando que havia sido feito de forma ilegal.[73]

4º mandato[editar | editar código-fonte]
Ajuda a refugiados ucranianos na Hungria em 2022
Em 9 de março de 2022, a Força Aérea Russa bombardeou o Hospital Maternidade N.o 3 , em Mariupol , Ucrânia. [74]

Putin ganhou as eleições presidenciais de 2018 com mais de 76% dos votos. O seu quarto mandato começou em 7 de maio de 2018 e durará até 2024.[75][76]

Em setembro de 2019, a administração de Putin interferiu os resultados das eleições regionais nacionais russas e manipulou-as, eliminando todos os candidatos da oposição. O evento que visava contribuir para a vitória do partido no poder, a Rússia Unida, também contribuiu para incitar protestos em massa pela democracia, levando a prisões em larga escala e a casos de brutalidade policial.[77]

Na sequência da Guerra Russo-Ucraniana, em fevereiro de 2022 Putin ordenou a invasão da Ucrânia, questionando seu direito de existir como país independente.[78] A invasão foi amplamente condenada pela comunidade internacional, e países membros da União Europeia e da OTAN lançaram uma nova rodada de sanções contra a Rússia, o que começou a desencadear uma crise financeira no país.[79] De acordo com o Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, em decorrência da guerra, quase três milhões de ucranianos fugiram do seu país até a segunda semana de março, em sua grande maioria mulheres e crianças. Cerca de um milhão e meio de pessoas tiveram de abandonar suas casas mas permaneciam no país, e cerca de doze milhões estavam carentes de assistência.[80] Em muitos países foram organizados protestos populares contra o ataque, enquanto que os protestos que aconteceram na Rússia foram reprimidos com prisões em massa.[81] Segundo a Anistia Internacional, o governo russo passou a perseguir dissidentes e impôs censura à imprensa, obrigando os veículos de informação domésticos a divulgarem apenas versões do conflito aprovadas pelo governo,[82] além de limitar ou bloquear o acesso dos cidadãos russos a veículos estrangeiros.[83]

Política[editar | editar código-fonte]

A foice e o martelo, ícones máximos da União Soviética, sob a bandeira pan-eslava, símbolo da Rússia independente, simbolizam o sincretismo político de Putin.

Política interna[editar | editar código-fonte]

A política interna de Putin, principalmente durante seu primeiro mandato, visou a criação de um "poder vertical". Em 13 de maio de 2000, ele sancionou um decreto dividindo as 89 subdivisões da Rússia entre 7 distritos comandado por representantes nomeados por ele próprio, de forma a facilitar a administração federal. Putin também desenvolveu uma política de crescimento das subdivisões: o número caiu de 89 em 2000 para os atuais 83, após a fusão dos okrugs com demais subdivisões próximas.

Em 2000, a Rússia foi dividida em sete distritos, pondo em prática o "poder vertical" proposto por Putin. Em 2010, o distrito Ciscáucaso (em roxo) foi criado, estabelecendo um novo distrito.

Em Julho de 2000, de acordo com uma lei proposta por Putin e aprovada pelo Soviete Federal, o presidente ganhou o direito de despedir chefes das subdivisões federais. Em 2004, as eleições para governadores por voto direto foi extinta. Esta jogada foi vista como necessária por Putin, para dar um fim às tendências separatistas e livrar-se daqueles governadores que estavam conectados com o crime organizado.[84] A medida, de fato, parece ter sido temporária, já que em 2012, segundo proposta do presidente Dmitri Medvedev, sucessor de Putin, as eleições para governadores foram reintroduzidas, e junto delas, as reformas de Medvedev também simplificaram o registro de partidos políticos e reduziram o número de assinaturas necessárias por candidatos partidos não-parlamentares para lançar candidatos independentes à presidência, afrouxando a rigidez e restrições impostas pela antiga legislação de Putin.[85] A rígida legislação eleitoral foi outro motivo para a crítica da mídia independente russa e de observadores estrangeiros, que a chamaram de "anti-democrática".

Em seu primeiro mandato, Putin se esforçou para inibir as ambições políticas de boa parte dos oligarcas russos, resultando no exílio ou prisão de muitos deles, como Boris Berezovski e Mikhail Khodorkovski. Intimidados, outros oligarcas logo se aproximaram do círculo de Putin.

Putin governou diante de uma intensa luta contra o crime organizado e o terrorismo que resultou em uma taxa de assassinatos duas vezes menor em 2011, assim como uma redução no número de ações de terroristas no final dos anos 2000.[86][87]

Putin também obteve êxito nos códigos das legislações sobre terra e impostos, e promulgou novos códigos acerca das legislações trabalhista, administrativa, criminal, comercial e civil. Sob a presidência de Medvedev, o governo de Putin implementou diversas reformas na área da segurança de estado, além da reforma na polícia e no exército.

Política econômica[editar | editar código-fonte]

A economia russa entre a queda da União Soviética e o governo de Medvedev, passando pela crise de 1998 e a recuperação sob Putin.

Sob a administração de Putin, a economia teve ganhos reais em uma média de 7% ao ano (2000: 10%, 2001: 5.1%, 2002: 4,7%, 2003: 7,3%, 2004: 7,2%, 2005: 6,4%, 2006: 8,2%, 2007: 8,5%),[88] fazendo da Rússia a 7ª maior economia mundial em poder de compra. O PIB nominal russo aumentou em seis vezes, subindo do 22º ao 10º maior do mundo. Em 2007, o PIB russo ultrapassou o da Rússia Soviética em 1990, provando que a economia foi capaz de superar os efeitos devastadores da recessão dos anos 1990, seguida da trágica moratória de 1998.[89]

Durante os oito anos de Putin na presidência, a indústria cresceu em 76%, os investimentos aumentaram em 125%[89] e a produção agrícola também aumentou. Lucros reais mais do que dobraram, e o salário mínimo mensal médio aumentou em sete vezes, de $ 80 (por volta de R$ 163) para $ 640 (por volta de R$ 1 300).[89][90] De 2000 a 2006, o volume do crédito para consumo aumento em 45 vezes, e o número de cidadãos pertencentes à classe média cresceu de 8 milhões para 55 milhões. O número de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza diminui de 30% em 2000 para 14% em 2008.[89]

Em 2001, Putin, que patrocinou políticas econômicas liberais, introduziu uma taxa única de imposto sobre a renda de 13%,[91] e a taxa corporativa também foi reduzida de 35% para 24%.[92] Pequenos negócios também receberam um melhor tratamento. O antigo sistema de altas taxas de impostos foi substituído por um novo sistema em que as companhias podem escolher entre uma taxa de 6% na receita bruta ou uma taxa de 15% nos lucros. A carga geral de impostos é menor na Rússia que na maioria dos países europeus, favorecendo com isso o capitalismo.[93][94]

Um conceito central na linha econômica de Putin foi a criação dos "campeões nacionais", que integravam companhias de setores estratégicos das quais não se espera somente a busca pelo lucro, mas também um "avanço nos interesses da nação". Como exemplo dessas companhias, estão a Gazprom, a Rosneft e a Corporação de Aviação Unificada.[95]

Parte da receita do petróleo foi para o fundo de estabilização, criado em 2004. O fundo permitiu à Rússia pagar todos os débitos restantes da União Soviética no ano de 2005. No início de 2008, o fundo foi dividido entre o Fundo de Reserva, estabelecido para proteger a Rússia de um possível choque da economia financeira, e o Fundo de Bem-Estar Nacional, cujos lucros serão usados para uma reforma nos auxílios do governo.[89] Contudo, a inflação continuou alta, tendo as estimativas de 2007 ultrapassado as dos anos anteriores e apresentando-se como um dos mais graves problemas econômicos da Rússia de Putin.[89]

Em dezembro de 2011, após 15 anos de negociações, a Rússia finalmente ingressou na Organização Mundial do Comércio. O acesso à OMC foi ratificado pelo parlamento na primavera de 2012.

Vladimir Putin em 2008.

Política energética[editar | editar código-fonte]

A riqueza em petróleo e gás da Rússia foi transformada no bem-estar do país e em influência internacional, e a Rússia foi frequentemente descrita na mídia como uma superpotência energética.[25] Putin verificou que o crescente aumento dos preços de exportação do petróleo e gás proporcionou um crescimento no orçamento, enquanto os preços, a produção e a exportação de gás e petróleo cresceram significantemente.

Putin colaborou com a grande parcela russa no mercado europeu de energia através da construção de oleodutos e gasodutos subterrâneos cruzando a Ucrânia e a Europa oriental. Os projetos de canalização apoiados por Putin incluem o fluxo azul, que através do Mar Negro liga a Rússia à Turquia, o fluxo norte, que liga a Rússia à Alemanha, sendo o gasoduto mais longo do mundo, construído no Mar Báltico, e o fluxo sul, que liga a Rússia aos Balcãs e à Itália, cruzando o Mar Negro. Ao comprar o gás turcomeno e desviá-lo para os seus próprios gasodutos, a Rússia acabou com o projeto Nabucco, apoiado pelos norte-americanos, que tinha por objetivo prejudicar o mercado energético da Rússia e acabar com a dependência européia do gás russo, construindo um gasoduto que levasse gás da Turquia para o restante da Europa.

De qualquer forma, a Rússia diversificou seu mercado exportador construindo o oleoduto transiberiano, expandindo o mercado à China, Japão e Coreia, além de ter construído o gasoduto Sacalina-Khabarovsk-Vladivostok no extremo oriente. No Golfo da Finlândia, a Rússia construiu um canal em Ust-Luga, conectado com os sistemas de canais do Báltico, o que permite a exportação do petróleo sem a necessidade de trânsito através dos portos dos países bálticos. A porcentagem de petróleo processado cresce gradativamente com a construção de refinarias de petróleo no Tartaristão e em outras regiões da Rússia.

Putin continuou com a construção de hidrelétricas, como a represa de Bureia e a represa do rio Angará, assim como a restauração da indústria nuclear russa, usando aproximadamente um trilhão de rublos (por volta de 86 bilhões de reais) do orçamento federal para o desenvolvimento da indústria nuclear anterior a 2015. Um grande número de estações nucleares estão sendo construídas, dentro e fora da Rússia, pela Rosatom, companhia estatal que controla a indústria atômica.

Política ambiental[editar | editar código-fonte]

Em 2004, o presidente Putin assinou o Protocolo de Kyoto, com o objetivo de reduzir os gases estufa. Contudo, a Rússia não enfrentou grandes desafios ou teve grandes prejuízos, porque o protocolo limita as emissões com base nas porcentagens de emissão de gases estufa no ano de 1990, e as emissões da Rússia caíram muito desde 1990, por conta da decadência econômica enfrentada após a queda da União Soviética.

Putin a bordo do navio Pedro, o Grande, no Mar de Barents, em 2005.

Putin supervisiona e promove pessoalmente programas de proteção para animais raros ou em perigo na Rússia, incluindo:[96]

Política religiosa[editar | editar código-fonte]

Putin com líderes religiosos da Rússia em 2001.

