Yitzhak Rabin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Yitzhak Rabin
יצחק רבין
Yitzhak Rabin, 1994.
Primeiro-ministro de Israel
Período 3 de junho de 1974
a 22 de abril de 1977
Antecessor(a) Golda Meir
Sucessor(a) Menachem Begin
Período 13 de julho de 1992
a 4 de novembro de 1995
Antecessor(a) Yitzhak Shamir
Sucessor(a) Shimon Peres
Dados pessoais
Nascimento 1 de março de 1922
Jerusalém
Mandato Britânico da Palestina
Morte 4 de novembro de 1995 (73 anos)
Tel Aviv, Israel
Nacionalidade Israel Israelense
Progenitores Mãe: Rosa (Cohen) Rabin
Pai: Nehemiah Rabin
Prêmio(s) Nobel da Paz (1994)
Esposa Leah Rabin
Partido Partido Trabalhista (Ha-Avoda)
Religião Ateu
Profissão Militar, estadista
Assinatura Assinatura de Yitzhak Rabin
Serviço militar
Lealdade Israel Israel
Serviço/ramo Flag of the British Army.svg Exército Britânico
Hahaganah.png Haganá
Badge of the Israel Defense Forces.svg Forças de Defesa de Israel
Anos de serviço 1941 – 1967
Graduação IDF Ranks Ra'al.svg Rav Aluf (Tenente-general)
Unidade Palmach
Conflitos Campanha da Síria-Líbano
Guerra árabe-israelense de 1948
Guerra dos Seis Dias

Yitzhak Rabin (em hebraico יצחק רבין; Jerusalém, 1º de março de 1922[1]Tel Aviv, 4 de novembro de 1995[2]) foi um general, político e estadista israelita.[3] Ele foi o quinto primeiro-ministro de Israel, cumprindo dois os, de 1974 a 1977, e de 1992 até seu assassinato em 1995.

Rabin nasceu em Jerusalém, filho de imigrantes judeus da Europa Oriental, e foi criado em uma família trabalhista sionista. Ele aprendeu agricultura na escola e se destacou como aluno. Ele teve uma carreira de 27 anos como soldado e finalmente alcançou o posto de Rav Aluf (oficial-general). Quando adolescente, ele se juntou ao Palmach, a força comando do Yishuv. Ele ajudou a moldar a doutrina de treinamento israelense no início dos anos 1950 e liderou a Diretoria de Operações das FDI de 1959 a 1963. Ele foi nomeado Chefe do Estado-Maior em 1964 e supervisionou a vitória de Israel na Guerra dos Seis Dias de 1967.

Rabin serviu como embaixador de Israel nos Estados Unidos de 1968 a 1973, durante um período de aprofundamento dos laços EUA-Israel. Ele foi nomeado primeiro-ministro de Israel em 1974, após a renúncia de Golda Meir. Quinto primeiro-ministro de Israel, no cargo entre 1974 e 1977,[4] regressou ao cargo em 1992, exercendo funções até 1995,[4] ano em que foi assassinado.[2] Em seu primeiro o, Rabin assinou o Acordo Provisório do Sinai e ordenou a incursão de Entebbe. Ele renunciou em 1977 após um escândalo financeiro. Rabin foi ministro da Defesa de Israel durante grande parte da década de 1980, inclusive durante a eclosão da Primeira Intifada.

Em 1992, Rabin foi reeleito como primeiro-ministro em uma plataforma que abraçava o processo de paz israelense-palestino. Ele assinou vários acordos históricos com a liderança palestina como parte dos Acordos de Oslo. Em 1994, Rabin ganhou o Prêmio Nobel da Paz junto com seu rival político de longa data, Shimon Peres, e o líder palestino Yasser Arafat.[5][6] Rabin também assinou um tratado de paz com a Jordânia em 1994. Em novembro de 1995, ele foi assassinado por um extremista chamado Yigal Amir, que se opôs aos termos dos Acordos de Oslo.[7][8][9] Amir foi condenado pelo assassinato de Rabin e sentenciado à prisão perpétua.

Rabin foi o primeiro primeiro-ministro nascido em Israel[10] e foi o único primeiro-ministro a ser assassinado[11] e o segundo a morrer no cargo depois de Levi Eshkol.[12] Rabin tornou-se um símbolo do processo de paz israelense-palestino.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Yitzhak como um bebê no colo de sua mãe, Rosa.

Yitzhak Rabin nasceu no Centro Médico Shaare Zedek em Jerusalém em 1º de março de 1922,[5][6] no o Britânico da Palestina, filho de Neemias Rabin (1886 - 1º de dezembro de 1971) e Rosa (nascida Cohen; 1890 - 12 de novembro de 1937);[13] imigrantes da Terceira Aliyah, a terceira onda de imigração judaica da Europa para a Palestina.

Neemias nascido Nehemiah Rubitzov no shtetl Sydorovychi perto de Ivankiv no sul da zona de assentamento judeu (atual Ucrânia).[14] Seu pai Menachem morreu quando ele era menino, e Neemias trabalhou para sustentar sua família desde muito jovem. Aos 18 anos emigrou para os Estados Unidos, onde se filiou ao partido Poale Zion e mudou seu sobrenome para Rabin. Em 1917, Neemias Rabin foi para a Palestina otomana com um grupo de voluntários da Legião Judaica. A mãe de Yitzhak, Rosa Cohen, nasceu em 1890 em Mogilev, na Bielo-Rússia. Seu pai, um rabino, se opôs ao movimento sionista e mandou Rosa para uma escola cristã para meninas em Gomel, que lhe deu uma ampla educação geral. Desde cedo, Rosa se interessou por causas políticas e sociais. Em 1919, ela viajou para a Palestina no navio a vapor Ruslan. Depois de trabalhar em um kibutz nas margens do Mar da Galiléia, ela se mudou para Jerusalém.[15]

Os pais de Rabin se conheceram em Jerusalém durante os distúrbios de Nebi Musa em 1920.[16] Yitzhak nasceu no ano seguinte e eles se mudaram para a rua Chlenov de Tel Aviv, perto de Jaffa, em 1923. Neemias tornou-se funcionário da Palestine Electric Corporation e Rosa era contadora e ativista local. Ela se tornou membro do Conselho da Cidade de Tel Aviv.[17] A família mudou-se novamente em 1931 para um apartamento de dois cômodos na rua Hamagid em Tel Aviv.[18]

Infância e educação[editar | editar código-fonte]

Yitzhak Rabin quando jovem, pouco antes de ingressar no Palmach.

