Atentado de julho de 2016 em Nice

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ataque de Nice
Promenade des Anglais, onde o ataque ocorreu
2016 Nice attack.png
Trajeto seguido pelo terrorista
Local Promenade des Anglais[1]
França Nice, França
Data 14 de julho de 2016
(Dia da Bastilha)
22h30min[2] (GMT +1)
Tipo de ataque Assassinato em massa, atropelamento e terrorismo
Alvo(s) Civis
Arma(s) caminhão com um semirreboque
Mortes 84+[3]
Feridos Centenas
Responsável(is) Mohamed Lahouaiej Bouhlel[4]
Estado Islâmico (não confirmado)[5]
Motivo Desconhecido

O atentado de Nice de 2016, foi um ataque terrorista que aconteceu na cidade francesa de Nice quando, por volta das 22h40 no horário local (GMT +1) de 14 de julho de 2016, um caminhão de 19 toneladas com semirreboque invadiu a celebração do Dia da Bastilha na avenida marginal de Nice, sul da França, a Promenade des Anglais.[1][6][7][8]

Foram confirmados 86 mortos [9] e 458 feridos, [10] dos quais cerca de 18 em estado muito grave entre as vítimas do caminhão que foi conduzido contra a multidão.[3][11][12] O ataque terminou após uma troca de tiros com a polícia, que matou o condutor.

Segundo o jornal local Nice-Matin, o condutor foi identificado como Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, um indivíduo de 31 anos de idade, de nacionalidade tunisiana, residindo em França, autor de vários crimes comuns (entre eles violência doméstica) não associados a redes terroristas. A sua identificação foi encontrada no caminhão.[13][14]

Em 16 de julho de 2016, o Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado, confirmando que o condutor do caminhão "era um dos soldados" instruídos a cometer atentados terroristas contra países que participem de ações bélicas contra o grupo.[15]

Ataque[editar | editar código-fonte]

Por volta de 22:10 CEST (20:10 UTC), 30 minutos antes do incidente, um grande caminhão branco foi visto se aproximando da Promenade des Anglais. "Ele estava acelerando, freando, acelerando novamente e freando de novo. Nós achamos estranho", disse Laicia Baroi, uma testemunha ocular. O caminhão, em seguida, virou-se para o calçadão e virou a sudoeste.[16]

Os fogos de artifício em comemoração ao Dia da Bastilha estavam terminando em torno de 22:40 CEST (20:40 UTC),[17] quando o caminhão violou as barreiras de veículos opostas ao hospital infantil Lenval.[16] Um motociclista tentou ultrapassar o caminhão e abrir a porta do lado do condutor mas caiu sob as rodas do caminhão. Ao verem isto, dois policiais nas proximidades abriram fogo contra o caminhão. Neste ponto, o motorista acelerou, dirigiu a nordeste e acelerou contra a multidão na avenida, em zigue-zague para acertar os pedestres. A polícia tentou pará-lo com tiros e o motorista atirou de volta contra eles, bem como para pessoas que estavam no meio da multidão. O motorista continuou a dirigir por 2 km, matando e ferindo pedestres. De acordo com uma testemunha ocular um indivíduo de "extraordinária coragem" foi capaz de lutar com o motorista do caminhão, distrai-lo e tirar a arma de fogo que ele portava,[18] enquanto a polícia cercava o caminhão perto do hotel Palais de la Méditerranée.[16] O veículo foi alvejado por tiros e o motorista foi morto.[16][19]

Além da arma de fogo usada durante o ataque, um carregador de munições,, uma pistola falsa, uma granada falsa, uma réplica de fuzil Kalashnikov e uma réplica do fuzil M16 foram encontrados na cabine do camião. Também foram recuperados um telefone celular e documentos pessoais, incluindo uma carteira de identidade, uma carteira de motorista e cartões de crédito. Havia várias paletes e uma bicicleta na parte traseira do camião.[20]



Terrorista[editar | editar código-fonte]

Mohamed Lahouaiej Bouhlel

Depois do ataque, a mídia francesa identificou o autor como Mohamed Lahouaiej Bouhlel, um homem de 31 anos de idade, de nacionalidade tunisiana,[21] mas que morava em Nice.[22] Foi relatado que ele tinha dificuldades financeiras e trabalhou como motorista, sendo que conseguiu uma licença para dirigir caminhões menos de um ano antes do ataque.[21] Seus pais são divorciados e vivem na Tunísia.[23] De acordo com relatos da mídia, Bouhlel era conhecido pela polícia por cinco crimes anteriores, nomeadamente em matéria de violência armada.[24] Ele não era registrado como um risco de segurança nacional pelas autoridades francesas.[21]

Várias testemunhas afirmam que o agressor gritou "Allahu Akbar" durante o ataque, mas esses relatos[25] [26]não foram confirmados por autoridades.[27] Bouhlel não era conhecido pelo governo da Tunísia como envolvido em quaisquer atividades de terrorismo em solo tunisiano.[23] Um promotor francês declarou que o ataque "trouxe as marcas do terrorismo jihadista", mas que nenhum grupo tinha ainda reivindicado a responsabilidade pelo atentado[23] e uma investigação preliminar por autoridades francesas não conseguiu estabelecer uma conexão entre Bouhlel e quaisquer grupos terroristas internacionais.[28] De acordo com um primo da esposa de Bouhlel, o terrorista não era uma pessoa religiosa e não frequentava uma mesquita.[24]

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, disse que o autor "provavelmente era ligado ao islamismo radical, de uma forma ou de outra" e colocou o ataque no contexto de uma "guerra" contra o terrorismo e o fundamentalismo islâmico, tanto fora, quanto dentro da França.[29] Esta afirmação foi imediatamente desmentida pelo ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, que disse: "Nós temos um indivíduo que não era conhecido por serviços de inteligência por atividades ligadas ao islamismo radical". Cazeneuve também disse que não poderia confirmar se os motivos do atacante estavam ligados ao jihadismo.[23] Cazeneuve disse também que aparentemente o assassino se tinha radicalizado bastante rápidamente. [30]O ataque foi classificado como terrorismo jihadista pela Europol, que anota que os jihadistas podem ser comandados pelo Estado Islâmico, ou simplesmente inspirados pela sua ideologia e retórica. [31]

Os pais de Bouhlel vivem na Tunísia e raramente ouviram falar dele desde que ele se mudou para a França em 2005. Seu pai disse que Lahouaiej-Bouhlel foi submetido a tratamento psiquiátrico antes de se mudar para a França.[32][33] Ele se casou com uma prima franco-tunisiano que morava em Nice, com quem teve três filhos. De acordo com o advogado de sua esposa, ele foi repetidamente acusado de violência doméstica e o casal separou-se.[34]

Após essa separação, Lahouaiej-Bouhlel teve uma vida sexual desregrada de acordo com o promotor e teve relações sexuais tanto com homens como mulheres de acordo com fontes não identificadas. [35][34]

Nos dias que antecederam o ataque, Lahouaiej-Bouhlel deixou a barba crescer e disse a algumas pessoas pessoas que "o significado desta barba é religioso". As autoridades francesas afirmaram que Lahouaiej-Bouhlel mostrou paixão pela religião apenas recentemente; "Mohamed só começou a visitar a mesquita em Abril", afirmou uma testemunha. O investigador francês François Molins afirmou que "Bouhlel expressou apoio ao Estado Islâmico". [36] [37] [38] [39] Uma análise ao computador do terrorista revelou um interesse recente pelos movimentos islamistas radicais; continha muitas imagens violentas, tais como decapitações e imagens de cadáveres, assim como pornografia.[40]


Vítimas[editar | editar código-fonte]

Vista da Promenade des Anglais, por onde o caminhão passou
Origem das vítimas
Nacionalidade Mortos Feridos Ref.
 Argélia &0000000000000003.0000003
 Armênia &0000000000000002.0000002 [41]
 Austrália &0000000000000003.0000003 [42]
 Bélgica &0000000000000001.0000001 &0000000000000001.0000001
 Brasil &0000000000000001.0000001 2 [43][44]
 China &0000000000000002.0000002 [45]
 Estónia &0000000000000002.0000002 [46]
 França &0000000000000019.00000019
 Alemanha &0000000000000003.0000003 &0000000000000002.0000002 [47]
 Irlanda &0000000000000001.0000001 [48]
 Itália &0000000000000006.0000006 &0000000000000003.0000003
Cazaquistão &0000000000000004.0000004
 Malásia &0000000000000001.0000001
 Marrocos &0000000000000003.0000003 [49]
 Países Baixos &0000000000000002.0000002
 Polónia &0000000000000002.0000002
Portugal Portugal &0000000000000001.0000001 [50]
 República Checa &0000000000000001.0000001
Roménia &0000000000000002.0000002
 Rússia &0000000000000002.0000002 &0000000000000001.0000001 [51]
 Singapura &0000000000000001.0000001
Suíça &0000000000000002.0000002 [46]
 Tunísia &0000000000000003.0000003
 Ucrânia &0000000000000001.0000001 &0000000000000002.0000002
 Reino Unido &0000000000000001.0000001
 Estados Unidos &0000000000000002.0000002
Desconhecido &0000000000000032.00000032 &0000000000000184.000000184
Total 84+ 202+ [52]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Ramos, Graça Andrade (14 de julho de 2016). «Camião abalroou multidão em Nice durante 14 de julho». RTP. Consultado em 14 de julho de 2016 
  2. Rubin, Alissa J.; Mele, Christopher (14 de julho de 2016). «Truck Plows Into Crowd in France; Many Reported Dead» (em inglês). The New York Times. Consultado em 14 de julho de 2016 
  3. a b «Attaque de Nice : 84 morts, selon un nouveau bilan». Libération. Consultado em 15 de julho de 2016 
  4. «Attentat de Nice : ce que l'on sait du tueur du 14 juillet». Atlantico. Consultado em 15 de julho de 2016 
  5. «Ataque em Nice: Estado Islâmico reivindica autoria; cinco suspeitos de envolvimento são presos». Consultado em 17 de julho de 2016 
  6. News, B. B. C. «Panic in Nice as lorry hits crowd». BBC News. Consultado em 14 de julho de 2016 
  7. Chrisafis, Angelique (14 de julho de 2016). «Multiple fatalities after lorry drives into crowd in Nice – reports». the Guardian. Consultado em 14 de julho de 2016 
  8. CNN, Steve Almasy. «Nice mayor: 'Tens of dead' when truck runs into crowd». CNN. Consultado em 14 de julho de 2016 
  9. «Nice truck attack claims 86th victim». Star Tribune (Arquivado em WayBack Machine). 19 de Agosto de 2016 
  10. «Attentat de Nice : six mois après, trois personnes toujours hospitalisées». FranceInfo 3. 12 de Outubro de 2018 
  11. «At Least 77 Dead After Truck Plows Into Crowd in Nice». ABC. Consultado em 15 de julho de 2016 
  12. Almasy, Steve. «Live updates: Truck driver attacks crowd in Nice, killing dozens». CNN. Consultado em 14 de julho de 2016 
  13. Raffaella Cagnazzo. «Nizza, chi era l'autista del camionche ha causato la strage» (em italiano). Consultado em 15 de julho de 2016 
  14. «Dia de França terminou em noite de horror e morte». Jornal de Notícias. Consultado em 15 de julho de 2016 
  15. «Ataque em Nice: Estado Islâmico reivindica autoria; cinco suspeitos de envolvimento são presos - BBC Brasil». Consultado em 17 de julho de 2016 
  16. a b c d «Nice attack: What we know of the Bastille Day killings». BBC. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  17. «At least 74 killed as truck plows into crowd in Nice, France, on Bastille Day». The Jerusalem Post 
  18. «How the Truck Was Stopped». The New York Times. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  19. Almasy, Steve (14 de julho de 2016). «Live updates: Truck driver attacks crowd in Nice, killing dozens». CNN 
  20. «Lorry have guns inside». BBC. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  21. a b c «Attentat de Nice : ce que l'on sait du tueur du 14 juillet». Atlantico (em francês). 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  22. «Attentat à Nice : le suspect a été formellement identifié» (em francês). Europe1. Consultado em 15 de julho de 2016 
  23. a b c d «Latest updates on France lorry attack». BBC. Consultado em 15 de julho de 2016 
  24. a b Payton, Matt (15 de julho de 2016). «Nice terror attack: Police arrest killer Mohamed Lahouaiej Bouhlel's wife». The Independent. Consultado em 15 de julho de 2016 
  25. Henderson, Barney; Graham, Chris; Gurney-Read, Josie (14 July 2016). «84 killed in Nice by lorry during Bastille Day celebrations – how the attack unfolded». The Telegraph. Consultado em 15 de julho de 2016. 2:19 am 'Driver was 31-year-old from Nice' The local newspaper, Nice-Matin, reports that the man driving the truck was a 31-year-old Nice resident of Tunisian origin. The truck driver was said to have shouted 'Allahu Akbar' – God is greatest – before being shot dead by police.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  26. «VIDEO. "On a entendu plusieurs fois Allah akbar", les témoins racontent après l'attentat de Nice». Nice-matin. 15 de Julho de 2016 
  27. Sini, Rozina (15 July 2016). «Nice lorry attack sparks false rumours on social media». BBC News. Consultado em 15 July 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  28. «Here's What We Know About The Suspect in the Nice Attack». BuzzFeed 
  29. «France's Valls says Nice attacker linked 'one way or another' to radical Islam». Reuters. 15 de julho de 2016 
  30. «Attack on Nice: Who was Mohamed Lahouaiej-Bouhlel?». BBC. 19 de Agosto de 2016 
  31. «EU Terrorism Situation & Trend Report (Te-Sat) 2017». Europol. 2017 
  32. Beaumont, Peter (e outro) (15 de Julho de 2016). «Mohamed Lahouaiej-Bouhlel: who was the Bastille Day truck attacker? -French-Tunisian man named as Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, who killed 84 people in Nice, appears to have been a violent petty criminal». The Guardian 
  33. Collier, Hatty (16 de Julho de 2016). «Nice attack: Father of lorry killer speaks out as police make arrests». Evening Standard 
  34. a b «Nice : les auditions des amants et maîtresses de Mohamed Lahouaiej-Bouhlel émergent». The Huffington Post (Ed. francesa). 18 de Julho de 2016 
  35. Sellami, Stéphane (18 de Julho de 2016). «Attentat de Nice : le sidérant profil du terroriste». Le Parisien 
  36. Rubin, Alissa J. (18 de Julho de 2016). «Moment of Silence Turns Into Outcry Against Government After Nice Attack». The New York Times 
  37. «Prosecutor: Truck attack on Nice was 'premeditated'». DW. 18 de Julho de 2016 
  38. Morgan, Tom (e outros) (17 de Julho de 2016). «Nice killer Mohamed Lahouaiej Bouhlel 'only started going to mosque this April'». The Sidney Morning Herald 
  39. «Nice, France attacker reportedly recruited by Algerian ISIS fighter, researched Orlando massacre». Fox News. 18 de Julho de 2016 
  40. ««Un attentat prémédité influencé par l'islamisme radical»». La Depeche. 19 de Julho de 2016 
  41. Associated Press (15 de julho de 2016). «The Latest: 202 wounded in Nice attack, 25 on life support» (em inglês). www.14news.com (WFIE-TV). Consultado em 15 de julho de 2016 
  42. Anderson, Stephanie; Patel, Uma (15 de julho de 2016). «Nice attack: Julie Bishop confirms three Australians injured in 'horrific' terrorist assault» (em inglês). Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 15 de julho de 2016 
  43. Lúcia Müzell (15 de julho de 2016). «Pelo menos dois brasileiros ficaram feridos em atentado em Nice». RFI. Consultado em 16 de julho de 2016 
  44. «Exame de DNA confirma a morte de brasileira no atentado em Nice». UOL. 17 de julho de 2016. Consultado em 17 de julho de 2016 
  45. «Two Chinese injured in Nice attack». Xinhua. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  46. a b «The Latest: 202 wounded in Nice attack, 25 on life support» (em inglês). WBRC-TV. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  47. Onyanga-Omara, Jane (15 de julho de 2016). «Terror in Nice: Details of victims emerge» (em inglês). WUSA-TV. Consultado em 15 de julho de 2016 
  48. «Nice: 'Serious concerns' over Irishman caught up in attack» (em inglês). BBC. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  49. «At Least Three Moroccans Killed in Nice Attack». Consultado em 15 de julho de 2016 
  50. «Governo confirma um português entre os feridos do atentado de Nice». Consultado em 15 de julho de 2016 
  51. «Russian Citizen Killed in Nice Could Be Moscow Resident – Moscow Mayor» (em inglês). Sputnik. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  52. «Cerca de 50 pessoas estão entre a vida e a morte, diz Hollande». G1. 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]