O Budismo, o Cristianismo Ortodoxo, o Islamismo e o Judaísmo, definidos pela lei como as religiões tradicionais da Rússia e parte da herança histórica da Rússia,[97] gozam de apoio estatal limitado na era Putin. A vasta construção e restauração de igrejas, iniciada na década de 1990, continuou sob Putin, e o estado permitiu o ensino religioso nas escolas (os pais têm a opção de que seus filhos aprendam os conceitos básicos de uma das religiões tradicionais ou ética secular). Sua abordagem na política religiosa foi caracterizada como um apoio às liberdades religiosas, mas também a tentativa de unificar diferentes religiões sob a autoridade do Estado. Na prática, o estado russo favorece a Igreja Ortodoxa Russa e pune e discrimina indivíduos e igrejas que se desviem da norma nacionalista, que é ditada pelo Estado.[98]

Em 2012, Putin foi homenageado em Belém e uma rua foi nomeada em seu nome após sua visita.[99]

Putin visitando a República de Tuva, na Sibéria, em 2007.

Putin frequenta regularmente os eventos mais importantes da Igreja Ortodoxa Russa nos principais feriados cristãos ortodoxos. Ele consolidou um bom relacionamento com os Patriarcas da Igreja Russa, o falecido Aleixo II de Moscou e o atual Cirilo I de Moscou. Como Presidente, participou ativamente na promoção do Ato de Comunhão Canônica com o Patriarcado de Moscou, assinado em 17 de maio de 2007, que restabeleceu as relações entre a Igreja Ortodoxa Russa de Moscou e a Igreja Ortodoxa Russa no Exterior após o cisma de 80 anos.[100]

O atual Patriarca Cirilo I é um aliado de longa data de Putin, e apoiou a expansão russa na Crimeia e no leste da Ucrânia. [101][102]Apesar de pedir a rápida restauração da paz, o Patriarca Cirilo I também se referiu aos adversários de Moscovo na Ucrânia como "forças do mal", afirmando que "não devemos permitir que forças externas obscuras e hostis se riam de nós." [103][104]

Putin e a Rússia Unida gozam de um elevado apoio eleitoral nas Repúblicas Nacionais da Rússia, em particular nas repúblicas de maioria muçulmana da Região do Volga e do Cáucaso do Norte.

Sob o comando de Putin, a chassídica Federação das Comunidades Judaicas da Rússia se tornou cada vez mais influente dentro da comunidade judaica, em parte devido à influência de empresários apoiados pela Federação mediados por suas alianças com Putin, notadamente Lev Leviev e Roman Abramovich.[105][106] De acordo com a JTA, Putin é popular entre a comunidade judaica russa, que o vê como uma força para a estabilidade. O principal rabino da Rússia, Berel Lazar, disse que Putin "prestou grande atenção às necessidades de nossa comunidade e nos tratou com um profundo respeito".[107] Em 2016, Ronald S. Lauder, presidente do Congresso Judaico Mundial, também elogiou Putin por tornar a Rússia "um país onde os judeus são bem-vindos".[108]

Organizações de direitos humanos e defensores da liberdade religiosa criticaram o estado da liberdade religiosa na Rússia. Em 2016, Putin supervisionou a aprovação de legislação que proibia a actividade missionária na Rússia. [109] Grupos minoritários religiosos não violentos foram reprimidos ao abrigo de leis anti-extremismo, especialmente as Testemunhas de Jeová. [110]

Política de Direitos Humanos[editar | editar código-fonte]

A Human Rights Watch num relatório intitulado Laws of Attrition, de autoria de Hugh Williamson, director britânico da Divisão Europa & Ásia Central da HRW, afirma que desde Maio de 2012, quando Putin foi reeleito presidente, a Rússia promulgou muitas leis restritivas, iniciou inspecções a organizações não governamentais, assediou, intimidou e aprisionou ativistas políticos, e começou a restringir as críticas. As novas leis incluem a lei dos "agentes estrangeiros", que é largamente considerada como um exagero ao incluir organizações russas de direitos humanos que recebem algum financiamento internacional, a lei da traição, e a lei da assembleia que penaliza muitas expressões de dissidência[111][112] Os ativistas dos direitos humanos criticaram a Rússia por censurar o discurso dos ativistas LGBT devido à "lei da propaganda gay" e à crescente violência contra pessoas LGBT devido à lei.[113][114][115][116]

Em 2020, Putin assinou uma lei sobre a rotulagem de indivíduos e organizações que recebem financiamento do estrangeiro como "agentes estrangeiros". A lei é uma expansão da legislação sobre "agentes estrangeiros" já adoptada em 2012.[117][118]

Assassinatos extrajudiciais e esquadrões da morte são comuns na Rússia, antes e depois de Putin.[119][120] Vários assassinatos de jornalistas, oposicionistas e defensores dos direitos humanos, no país e no estrangeiro, foram atribuídos a figuras do topo da administração pública. Em 2003, o jornalista de investigação Yuri Schekochikhin morreu misteriosamente de doença, causando especulações sobre a sua morte, tais como envenenamento.[121][122] Em 2003, o político liberal Sergei Yushenkov foi morto com três tiros pelas costas.[123] Em 2006, em Londres, o oposicionista Alexander Litvinenko foi morto por envenenamento com polónio-210.[124] Um inquérito britânico concluiu que Putin tinha "provavelmente" aprovado o seu assassinato pelos agentes do FSB (ex-KGB) Andrei Lugovoi e Dmitry Kovtun. A utilização de polónio-210 era "no mínimo um forte indicador do envolvimento do Estado", uma vez que a substância só é obtida num reator nuclear, dizia o relatório.[125] Em 2006, a jornalista de investigação Anna Politkovskaia foi morta a tiro no elevador da sua casa, no dia do aniversário de Putin.[126][127] Em 2009, o defensor dos direitos humanos Stanislav Markelov e a jornalista Anastasia Baburova foram mortos a tiros em Moscou.[128] Em 2015, o político da oposição Boris Nemtsov foi morto a tiro pelas costas perto do Kremlin[129] e Mikhail Lesin, fundador da RT (Russia Today) foi encontrado morto num quarto de hotel em Washington em Novembro. [130]

Em 2017, o jornalista Nikolay Andrushchenko foi espancado até à morte em São Petersburgo.[131] No dia 4 de março de 2018, o antigo agente duplo Sergei Skripal foi envenenado com Novichok em Salisbury, mas conseguiu sobreviver.[132][133] Já no dia 12 de março, Nikolai Glushkov, também um crítico de Putin, foi estrangulado em Londres.[134] A 23 de Agosto de 2019, em Berlim, Zelimkhan Khangoshvili, um dissidente checheno, foi morto com dois tiros na cabeça por Vadim Krasikov, um agente do FSB. O governo russo e o líder checheno Ramzan Kadyrov foram ambos ligados ao assassinato.[135][136][137]

Tem-se considerado que o envenenamento radioativo de Alexander Litvinenko estava ligado às forças especiais russas do ex-KGB. Os agentes dos serviços secretos dos EUA e do Reino Unido alegam que os assassinos russos, alguns possivelmente por ordem de Putin, estão por detrás de pelo menos catorze assassinatos selectivos em pleno solo britânico que na altura a polícia não considerou suspeitos.[138] O ministro alemão dos Negócios Estrangeiros Heiko Maas disse que havia "várias indicações" de que a Rússia estava por detrás do envenenamento de Alexei Navalny. com Novichok.

Em 2006, o governo russo aprovou leis autorizando os seus agentes a matar "inimigos do Estado" no estrangeiro.[138] A propósito do caso dos Skripal, o próprio Putin tinha sido bem claro, em declarações na televisão estatal: " "Os traidores vão morrer. Confiem em mim.(...) vão sufocar com aquelas trinta moedas de prata que lhes foram dadas".[139]

Desde o início do ano de 2022, foram notícia as estranhas mortes de seis oligarcas russos. Mikhail​ Watford foi encontrado morto em casa, no Reino Unido. Vasili ​Melnikov, mulher e filhos foram encontrados mortos, em Março, em Nijni Novgorod. Em Abril, Vladislav ​Avaiev, a mulher e a filha, de 13 anos, foram encontrados mortos em Moscovo; Serguei ​Protosenia, a mulher e a filha, de 18 anos, foram encontrados mortos em Espanha. Alexander Tiuliakov (em Fevereiro) e Leonid Shulman (em Janeiro) foram também encontrados mortos na Rússia.[140]

Política esportiva[editar | editar código-fonte]

Putin aplicando golpe de judô.

Em 4 de julho de 2007, Putin viajou à Guatemala e discursou a delegados do Comitê Olímpico Internacional por conta da escolha da cidade russa de Sochi como a sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, que foi a primeira edição do evento na Rússia. Em 2008, a cidade de Cazã venceu a escolha da cidade sede da Universíada de Verão de 2013, e em 2 de dezembro de 2010, a Rússia foi escolhida a sede da Copa do Mundo FIFA de 2018, outro evento que pela primeira vez aconteceu na Rússia entre 14 de junho e 15 de julho daquele ano.

Outros grandes eventos esportivos que o país foi escolhido para sediar incluem o Grande Prêmio da Rússia de Fórmula 1, em 2014, e o Campeonato Mundial de Hóquei no Gelo de 2016. Tanto em Sochi quanto em Kazan, a preparação para os eventos esportivos incluem a modernização da infraestrutura inteira da cidade, não somente no campo esportivo, mas no transporte, energia, comunicação, habitação e serviços públicos.

A dopagem nos desportos russos é um problema significativo. O problema do doping russo recebeu uma atenção generalizada em Dezembro de 2014, quando a empresa de televisão alemã ARD o noticiou e o comparou com o doping na RDA. Em Novembro de 2015, a Agência Mundial Anti-Doping (WADA) publicou um relatório que foi altamente crítico tanto para a Agência Russa Anti-Doping (RUSADA) como para a Federação Russa de Atletismo (VFLA).[141][142] No mesmo mês, a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) suspendeu temporariamente a Rússia de competições internacionais devido à dopagem generalizada.

A suspensão da Rússia por parte da IAAF foi confirmada em Junho de 2016. No mês seguinte, foram reveladas mais irregularidades no desporto russo, levando a Federação Internacional de Halterofilismo a suspender a Rússia de competições internacionais durante um ano. Além disso, a participação da Rússia nos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 foi questionada a partir de vários quadrantes. Os problemas de doping no desporto russo são considerados sistemáticos, duradouros e facilitados por várias partes do aparelho estatal.

A RUSADA admitiu finalmente em Dezembro de 2016 que a dopagem no país foi levada a cabo a nível institucional. No entanto, foi alegado que o governo russo não estava envolvido. Isto não impediu o COI de - com referência ao grande problema da dopagem - excluir mais tarde também a Rússia de participar nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018.

"Método do Desaparecimento Positivo" foi o nome dado a um sofisticado esquema que transformou em negativas pelo menos 312 amostras positivas de vinte desportos, e que era diretamente controlado e supervisionado pelo Ministério dos Desportos da Rússia, com assistência de laboratórios em Sochi e Moscou e organismos governamentais como a FSB (nome actual da KGB).[143][144]

Putin afirmou que as alegações de doping contra os atletas do seu país faziam parte de uma "política anti-Rússia" por parte do Ocidente.[145][146]

Política externa[editar | editar código-fonte]

Relações com as ex-Repúblicas Soviéticas[editar | editar código-fonte]

Uma série de revoluções coloridas nas ex-repúblicas soviéticas, nomeadas Revolução Rosa na Geórgia em 2003, Revolução Laranja na Ucrânia em 2004 e Revolução das Tulipas no Quirguistão em 2005, friccionaram as relações desses países com Rússia. Em dezembro de 2004, Putin criticou as revoluções Rosa e Laranja, dizendo: "Se você tem revoluções permanentes, você corre o risco de mergulhar o espaço pós-soviético em conflitos intermináveis".[147]

Putin e o então Presidente da Geórgia Mikheil Saakashvili em 2008.

