Guerra no Noroeste do Paquistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra no Noroeste do Paquistão
Parte da Guerra ao Terror
Marriot Hotel Islamabad Pakistan bombing.jpg
Ataque de insurgentes ao Hotel Marriott, em Islamabad.
Data 16 de Março de 2004 - Presente
Local Principalmente nos territórios federais das áreas tribais e na província da Khyber Pakhtunkhwa no Paquistão
Desfecho Conflito em andamento
Combatentes
Paquistão

Apoio:

Talibã:

No god but God.jpg Estado Islâmico do Iraque e do Levante
Forças
140 000 soldados paquistaneses
+ aliados ocidentais
25 000 - 30 000
10 000 – 20 000
Baixas
7 000 militares mortos
20 506 civis mortos
32 553 combatentes mortos

A Guerra no Waziristão, também conhecida como Guerra no Noroeste do Paquistão, é um conflito armado entre o exército paquistanês e militantes islâmicos das tribos locais, os Talibãs, e extremistas estrangeiros, em regiões do Paquistão próximas à fronteira com o Afeganistão.[1][2][3] Tudo começou em 2004, quando o exército paquistanês continuou a caça aos elementos da Al-Qaeda e do Talibã, a tensão degenerou em resistência armada das tribos locais na zona montanhosa do Waziristão (no Território federal das Áreas Tribais) província do Paquistão.

Eclodiram confrontos entre as tropas paquistanesas e da al-Qaeda e outros militantes ligados por rebeldes locais e forças pró-talibã. As ações paquistanesas foram apresentadas como uma parte da guerra contra o terrorismo declarada pela administração de George W. Bush, e que tinha ligações com a guerra e a insurgência talibã no Afeganistão.[4][5]

Até esta data, os militares paquistaneses ganharam quase todas as batalhas contra os militantes. No entanto, a militância continua forte em várias partes da Província da Fronteira Noroeste. A partir de 2009, o Exército do Paquistão está atualmente sendo treinados para uma guerra de contra-insurgência pelos governos britânico e americano.[6]

Desde o início do conflito, o Paquistão já perdeu mais de três vezes o número de seus soldados, em comparação com o número de soldados americanos mortos no Afeganistão. No entanto, a partir de Dezembro de 2008, confirmou que o número de militantes mortos pelo Exército do Paquistão chegou a marca de 6.000.[7]

Em roxo, as Regiões Tribais do Paquistão e em verde a Província da Fronteira Noroeste regiões em conflito no Paquistão.

Referências

  1. «The War in Pakistan». The Washington Post. Consultado em 19-10-2008. 
  2. «FEATURE-Pakistan lifts veil on not-so-secret Waziristan war». Wiredispatch.com. Consultado em 19-10-2008. 
  3. Zaffar Abbas. «South Asia | Pakistan's undeclared war». BBC News. Consultado em 19-10-2008. 
  4. David Montero (22 de junho de 2006). «Killing scares media away from Waziristan». Christian Science Monitor. Consultado em 25-8-2008. 
  5. «Pakistan attacks Waziristan compound». Al Jazeera. 16 de março de 2006. Consultado em 25-8-2008. 
  6. «British forces train Pakistan's Frontier Corps to fight al-Qaeda» (em inglês). Times Online. 21 de março de 2009. Consultado em 3-7-2009. 
  7. Zahid Hussain in Islamabad and Michael Evans, Defence Editor. «US airstrike kills 11 Pakistani soldiers in 'cowardly and unprovoked attack'». Times Online. Consultado em 19-10-2008. 


Ícone de esboço Este artigo sobre conflitos armados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.