Atentado de Berlim em 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atentado de Berlim em 2016
Percurso do caminhão na Breitscheidplatz.
Local Alemanha Berlim, Alemanha
Data 19 de dezembro de 2016
20h00min (UTC +1)
Tipo de ataque Atropelamento coletivo
Arma(s) Caminhão semirreboque Scania R 450
Mortes 12[1]
Feridos 50[1]
Alvo(s) Civis
Responsável(is) Estado Islâmico (reivindicou)[2]
Suspeito(s) Anis Amri
Motivo Desconhecido

Na noite de 19 de dezembro de 2016, um caminhão invadiu o mercado de Natal ao lado da Igreja Memorial Imperador Guilherme na Breitscheidplatz, em Berlim, Alemanha. Doze pessoas foram mortas e outras 49 feridas.[3] Uma das vítimas era o motorista original do caminhão, o polonês Łukasz Urban, que foi encontrado morto a tiros no assento do passageiro. Um suspeito foi preso e posteriormente libertado devido à falta de provas.

A polícia e o Ministério Público da Alemanha estão tratando o ataque como um ato de terrorismo. O grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante reivindicou a responsabilidade pelo ataque, dizendo que o atacante respondeu aos apelos para atingir cidadãos dos Estados que lutam contra a organização jihadista. A veracidade da alegação é desconhecida.[2]

Ataque[editar | editar código-fonte]

Breitscheidplatz após o ataque.
Percurso do caminhão.[4]

Sequestro[editar | editar código-fonte]

O veículo em questão, um caminhão semi-reboque preto Scania modelo R 450,[5] tinha placas da Polônia e pertencia a uma empresa de entregas polonesa, a Usługi Transportowe Ariel Żurawski, com sede em Sobiemyśl.[6] O caminhão estava retornando para a Polônia, tendo iniciado sua viagem em Turim, na Itália.[7] O veículo transportava vigas de aço para um armazém de Berlim[8] de propriedade da ThyssenKrupp.[9]

O chefe da empresa de entrega, Ariel Żurawski, relatou que seu primo Łukasz Robert Urban[9][10] estava dirigindo o caminhão em Berlim, mas que não podia imaginar Urban como responsável pelo ataque.[7] A empresa de Żurawski entrou em contato pela última vez com o motorista entre 15h e 16h, quando Urban informou que tinha chegado adiantado ao armazém de Berlim e que teria que esperar no local durante a noite para descarregar seu caminhão na manhã seguinte.[7][9] A última foto de Urban ainda vivo foi tirada em uma loja de kebab perto do armazém da ThyssenKrupp por volta das 14h.[9]

A família não conseguiu entrar em contato com Urban desde às 16h.[11] Żurawski suspeitou que o caminhão tinha sido sequestrado com base em suas coordenadas GPS,[7] bem como indicações de que o caminhão estava sendo conduzido erraticamente.[9] Żurawski identificou mais tarde a vítima encontrada no caminhão como seu primo Urban,[12] o motorista original do caminhão.[13] Acredita-se que Urban foi morto pelo perpetrador do ataque.[14]

Ataque ao mercado de Natal[editar | editar código-fonte]

Em 19 de dezembro de 2016, às 20h02 (hora local),[15] o autor levou o caminhão roubado através de um mercado de Natal na Breitscheidplatz, na Cidade Ocidental de Berlim, matando onze pessoas e ferindo outras 49.[16][3] O caminhão veio da direção de Hardenbergstraße, dirigiu 50-80 metros através do mercado e destruiu várias barracas,[17] antes de voltar para Budapester Straße e parar perto da Igreja Memorial Imperador Guilherme.[1] Antes de entrar no mercado de Natal, o caminhão tinha circulado pela Breitscheidplatz.[18]

Várias testemunhas viram o motorista sair do caminhão e fugir para o Tiergarten. Uma testemunha correu atrás dele.[19]

Łukasz Urban foi encontrado morto no banco do passageiro da cabine do caminhão; Ele tinha sido esfaqueado e tinha uma marca de tiro[12][20] na cabeça[18] de uma arma de fogo de pequeno calibre.[13][21] Os investigadores acreditam que Urban ainda estava vivo quando o caminhão chegou à Breitscheidplatz e foi esfaqueado porque ele tentou impedir o ataque. Os relatórios indicaram que ele agarrou o volante, forçando o caminhão a virar à esquerda e parar, quando então foi baleado na cena do ataque. Este ato do polonês pode ter salvado muitas vidas.[22] As armas ainda estão desaparecidas.[9]

Investigação[editar | editar código-fonte]

O caminhão envolvido no ataque.
Mercado de Natal destruído após a passagem do caminhão.