Uma série de disputas econômicas entraram em erupção entre a Rússia e alguns vizinhos, como a proibição da importação russa do vinho da Geórgia. E em alguns casos, como os litígios de gás entre a Rússia e Ucrânia, os conflitos econômicos afetaram outros países europeus, por exemplo, quando uma disputa de gás de janeiro de 2009 com a Ucrânia fez a empresa estatal russa Gazprom interromper suas entregas de gás natural para a Ucrânia,[148] deixando uma série de países europeus, para quem a Ucrânia transita gás russo, com grave escassez de gás natural.[148]

Os planos da Geórgia e da Ucrânia para se tornarem membros da OTAN causaram algumas tensões entre a Rússia e esses países.[149] Em 2010, a Ucrânia abandonou esses planos.[150] Putin alegadamente declarou em uma cúpula entre a OTAN e a Rússia em 2008 que, se a Ucrânia se unisse à OTAN, a Rússia poderia defender a anexação do leste ucraniano e da Crimeia.[151] No encontro ele disse ao presidente dos Estados Unidos , George W. Bush, que "a Ucrânia nem sequer é um país!" enquanto no ano seguinte Putin se referiu à Ucrânia como "Pequena Rússia".[152] Após a revolução ucraniana de 2014 em março de 2014, a Federação Russa anexou a Crimeia.[153][154][155] Segundo Putin, isso foi feito porque "a Crimeia sempre foi e permanece sendo uma parte inseparável da Rússia".[156] Após a anexação russa da Crimeia, ele disse que a Ucrânia inclui "regiões do sul histórico da Rússia" e "foi criada por capricho dos bolcheviques".[157] Ele continuou a declarar que a derrota de fevereiro de 2014 do presidente ucraniano Víktor Yanukóvytch tinha sido orquestrada pelo Ocidente como uma tentativa de enfraquecer a Rússia. "Os nossos parceiros ocidentais cruzaram uma linha, se comportaram de forma grosseira, irresponsável e pouco profissional", disse Putin, acrescentando que as pessoas que chegaram ao poder na Ucrânia eram "nacionalistas, neonazistas, russófobos e antisemitas".[157] Em um discurso de julho de 2014, no meio de uma insurgência armada no leste da Ucrânia, Putin afirmou que usaria o "arsenal inteiro" da Rússia e "o direito à autodefesa" para proteger os russos fora da Rússia.[158]

No final de agosto de 2014, Putin afirmou: "As pessoas que têm suas próprias opiniões sobre a história e a história do nosso país podem discutir comigo, mas me parece que os povos russo e ucraniano são praticamente um povo".[159] Depois de fazer uma declaração semelhante no final de dezembro de 2015, Putin disse: "a cultura ucraniana, bem como a literatura ucraniana, certamente têm uma fonte própria".[160]

A União Eurasiática com os atuais membros: Rússia, Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão e Quirguistão.

Em agosto de 2008, o presidente georgiano Mikheil Saakashvili tentou restaurar o controle sobre a região separatista de Ossétia do Sul. No entanto, o exército georgiano foi logo derrotado na resultante Guerra da Ossétia do Sul em 2008, depois que as forças regulares russas entraram na Ossétia do Sul e depois na Geórgia propriamente dita, e também abriram uma segunda frente na outra província separatista da Abecásia junto às forças abecásias.[161][162] Durante este conflito, de acordo com o diplomata francês Jean-David Levitte, Putin pretendeu depor o presidente georgiano e declarou: "Vou pendurar Saakashvili pelas bolas".[163]

Apesar das tensões existentes ou passadas entre a Rússia e a maioria das ex-repúblicas soviéticas, Putin seguiu a política de integração euro-asiática (eurasianismo). Putin endossou a ideia de uma União Eurasiática em 2011,[164][165][166] O conceito foi proposto pelo presidente do Cazaquistão em 1994.[167] Em 18 de novembro de 2011, os presidentes da Bielorrússia, do Cazaquistão e da Rússia assinaram um acordo determinando o objetivo de estabelecer a União Eurasiática até 2015.[168] A União Eurasiana foi criada em 1 de janeiro de 2015.[169]

Em 24 de Fevereiro de 2022, Putin, num discurso televisionado, anunciou uma "operação militar especial" lançando uma invasão militar em grande escala da Ucrânia.[170][171]

Vladimir Putin é o Comandante Supremo das Forças Armadas da Federação Russa.

Relações com a OTAN e os Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

As relações da Rússia com a OTAN e os Estados Unidos passaram por diversos passos. No primeiro mandato de Putin, as relações eram de cautela. Após o ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001, Putin apoiou os Estados Unidos na Guerra ao Terror — foi quando a oportunidade de uma parceria apareceu. Sob Putin, a Rússia modificou suas relações com os Estados Unidos e Reino Unido, já que adotou uma postura mais independente, caracterizada pela política de não-intervenção, contrária à dos norte-americanos e britânicos.[172][173]

Contudo, os Estados Unidos responderam com a expansão das áreas militarizadas da OTAN em direção das fronteiras russas, resultando no cancelamento unilateral do Tratado sobre Mísseis Antibalísticos, o ABM, assinado em 1972 pelos então presidentes Brezhnev e Ford. De 2003 em diante, quando a Rússia foi contra a Guerra do Iraque e Putin tornou-se menos próximo do Ocidente em suas decisões, as relações continuaram a deteriorar-se. De acordo com o especialista Stephen Cohen, a posição da imprensa norte-americana, seguindo os passos da Casa Branca, tornou-se profundamente anti-Putin, saturada de acusações que Putin seria o culpado de problemas que na realidade já afetavam a Rússia desde os anos 1990, e afirmando que Putin foi pessoalmente responsável pelo assassinato de vários opositores políticos, como a jornalista Anna Politkovskaia e o agente desertor do KGB em Londres, Alexander Litvinenko.[174]

Barack Obama e Vladimir Putin em 2009.

Em Fevereiro de 2007, na conferência anual da cidade de Munique sobre política de segurança, Putin criticou abertamente aquilo que ele chamou de monopólio de domínio dos Estados Unidos nas relações internacionais, e o "uso excessivo de força nas relações internacionais". Ele também afirmou que o resultado disso é que "ninguém se sente seguro, porque ninguém é capaz de ver o Direito internacional como uma muralha capaz de nos proteger. É claro que uma política deste tipo estimula uma corrida armamentista".[175] Neste discurso, que ficou mundialmente conhecido pelo desafio feito à OTAN por parte da Rússia, país que chefiava o antigo Pacto de Varsóvia, Putin pediu por uma "ordem mundial justa e democrática, que garanta segurança e prosperidade não para poucos, mas para todos". Suas afirmações foram recebidas com críticas por alguns delegados, como o ex-secretário da OTAN Jaap de Hoop Scheffer, que chamou o discurso de "decepcionante e nada útil".[176] Anteriormente, durante uma entrevista, em Janeiro de 2007, Putin disse que Rússia é favorável a um mundo democrático e multipolar, com o fortalecimento do Direito internacional. Os meses seguintes ao discurso de Putin em Munique foram marcados por tensão e o surgimento de críticas entre os dois países. Tanto as autoridades russas como americanas negaram a ideia de uma nova Guerra Fria.

Putin se opôs publicamente aos planos dos Estados Unidos em criar um escudo de mísseis na Europa e, em 7 de junho de 2007, apresentou ao presidente George W. Bush uma contra-proposta, pela modernização e compartilhamento da estação de radar de Qabala, no Azerbaijão, ao invés da construção de um novo sistema na República Tcheca, de acordo com os planos de Bush. Putin disse que não seria necessário aplicar mísseis interceptores na Polônia, já que seria melhor situar os mísseis na Turquia, membro da OTAN, ou no Iraque. Putin sugeriu o envolvimento de todos países europeus interessados no projeto. A proposta foi recusada. A Rússia suspenderia a sua participação no Tratado das Forças Armadas Convencionais Europeias em 11 de dezembro de 2007.[177]

Vladimir Putin também se opôs fortemente à secessão de Kosovo da Sérvia. Ele disse que qualquer apoio a este ato seria "imoral" e "ilegal". Ele descreveu a declaração de independência de Kosovo como um evento terrível que atingirá o Ocidente "na cara". Ele ainda afirmou que os acontecimentos em Kosovo irão destruir todo o sistema de relações internacionais, desenvolvido através de séculos.[178]

Em 2014, em meio à crise política na Ucrânia, Putin considerou uma intervenção militar na Crimeia, cuja maioria da população é russa e onde o presidente deposto, Viktor Yanukovich, seu aliado, havia fugido. Além disso, homens armados não identificados a favor da Rússia haviam tomado prédios públicos e aeroportos da região, onde se localiza a frota marítima russa do Mar Negro. Em 1 de março, o Soviete da Federação aprovou a ação militar, enviando 2.000 homens à região, após apelo do primeiro-ministro. A chefe do Soviete, Valentina Matvienko, afirmou que "“a Rússia não pode ficar indiferente ao fato de as vidas dos russos na Crimeia estarem em perigo”. Em Donetsk, outra cidade de maioria russa, milhares de cidadãos saíram às ruas para apoiar a Rússia.[179][180] O presidente americano, Barack Obama, entretanto, alertou Putin com relação aos riscos dessa invasão.[69]

Delegações dos EUA, chefiada por Donald Trump e da Rússia chefiada por Putin, durante a Cúpula Estados Unidos-Rússia (Helsinque, 16 de julho de 2018)

Com a tragédia do Voo Malaysia Airlines 17, que foi abatido na Ucrânia, o governo russo foi acusado de entregar armamentos avançados aos rebeldes separatistas e fornecer treinamento para que eles usassem estes equipamentos.[181] Putin negou que seu governo estivesse apoiando os separatistas e afirmou que as acusações eram precipitadas.[182] Ele também afirmou que iria exigir que os separatistas permitissem o acesso de especialistas internacionais ao local da queda do avião. O presidente russo ainda declarou que "ninguém deveria e ninguém tem o direito de usar esta tragédia para atingir fins políticos próprios", completou dizendo que "tais eventos não deveriam separar as pessoas, mas uni-las".[183]

Integrantes do governo estadunidense acusaram-no de liderar a interferência russa na eleição presidencial nos Estados Unidos em 2016, contra Hillary Clinton e a favor da candidatura de Donald Trump, alegação que tanto Trump quanto Putin frequentemente negam e criticam.[184][185][186] Antes de depor perante um comitê do senado dos Estados Unidos, criado para investigar tal interferência, Victoria Nuland, ex-embaixadora dos EUA na OTAN, descreveu a si mesma como "um alvo rotineiro de medidas ativas russas".[187]

Relações com o Reino Unido[editar | editar código-fonte]

Em meados dos anos 2000, a crise que se emergiu nas relações entre Rússia e Reino Unido se originou da decisão britânica em oferecer asilo político ao inimigo político de Putin, o oligarca Boris Berezovski, em 2003.[188] O Reino Unido também ofereceu asilo político a diversos cidadãos fugitivos da Rússia, como o líder rebelde da Chechênia, Akhmed Zakaiev.