Yitzhak (Isaac) Rabin cresceu em Tel Aviv, para onde a família se mudou quando ele tinha um ano de idade. Ele se matriculou na Tel Aviv Beit Hinuch Leyaldei Ovdim (בית חינוך לילדי עובדים, "Casa Escolar para Filhos de Trabalhadores") em 1928 e completou seus estudos lá em 1935. A escola ensinava às crianças agricultura e sionismo.[19] Rabin geralmente recebia boas notas na escola, mas era tão tímido que poucas pessoas sabiam que ele era inteligente.[20] Em 1935, Rabin se matriculou em uma escola agrícola no kibutz Givat Hashlosha, fundado por sua mãe. Foi aqui em 1936, aos 14 anos, que Rabin ingressou no Haganah e recebeu seu primeiro treinamento militar, aprendendo a usar uma pistola e montar guarda. Ele também se juntou a um movimento jovem socialista-sionista, o HaNoar HaOved.[21]

Em 1937, ele se matriculou na Escola Secundária Agrícola Kadoorie de dois anos. Ele se destacou em vários assuntos relacionados à agricultura, mas não gostava de estudar a língua inglesa - a língua do "inimigo" britânico.[22][23] Ele originalmente aspirava ser um engenheiro de irrigação, mas seu interesse em assuntos militares se intensificou em 1938, quando a revolta árabe em curso piorou. Um jovem sargento do Haganah chamado Yigal Allon, mais tarde general das FDI e político proeminente, treinou Rabin e outros em Kadoorie. Durante parte de 1939, os britânicos fecharam Kadoorie e Rabin juntou-se a Allon como policial militar no Kibbutz Ginosar até a reabertura da escola. Rabin se graduou em Kadoorie em agosto de 1940.[24][25] Quando terminou a escola, Rabin considerou estudar engenharia de irrigação com bolsa de estudos na Universidade da Califórnia, em Berkeley, mas decidiu ficar e lutar na Palestina.[26]

Casamento e família[editar | editar código-fonte]

Rabin casou-se com Leah Schlossberg durante a Guerra Árabe-Israelense de 1948. Leah trabalhava na época como repórter de um jornal do Palmach. Eles tiveram dois filhos, Dalia (nascida em 19 de março de 1950) e Yuval (nascido em 18 de junho de 1955). Semelhante a toda a elite israelense da época, Rabin aderiu a um entendimento secular-nacional da identidade judaica e não era religioso. O diplomata americano Dennis Ross o descreveu como "o judeu mais secular que conheceu em Israel".[27]

Carreira militar[editar | editar código-fonte]

Palmach[editar | editar código-fonte]

Yitzhak Rabin quando comandante da Brigada Harel, c. 1948.

Em 1941, durante seu treinamento prático no kibutz Ramat Yohanan, Rabin ingressou na recém-formada seção Palmach do Haganah, sob a influência de Yigal Allon. Rabin ainda não sabia operar uma metralhadora, dirigir um carro ou andar de motocicleta, mas Moshe Dayan aceitou o novo recruta.[28] A primeira operação da qual ele participou foi ajudar na invasão aliada do Líbano, no Mandato do Levante então controlado pelas forças francesas de Vichy (a mesma operação na qual Dayan perdeu o olho) em junho-julho de 1941.[29] Allon continuou a treinar as jovens forças do Palmach.

Como Palmachnik, Rabin e seus homens tiveram que se manter um perfil baixo para evitar questionamentos da administração britânica. Eles passavam a maior parte do tempo cultivando a terra, treinando secretamente em meio período. Eles não usavam uniformes e não receberam reconhecimento público durante esse período.[30] Em 1943, Rabin assumiu o comando de um pelotão em Kfar Giladi. Ele treinou seus homens em táticas modernas e como conduzir ataques relâmpagos.[30]

Após o fim da Segunda Guerra Mundial, a relação entre o Palmach e as autoridades britânicas tornou-se tensa, especialmente no que diz respeito ao tratamento da imigração judaica. Em outubro de 1945, Rabin planejou uma incursão do Palmach no campo de detenção de Atlit, na qual 208 imigrantes ilegais judeus que haviam sido internados lá foram libertados. No Shabat Negro, uma grande operação britânica contra os líderes do establishment judaico no Mandato Britânico da Palestina e no Palmach, Rabin foi preso e detido por cinco meses. Após sua libertação, ele se tornou o comandante do segundo batalhão do Palmach e ascendeu ao cargo de Diretor de Operações do Palmach em outubro de 1947.

Forças de Defesa de Israel[editar | editar código-fonte]

Uma escavadeira reboca um caminhão com a Estrela de Davi na "Estrada da Birmânia", durante a batalha por Jerusalém, junho de 1948.

Durante a Guerra Árabe-Israelense de 1948, Rabin dirigiu as operações israelenses em Jerusalém e lutou contra o exército egípcio no Neguev. Durante o início da guerra, ele foi o comandante da Brigada Harel, que lutou na estrada para Jerusalém a partir da planície costeira, incluindo a "Estrada da Birmânia" israelense, bem como em muitas batalhas em Jerusalém, tais como recapturar o kibutz Ramat Rachel e assim protegendo o lado sul da cidade.

Durante a primeira trégua, Rabin comandou as forças das FDI na praia de Tel Aviv confrontando o Irgun durante o Caso Altalena.

No período seguinte foi vice-comandante da Operação Danny, a operação de maior escala até então, que envolveu quatro brigadas das FDI. As cidades de Ramle e Lydda foram capturadas, bem como o principal aeroporto de Lydda, como parte da operação. Após a captura das duas cidades houve uma expulsão de sua população árabe. Rabin assinou a ordem de expulsão, que incluía o seguinte:

... 1. Os habitantes de Lydda devem ser expulsos rapidamente sem atenção à idade. ... 2. Implemente imediatamente.[31]

A delegação israelense para as negociações do Acordo de Armistício de 1949. Da esquerda para a direita: Comandantes Yehoshafat Harkabi, Aryeh Simon, Yigael Yadin e Yitzhak Rabin (1949).

Mais tarde, Rabin foi chefe de operações da Frente Sul e participou das principais batalhas que encerraram os combates ali, incluindo a Operação Yoav e a Operação Horev. No início de 1949 integrou a delegação israelita às conversações de armistício com o Egito que decorreram na ilha de Rodes. O resultado das negociações foram os Acordos de Armistício de 1949, que encerraram as hostilidades oficiais da Guerra Árabe-Israelense de 1948. Após a desmobilização no final da guerra, ele era o ex-membro mais antigo do Palmach que permaneceu nas FDI.

Yitzhak Rabin, já como comandante do Comando do Norte, conversa com seu subordinado, 1957.
O Chefe do Estado-Maior Yitzhak Rabin coloca a insígnia de oficial em um graduado do Curso de Treinamento de Oficiais, pertencente ao Corpo Blindado, em 20 de junho de 1966.

