Hamas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hamas
حركة المقاومة الإسلامية
Presidente Ismail Haniya (primeiro-ministro)
Vice-presidente Saleh al-Arouri[1]
Porta-voz Fawzi Barhoum
Fundadores
Fundação 10 de dezembro de 1987
Sede Gaza, Faixa de Gaza,  Palestina
Ideologia
Religião Sunismo
Membros 20,000-25,000[16]
País Cisjordânia e Faixa de Gaza
Afiliação internacional Irmandade Muçulmana
Conselho Legislativo da Palestina
74 / 132
Página oficial
https://hamas.ps/en/
Área de atividade Gaza, Faixa de Gaza
Aliados Estados aliados:

Grupos aliados:

Inimigos Estados oponentes:

Grupos oponentes:

Guerras/batalhas
Designado como um grupo terrorista por

O Hamas (em árabe: حماس, translit. Ḥamās,[53] (lit. "zelo", "força" ou "bravura"),[54] oficialmente conhecido como Movimento de Resistência Islâmica (em árabe: حركة المقاومة الإسلامية, translit. Ḥarakat al-Muqāwamah al-ʾIslāmiyyah) é uma organização política e militar palestina de orientação sunita islâmica,[55] que governa a Faixa de Gaza (parte dos territórios palestinos atualmente submetida a bloqueio aéreo, terrestre a marítimo por Israel).[56] Com sede na Cidade de Gaza, o Hamas também tem presença na Cisjordânia, o maior dos dois territórios palestinos, onde seu rival secular, o Fatah, exerce controle.[57][58][59]

Em 1987, após o início da Primeira Intifada contra Israel, o Hamas foi fundado pelo imã e ativista palestino Ahmed Yassin. Ele surgiu a partir de um grupo chamado Mujama al-Islamiya (Centro Islâmico), estabelecido em Gaza em 1973 como uma instituição de caridade islâmica associada à Irmandade Muçulmana baseada no Egito.[60] Ao longo dos anos, o Hamas se envolveu cada vez mais no conflito israelense-palestino;[61] no final da década de 1990, foi contra as Cartas de Reconhecimento mútuo Israel-Palestina da Organização para a Libertação da Palestina, bem como os Acordos de paz de Oslo, nos quais o Fatah renunciou "ao uso de terrorismo e outros atos de violência" e reconheceu Israel em busca de uma solução de dois estados. O Hamas continuou a advogar pela resistência armada palestina. Em 2006, venceu as eleições legislativas palestinas,[62] obtendo maioria no Conselho Legislativo Palestino.[63] Posteriormente assumiu o controle da Faixa de Gaza após uma guerra civil com o Fatah em 2007.[64][65] Desde então, tem governado Gaza como um estado autocrático de fato e de partido único.[66] O cisma entre Hamas e a Autoridade Palestina (controlada pelo Fatah) tem contribuído para a confusão legal e repetidos adiamentos das eleições.[67][68] Apesar de tudo, o Hamas desfruta de crescente popularidade na sociedade palestina, por suas posições decididamente antissionistas e anti-israelenses.[69][70]

Embora historicamente buscasse criar um estado único em todo o mandato da Palestina, o Hamas passou a concordar com as fronteiras de 1967 nos acordos assinados com o Fatah em 2005, 2006 e 2007.[71] Em 2017, o Hamas lançou seu Documento Geral de Princípios e Políticas, onde declara apoiar um estado palestino transitório dentro das fronteiras de 1967, mas sem reconhecer Israel.[72][73][74][75] Muitos autores acreditam que as repetidas ofertas de trégua do Hamas, com duração de 10 a 100 anos e baseadas nas fronteiras de 1967,[76] indicam que o grupo estaria de acordo com a ideia de uma solução de dois estados,[77][78][79] enquanto outros afirmam que o Hamas mantém um objetivo de longo prazo de estabelecer um estado único no antigo mandato da Palestina.[80][81] Embora a Carta do Hamas de 1988 [82] tenha sido amplamente descrito como antissemita,[83][84][85] o Documento Geral, de 2017, removeu a linguagem antissemita e afirmou que a luta do Hamas era contra os sionistas, não contra os judeus.[71][86][87][88]

Sob os princípios ideológicos do islamismo, o Hamas promove o nacionalismo palestino em um contexto islâmico; seguindo uma política de jihad (luta armada) contra Israel.[89] A organização possui uma ala de serviços sociais, Dawah e uma ala militar, as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam.[90][91] Desde meados da década de 1990,[60] o Hamas ganhou ampla popularidade dentro da sociedade palestina por sua posição anti-israelense.[69][92] Por diversas vezes, atacou civis em Israel, inclusive mediante atentados suicidas e lançamentos indiscriminados de foguetes. Estes atos levaram muitos países a designar o Hamas como uma organização terrorista.[93][94][95] Em 2018, os Estados Unidos tentaram passar, sem êxito, na Assembleia Geral da ONU, uma moção de condenação do Hamas por "repetidamente disparar foguetes em direção a Israel e por incitar violência, colocando civis em risco", bem como por construir infraestrutura militar em Gaza, "incluindo túneis para infiltrar-se em Israel e equipamento para lançar foguetes contra áreas civis".[96][97]

Atualmente, a Faixa de Gaza é governada pelo Hamas e encontra-se sob bloqueio por terra, mar e ar, imposto por Israel e pelo Egito. Ao longo do tempo, Israel empreendeu uma série de guerras contra Gaza, em 2008-09, 2012, 2014 e 2021, além de vários bombardeios aéreos israelenses de menor duração, em resposta ao lançamento de foguetes contra Israel. Na guerra de 2023, o Hamas lançou a Operação Al-Aqsa Flood, na qual seus combatentes romperam a barreira de Gaza, atacaram bases militares israelenses e levaram civis e militares como reféns para Gaza.[57][98][99] O ataque foi descrito como o maior revés dos militares israelenses desde a guerra de 1973. Em resposta, Israel bombardeou a área densamente povoada de Gaza (13 000/km2), atingindo inúmeros alvos civis,[100] com a intenção declarada de eliminar o Hamas da face da Terra".[101][102] O Parlamento Europeu aprovou uma resolução afirmando a necessidade de eliminar o Hamas; o presidente dos EUA, Joe Biden, expressou a mesma opinião.[103][104]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Hamas é um acrônimo da frase árabe حركة المقاومة الإسلامية ou arakah al-Muqāwamah al-ʾIslāmiyyah, que significa "Movimento de Resistência Islâmica". Este acrônimo, HMS, foi posteriormente alterado no Pacto do Hamas pela palavra árabe ḥamās (حماس),[105] que literalmente significa "zelo", "força" ou "bravura". A consoante inicial não é o /h/ comum em palavras em inglês (como house), mas um som ligeiramente mais áspero, a fricativa faríngea surda /ħ/.[106]

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Quando Israel ocupou os territórios palestinos em 1967, os membros da Irmandade Muçulmana não participaram ativamente da resistência, preferindo concentrar-se em reformas sociais, religiosas e na restauração dos valores islâmicos.[107] Essa perspectiva mudou no início da década de 1980, quando as organizações islâmicas tornaram-se mais envolvidas nas questões políticas palestinas.[107] A força motriz por trás dessa transformação foi o xeique Ahmed Yassin, um refugiado palestino de Al-Jura.[107] De origens humildes e tetraplégico,[107] ele se empenhou para se tornar um dos líderes da Irmandade Muçulmana em Gaza. Seu carisma e convicção lhe trouxeram um grupo leal de seguidores, dos quais ele, como tetraplégico, dependia para tudo, desde alimentá-lo até transportá-lo para eventos, para comunicar sua estratégia ao público.[108] Em 1973, Yassin fundou a organização de caridade social-religiosa al-Mujama al-Islamiya ("Centro Islâmico"), em Gaza, como um desdobramento da Irmandade Muçulmana.[109][110]

Ao longo das décadas de 1970 e 1980, as autoridades israelenses mostraram indiferença em relação a al-Mujama al-Islamiya, que consideravam ser movido por uma causa religiosa e menos politicamente militante contra Israel do que o Fatah e a Organização para a Libertação da Palestina. Muitos também acreditavam que os conflitos entre organizações islâmicas e a OLP, laica, levariam ao enfraquecimento desta última, o que favoreceria Israel.[60][111][112][113][114] Assim, o governo israelense não interveio em conflitos entre a OLP e forças islâmicas.[60]

Membros do governo israelense discordam sobre o quanto a indiferença governamental (ou até mesmo apoio) a essas disputas contribuiu para o aumento do islamismo na Palestina. Alguns, como Arieh Spitzen, argumentam que "mesmo que Israel tivesse tentado deter os islamistas mais cedo, é duvidoso que pudesse ter feito muito para conter o Islã político, um movimento que se espalhava pelo mundo muçulmano". Outros atribuem o crescimento do grupo a patrocinadores estatais, incluindo o Irã.[60] Mas há também aqueles, como o encarregado de assuntos religiosos de Israel em Gaza, Avner Cohen, que ainda lamentam o "enorme, estúpido erro" cometido por Israel no final dos anos 1970, e acreditam que a indiferença à situação alimentou o aumento do islamismo e concluem:
"Hamas, para meu grande desgosto, é uma criação de Israel".[60]

Em 1984, Yassin foi preso depois que os israelenses descobriram que seu grupo estava reunindo armas,[60] mas foi libertado em maio de 1985 como parte de uma troca de prisioneiros.[115][116] Ele continuou a expandir o alcance de sua organização de caridade em Gaza.[60] Após sua libertação, ele estabeleceu o al-Majd (um acrônimo para Munazamat al-Jihad wa al-Da'wa), liderado pelo ex-líder estudantil Yahya Sinwar e Rawhi Mushtaha, encarregado de lidar com a segurança interna e caçar informantes locais dos serviços de inteligência israelenses.[117][118] Ao mesmo tempo, Yassin ordenou ao ex-líder estudantil Salah Shehade que estabelecesse o al-Mujahidun al-Filastiniun (Lutadores Palestinos), mas seus militantes foram rapidamente detidos pelas autoridades israelenses e tiveram suas armas confiscadas.[119][nota 1]

A ideia do Hamas começou a tomar forma em 10 de dezembro de 1987, quando vários membros da Irmandade Muçulmana[nota 2] se reuniram no dia seguinte a um incidente em que um caminhão do exército israelense colidiu com um carro em um posto de controle em Gaza, matando 4 trabalhadores palestinos. Eles se encontraram na casa de Yassin e decidiram que também precisavam reagir de alguma forma à medida que os tumultos e protesto desencadearam a Primeira Intifada.[120] Um panfleto emitido em 14 de dezembro, pedindo resistência, é considerado sua primeira intervenção pública, embora o nome Hamas em si não tenha sido usado até janeiro de 1988.[120] Yassin não estava diretamente ligado à organização, mas deu sua bênção a ela.[120] Em uma reunião com a Irmandade Muçulmana jordaniana em fevereiro de 1988, está também deu sua aprovação.[121] Para muitos palestinos, isso significava se envolver de forma mais autêntica com suas expectativas nacionais, já que o manifesto fornecia uma versão islâmica dos objetivos originais da OLP, a luta armada para libertar toda a Palestina, em vez do compromisso territorial tímido ao qual a OLP havia concordado - um pequeno fragmento do Mandato Britânico da Palestina.[122]

Criar o Hamas como uma entidade distinta da Irmandade Muçulmana foi uma questão de praticidade; a Irmandade Muçulmana recusou-se a envolver-se em violência contra Israel,[123] e sem participar da intifada, os islamistas da Irmandade temiam perder o apoio para seus rivais, a Jihad Islâmica Palestina e a OLP. Eles também esperavam que, mantendo suas atividades militantes separadas, Israel não interferisse em seu trabalho social.[nota 3][124]

Em agosto de 1988, o Hamas publicou a Carta do Hamas, na qual se definiu como uma parte da Irmandade Muçulmana na Palestina e expressou seu desejo de estabelecer "um estado islâmico em toda a Palestina".[107]

A Primeira Intifada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Primeira Intifada

O primeiro ataque do Hamas contra Israel ocorreu na primavera de 1989, quando o grupo sequestrou e matou Avi Sasportas e Ilan Saadon, dois soldados israelenses.[125] Na época, Shehade e Sinwar estavam cumprindo pena em prisões israelenses e o Hamas havia criado um novo grupo, a Unidade 101, liderada por Mahmoud al-Mabhouh, cujo objetivo era sequestrar soldados.[126] A descoberta do corpo de Sasportas desencadeou, nas palavras de Jean-Pierre Filiu, "uma resposta israelense extremamente violenta": centenas de líderes e ativistas do Hamas, incluindo Yassin, que foi condenado à prisão perpétua, foram presos[127] e o Hamas foi proibido.[116] Essa detenção em massa de ativistas, juntamente com uma nova onda de prisões em 1990, desmantelou o Hamas que devastado, foi forçado a se adaptar;[127][128] seu sistema de comando foi regionalizado para tornar sua estrutura operacional mais difusa[129] e minimizar as chances de ser detectado.[130]

Após o massacre de al-Aqsa em outubro de 1990, no qual fiéis muçulmanos tentaram impedir extremistas judeus de colocar uma pedra fundamental para o Terceiro Templo no Monte do Templo e a polícia israelense usou munição real contra palestinos no complexo de al-Aqsa, matando 17 pessoas, o Hamas intensificou sua campanha de sequestros.[131] O Hamas declarou todo soldado israelense como alvo e convocou uma "jihad contra o inimigo sionista em todos os lugares, em todas as frentes e por todos os meios".[132]

No verão de 1991 ou 1992, o Hamas reorganizou suas unidades do al-Majd e al-Mujahidun al-Filastiniun em uma ala militar chamada Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, liderada por Yahya Ayyash.[133][nota 4] O nome vem do líder nacionalista palestino militante xeique Izz ad-Din al-Qassam, que lutou contra os britânicos e cuja morte em 1935 desencadeou a Revolta Árabe na Palestina de 1936 a 1939.[134] Embora seus membros às vezes se referissem a si mesmos como "Estudantes de Ayyash", "Estudantes do Engenheiro" ou "Unidades de Yahya Ayyash".[131]

Yahya Ayyash, um graduado em engenharia da Universidade de Birzeit, era um habilidoso fabricante de bombas e melhorou significativamente a capacidade de ataque do Hamas,[135] o que lhe rendeu o apelido de al-Muhandis ("o Engenheiro"). Acredita-se que ele foi uma das principais forças por trás do uso de atentados suicidas pelo Hamas, argumentando que "pagamos um preço alto quando só usávamos estilingues e pedras. Precisamos exercer mais pressão, tornar o custo da ocupação muito mais caro em vidas humanas, muito mais insuportável".[136] Até sua morte, causada por um assassinato do Shin Bet em 1996,[131] quase todas as bombas usadas em missões suicidas foram construídas por ele.[137]

Em dezembro de 1992, Israel respondeu ao assassinato de um policial de fronteira exilando 415 membros do Hamas e da Jihad Islâmica para o sul do Líbano, que na época estava ocupado por Israel.[138] Lá, o Hamas estabeleceu contatos com o Hezbollah, com palestinos que viviam em campos de refugiados e aprendeu a construir bombas suicidas e para carros.[138][139] Israel acompanhou as deportações impondo um toque de recolher de duas semanas na Faixa de Gaza, causando um déficit de receita diário de US$ 1 810 000 para sua economia.[140] Os deportados foram autorizados a retornar nove meses depois.[139] A deportação provocou condenação internacional e uma resolução unânime do Conselho de Segurança da ONU condenando a ação.[141][142] Em retaliação pela deportação, o Hamas ordenou dois atentados com carros-bomba.[132]

O primeiro atentado suicida do Hamas ocorreu em um acesso a cidade de Mehola, na Cisjordânia, em abril de 1993, usando um carro estacionado entre dois ônibus[143] que transportavam soldados.[144] Além do próprio autor do atentado, a explosão matou um palestino que trabalhava em um assentamento próximo.[143] O projeto da bomba tinha falhas, mas o Hamas logo aprenderia a fabricar bombas mais letais.[145]

Nos primeiros anos da Intifada, a violência do Hamas era restrita aos palestinos, colaboradores de Israel e indivíduos que ele definia como "desviantes morais", ou seja, traficantes de drogas e prostitutas conhecidas por terem ligações com redes criminosas israelenses[146] ou por se envolverem em comportamentos impróprios, como seduzir mulheres em salões de cabeleireiro com álcool, comportamento que o Hamas considerava incentivado por agentes israelenses.[147] Os líderes do Hamas comparavam a eliminação dos colaboradores ao que a resistência francesa fez com os colaboradores nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Somente em 1992, eles executaram mais de 150 pessoas.[148] Na mídia ocidental, isso foi relatado como uma "típica luta intercomunitária" entre árabes.[146]

As ações do Hamas na Primeira Intifada aumentaram sua popularidade. Em 1989, menos de três por cento dos palestinos em Gaza apoiavam o Hamas.[128] Em outubro de 1993, esse número aumentou para 13%, ainda aquém dos 45% de apoio que o Fatah desfrutava entre os palestinos nos territórios ocupados.[149]

Os anos após o Acordo de Oslo[editar | editar código-fonte]

Momentos após o atentado a bomba no ônibus da Rua Dizengoff em Tel Aviv, ocorrido em 1994.