Putin participando do Conselho de Segurança da ONU.

Em 2006, foi descoberto que o Reino Unido estava espiando a Rússia através de uma rocha falsa, localizada na rua e contendo equipamentos eletrônicos que permitiam a diplomatas britânicos receber e transmitir informações. O serviço secreto russo, o FSB, ligou a pedra a alegações de que os britânicos estariam fazendo pagamentos secretos a grupos de defesa dos direitos humanos, e no mesmo ano em que Putin introduziu uma lei que restringia as ONGs russas de defesa dos direitos humanos de receber dinheiro do exterior. O resultado foi o fechamento de diversas ONGs.[189] Em 2006, a oposição liberal da Rússia acusou o FSB de ter plantado a rocha espiã,[190] mas em 2012, Jonathan Powell, ex-assessor do primeiro-ministro britânico Tony Blair, confirmou que a história da rocha é verdadeira.[191]

O fim de 2006 deixou as relações ainda mais tensas entre os dois países, com a morte do ex-agente fugitivo do KGB, Alexander Litvinenko, envenenado por polônio em Londres. Andrei Nekrasov e Alexander Goldfarb, que também é chefe de uma fundação comandada por Berezovski, fizeram queixas contraditórias de que Litvinenko teria ditado um testamento ao seu advogado — ou concordado com um testamento feito por Goldfarb — no qual Putin era acusado diretamente de seu assassinato.[192] Críticos duvidaram que Litvinenko seja o verdadeiro autor do testamento mostrado.[193] Quando questionado sobre as supostas acusações de Litvinenko, Putin disse que um testamento escrito após a morte do autor "por si só não merece comentários", e apresentou sua convicção de que toda a história foi usada para fins políticos.[194] Em 2012, quando a viúva de Litvinenko admitiu que seu marido trabalhara para o serviço secreto britânico, o pai de Litvinenko disse que os serviços secretos russos tinham o direito de executar traidores, e lamentou a participação do filho "na obscura campanha contra a Rússia em geral e o presidente Putin em particular".[191]

Em 2007, a crise terminou com a expulsão de quatro cônsules russos do Reino Unido, por conta da Rússia ter recusado o pedido de extraditar do ex-guarda-costas do KGB Andrei Lugovoi, para que fosse julgado no Reino Unido por seu envolvimento no assassinato de Litvinenko.[188] A constituição russa proíbe a extradição de cidadãos russos para outros países. Como represália ao ato britânico, a Rússia expulsou diplomatas britânicos e anunciou que suspenderia a emissão de vistos para autoridades britânicas e congelaria a cooperação contra o terrorismo, em resposta à suspensão dos contatos britânicos com o FSB. Mais tarde, Lugovoi se tornaria um deputado na Duma Federal, ganhando imunidade contra processos na Rússia. Em 10 de dezembro de 2007, o embaixador britânico em Moscou, Tony Brenton, reagiu dizendo que "é uma pena que um homem acusado de um assassinato ganhe privilégios políticos. Não faz nada bem à Rússia ter Lugovoi no parlamento, isso torna tudo ainda mais suspeito".[195] No mesmo dia, a Rússia pediu ao British Council que parasse suas atividades no país.[196]

Relações com a China[editar | editar código-fonte]

Putin com o ex-presidente chinês Hu Jintao.

A Rússia de Putin mantém laços fortes e positivos com os demais países dos BRICS. O país tem se esforçado para fortalecer esses laços principalmente com a República Popular da China, assinando o Tratado de Amizade, em 2001, e com a construção do oleoduto transiberiano que vem sanar a necessidade de energia da China.[197] A cooperação de segurança mútua entre os dois países e os vizinhos da Ásia Central é garantida pela Organização para Cooperação de Xangai, criada em 2001 na cidade de Xangai por Putin e os líderes da China, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão e Usbequistão.

O anúncio feito durante o encontro da OCX — de que a Rússia estabeleceria uma base permanente para voos de bombardeiros de longa distância em operações unificadas com militares chineses, e pela primeira vez em território russo — fez com que especialistas acreditassem que Putin está preparando um bloco para se opor à OTAN.[198] Quanto à comparação, Putin respondeu que "é inapropriada tanto em forma quanto em conteúdo".[199]

Relações com a América Latina[editar | editar código-fonte]

Em 2001, um comitê de alto nível comandado pelo então vice-presidente do Brasil, Marco Maciel, e o primeiro-ministro da Rússia, Mikhail Kassianov, estabeleceu vários tratados bilaterais de longo prazo, iniciando uma parceria estratégica entre os dois países, criando a Comissão Governamental Rússia-Brasil.

Putin foi um dos poucos líderes europeus aliados ao presidente venezuelano Hugo Chávez.

Seguindo este caminho, outro vice-presidente brasileiro, José Alencar, viajou a Moscou em Setembro de 2003 para encontrar-se com o presidente Vladimir Putin e seus principais assessores. Os dois países assinaram um importante acordo na área de tecnologia espacial, defesa de mísseis e transferência de armamentos. Em resposta ao convite feito pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Putin visitou o Brasil em 22 de novembro de 2004. Em 18 de outubro de 2005, durante uma visita do presidente Lula a Moscou, ele e Putin assinaram uma aliança estratégica entre Brasil e Rússia. No mesmo dia, assinaram o acordo que permitiu que a Agência Espacial Brasileira pudesse levar ao espaço o primeiro astronauta brasileiro, Marcos Pontes, a bordo da Soyuz TMA-8. Em 26 de novembro de 2008, durante uma visita ao Brasil, o presidente Dmitri Medvedev assinou com Lula uma isenção de vistos e acordos de cooperação nas indústrias aeroespacial, nuclear e de defesa. O segundo encontro dos BRICS ocorreu em Brasília, seguido do primeiro que acontecera na Rússia.[200]

Putin e seu sucessor, Dmitri Medvedev, mantiveram boas relações com a Venezuela de Hugo Chávez, muito provavelmente por conta do comércio de material bélico — desde 2005 a Venezuela comprava mais de quatro bilhões de dólares em armamentos da Rússia.[201] Em Setembro de 2008, a Rússia enviou bombardeiros Tupolev Tu-160 para a Venezuela.[202] Em Novembro de 2008, os dois países participaram de exercícios navais conjuntos no Caribe. Anteriormente, em 2000, Putin havia restabelecido as boas relações com Cuba de Fidel Castro.

Relações com o Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

Líbia[editar | editar código-fonte]

Putin com o líder líbio Muammar Gaddafi. Os dois líderes pretendiam estabelecer um grupo alternativo de países produtores de petróleo.

Em abril de 2008, Putin visitou a Líbia, onde encontrou o líder Muammar Gaddafi, que aceitou a ideia da criação de um grupo composto por países exportadores de gás, no modelo da OPEC.

Com o início da Guerra Civil Líbia, Putin condenou as intervenções militares do país, considerando a resolução da ONU como "defeituosa e falha", declarando que ela "permite tudo e faz lembrar as Cruzadas medievais."[203] Durante todo o episódio, Putin condenou as medidas tomadas pela OTAN. Ao saber da morte de Gaddafi, Putin denominou o ato como um "homicídio planejado", questionando "Eles mostraram ao mundo todo como Gadaffi foi morto. Havia sangue por todos os lados. É isso que eles chamam de Democracia?".[204][205]

Síria[editar | editar código-fonte]

Segundo o correspondente Dmitri Trenin, do New York Times, entre 2000 e 2010, a Rússia de Putin vendeu cerca de US$1,5 bilhão de dólares em armamentos para a Síria, fazendo de Damasco o sétimo maior cliente de Moscou.[206]

Durante toda a Revolução Síria, a Rússia ameaçou vetar quaisquer sanções contra o governo sírio, continuando a vender armas para o governo de Bashar Al-Assad.

Putin se opôs contra qualquer intervenção estrangeira. Em Paris, no dia 1 de junho de 2012, ele rejeitou a declaração do presidente François Hollande, exigindo que Assad se retirasse. Putin propagou o discurso governista do governo de Assad de que os militantes contrários ao regime eram muito mais responsáveis pelo banho de sangue do que as próprias forças sírias e adeptos do governo. Putin questionou: "Quantas pessoas pacíficas terão sido mortas pelos ditos militantes? Vocês contaram? Há ainda centenas de vítimas." Ele também se posicionou a respeito das antigas intervenções da OTAN e os seus resultados, questionando novamente: "O que está acontecendo na Líbia, no Iraque? Eles se tornaram mais seguros? O que eles estão planejando? Ninguém sabe."[207] Apesar disso, ele ofereceu a renúncia do presidente em troca da pacificação do país com uma transição controlada em 2012.[208][209]

Em 17 de junho de 2013, na cúpula do G8 na Irlanda do Norte, Putin encontrou-se com o colega americano Barack Obama. O presidente dos EUA afirmou que os dois teriam visões diferentes sobre a guerra civil na Síria, mas compartilham do interesse em parar a violência e garantir que armas químicas não sejam usadas. Obama também afirmou que as equipes americanas e russas estariam trabalhando por uma conferência de paz sobre a Síria, que deveria ocorrer na Suíça. O presidente americano também convidou Putin a avançar no diálogo com o Irã, criticado pelos EUA e apoiado pela Rússia, após a eleição do candidato moderado Hassan Rohani.[210]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Vladimir Putin casando-se com sua esposa Ludmila.

Putin foi casado com Ludmila Putina, que conheceu na universidade. Putin e Ludmila viveram na Alemanha entre 1985 e 1990. Pouco antes de voltar à União Soviética, houve rumores que Putin estaria envolvido com uma espiã alemã, e teria inclusive deixado uma criança para trás. Em 6 de junho de 2013, Putin e Ludmila anunciaram o divórcio ao vivo pela televisão russa.[211] Por vários anos antes da confirmação do divórcio, Ludmila já não era vista ao lado de Putin com frequência, dando sinais de que o casal estava prestes a se separar. A última vez que ela foi vista publicamente, ainda como esposa do presidente, foi em maio de 2012, na cerimônia de posse de Putin para o terceiro mandato.

Putin teve duas filhas com a ex-esposa: Maria Putina (nascida em Leningrado, 1985) e Ekaterina Putina (nascida em Dresden, Alemanha Oriental, 1986). Suas filhas cresceram na Alemanha Oriental e estudaram em escolas alemãs em Moscou, até a posse do pai como Primeiro-Ministro. Futuramente, elas estudariam economia internacional na Academia de Finanças de Moscou. Fotografias de suas filhas são raramente divulgadas pela imprensa russa, por razões de segurança, e diferentemente da família Iéltsin, a família Putin não possui uma foto familiar para fins oficiais.[212]

É pai de Luiza Rozova nascida em 3 de março de 2003 em São Petersburgo, fruto de uma relação com a sua ex-funcionária Svetlana Krivonogikhestá. A mãe passou de empregada a multimilionária sócia de um dos maiores bancos russos.[213]

Em março de 2022, o jornal britânico Daily Star divulgou que de acordo com relatórios do Pentágono e da Ucrânia, Putin estaria com câncer terminal no intestino.[214] No entanto, tal afirmativa foi "sugerida" por Putin apresentar aspectos de que estaria "fazendo uso de medicamentos quimioterápicos ou esteróides" após ser visto com o "rosto inchado" durante o período de invasão à Ucrânia.[215]

Riqueza pessoal[editar | editar código-fonte]

Vladimir Putin a bordo de seu iate privado na baía de Sydney.