Como muitos líderes Palmach, Rabin estava politicamente alinhado com o partido de esquerda pró-soviético Ahdut HaAvoda e mais tarde Mapam. Esses oficiais eram desconfiados pelo primeiro-ministro David Ben-Gurion e vários deixaram o exército em 1953 após uma série de confrontos. Os membros do Mapam que permaneceram - como Rabin, Haim Bar-Lev e David Elazar - tiveram que passar vários anos no estado-maior ou em postos de treinamento antes de retomarem suas carreiras.[32]

Rabin chefiou o Comando do Norte de Israel de 1956 a 1959.[33] Em 1964, foi nomeado chefe de gabinete das Forças de Defesa de Israel por Levi Eshkol, que substituiu David Ben-Gurion como primeiro-ministro e ministro da Defesa. Como Eshkol não tinha muita experiência militar e confiava no julgamento de Rabin, ele tinha carta branca. De acordo com as memórias do secretário militar de Eshkol, o novo primeiro-ministro seguiu Rabin "de olhos fechados".[34] Rabin foi o responsável pelos detalhados planejamentos e treinamento das forças israelenses.

Yitzhak Rabin com Richard Nixon em Tel Aviv, em 22 de junho de 1967.

Nos dias que antecederam a Guerra dos Seis Dias, em 1967, Rabin sofreu um colapso nervoso e foi incapaz de funcionar.[35] Durante o impasse inicial, Rabin sentiu que a tensão era insuportável: Ele passava noites em claro, comia pouco, tomava muito café e fumava incessantemente.[36] Ben-Gurion criticou Rabin por ter mobilizado os reservistas antes de assegurar uma potência aliada. As pesadas críticas de Ben-Gurion tiveram um efeito muito forte nele, "Você levou o Estado a uma situação grave. Você carrega a responsabilidade".[36] Rabin implorou a Eshkol para lançar um ataque preventivo quando Nasser fechou o Estreito de Tiran, em 23 de maio, mas isto foi negado. Rabin entrou em depressão profunda e um médico foi chamado para lhe injetar um sedativo, e ele dormiu pelas próximas 24 horas.[36] No dia 1º de junho, quando as notícias da elevação de Moshe Dayan a ministro da Defesa foram liberadas, houve um suspiro coletivo de alívio no Comando israelense.[37] As Forças de Defesa de Israel alcançaram uma vitória espetacular sobre o Egito, Síria e Jordânia em 1967. Depois que a Cidade Velha de Jerusalém foi capturada pelas FDI, Rabin foi um dos primeiros a visitá-la e realizou um famoso discurso no Monte Scopus, na Universidade Hebraica.

Embaixador nos Estados Unidos (1968–1973)[editar | editar código-fonte]

Após sua reforma das FDI, Yitzhak Rabin se tornou embaixador nos Estados Unidos a partir de 1968, servindo por cinco anos. Nesse período, os EUA se tornaram o principal fornecedor de armas de Israel e, em particular, ele conseguiu suspender o embargo aos caças F-4 Phantom. Durante a Guerra do Yom Kippur de 1973, ele não serviu em nenhuma função oficial. Enquanto servia como embaixador, Rabin conheceu e formou um relacionamento com Menachem M. Schneerson.[38]

Ministro do Trabalho[editar | editar código-fonte]

Nas eleições realizadas no final de 1973, Rabin foi eleito para o Knesset como membro do Alinhamento. Ele foi nomeado Ministro do Trabalho de Israel em março de 1974 no 16º governo, de curta duração, liderado por Golda Meir.[39]

Primeiro mandato como primeiro-ministro (1974-1977)[editar | editar código-fonte]

Rabin como primeiro-ministro com o presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, em 1977.

Após a renúncia de Golda Meir em abril de 1974, Rabin foi eleito líder do partido, após derrotar Shimon Peres. A rivalidade entre esses dois líderes trabalhistas permaneceu acirrada e eles competiram várias vezes nas duas décadas seguintes pelo papel de liderança e até por quem merecia crédito pelas conquistas do governo.[40] Rabin sucedeu Golda Meir como primeira-ministra de Israel em 3 de junho de 1974. Este foi um governo de coalizão, incluindo o Ratz, os Liberais Independentes, Progresso e Desenvolvimento e a Lista Árabe para Beduínos e Aldeões. Esse arranjo, com maioria parlamentar simples, durou alguns meses e foi um dos poucos períodos na história de Israel em que os partidos religiosos não faziam parte da coalizão. O Partido Religioso Nacional juntou-se à coalizão em 30 de outubro de 1974 e Ratz saiu em 6 de novembro.

Na política externa, o grande desenvolvimento no início do mandato de Rabin foi o Acordo Provisório do Sinai entre Israel e Egito, assinado em 1º de setembro de 1975. Ambos os países declararam que o conflito entre eles e no Oriente Médio não será resolvido pela força militar, mas por meios pacíficos. Este acordo seguiu a diplomacia de Henry Kissinger e uma ameaça de "reavaliação" da política regional dos Estados Unidos e suas relações com Israel. Rabin observa que era "um termo inocente que anunciava um dos piores períodos nas relações americano-israelenses".[41] Mas o acordo foi um passo importante para os Acordos de Camp David de 1978 e o tratado de paz com o Egito assinado em 1979.

Passageiros resgatados de Entebbe são recebidos no Aeroporto Ben Gurion, 4 de julho de 1976.

A Operação Entebbe foi talvez o evento mais dramático durante o primeiro mandato de Rabin. Sob suas ordens, as FDI realizaram um ataque secreto de longo alcance para resgatar passageiros de um avião sequestrado por militantes pertencentes à facção Wadie Haddad da Frente Popular para a Libertação da Palestina e as Células Revolucionárias alemã (RZ), e que desviaram o avião para a Uganda de Idi Amin Dadá.[42] A operação foi um tremendo sucesso, e seu caráter espetacular tornou-a objeto de muitos comentários e estudos contínuos.[43]

No final de 1976, seu governo de coalizão com os partidos religiosos sofreu uma crise: uma moção de censura foi apresentada pelo Agudat Yisrael por violação do sábado em uma base da Força Aérea israelense quando quatro jatos F-15 foram entregues dos EUA e o Partido Religioso Nacional se absteve. Rabin dissolveu seu governo e decidiu por novas eleições, que seriam realizadas em maio de 1977. Rabin foi reeleito por pouco como líder do partido sobre Shimon Peres em fevereiro de 1977.[44]

Após a reunião de março de 1977 entre Rabin e o presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, Rabin anunciou publicamente que os Estados Unidos apoiavam a ideia israelense de fronteiras defensáveis; Carter então emitiu um esclarecimento. Seguiu-se uma "repercussão" nas relações EUA/Israel. Acredita-se que as consequências contribuíram para a derrota do Partido Trabalhista de Israel nas eleições de maio de 1977.[45] Em 15 de março de 1977, o jornalista do Haaretz, Dan Margalit, revelou que uma conta conjunta em dólares nos nomes de Yitzhak e Leah Rabin, aberta em um banco de Washington, DC durante o mandato de Rabin como embaixador de Israel (1968-73), ainda estava aberta, em violação da lei israelense.[46] De acordo com os regulamentos cambiais israelenses da época, era ilegal para os cidadãos manter contas em bancos estrangeiros sem autorização prévia. Rabin renunciou em 8 de abril de 1977, após a revelação do jornalista do Maariv, S. Isaac Mekel, de que os Rabins possuíam duas contas em Washington, não uma, contendo $ 10.000, e que um comitê de penalidades administrativas do Ministério das Finanças os multou em IL 150.000.[47] Rabin retirou-se da liderança do partido e da candidatura a primeiro-ministro.