A Polícia e Ministério Público da Alemanha estão investigando o incidente como um ataque terrorista.[23] A Chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse: "Devemos assumir que este foi um ataque terrorista".[24] O ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière, descreveu o incidente como um ataque brutal.[25] O Departamento de Estado dos Estados Unidos havia advertido previamente sobre o perigo de ataques terroristas em mercados de Natal na Europa depois que o grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante tomou posse das cidades de Raqqa, na Síria, e Mosul, no Iraque.[26][27] O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo ataque terrorista pouco depois da libertação de um refugiado paquistanês que foi detido por engano.[28][29] O suspeito paquistanês desapareceu misteriosamente pouco depois de ser libertado.[30]

Suspeitos[editar | editar código-fonte]

Suspeito inicial[editar | editar código-fonte]

Na noite de 19 de dezembro, a polícia prendeu um suspeito, que é suspeito de ter conduzido o caminhão durante o ataque, perto da Coluna da Vitória de Berlim.[10][31][32][3][19] Ele despertou suspeita ao fugir da cena do ataque por medo de ser considerado suspeito.[33] O homem preso, conhecido apenas como "Naved B." pelo público, negou o envolvimento e foi identificado mais tarde como um candidato ao direito de asilo de 23 anos de idade originário da cidade de Turbat, no Paquistão.[34] O Comando de Implantação Especial de Berlim invadiu o hangar em Tempelhof, que é usado como um campo de refugiados, onde o homem preso morava com seis outros em uma sala. Seu celular foi apreendido e analisado. As fontes da polícia sugeriram mais tarde que poderiam ter prendido "o homem errado" porque o indivíduo sob custódia não carregava resíduos de tiros ou marcas que indicariam que esteve em uma luta. Além disso, os testes forenses não conseguiram provar que o suspeito estava dentro da cabine do caminhão.[35] A polícia, portanto, acreditava que o terrorista ainda possa estar em liberdade.[36]

O procurador-geral da Alemanha, Peter Frank, disse: "Temos que nos acostumar com a ideia de que o homem apreendido pode não ser o perpetrador ou pertencer ao grupo de perpetradores".[37][38] O homem foi libertado na noite de 20 de dezembro devido à falta de provas.[39][40]

Anis Amri[editar | editar código-fonte]

Em 21 de dezembro, a polícia anunciou que os investigadores haviam encontrado, sob o assento do motorista do caminhão, uma suspensão da autorização de deportação[41] de um homem chamado Anis Amri que nasceu em Tataouine, Tunísia, em 1992. As autoridades começaram uma busca pelo suspeito por toda a Europa.[16][42][43] De acordo com os investigadores, o suspeito entrou na Alemanha vindo da Itália em 2015 e pertencia a uma rede salafista, um grupo chamado "Die Wahre Religion" ("A Religião Verdadeira"), que cresceu em torno de Abu Walaa, um conhecido recrutador do ISIS na Alemanha que foi preso recentemente.[44] O suspeito está sendo procurado pelo Serviço Federal de Polícia Criminal. As autoridades pediram uma caçada pública e publicaram uma foto recente do homem, além de oferecerem uma recompensa de 100 mil euros, mas alertaram que o suspeito pode estar armado e ser perigoso. Ele foi descrito como sendo um homem de 1,78 m de altura, com 75 quilos, cabelos escuros e olhos castanhos.[45]

O suspeito chegou pela primeira vez na Europa em 2011 na ilha de Lampedusa.[46] Ele mentiu sobre a sua idade, fingindo ser um menor e foi enviado para o centro de acolhimento de migrantes temporários na ilha.[47] No centro, de acordo com oficiais de segurança italianos, ele "participou de um tumulto particularmente violento, quando o centro foi incendiado e várias pessoas feridas" e foi condenado a quatro anos de prisão. Ele cumpriu a pena em duas prisões na Sicília.[47] Amri foi liberado em 2015; segundo autoridades italianas, o governo tunisiano se recusou a aceitar o seu repatriamento e acredita-se que ele tenha ido para a Alemanha nessa época.[47]

Na Tunísia, ele foi condenado à revelia a cinco anos de prisão "por roubo agravado por violência".[48] Antes disso, ele foi preso várias vezes por uso e posse de drogas.[49] O homem chegou à Alemanha em julho de 2015 e pediu asilo em abril de 2016. Ele usou pelo menos seis pseudônimos diferentes e também fingiu ser um cidadão do Egito e do Líbano. Ele envolveu-se em um ataque com facas por drogas em julho de 2016 e desapareceu depois que a polícia tentou interrogá-lo.[50]

Em 23 de dezembro de 2016, foi noticiado que Anis Amri, foi abatido a tiro em Sesto San Giovanni, perto de Milão, Itália.[51]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

O condutor inicial do veículo era um polaco de 37 anos chamado Łukasz. O mesmo foi sequestrado e morto pelo agressor, que em seguida apoderou-se de seu caminhão.[52]

Atingidos por nacionalidade
País Mortos Feridos Ref.
 Alemanha 7 Sem dados [53]
 Itália 1 3 [53][54][55][56]
 Israel 1 1 [53][55][57]
 Polônia 1 0 [53][58]
 República Tcheca 1 0 [53][55][59]
 Ucrânia 1 0 [53][60][61]
 Espanha 0 2 [62]
 Reino Unido 0 2 [63]
 Estados Unidos 0 2 [64]
 Finlândia 0 1 [65]
 Hungria 0 1 [66]
 França 0 1 [67]
 Líbano 0 1 [68]
Sem dados 0 42 [69]
Total 12 56 [70]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Homenagem às vítimas próximo ao local do atentado.

Muitos líderes mundiais ofereceram condolências à Alemanha e às vítimas do ataque.[71]

Políticos nacionais e internacionais de direita culparam a Chanceler Federal Angela Merkel e suas políticas de refugiados e "porta aberta aos migrantes".[72][73][74][75][76][77] Em oposição, vários comentaristas políticos nacionais e internacionais elogiaram o que eles descreveram como reação sensata da administração Merkel, e condenaram a reação da direita como perigosa.[78][79][80][81][82][83][84][85]

Uma petição pública para conceder a Łukasz Urban o Bundesverdienstkreuz havia já recolhido cerca de 2.500 assinaturas na tarde de 22 de dezembro.[86]

Muçulmanos e cristãos realizaram uma vigília em solidariedade às vítimas do ataque em Berlim.[87][88][89][90][91]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Connolly, Kate; Oltermann, Philip; Rawlinson, Kevin; Lawther, Fran (19 de dezembro de 2016). «Berlin: suspect held and 12 dead after truck crashes into market». The Guardian 
  2. a b "Berlin attack: So-called Islamic State claims responsibility". BBC News. 20 de dezembro de 2016. Acessado em 21 de dezembro de 2016.
  3. a b c Melissa Eddy & Alison Smale (19 de dezembro de 2016). «At Least 12 Dead in Berlin After Truck Crashes into Christmas Market». New York Times 
  4. Spiegel Online staff. «Angriff in Berlin: Der Tag nach der Katastrophe». Spiegel Online (em alemão). Consultado em 22 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2016 
  5. LKW rast in Weihnachtsmarkt auf Breitscheidplatz. In: Berliner Zeitung, 19 de dezembro de 2016
  6. Ogórek, Sebastian (19 de dezembro de 2016). «Zamach w Berlinie. Ariel Żurawski dla WP: Najważniejsze dla mnie to znaleźć mojego kierowcę» (em polaco). Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  7. a b c d Jamieson, Amber (19 de dezembro de 2016). «Berlin truck crash: 'suspicious person' arrested after nine killed at Christmas market – live». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  8. «Berlin lorry deaths: Police say 'probably terrorist attack'». BBC. 20 de dezembro de 2016 
  9. a b c d e f Kirchgaessner, Stephanie (20 de dezembro de 2016). «Police pore over Polish truck driver's final hours for clues to Berlin attack». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  10. a b «Weihnachtsmarkt-Attacke: In diese drei Ansätze setzt die Polizei ihre Hoffnung». Die Welt (em alemão). 21 de dezembro de 2016. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  11. «Atak terrorystyczny w Berlinie? Ciężarówka wjechała w tłum na jarmarku» (em polaco). 19 de dezembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  12. a b Metro.co.uk, Nicole Morley for (20 de dezembro de 2016). «Truck driver named as first victim of Berlin Christmas market terror attack» 
  13. a b «Liveticker zu Anschlag auf Berliner Weihnachtsmarkt» (em German). NTV. 20 de dezembro de 2016 
  14. Chazan, Guy; Shotter, James (20 de dezembro de 2016). «Germany faces manhunt after Berlin Christmas attack». Financial Times. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  15. Biermann, Kai; Faigle, Philip; Geisler, Astrid; Müller, Daniel; Musharbash, Yassin; Polke-Majewski, Karsten; Venohr, Sascha (20 de dezembro de 2016). «Weihnachtsmarkt : Was wir über den Anschlag in Berlin wissen». Die Zeit (em alemão). ISSN 0044-2070. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  16. a b Eddy, Melissa (21 de dezembro de 2016). «Germany Seeks Tunisian Tied to Berlin Christmas Market Attack». The New York Times. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  17. Martin, Michelle (20 de dezembro de 2016). «Berlin police assume truck was deliberately driven into Christmas market». Reuters.com. Reuters 
  18. a b «Berlin: Attentäter fuhr einmal um den Weihnachtsmarkt herum». Spiegel Online (em German). 20 de dezembro de 2016 
  19. a b «Berlin: Mutiger Zeuge führt Polizei zum Verdächtigen». Die Welt (em German). 20 de dezembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  20. «Berlin Christmas market attack: What we know so far». The Daily Telegraph. 20 de dezembro de 2016 
  21. «One of dead at German Christmas market was shot». Reuters. 20 de dezembro de 2016 
  22. «Ermittler: Es gab einen Kampf im Lastwagen» (em German). Tagesspiegel. 21 de dezembro de 2016. Consultado em 21 December 2016. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  23. «Anschlag in Berlin: BKA zeigt sich 'hochalarmiert'» [Attack in Berlin: BKA on 'high alert']. Der Spiegel (em alemão) 
  24. «Merkel on Berlin Xmas Market Tragedy: 'We must assume this was a terrorist attack'». Deutsche Welle. 20 de dezembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  25. «Todesfahrt von Berlin: De Maizière: „Kein Zweifel mehr an Anschlag"» [Deadly Drive in Berlin: De Maizière: 'No Doubt Any More About Attack']. Frankfurter Allgemeine Zeitung (em alemão) 
  26. Sanchez, Raf (22 de novembro de 2016). «US warns of 'heightened' risk of terror attacks on Christmas markets in Europe as Isil loses grip on Mosul and Raqqa». The Telegraph. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  27. «Europe Travel Alert». travel.state.gov. Bureau of Consular Affairs, US State Department 
  28. «Noch 14 Menschen in Lebensgefahr» [Still 14 People in Danger]. Der Spiegel (em alemão). Hamburg, Germany 
  29. «Nach Anschlag in Berlin: IS reklamiert Attacke auf Weihnachtsmarkt für sich» [After attack in Berlin: IS reclaims attack on Christmas market for itself]. Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ.net) (em alemão). Frankfurt, Germany. 20 de dezembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  30. [1]
  31. «Berlin truck driver reportedly a refugee from Pakistan or Afghanistan». Washington Times. 19 de dezembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  32. Shams, Shamil (20 de dezembro de 2016). «Pakistani and Afghan refugees fear backlash after Berlin attack». DW. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  33. Jamieson, Amber; Lyons, Kate; Topping, Alexandra; Weaver, Matthew (20 de dezembro de 2016). «Berlin truck attack: first suspect released as driver thought to still be at large – as it happened». The Guardian. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  34. «Berlin attack: No certainty over man arrested by police». BBC. 20 de dezembro de 2016 
  35. «Germany releases Pakistani held over Berlin attack». Dawn. 21 de dezembro de 2016. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  36. «Anschlag in Berlin: Polizei zweifelt an Täterschaft des Festgenommenen». Der Spiegel (em alemão) 
  37. Geil, Karin; Finkenwirth, Angelika; Pontius, Jakob; Klormann, Sybille (20 December 2016). «Berlin: Die Berliner Polizei hat wohl den Falschen». Die Zeit (em alemão)  Verifique data em: |data= (ajuda)
  38. Biermann, Kai; Faigle, Philip; Geisler, Astrid; Müller, Daniel; Musharbash, Yassin; Polke-Majewski, Karsten; Venohr, Sascha (20 de dezembro de 2016). «Weihnachtsmarkt: What we know for sure». Die Zeit. Traduzido por Charles Hawley, Daryl Lindsey 
  39. «Nach Anschlag in Berlin: Vorläufig Festgenommener ist wieder frei» [After the Attack in Berlin...]. Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ.net) (em alemão). 20 de dezembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  40. «Berlin market attack suspect released». BBC News. 20 de dezembro de 2016 
  41. «Anschlag in Berlin: Das ist über den neuen Tatverdächtigen bekannt - Welt» (em alemão) 
  42. «Nach Berlin-Anschlag: Polizei fahndet bundesweit nach Verdächtigem» (em alemão). Tagesschau. 21 de dezembro de 2016. Consultado em 21 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 21 December 2016  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  43. «Polizei sucht tatverdächtigen Tunesier» (em German). Spiegel Online. 21 de dezembro de 2016. Consultado em 21 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2016 
  44. «Polizei fahndet nach Tunesier Anis A.» (em German). Tagesschau. 21 de dezembro de 2016. Consultado em 21 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2016 
  45. GmbH, Frankfurter Allgemeine Zeitung (21 de dezembro de 2016). «Nach Attentat in Berlin: Öffentliche Fahndung nach verdächtigem Tunesier». FAZ.NET (em alemão). Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  46. «Chi è Anis Amri, il sospettato della strage di Berlino arrivato a Lampedusa su un barcone». La Voce del Trentino (em Italian). 22 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2016. Era arrivato con i barconi a Lampedusa nel 2011 fornendo subito un’identità falsa, aveva detto infatti di essere minorenne, cosa poi smentita. [He arrived in a refugee raft to Lampedusa in 2011 and declared a false identity, stating he was a minor, which was found untrue later. 
  47. a b c Guulia Paravicini, Suspected Berlin attacker spent 4 years in Italian jails, Politico.eu (22 de dezembro de 2016).
  48. Berlin attack: Tunisian fugitive 'had been under surveillance', BBC News (22 de dezembro de 2016).
  49. Berlin terror attack: Tunisian suspect was investigated over earlier terror plot
  50. Connolly, Kate. «Market attack Berlin attack suspect Anis Amri had been on watchlist since January». The Guardian 
  51. «Suspeito de Berlim abatido a tiro em Itália» 
  52. «Kidnapped truck driver left wife and son» (em inglês). Fakt24.pl. 20 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  53. a b c d e f https://eblnews.com/news/europe/czech-ukrainian-italian-israeli-polish-among-berlin-victims-49772
  54. «Berlino, Alfano: "Fabrizia è morta". Il dolore di Mattarella e Gentiloni». 22 de dezembro de 2016 
  55. a b c Topping, Alexandra (21 de dezembro de 2016). «The victims of the Berlin Christmas market attack» – via The Guardian 
  56. «Attentato al mercatino di Natale di Berlino. Rilasciato pakistano sospetto, killer ancora in fuga». ANSA.it (em italiano). 19 de dezembro de 2016 
  57. Benovadia, Dov. «Israeli Victim of Berlin Attack on the Mend, Wife Killed». Hamodia. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  58. Morley, Nicole (20 de dezembro de 2016). «Truck driver named as first victim of Berlin Christmas market terror attack». Metro.co.uk. Associated Newspapers Limited. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  59. «Mezi oběťmi útoku v Berlíně byla i Češka, oznámilo ministerstvo zahraničí». rozhlas.cz. Czech Radio. 22 de dezembro de 2016. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  60. https://www.kyivpost.com/ukraine-politics/german-police-confirm-death-ukrainian-citizen-berlin-terrorist-attack.html
  61. http://uatoday.tv/crime/one-ukrainian-among-victims-of-berlin-attack-ambassador-852758.html
  62. «Un español, herido en el atentado de Berlín» [A Spaniard wounded in the Berlin bombing]. ElConfidential.com (em espanhol) 
  63. «British victims injured in terror attack on Berlin Christmas market». 21 de dezembro de 2016. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  64. «2 Americans confirmed to be injured in Berlin attack». Wkyt.com. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  65. «Embassy: Finn injured in Berlin attack». www.yle.fi. Yleisradio. The Finnish Embassy in Berlin says that a Finnish national is among those hurt in Monday's terror attack. 
  66. «One Hungarian injured in Berlin terrorist attack – Daily News Hungary». dailynewshungary.com. 22 de dezembro de 2016. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  67. «France/Monde | Attentat de Berlin : une Française parmi les blessés». Ledauphine.com. 11 de junho de 1970. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  68. «Lebanese wounded in Berlin Christmas market attack». mtv.com.lb. mtv Lebanon. Lebanon's Embassy in Germany informed the government that a Lebanese man identified as Mohammad Hassan Wehbeh was wounded in the attack on a Christmas market in Berlin. 
  69. «Live: Police investigate Berlin lorry attack». BBC.com. 19 de dezembro de 2016 
  70. «Weiterhin 26 Anschlagsopfer im Krankenhaus». .rbb-online.de 
  71. Gidda, Mirren (20 de dezembro de 2016). «How World Leaders Reacted to the Berlin Attack». Newsweek. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  72. "Czech finance minister says 'no place' for migrants in Europe". Reuters. 20 de dezembro de 2016 (em inglês).
  73. Joffe, Josef (20 de dezembro de 2016). «After Berlin, Angela Merkel's open door to migrants might slam shut». the Guardian (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  74. «German MP blames Angela Merkel for suspected terror attack in Berlin». The Independent (em inglês). 19 de dezembro de 2016. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  75. Hjelmgaard, Kim (20 de dezembro de 2016). «Berlin attack puts pressure on Angela Merkel's political survival». USA Today (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  76. Oltermann, Philip (20 de dezembro de 2016). «Deadly attack on German soil is worst fear for Angela Merkel». The Guardian (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  77. Reilly, Katie (20 de dezembro de 2016). «How Europe's Rightwing Populists Reacted to Berlin Christmas Market Attack». Time (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  78. «Internationale Medien zu Berlin: 'Merkel sollte standhaft bleiben – was immer der Preis ist'» (em alemão). 21 de dezembro de 2016 – via Die Zeit 
  79. «„Nicht pietätlos": Scheuer verteidigt Seehofers Flüchtlingsaussage» (em alemão). 21 de dezembro de 2016 
  80. Germany, Spiegel Online, Hamburg. «Commentary on the Berlin Attack: Our Strength» (em inglês) 
  81. «A Cruel Test for Germany, and Europe». The New York Times (em inglês). 21 de dezembro de 2016 
  82. «The Berlin attack calls for strength and calm. German lives and values are under attack. Protect them both» (em inglês). FT.com 
  83. Sinclair, Harriet (20 de dezembro de 2016). «Trump criticised for response to Berlin attack and compared unfavourably with Obama» (em inglês) 
  84. «Angela Merkel should not be blamed for the massacre at the Berlin Christmas market» (em inglês). 20 de dezembro de 2016 
  85. «Amid the bloody carnage left by hate, Angela Merkel is a beacon of sanity» (em inglês). 21 de dezembro de 2016 – via The Guardian 
  86. "Calls for Polish truck driver killed in Berlin to receive order of merit". The Guardian. 22 de dezembro de 2016 (em inglês).
  87. "Live: vigil held for victims of Berlin Christmas market attack". The Daily Telegraph. 20 de dezembro de 2016 (em inglês).
  88. «Muslime zeigen Solidarität mit Opfern von Berlin» (em alemão). 21 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2016 – via Die Welt 
  89. «Berlin lorry attack: Muslim community holds vigil for victims» (em inglês). 21 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2016 – via BBC News 
  90. «Berlin's Muslim community sends message of peace and solidarity after Christmas market attack» (em inglês). 21 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2016 – via The Independent 
  91. «'We love Germany' Berlin's Muslims hold peace vigil for Christmas market attack victims» (em inglês). 21 de dezembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2016 – via Daily Express 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]