Cálculos de 2007 estipulam que a riqueza de Putin é de aproximadamente 3,7 milhões de rublos (cerca de R$ 206,5 mil) em contas bancárias, um apartamento de 77 m² em São Petersburgo, 260 ações do Banco de São Petersburgo[216] e dois automóveis Volga M21 dos anos 1960 herdados de seu pai, mas que não são registrados para uso rodoviário. Em 2012 Putin declarou uma renda de 3,6 milhões de rublos (cerca de de R$ 200,9 mil). O relatório fez com que líderes da oposição, como Boris Nemtsov, questionassem como Putin é capaz de manter certas posses, como seus 11 relógios de luxo com valor estimado de US$ 700 mil (cerca de R$ 2,8 milhões).[217]

Em 2017, a fortuna de Putin foi estimada em cerca de US$ 200 bilhões de dólares, entre contas bancárias no exterior e bens, muitos adquiridos supostamente de maneira ilícita, como mansões e superiates.[218][219][220] Quando questionado em uma conferência de imprensa, em 14 de fevereiro de 2008, se ele era a pessoa mais rica da Europa, como alguns jornais afirmaram, Putin respondeu: "Sim, sou o homem mais rico não somente da Europa, como também do mundo, eu acumulo emoções, eu sou rico e satisfeito pelo fato de o povo russo ter me confiado duas vezes a liderança de um país tão glorioso como a Rússia, e eu considero que essa é a minha maior riqueza. Quanto aos rumores sobre riqueza material, eu olhei esses documentos, e isso é papo furado, indigno de discussão, pura besteira. Eles enfiaram o dedo nos narizes deles e mancharam esses papéis com a sujeira que saiu. É isso que eu acho".[221]

A 19 de Janeiro de 2021, foi publicada uma investigação do opositor Navalny e da FBK (Fundação Anti Corrupção, uma ONG) acusando Putin de utilizar fundos obtidos fraudulentamente para construir uma enorme propriedade para si próprio perto da cidade de Gelendzhik em Krasnodar Krai, naquilo a que ele chamou "o maior suborno do mundo".

Vista do pátio interior do alegado palácio de Putin.

O assunto foi noticiado pela primeira vez em 2010 após o empresário Sergei Kolesnikov, que estava envolvido no projecto, ter dado detalhes sobre o mesmo. Segundo a investigação, a propriedade tem 39 vezes o tamanho do Mónaco, com o Serviço Federal de Segurança (FSB, a sucessora do KGB) possuindo 70 quilómetros quadrados de terreno à volta do palácio, e a construção custou mais de 100 mil milhões de rublos (1,35 mil milhões de dólares).[222] Foram exibidas imagens aéreas da propriedade obtidas por um drone, e uma planta detalhada do palácio que a Navalny e o FBK disseram ter sido dada por um empreiteiro, o que foi comparado com fotografias do interior do palácio que foram divulgadas na Internet em 2011. A investigação também pormenorizou um elaborado esquema de corrupção, alegadamente envolvendo o círculo interno de Putin, que teria permitido a Putin esconder biliões de dólares para construir a propriedade. A equipa da Navalny também disse que conseguiu confirmar a informação sobre as alegadas amantes de Putin, Svetlana Krivonogikh e Alina Kabaeva.[223][224] O vídeo da Navalny no YouTube obteve mais de 20 milhões de visualizações em menos de um dia. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, numa conferência de imprensa, chamou à investigação um "esquema" e disse que os cidadãos deveriam "pensar antes de transferir dinheiro para esses bandidos".[225]

Navalny comentou: "Existem vedações inexpugnáveis, o seu próprio porto, a sua própria segurança, uma igreja, o seu próprio sistema de acesso, uma zona de interdição de voo e até o seu próprio posto de controlo fronteiriço. É um estado absolutamente separado dentro da Rússia".[223]

Artes marciais[editar | editar código-fonte]

Putin é conhecido praticante de artes marciais. Pratica sambo (graduado como mestre - faixa azul) e judô (faixa preta, sexto dan).[226]

Embora não seja o primeiro político praticante de artes marciais, é o que possui os melhores resultados. Em função destes resultados, possui os títulos honorários de presidente da Federação Internacional Amadora de Sambo (FIAS)[227] e da Federação Internacional de Judô (FIJ)[228]

Música e Pintura[editar | editar código-fonte]

Em Dezembro de 2010, em um concerto organizado para uma fundação de caridade para crianças de São Petersburgo, Putin tocou no piano a canção popular russa Pátria, que era a música tema do seriado de espionagem favorito de Putin. No mesmo evento, ele cantou em inglês a canção Blueberry Hill, de Fats Domino, em um auditório formado por diversos astros europeus e de Hollywood, como Kevin Costner, Kurt Russell, Sharon Stone, Alain Delon e Gérard Depardieu.[229]

Um quadro pintado por Putin em 2008, sob o nome "Узор на заиндевевшем окне", foi vendido, em São Petesburgo, por 37 milhões de rublos (860 000 euros). A pintura foi feita para uma coleção de pinturas de personalidades russas famosas. Os pintores escolhidos deveriam ilustrar uma das letras do alfabeto russo, de modo a ligar o quadro ao conto Véspera de Natal, de Nikolai Gogol, que naquele ano celebraria seus 200 anos. O ano de finalização da pintura, que ilustrava uma janela coberta de neve entre uma cortina de estilo ucraniano, coincidiu com a disputa de gás entre Rússia e Ucrânia, responsável por deixar diversos países europeus sem gás, em pleno Janeiro.[230]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

As fotos em tronco nu de Vladimir Putin foram descritas como uma forma de propaganda.[231][232]

Putin cultiva uma imagem pública de actividade ao ar livre, desportiva e dura, demonstrando a sua destreza física e participando em actos invulgares ou perigosos, tais como desportos radicais e interacção com animais selvagens, parte de uma abordagem de relações públicas que, segundo a Wired, "cultiva deliberadamente a imagem de macho, super-herói".[233] Por exemplo, em 2007, o tablóide Komsomolskaya Pravda publicou uma enorme fotografia de férias de Putin, de tronco nu, nas montanhas siberianas sob a manchete: "Seja como Putin".[234] Algumas das actividades foram criticadas por serem encenadas.[235]

O seu governo geralmente é comparado e descrito por alguma mídia especializada pro-Putin com as administrações ao longo da história norte-americana, como os governos de Abraham Lincoln e de Franklin Delano Roosevelt. De acordo com Caleb Maupin, tal como Lincoln, tinha uma visão moralista e cristã da política, ignorou partes da constituição americana para suprimir a autonomia local, rivalizou com as elites exportadoras tradicionais do país e com a elite do sistema financeiro, tomou posse como um político moderado e conciliador, concordando entrar para a política por causa da persuasão de seus admiradores. Também ambos se basearam em uma aliança com o Estado Russo, cujo czar também havia abolido a servidão em 1861, cooperando com Lincoln para contrapor a um apoio britânico aos confederados. Ambos se ancoravam em movimentos sociais da época, sejam eles esquerdistas ou radicais, embora nenhum dos dois seja marxista ou socialista, mas críticos ao capitalismo sem fiscalização, segundo Maupin. Ambos os governo são hoje considerados populares em seus países e são demonizados pela mídia durante vários anos.[236] Outros autores comparam as políticas dele com a tática conservadora de Nixon.[237][ligação inativa]

As comparações entre o seu governo e o do Roosevelt estão no campo da economia e das relações internacionais, sendo que, ainda segundo Caleb Maupin, ambos os governos tiveram que lidar com crises econômicas anteriores a suas posses e buscaram alianças políticas para resolver guerras da época na base do consenso, tributaram as elites, fiscalizaram o setor financeiro, investiram na indústria de base, rejeitaram a russofobia e tiveram apoio amplo de setores progressistas e de esquerda e enfrentaram fascistas.[236]

José Milhazes comenta a opinião corrente de que Putin pôs fim ao regime oligárquico na Rússia, que não passaria de um dos vários mitos criados pelos órgãos de informação controlados pelo governo russo. Putin não pôs fim a esse regime, antes substituiu alguns dos oligarcas e acrescentou outros à casta - os seus aliados e favoritos.[238]

Putinismos[editar | editar código-fonte]

Putin em uma de suas conferências anuais, conhecidas como linhas-diretas.

Assim como o primeiro-ministro Victor Chernomyrdin, cujas inúmeras declarações atrapalhadas e gafes verbais ficaram mundialmente conhecidas, Putin produziu um grande número de aforismos e bordões, conhecidos como putinismos. Vários deles foram criados durante suas conferências anuais de perguntas e respostas, em que Putin responde questões de jornalistas e do auditório, assim como de russos espalhados pelo país, que ligam pessoalmente ou se comunicam através de estúdios localizados em toda a Rússia. Putin é conhecido pela sua linguagem forte, direta e afiada. Os exemplos mais populares de putinismos incluem:

  • Мочить в сортире."Arrebentar na latrina". Um dos putinismos mais antigos, criado em setembro de 1999, quando Putin prometeu acabar com os terroristas onde quer que eles estivessem, incluindo banheiros públicos.[239]
  • Она утонула."Afundou". Essa foi a curta resposta que Putin deu à questão de Larry King, em setembro de 2000, quando perguntado sobre o que aconteceu com o submarino Kursk. Putin foi criticado pelo cinismo presente nesta resposta.
  • Пахал как раб на галерах."Arei como um escravo em uma galé". Foi assim que Putin descreveu seu trabalho como presidente entre 2000 e 2008, durante uma conferência, em Fevereiro de 2008. A frase tornou-se popular e até mesmo transformada, por conta de uma corruptela - "как раб" ("como um escravo") soa muito parecido com "как краб" ("como um caranguejo") - o que rendeu a Putin o apelido na internet de Krabbe (gíria russa para caranguejo), enquanto o presidente Medvedev foi apelidado, por alguma razão, de "Mamangaba".[240]
  • От мертвого осла уши."As orelhas de um asno morto". De acordo com Putin, é isso que a Letônia receberia se continuasse reivindicando o distrito de Pytalovski, que faz fronteira com o país. Após a declaração de Putin, a Rússia e a Letônia assinaram um tratado em que a Letônia retirava suas reivindicações territoriais.[241]
  • Шакалить у иностранных посольств."Estrebuchar em frente de embaixadas estrangeiras". Nessa frase, Putin se refere à oposição não sistêmica russa, caracterizando-a como um grupo sem qualquer apoio da população que implora por dinheiro e apoio dos governos estrangeiros.[242]
  • Как минимум государственный деятель должен иметь голову. — "No mínimo, um chefe de Estado deve ter cérebro". Foi esta a resposta de Putin à secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, que acusou que Putin não tinha alma, por conta de ele ter sido um oficial do KGB.[243] Putin também afirmou que as relações internacionais devem ser construídas não com emoção, mas sim com base nos interesses fundamentais dos estados envolvidos.[carece de fontes?]
  • Ручку верните!"Devolva a caneta!". Essa ordem foi dada por Putin ao oligarca industrial Oleg Deripaska, que foi obrigado a assinar um acordo que resolvia uma crise trabalhista com a caneta do presidente. Putin fez questão de resolver a questão pessoalmente.[244]