Em fevereiro de 1994, Baruch Goldstein, um colonizador judeu vestido com uniforme militar, assassinou 29 muçulmanos durante as orações na Mesquita de Ibrahimi em Hebron, na Cisjordânia, durante o mês do Ramadã. Outros 19 palestinos foram mortos pelas forças israelenses nos tumultos que se seguiram.[150] O primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin condenou o massacre, mas temendo um confronto com a violenta comunidade de colonos em Hebron, ele se recusou a retirá-los.[132] O Hamas jurou vingar as mortes e anunciou que, se Israel não fizesse distinção entre "combatentes e civis", seria "forçado... a tratar os sionistas da mesma maneira. Tratar igual com igual é um princípio universal".[151]

O massacre de Hebron teve um profundo efeito na militância do Hamas. Durante seus primeiros sete anos, o Hamas atacava apenas o que considerava "alvos militares legítimos", ou seja, soldados israelenses e instalações militares.[152] No entanto, após o massacre, o grupo sentiu que não precisava mais fazer distinção entre alvos militares e civis. O líder da Irmandade Muçulmana na Cisjordânia, xeique Ahmed Haj Ali, mais tarde argumentou que "se não fosse pelo massacre de 1994 na Mesquita de Ibrahimi, não haveria ataques suicidas". Al-Rantisi, em uma entrevista em 1998, afirmou que os ataques suicidas "começaram após o massacre cometido pelo terrorista Baruch Goldstein e se intensificaram após o assassinato de Yahya Ayyash" (1966-1996).[153] Musa Abu Marzouk atribuiu a escalada aos israelenses: "Éramos contra-atacar civis... Após o massacre de Hebron, decidimos que era hora de atacar os civis de Israel... nós oferecemos parar se Israel fizesse o mesmo, mas eles rejeitaram essa oferta".[154]

De acordo com Matti Steinberg, ex-conselheiro do Shin Bet e um dos principais especialistas de Israel sobre o Hamas, o massacre encerrou um debate interno dentro do Hamas sobre a utilidade da violência indiscriminada: "Nos escritos do Hamas, há uma proibição explícita contra causar danos indiscriminados a pessoas indefesas. O massacre na mesquita os libertou dessa proibição e introduziu uma dimensão de medida por medida, baseada em citações do Alcorão."[132]

Em 6 de abril, um terrorista suicida explodiu seu carro em um ponto de ônibus lotado em Afula, matando oito israelenses e ferindo 34.[150][155] Uma semana depois, um palestino se detonou em um ônibus em Hadera, matando mais cinco israelenses e deixando 30 feridos. O Hamas reivindicou a responsabilidade por ambos os ataques. Os ataques podem ter sido planejados para interromper as negociações entre Israel e a OLP sobre a implementação do Acordo de Oslo.[155] Em outubro de 1994, uma bomba em um ônibus no centro de Tel Aviv matou 22 pessoas e feriu outras 45.[156]

Em dezembro de 1995, o Hamas prometeu à Autoridade Palestina (AP) cessar as operações militares. No entanto, isso não aconteceu, pois o Shin Bet assassinou Ayyash, o líder de 29 anos das Brigadas al-Qassam, em 5 de janeiro de 1996, usando um celular preparado com uma armadilha dada a Ayyash por seu tio, que trabalhava como informante.[157] Cerca de 100 000 habitantes da Faixa de Gaza, aproximadamente 11% da população total, participaram de seu funeral.[157] O Hamas retomou sua campanha de ataques suicidas, que havia estado inativa por boa parte de 1995, em retaliação ao assassinato.[158]

Em setembro de 1997, o Primeiro-Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ordenou o assassinato do líder do Hamas, Khaled Mashal, que vivia na Jordânia.[159] Dois agentes do Mossad entraram na Jordânia com passaportes falsos do Canadá e atacaram Mashal, envenenando-o com um composto químico em uma rua de Amã.[159] Após o ataque, eles foram capturados e o Rei Hussein ameaçou julgar os agentes a menos que Israel fornecesse a Mashal um antídoto e libertasse Yassin.[159] Israel concordou, o antídoto salvou a vida de Mashal, e Yassin foi devolvido à Faixa de Gaza, onde recebeu uma recepção de herói, com faixas o chamando de "o xeique da Intifada". A libertação temporária de Yassin aumentou temporariamente a popularidade do Hamas e em uma coletiva de imprensa, Yassin declarou: "Não haverá interrupção das operações armadas até o fim da ocupação... nós buscamos a paz. Amamos a paz. E pedimos a eles [os israelenses] para manter a paz conosco e nos ajudar a restaurar nossos direitos através da paz."[160]

Embora os ataques suicidas das Brigadas al-Qassam e de outros grupos tenham violado os acordos de Oslo de 1993 (que o Hamas se opunha),[161] Arafat relutava em perseguir os agressores e talvez não tivesse meios adequados para fazê-lo.

Enquanto os palestinos estavam acostumados à ideia de que seus jovens estavam dispostos a morrer pela luta, a ideia de que eles se explodiriam com explosivos amarrados aos corpos era um desenvolvimento novo e pouco apoiado. Uma pesquisa realizada em 1996, após a onda de atentados suicidas realizados pelo Hamas em retaliação ao assassinato de Ayyash por Israel, mostrou que a maioria, 70%, era contra essa tática, e 59% pediam que Arafat tomasse medidas para evitar mais ataques. No cenário político, o Hamas continuava muito atrás de seu rival Fatah; 41% confiavam em Arafat em 1996, mas apenas 3% confiavam em Yassin.[158]

Em 1999, o Hamas foi banido na Jordânia, supostamente em parte a pedido dos Estados Unidos, Israel e da Autoridade Palestina.[162] O Rei Abdullah da Jordânia temia que as atividades do Hamas e de seus aliados jordanianos colocassem em risco as negociações de paz entre a Autoridade Palestina e Israel, e acusou o Hamas de envolver-se em atividades ilegítimas dentro da Jordânia.[163] Em meados de setembro de 1999, as autoridades prenderam os líderes do Hamas, Khaled Mashal e Ibrahim Ghosheh, quando retornaram de uma visita ao Irã, acusando-os de serem membros de uma organização ilegal, armazenar armas, conduzir exercícios militares e usar a Jordânia como base de treinamento.[163][164] Os líderes do Hamas negaram as acusações.[165] Mashal foi exilado e momentaneamente se estabeleceu em Damasco, na Síria, em 2001.[166] Como resultado da guerra civil na Síria, ele se distanciou do regime de Bashar al-Assad em 2012 e mudou-se para o Catar.[166]

Segunda Intifada[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Intifada, também conhecida como Al-Aqsa, ao contrário do levante anterior, começou de forma violenta, com manifestações em massa e táticas letais de contra-insurgência por parte de Israel. Antes dos incidentes em torno da visita de Ariel Sharon ao Monte do Templo, o apoio palestino à violência contra os israelenses e ao Hamas era de 52% e 10%, respectivamente. Em julho do ano seguinte, após quase um ano de conflito intenso, pesquisas indicaram que 86% dos palestinos endossavam a violência contra os israelenses, e o apoio ao Hamas havia aumentado para 17%.[167]

As Brigadas al-Qassam foram um dos muitos grupos militantes que realizaram ataques militares e atentados suicidas contra alvos civis e militares israelenses durante esse período. Nos anos seguintes, quase 5 000 palestinos e mais de 1 100 israelenses foram mortos.[168] Embora tenha havido um grande número de ataques palestinos contra israelenses, a forma mais eficaz de violência dos palestinos foram os ataques suicidas; nos primeiros cinco anos da intifada, um pouco mais da metade de todas as mortes israelenses foram vítimas de ataques suicidas. O Hamas foi responsável por cerca de 40% dos 135 ataques suicidas nesse período.[169]

Independentemente das circunstâncias imediatas que desencadearam o levante, uma causa mais geral, segundo o professor estadunidense de ciência política Jeremy Pressman, foi "o descontentamento popular palestino [que] cresceu durante o processo de paz de Oslo porque a realidade no terreno não correspondia às expectativas criadas pelos acordos de paz".[170] O Hamas se beneficiaria desse crescente descontentamento nas eleições legislativas da Autoridade Palestina em 2006.

De acordo com Tristan Dunning, Israel nunca respondeu às ofertas repetidas do Hamas ao longo dos anos para um moratório de ataques contra civis.[171] Israel participou de vários períodos de calma (tadi'a) e propôs diversos cessar-fogos.[171] Em janeiro de 2004, o líder do Hamas, Ahmed Yassin, antes de seu assassinato, afirmou que o grupo encerraria a resistência armada contra Israel por um hudna de 10 anos,[172] em troca de um estado palestino na Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental, e que a restauração dos "direitos históricos" dos palestinos (relacionados à expulsão e fuga dos palestinos em 1948) "seria deixada para as gerações futuras". Suas opiniões foram rapidamente ecoadas pelo alto funcionário do Hamas, Abdel Aziz al-Rantissi, que acrescentou que o Hamas imaginava uma "libertação faseada".[173] A resposta de Israel foi assassinar Yassin em março, em um ataque aéreo israelense direcionado, e depois al-Rantisi em um ataque semelhante em abril.[174]

As eleições legislativas de 2006[editar | editar código-fonte]

Ismail Haniyeh tornou-se o primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina em 2006.

Ismail Haniyeh tornou-se primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina em 2006. O Hamas boicotou as eleições gerais palestinas de 1996 e as eleições presidenciais palestinas de 2005, mas decidiu participar das eleições legislativas palestinas de 2006, as primeiras a ocorrer após a morte de Yasser Arafat. A União Europeia teve um papel importante na proposta de realização de eleições democráticas nos territórios.[175] No período que antecedeu o dia da votação, a então secretária de estado dos Estados Unidos, Condoleezza Rice, a ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni e o primeiro-ministro britânico Tony Blair expressaram reservas sobre permitir que o Hamas participasse do processo democrático.[176] O Hamas concorreu com a promessa de um governo transparente, uma reforma completa do sistema administrativo corrupto e o combate à crescente falta de lei.[177][178] A Autoridade Palestina, notoriamente marcada pela corrupção, escolheu Marwan Barghouti como seu principal candidato, que estava cumprindo cinco sentenças de prisão perpétua em Israel. Os Estados Unidos doaram dois milhões de dólares para melhorar a imagem midiática da Autoridade Palestina. Israel também ajudou a Autoridade Palestina, permitindo que Barghouti fosse entrevistado na prisão por televisões árabes e permitindo que 100.000 palestinos em Jerusalém Oriental votassem.[178]

A eleição ocorreu pouco depois de Israel ter evacuado seus assentamentos em Gaza.[179] A evacuação, realizada sem consultar o Fatah, deu respaldo à visão do Hamas de que a resistência havia compelido Israel a deixar Gaza.[180] Em um comunicado, o Hamas retratou isso como uma validação de sua estratégia de resistência armada ("Quatro anos de resistência superaram 10 anos de negociações") e Muhammed Deif atribuiu "a Libertação de Gaza" ao "amor ao martírio" de seus militantes.[181]

O Hamas, desejando exibir seu poder por meio de um plebiscito em vez de violência, anunciou que se absteria de ataques contra Israel se este também cessasse seus ataques contra cidades e vilarejos palestinos.[182] Seu manifesto eleitoral abandonou a agenda islâmica, falava de soberania para os territórios palestinos, incluindo Jerusalém (um endosso implícito à solução de dois estados), sem abrir mão de suas reivindicações sobre toda a Palestina. Mencionava a "resistência armada" duas vezes e afirmava no artigo 3.6 que era um direito resistir ao "terrorismo da ocupação".[177] Um cristão palestino estava na lista de candidatos do Hamas.[183]

O Hamas ganhou 76 assentos, excluindo quatro conquistados por independentes que apoiavam o Hamas, enquanto o Fatah obteve apenas 43.[179] Observadores internacionais julgaram as eleições como "competitivas e genuinamente democráticas". A União Europeia afirmou que essas eleições foram conduzidas melhor do que algumas eleições em países membros da união e prometeu manter seu apoio financeiro.[175] Egito, Arábia Saudita, Catar e Emirados Árabes insistiram os Estados Unidos a dar uma chance ao Hamas, argumentando que era inapropriado punir os palestinos por sua escolha, uma posição também apoiada pela Liga Árabe um mês depois.[184] A promessa da União Europeia foi rapidamente abandonada; três meses depois, violando seus princípios fundamentais em relação a eleições livres, a UE suspendeu abruptamente a assistência financeira ao governo liderado pelo Hamas, seguindo o exemplo dos Estados Unidos e do Canadá. Em vez disso, decidiu canalizar fundos diretamente para pessoas e projetos e pagar salários apenas aos membros do Fatah, empregados ou não.[185]

O Hamas assumiu a administração da Faixa de Gaza após sua vitória eleitoral e introduziu mudanças radicais. Herdou uma situação caótica de falta de lei, devido às sanções econômicas impostas por Israel e pelos Estados Unidos, que haviam prejudicado os recursos administrativos da Autoridade Palestina. Isso levou ao surgimento de numerosas gangues estilo máfia e células terroristas modeladas segundo a Al Qaeda.[186] Daniel Byman, escrevendo na Foreign Affairs, posteriormente afirmou:

Após assumir a Faixa de Gaza, o Hamas reestruturou a polícia e as forças de segurança, reduzindo o número de membros de 50 000 (pelo menos no papel) sob o comando do Fatah para forças menores e mais eficientes, com pouco mais de 10 000 membros. Essas forças então reprimiram o crime e as gangues. Grupos armados não portavam mais armas abertamente ou roubavam impunemente. As pessoas pagavam seus impostos e contas de eletricidade, e em troca as autoridades recolhiam o lixo e colocavam os criminosos na prisão. Gaza, negligenciada sob o controle egípcio e depois israelense, e mal administrada pelos líderes palestinos Yaser Arafat e seus sucessores, finalmente tinha um governo real.[187][188]

No início de fevereiro de 2006, o Hamas ofereceu a Israel uma trégua de dez anos "em troca de uma retirada completa de Israel dos territórios palestinos ocupados: a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental",[189] e o reconhecimento dos direitos palestinos, incluindo o "direito de retorno".[190] Mashal acrescentou que o Hamas não estava pedindo um fim definitivo às operações armadas contra Israel, e não impediria outros grupos palestinos de realizar tais operações.[191]

Após a eleição, o Quarteto para o Oriente Médio (Estados Unidos, Rússia, União Europeia e Nações Unidas) afirmou que a assistência à Autoridade Palestina só continuaria se o Hamas renunciasse à violência, reconhecesse Israel e aceitasse os acordos israelense-palestinos anteriores, o que o Hamas se recusou a fazer.[192] O Quarteto então impôs um congelamento em toda ajuda internacional aos territórios palestinos.[193] Em 2006, após a eleição em Gaza, o líder do Hamas enviou uma carta endereçada a George W. Bush, na qual, entre outras coisas, declarava que o Hamas aceitaria um estado nas fronteiras de 1967, incluindo uma trégua. No entanto, a administração Bush não respondeu.[194]

Conflito Hamas-Fatah[editar | editar código-fonte]

Manifestação a favor de Yasin e Rantisi em um evento de campanha eleitoral do Hamas em Ramallah.

