Guerra no Noroeste do Paquistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra atual
Este artigo ou seção é sobre um conflito armado recente ou ainda em andamento.
A informação apresentada pode mudar rapidamente
Guerra no Noroeste do Paquistão
Parte da Guerra ao Terror
Marriot Hotel Islamabad Pakistan bombing.jpg
Ataque de insurgentes ao Hotel Marriott, em Islamabad.
Data 16 de Março de 2004 - Presente
Local Principalmente nos territórios federais das áreas tribais e na província da Khyber Pakhtunkhwa no Paquistão
Desfecho Conflito em andamento
Beligerantes
Paquistão

Apoio:

Talibã:

No god but God.jpg Estado Islâmico do Iraque e do Levante
Forças
140 000 soldados paquistaneses
+ aliados ocidentais
25 000 - 30 000
10 000 – 20 000
Baixas
7 000 militares mortos
20 506 civis mortos
32 553 combatentes mortos

A Guerra no Waziristão, também conhecida como Guerra no Noroeste do Paquistão, é um conflito armado entre o exército paquistanês e militantes islâmicos das tribos locais, os Talibãs, e extremistas estrangeiros, em regiões do Paquistão próximas à fronteira com o Afeganistão.[1][2][3] Tudo começou em 2004, quando o exército paquistanês continuou a caça aos elementos da Al-Qaeda e do Talibã, a tensão degenerou em resistência armada das tribos locais na zona montanhosa do Waziristão (no Território federal das Áreas Tribais) província do Paquistão.

Eclodiram confrontos entre as tropas paquistanesas e da al-Qaeda e outros militantes ligados por rebeldes locais e forças pró-talibã. As ações paquistanesas foram apresentadas como uma parte da guerra contra o terrorismo declarada pela administração de George W. Bush, e que tinha ligações com a guerra e a insurgência talibã no Afeganistão.[4][5]

Até esta data, os militares paquistaneses ganharam quase todas as batalhas contra os militantes. No entanto, a militância continua forte em várias partes da Província da Fronteira Noroeste. A partir de 2009, o Exército do Paquistão está atualmente sendo treinados para uma guerra de contra-insurgência pelos governos britânico e americano.[6]

Desde o início do conflito, o Paquistão já perdeu mais de três vezes o número de seus soldados, em comparação com o número de soldados americanos mortos no Afeganistão. No entanto, a partir de Dezembro de 2008, confirmou que o número de militantes mortos pelo Exército do Paquistão chegou a marca de 6.000.[7]

Em roxo, as Regiões Tribais do Paquistão e em verde a Província da Fronteira Noroeste regiões em conflito no Paquistão.

Referências

  1. «The War in Pakistan». The Washington Post. Consultado em 19-10-2008. 
  2. «FEATURE-Pakistan lifts veil on not-so-secret Waziristan war». Wiredispatch.com. Consultado em 19-10-2008. 
  3. Zaffar Abbas. «South Asia | Pakistan's undeclared war». BBC News. Consultado em 19-10-2008. 
  4. David Montero (22 de junho de 2006). «Killing scares media away from Waziristan». Christian Science Monitor. Consultado em 25-8-2008. 
  5. «Pakistan attacks Waziristan compound». Al Jazeera. 16 de março de 2006. Consultado em 25-8-2008. 
  6. «British forces train Pakistan's Frontier Corps to fight al-Qaeda» (em inglês). Times Online. 21 de março de 2009. Consultado em 3-7-2009. 
  7. Zahid Hussain in Islamabad and Michael Evans, Defence Editor. «US airstrike kills 11 Pakistani soldiers in 'cowardly and unprovoked attack'». Times Online. Consultado em 19-10-2008. 


Ícone de esboço Este artigo sobre conflitos armados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.