Avaliações e pesquisas[editar | editar código-fonte]

De acordo com pesquisas de opinião pública conduzidas pela ONG Levada Center , o nível de aprovação de Putin era de 81% em Junho de 2007, maior do que qualquer outro líder do mundo.[carece de fontes?] Sua popularidade subiu de 31% em agosto de 1999 para 80% em Novembro de 1999, e nunca caiu para menos de 65% durante sua primeira presidência.[245]

Observadores veem as altas taxas de aprovação de Putin como uma consequência das significantes melhoras no padrão de vida e a reinserção da Rússia no cenário mundial, ocorrida durante sua presidência. A popularidade de Putin pode ser, também, um reflexo da televisão estatal ou controlada pelo estado.[246][247][248]

Uma pesquisa conduzida pelo World Public Opinion nos Estados Unidos e pelo Levada Centre na Rússia no período de Junho/Julho de 2006 mostrou que "nem os russos nem os americanos acreditam que a Rússia é governada com um alinhamento anti-democrático" e que "os russos geralmente apoiam a concentração de poder político e apoiam fortemente a estatização das indústrias de gás e petróleo da Rússia" [249]. Uma pesquisa de 2005 mostrou que os russos sentiam que seu país é "mais democrático" sob Putin do que era sob Iéltsin ou Gorbatchov anos antes,[carece de fontes?] e que a mesma proporção pensa que os direitos humanos são mais respeitados sob Putin do que sob Iéltsin.[247][não consta na fonte citada][248][não consta na fonte citada][250][ligação inativa].

Em 2007, segundo as pesquisas do Levada Center, 48 por cento da população pensava que os níveis de roubo e corrupção se mantinham aproximadamente os mesmos, tanto sob Yeltsin como sob Putin.[251]