Após a formação do gabinete liderado pelo Hamas em 20 de março de 2006, as tensões entre militantes do Fatah e do Hamas aumentaram progressivamente na Faixa de Gaza, já que comandantes do Fatah se recusaram a obedecer às ordens do governo, enquanto a Autoridade Palestina iniciou uma campanha de manifestações, assassinatos e sequestros contra o Hamas, o que levou o Hamas a retaliar.[195] A inteligência israelense alertou Mahmoud Abbas que o Hamas planejava matá-lo em seu escritório em Gaza. Segundo uma fonte palestina próxima a Abbas, o Hamas considera o presidente Abbas como um obstáculo para seu controle total sobre a Autoridade Palestina e decidiu matá-lo. Em uma declaração à Al Jazeera, o líder do Hamas, Mohammed Nazzal, acusou Abbas de ser cúmplice do cerco e isolamento do governo liderado pelo Hamas.[196]

Em 9 de junho de 2006, durante uma operação de artilharia israelense, ocorreu uma explosão em uma movimentada praia de Gaza, matando oito civis palestinos.[197][198] Acreditava-se que os bombardeios israelenses eram responsáveis pelas mortes, mas autoridades do governo israelense negaram.[199][200] No dia seguinte, em 10 de junho, o Hamas retirou formalmente seu cessar-fogo de 16 meses, assumindo a responsabilidade pelos subsequentes ataques com foguetes Qassam lançados de Gaza contra Israel.[201]

Em 25 de junho, dois soldados israelenses foram mortos e outro, Gilad Shalit, foi capturado após uma incursão das Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, dos Comitês de Resistência Popular e do Exército do Islã. Em resposta, o exército israelense lançou a Operação Chuvas de Verão três dias depois, para garantir a libertação do soldado sequestrado,[202][203] prendendo 64 autoridades do Hamas, incluindo 8 ministros do gabinete da Autoridade Palestina e até 20 membros do Conselho Legislativo Palestino.[203] As prisões, juntamente com outros eventos, efetivamente impediram o funcionamento do legislativo dominado pelo Hamas durante a maior parte de seu mandato.[204][205] Shalit foi mantido em cativeiro até 2011, quando foi libertado em troca de 1.027 prisioneiros palestinos.[206] Desde então, o Hamas continuou construindo uma rede de túneis internos e transfronteiriços, que são usados para armazenar e implantar armas, proteger militantes e facilitar ataques.[207] Destruir os túneis foi um dos principais objetivos das forças israelenses no conflito Israel-Gaza de 2014.[208][209]

Em fevereiro de 2007, negociações patrocinadas pela Arábia Saudita levaram ao Acordo de Meca entre o Hamas e o Fatah para formar um governo de unidade, assinado por Mahmoud Abbas em nome do Fatah e Khaled Mashal em nome do Hamas. O novo governo foi chamado para alcançar os objetivos nacionais palestinos aprovados pelo Conselho Nacional Palestino, as cláusulas da Lei Básica e o Documento de Reconciliação Nacional (o "Documento dos Prisioneiros"), bem como as decisões da cúpula árabe.[210]

Em março de 2007, o Conselho Legislativo Palestino estabeleceu um governo de unidade nacional, com 83 representantes votando a favor e três contra. Ministros do governo foram empossados por Mahmoud Abbas, o presidente da Autoridade Palestina, em uma cerimônia realizada simultaneamente em Gaza e Ramallah. Em junho daquele ano, recomeçaram os confrontos entre o Hamas e o Fatah.[211] Em um comentário vazado do Major General Yadlin para o Embaixador Americano Richard H Jones (em 12 de junho de 2007), Yadlin enfatizou a vitória eleitoral do Hamas e que uma eventual retirada do Fatah de Gaza seria vantajosa para os interesses de Israel, uma vez que a realocação da OLP para a Cisjordânia permitiria a Israel tratar a Faixa de Gaza e o Hamas como um país hostil.[212] No decorrer da Batalha de Gaza em junho de 2007, o Hamas aproveitou o colapso quase total das forças da Autoridade Palestina em Gaza para assumir o controle de Gaza,[213] expulsando os funcionários do Fatah. O presidente Mahmoud Abbas então demitiu o governo da Autoridade Palestina liderado pelo Hamas[214] e proibiu a milícia do Hamas.[215] Pelo menos 600 palestinos morreram nos confrontos entre o Hamas e o Fatah.[216] A Human Rights Watch, um grupo com sede nos EUA, acusou ambos os lados no conflito de tortura e crimes de guerra.[217]

A Human Rights Watch estima que várias centenas de habitantes de Gaza foram "aleijados" e torturados nos desdobramentos da Guerra de Gaza. 73 homens de Gaza acusados de "colaboração" tiveram seus braços e pernas quebrados por "perpetradores não identificados", e 18 palestinos acusados de colaborar com Israel, que escaparam do principal complexo prisional de Gaza após um bombardeio de Israel, foram executados por autoridades de segurança do Hamas nos primeiros dias do conflito.[218][219] As forças de segurança do Hamas atacaram centenas de funcionários do Fatah que apoiavam Israel. A Human Rights Watch entrevistou uma dessas pessoas:

"Havia oito de nós sentados lá. Todos éramos do Fatah. Então, três militantes mascarados entraram. Eles estavam vestidos com uniformes militares de camuflagem marrom; todos estavam armados. Eles apontaram suas armas para nós, nos insultaram e começaram a nos bater com barras de ferro, incluindo um menino de 10 anos que foi atingido no rosto. Eles disseram que éramos 'colaboradores' e 'infiéis'. Eles me bateram com barras de ferro e coronhas de armas por 15 minutos. Eles gritavam: 'Você está feliz que Israel está nos bombardeando!' até que as pessoas saíram de suas casas, e eles se retiraram."[218]

Em março de 2012, Mahmoud Abbas afirmou que não havia diferenças políticas entre o Hamas e o Fatah, pois haviam chegado a um acordo sobre uma plataforma política conjunta e sobre uma trégua com Israel. Comentando sobre as relações com o Hamas, Abbas revelou em uma entrevista à Al Jazeera que "acordamos que o período de calma seria não apenas na Faixa de Gaza, mas também na Cisjordânia", acrescentando que "também concordamos com uma resistência popular pacífica [contra Israel], o estabelecimento de um estado palestino ao longo das fronteiras de 1967 e que as negociações de paz continuariam se Israel interrompesse a construção de assentamentos e aceitasse nossas condições".[219][220] O progresso das negociações entre os dois grupos foi interrompido até um novo acordo em abril de 2014 para formar um governo de unidade, com eleições a serem realizadas no final de 2014.[221] Essas eleições não ocorreram e, após um novo acordo, foi acertado que a próxima eleição geral palestina ocorreria até o final de março de 2021, mas também não aconteceu.[222]

Guerra em Gaza de 2008-2009[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Chumbo Fundido
Edifício destruído em Rafah, 12 de janeiro de 2009.

Em 17 de junho de 2008, mediadores egípcios anunciaram que um cessar-fogo informal tinha sido acordado entre o Hamas e Israel.[223][224] O Hamas concordou em interromper os ataques com foguetes contra Israel, enquanto Israel concordou em permitir o transporte comercial limitado através de sua fronteira com Gaza, desde que não houvesse quebra do acordo de paz provisório. O Hamas também indicou que discutiria a libertação de Gilad Shalit.[225] Fontes israelenses afirmam que o Hamas também se comprometeu a fazer cumprir o cessar-fogo com as outras organizações palestinas.[226] Mesmo antes do acordo de cessar-fogo, alguns no lado israelense não estavam otimistas quanto ao cumprimento dele. O chefe do Shin Bet, Yuval Diskin, afirmou em maio de 2008 que uma incursão terrestre em Gaza era inevitável e seria mais eficaz para conter o contrabando de armas e pressionar o Hamas a renunciar ao poder.[227]

Enquanto o Hamas era cuidadoso em manter o cessar-fogo, a trégua era esporadicamente violada por outros grupos, às vezes desafiando o próprio Hamas.[228][229] Em 24 de junho, por exemplo, a Jihad Islâmica lançou foguetes na cidade israelense de Sderot; Israel chamou o ataque de uma grave violação do cessar-fogo informal e fechou suas passagens de fronteira com Gaza.[230] Em 4 de novembro de 2008, as forças israelenses, numa tentativa de deter a construção de um túnel, mataram seis militantes do Hamas numa incursão dentro da Faixa de Gaza.[231][232] O Hamas respondeu retomando os ataques com foguetes, totalizando 190 foguetes em novembro, de acordo com as forças militares de Israel.[233]

Com o fim oficial da trégua de seis meses em 19 de dezembro, o Hamas lançou de 50 a 70 foguetes e morteiros em direção a Israel nos três dias seguintes, embora nenhum israelense tenha sido ferido.[234][235] Em 21 de dezembro, o Hamas afirmou estar pronto para interromper os ataques e renovar a trégua se Israel cessasse sua "agressão" em Gaza e abrisse suas passagens de fronteira.[236]

Em 27 e 28 de dezembro, Israel lançou a Operação Chumbo Fundido contra o Hamas. O presidente egípcio Hosni Mubarak disse: "Nós avisamos repetidamente o Hamas que rejeitar a trégua levaria Israel a uma agressão contra Gaza." De acordo com autoridades palestinas, mais de 280 pessoas foram mortas e 600 ficaram feridas nos dois primeiros dias de ataques aéreos.[237] A maioria eram policiais do Hamas e agentes de segurança, embora muitos civis também tenham morrido.[237] Segundo Israel, foram atingidos campos de treinamento de militantes, instalações de fabricação de foguetes e depósitos de armas que haviam sido previamente identificados. Posteriormente, eles atacaram equipes de lançamento de foguetes e morteiros que dispararam cerca de 180 foguetes e morteiros contra comunidades israelenses.[238] O chefe da polícia de Gaza, Tawfiq Jabber, o chefe do Serviço de Segurança Geral, Salah Abu Shrakh,[239] a autoridade religiosa sênior e oficial de segurança, Nizar Rayyan,[240] e o Ministro do Interior Said Seyam[241] estavam entre os mortos durante os combates. Embora Israel tenha enviado milhares de mensagens de texto pedindo aos residentes de Gaza que deixassem as casas onde as armas poderiam estar armazenadas, numa tentativa de minimizar as vítimas civis,[237] alguns residentes reclamaram que não tinham para onde ir porque muitos bairros haviam recebido a mesma mensagem.[237][242][243] Bombas israelenses caíram perto de estruturas civis, como escolas,[244][245] os residentes alegaram que Israel estava visando deliberadamente civis palestinos.[246]

Israel declarou um cessar-fogo unilateral em 17 de janeiro de 2009.[247] O Hamas respondeu no dia seguinte anunciando um cessar-fogo de uma semana para dar tempo a Israel para retirar suas forças da Faixa de Gaza.[248] Fontes israelenses, palestinas e de terceiros discordaram sobre o número total de vítimas da guerra em Gaza e sobre o número de vítimas palestinas que eram civis.[249] Em novembro de 2010, um membro sênior do Hamas reconheceu que até 300 combatentes foram mortos e "Além deles, entre 200 e 300 combatentes das Brigadas Al-Qassam e outros 150 membros das forças de segurança foram mártires". Esses novos números reconciliam o total com os números do exército israelense, que inicialmente afirmou que 709 "operativos terroristas" foram mortos.[250][251]

Após a Guerra em Gaza[editar | editar código-fonte]

25º aniversário do Hamas celebrado em Gaza, 8 de dezembro de 2012.

Em 16 de agosto de 2009, o líder do Hamas, Khaled Mashal, afirmou que a organização está pronta para abrir um diálogo com a administração Obama porque suas políticas são muito melhores do que as do ex-presidente dos EUA, George W. Bush: "Desde que haja uma nova linguagem, nós a acolhemos, mas queremos ver não apenas uma mudança de linguagem, mas também uma mudança de políticas em campo. Nós dissemos que estamos preparados para cooperar com os EUA ou qualquer outra entidade internacional que permita aos palestinos se livrarem da ocupação".[252] Apesar disso, um discurso de 30 de agosto de 2009, durante uma visita à Jordânia,[253] no qual Mashal expressou apoio ao direito de retorno palestino, foi interpretado por David Pollock do Instituto Washington para Política no Oriente Médio como um sinal de que "o Hamas agora claramente optou por sair da diplomacia".[254] Em uma entrevista em maio de 2010, Mashal disse que se um estado palestino com real soberania fosse estabelecido sob as condições que ele estabeleceu, nas fronteiras de 1967 com sua capital em Jerusalém e com o direito de retorno, esse seria o fim da resistência palestina e então a natureza de quaisquer laços subsequentes com Israel seria decidida democraticamente pelos palestinos.[254][255] Em julho de 2009, Khaled Mashal, chefe do bureau político do Hamas, afirmou a disposição do Hamas em cooperar com uma resolução para o conflito árabe-israelense, que incluía um estado palestino com base nas fronteiras de 1967, desde que os refugiados palestinos tivessem o direito de retornar a Israel e que Jerusalém Oriental fosse reconhecida como a capital do novo estado.[256]

Após o início da Guerra Civil Síria em 2011, o Hamas se distanciou do regime do governo sírio e seus membros começaram a deixar o país. Onde antes havia "centenas de funcionários palestinos exilados com seus parentes", esse número diminuiu para "algumas dezenas".[257] Em 2012, o Hamas anunciou publicamente seu apoio à oposição síria. Isso levou a televisão estatal síria a fazer uma "feroz crítica" à liderança do Hamas.[258] Khaled Mashal afirmou que o Hamas foi "forçado a sair" de Damasco devido às suas discordâncias com o regime sírio.[259] No final de outubro, soldados do Exército sírio mataram dois líderes do Hamas no campo de refugiados de Daraa.[260] Em 5 de novembro de 2012, as forças de segurança sírias fecharam todos os escritórios do Hamas no país.[261] Em janeiro de 2013, mais dois membros do Hamas foram encontrados mortos no campo de Husseinieh, na Síria. Ativistas afirmaram que os dois foram presos e executados pelas forças de segurança do estado.[262] Em 2013, foi relatado que a ala militar do Hamas começou a treinar unidades do Exército Livre da Síria.[263] Nesse mesmo ano, após "algumas semanas intensas de diplomacia indireta envolvendo representantes do Hamas, Israel e da Autoridade Palestina", nenhum acordo foi alcançado.[264] Além disso, as negociações de reconciliação intra-palestinas estagnaram e, como resultado, durante a visita de Obama a Israel,[264] o Hamas lançou cinco ataques de foguetes contra Israel. Em novembro, Isra Almodallal foi nomeada a primeira porta-voz do grupo.[265]

Guerra em Gaza de 2014–2022[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Margem Protetora

Durante a Guerra em Gaza de 2014, Israel lançou a Operação Margem Protetora para conter o aumento dos ataques com foguetes do Hamas em Gaza. O conflito terminou com um cessar-fogo permanente após 7 semanas e mais de 2 200 mortes. De acordo com a UN OCHOA, 64 dos mortos eram soldados israelenses, 7 eram civis em Israel (vítimas de ataques de foguetes) e 2 101 foram mortos em Gaza, dos quais pelo menos 1 460 eram civis. Israel afirma que 1 000 dos mortos eram militantes. Após o conflito, Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, acusou o Hamas de prolongar desnecessariamente os combates na Faixa de Gaza, contribuindo para o alto número de mortes, de administrar um "governo paralelo" em Gaza e de executar ilegalmente dezenas de palestinos.[266][267][268] O Hamas reclamou da lenta entrega de materiais de reconstrução após o conflito e anunciou que estava desviando esses materiais de usos civis para construir mais túneis de infiltração.[269]

Em 2016, o Hamas iniciou a cooperação de segurança com o Egito para reprimir organizações terroristas islâmicas no Sinai, em troca de ajuda econômica.[270]

Em outubro de 2017, Fatah e Hamas assinaram mais um acordo de reconciliação. O acordo parcial aborda questões civis e administrativas envolvendo Gaza e Cisjordânia. Outras questões controversas, como eleições nacionais, reforma da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e possível desmilitarização do Hamas, seriam discutidas na próxima reunião em novembro de 2017, devido a uma nova abordagem passo a passo.[271]

Entre 2018 e 2019, o Hamas participou da "Grande Marcha do Retorno" ao longo da fronteira de Gaza com Israel. Pelo menos 183 palestinos foram mortos.[272]

Em maio de 2021, após a escalada das tensões em Sheikh Jarrah e no complexo da mesquita de al-Aqsa em Jerusalém, Israel e o Hamas entraram em conflito em Gaza mais uma vez. Após onze dias de combates, pelo menos 243 pessoas foram mortas em Gaza e 12 em Israel.[273]

Guerra Israel-Hamas de 2023[editar | editar código-fonte]

Vítimas civis em Gaza durante a guerra entre Israel e o Hamas, iniciada pelo ataque do Hamas a Israel, em outubro de 2023.
Um chão de casa manchado de sangue após os ataques em Nahal Oz, Israel.

Em 7 de outubro de 2023, o Hamas lançou uma invasão, rompendo a barreira entre Gaza e Israel. Nos meses que antecederam o ataque, o Hamas havia feito a inteligência israelense acreditar que não estava buscando conflito.[274] Os combatentes do Hamas atacaram centenas de civis em um festival de música e no kibutz Be'eri, no sul de Israel, além de fazer reféns civis e militares e levá-los para a Faixa de Gaza. No total, mais de 1 400 pessoas foram mortas em Israel, tornando este o ataque mais mortal de militantes palestinos desde a fundação de Israel em 1948.[275] Grupos internacionais de direitos humanos, profissionais médicos e jornalistas documentaram o ataque dos militantes, detalhando a morte de crianças, jovens e idosos, além de soldados.[275][276][277] O alto funcionário do Hamas, Khaled Mashal, afirmou que o grupo estava plenamente ciente das consequências do ataque a Israel, afirmando que a libertação palestina vem com "sacrifícios".[278]

Em 13 de outubro de 2023, o Ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, ordenou aos palestinos que evacuassem o norte da Faixa de Gaza, incluindo a cidade de Gaza (cerca de 600 000 habitantes), dizendo: "A camuflagem dos terroristas é a população civil. Portanto, precisamos separá-los. Então, aqueles que querem salvar suas vidas, por favor, vão para o sul. Vamos destruir a infraestrutura do Hamas, os quartéis-generais do Hamas, o aparato militar do Hamas e eliminar este movimento de Gaza e da Terra".[101]

Posições políticas[editar | editar código-fonte]

A Carta do Hamas de 1988[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1988, o Hamas publicou sua Carta de fundação, na qual se define como um capítulo da Irmandade Muçulmana e expressou o desejo de estabelecer "um estado islâmico em toda a Palestina".[107] Segundo o acadêmico palestino Khaled Hroub, o documento de fundação foi escrito por um único indivíduo e divulgado sem passar pelo habitual processo de consulta prévia, tendo sido assinado no dia 18 de agosto de 1988.[279] A Carta contém trechos antissemitas, descrevendo a sociedade israelense como sendo tão cruel quanto os nazistas,[280] e reivindicações irredentistas.[281][282][283] Declara toda a Palestina como waqf, uma propriedade religiosa inalienável composta por terras concedidas aos muçulmanos em perpetuidade por Deus,[284][285][286] com coexistência religiosa mas sob o domínio do Islã.[287] A Carta rejeita uma solução de dois estados, afirmando que o conflito não pode ser resolvido "senão por meio de uma jihad".[288]

O Artigo 6 da Carta afirma que o movimento "luta para erguer a bandeira de Alá em cada centímetro da Palestina, pois, sob a proteção do Islã, seguidores de todas as religiões podem coexistir em segurança, tendo suas vidas, bens e direitos protegidos".[289][290] E, no artigo 15,[289] acrescenta: "No dia em que os inimigos usurparem parte da terra muçulmana, a Jihad tornar-se-á o dever individual de cada muçulmano", lembrando que, segundo o Hamas, toda a terra palestina é um waqf e, portanto, inegociável.[291] Tal afirmação da Carta do Hamas de 1988 é semelhante, embora sem os sentimentos antijudaicos presentes, ao que está expresso no programa do partido israelense Likud e em movimentos ultranacionalistas judeus como o Gush Emunim. Para o Hamas, ceder território waqf é equivalente a renunciar ao Islã em si.[292][293][294]

A linguagem violenta contra todos os judeus, empregada na Carta do Hamas de 1988, é considerada antissemita e chegou a ser caracterizada, por alguns, como genocida.[295] A Carta atribui responsabilidade coletiva aos judeus, e não apenas aos israelenses, por vários eventos globais, incluindo ambas as Guerras Mundiais.[296]

Documento de Princípios e Políticas Gerais de 2017[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2017, o Hamas apresentou seu Documento Geral de Princípios e Políticas, no qual mantém o objetivo de um estado palestino islâmico, soberano e independente, com capital em Jerusalém, cobrindo toda a área atual de Israel, o território ocupado da Cisjordânia e a Faixa de Gaza [297] bem como o "retorno dos refugiados e deslocados aos seus lares". Considera o Estado de Israel (ao qual se refere como "entidade sionista", ilegal e ilegítimo. O Movimento declara-se antissionista e não antijudaico e responsabiliza os sionistas por identificarem "seu próprio projeto colonial e sua entidade ilegal" com os judeus e o judaísmo. Sustenta que "o projeto sionista não visa atingir apenas o povo palestino; é inimigo dos árabes e da Umma, representando uma grave ameaça à sua segurança e aos seus interesses" e sendo hostil às suas aspirações por "unidade, renascimento e libertação". Ademais, ainda segundo o Hamas, o projeto sionista "coloca em perigo a paz e a segurança internacional. O Hamas também rejeita os Acordos de Oslo por considerá-los prejudiciais aos interesses do povo palestino, especialmente no que se refere à "colaboração na coordenação da segurança" e afirma sua crença na democracia e no pluralismo.

O Hamas é amplamente considerado como a força política dominante nos territórios palestinos.[57][58][59]

Solução de dois estados[editar | editar código-fonte]

A política do Hamas em relação à solução de dois estados e em relação a Israel evoluiu ao longo do tempo. Historicamente, o Hamas imaginava um estado palestino em todo o território que pertencia ao Mandato Britânico da Palestina (ou seja, do Rio Jordão ao Mar Mediterrâneo).[298] No entanto, o Hamas assinou acordos com o Fatah - em 2005, 2007, 2011 e 2012 -, os quais indicavam uma aceitação tácita das fronteiras de 1967, assim como acordos anteriores entre a OLP e Israel.[299] Em 2006, o Hamas assinou a segunda versão do "Documento dos Prisioneiros Palestinos" que apoia a busca por um estado palestino "em todos os territórios ocupados em 1967".[299][300] Este documento também reconheceu a autoridade do Presidente da Autoridade Nacional Palestina para negociar com Israel.[299] Em 2 de maio de 2017, em uma coletiva de imprensa em Doha (Catar) apresentando uma nova carta, Khaled Mashal, chefe do Bureau Político do Hamas, declarou que, embora o Hamas considerasse aceitável o estabelecimento de um estado palestino "com base em 4 de junho de 1967"[299] (Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental), o Hamas ainda não reconheceria nesse caso a existência do estado de Israel e não abandonaria seu objetivo de libertar toda a Palestina do "projeto sionista".[74][297] O Professor Mohammed Ayoob em 2020 parecia considerar esta nova carta um passo esperançoso para a solução dos conflitos entre palestinos e israelenses: "A aceitação [na carta do Hamas de 2017] das fronteiras de 1967 pode ser interpretada como uma aceitação de fato das condições prévias para uma solução de dois estados".[295]

Se o Hamas reconheceria realmente Israel, isso é motivo de debate. Os líderes do Hamas enfatizaram que não reconhecem Israel,[74] mas indicam que têm uma aceitação de facto de sua presença.[301] A aceitação pelo Hamas das fronteiras de 1967 reconhece implicitamente a existência de outra entidade do outro lado.[302] Muitos estudiosos acreditam que a aceitação pelo Hamas das fronteiras de 1967 reconhece implicitamente Israel.[303][304]

Em uma entrevista de 2006, Ismail Haniyeh, líder político sênior do Hamas e na época primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina, aceitou um estado palestino "dentro das fronteiras de 1967, vivendo em calma".[305] Em maio de 2010, Khaled Mashal, então presidente do Bureau Político do Hamas, afirmou que o estado de Israel vivendo ao lado de "um estado palestino nas fronteiras de 1967" seria aceitável para o Hamas. Em novembro de 2010, Ismail Haniyeh[306] também propôs um estado palestino nas fronteiras de 1967, mas acrescentou mais três condições: "resolução da questão dos refugiados", "liberação de prisioneiros palestinos" e "Jerusalém como sua capital". Tanto Mashal quanto Haniyeh naquele ano também expressaram reservas quanto a um "referendo" no qual "o povo palestino" decidiria se, em tal situação de dois estados, esses dois estados ainda deveriam ser fundidos em um.[307][308]

Na Carta de 1988, os objetivos declarados do Hamas eram travar uma luta armada contra Israel,[298] libertar a Palestina da ocupação israelense e transformar o país em um estado islâmico.[8]

Em março de 2006, o Hamas divulgou seu programa legislativo oficial. O documento indicava claramente que o Hamas poderia submeter a questão do reconhecimento de Israel a um referendo nacional. Sob o título "Reconhecimento de Israel", afirmava simplesmente (AFP, 11 de março de 2006): "A questão do reconhecimento de Israel não é da competência de uma facção, nem do governo, mas uma decisão para o povo palestino." Isso representou uma grande mudança em relação à sua carta de 1988.[309] Poucos meses depois, através de Jerome Segal da Universidade de Maryland, o Hamas enviou uma carta ao presidente dos EUA, George W. Bush, afirmando que "não se importam em ter um estado palestino nas fronteiras de 1967" e pediram negociações diretas.[310]

Em 2007, o Hamas assinou o Acordo de Meca com o Fatah.[311] No momento da assinatura deste acordo, Moussa Abu Marzouk, Vice-Presidente do Bureau Político do Hamas, comentou sobre o reconhecimento de Israel:

"Eu posso reconhecer a presença de Israel como um fait accompli (amr wâqi‘) ou, como os franceses dizem, um fato consumado, mas isso não significa que eu reconheça Israel como um estado"[312]

Marzouk acrescentou ainda que a Carta não poderia ser alterada porque pareceria uma concessão não aceitável para "as ruas" e haveria o risco de quebra da unidade do partido. O líder do Hamas, Khaled Meshaal, afirmou que a Carta é "um pedaço da história e não é mais relevante, mas não pode ser alterada por razões internas". Ahmed Yousef, conselheiro sênior de Ismail Haniyeh, declarou, em 2011, que a Carta refletia as opiniões dos Anciãos diante de uma "ocupação implacável". Os detalhes de sua linguagem religiosa e política não haviam sido examinados no âmbito do direito internacional, e uma revisão interna para alterá-la foi adiada em virtude da preocupação de não fazer concessões a Israel, tal como o Fatah fez, de bandeja.[313] Embora representantes do Hamas reconheçam o problema, um deles observou que Arafat obteve muito pouco em troca de mudar a Carta da OLP sob os Acordos de Oslo e há consenso de que pouco se ganha com uma abordagem não violenta.[314] Richard Davis afirma que a rejeição de sua relevância por líderes contemporâneos contrasta com a suspensão do desejo de reescrevê-lo, refletindo as diferentes audiências que o Hamas deve atender: o público doméstico e as relações internacionais.[313] A propria Carta é considerada uma "relíquia histórica".[315]

Em uma reunião de abril de 2008 entre o líder do Hamas, Khaled Mashal e o ex-presidente dos EUA, Jimmy Carter, chegou-se a um entendimento no qual o Hamas concordou em respeitar a criação de um estado palestino no território tomado por Israel na Guerra dos Seis Dias de 1967, desde que isso fosse ratificado pelo povo palestino em um referendo.[316] Em 2009, em uma carta ao Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, Haniyeh repetiu o apoio de seu grupo a um acordo de dois estados com base nas fronteiras de 1967: "Nunca impediríamos esforços para criar um estado palestino independente com fronteiras de 4 de junho de 1967, com Jerusalém como sua capital."[317] Em 1º de dezembro de 2010, Ismail Haniyeh repetiu novamente: "Aceitamos um estado palestino nas fronteiras de 1967, com Jerusalém como sua capital, a libertação de prisioneiros palestinos e a resolução da questão dos refugiados", e "o Hamas respeitará os resultados [de um referendo], independentemente de diferir de sua ideologia e princípios."[318]

Em novembro de 2011, o líder do Hamas, Khaled Mishal, fez um acordo com Mahmoud Abbas no Cairo, comprometendo-se a respeitar as fronteiras de 1967.[319]

Em fevereiro de 2012, de acordo com a Autoridade Palestina, o Hamas renunciou ao uso da violência. Evidências que isso se concretizaria foram dadas após onda de violência da Jihad Islâmica em março de 2012, após um assassinato de um líder da Jihad por Israel, durante a qual o Hamas se absteve de atacar Israel.[320] Jornalistas israelenses Avi Issacharoff e Amos Harel escreveram que "Israel, apesar de afirmar que o Hamas é soberano em Gaza e, portanto, responsável pelo que acontece lá, o estado parece entender que não. Como resultado, Israel não bombardeou escritórios ou instalações do Hamas."[321]

O colunista da revista The Atlantic, Jeffrey Goldberg, juntamente com outros analistas, acredita que o Hamas pode ser incapaz de uma reconciliação permanente com Israel.[322][323]

Para o cofundador do Hamas, Ahmed Yassin, Israel estava tentando destruir o Islã, por isso concluiu que muçulmanos leais tinham a obrigação religiosa de destruir Israel.[324] O objetivo de curto prazo do Hamas era libertar a Palestina, incluindo a atual Israel, da ocupação israelense. Alguns acadêmicos argumentam que o objetivo de longo prazo busca estabelecer um estado islâmico do rio Jordão ao Mar Mediterrâneo, notavelmente semelhante à noção sionista da mesma área sob maioria judaica.[308][325][326][327]

Propostas de Hudna[editar | editar código-fonte]

Quando o Hamas ganhou a maioria nas eleições legislativas palestinas de janeiro de 2006, Ismail Haniyeh, então recém-eleito primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina, enviou mensagens tanto ao presidente dos EUA, George W. Bush, quanto aos líderes de Israel, pedindo reconhecimento e oferecendo um cessar-fogo de longo prazo e o estabelecimento de uma fronteira nas linhas de 1967. Não houve resposta.[328] A proposta de Haniyeh era, supostamente, um armistício de cinquenta anos com Israel, caso um estado palestino fosse criado ao longo das fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital.[329] Um membro do Hamas acrescentou que o armistício seria renovado automaticamente, a cada período.[330] Em meados de 2006, Jerome Segal, da Universidade de Maryland, sugeriu que um estado palestino dentro das fronteiras de 1967 e um cessar-fogo de muitos anos poderiam ser considerados o reconhecimento de facto do Hamas ao estado de Israel.[310] O porta-voz do Hamas, Ahmed Yousef, afirmou que uma "hudna" (período prolongado de cessar-fogo ou armistício) vai além de uma trégua e "obriga as partes a usar o período para buscar uma resolução permanente e não violenta de suas diferenças."[172]

Em novembro de 2008, em uma reunião na Faixa de Gaza com 11 membros do Parlamento Europeu, o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, reafirmou que o Hamas estava disposto a aceitar um estado palestino "nos territórios de 1967" (Faixa de Gaza e Cisjordânia) e ofereceu a Israel um cessar-fogo de longo prazo se Israel reconhecesse os direitos nacionais dos palestinos; e afirmou que Israel rejeitou essa proposta.[331] Por volta de 2018, um ministro das finanças do Hamas argumentou que uma "cessação de hostilidades de longo prazo, conforme entendido pelo Hamas e um acordo de dois estados são a mesma coisa".[78]

Mkhaimer Abusada, um cientista político da Universidade Al-Azhar, escreveu em setembro de 2009 que o Hamas fala de "hudna" (cessar-fogo prolongado) e não de paz ou reconciliação com Israel pois acreditam que, ao longo do tempo, se tornarão fortes o suficiente para libertar toda a Palestina histórica.[332] Vários autores adicionais alertaram por volta de 2020 que, se Israel aceitasse tal proposta (um estado palestino "nos territórios de 1967" combinado com um cessar-fogo de longo prazo), o Hamas manteria seu objetivo de estabelecer um único estado no antigo mandato da Palestina, onde judeus viveriam como cidadãos.[333][334] O Hamas ofereceu a Israel uma "hudna" variando de 10 anos a 30, 40 ou até 100 anos, se Israel se retirar para as fronteiras de 1967.[335] Muitos estudiosos sustentam que o objetivo do Hamas de estabelecer um estado palestino na Cisjordânia e Gaza é uma solução intermediária, enquanto seu objetivo de longo prazo é um único estado em todo o mandato da Palestina, no qual os judeus viveriam como seus cidadãos.[334]

Política religiosa[editar | editar código-fonte]

Na Faixa de Gaza[editar | editar código-fonte]

Com referência ao papel das mulheres, a Carta do Hamas, no seu artigo 17,[289] define que a elas cabe, principalmente, serem "criadora de homens", orientando e educando as novas gerações. Porém afirma que a importância delas no projeto religioso-nacionalista de libertação é igual à dos homens. Mas a Carta também reconhece que as mulheres podem participar na luta pela libertação - mesmo sem a permissão dos maridos (artigo 12).[336] A ênfase doutrinária na procriação e na criação dos filhos, como o dever principal da mulher, não é muito diferente da visão preconizada pelo Fatah acerca das mulheres na Primeira Intifada e também se assemelha à perspectiva dos colonos judeus, na época, a qual, entretanto, sofreu mudanças ao longo do tempo.[337][338]

Em 1989, durante a Primeira Intifada, um pequeno número de seguidores do Hamas militou pelo uso do hijab,[339] - vestimenta islâmica que não é parte do traje tradicional das mulheres na Palestina -, e pela poligamia, além de defender que as mulheres ficassem em casa e fossem segregadas dos homens. Durante essa campanha, mulheres que escolheram não usar o hijab foram assediadas verbal e fisicamente, acabando por adotar o hijab "apenas para evitar problemas nas ruas".[340] O assédio diminuiu drasticamente quando, após 18 meses, a UNLU (Liderança Nacional Unificada da Revolta) condenou os atos, embora campanhas semelhantes tenham voltado a ocorrer posteriormente.[341]

Desde que o Hamas assumiu o governo da Faixa de Gaza, em 2007, alguns dos seus membros tentaram impor o uso do hijab às mulheres.[332][342] O Ministério de Assuntos Islâmicos enviou membros do Comitê da Virtude para advertir os cidadãos sobre os perigos do vestuário imodesto, do jogo de cartas e do namoro.[343] Não houve, desde então, leis que impusessem padrões de vestimenta e outras regras morais, ainda que o Ministério da Educação do Hamas tivesse mantido um esforço para impor o uso de vestes islâmicas a estudantes.[332] Também houve resistência bem-sucedida às tentativas de autoridades locais do Hamas de impor o uso do hijab às mulheres.[344] Representantes do Hamas negam ter planos de impor a lei islâmica, afirmando que "o que você está vendo são incidentes, não políticas", e que a lei islâmica é o padrão desejado, "mas acreditamos na persuasão".[343]

Em 2013, a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA) cancelou sua maratona anual em Gaza, depois que os governantes do Hamas proibiram mulheres de participar da corrida.[345]

Na Cisjordânia[editar | editar código-fonte]

Em 2005, a organização de direitos humanos Freemuse divulgou um relatório intitulado "Palestina: Tentativas semelhantes ao Talibã de censurar música", que afirmava que músicos palestinos temiam a imposição de leis religiosas rigorosas contra música e concertos, uma vez que o grupo Hamas obteve ganhos políticos nas eleições locais da Autoridade Palestina em 2005.[346]

A tentativa do Hamas de impor um código cultural de conduta nas décadas de 1980 e início de 1990 resultou em violentos confrontos entre diferentes setores palestinos. Membros do Hamas, segundo relatos, incendiaram lojas que vendiam vídeos considerados indecentes e destruíram livros descritos como "heréticos".[347]

Em 2005, uma apresentação ao ar livre de música e dança em Qalqiliya foi repentinamente proibida pela administração liderada pelo Hamas, sob a justificativa de que tal evento seria "haram", ou seja, proibido pelo Islã.[348] A administração ordenou que a música não fosse mais tocada no zoológico de Qalqiliya. O mufti Akrameh Sabri emitiu um édito religioso confirmando a decisão da administração.[347] Em resposta, o poeta nacional palestino Mahmoud Darwish alertou que "Existem elementos tipo Talibã em nossa sociedade e isso é um sinal muito perigoso."[346][347][349]

O colunista palestino Mohammed Abd Al-Hamid, residente em Ramallah, escreveu que essa coerção religiosa poderia causar a migração de artistas e disse: "Os fanáticos religiosos na Argélia destruíram todo símbolo cultural, despedaçaram estátuas e obras de arte raras e liquidaram intelectuais e artistas, repórteres e autores, bailarinos e cantores. Vamos imitar os exemplos argelino e afegão?"[347]

A Turquia de Erdoğan como um modelo a ser seguido[editar | editar código-fonte]

Alguns membros do Hamas afirmaram que o modelo de governo islâmico que o Hamas busca emular é o da Turquia sob o comando de Recep Tayyip Erdoğan. Os membros proeminentes que se distanciaram das práticas do Talibã e apoiaram publicamente o modelo de Erdoğan foram Ahmed Yousef e Ghazi Hamad, conselheiros do primeiro-ministro Hanieh.[350][350] Yusuf, vice-ministro das Relações Exteriores do Hamas, refletiu esse objetivo em uma entrevista a um jornal turco, afirmando que, embora a opinião pública estrangeira associe o Hamas ao Talibã ou à al-Qaeda, a analogia é imprecisa. Yusuf descreveu o Talibã como "contrário a tudo", incluindo educação e direitos das mulheres, enquanto o Hamas deseja estabelecer boas relações entre os elementos religiosos e seculares da sociedade, buscando direitos humanos, democracia e uma sociedade aberta.[351] De acordo com o professor Yezid Sayigh do King's College em Londres, a influência dessa visão dentro do Hamas é incerta, uma vez que tanto Ahmad Yousef quanto Ghazi Hamad foram demitidos de seus cargos como conselheiros do primeiro-ministro do Hamas, Ismail Hanieh, em outubro de 2007.[350] Ambos foram posteriormente nomeados para outras posições proeminentes dentro do governo do Hamas. Khaled al-Hroub, do jornal palestino anti-Hamas Al Ayyam, acrescentou que apesar das alegações dos líderes do Hamas de que desejam repetir o modelo turco do Islã, "o que está acontecendo na prática no terreno é uma réplica do modelo talibã do Islã".[352][353][354]

Notas

  1. Não está claro se esses grupos foram estabelecidos em 1985 ou 1986.
  2. Abu Amr menciona as seguintes pessoas que estavam presentes naquele dia: Dr. 'Abd al-'Aziz al-Rantisi (40 anos), um médico residente em Khan Yunis; Dr. Ibrahim al-Yazuri (45 anos), um farmacêutico residente na cidade de Gaza; Shaykh Salih Shehada (40 anos), um instrutor universitário de Beit Hanoun; 'Isa al-Nashshar (35 anos), um engenheiro em Rafah; Muhammad Sham'a (50 anos), um professor no campo de refugiados de al-Shati; e 'Abd al-Fattah Dukhan (50 anos), um diretor de escola no campo de refugiados de al-Nusayrat.Abu-Amr, Ziad (1 de julho de 1993). «Hamas: A Historical and Political Background». Journal of Palestine Studies (em inglês) (4): 10. ISSN 0377-919X. doi:10.2307/2538077. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  3. Na verdade, a criação do Hamas como uma entidade separada da Irmandade Muçulmana foi feita precisamente para evitar que as autoridades israelenses vissem as atividades mais amplas das organizações, na esperança de que isso as deixasse relativamente imunes. Além disso, o Hamas foi criado essencialmente porque os islamistas ligados à Irmandade Muçulmana temiam que, sem sua participação direta na primeira Intifada, perderiam apoiadores tanto para o PIJ quanto para a OLP, esta última ansiosa para se reafirmar nos territórios palestinos após ser marginalizada após sua expulsão do Líbano. Como os autores Mishal e Sela explicam, "A decisão do Mujamma de adotar uma política de 'jihad agora' contra 'inimigos de Allah' (através da criação do Hamas) foi, portanto, em grande parte uma questão de sobrevivência."
  4. Davis, de Búrca e Dalacoura afirmam que as Brigadas foram formadas em 1991, Najib & Friedrich afirmam que foram formadas no verão de 1991, e O'Malley afirma que foram formadas em 1992.

Referências

  1. Staff, ToI. «Hamas appoints West Bank terror chief as its deputy leader». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2023 
  2. Abdelal, Wael (10 de junho de 2016). Hamas and the Media: Politics and strategy (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 122 
  3. «Interview with Dr Ibrahim Al-Yazouri, a founder of Hamas». MEM. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  4. Abu-Amr, Ziad (1 de julho de 1993). «Hamas: A Historical and Political Background». Journal of Palestine Studies (em inglês) (4): 5–19. ISSN 0377-919X. doi:10.2307/2538077. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  5. Litvak, Meir (janeiro de 1998). «The Islamization of the Palestinian‐Israeli conflict: the case of Hamas». Middle Eastern Studies (em inglês) (1): 148–163. ISSN 0026-3206. doi:10.1080/00263209808701214. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  6. Barzak, Ibrahim (11 de junho de 2011). «Muhammad Hassan Shama, little-known Hamas founder». Boston.com. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  7. «Hamas West Bank leader given six-month detention without trial». Arab News (em inglês). 8 de abril de 2019. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  8. a b c d Dalacoura, Katerina (29 de abril de 2011). Islamist Terrorism and Democracy in the Middle East 1 ed. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 66–96 
  9. Dunning, Tristan (29 de janeiro de 2016). Hamas, Jihad and Popular Legitimacy: Reinterpreting Resistance in Palestine (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  10. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  11. Abhyankar, Rajendra M. (2008). West Asia and the Region: Defining India's Role (em inglês). [S.l.]: Academic Foundation. 465 páginas 
  12. Hughes, Matthew; Johnson, Gaynor (15 de dezembro de 2004). Fanaticism and Conflict in the Modern Age (em inglês). [S.l.]: Routledge. pp. 156–172 
  13. Mishal, Shaul; Sela, Avraham (2000). The Palestinian Hamas: Vision, Violence, and Coexistence (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press 
  14. Litvak, Meir (janeiro de 1998). «The Islamization of the Palestinian‐Israeli conflict: the case of Hamas». Middle Eastern Studies (em inglês) (1): 151–152. ISSN 0026-3206. doi:10.1080/00263209808701214. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  15. Hoffman, Bruce (10 de outubro de 2023). «Understanding Hamas's Genocidal Ideology». The Atlantic (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2023 
  16. «National Counterterrorism Center | FTOs». www.dni.gov. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  17. «Pakistan, Afghanistan show support to Palestine, calls for "cessation of hostilities" - The Economic Times». web.archive.org. 7 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  18. Kingsley, Patrick (26 de julho de 2013). «Egyptian army questions Mohamed Morsi over alleged Hamas terror links». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  19. «Adviser to Iran's Khamenei expresses support for Palestinian attacks: Report». Alarabiya. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  20. Tharoor, Ishaan (1 de dezembro de 2021). «How Israel helped create Hamas». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  21. «How Israel Helped to Spawn Hamas - WSJ.com». web.archive.org. 26 de setembro de 2009. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  22. «Evidence shows Hamas militants likely used some North Korean weapons in attack on Israel». AP News (em inglês). 19 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  23. a b c «What is Hamas and who supports it? – DW – 05/15/2021». dw.com (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  24. Thompson, Polly. «Hamas praises Vladimir Putin for 'Russia's tireless efforts' over Israeli 'aggression'». Insider (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  25. Porter, Tom. «Russia gave captured US weapons to Hamas as a ploy to undermine Ukraine, report says». Business Insider (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  26. «South Africa says it discussed aid with Hamas leader, denies reports of support». Reuters (em inglês). 18 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  27. Abdelaziz, Khalid; Eltahir, Nafisa; Irish, John; Eltahir, Nafisa (23 de setembro de 2021). «After fall of Bashir, Sudan closes door on support for Hamas». Reuters (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  28. «Experts Weigh in on Regional Impact of Syria-Hamas Rapprochement». Voice of America (em inglês). 20 de outubro de 2022. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  29. a b «Hamas Still Has Some Friends Left». Time (em inglês). 25 de julho de 2014. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  30. «Qatar, Iran, Turkey and beyond: Hamas's network of allies». France 24 (em inglês). 14 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  31. «Hamas, PLO slam 'blatant US interference' in Venezuela affairs». Consultado em 24 de outubro de 2023 
  32. Images, the Houthis involving Palestinian prisoners in Saudi Arabia-HASSAN AMMAR/AFP via Getty (5 de janeiro de 2021). «Houthis, Hamas merge diplomacy around prisoner releases - Al-Monitor: Independent, trusted coverage of the Middle East». www.al-monitor.com (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  33. Gale, Ben (16 de junho de 2021). «Hamas awards 'Shield of Honor' to Houthi representative in Yemen, sparking outrage in Saudi Arabia». JNS.org (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  34. «Mortars fired from Lebanon, infiltrators killed as 6 Israelis injured in gunfight | The Times of Israel». web.archive.org. 9 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  35. «الجبهة الشعبية: قرار الإدارة الأمريكية بتوفير الدعم للكيان ه...». web.archive.org. 9 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  36. «Al-Qassam fighters engage IOF on seven fronts outside Gaza: Statement | Al Mayadeen English». web.archive.org. 8 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  37. «Qassam Brigades announces control of 'Erez | Roya News». web.archive.org. 7 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  38. a b «Institute for the Study of War». Institute for the Study of War (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  39. «Al-Qaeda's North and West African branches respond to the Hamas-led invasion of Israel | FDD's Long War Journal». www.longwarjournal.org (em inglês). 13 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  40. «News Details». web.archive.org. 10 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  41. «Bahrain denounces Hamas kidnappings | The Times of Israel». web.archive.org. 10 de outubro de 2023. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  42. «Is Jordan planning to restore ties with Hamas?». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 3 de setembro de 2022. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  43. «What Effect ISIS' Declaration Of War Against Hamas Could Have In The Middle East». Consultado em 24 de outubro de 2023 
  44. «Entirety of Hamas to be listed as a terrorist organisation». ABC News (em inglês). 17 de fevereiro de 2022. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  45. Canada, Public Safety (21 de dezembro de 2018). «Currently listed entities». www.publicsafety.gc.ca. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  46. Boffey, Daniel (26 de julho de 2017). «EU court upholds Hamas terror listing». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  47. Estado de Israel. «Fighting terrorism». Consultado em 24 de outubro de 2023 
  48. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  49. Estado do Japão. «Japan's Foreign Policy in Major Diplomatic Fields» (PDF). Consultado em 24 de outubro de 2023 
  50. «Paraguay adds Hamas, Hezbollah to terrorism list». Middle East Monitor. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  51. «Proscribed terrorist groups or organisations». GOV.UK (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  52. «Foreign Terrorist Organizations». United States Department of State (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  53. «Hamas, n. meanings, etymology and more | Oxford English Dictionary». www.oed.com. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  54. «The Islamic Resistance Movement in the Palestinian Uprising - MERIP». web.archive.org. 1 de fevereiro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  55. Ireland, Carol A.; Lewis, Michael; Lopez, Anthony C.; Ireland, Jane L., eds. (2020). The handbook of collective violence: current developments and understanding. London New York: Routledge. p. 239. O grupo islâmico sunita radical de maior sucesso foi o Hamas, que começou como um ramo da Irmandade Muçulmana na Palestina no início da década de 1980. Utilizou ataques terroristas contra civis – especialmente atentados suicidas – para ajudar a construir um movimento maior, chegando ao ponto de emergir como o governo reconhecido da Faixa de Gaza na Autoridade Palestina 
  56. Kear, Martin (2018). Hamas and Palestine: The Contested Road to Statehood. [S.l.]: Routledge. p. 22. ISBN 9780429999406 
  57. a b c «What You Need to Know About the Israel-Hamas Violence». web.archive.org. 7 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  58. a b Urquhart, Conal (10 de janeiro de 2007). «Hamas leader acknowledges 'reality' of Israel». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  59. a b Aviad, G (2009). «'Hamas' Military Wing in the Gaza Strip: Development, Patterns of Activity, and Forecast» (PDF). ilitary and Strategic Affairs. Consultado em 23 de outubro de 2023 
  60. a b c d e f g h «How Israel Helped to Spawn Hamas - WSJ.com». WSJ. 26 de setembro de 2009. Consultado em 24 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2009. Quando Israel primeiro encontrou islamistas na Faixa de Gaza nas décadas de 1970 e 1980, eles pareciam focados em estudar o Alcorão, não em confrontar Israel. O governo israelense reconheceu oficialmente um precursor do Hamas chamado Mujama Al-Islamiya, registrando o grupo como uma organização de caridade. Permitiu que membros do Mujama estabelecessem uma universidade islâmica e construíssem mesquitas, clubes e escolas. Crucialmente, Israel muitas vezes ficava de lado quando os islamistas e seus rivais palestinos seculares de esquerda lutavam, às vezes violentamente, por influência tanto em Gaza quanto na Cisjordânia. "Quando olho para trás para a cadeia de eventos, acho que cometemos um erro", diz David Hacham, que trabalhou em Gaza no final dos anos 1980 e início dos anos 1990 como especialista em assuntos árabes no exército israelense. "Mas na época, ninguém pensou nos resultados possíveis." Autoridades israelenses que serviram em Gaza discordam sobre quanto suas próprias ações podem ter contribuído para a ascensão do Hamas. Eles atribuem a recente ascensão do grupo a estrangeiros, principalmente o Irã. Essa visão é compartilhada pelo governo israelense. "O Hamas em Gaza foi construído pelo Irã como uma base de poder e é apoiado por meio de financiamento, treinamento e fornecimento de armas avançadas", disse o Sr. Olmert no último sábado. O Hamas negou receber assistência militar do Irã. 
  61. «Afghanistan in Palestine». Haaretz (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2023 
  62. Charrett, Catherine (8 de agosto de 2019). The EU, Hamas and the 2006 Palestinian Elections: A Performance in Politics (em inglês). [S.l.]: Routledge. pp. 129–137 
  63. «Islamistisk politik vinner mark». Stockholmsfria. 27 de setembro de 2007. Consultado em 24 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2007 
  64. Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. pp. 67–69 
  65. Mukhimer, T. (14 de abril de 2016). Hamas Rule in Gaza: Human Rights under Constraint (em inglês). [S.l.]: Springer. pp. vii–58 
  66. «How powerful is Hamas?». The Economist. ISSN 0013-0613. Consultado em 24 de outubro de 2023. Em 2006, um ano depois de Israel se ter retirado de Gaza, o Hamas conquistou a maioria dos assentos nas eleições palestinianas e mais tarde formou um novo governo de unidade com o Fatah, seu rival nacionalista. Em junho de 2007, após uma breve guerra civil, assumiu o controle exclusivo de Gaza, deixando ao Fatah a gestão da Autoridade Palestiniana (AP) na Cisjordânia. Em resposta, Israel e o Egito impuseram um bloqueio sufocante à faixa costeira em 2007, estrangulando a sua economia e, na verdade, confinando o seu povo numa prisão ao ar livre. Não houve eleições desde então. 
  67. «Gaza Strip: Freedom in the World 2020 Country Report». Freedom House (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2023. Desde 2007, Gaza tem funcionado como um estado de partido único de facto sob o domínio do Hamas 
  68. Burton, Guy (2012). «Hamas and its Vision of Development». Third World Quarterly (3): 525–540. ISSN 0143-6597. Consultado em 12 de abril de 2023. O governo conjunto Hamas-Fatah não durou muito. Em poucos meses, os dois lados já se enfrentavam novamente, o que afinal levou a uma divisão política do território ocupado, com o Fatah controlando a Cisjordânia, e o Hamas estabelecendo um estado virtual de partido único em Gaza. 
  69. a b Phillips, David L. (31 de dezembro de 2011). From Bullets to Ballots: Violent Muslim Movements in Transition (em inglês). [S.l.]: Transaction Publishers. 75 páginas 
  70. Krauss, Joseph (15 de junho de 2021). «Poll finds dramatic rise in Palestinian support for Hamas». AP News 
  71. a b Seurat, Leila (2022). The foreign policy of Hamas: ideology, decision making and political supremacy. Col: SOAS Palestine studies. London New York Oxford New Delhi Sydney: I.B. Tauris. pp. 17–19 
  72. «What does Israel's declaration of war mean for Palestinians in Gaza?». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2023 
  73. «What will the Israeli-Palestinian conflict look like in 30 years?». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 22 de setembro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023. Até mesmo o Hamas, em 2017, disse que estava pronto a aceitar um Estado palestino com fronteiras de 1967 se estiver claro que este é o consenso dos palestinos. 
  74. a b c «Hamas accepts Palestinian state with 1967 borders». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2023 
  75. Al-Mughrabi, Nidal; Finn, Tom (1 de maio de 2017). «Hamas softens stance on Israel, drops Muslim Brotherhood link». Reuters (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2023 
  76. Atran, Scott; Axelrod, Robert (julho de 2008). «Reframing Sacred Values». Negotiation Journal (em inglês) (3): 221–246. ISSN 0748-4526. doi:10.1111/j.1571-9979.2008.00182.x. Consultado em 26 de novembro de 2023 
  77. Rane, Halim (2009). Reconstructing Jihad Amid Competing International Norms. [S.l.: s.n.] p. 34. Asher Susser, diretor do Centro Dayan na Universidade de Tel Aviv, transmitiu em uma entrevista que "a 'hudna' do Hamas não é significativamente diferente do 'acordo intermediário de longo prazo' de Sharon". Da mesma forma, Daniel Levy, um alto funcionário israelense para a Iniciativa de Genebra (GI), me informou que certos funcionários do Hamas consideram a GI aceitável, mas, devido às preocupações com sua base islâmica e sua própria identidade islâmica, eles "teriam que expressar o resultado final em termos de 'hudna', ou cessar-fogo 'indefinido', em vez de um acordo de paz formal." 
  78. a b Tareq, Baconi (2018). Hamas contained: The rise and pacification of Palestinian resistance. [S.l.]: Stanford University Press. p. 108 
  79. Lybarger, Loren D. (2020). Palestinian Chicago. [S.l.]: University of California Press. p. 199. O Hamas também sinalizaria disposição para aceitar uma "hudna" de longo prazo (cessação das hostilidades, trégua) ao longo das linhas de armistício de 1948 (uma aceitação efetiva da fórmula de dois estados). 
  80. Alsoos, Imad (3 de setembro de 2021). «From jihad to resistance: the evolution of Hamas's discourse in the framework of mobilization». Middle Eastern Studies (em inglês) (5): 833–856. ISSN 0026-3206. doi:10.1080/00263206.2021.1897006. Consultado em 26 de novembro de 2023 
  81. Faeq, Nasir; Jahnata, Diego (12 de setembro de 2020). «The Historical Antecedents of Hamas». International Journal of Social Science Research and Review (3): 26–35. ISSN 2700-2497. doi:10.47814/ijssrr.v3i3.49. Consultado em 26 de novembro de 2023 
  82. Hamas Covenant 1988. The Covenant of the Islamic Resistance Movement. 18 de agosto de 1988. The Avalon Project.
  83. «Who Is Hamas, The Military Wing in the Gaza Strip? - The New York Times». web.archive.org. 14 de outubro de 2023. Consultado em 26 de novembro de 2023 
  84. «Two-state solution | Definition, Facts, History, & Map | Britannica». www.britannica.com (em inglês). 21 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  85. Edwards, Christian; CNN (16 de novembro de 2023). «Have war crimes been committed in Israel and Gaza and what laws govern the conflict?». CNN (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2023 
  86. Hamed, Qossay (2023). Hamas in Power: The Question of Transformation. [S.l.]: IGI Global. p. 161 
  87. Spitka, Timea (2023). National and International Civilian Protection Strategies in the Israeli-Palestinian Conflict. [S.l.]: Springer International Publishing. pp. 88–89 
  88. «Khaled Meshaal: Struggle is against Israel, not Jews». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2023 
  89. Cordesman, Anthony H. (2002). Peace and War: The Arab-Israeli Military Balance Enters the 21st Century (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Academic. O Hamas é uma organização fundamentalista islâmica radical que declarou que a sua maior prioridade é uma Jihad (guerra santa) pela libertação da Palestina. 
  90. Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 675–687. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 24 de outubro de 2023. Na política tudo é possível. O Iraque, por exemplo, tem a Brigada Badr, que é um braço militar do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque e que se juntou ao processo político no país. Membros da Brigada Badr juntaram-se ao serviço de segurança no Iraque. No Iraque, os EUA têm tentado enfrentar a questão dos insurgentes através de negações. O Hezbollah no Líbano é um partido político e também tem as suas organizações militantes. Os Mujahideen, que eram os principais militantes no Afeganistão, juntaram-se ao processo político no seu país após mais de 20 anos de guerra. Ser militante e aderir à plataforma política não é pecado. Se deixarmos o Médio Oriente e olharmos para o Sinn Fein, por exemplo, na Irlanda do Norte, este grupo estava a lutar contra o governo britânico e depois, através do envolvimento e da negociação directa, a influência extremista foi marginalizada e o Sinn Fein encontrou uma oportunidade para se moderar. 
  91. Kear, Martin (25 de outubro de 2018). Hamas and Palestine: The Contested Road to Statehood (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 7. A ideia de um movimento militante como o Hamas possuir personalidades políticas e militares simultaneamente não é especialmente nova, sendo o IRA/Sinn Féin e o movimento libanês Hezbollah dois exemplos frequentemente citados. No entanto, este estudo argumenta que, dado o papel que a resistência desempenha na narrativa palestiniana, a dupla resistência do Hamas é uma estratégia mais abrangente e integrada do que aquela adotada por outros movimentos chamados híbridos ou de duplo estatuto. Isto porque o Hamas conseguiu sinergizar os seus esforços de resistência política e armada para promover a sua agenda de autodeterminação. 
  92. «Poll finds dramatic rise in Palestinian support for Hamas». AP News (em inglês). 15 de junho de 2021. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  93. «National Counterterrorism Center | Groups». www.dni.gov. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  94. Dupret, Baudouin; Lynch, Michael; Berard, Tim, eds. (2015). Law at work: studies in legal ethnomethods. Col: Oxford studies in language and law. Oxford New York, NY: Oxford University Press. p. 279 
  95. Boffey, Daniel (26 de julho de 2017). «EU court upholds Hamas terror listing». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  96. US resolution to condemn activities of Hamas voted down in General Assembly. UN News, 6 de dezembro de 2018.
  97. «UN rejects US motion to condemn Hamas». dw.com (em inglês). 12 de julho de 2018. Consultado em 24 de outubro de 2023. Era necessária uma maioria de dois terços para que a moção fosse aprovada. 87 votaram a favor, 58 contra, 32 abstiveram-se e 16 não votaram. 
  98. «Israeli hostage crisis in Hamas-ruled Gaza becomes political trap for Netanyahu, who says country is 'at war' | AP News». web.archive.org. 14 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  99. «Hamas captures hostages as Israelis share photos of those missing | CNN». web.archive.org. 14 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  100. Bombardeios de Israel atingem abrigos para civis e até escolas em Gaza, diz ONU. O Globo, 11 de outubro de 2023.
  101. a b Fischler, Jacob; October 13, Colorado Newsline; 2023 (13 de outubro de 2023). «U.S. stresses support for Israel as 1 million residents of North Gaza ordered to evacuate». Colorado Newsline (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  102. «How Israel was duped as Hamas planned devastating assault | Reuters». web.archive.org. 9 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  103. Staff, ToI; Agencies. «European Parliament calls for Hamas to be 'eliminated,' urges release of hostages». www.timesofisrael.com (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2023 
  104. «MEPs condemn Hamas attack on Israel and call for a humanitarian pause | News | European Parliament». www.europarl.europa.eu (em inglês). 19 de outubro de 2023. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  105. Jefferis, Jennifer (12 de fevereiro de 2016). Hamas: Terrorism, Governance, and Its Future in Middle East Politics: Terrorism, Governance, and Its Future in Middle East Politics (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 119 
  106. Herzog, Michael (2006). «Can Hamas Be Tamed?». Foreign Affairs (em inglês) (2): 83-94. doi:10.2307/20031913. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  107. a b c d e f Kabahā, Muṣṭafá (2014). The Palestinian People: Seeking Sovereignty and State (em inglês). [S.l.]: Lynne Rienner Publishers, Incorporated. pp. 322–323 
  108. Jefferis, Jennifer (12 de fevereiro de 2016). Hamas: Terrorism, Governance, and Its Future in Middle East Politics: Terrorism, Governance, and Its Future in Middle East Politics (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. pp. 50–51 
  109. Abū ʻAmr, Ziyād (1994). Islamic fundamentalism in the West Bank and Gaza : Muslim Brotherhood and Islamic Jihad. Internet Archive. [S.l.]: Bloomington : Indiana University Press. p. 16 
  110. Singh, Rashmi (11 de janeiro de 2013). Hamas and Suicide Terrorism: Multi-causal and Multi-level Approaches (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 153 
  111. Levitt, Matthew; Washington Institute for Near East Policy (2006). Hamas : politics, charity, and terrorism in the service of jihad. Internet Archive. [S.l.]: New Haven : Yale University Press. p. 24 
  112. Mattar, Philip (2005). Encyclopedia of the Palestinians (em inglês). [S.l.]: Infobase Publishing. p. 195 
  113. Hassan, Riaz (11 de setembro de 2014). Life as a Weapon: The Global Rise of Suicide Bombings (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 80 
  114. Abū ʻAmr, Ziyād (1994). Islamic fundamentalism in the West Bank and Gaza : Muslim Brotherhood and Islamic Jihad. Internet Archive. [S.l.]: Bloomington : Indiana University Press. p. 35 
  115. Levitt, Matthew; Washington Institute for Near East Policy (2006). Hamas : politics, charity, and terrorism in the service of jihad. Internet Archive. [S.l.]: New Haven : Yale University Press. p. 35 
  116. a b Levitt, Matthew; Washington Institute for Near East Policy (2006). Hamas : politics, charity, and terrorism in the service of jihad. Internet Archive. [S.l.]: New Haven : Yale University Press. p. 114 
  117. Mishal, Shaul; Sela, Avraham (2006). The Palestinian Hamas: Vision, Violence, and Coexistence (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press. p. 34 
  118. Milton-Edwards, Beverley; Farrell, Stephen (30 de abril de 2013). Hamas: The Islamic Resistance Movement (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 116 
  119. Friedrich, Roland; Luethold, Arnold (2007). Entry-points to Palestinian Security Sector Reform (em inglês). [S.l.]: DCAF 
  120. a b c Roberts, Priscilla (15 de julho de 2014). Arab-Israeli Conflict: The Essential Reference Guide (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 67 
  121. Roberts, Priscilla (15 de julho de 2014). Arab-Israeli Conflict: The Essential Reference Guide (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO 
  122. Mishal, Shaul; Sela, Avraham (2006). The Palestinian Hamas: Vision, Violence, and Coexistence (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press. pp. 14–15 
  123. Council, American Foreign Policy (30 de janeiro de 2014). The World Almanac of Islamism: 2014 (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. pp. 272–276 
  124. Mishal, Shaul; Sela, Avraham (2006). The Palestinian Hamas: Vision, Violence, and Coexistence (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press. p. 35 
  125. Holtmann, Philipp (novembro de 2009). Martyrdom, Not Suicide: The Legality of Hamas' Bombings in the Mid-1990s in Modern Islamic Jurisprudence (em inglês). [S.l.]: GRIN Verlag. p. 13 
  126. Filiu, Jean-Pierre (2014). Gaza: A History (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. pp. 206–207 
  127. a b Filiu, Jean-Pierre (2014). Gaza: A History (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 207 
  128. a b Byman, Daniel (15 de junho de 2011). A High Price: The Triumphs and Failures of Israeli Counterterrorism (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 99 
  129. «Poll finds dramatic rise in Palestinian support for Hamas». AP News (em inglês). 15 de junho de 2021. p. 75. Consultado em 24 de outubro de 2023 
  130. Heiberg, Marianne; O'Leary, Brendan; Tirman, John (2007). Terror, Insurgency, and the State: Ending Protracted Conflicts (em inglês). [S.l.]: University of Pennsylvania Press. p. 135 
  131. a b c Ross, Jeffrey Ian (4 de março de 2015). Religion and Violence: An Encyclopedia of Faith and Conflict from Antiquity to the Present (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 319 
  132. a b c d Slater, Jerome (2020). Mythologies Without End: The US, Israel, and the Arab-Israeli Conflict, 1917-2020 (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 280 
  133. Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 68 
  134. Guidère, Mathieu (20 de julho de 2012). Historical Dictionary of Islamic Fundamentalism (em inglês). [S.l.]: Scarecrow Press. p. 173 
  135. Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 89 
  136. Búrca, Aoibhín de (27 de outubro de 2014). Preventing Political Violence Against Civilians: Nationalist Militant Conflict in Northern Ireland, Israel And Palestine (em inglês). [S.l.]: Springer. p. 109 
  137. Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 90 
  138. a b Dalacoura, Katerina (29 de abril de 2011). Islamist Terrorism and Democracy in the Middle East 1 ed. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 71–72 
  139. a b Mannes, Aaron (2004). Profiles in Terror: The Guide to Middle East Terrorist Organizations (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. p. 115 
  140. Roy, Sara M. (1 de julho de 1993). «Gaza: New Dynamics of Civic Disintegration». Journal of Palestine Studies (em inglês) (4): 22. ISSN 0377-919X. doi:10.2307/2538078. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  141. Platt, Edward (30 de agosto de 2010). «For Arabs in Israel, a house is not a home». New Statesman (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2023 
  142. Chehab, Zaki (2007). Inside Hamas: The Untold Story of Militants, Martyrs and Spies (em inglês). [S.l.]: I.B. Tauris. p. 115 
  143. a b Levitt, Matthew; Washington Institute for Near East Policy (2006). Hamas : politics, charity, and terrorism in the service of jihad. Internet Archive. [S.l.]: New Haven : Yale University Press. pp. 11–12 
  144. Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 102 
  145. Byman, Daniel (15 de junho de 2011). A High Price: The Triumphs and Failures of Israeli Counterterrorism (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 
  146. a b Byman, Daniel (15 de junho de 2011). A High Price: The Triumphs and Failures of Israeli Counterterrorism (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 196 
  147. Jad, Islah (26 de dezembro de 2018). Palestinian Women’s Activism: Nationalism, Secularism, Islamism (em inglês). [S.l.]: Syracuse University Press. p. 132. Islah Jad escreve: "A palavra árabe 'isqat' tem vários significados literais, mais pertinentemente 'cair', como em uma armadilha. No contexto palestino, ela se refere especificamente aos métodos usados pelos israelenses para manipular ou seduzir vítimas e forçá-las a trabalhar contra os interesses nacionais de seu povo." 
  148. Milton-Edwards, Beverley; Farrell, Stephen (30 de abril de 2013). Hamas: The Islamic Resistance Movement (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. pp. 118–120 
  149. Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 86 
  150. a b Dunning, Tristan (29 de janeiro de 2016). Hamas, Jihad and Popular Legitimacy: Reinterpreting Resistance in Palestine (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  151. Milton-Edwards, Beverley; Farrell, Stephen (30 de abril de 2013). Hamas: The Islamic Resistance Movement (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 92 
  152. Friedrich, Roland; Luethold, Arnold (2007). Entry-points to Palestinian Security Sector Reform (em inglês). [S.l.]: DCAF. p. 106 
  153. Caridi, Paola (20 de março de 2012). Hamas: From Resistance to Government (em inglês). [S.l.]: Seven Stories Press. p. 282 
  154. Milton-Edwards, Beverley; Farrell, Stephen (30 de abril de 2013). Hamas: The Islamic Resistance Movement (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 93 
  155. a b Milton-Edwards, Beverley; Farrell, Stephen (30 de abril de 2013). Hamas: The Islamic Resistance Movement (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 66 
  156. Rubin, Barry (1 de junho de 2009). The Transformation of Palestinian Politics: From Revolution to State-Building (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. p. 133 
  157. a b Martin, Gus (15 de junho de 2011). The SAGE Encyclopedia of Terrorism, Second Edition (em inglês). [S.l.]: SAGE. p. 81 
  158. a b Kimmerling, Baruch (1 de julho de 2009). The Palestinian People: A History (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. pp. 372–373 
  159. a b c Publishing, Bloomsbury (30 de dezembro de 2006). Strategic Intelligence: [5 Volumes] (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. p. 65 
  160. Milton-Edwards, Beverley; Farrell, Stephen (30 de abril de 2013). Hamas: The Islamic Resistance Movement (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 98 
  161. Goerzig, Carolin (17 de junho de 2010). Talking to Terrorists: Concessions and the Renunciation of Violence (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 57 
  162. Hirst, David (22 de novembro de 1999). «Jordan curbs Hamas». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  163. a b Maddy-Weitzman, Bruce (maio de 2002). Middle East Contemporary Survey: Vol. XXIII 1999 (em inglês). [S.l.]: The Moshe Dayan Center. pp. 252–253 
  164. Levitt, Matthew; Washington Institute for Near East Policy (2006). Hamas : politics, charity, and terrorism in the service of jihad. Internet Archive. [S.l.]: New Haven : Yale University Press. p. 45 
  165. Maddy-Weitzman, Bruce (maio de 2002). Middle East Contemporary Survey: Vol. XXIII 1999 (em inglês). [S.l.]: The Moshe Dayan Center. p. 153 
  166. a b Tucker, Spencer C. (27 de agosto de 2019). Middle East Conflicts from Ancient Egypt to the 21st Century: An Encyclopedia and Document Collection [4 volumes] (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 808 
  167. Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 105 
  168. Fouberg, Erin H.; Murphy, Alexander B. (22 de janeiro de 2020). Human Geography: People, Place, and Culture (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 215 
  169. Benmelech, Efraim; Berrebi, Claude (1 de julho de 2007). «Human Capital and the Productivity of Suicide Bombers». Journal of Economic Perspectives (em inglês) (3): 223–238. ISSN 0895-3309. doi:10.1257/jep.21.3.223. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  170. Pressman, Jeremy (2003). «The Second Intifada: Background and Causes of the Israeli-Palestinian Conflict». Journal of Conflict Studies (em inglês) (2): 114. ISSN 1715-5673. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  171. a b Dunning, Tristan (29 de janeiro de 2016). Hamas, Jihad and Popular Legitimacy: Reinterpreting Resistance in Palestine (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 61 
  172. a b Dunning, Tristan (29 de janeiro de 2016). Hamas, Jihad and Popular Legitimacy: Reinterpreting Resistance in Palestine (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 179. O ex-porta-voz do Hamas e ex-vice-ministro das Relações Exteriores em Gaza, Ahmed Yousef, explicou em um artigo de opinião no New York Times o que isso significava juridicamente. (Uma hudna) 'normalmente cobre 10 anos e é reconhecida na jurisprudência islâmica como um contrato legítimo e vinculativo. Uma hudna vai além do conceito ocidental de cessar-fogo e obriga as partes a usar o período para buscar uma solução permanente e não violenta para suas diferenças. 
  173. «Al-Ahram Weekly | Region | Running out of time». web.archive.org. 20 de janeiro de 2010. Consultado em 25 de outubro de 2023 
  174. Kimmerling, Baruch (1 de julho de 2009). The Palestinian People: A History (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. p. 268 
  175. a b Bouris, Dimitris (3 de fevereiro de 2014). The European Union and Occupied Palestinian Territories: State-building without a state (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 54 
  176. Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 680. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  177. a b Dunning, Tristan (29 de janeiro de 2016). Hamas, Jihad and Popular Legitimacy: Reinterpreting Resistance in Palestine (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 115 
  178. a b Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 677. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  179. a b Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 675. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  180. Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 679. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  181. Brym, R. J.; Araj, B. (1 de junho de 2006). «Suicide Bombing as Strategy and Interaction: The Case of the Second Intifada». Social Forces (em inglês) (4): 1980. ISSN 0037-7732. doi:10.1353/sof.2006.0081. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  182. Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 676-677. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  183. Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 686. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  184. Zweiri, Mahjoob (maio de 2006). «The Hamas victory: shifting sands or major earthquake?». Third World Quarterly (em inglês) (4): 682. ISSN 0143-6597. doi:10.1080/01436590600720876. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  185. Bouris, Dimitris (3 de fevereiro de 2014). The European Union and Occupied Palestinian Territories: State-building without a state (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 55 
  186. Tocci, Nathalie (15 de janeiro de 2013). «The Middle East Quartet and (In)effective Multilateralism». The Middle East Journal (em inglês) (1): 42. ISSN 0026-3141. doi:10.3751/67.1.12. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  187. Byman, Daniel (2010). «How to Handle Hamas: The Perils of Ignoring Gaza's Leadership». Foreign Affairs (5): 52. ISSN 0015-7120. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  188. Dunning, Tristan (29 de janeiro de 2016). Hamas, Jihad and Popular Legitimacy: Reinterpreting Resistance in Palestine (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 117. Além do objetivo declarado do Hamas de 'servir ao povo', essa busca por reforma na segurança, mais uma vez, talvez não seja surpreendente, considerando que o Hamas frequentemente foi alvo desses aparatos como um movimento de oposição. O aparato de segurança do Hamas na Faixa de Gaza está atualmente politizado, mas conseguiu instituir o estado de direito e a ordem que haviam escapado das forças lideradas pelo Fatah anteriormente, apesar de o governo do Hamas empregar apenas uma fração dos recursos e pessoal. De fato, o Hamas otimizou as forças de segurança, reduzindo o número de pessoal de 56.887 antes de sua tomada armada da Faixa de Gaza em junho de 2007 para cerca de 15.000 hoje. Além disso, em contraste com seus colegas da Cisjordânia, o setor de segurança do Hamas está inequivocamente sob controle civil, em linha com os padrões de governança ocidentais, e, portanto, é mais responsável, de acordo com Sayigh. 
  189. «Video: Who are Hamas? In 60 seconds - Telegraph». web.archive.org. 18 de julho de 2014. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  190. agencies, News (3 de março de 2006). «Hamas: Peace with Israel for withdrawal to '67 borders». Ynetnews (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  191. «Hamas offers deal if Israel pulls out». The Telegraph (em inglês). 9 de fevereiro de 2006. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  192. «Hamas Refuses to Recognize Israel». New York Times. Consultado em 26 de outubro de 2023 
  193. «Palestinian sanctions to remain» (em inglês). 20 de março de 2007. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  194. «In 2006 Letter to Bush, Haniyeh Offered Compromise With Israel». Haaretz (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  195. Nast, Condé (5 de março de 2008). «The Proof Is in the Paper Trail». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  196. «The Times & The Sunday Times». www.thetimes.co.uk (em inglês). 27 de outubro de 2023. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  197. McGreal, Chris (10 de junho de 2006). «Death on the beach: seven Palestinians killed as Israeli shells hit family picnic». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  198. «IslamOnline.net- News». web.archive.org. 7 de dezembro de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  199. «HRW says it can't refute IDF Gaza beach findings blast». web.archive.org. 5 de agosto de 2011. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  200. «IDF: Second piece of shrapnel not ours». web.archive.org. 11 de janeiro de 2012. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  201. «Militants Fire Rockets Into South Israel». web.archive.org. 25 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  202. «PM: We will not recapture Gaza - Israel News, Ynetnews». web.archive.org. 20 de janeiro de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  203. a b UN (6 de julho de 2006). «ISRAELIS, PALESTINIANS URGED TO STEP BACK FROM THE BRINK, AVERT FULL-SCALE CONFLICT, AS SECURITY COUNCIL DEBATES EVENTS IN GAZA». web.archive.org. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  204. «Fatah and Hamas No Nearer to Unity as Palestinian Parliament's Term Ends». Haaretz (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  205. «Israel Releases Jailed Hamas Parliament Speaker». Haaretz (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  206. Research, CNN Editorial (8 de agosto de 2014). «Gilad Shalit Abduction Fast Facts». CNN (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  207. Sherwood, Harriet; border, Harriet Sherwood on the Israel-Gaza (2 de agosto de 2014). «Inside the tunnels Hamas built: Israel's struggle against new tactic in Gaza war». The Observer (em inglês). ISSN 0029-7712. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  208. «Tunnels Lead Right to the Heart of Israeli Fear». NY Times. Consultado em 26 de outubro de 2023 
  209. «Palestinian government criticises UN position on Gaza tunnel». web.archive.org. 11 de agosto de 2014. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  210. «The Palestinian National Unity Government». Canada Free Press. Consultado em 26 de outubro de 2023 
  211. Nast, Condé (3 de março de 2008). «The Gaza Bombshell». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  212. Charrett, Catherine (8 de agosto de 2019). The EU, Hamas and the 2006 Palestinian Elections: A Performance in Politics (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 10. Yadlin comentou que se o Fatah decidisse que tinha perdido Gaza, haveria pedidos para Abbas estabelecer um regime separado na Cisjordânia. Embora isso não necessariamente reflita um consenso, na visão do Governo de Israel, Yadlin comentou que tal desenvolvimento agradaria a Israel, pois permitiria que as Forças de Defesa de Israel tratassem Gaza como um país hostil, em vez de ter que lidar com o Hamas, como ator não estatal. 
  213. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  214. «What Happens After Hamas Wins? | TIME». web.archive.org. 16 de junho de 2007. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  215. Press, MOHAMMED DARAGHMEH Associated (17 de junho de 2007). «Abbas forms cabinet, outlaws Hamas militias». Toronto Star (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  216. News (6 de junho de 2007). «Over 600 Palestinians killed in internal clashes since 2006». Ynetnews (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  217. Staff (13 de junho de 2007). «Fatah supporters surrender to Hamas». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  218. a b Abrahams, Fred (20 de abril de 2009). «Under Cover of War». Human Rights Watch (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  219. a b «B'Tselem - Violations of the human rights of Palestinians by Palestinians». web.archive.org. 10 de maio de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  220. «Muslim Brotherhood challenges Jordan's king». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 12 de julho de 2011. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  221. «Politics: Fatah-Hamas unity talks breed Likud harmony». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 10 de maio de 2014. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  222. «Fatah, Hamas say deal reached on Palestinian elections». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  223. Knickmeyer, Griff Witte and Ellen (18 de junho de 2008). «Israel, Hamas Agree on Gaza Strip Truce» (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  224. «Israel-Hamas truce announced». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  225. «Israel agrees to Gaza ceasefire» (em inglês). 18 de junho de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  226. Intelligence and Terrorism Information Center at the Israel Intelligence Heritage & Commemoration Center. «The Six Months of the Lull Arrangement» (PDF). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  227. «US embassy cables: US talks to Israeli security chief about Arabs and Gaza». The Guardian (em inglês). 7 de abril de 2011. ISSN 0261-3077. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  228. «Hamas: Continued Rocket Fire by Fatah Armed Group Harms Palestinian Interests». Haaretz (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  229. «Hamas arrests militants after rocket fire». Reuters (em inglês). 10 de julho de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  230. «Israel closes Gaza after rockets» (em inglês). 25 de junho de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  231. McCarthy, Rory (5 de novembro de 2008). «Gaza truce broken as Israeli raid kills six Hamas gunmen». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  232. McGreal, Chris (4 de janeiro de 2009). «Why Israel went to war in Gaza». The Observer (em inglês). ISSN 0029-7712. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  233. Lustig, Robin. «BBC - World Tonight: Gaza: the numbers». www.bbc.co.uk (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  234. «Israeli jets hit Hamas target, killing 1 - UPI.com». UPI (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  235. «Hamas 'might renew' truce in Gaza» (em inglês). 23 de dezembro de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  236. «The Gaza Air Strikes: Why Israel Attacked - TIME». web.archive.org. 28 de dezembro de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  237. a b c d Balousha, Hazem; McCarthy, Rory (29 de dezembro de 2008). «Civilian death toll rises after second day of air strikes». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  238. «Israeli airstrikes in Gaza kill more than 200». NBC News (em inglês). 27 de dezembro de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  239. «IAF kills Hamas strongman Siam | Confronting Hamas | Jerusalem Post». web.archive.org. 3 de fevereiro de 2012. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  240. «Obituary: Nizar Rayyan» (em inglês). 1 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  241. «Key Hamas leader killed in Gaza» (em inglês). 15 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  242. «Warnings Not Enough for Gaza Families». NY Times. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  243. «Israel Deepens Gaza Incursion as Toll Mounts». NY Times. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  244. «Strike at Gaza school 'kills 40'» (em inglês). 7 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  245. «Israel 'shelled civilian shelter'» (em inglês). 9 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  246. Beaumont, Peter; Qishta, Fida (18 de janeiro de 2009). «Israel accused of war crimes over 12-hour assault on Gaza village». The Observer (em inglês). ISSN 0029-7712. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  247. «Israel declares ceasefire in Gaza» (em inglês). 18 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  248. «Hamas announces ceasefire in Gaza» (em inglês). 18 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  249. «Israel, Hamas probes on Gaza violations inadequate - World - nation.co.ke». web.archive.org. 2 de outubro de 2013. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  250. «AFP: Hamas says 300 fighters killed in Gaza war». web.archive.org. 30 de janeiro de 2014. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  251. «'No political differences between Fatah, Hamas'». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 5 de março de 2012. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  252. «HRW: Syria opposition tortures, executes captives». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 20 de março de 2012. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  253. «صحيفة عمون : مشعل من عمان يثمن مكرمة الملك ويؤكد : الاردن هو الاردن وفلسطين هي فلسطين .. وحماس لن تكون الا في مصلحة الاردن». وكالة عمون الاخبارية (em árabe). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  254. a b «The Rise of the UAE and the Meaning of MbZ». The Washington Institute (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  255. «Hamas renews offer to end fight if Israel withdraws». Reuters (em inglês). 30 de maio de 2010. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  256. Solomon, Jay; Barnes-Dacey, Julien (1 de agosto de 2009). «Hamas Chief Outlines Terms for Talks on Arab-Israeli Peace». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  257. «Post-Assad Syria would drop special Iran ties | Reuters». web.archive.org. 15 de outubro de 2015. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  258. «Syria Berates Hamas Chief, an Old Ally, on State TV». NY Times. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  259. «Hamas and Fatah in unity talks, says Khaled Meshaal». BBC News (em inglês). 7 de fevereiro de 2013. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  260. «2 Hamas leaders killed in Syria, sources say | Maan News Agency». web.archive.org. 29 de junho de 2013. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  261. Israel National News. «Syria Shuts Down Hamas Offices». www.israelnationalnews.com. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  262. «NGO accuses Damascus of killing two Hamas members in Syria - Region - World - Ahram Online». web.archive.org. 16 de novembro de 2017. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  263. «'Military wing of Hamas training Syrian rebels'». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 5 de abril de 2013. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  264. a b «A Spring Revival for the Peace Process?». Carnegie Endowmen. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  265. «Hamas appoints first spokeswoman». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  266. «Palestinian Leader Assails Hamas, Calling Unity Pact Into Question». NY Times. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  267. Zion, Ilan Ben (29 de agosto de 2014). «Abbas blames Hamas for prolonged battle with Israel». The Times of Israel (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  268. «Abbas hints PA close to ending unity agreement with Hamas». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 7 de setembro de 2014. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  269. «Hamas criticizes construction delays as Israeli plot». The Jerusalem Post | JPost.com (em inglês). 26 de outubro de 2014. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  270. «Israel, Hamas, Egypt indirectly cooperating against IS». web.archive.org. 24 de outubro de 2017. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  271. Cook, Jonathan. «Will Hamas-Fatah reconciliation deal succeed?». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  272. «Report of the independent international commission of inquiry on the protests in the Occupied Palestinian Territory» (PDF). Human Rights Council. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  273. «Israel-Gaza ceasefire holds despite Jerusalem clash». BBC News (em inglês). 20 de maio de 2021. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  274. Nakhoul, Samia; Saul, Jonathan (10 de outubro de 2023). «How Hamas duped Israel as it planned devastating attack». Reuters (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  275. a b Davison, John; Pamuk, Humeyra; Siebold, Sabine; Pamuk, Humeyra (13 de outubro de 2023). «Israel releases images of slain children to rally support». Reuters (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  276. «Israel attack: PM says Israel at war after 250 killed in attack from Gaza». BBC News (em inglês). 7 de outubro de 2023. Consultado em 27 de outubro de 2023 
  277. Presse, AFP-Agence France. «Over 1,400 Killed In Hamas Attacks On Israel: PM Office». www.barrons.com (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  278. «Hamas official says group 'well aware' of consequences of attack on Israel, Palestinian liberation comes with 'sacrifices'». Arab News (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2023 
  279. Ḥurūb, H̱ālid al- (2006). Hamas: a beginner's guide. London: Pluto Press. A Carta foi escrita no início de 1988 por um indivíduo e tornada pública sem a devida consulta geral, sem revisão ou consenso do Hamas, para desgosto dos seus líderes, nos anos seguintes. O autor da Carta era um dos membros antigos da Irmandade Muçulmana na Faixa de Gaza, completamente isolado do mundo exterior. Todo tipo de confusão e mistura entre judaísmo e sionismo teve lugar na Carta, em desfavor do Hamas, pois, desde então, o documento conseguiu marcá-lo com acusações de 'antissemitismo' e de ter uma 'visão de mundo ingênua'. Líderes e porta-vozes do Hamas raramente têm citado ou se referido à Carta - uma evidência de que ela passou a ser vista mais como um fardo do que como uma plataforma intelectual que abrigasse os princípios do movimento. 
  280. Sharvit, Keren; Halperin, Eran (22 de janeiro de 2016). A Social Psychology Perspective on The Israeli-Palestinian Conflict: Celebrating the Legacy of Daniel Bar-Tal, Vol II. (em inglês). [S.l.]: Springer. p. 142 
  281. Hroub, Khaled (2006). «A "New Hamas" through Its New Documents». Journal of Palestine Studies (4): 6–27. ISSN 0377-919X. doi:10.1525/jps.2006.35.4.6. Consultado em 23 de novembro de 2023. 'O Hamas continua a ser caracterizado em referência à sua carta de 1988, elaborada menos de um ano após o estabelecimento do movimento em resposta direta ao início da terceira intifada, quando sua razão de existir era a resistência armada à ocupação. No entanto, quando os documentos eleitorais e pós-eleitorais são comparados à carta, torna-se claro que está sendo promovida uma organização profundamente diferente.' 
  282. Hroub, Khaled. Hamas (em inglês). [S.l.]: The Other Press. p. 34. O judeu não sionista é aquele que faz parte da cultura judaica, seja como crente na fé judaica ou simplesmente por acaso de nascimento, mas... (que) não participa de ações agressivas contra nossa terra e nossa nação. ... O Hamas não adotará uma posição hostil na prática contra ninguém por causa de suas ideias ou sua crença, mas adotará tal posição se essas ideias e crenças forem traduzidas em ações hostis ou prejudiciais contra nosso povo. 
  283. Rifkind, Gabrielle; Picco, Giandomenico (17 de dezembro de 2013). The Fog of Peace: The Human Face of Conflict Resolution (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. pp. 47–48 
  284. Wiktorowicz, Quintan (2004). Islamic Activism: A Social Movement Theory Approach (em inglês). [S.l.]: Indiana University Press. p. 130 
  285. Litvak, Meir (janeiro de 1998). «The Islamization of the Palestinian‐Israeli conflict: the case of Hamas». Middle Eastern Studies (em inglês) (1): 153. ISSN 0026-3206. doi:10.1080/00263209808701214. Consultado em 23 de novembro de 2023. O segundo componente importante na santidade da Palestina, segundo o Hamas, é sua designação como um waqf pelo Califa 'Umar b. al-Khattab. Quando os exércitos muçulmanos conquistaram a Palestina, no ano de 638, afirma a Carta do Hamas, o Califa 'Umar b. al-Khattab decidiu não dividir a terra conquistada entre os soldados vitoriosos, mas estabelecer um waqf pertencente a toda a nação muçulmana até o dia da ressurreição. 
  286. Gabriel Weimann (2006). Terror on the internet. Internet Archive. [S.l.]: United States Institute of Peace Press. p. 82 
  287. Zanotti, Jim (abril de 2011). Hamas: Background and Issues for Congress (em inglês). [S.l.]: DIANE Publishing. p. 15 
  288. Roberts, Priscilla (15 de julho de 2014). Arab-Israeli Conflict: The Essential Reference Guide (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 68 
  289. a b c «The Avalon Project : Hamas Covenant 1988». avalon.law.yale.edu. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  290. Mishal, Shaul; Sela, Avraham (2006). The Palestinian Hamas: Vision, Violence, and Coexistence (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press. p. 178 
  291. Tessler, Mark A. (1994). A History of the Israeli-Palestinian Conflict (em inglês). [S.l.]: Indiana University Press. p. 546, 696 
  292. Beinart, Peter (2012). The Crisis of Zionism (em inglês). [S.l.]: Melbourne Univ. Publishing. p. 219 
  293. Emmett, Ayala (16 de julho de 2003). Our Sisters' Promised Land: Women, Politics, and Israeli-Palestinian Coexistence (em inglês). [S.l.]: University of Michigan Press. pp. 100–102 
  294. Dorff, Elliot N.; Ruttenberg, Danya; Newman, Louis E. (2010). Jewish Choices, Jewish Voices: War and National Security (em inglês). [S.l.]: Jewish Publication Society. pp. 26–27 
  295. a b Bayefsky, Anne F.; Blank, Laurie R. (12 de março de 2018). Incitement to Terrorism (em inglês). [S.l.]: BRILL 
  296. Freilich, C. D. (2018). Israeli National security: a new strategy for an Era of change. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 34–37 
  297. a b «A Document of General Principles and Policies» (PDF). Hamas Media Office (em inglês). p. 2,3, 4. Consultado em 4 de dezembro de 2023 
  298. a b O'Malley, Padraig (28 de julho de 2015). The Two-State Delusion: Israel and Palestine--A Tale of Two Narratives (em inglês). [S.l.]: Penguin 
  299. a b c d Seurat, Leila (2022). The foreign policy of Hamas: ideology, decision making and political supremacy. Col: SOAS Palestine studies. London New York Oxford New Delhi Sydney: I.B. Tauris. p. 17-19 
  300. «Abbas risks all with vote strategy» (em inglês). 6 de junho de 2006. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  301. Tareq, Baconi (2018). Hamas contained: The rise and pacification of Palestinian resistance. [S.l.]: Stanford University Press. p. 230 
  302. Brenner, Bjorn (18 de dezembro de 2016). Gaza Under Hamas: From Islamic Democracy to Islamist Governance (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. p. 206 
  303. Zartman, Jonathan (2021). "Conflict in the Modern Middle East:An Encyclopedia of Civil War, Revolutions, and Regime Change". [S.l.: s.n.] p. 230 
  304. S. Ismael, Jacqueline; Y. Ismael, Tareq; Perry, Glenn. Government and Politics of the Contemporary Middle East Continuity and Change. [S.l.]: Taylor & Francis. p. 106 
  305. Atran, Scott (17 de agosto de 2006). «"Is Hamas Ready to Deal?"». New York Times. 
  306. «Abbas sacks Hamas-led government» (em inglês). 15 de junho de 2007. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  307. Beinart, Peter (2012). The Crisis of Zionism (em inglês). [S.l.]: Melbourne Univ. Publishing. p. 119. Se Israel se retirar para as fronteiras de 1967, isso não significa que nos devolverá toda a terra dos palestinos. Mas consideramos isso como uma solução aceitável para ter um estado palestino nas fronteiras de 1967... o estado palestino terá um referendo e o povo palestino decidirá. Nós, no Hamas, respeitaremos a decisão da maioria palestina." Haniyeh em novembro de 2010: "Aceitamos um estado palestino nas fronteiras de 1967, com Jerusalém como sua capital, a libertação de prisioneiros palestinos e a resolução da questão dos refugiados... O Hamas respeitará os resultados (de um referendo), independentemente de diferir de sua ideologia e princípios." (Beinart refere-se às fontes originais dessas declarações, respectivamente Current Affairs 28 de maio de 2010 e Haaretz 1 de dezembro de 2010). 
  308. a b Smith, David Whitten; Burr, Elizabeth Geraldine (21 de agosto de 2014). Understanding World Religions: A Road Map for Justice and Peace (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. p. 250 
  309. «Nixed Signals». web.archive.org. 11 de junho de 2008. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  310. a b «In 2006 Letter to Bush, Haniyeh Offered Compromise With Israel». Haaretz (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  311. Seurat, Leila (24 de março de 2022). The Foreign Policy of Hamas: Ideology, Decision Making and Political Supremacy (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Academic. p. 49 
  312. Seurat, Leila (24 de março de 2022). The Foreign Policy of Hamas: Ideology, Decision Making and Political Supremacy (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Academic. p. 50 
  313. a b Davis, Richard (5 de fevereiro de 2016). Hamas, Popular Support and War in the Middle East: Insurgency in the Holy Land (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 41 
  314. «Remember Gaza?». Tablet Mag. Maio de 2015. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  315. Pearlman, Wendy (24 de outubro de 2011). Violence, Nonviolence, and the Palestinian National Movement (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. p. 137 
  316. «Hamas ready to accept 1967 borders». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  317. «Haniyeh to UN Chief: Hamas Accepts Palestinian State in '67 Borders». Haaretz (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  318. «Hamas Vows to Honor Palestinian Referendum on Peace With Israel». Haaretz (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  319. Seurat, Leila (2022). The foreign policy of Hamas: ideology, decision making and political supremacy. Col: SOAS Palestine studies. London New York Oxford New Delhi Sydney: I.B. Tauris. p. 56 
  320. «The eye of the Islamic Jihad storm». 14 de março de 2012. Consultado em 13 de novembro de 2023 
  321. Tracy, Marc (12 de março de 2012). «Terrorist Killing Prompts Gaza Rocket Exchange». Tablet Mag. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  322. «Nizar Rayyan of Hamas on God's Hatred of Jews - Jeffrey Goldberg». web.archive.org. 22 de janeiro de 2009. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  323. «In Gaza, Hamas's Insults to Jews Complicate Peace». New York Times. 1 de abril de 2008. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  324. Neack, Laura (2008). The New Foreign Policy: Power Seeking in a Globalized Era (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. p. 101 
  325. «Hamas Owes Its 'Palestine From the River to the Sea' Slogan to Zionism». Haaretz (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023. Em resumo, a ideia de "Palestina do rio ao mar" não passa das fronteiras de Eretz Israel imaginadas pelos primeiros sionistas. Essa ideia foi consagrada na carta fundadora do partido Likud, que afirma que "entre o Mar e o Jordão, haverá apenas soberania israelense". Pode-se, portanto, considerar a irônica situação de que o Hamas deve seu slogan apreciado aos sionistas. Afinal, o que é "Palestina livre do rio ao mar" senão uma paródia utópica de "Grande Israel"? 
  326. Frankel, Glenn (1996). Beyond the promised land : Jews and Arabs on the hard road to a new Israel. Internet Archive. [S.l.]: New York : Simon & Schuster. p. 389–391 
  327. Fawcett, Louise (21 de março de 2013). International Relations of the Middle East (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford. p. 249 
  328. «Why Do Palestinians in Gaza Support Hamas?». Haaretz (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  329. Bose, Sumantra. Contested Lands: Israel-Palestine, Kashmir, Bosnia, Cyprus, and Sri Lanka. [S.l.]: Harvard University Press. p. 283 
  330. Slater, Jerome. Mythologies Without End: The US, Israel, and the Arab-Israeli Conflict, 1917-2020. [S.l.]: Oxford University Press. p. 285 
  331. «Haniyeh: Hamas Willing to Accept Palestinian State With 1967 Borders». Haaretz (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  332. a b c «Hamas Fights Over Gaza's Islamist Identity». New York Times. 5 de setembro de 2009. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  333. Alsoos, Imad (3 de setembro de 2021). «From jihad to resistance: the evolution of Hamas's discourse in the framework of mobilization». Middle Eastern Studies (em inglês) (5): 833–856. ISSN 0026-3206. doi:10.1080/00263206.2021.1897006. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  334. a b Faeq, Nasir; Jahnata, Diego (12 de setembro de 2020). «The Historical Antecedents of Hamas». International Journal of Social Science Research and Review (3): 26–35. ISSN 2700-2497. doi:10.47814/ijssrr.v3i3.49. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  335. Atran, Scott; Axelrod, Robert (julho de 2008). «Reframing Sacred Values». Negotiation Journal (em inglês) (3): 221–246. ISSN 0748-4526. doi:10.1111/j.1571-9979.2008.00182.x. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  336. Posteriormente, uma declaração de 2002 também autorizou a participação feminina na Jihad, mas, a despeito disso e do apoio popular à medida, as mulheres não se tornaram um elemento importante na luta e das forças operacionais do Hamas.Davis, Jessica (30 de janeiro de 2017). Women in Modern Terrorism: From Liberation Wars to Global Jihad and the Islamic State (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield 
  337. Shitrit, Lihi Ben (8 de dezembro de 2015). Righteous Transgressions: Women's Activism on the Israeli and Palestinian Religious Right (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. pp. 73–74 
  338. Phillips, David L. (31 de dezembro de 2011). From Bullets to Ballots: Violent Muslim Movements in Transition (em inglês). [S.l.]: Transaction Publishers. p. 81 
  339. Shitrit, Lihi Ben (8 de dezembro de 2015). Righteous Transgressions: Women's Activism on the Israeli and Palestinian Religious Right (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. p. 74 
  340. Shitrit, Lihi Ben (8 de dezembro de 2015). Righteous Transgressions: Women's Activism on the Israeli and Palestinian Religious Right (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. pp. 230–231 
  341. Moghadam, Valentine (18 de junho de 2007). From Patriarchy to Empowerment: Women’s Participation, Movements, and Rights in the Middle East, North Africa, and South Asia (em inglês). [S.l.]: Syracuse University Press. p. 27 
  342. «Hamas encourages Gaza women to follow Islamic code _English_Xinhua». web.archive.org. 14 de maio de 2011. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  343. a b «Hamas Bans Women Dancers, Scooter Riders in Gaza Push (Update1) - Bloomberg». web.archive.org. 18 de novembro de 2015. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  344. McCarthy, Rory (18 de outubro de 2009). «Hamas patrols beaches in Gaza to enforce conservative dress code». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  345. «UN cancels Gaza marathon over Hamas ban on women». The times of Israel. 5 de março de 2013. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  346. a b «Freemuse: Palestine: Taliban-like attempts to censor music in West Bank». web.archive.org. 7 de agosto de 2011. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  347. a b c d «Afghanistan in Palestine». Haaretz (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  348. Otterbeck, Jonas (dezembro de 2008). «Battling over the public sphere: Islamic reactions to the music of today». Contemporary Islam (em inglês) (3): 211–228. ISSN 1872-0218. doi:10.1007/s11562-008-0062-y. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  349. «Palestinians Debate Whether Future State Will be Theocracy or Democracy». Associated Press. 13 de julho de 2005 
  350. a b c «Middle East Briefs». www.brandeis.edu (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 
  351. «TURKEY - Hamas: 'We want Erdoğan's model, not Taliban's'». web.archive.org. 8 de setembro de 2015. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  352. «A Leader of Hamas Warns of West Bank Peril for Fatah». 21 de julho de 2007. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  353. «Hamas-Gaza-extremism. - Free Online Library». www.thefreelibrary.com. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  354. Gumrukcu, Tuvan; Hayatsever, Huseyin (25 de outubro de 2023). «Turkey's Erdogan says Hamas is not terrorist organisation, cancels trip to Israel». Reuters (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2023 


Bibliografia[editar código-fonte]

Livros[editar código-fonte]

Artigos em jornais periódicos[editar código-fonte]

Outros[editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Hamas