Membro da oposição no Knesset (1977-1984)[editar | editar código-fonte]

Após a derrota do Partido Trabalhista nas eleições de 1977, Menachem Begin, do Likud, tornou-se primeiro-ministro, e o Trabalhismo (que fazia parte da aliança Alinhamento) entrou na oposição. Até 1984, Rabin, como membro do Knesset, sentou-se no Comitê de Relações Exteriores e Defesa. Rabin desafiou sem sucesso Shimon Peres para a liderança do Partido Trabalhista de Israel na eleição de liderança do partido em 1980.[44]

Ministro da Defesa (1984–1990)[editar | editar código-fonte]

O barco de mísseis da Marinha israelense INS Romach na costa do Líbano, agosto de 1982.

De 1984 a 1990, o Partido Trabalhista esteve no governo como parte das coalizões que formaram os 21º e 22º governos durante o 11º Knesset, e o 23º governo durante a primeira parte do 10º Knesset. De 1984 a 1990, Rabin atuou como Ministro da Defesa em vários governos de unidade nacional liderados pelos primeiros-ministros Yitzhak Shamir e Shimon Peres. Quando Rabin assumiu o cargo, as tropas israelenses ainda estavam no Líbano. Rabin ordenou sua retirada para uma "Zona de Segurança" no lado libanês da fronteira. O Exército do Sul do Líbano estava ativo nesta zona, junto com as Forças de Defesa de Israel.

Em 4 de agosto de 1985, o Ministro da Defesa Rabin introduziu uma política de Punho de Ferro na Cisjordânia, revivendo o uso da legislação da era do Mandato Britânico para deter pessoas sem julgamento, demolir casas, fechar jornais e instituições, bem como deportar ativistas. A mudança na política ocorreu após uma campanha pública sustentada exigindo uma política mais dura após a troca de prisioneiros em maio de 1985, na qual 1.150 palestinos foram libertados.[48]

Manifestantes palestinos erguendo uma barricada durante a Primeira Intifada.

Quando estourou a primeira Intifada, Rabin adotou medidas duras para impedir os violentos tumultos, inclusive autorizando o uso de "força, poder e espancamentos" contra os manifestantes.[49][50] O termo depreciativo "quebra ossos" foi usado como um slogan internacional crítico.[51]

A combinação do fracasso da política do "Punho de Ferro", a deterioração da imagem internacional de Israel e o corte dos laços legais e administrativos da Jordânia com a Cisjordânia com o reconhecimento da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) pelos EUA como representante do povo palestino forçaram Rabin a buscar o fim da violência por meio da negociação e diálogo com a OLP.[51][52]

Em 1988, Rabin foi responsável pelo assassinato de Abu Jihad em Túnis e duas semanas depois ele supervisionou pessoalmente a destruição da fortaleza do Hezbullah em Meidoun durante a Operação Lei e Ordem, na qual as FDI afirmaram que 40-50 combatentes do Hezbullah foram mortos. Três soldados israelenses foram mortos e dezessete feridos.[53][54]

Como Ministro da Defesa, Rabin planejou e executou o sequestro em 27 de julho de 1989 do líder do Hezbullah Sheikh Abdel Karim Obeid e dois de seus assessores em Jibchit, no sul do Líbano. O Hezbullah respondeu anunciando a execução do Coronel Higgins, um alto oficial americano que trabalhava para a UNIFIL e que havia sido sequestrado em fevereiro de 1988.

Membro da oposição no Knesset (1990-1992)[editar | editar código-fonte]

Rabin em casa com sua esposa, neto, filha, então genro e duas de suas netas em 1992.

No "truque sujo", o Partido Trabalhista deixou a coalizão do 23º governo em uma tentativa fracassada de formar uma nova coalizão a ser liderada por Peres. No entanto, o fracasso desse esforço (e o sucesso de Yitzhak Shamir em formar o 24º governo sem trabalhistas) deixou os trabalhistas na oposição pelo restante do 10º Knesset. De 1990 a 1992, Rabin sentou-se novamente no Comitê de Relações Exteriores e Defesa do Knesset.

Após o tiro pela culatra do "truque sujo" de Peres e do Partido Trabalhista, Rabin tentou, sem sucesso, persuadir o partido a agendar uma eleição de liderança em 1990.[55][56] Uma corrida pela liderança em perspectiva em 1990 parecia promissora para Rabin. Peres estava enfraquecido pelo tiro pela culatra do "truque sujo" e as pesquisas mostraram que Rabin era o político mais popular do país. Além disso, muitos dos apoiadores de longa data de Peres no partido começaram a mudar seu apoio para Rabin.[56] No entanto, uma semana depois, em 22 de julho de 1990, os 1.400 membros do Comitê Central do Partido Trabalhista votaram 54 a 46% contra a realização de uma disputa de liderança imediata.[55][56] Isso preparou o partido para não realizar uma eleição de liderança até pelo menos o ano seguinte, a menos que a próxima eleição do Knesset fosse agendada antes do previsto para 1992.[55] A votação do comitê para rejeitar a pressão de Rabin para uma disputa pela liderança em 1990 foi considerada um resultado desagradável.[55] Em sua eleição de liderança em 1992, Rabin foi eleito presidente do Partido Trabalhista, destituindo Shimon Peres.[44]

Segundo mandato como primeiro-ministro[editar | editar código-fonte]

Yitzhak Rabin ao lado de Bill Clinton e Yasser Arafat, num aperto de mãos que selaria o Acordo de paz de Oslo, no dia 13 de setembro de 1993.

Nas eleições legislativas israelenses de 1992, o Partido Trabalhista, liderado por Rabin, concentrou-se fortemente em sua popularidade. O partido conseguiu obter uma vitória clara sobre o Likud do incumbente primeiro-ministro Yitzhak Shamir. No entanto, o bloco de esquerda no Knesset obteve apenas uma estreita maioria geral, facilitada pelo fracasso de pequenos partidos nacionalistas em ultrapassar o limiar eleitoral. Rabin formou o primeiro governo liderado pelos trabalhistas em quinze anos, apoiado por uma coalizão com o Meretz, um partido de esquerda, e o Shas, um partido religioso ultraortodoxo mizrahim.

Bill Clinton observa o rei Hussein da Jordânia (à esquerda) e o primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin (à direita) assinarem o tratado de paz Israel-Jordânia.

Em 25 de julho de 1993, depois que o Hezbollah disparou foguetes contra o norte de Israel, Rabin autorizou uma operação militar de uma semana no Líbano.[57] Rabin desempenhou um papel importante na assinatura dos Acordos de Oslo, que criaram a Autoridade Nacional Palestina e lhe concederam controle parcial sobre partes da Faixa de Gaza e da Cisjordânia. Antes da assinatura dos acordos, Rabin recebeu uma carta do presidente da OLP, Yasser Arafat, renunciando à violência e reconhecendo oficialmente Israel, e no mesmo dia, 9 de setembro de 1993, Rabin enviou a Arafat uma carta reconhecendo oficialmente a OLP.[58]

Após o anúncio dos Acordos de Oslo, houve muitas manifestações de protesto em Israel, contestando os Acordos. À medida que esses protestos se arrastavam, Rabin insistiu que, enquanto tivesse a maioria no Knesset, ignoraria os protestos e os manifestantes. Neste contexto, disse, "eles (os manifestantes) podem girar e girar como hélices"[59] mas ele continuaria no caminho dos Acordos de Oslo. A maioria parlamentar de Rabin baseou-se no apoio de árabes não-membros da coalizão.[60] Rabin também negou o direito dos judeus americanos de se oporem ao seu plano de paz, chamando qualquer dissidência de "chutzpah".[61] O acordo de Oslo também foi contestado pelo Hamas e outras facções palestinas, que lançaram atentados suicidas contra Israel.[62]

Após o aperto de mão histórico com Yasser Arafat,[63] Rabin disse, em nome do povo israelense: "Nós que lutamos contra vocês, os palestinos, dizemos a vocês hoje, em voz alta e clara; basta de sangue e lágrimas. Basta!"[64][65] Durante este mandato, Rabin também supervisionou a assinatura do tratado de paz Israel-Jordânia em 1994.[66]

Da esquerda para a direita: Yasser Arafat, Shimon Peres e Yitzhak Rabin recebendo o Prêmio Nobel da Paz após os Acordos de Oslo.

Prêmio Nobel da Paz[editar | editar código-fonte]

Por seu papel na criação dos Acordos de Oslo, Rabin recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1994, juntamente com Yasser Arafat e Shimon Peres.[67] Os Acordos dividiram muito a sociedade israelense, com alguns vendo Rabin como um herói por promover a causa da paz e alguns o vendo como um traidor por doar terras que consideravam pertencer por direito a Israel. Muitos israelenses de direita costumam culpá-lo pelas mortes de judeus em ataques terroristas, atribuindo-os aos acordos de Oslo.[68]

"Cemitérios militares em todos os cantos do mundo são testemunhos silenciosos do fracasso dos líderes nacionais em santificar a vida humana." — Yitzhak Rabin, palestra do Prêmio Nobel da Paz de 1994.[69]

Reformas econômicas e sociais[editar | editar código-fonte]

Rabin apertando a mão de novos imigrantes russos em seu voo para Israel em 1994.

Rabin reformou significativamente a economia de Israel, bem como seus sistemas de educação e saúde. Seu governo expandiu significativamente a privatização de empresas, afastando-se da economia tradicionalmente socializada do país.[70] O esquema foi descrito por Moshe Arens como um "frenesi de privatizações".[71] Em 1993, seu governo criou o programa "Yozma", segundo o qual atraentes incentivos fiscais eram oferecidos a fundos de capital de risco estrangeiros que investiam em Israel e prometiam dobrar qualquer investimento com financiamento do governo. Como resultado, fundos de capital de risco estrangeiros investiram pesadamente na crescente indústria israelense de alta tecnologia, contribuindo para o crescimento econômico de Israel e para o status de líder mundial em alta tecnologia.[72] Em 1995, foi aprovada a Lei do Seguro Nacional de Saúde. A lei criou o sistema de saúde universal de Israel, afastando-se do sistema de seguro saúde tradicionalmente dominado pela Histadrut. Os salários dos médicos também foram aumentados em 50%. Os gastos com educação aumentaram 70%, com novas faculdades sendo construídas nas áreas periféricas de Israel e os salários dos professores aumentando em um quinto. Seu governo também lançou novos projetos de obras públicas, como a Rodovia Autopista Israel e uma expansão do Aeroporto Ben Gurion.[73]

Assassinato e consequências[editar | editar código-fonte]

Rabin fazendo seu discurso no comício de 4 de novembro de 1995, pouco antes de seu assassinato.

Na noite de 4 de novembro de 1995 (12 de Cheshvan no calendário hebraico[74]), Rabin foi assassinado por Yigal Amir, um extremista de direita que se opôs à assinatura dos Acordos de Oslo. Rabin estava participando de uma manifestação em massa na Praça dos Reis de Israel (agora Praça Rabin) em Tel Aviv, realizada em apoio aos Acordos de Oslo. Quando a manifestação terminou, Rabin desceu os degraus da prefeitura em direção à porta aberta de seu carro, momento em que Amir disparou três tiros em Rabin com uma pistola semiautomática. Dois tiros atingiram Rabin e o terceiro feriu levemente Yoram Rubin, um dos guarda-costas de Rabin. Rabin foi levado para o Hospital Ichilov próximo, onde morreu na mesa de operação por perda de sangue e dois pulmões perfurados. Amir foi imediatamente detido pelos guarda-costas de Rabin e pela polícia. Mais tarde, ele foi julgado, considerado culpado e condenado à prisão perpétua. Após uma reunião de emergência do gabinete, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Shimon Peres, foi nomeado primeiro-ministro israelense interino.[75]

Yitzhak Rabin, um resumo feito pelo Hevrat HaHadashot (Canal 2).

O assassinato de Rabin foi um grande choque para o público israelense e para grande parte do resto do mundo. Centenas de milhares de israelenses se aglomeraram na praça onde Rabin foi assassinado para lamentar sua morte. Os jovens, em particular, compareceram em grande número, acendendo velas memoriais e cantando canções de paz. Em 6 de novembro de 1995, ele foi enterrado no Monte Herzl. O funeral de Rabin contou com a presença de muitos líderes mundiais, entre eles o presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, o primeiro-ministro australiano Paul Keating, o presidente egípcio Hosni Mubarak e o rei Hussein da Jordânia. Clinton fez um elogio cujas palavras finais foram em hebraico - "Shalom, Haver" (hebraico: שלום חבר, lit. Adeus, amigo).

A praça onde foi assassinado, Kikar Malkhei Yisrael (Praça dos Reis de Israel), foi rebatizada de Praça Rabin em sua homenagem. Muitas outras ruas e instituições públicas em Israel também receberam seu nome posteriormente. Após seu assassinato, Rabin foi aclamado como um símbolo nacional e passou a incorporar o ethos do "campo de paz israelense", apesar de sua carreira militar e de visões de falcão no início da vida.[76] Em novembro de 2000, sua esposa Leah morreu e foi enterrada ao lado dele.[77]

Após o assassinato, foi revelado que Avishai Raviv, um conhecido extremista de direita na época, era na verdade um agente-informante do Shin Bet de codinome Champagne. Raviv foi posteriormente absolvido no tribunal das acusações de que não conseguiu evitar o assassinato. O tribunal decidiu que não havia evidências de que Raviv sabia que o assassino Yigal Amir estava planejando matar Rabin.[78] Após o assassinato de Rabin, sua filha Dalia Rabin-Pelossof entrou na política e foi eleita para o Knesset em 1999 como parte do Partido do Centro. Em 2001, ela atuou como vice-ministra da Defesa de Israel.[79]

Celebração[editar | editar código-fonte]

  • Yitzhak Rabin Walk no Queens, na Cidade de Nova York.
    Uma pedra memorial em homenagem a Rabin em Wellington, na Nova Zelândia.
    O Knesset estabeleceu o dia 12 de Cheshvan, a data do assassinato de acordo com o calendário hebraico, como o dia memorial oficial de Rabin.
  • Em 1995, a Autoridade Postal de Israel emitiu um selo Rabin comemorativo.
  • Em 1996, a compositora israelense Naomi Shemer traduziu o poema de Walt Whitman "Ó capitão! Meu capitão!" para o hebraico e escreveu uma música para marcar o aniversário do assassinato de Rabin. Desde então, a música é comumente executada ou tocada nos serviços do dia memorial de Yitzhak Rabin.
  • O Centro Yitzhak Rabin foi fundado em 1997 por um ato do Knesset, para criar "[um] Centro Memorial para Perpetuar a Memória de Yitzhak Rabin." Realiza extensas atividades comemorativas e educativas enfatizando os caminhos e meios da democracia e da paz.
  • O Mechinat Rabin, um programa preparatório pré-exército israelense para treinar recém-formados do ensino médio em liderança antes de seu serviço militar, foi criado em 1998.
  • Em 2005, Rabin recebeu o Prêmio Dr. Rainer Hildebrandt de Direitos Humanos concedido por Alexandra Hildebrandt. O prêmio é concedido anualmente em reconhecimento ao compromisso extraordinário e não violento com os direitos humanos.
  • Muitas cidades e vilas em Israel deram nomes a ruas, bairros, escolas, pontes e parques em homenagem a Rabin. A maior usina elétrica do país, Orot Rabin, dois complexos de escritórios do governo (no HaKirya em Tel Aviv e na Sail Tower em Haifa), o terminal israelense da fronteira de Arava/Araba com a Jordânia e duas sinagogas também levam seu nome. Fora de Israel, há ruas e praças com seu nome em Bonn, Berlim, Chicago, Madri, Miami, Nova York e Odessa e parques em Montreal, Paris, Roma e Lima. A escola secundária judaica da comunidade em Ottawa também leva o seu nome.
  • A Sociedade de Israel da Universidade de Cambridge realiza uma palestra acadêmica anual em homenagem a Yitzhak Rabin.

Visão geral dos cargos ocupados[editar | editar código-fonte]

Rabin serviu duas vezes como primeiro-ministro (chefe do governo de Israel). Sua primeira passagem durou de 3 de junho de 1974 a 20 de junho de 1977, liderando o 17º governo durante o 8º Knesset. Sua segunda passagem durou de 13 de julho de 1992 até seu assassinato em 4 de novembro de 1995, liderando o 25º governo durante o 13º Knesset. Rabin foi membro do Knesset de 1974 até seu assassinato. Por vários meses em 1992, Rabin serviu como líder da oposição do Knesset, na época um papel não-oficial e honorário. Rabin também serviu como embaixador de Israel nos Estados Unidos de 1968 a 1973.

Liderança do Partido Trabalhista[editar | editar código-fonte]

Peres serviu duas vezes como líder do Partido Trabalhista de Israel.

Mandatos como líder do Partido Trabalhista
Mandato Predecessor Sucessor Eleições do Knesset como líder Eleito/reeleito

como líder

Abril de 1974–Fevereiro de 1974 Golda Meir Shimon Peres 1974, 1977 (Fev)
Fevereiro de 1992–4 de novembro de 1995 Shimon Peres Shimon Peres 1992 1992

Referências

  1. «יצחק רבין» [Yitzhak Rabin]. Knesset (em hebraico). Consultado em 20 de dezembro de 2022 
  2. a b Peter Philipp (4 de novembro de 2015). «1995: Assassinato do premiê israelense Itzak Rabin». Dw.com. Consultado em 20 de dezembro de 2022 
  3. «Biografia de Yitzhak Rabin». unificado.com.br. Consultado em 8 de maio de 2012. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2010 
  4. a b «יצחק רבין». Knesset (em hebraico). Consultado em 20 de dezembro de 2022 
  5. a b «Yitzhak Rabin Biographical». Prêmio Nobel (em inglês). Consultado em 22 de dezembro de 2022 
  6. a b Adam Zeidan. «Yitzhak Rabin». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2022 
  7. Memória Globo (28 de outubro de 2021). «Morte de Yitzhak Rabin». Memoriaglobo.globo.com. Consultado em 21 de dezembro de 2022 
  8. «Documentário sobre assassino de Yitzhak Rabin gera polêmica em Israel». BBC. 23 de junho de 2015. Consultado em 21 de dezembro de 2022 
  9. «יצחק רבין». Knesset (em hebraico). Consultado em 22 de dezembro de 2022 
  10. Chemi Shalev [en] (6 de novembro de 2015). «יצחק רבין, מותו של הצבר הראשון שהנהיג את ישראל» [Yitzhak Rabin, a morte do primeiro sabra que liderou Israel]. Haaretz (em hebraico). Consultado em 20 de dezembro de 2022 
  11. Dana Arieli-Horowitz (janeiro de 2008). «רצח פוליטי והאמנות החזותית: המקרה של יצחק רבין» [Assassinato político e arte visual: o caso de Yitzhak Rabin]. Bezalel (em hebraico). Consultado em 20 de dezembro de 2022. O fato de pela primeira vez na história do Estado de Israel um primeiro-ministro ter sido assassinado, e por um judeu vestindo kipá, provocou uma enorme gama de reações imediatas. 
  12. Laura Etheredge. «Levi Eshkol». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2022. prime minister of Israel from 1963 until his death. 
  13. IMEU (25 de setembro de 2020). «Quick Facts: Yitzhak Rabin» [Fatos rápidos: Yitzhak Rabin]. Institute for Middle East Understanding (IMEU) (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023. Yitzhak Rabin nasceu em 1º de março de 1922, em Jerusalém, Mandato da Palestina. Seu pai, nascido Nehemiah Rubitzov na atual Ucrânia, emigrou para os Estados Unidos, onde mudou seu sobrenome para "Rabin" antes de se mudar para a Palestina em 1917. Sua mãe, nascida Rosa Cohen na Bielo-Rússia, mudou-se para a Palestina em 1919. 
  14. «Доказано украинское происхождение Ицхака Рабина» [Origem ucraniana comprovada de Yitzhak Rabin]. Jewish Kiev (em ucraniano). Congresso Judaico Ucraniano. 18 de março de 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 26 de abril de 2012 
  15. Billy Moscone-Lerman (10 de abril de 1987). «רוזה רוזה» [Rosa Rosa]. Maariv (em hebraico). 40 (12000): 112 (18 interno). Consultado em 22 de dezembro de 2022 
  16. Slater, Robert (1993). Rabin of Israel: Biography of the Embattled Prime Minister (em inglês) 1ª ed. Nova York: St. Martin's Press. p. 25. ISBN 0312093683. OCLC 27676718 
  17. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 27-28. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  18. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 34. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  19. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 28-29. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  20. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After. Daniella Maor. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 31. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  21. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 37, 39-40. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  22. Kurzman, Dan (1998). Soldier of Peace: The Life of Yitzhak Rabin, 1922-1995 (em inglês) 1ª ed. Nova York: HarperCollins Publishers. p. 75. ISBN 0060186844. OCLC 38112801 
  23. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 41. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  24. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 42-43. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  25. Kurzman, Dan (1998). Soldier of Peace: The Life of Yitzhak Rabin, 1922–1995 (em inglês) 1ª ed. Nova York: HarperCollins Publishers. p. 80. ISBN 0060186844. OCLC 38112801 
  26. Kurzman, Dan (1998). Soldier of Peace: The Life of Yitzhak Rabin, 1922–1995 (em inglês) 1ª ed. Nova York: HarperCollins Publishers. p. 81. ISBN 0060186844. OCLC 38112801 
  27. Ross, Dennis (2004). The Missing Peace: The Inside Story of the Fight for Middle East Peace (em inglês) 1ª ed. Nova York: Farrar, Straus and Giroux. p. 91. ISBN 978-0374529802. OCLC 53971629 
  28. Kurzman, Dan (1998). Soldier of Peace: The Life of Yitzhak Rabin, 1922–1995 (em inglês) 1ª ed. Nova York: HarperCollins Publishers. p. 82. ISBN 0060186844. OCLC 38112801 
  29. Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 46-47. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  30. a b Slater, Robert (2015). Rabin: 20 Years After (em inglês). Daniella Maor e Bat-Chen Nachmani. Glil Yam, Israel: KIP-Kotarim International Publishing. p. 49-50. ISBN 978-9-657-58913-7. OCLC 914349287 
  31. Morris, Benny (1987). The Birth of the Palestinian Refugee Problem 1947–1949 (em inglês). Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press. p. 207. ISBN 9780521330282. OCLC 16084062 
  32. Peri, Yoram (1983). Between Battles and Ballots: Israeli Military in Politics (em inglês). Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press. ISBN 0-521-24414-5. OCLC 8476207 
  33. «Biography of Yitzhak Rabin» (PDF) (em inglês): pg. 3. Consultado em 5 de janeiro de 2023. Arquivado do original (PDF) em 10 de outubro de 2013 
  34. Maoz, Zeev (2006). Defending the Holy Land: A critical analysis of Israel's security & foreign policy (em inglês). Ann Arbor: University of Michigan Press. p. 100–101. ISBN 0472115405. OCLC 62127840 
  35. Krauthammer, Charles (18 de maio de 2007). «Prelude to the Six Days». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  36. a b c Stein, Leslie (2009). The Making of Modern Israel: 1948-1967 (em inglês). Cambridge: Polity Press. p. 286-287. ISBN 978-0745644660. OCLC 286484828 
  37. Stein, Leslie (2009). The Making of Modern Israel: 1948-1967 (em inglês). Cambridge: Polity Press. p. 288. ISBN 978-0745644660. OCLC 286484828 
  38. «Yitchak Rabin and the Rebbe». Youtube (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  39. «Yitzhak Rabin». The Jewish Virtual Library (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  40. Parks, Michael (29 de julho de 1994). «Rivalry Between Rabin, Peres Rekindled Over Who Deserves Credit for Jordan Pact». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  41. Rabin, Yitzhak (1996). The Rabin Memoirs (em inglês). Berkeley: University of California Press. p. 261. ISBN 0-520-20766-1. OCLC 34984145 
  42. Avner, Yehuda (2010). The Prime Ministers: An Intimate Narrative of Israeli Leadership (em inglês) 1ª ed. New Milford, CT: Toby Press. p. 303–18. ISBN 978-1-59264-278-6. OCLC 424561443 
  43. Smith, Terence (4 de julho de 1976). «Hostages freed as Israelis raid Uganda airport». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  44. a b c Kenig, Ofer (2009). «Democratizing Party Leadership Selection in Israel: A Balance Sheet». Israel Studies Forum (em inglês). Vol. 24 (Nº 1): pg. 62–81. ISSN 1557-2455. JSTOR 41805011. Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  45. Quandt, William B. (2005). Peace Process: American diplomacy and the Arab-Israeli conflict since 1967 (em inglês) 3ª ed. Washington, D.C.: Brookings Institution Press. p. 182. ISBN 0-520-24631-4. OCLC 59757895 
  46. Avner, Yehuda (2010). The Prime Ministers: An Intimate Narrative of Israeli Leadership (em inglês) 1ª ed. New Milford, CT: Toby Press. ISBN 978-1-59264-278-6. OCLC 424561443 
  47. «Rabin Resigns Following Probe into Illegal Bank Accounts Held by Him and His Wife in Washington». Jewish Telegraphic Agency (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  48. Hiltermann, Joost R. (1991). Behind the Intifada. Labor and Women’s Movements in the Occupied Territories (em inglês). Princeton, N.J.: Princeton University Press. p. 114. ISBN 0-691-07869-6. OCLC 23654259 
  49. Shipler, David K. (26 de janeiro de 1988). «U.S. Jews Torn Over Arab Beatings». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  50. «Israel Declines to Study Rabin Tie to Beatings». The New York Times (em inglês). 12 de julho de 1990. ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  51. a b Shlaim, Avi (2001). The Iron Wall; Israel and the Arab World. Penguin Books (em inglês). Londres: Penguin. p. 453–57. ISBN 0-14-028870-8. OCLC 223275917 
  52. «Yitzhak Rabin: An Appreciation». Foreign Policy Research Institute (em inglês). Novembro de 1995. Consultado em 5 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 9 de setembro de 2008 
  53. Tyler, Patrick (2013). Fortress Israel: The inside story of the military elite who run the country – and why they can't make peace (em inglês). Londres: Farrar Straus Giroux. ISBN 9781846274466. OCLC 1240720702 
  54. Bierman, John (16 de maio de 1988). «Israel's 48-hour invasion | Maclean's | MAY 16, 1988». Maclean's | The Complete Archive (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  55. a b c d Brinkley, Joel (23 de julho de 1990). «Peres overcomes Rabin challenge». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  56. a b c Diehl, Jackson (23 de julho de 1990). «Israeli Labor Party Ends Rabin's Takeover Bid». The Washington Post (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  57. «מבצע דין וחשבון: שלב אחר שלב» [Operação de prestação de contas: passo a passo]. Mako (em hebraico). 12 de setembro de 2013. Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  58. Gelvin, James L. (2007). «Chapter 10: Coming full circle – Oslo and its aftermath». The Israel-Palestine Conflict: One Hundred Years of War (em inglês) 2ª ed. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press. p. 233. ISBN 978-0521716529. OCLC 166315030 
  59. Frucht, Leora Eren (2005). «Her Grandfather, His Legacy». The Jerusalem Post (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 24 de março de 2006 
  60. Rabinovich, Itamar (2008). Israel in the Middle East: Documents and readings on society, politics, and foreign relations, pre-1948 to the present (em inglês). Jehuda Reinharz 2ª ed. Waltham, Mass.: Brandeis University Press. ISBN 9780874519624. OCLC 167499758 
  61. Katz, Shmuel (20 de outubro de 1995). «Yitzhak Rabin's own Chutzpah...» (PDF). Jewish Daily Forward (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 16 de julho de 2011 
  62. Schmemann, Serge (22 de agosto de 1995). «Bus bombing kills five in Jerusalem; 100 are wounded». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  63. Frazer, Jenni (25 de outubro de 2015). «20 years on, Rabin's right-hand man regrets arguments won, and lost». The Times of Israel (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  64. Rabin, Yitzhak (1996). The Rabin Memoirs, Expanded Edition with Recent Speeches, New Photographs, and an Afterword (em inglês). Berkeley: University of California Press. p. 401. ISBN 978-0520207660. OCLC 34984145. Deixe-me dizer a vocês, palestinos: estamos destinados a viver juntos, no mesmo solo, na mesma terra. Nós, os soldados que voltamos da batalha manchados de sangue, nós que vimos nossos parentes e amigos mortos diante de nossos olhos, nós que assistimos a seus funerais e não podemos olhar nos olhos de pais e órfãos, nós que viemos de uma terra onde os pais enterram seus filhos, nós que lutamos contra vocês, os palestinos – dizemos a vocês hoje em voz alta e clara; basta de sangue e lágrimas. Basta! 
  65. Dicus, Howard (1993). «Israeli-Palestinian Peace Treaty». UPI (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  66. Dicus, Howard (1994). «Treaty between Israel and Jordan and Peace in Ireland». UPI (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  67. «The Nobel Peace Prize 1994: Yitzhak Rabin». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  68. Karsh, Efraim (2006). Islamic Imperialism: A History (em inglês). New Haven: Yale University Press. p. 181. ISBN 0300106033. OCLC 62408708. Muitos palestinos viam o tratado de paz com Israel apenas como uma medida temporária. 
  69. «Yitzhak Rabin: 1994 Nobel Peace Prize lecture». NobelPrize.org (em inglês). 10 de dezembro de 1994. Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  70. Asa-El, Amotz. «Yitzhak Rabin's little-known economic legacy». MarketWatch (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  71. Arens, Moshe (30 de agosto de 2015). «Be Careful What You Privatize». Haaretz (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  72. Lifshitz, Roni (26 de setembro de 2001). «The Bottom Line When the Horses Are Far, Far Away». Haaretz (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  73. Gilder, George (23 de dezembro de 2015). «Silicon Israel: How market capitalism saved the Jewish state». City Journal (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  74. «Hebrew Date Converter - November 4, 1995 after sunset / 12th of Cheshvan, 5756». Hebcal.com (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  75. «1995: Israeli PM shot dead» (em inglês). 4 de novembro de 1995. Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  76. Rabinovich, Abraham (1º de novembro de 1998). «Yitzhak Rabin: The Sabra, the Mensch». The Jerusalem Post (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 3 de março de 2001 
  77. Segal, Naomi (13 de novembro de 2000). «Leah Rabin dead at 72». Jewish Telegraphic Agency (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  78. Reinfeld, Moshe (1º de abril de 2003). «Avishai Raviv Acquitted of Having Failed to Prevent Rabin Assassination». Haaretz (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2023 
  79. «Deputy Defense Minister Dalia Rabin-Pelossof - NO information PA prevented attacks after disco bomb». Independent Midia Review Analysis (IMRA) (em inglês). 12 de junho de 2001. Consultado em 6 de janeiro de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Yitzhak Rabin

Precedido por
Tzvi Tzur
Chefe-de-estado-maior das Forças de Defesa de Israel
19641968
Sucedido por
Chaim Bar-Lev
Precedido por
Avraham Harman
Embaixador de Israel nos Estados Unidos
19681973
Sucedido por
Simcha Dinitz
Precedido por
Golda Meir
Líder do Partido Trabalhista
19731977
Sucedido por
Menachem Begin
Precedido por
Golda Meir
Primeiro-ministro de Israel
19741977
Sucedido por
Menachem Begin
Precedido por
Shimon Peres
Líder do Partido Trabalhista
19921995
Sucedido por
Shimon Peres
Precedido por
Yitzhak Shamir
Primeiro-ministro de Israel
19921995
Sucedido por
Shimon Peres
Precedido por
Nelson Mandela e Frederik Willem de Klerk
Nobel da Paz
1994
com Yasser Arafat e Shimon Peres
Sucedido por
Joseph Rotblat e Conferências Pugwash sobre Ciência e Negócios Mundiais