Obras[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Assumiu de forma interina o cargo de Primeiro-ministro entre 9 de agosto e 16 de agosto de 1999 quando foi efetivado. Na condição de Primeiro-minstro assumiu interinamente a Presidência do país entre 31 de dezembro de 1999 e 7 de maio de 2000, quando foi efeivado após ser eleito, devido a renúncia do títular.
  2. «Созвездие стрельцов. Что в личном оружейном арсенале российских политиков (Российская газета)» |
  3. «Putin sanciona lei que o permite escolher governadores na Rússia». G1. 2 de abril de 2013. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  4. a b «В Чечне снят режим контртеррористической операции». РБК. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  5. «Anna Politkovskaya». The Economist. ISSN 0013-0613 
  6. «Leading Russian critic of Putin's regime is poisoned in London». Telegraph.co.uk. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  7. «Thoughts on the Russian Economy | craven.fr (.ox.ac.uk)». www.craven.fr. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  8. Gidadhubli, R. G. (22 de novembro de 2003). «Yukos Affair: Putin Attacks Russia's Oil Barons». Economic and Political Weekly. 38 (47): 4949-4952 
  9. «Another Jailed Russian Oligarch Says He Crossed Putin». International Business Times. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  10. Marcelo Ninio (5 de abril de 2008). «Expansão da Otan é ameaça, alerta Putin». Folha de S.Paulo. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  11. «Putin diz que Otan é um "atavismo da Guerra Fria"». Terra. 5 de outubro de 2012. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  12. «Putin critica escudo antimísseis dos EUA e promete resposta». Folha de S.Paulo. 1 de fevereiro de 2007. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  13. «Putin apela ao adiamento de referendo separatista na região de Donetsk». Jornal de Notícias. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  14. «Vladimir Putin» 
  15. «Medvedev eleito Presidente da Rússia». PÚBLICO. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  16. «Em meio a protestos, Putin toma posse como presidente da Rússia - Mundo - iG». Último Segundo. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  17. a b c White, Stephen; Sakwa, Richard; Hale, Henry E. (2009). Developments in Russian Politics 7. [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 9781137014108 
  18. Krone-Schmalz, Gabriele (2007). Was passiert in Russland?. [S.l.]: Herbig. ISBN 9783776625257 
  19. a b Russia After The Global Economic Crisis. [S.l.]: Peterson Institute. ISBN 9780881325522 
  20. «Error». www.imf.org. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  21. «Average monthly accrued wages of employees of organisations in prices of 1991 and us dollars». www.gks.ru. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  22. «Thomas White» 
  23. «Banco Mundial» (PDF) 
  24. a b «Center of American Progress» 
  25. a b Gronholt-Pedersen, Jacob. «Russia, China in Deal On Refinery, Not Gas». Wall Street Journal. ISSN 0099-9660 
  26. «ПОСТУПЛЕНИЕ ИНОСТРАННЫХ ИНВЕСТИЦИЙ ПО ТИПАМ*)». www.gks.ru. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  27. ReutersBrasil — Aprovação de presidente russo é a mais baixa desde 2000, mostra pesquisa
  28. Harding, Luke. «WikiLeaks cables condemn Russia as 'mafia state'». the Guardian. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  29. «World Report 2021: Rights Trends in Russia» (em inglês). Human Rights Watch. 2021 
  30. a b c Gessen, Masha (2012). «Cap. 3 : The autobiography of a thug». The Man Without a Face: The Unlikely Rise of Vladimir Putin. [S.l.]: Penguin Group 
  31. «Putin says grandfather cooked for Stalin and Lenin». Reuters (em inglês). 11 de março de 2018 
  32. Pasha-Robinson, Lucy (9 de outubro de 2016). «Putin's brother died in Siege of Leningrad, which bears striking resemblance to Syrian crisis». International Business Times UK (em inglês) 
  33. «Sabia que Vladimir Putin foi batizado às escondidas?». Aleteia: vida plena com valor. 11 de julho de 2019. Consultado em 2 de outubro de 2021 
  34. R. Sakwa Putin: Russia's Choice, pp. 10–11
  35. R. Sakwa Putin: Russia's Choice, p. 11
  36. Slade, Gavin (31 de Maio de 2006). «Deconstructing the Millennium Manifesto: The Yeltsin-Putin Transition and the Rebirth of Ideology - GeoHistory» (em inglês). GeoHistory 
  37. Remnick, David (3 de agosto de 2014). «Watching the Eclipse» (em inglês). The New Yorker 
  38. «Archived copy». Consultado em 2 de julho de 2001. Arquivado do original em 2 de julho de 2001  Norsk Utenrikspolitisk Institutt
  39. Dalziel, Stephen(e outro) (11 de Setembro de 2000). «Putin won 'rigged elections'». BBC News 
  40. «Profile: Boris Berezovsky». BBC. 31 de maio de 2007 
  41. «Folha Online - Mundo - Putin não pede perdão às mães de Beslan - 04/09/2005». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  42. «Folha Online - Mundo - Putin tenta legitimar guerra contra a Tchetchênia, diz especialista - 25/09/2004». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  43. «BBC Russian - Россия - Путин очертил "дорожную карту" третьего срока». www.bbc.com. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  44. «Documentos» (PDF) 
  45. «Joan Smith: Putin's Russia failed to protect this brave woman». The Independent (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2015 
  46. «Anna Politkovskaya, Prominent Russian Journalist, Putin Critic and Human Rights Activist, Murdered in Moscow». Democracy Now!. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  47. «The accused of murder of Anna Politkovskaya name possible clients». TASS. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  48. «Folha Online - Mundo - Milionário irá colaborar com investigação sobre morte de ex-espião - 06/02/2007». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  49. «Folha Online - Mundo - Pai de Litvinenko acusa Vladimir Putin de matar seu filho - 16/12/2006». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  50. «Garry Kasparov jailed over rally». BBC News (em inglês). 24 de novembro de 2007 
  51. «Folha Online - Mundo - EUA respondem a Putin que uma Guerra Fria já foi suficiente - 11/02/2007». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  52. «Russia Research». www.worldbank.org. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  53. News, Steve RosenbergBBC. «Russia's Putin set to return as president in 2012». BBC News. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  54. «Как митинг на Поклонной собрал около 140 000 человек». Politonline.ru. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  55. «'We Won in Fair and Open Fight' – Putin». en.rian.ru. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  56. «Putin Supporters Fill Moscow Stadium». sputniknews.com. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  57. «Ксения Собчак выступила против Путина до его инаугурации». Новости Сургута и Югры, пресс-релизы, официальная информация. СИА-ПРЕСС. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  58. «The New Wage». Consultado em 28 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 16 de maio de 2013 
  59. «Lula parabeniza Vladimir Putin por vitória nas eleições russas». diHITT. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  60. Moscow, Miriam Elder in. «Pussy Riot sentenced to two years in prison colony over anti-Putin protest». the Guardian. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  61. «Russian police battle anti-Putin protesters». Reuters. 6 de maio de 2012 
  62. «Larouche Pac» 
  63. «Putin sanciona lei que proíbe adoção de crianças russas por americanos». Jornal Nacional. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  64. «Rússia pode suspender adoções após menino ser devolvido». O Globo. plus.google.com/+JornalOGlobo/. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  65. «Norte-americanos serão proibidos de adotar crianças russas - Opinião e Notícia». Opinião e Notícia. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  66. «Putin indica que proibirá adoções de crianças russas por norte-americanos | Política Livre». www.politicalivre.com.br. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  67. «Milhares vão às ruas contra Putin na capital da Rússia». Mundo. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  68. «Milhares saem às ruas para protestar contra Putin - Internacional - Estadão». Estadão. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  69. a b «Obama alerta Putin para os riscos de uma intervenção militar na Ucrânia». PÚBLICO. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  70. «Putin approves draft bill for annexation of Crimea». POLITICO. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  71. «Rally on Crimea: Russia reunification on Red Square gathers tens of thousands of people». TASS. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  72. «95.7% of Crimeans in referendum voted to join Russia - preliminary results». RT English (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2015 
  73. «Times of India» 
  74. Agência Lusa (9 de Março de 2022). «Hospital pediátrico em Mariupol foi bombardeado pela Rússia. Há mulheres em trabalho de parto entre os feridos». Público 
  75. «Vitória de Putin na Rússia recebida com silêncio e críticas». www.dn.pt. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  76. Ribeiro, João Ruela (18 de Março de 2018). «Putin ganha por aclamação e promete um governo "fora do comum"». Público 
  77. «The Observer view on Putin's ongoing corruption of democracy | Observer editorial». The Guardian. 8 de Setembro de 2019 
  78. Perrigo, Billy (22 de fevereiro de 2022). «How Putin's Denial of Ukraine's Statehood Rewrites History». Time. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  79. Chernova, Anna; Cotovio, Vasco; Thompson, Mark (28 de fevereiro de 2022). «Sanctions slams Russian economy». CNN. Consultado em 4 de março de 2022 
  80. "How many refugees have fled Ukraine and where are they going?". BBC, 15/03/2022
  81. "More than 2,000 arrested at anti-war protests in Russia". Al Jazeera, 27/02/2022
  82. "Russia: Kremlin censors media and disperses protesters opposed to Ukraine invasion". Amnesty International, 28/02/2022
  83. Bizot, Olivia. ". France 24, 03/03/2022
  84. «"Президентское фильтрование" губернаторов оценили политики». radiovesti.ru. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  85. «State Duma Approves Liberal Political Reforms». en.rian.ru. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  86. «Несмотря на двукратное снижение числа убийств, на фоне европейских показателей оно остается крайне высоким». demoscope.ru. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  87. «МВД рапортует: количество терактов снизилось в 15 раз». Finmarket.ru (em russo). Consultado em 17 de novembro de 2015 
  88. «Report for Selected Countries and Subjects». www.imf.org. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  89. a b c d e f «Russia's economy under Vladimir Putin: achievements and failures». sputniknews.com. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  90. «Russian Profile». Consultado em 28 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 18 de outubro de 2014 
  91. «"Economic Impact of a Flat Tax. What have we learned from the Russian Experience?".» (PDF). indiana.edu (em inglês). Indiana University. Fevereiro de 2012. Consultado em 8 de janeiro de 2013 
  92. «Russias Flat Tax Miracle | The Heritage Foundation». 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  93. Preobragenskaya, Galina; Robert W. (1 de abril de 2004). «A Comparative Study of Taxation in Russia and Other CIS, East European and OECD Countries». Rochester, NY 
  94. «Gerard Depardieu meets Putin, receives Russian passport» (em inglês). BBC News. 6 de janeiro de 2013. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  95. Marshall I. Goldman (30 de abril de 2008). Petrostate: Putin, Power, and the New Russia. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780199712571 
  96. «Animal protection: special projects». programmes.putin.kremlin.ru. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  97. Bell, I (2002). Eastern Europe, Russia and Central Asia. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-85743-137-7. Consultado em 27 de dezembro de 2007 
  98. Laruelle, Marlène (editora) (2009). «Cap, 11: A religion for the nation or a nation for the religion? Putin's third way for Russia - por Beth Admiraal». Russian Nationalism and the National Reassertion of Russia. [S.l.]: Routledge. pp. 203–217 
  99. «Bethlehem street named after Putin». Australian Broadcasting Corporation. 27 de junho de 2012. Consultado em 22 de junho de 2013 
  100. «The President of Russia attended the ceremonial signing of the Act on Canonical Communion that was held in the Cathedral of Christ the Saviour» (Nota de imprensa). Embaixada da Rússia em Ottawa. 17 de maio de 2007. Consultado em 2 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2008 
  101. Smith, Peter (8 de março de 2022). «Moscow patriarch stokes Orthodox tensions with war remarks». AP NEWS (em inglês) 
  102. Baczynska, Gabriela (e outro) (6 de outubro de 2014). «How the Russian Orthodox Church answers Putin's prayers in Ukraine». Reuters (em inglês) 
  103. AFP (27 de fevereiro de 2022). «The head of the Russian Orthodox Church has called Moscow's opponents in Ukraine "evil forces", speaking on the fourth day of the Kremlin's invasion of its pro-Western neighbour». Twitter (em inglês) 
  104. «Patriarch Kirill's address to the hierarchs, clergy, monastics, and faithful of the Russian Orthodox Church / Patriarch / Patriarchate.ru». Patriarchate.ru (em russo). 24 de Fevereiro de 2022 
  105. Phyllis Berman Lea Goldman, (15 de setembro de 2003). "Cracked De Beers". Forbes
  106. No love lost, Yossi Mehlman, Haaretz, 11 de dezembro de 2005
  107. Krichevksy, Lev (10 de outubro de 2011). «"In Putin's return, Russian Jews see stability". Jewish Telegraphic Agency». The Jerusalem Post. Consultado em 22 de junho de 2013 
  108. «Ronald S. Lauder: Russia's fight against anti-Semitism isn't just good for Jews – it's good for Russia as well». World Jewish Congress. 1 de novembro de 2016 
  109. Chandler, Michael A. (20 de Setembro de 2016). «Missionaries are struggling to work under new Russia law banning proselytizing». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286 
  110. Reevell, Patrick (18 de Julho de 2021). «Russia's mysterious campaign against Jehovah's Witnesses». ABC News (em inglês) 
  111. «Laws of Attrition -Crackdown on Russia's Civil Society after Putin's Return to the Presidency» (em inglês). Human Rights Watch. 24 de abril de 2013 
  112. «Russia: Worst Human Rights Climate in Post-Soviet Era» (em inglês). Human Rights Watch. 24 de abril de 2013 
  113. Andrew North (4 de maio de 2016). «'We'll cut off your head': open season for LGBT attacks in Kyrgyzstan» (em inglês). The Guardian 
  114. Alec Luhn (1 de setembro de 2013). «Russian anti-gay law prompts rise in homophobic violence» (em inglês). The Guardian 
  115. Joshua Keating (9 de outubro de 2014). «Arrests, Prosecutions, and Rainbow Paranoia: The Chilling Effects of Russia's Anti-Gay Law» (em inglês). Slate Magazine 
  116. «Russia's LGBT Youth Victimized by 'Gay Propaganda' Law» (em inglês). The Moscow Times. 14 de setembro de 2015 
  117. «Putin Signs Controversial 'Foreign Agent' Law Expansion» (em inglês). The Moscow Times. 30 de dezembro de 2020 
  118. Odynova, Alexandra (31 de dezembro de 2020). «Putin ends 2020 by tightening the legal noose on press and individual freedoms» (em inglês). CBS News 
  119. Penketh, Anne (22 de junho de 2007). «Court rules against Russia in Chechen killing». The Independent (Arq. em WayBack Machine) 
  120. «Obituary: Alexander Litvinenko». BBC News (em inglês). 24 de novembro de 2006 
  121. Sokolov, Sergey (2 de Julho de 2013). «Мы ставим точку10 лет назад умер Юрий Щекочихин. Мы знаем — это убийство, но доказать это теперь невозможно.Прокуратура сделала все, чтобы исчезли следы преступления» (em russo). Novaya Gazeta 
  122. Zeller, Tom (Jr.) (20 de novembro de 2006). «From Russia With Love». The New York Times 
  123. «Opponent of Putin shot dead outside his flat» (em inglês). The Irish Times. 18 de abril de 2003 
  124. «Litvinenko: A deadly trail of polonium» (em inglês). BBC News. 28 de julho de 2015 
  125. «Litvinenko inquiry: Key findings» (em inglês). BBC News. 21 de janeiro de 2016 
  126. Catarina Fernandes Martins (9 de junho de 2014). «Politkovskaya: a jornalista "sem influência" que incomodava». Observador 
  127. «Jornalista russa Anna Politkovskaia encontrada assassinada em Moscovo». Público. 7 de outubro de 2006 
  128. Michael Schwirtz (19 de janeiro de 2009). «Leading Russian Rights Lawyer Is Shot to Death in Moscow, Along With Journalist» (em inglês). The New York Times. ISSN 0362-4331 
  129. «Boris Nemtsov, um dos principais opositores de Putin, abatido a tiro na rua». Público. 28 de fevereiro de 2015 
  130. Wilson, Jeremy (11 de março de 2016). «Here's a list of Putin critics who've ended up dead». Business Insider (em inglês) 
  131. «Russian Journalist, Putin Critic Dies After Severe Beating» (em inglês). RadioFreeEurope Radio LIberty. 19 de abril de 2017 
  132. Dodd,, Vikram ( e outros) (8 de março de 2018). «Sergei Skripal: former Russian spy poisoned with nerve agent, say police» (em inglês). The Guardian 
  133. «Ex-spy Sergei Skripal discharged after poisoning». BBC News (em inglês). 18 de maio de 2018 
  134. «Nikolai Glushkov: Putin critic 'strangled in London home by third party'» (em inglês). BBC News. 9 de abril de 2021 
  135. Moody, Oliver (6 de Dezembro de 2019). «Chechen leader 'was behind Berlin assassination' of Zelimkhan Khangoshvili». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460 
  136. «New Evidence Links Russian State to Berlin Assassination» (em inglês). Bellingcat. 27 de setembro de 2019 
  137. Oltermann, Philip (15 de dezembro de 2021). «Berlin expels Russian diplomats after court rules Moscow ordered dissident's murder». the Guardian (em inglês) 
  138. a b da Silva, Chantal (17 de junho de 2017). «UK authorities 'overlooked' evidence linking Russia to deaths on British soil» (em inglês). The Independent 
  139. Blake, Heidi (2019). «Cap.: Introduction». From Russia With Blood: The Kremlin´s Ruthless Assassination Program and Vladimir Putin´s Secret War on the Wes. [S.l.]: Mulholland Books 
  140. Amado, Carolina (27 de Abril de 2022). «A estranha morte de seis oligarcas russos desde o início de 2022». Público 
  141. Press, The Associated. «Ban All Russian Track Athletes, World Anti-Doping Agency Panel Says». NBC News (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2021 
  142. «Russia accused of 'state-sponsored doping' as Wada calls for athletics ban». the Guardian (em inglês). 9 de novembro de 2015. Consultado em 2 de outubro de 2021 
  143. Kramer, Andrew E. (17 de junho de 2016). «Olympic Ban Adds to Russia's Culture of Grievances». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de outubro de 2021 
  144. Arribas, Carlos (19 de julho de 2016). «Assim a Rússia fazia desaparecer o doping positivo de seus melhores atletas». El País Brasil. Consultado em 2 de outubro de 2021 
  145. https://www.nytimes.com/2016/06/18/world/europe/putin-russia-olympics-doping.html
  146. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Opinion: Russia's parallel universe | DW | 09.06.2016». DW.COM (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2021 
  147. «Polish head rejects Putin attack» (em inglês). BBC News. 24 de dezembro de 2004 
  148. a b «Q&A: Russia-Ukraine gas row» (em inglês). BBC News. 20 de janeiro de 2009 
  149. «Playing East against West: The success of the Eastern Partnership depends on Ukraine» (em inglês). The Economist. 23 de novembro de 2013 
  150. «Ukraine's parliament votes to abandon Nato ambitions» (em inglês). BBC News. 3 de junho de 2010 
  151. «After Russian Invasion of Georgia, Putin's Words Stir Fears about Ukraine» (em inglês). Kyiv Post. 30 de novembro de 2010 
  152. «Ukraine Is Putin's Favorite Vassal» (em inglês). The Moscow Times. 25 de dezembro de 2013 
  153. «Russian takeover of Crimea will not descend into war, says Vladimir Putin» (em inglês). The Guardian. 4 de março de 2014 
  154. «Russia Stays in Ukraine as Putin Channels Yanukovych Request» (em inglês). 4 de março de 2014 
  155. «Russian Parliament approves use of army in Ukraine» (em inglês). The Hindu. 1º de março de 2014 
  156. «Vladimir Putin signs treaty for Russia to take Crimea from Ukraine – video» (em inglês). The Guardian. 18 de março de 2014 
  157. a b «Russia President Vladimir Putin signs treaty to annex Crimea after residents vote to leave Ukraine» (em inglês). 18 de março de 2014 
  158. «Has Vladimir Putin blinked over Ukraine?» (em inglês). The Daily Telegraph 
  159. «Putin says Russians and Ukrainians 'practically one people'» (em inglês). Reuters. 29 de agosto de 2014 
  160. «Putin: Ukrainian Literature Library must not be lost in any circumstances» (em inglês). Interfax-Ukraine. 26 de dezembro de 2015 
  161. «Russia and Eurasia» (em inglês). Heritage.org. 9 de maio de 2009. Arquivado do original em 28 de maio de 2009 
  162. «Day-by-day: Georgia-Russia crisis» (em inglês). BBC News. 21 de agosto de 2008 
  163. «Putin planned to topple the president of Georgia and 'hang him by the b****', says Nicolas Sarkozy's chief adviser» (em inglês). Daily Mail. 14 de novembro de 2008 
  164. «New Integration Project for Eurasia – A Future That Is Being Born Today» (em inglês). Izvestiya. 3 de outubro de 2011. Arquivado do original em 4 de junho de 2013 
  165. «Новый интеграционный проект для Евразии – будущее, которое рождается сегодня» (em russo) 
  166. «Russia's Putin says wants to build "Eurasian Union"» (em inglês). Yahoo! News. 3 de outubro de 2011 
  167. «Kazakhstan welcomes Putin's Eurasian Union concept» (em inglês). 6 de outubro de 2011 
  168. «Russia sees union with Belarus and Kazakhstan by 2015» (em inglês). 18 de novembro de 2011 
  169. «Ru-ru» (em inglês). Eurasian Economic Union. 9 de abril de 2016. Arquivado do original em 17 de abril de 2016 
  170. «Russian President Vladimir Putin announces military assault against Ukraine in surprise speech». MSN (em inglês). Consultado em 2 de março de 2022 
  171. «Russia launches massive invasion of Ukraine — as it happened». DW (em inglês). 24 de Fevereiro de 2022 
  172. «Putin makes direct plea to Americans over non-intervention in Syria». Al Bawaba. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  173. «West in». Times LIVE. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  174. «America's Failed (Bi-Partisan) Russia Policy». The Huffington Post. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  175. «essa fonte veio da enwiki, mas não foi eu que a adicionei» 
  176. «Putin's speech: Back to cold war?». BBC. 10 de fevereiro de 2007 
  177. «Google» 
  178. «Irna.ir». Consultado em 30 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2008 
  179. «Putin pede que Parlamento aprove envio de tropas russas à Ucrânia - BBC Brasil». BBC Brasil. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  180. «Primeiro-ministro da Crimeia apela a Putin para "garantir a paz"». PÚBLICO. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  181. «Acidente aéreo na Ucrânia deve endurecer postura dos EUA contra Rússia». RFI. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  182. «Rússia nega envolvimento em queda do avião na Ucrânia - Notícias - R7 Internacional». noticias.r7.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  183. «ONU pede cessar-fogo para investigação de queda de avião no Leste da Ucrânia». O Globo. plus.google.com/+JornalOGlobo/. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  184. Ayres, Sabra (2 de junho de 2017). «Putin says claims of Russian meddling in U.S. election are 'just some kind of hysteria'». The Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2019 
  185. Eugene Kiely e D'Angelo Gore (19 de fevereiro de 2018) «In His Own Words: Trump on Russian Meddling» FactCheck.org (em inglês) Consultado em 11 de junho de 2019.
  186. Greenberg, Jon (19 de fevereiro de 2018). «Donald Trump falsely says he never denied Russian meddling». PolitiFact (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2019 
  187. «Russia Election Interference». C-SPAN (em inglês). 20 de junho de 2018. Consultado em 11 de junho de 2019 
  188. a b «Brown Defends Russian Expulsions, Decries Killings (Update1) - Bloomberg». www.bloomberg.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  189. «UK spied on Russians with fake rock». BBC News. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  190. «Британия признала наличие шпионского камня, существование которого считали фантазией спецслужб - Первый канал». www.1tv.ru. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  191. a b «Litvinenko's father apologises for accusing Russia - BBC News». BBC News (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2015 
  192. «In full: Litvinenko statement». BBC. 24 de novembro de 2006 
  193. «Страница не найдена» 
  194. «Ex-spy's death should not be used for provocation - Putin». sputniknews.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  195. «The Moscow Times» 
  196. «Russia suspends British Council regional offices». Reuters. 13 de dezembro de 2007 
  197. Page, Jeremy. «Russian Oil Route Will Open to China». Wall Street Journal. ISSN 0099-9660 
  198. «KM.RU - новости, экономика, автомобили, наука и техника, кино, музыка, спорт, игры, анекдоты, курсы валют | KM.RU». www.km.ru. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  199. «Президент России». Президент России. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  200. «Essa fonte vem da Wikipédia em inglês, mas não foi eu que a adicionei.» 
  201. «France 24, International News 24/7». Consultado em 28 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 10 de novembro de 2013 
  202. «Russian bombers land in Venezuela». BBC. 11 de setembro de 2008 
  203. «Putin: Military Intervention In Libya Resembles 'Crusades'». The Huffington Post. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  204. «Vladimir Putin Blames US Drones For Gaddafi Death, Slams John McCain». www.mediaite.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  205. Citizen, Ottawa. «Putin claims U.S. planned murder of Gadhafi». Canada.com 
  206. Weir, Fred. «Why Russia is willing to sell arms to Syria». Christian Science Monitor. ISSN 0882-7729 
  207. «Bloomberg Business». Bloomberg.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  208. Krause-Jackson, Flavia. «Russia Open to Syria Transition in Shift Away From Assad». Bloomberg.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  209. Borger, Julian. «West 'ignored Russian offer in 2012 to have Syria's Assad step aside'». the Guardian. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  210. «Obama e Putin dizem ter 'visões diferentes' sobre a guerra na Síria». Revolta Árabe. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  211. «Rússia: Casal Putin se divorcia ao vivo na televisão russa». Jornal do Brasil. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  212. «Mystery of Russia's missing First Lady: Is Putin's 'affair' with spy Anna Chapman the reason Lyudmila is never seen in public... or is she just locked away in a monastery?». Mail Online. plus.google.com/101913233771349778690/. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  213. «Filha de Putin ameaçada após invasão à Ucrânia» 
  214. «Vladimir Putin 'dying in agony from terminal cancer' and pics show his pain, say sources». Daily Star. 5 de março de 2022. Consultado em 11 de março de 2022 
  215. «Putin's 'terminal cancer' has made him desperate to invade Ukraine, warns expert». Daily Star. 6 de março de 2022. Consultado em 11 de março de 2022 
  216. «Quote.rbc.ru :: Банк Санкт-Петербург - цена акций, прибыль, дивиденды, котировки.». quote.rbc.ru. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  217. «Vladimir Putin: the Russian president's 'life of four yachts and 58 aircraft'». Telegraph.co.uk. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  218. Moscow, Luke Harding in. «Putin, the Kremlin power struggle and the $40bn fortune». the Guardian. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  219. «Tamanho da riqueza de Putin é incerto, mas pode ultrapassar US$ 200 bilhões». CNN Brasil. Consultado em 3 de março de 2022 
  220. «Palaces, superyachts, Swiss accounts. How rich is Putin and can sanctions hurt him?». Los Angeles Times. Consultado em 3 de março de 2022 
  221. «Президент России». archive.kremlin.ru. Consultado em 19 de novembro de 2015. Arquivado do original em 12 de julho de 2011 
  222. «Alexei Navalny: Millions watch jailed critic's 'Putin palace' film». BBC News (em inglês). 20 de janeiro de 2021 
  223. a b «Navalny Targets 'Billion-Dollar Putin Palace' in New Investigation» (em inglês). The Moscow Times. 20 de Janeiro de 2021 
  224. «Following the money Alexey Navalny's boldest investigation yet describes a vast network of shell companies and frontmen working to build and sustain Vladimir Putin's supposed seaside getaway». Meduza. 20 de Janeiro de 2021 
  225. ««Подумайте перед тем, как переводить деньги таким жуликам». Песков — о расследовании ФБК про «дворец Путина» ("Pensem antes de transferir dinheiro para esses bandidos)». Meduza. 20 de Janeiro de 2021 
  226. «Putin lança vídeo como judoca faixa preta em aniversário - Internacional - Estadão». Estadão. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  227. «Sambo.com» 
  228. «Putin: presidente honorário da Federação Internacional de Judô - Esportes - Estadão». Estadão. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  229. «Putin canta e toca na Rússia». oglobo2.globo.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  230. «AFP» 
  231. Bershidsky, Leonid (7 de Agosto de 2017). «Why Shirtless Putin Is Having the Last Laugh». Bloomberg (em inglês) 
  232. Selk, Avi (5 de Agosto de 2017). «New bare-chested Putin photos released — 2017 edition, aquatic theme». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286 
  233. Rawnsley, Adam. «Pow! Zam! Nyet! 'Superputin' Battles Terrorists, Protesters in Online Comic». Wired (em inglês). ISSN 1059-1028. Consultado em 2 de outubro de 2021 
  234. Putin gone wild: Russia abuzz over pics of shirtless leader
  235. «Vladimir Putin diving discovery was staged, spokesman admits». www.telegraph.co.uk. Consultado em 2 de outubro de 2021 
  236. a b Maupin, Caleb (8 de Outubro de 2015). «"Putinism" in American History: Lincoln, Roosevelt, and the Fight Against ISIS». New Eastern Outlook 
  237. «Sorry America, Ukraine isn't all about you». Pando (em inglês). 14 de maio de 2014. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  238. Milhazes, José (2017). «Cap. 21: Vladimir, o justiceiro». As Minhas Aventuras no País dos Sovietes -. [S.l.]: Oficina do Livro 
  239. «Премьер-министр Владимир Путин: Их нужно выковырять со дна канализации». Известия. plus.google.com/104202528139430135095. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  240. «Почему Путин - краб, Ленин - гриб, Медведев - шмель?». newsland.com. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  241. «Россия и Латвия подписали договор о рубежах». www.utro.ru. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  242. «Путин: оппозиция "шакалит" у зарубежных фондов и правительств | Важнейшие политические события в России: оценки, прогнозы, комментарии | DW.COM | 21.11.2007». DW.COM. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  243. «Putin vs. Clinton». POLITICO. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  244. «Блогозрение: Волшебная ручка Путина | Мнения | DW.COM | 13.06.2009». DW.COM. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  245. «Russia Votes». www.russiavotes.org. Consultado em 7 de maio de 2022 
  246. Gabowitsch, Mischa (17 de Fevereiro de 2006). «Inside the looking glass: a reply to Nicolai N Petro» (PDF). OpenDemocracy 
  247. a b «Russia's economic might: spooky or soothing?». BBC. 4 de julho de 2007 
  248. a b «Russia Votes». www.russiavotes.org. Consultado em 19 de novembro de 2015 
  249. «Russians Support Putin's Re-Nationalization of Oil, Control of Media, But See Democratic Future - World Public Opinion». World Public Opinion (Arq. em WayBack Machine). 10 de Julho de 2006 
  250. «Oprosy» 
  251. «Russia Votes». Russia Votes (CSPP, Levada Center). Consultado em 4 de Fevereiro de 2021 


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Blake, Heidi (2019) - From Russia With Blood: The Kremlin´s Ruthless Assassination Program and Vladimir Putin´s Secret War on the West - Mulholland Books
  • Gessen, Masha (2012) -- The Man Without a Face: The Unlikely Rise of Vladimir Putin - Penguin Group
  • Milhazes, José (2017)- As Minhas Aventuras no País dos Sovietes -Oficina do Livro
  • Sakwa, Richard (2008) - Putin: Russia's Choice - Routledge

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias