Ofensiva talibã no Afeganistão em 2021

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outras ofensivas dos talibãs, veja Ofensiva talibã no Afeganistão.
Ofensiva talibã no Afeganistão em 2021
Insurgência talibã na Guerra do Afeganistão
2021 Taliban Offensive.png
Mapa da situação no Afeganistão em 2021 (em cinza, áreas controladas pelos talibãs e aliados; em rosa estão as regiões controladas pelo governo central afegão)
Data 1 de maio15 de agosto de 2021[1]
Local Afeganistão
Desfecho Vitória talibã
Situação Queda do de facto governo afegão;
Presidente Ashraf Ghani foge para o Tajiquistão;
Captura talibã da capital Cabul;
Governo talibã é estabelecido
Mudanças territoriais Talibã capturou 232 distritos e afirmou controlar mais outros 94;[2][3] 33 das 34 capitais de províncias afegãs sob controle talibã[4][5]
Beligerantes
Afeganistão Talibã

Apoio:

Afeganistão República Islâmica do Afeganistão
 Estados Unidos[6][7]
Comandantes
Afeganistão Hibatullah Akhundzada
Afeganistão Abdul Ghani Baradar
Afeganistão Sirajuddin Haqqani
Afeganistão Mohammad Yaqoob
Flag of Afghanistan (2004–2021).svg Ashraf Ghani
Flag of Afghanistan (2004–2021).svg Abdullah Abdullah
Flag of Afghanistan (2004–2021).svg Ahmad Massoud
Flag of Afghanistan (2004–2021).svg Bismillah Khan Mohammadi
Estados Unidos Joe Biden
Estados Unidos General Mark Milley
Estados Unidos General Kenneth McKenzie
Forças
85 000 militantes[8] 300 000 militares afegãos[9]
Baixas
Afeganistão 9 819 mortos,[10]
5 472 feridos[10] (alegação do governo afegão)
Flag of Afghanistan (2004–2021).svg 1 537 soldados e policiais mortos[11][12][13]
Flag of Afghanistan (2004–2021).svg 1 581 soldados afegãos desertaram[14]
1 031 civis mortos[15]
2 043 civis feridos[15]
244 000 civis deslocados de suas casas[16]

A ofensiva talibã no Afeganistão em 2021 foi uma ofensiva militar, que aconteceu entre maio e agosto de 2021, liderada pelos insurgentes talibãs contra o governo afegão e seus aliados, que se desenrolou quase que simultaneamente com a retirada das tropas estadunidenses do Afeganistão. Até meados de agosto, o Talibã já controlava perto de 65% do país, ocupando mais de 300 distritos e pelo menos trinta e duas capitais de província por todo o território afegão.[17] No dia 15 de agosto de 2021, o Talibã tomou a capital Cabul e o presidente do Afeganistão deixou o país.[18][19][20]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Maio[editar | editar código-fonte]

No mês de maio, o Talibã capturou quinze distritos do governo afegão, incluindo os distritos de Nirkh e Jalrez na província de Maidan Wardak.[21][22][23][24] Entre os locais capturados estava a barragem de Dahla na província de Candaar, a segunda maior barragem do Afeganistão.[25]

Durante o mês, 405 membros das Forças de Segurança Nacional do Afeganistão e 260 civis foram mortos durante os confrontos com o Talibã, enquanto o Ministério da Defesa afegão afirmou ter matado 2.146 combatentes talibãs.[11][10]

A 12 de Maio de 2021, Sohail Pardis, que tinha sido tradutor para as forças armadas dos Estados Unidos , e objecto de várias ameaças de morte, foi decapitado pelos Talibãs num posto de controlo.[26]

Junho[editar | editar código-fonte]

No mês de junho, o Talibã capturou 68 distritos do governo afegão e entrou nas cidades de Kunduz e Puli Khumri.[27][28][29][30] Enquanto isso, a cidade de Mazar-i-Sharif foi sitiada pelos talibãs.[31] Entre os locais capturados pelo grupo estava a principal passagem de fronteira do Afeganistão com o Tajiquistão e o distrito de Saydabad, que é chamado de porta de entrada da capital do Afeganistão, Cabul.[32][33]

Em termos de equipamento, o Talibã capturou 700 caminhões e Humvees das forças de segurança afegãs, bem como dezenas de veículos blindados e sistemas de artilharia.[34]

Em 19 de junho, o chefe do Estado-Maior do Exército afegão, os ministros da defesa e do interior foram substituídos pelo presidente Ashraf Ghani.[35]

Durante o mês, 703 membros das Forças de Segurança Nacional do Afeganistão e 208 civis foram mortos durante os confrontos com os talibãs, enquanto o Ministério da Defesa afegão afirmou ter matado 1.535 combatentes rebeldes.[12][10]

Julho[editar | editar código-fonte]

Em 5 de julho, o Talibã capturou 38 distritos do governo afegão,[2] enquanto 1.500 soldados afegãos desertaram para o Tajiquistão.[14]

Em 8 de julho, 161 membros das forças de segurança nacional afegãs e 24 civis foram mortos durante os confrontos com os talibãs, enquanto o Ministério da Defesa afegão afirmou ter matado 972 combatentes talibãs desde o início do mês.[12][10]

Em 9 de julho de 2021, um porta-voz do Talibã de Moscou, Rússia, disse que o grupo "controlava 85% do território do Afeganistão" e apontou que "não era parte do acordo" com os Estados Unidos parar de atacar os centros administrativos afegãos. As autoridades russas também relataram ter trabalhado com o grupo para garantir a segurança do vizinho Tajiquistão de qualquer ameaça estrangeira. Por outro lado, o governo afegão prometeu retomar todos os distritos capturados pelos talibãs.[36] Durante todo o mês de julho, o Talibã permaneceu avançando, tomando postos de checagem da política e do exército afegão, especialmente no oeste.

Militantes afegãos do Talibã.

Em 21 de julho, o general Mark Milley, o chefe do Estado-maior das forças armadas dos Estados Unidos, relatou que metade de todos os distritos afegãos estavam sob controle do Talibã.[37] No dia seguinte, o Pentágono confirmou que a Força Aérea dos Estados Unidos havia realizado quatro ataques aéreos no Afeganistão a pedido de oficiais do governo afegão. Dois ataques aéreos com o objetivo de destruir equipamento militar capturado pelo Talibã das forças de segurança afegãs; uma arma de artilharia e um veículo militar foram destruídos.[38] Enquanto isso, a batalha pela cidade de Candaar prosseguia, com toda a região sob cerco dos rebeldes. O Talibã se moveu rapidamente e tomou toda a zona rural e vilas no Distrito de Daman, ao ponto de que apenas o aeroporto de Candaar estava sob controle completo das tropas afegãs. A tomada de Daman pelos militantes talibãs acabou selando o destino de boa parte da província.[39]

Em 31 de julho, o Talibã renovou suas ofensivas em outras regiões, capturando, no mesmo dia, as capitais das duas províncias de Helmande e Herat, também capturando dezenas de distritos nas ditas províncias e ocupando passagens de fronteira com o Irã e o Turcomenistão.[40][41] Entre outros, o importante distrito de Karakh, em Herat, foi novamente invadido pelos militantes islamitas. Os talibãs então tomaram as estradas que conectavam o aeroporto internacional de Herat e a própria cidade de Herat. Enquanto isso, o cerco de Candaar prosseguia.[42]

Agosto[editar | editar código-fonte]

Forças do exército afegão combatendo islamitas do talibã.

Em agosto, com a retirada das tropas ocidentais se acelerando, as forças do Talibã também renovaram suas ofensivas. Em 6 de agosto, a cidade de Zaranj, a capital da província de Nimruz, caiu nas mãos dos islamitas. Naquela altura, o exército afegão parecia estar se desfalecendo, com altas taxas de deserção e muitos militares se rendendo sem lutar.[43] No dia seguinte, as cidades de Konduz e Sar-e Pol foram tomadas. Em 9 de agosto, Samangan, a capital da província homônima, foi igualmente conquistada pelo Talibã. Três dias mais tarde, foi a vez da importante cidade de Ghazni, uma vital rota entre Cabul e Candaar, cair nas mãos dos islamitas.

Em 12 de agosto, forças do talibã tomaram de assalto as cidades de Herat e Candaar (sendo esta a segunda maior cidade do Afeganistão).[44][45]

Poucas horas após a queda de Herat, os governos dos Estados Unidos e do Reino Unido anunciaram o envio de 3 000 e 600 militares, respectivamente, para o aeroporto de Cabul, a fim de garantir o tráfego aéreo de seus cidadãos, funcionários da embaixada e civis afegãos que trabalharam com as forças da coalizão fora do país.[46][47]

Em 14 de agosto, os talibãs conquistaram as cidades de Zareh Sharan, Assadabade e Mazar-i-Sharif, que são importantes capitais provincianas.[48][49] A inabilidade do exército afegão de resistir chamou a atenção da comunidade internacional, assim como a brutalidade das forças islamitas, que, segundo relatórios, brutalizavam a população civil nas áreas que ocupavam. Nesse mesmo dia, o importante município de Pol-e 'Alam, a 70km da capital nacional Cabul, foi também tomado pela insurgência talibã.[50]

Em 15 de agosto, forças do Talibã entraram em Jalalabad, a capital da província de Nangarhar. A cidade foi tomada praticamente sem luta.[51] Naquela altura, esta havia sido a vigésima sexta capital provincial a cair, e sua captura deixou Cabul como a última grande cidade sob controle direto do governo afegão.[52] Pouco depois, o município de Maydan Shahr também caiu,[53] seguido pelas cidades de Khost,[54][55] Bamyan[56] e Mahmud-i-Raqi.[57]

A Queda de Cabul[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Queda de Cabul (2021)
Combatentes Talibãs em Cabul, em 17 de agosto.

Ainda em de 15 de agosto de 2021, apesar de emitir um comunicado dizendo "não tinham planos de tomar a capital afegã à força", tropas do Talibã penetraram nos arredores de Cabul por várias direções, incluindo os distritos de Kalakan, Qarabagh e Paghman, no noroeste.[58][59] Helicópteros americanos Boeing CH-47 Chinook e Sikorsky UH-60 Black Hawk começaram então a pousar na embaixada dos Estados Unidos em Cabul para iniciar a evacuação de diplomatas e pessoal, enquanto estes começaram a destruir documentos secretos no prédio.[60]

Então, Abdul Sattar Mirzakwal, o Ministro do Interior do Afeganistão, em um pronunciamento oficial, afirmou que o presidente do país, Ashraf Ghani, havia decidido renunciar, e que um governo de transição estaria sendo negociado com o Talibã para garantir "uma transferência pacífica de poder".[20][61] Enquanto isso, as forças de segurança afegãs entregaram a base aérea de Bagram ao Talibã; esta base guardava cerca de cinco mil prisioneiros do talibã e do grupo Estado Islâmico.[62] Enquanto a capital do Afeganistão caia em mãos dos talibãs, foi reportado que o presidente Ghani havia fugido para o Tajiquistão depois de uma breve passada na embaixada dos Estados Unidos.[63]

Segundo o canal afegão de televisao 1TV, a rede Haqqani, organização ligada aos taliban e com ligações estreitas com a Al-Qaeda, foi encarregada de garantir a segurança em Cabul. Khalil al-Rahman Haqqani, o líder da rede, tem a cabeça a prémio pelos EUA, por cerca de 4 milhões de euros.[64]

Cerca de três semanas após a queda de Cabul, os talibãs anunciaram a criação de um gabinete governamental para o novo Estado denominado Emirato Islâmico do Afeganistão. O gabinete é todo masculino, e é fortemente dominado por pashtuns, sendo apenas três membros de outras etnias. [65]

Até dezembro de 2021, nenhum país reconheceu oficialmente o novo estado dos Talibãs. [66]

Reações[editar | editar código-fonte]

Quando Cabul caiu em meados de agosto, milhares de afegãos tentaram fugir do país, especialmente funcionários públicos e cidadãos do país que ajudaram as tropas de ocupação ocidental. A maioria dos refugiados tentou escapar pelo aeroporto da capital, que estava sendo usado como base pelo exército dos Estados Unidos. Em desespero, várias pessoas agarraram-se à lateral de um avião militar dos Estados Unidos, com pelo menos um indivíduo caindo para a morte quando a aeronave decolou. As tropas americanas tiveram que disparar tiros de advertência para abrir caminho para a aeronave, que estava evacuando funcionários do governo afegão. A situação ao redor do aeroporto foi descrita como caótica, com denúncias de ataques contra civis feitos por forças talibãs.[67]

As rápidas conquistas dos Talibã apanharam o mundo de surpresa[68] incluindo os governos de Estados Unidos,[69] Reino Unido,[70] Alemanha[71] e Rússia.[72] A vitória do Talibã teve ramificações domésticas e internacionais generalizadas.[73]

Internas[editar | editar código-fonte]

Civis afegãos dentro de uma aeronave americana deixando o Afeganistão.

A 17 de agosto, os Talibã deram a sua primeira conferência de imprensa a partir de Cabul. O seu porta-voz, Sabihullah Mujahid , anunciou uma "amnistia geral"[74] e garantiu que ninguém seria perseguido e às mulheres afegãs seriam assegurados os seus direitos - mas, acrescentando, dentro do quadro da Xaria. Nesse mesmo dia, foi executada uma mulher em Takhar por não usar burca.[75] Na província de Faryab uma mulher foi espancada até a morte por não alimentar os combatentes.[76] Relatos de civis em fuga contam episódios de decapitações, execuções de prisioneiros, casamentos forçados e tomada de escravas sexuais.[77] O jornal Deutsche Welle afirmou que os relatos confirmam que os militantes andam a procurar as casas dos que trabalharam para governos estrangeiros - incluindo as casas de três funcionários locais do jornal.[78]

Externas[editar | editar código-fonte]

A Turquia se ofereceu para enviar suas tropas para proteger Aeroporto Internacional Hamid Karzai em Cabul.[79]

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, defendeu a retirada das tropas estadunidenses dizendo que o país não foi ao Afeganistão para "construir uma nação". Biden acrescentou que não "enviaria outra geração de americanos para lutar lá" e apontou outras tentativas fracassadas de unificar o Afeganistão no passado. Também assegurou que a segurança dos Estados Unidos não estava em risco com qualquer resultado dos conflitos internos no Afeganistão.[80][81]

Referências

  1. «Taliban declare victory in Afghanistan». Axios. 16 de agosto de 2021. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  2. a b Roggio, Bill. «Nearly half of Afghanistan's provincial capitals under threat from Taliban». FDD's Long War Journal. Consultado em 16 de julho de 2021. Cópia arquivada em 15 de julho de 2021 
  3. Roggio, Bill (25 de julho de 2021). «Mapping Taliban Contested and Controlled Districts in Afghanistan». FDD's Long War Journal. Consultado em 17 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 12 de julho de 2021 
  4. «Afghanistan: Taliban take 11th provincial capital as Ghazni and Herat fall». BBC News 
  5. «Taliban take 10th Afghan provincial capital in blitz». Consultado em 13 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2021 
  6. Seldin, Jeff (5 de Maio de 2021). «US Airstrikes Target Taliban as Fighting Intensifies». Voice of America 
  7. «US air force targets Taliban position in northern Afghanistan, media reports». Afghanistan Times. 26 de Junho de 2021 
  8. «The Taliban explained». www.aljazeera.com 
  9. Seldin, Jeff (9 de agosto de 2021). «US Admits Afghanistan 'Not Going in the Right Direction'». VOA. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  10. a b c d e «Press Release». Afghan Ministry of Defense. Afghan Ministry of Defense. Consultado em 9 de julho de 2021. Cópia arquivada em 11 de junho de 2021 
  11. a b Faizi, Fatima; Abed, Fahim; Rahim, Najim (3 de Junho de 2021). «Afghan War Casualty Report: May 2021». The New York Times 
  12. a b c Faizi, Fatima; Rahim, Najim (1 de Junho de 2021). «Afghan War Casualty Report: June 2021». The New York Times 
  13. Faizi, Fatima; Timory, Asadullah (8 de Julho de 2021). «Afghan War Casualty Report: July 2021». The New York Times 
  14. a b «Some 1,500 Afghan soldiers crossed into Tajikistan over past 2 weeks - Tajik rep to CSTO». Interfax. 7 de Julho de 2021 
  15. a b Graham-Harrison, Emma (26 de julho de 2021). «Afghanistan civilian casualty figures at record high, UN says». The Guardian. Consultado em 26 de julho de 2021. Cópia arquivada em 26 de julho de 2021 
  16. «Afghan refugees reach Iran as violence escalates». UNHCR. 9 de agosto de 2021. Consultado em 10 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2021 
  17. «Taliban take Kandahar, Herat in major Afghanistan offensive». AP News. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  18. «Presidente do Afeganistão deixa o país; Talibã diz que tomou controle do palácio presidencial em Cabul». Consultado em 15 de agosto de 2021 
  19. «Afghanistan Live Updates: Taliban Nears Total Takeover, Entering Kabul After 20 Years». Consultado em 15 de agosto de 2021 
  20. a b «Talibã chega a Cabul e quer rendição do governo do Afeganistão». G1. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  21. Roggio, Bill (29 de Junho de 2021). «Taliban doubles number of controlled Afghan districts since May 1». FDD's Long War Journal 
  22. Roggio, Bill (3 de Junho de 2021). «UN report on Taliban controlled and contested districts tracks with LWJ data». FDD's Long War Journal 
  23. «Taliban seize key district outside Afghan capital». France 24. 12 de Maio de 2021 
  24. «Taliban capture more districts, surround Kabul». Global Village Space. 22 de Maio de 2021 
  25. «Taliban captures key Afghan dam as fighting rages». Al Jazeera English. 6 de Maio de 2021 
  26. Sidhu, Sandi (e outros) (23 de julho de 2021). «Afghan interpreter for US Army was beheaded by Taliban. Others fear a similar fate». CNN 
  27. Roggio, Bill (29 de Junho de 2021). «Taliban doubles number of controlled Afghan districts since May 1». FDD's Long War Journal 
  28. Gibbons-Neff, Thomas; Rahim, Najim (8 de Julho de 2021). «Taliban Enter Key Cities in Afghanistan's North After Swift Offensive». The New York Times 
  29. «Baghlan: PD2 of Pul-e-Khumri Held by Taliban, City Under Siege». Tolo News. 24 de Junho de 2021 
  30. Robertson, Nic (24 de Junho de 2021). «Afghanistan is disintegrating fast as Biden's troop withdrawal continues». CNN 
  31. Najafizada, Eltaf (22 de Junho de 2021). «Taliban Besiege Key Afghan City With U.S. Troops Set to Exit». Bloomberg 
  32. «Taliban captures Afghanistan's main Tajikistan border crossing». Al Jazeera English. 22 de Junho de 2021 
  33. Yusufzai, Mushtaq (27 de Junho de 2021). «Afghan Taliban capture another important district». The News Pakistan 
  34. Roblin, Sebastien (30 de Junho de 2021). «One Month, 700 Trucks: Afghanistan's U.S. Military Vehicles Fall Into Taliban Hands». Forbes 
  35. «Afghan president replaces two top ministers, army chief as violence grows». Reuters. 20 de Junho de 2021 
  36. «Taliban says it controls '85 percent' of Afghan territory, made no ceasefire promise to US». France 24. 9 de Julho de 2021 
  37. Ali, Idrees; Stewart, Phil (21 de julho de 2021). «Half of all Afghan district centers under Taliban control - U.S. general». Reuters. Consultado em 21 de julho de 2021. Cópia arquivada em 29 de julho de 2021 
  38. «US launched several airstrikes in support of Afghan forces». Washington Post. 22 de julho de 2021. Consultado em 23 de julho de 2021. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2021 
  39. Roggio, Bill (23 de julho de 2021). «Taliban battles Afghan military for control of Kandahar City». FDD's Long War Journal. Consultado em 22 de julho de 2021. Cópia arquivada em 22 de julho de 2021 
  40. «Taliban fighters enter provincial capital, clash with Afghan forces». Euronews. 31 de julho de 2021. Consultado em 31 de julho de 2021. Cópia arquivada em 31 de julho de 2021 
  41. «Taliban and Afghan forces clash again outside Herat city». France 24. 31 de julho de 2021. Consultado em 31 de julho de 2021. Cópia arquivada em 31 de julho de 2021 
  42. Roggio, Bill (30 de julho de 2021). «Taliban advances on Herat City». FDD's Long War Journal. Consultado em 31 de julho de 2021. Cópia arquivada em 30 de julho de 2021 
  43. «Afghanistan war: Taliban capture regional capital Zaranj». BBC News (em inglês). 6 de agosto de 2021. Consultado em 10 de agosto de 2021 
  44. Varshalomidze, Tamila. «Taliban captures Herat city after taking Ghazni». Al Jazeera. Al Jazeera. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  45. «Talibã diz que tomou o controle de Kandahar, segunda maior cidade do Afeganistão». G1. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  46. Ali, Idrees; Landay, Jonathan (12 de agosto de 2021). «U.S. to reduce Kabul embassy to core staff, add 3,000 troops to help». Reuters. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  47. Sengupta, Kim (12 de agosto de 2021). «UK to send up to 600 troops to Afghanistan to help evacuate Britons as Taliban closes in on Kabul». The Independent. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  48. «Boris Johnson urged to send humanitarian assistance to Afghanistan – follow live». The Independent (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2021 
  49. Seir, Ahmad; Faietz, Rahim; Krauss, Joseph. «Taliban approach capital's outskirts, attack northern city». Associated Press News. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  50. «Talibã toma província ao sul de Cabul; presidente do Afeganistão diz buscar 'solução política de paz e estabilidade'». G1. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  51. «Taliban take Afghanistan's Jalalabad city without a fight - officials». National Post (em inglês). Reuters. 14 de agosto de 2021. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  52. «Taliban gains control of Jalalabad, one of two cities in Afghan control». Jerusalem Post (em inglês). Reuters. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  53. «Officials: Taliban hold all of Afghanistan's border posts». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  54. «Taliban militants seize Maidan Shar city, west of Afghan capital: spokesman - Xinhua | English.news.cn». www.xinhuanet.com. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  55. «The Latest: Militants take provincial capital of Khost». AP NEWS (em inglês). Consultado em 15 de agosto de 2021 
  56. «Afghanistan: Afghan civilians who helped Kiwis fear for their lives at hands of Taliban». NZ Herald (em inglês). Consultado em 15 de agosto de 2021 
  57. «Mapping Taliban Contested and Controlled Districts in Afghanistan». 15 de agosto de 2021. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  58. «Taliban enter Kabul from all sides». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 15 de agosto de 2021 
  59. «Afghanistan: Heavy fighting ongoing on the outskirts of Kabul as of early Aug. 15; a total blackout reported in the city». Consultado em 15 de agosto de 2021 
  60. "Taliban Fighters Enter Kabul As Helicopters Land At U.S. Embassy". Página acessada em 15 de agosto de 2021.
  61. «Afghan president to abdicate after Taliban entered Kabul: Sources». Al Arabiya English (em inglês). 15 de agosto de 2021. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  62. Mistlin, Alex; Sullivan, Helen; Harding, Luke; Harding, Luke; Borger, Julian; Mason, Rowena. «Afghanistan: Kabul to shift power to 'transitional administration' after Taliban enter city – live updates». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  63. Batchelor, Tom (15 de agosto de 2021). «Afghan president Ashraf Ghani flees capital Kabul for Tajikistan as Taliban enter city». The Independent. Consultado em 15 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2021 
  64. «"Sinal terrível para as mulheres": rede Haqqani, ligada à Al-Qaeda, encarregada da segurança em Cabul». PÚBLICO. Público. 21 de agosto de 2021 
  65. Graham-Harrison, Emma (e outro) (7 de setembro de 2021). «Taliban name all-male Afghan cabinet including minister wanted by FBI» (em inglês). The Guardian 
  66. Saul, Ben (15 de dezembro de 2021). «"Recognition" and the Taliban's International Legal Status». ICCT (em inglês) 
  67. «WATCH LIVE: Biden addresses nation about Afghanistan collapse». PBS. 16 de agosto de 2021. Consultado em 19 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2021 
  68. «Taliban controls 65% of Afghanistan as rapid advance continues: E.U. official - National | Globalnews.ca». Global News (em inglês). Consultado em 11 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2021 
  69. Miller, Zeke; Lemire, Jonathan; Boak, Josh (16 de agosto de 2021). «Biden team surprised by rapid Taliban gains in Afghanistan». Associated Press. Consultado em 17 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2021 
  70. Walker, Peter (17 de agosto de 2021). «No one saw this coming, Raab says of Taliban's rapid Afghan takeover». The Guardian. Consultado em 17 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2021 
  71. Rinke, Andreas (16 de agosto de 2021). «World must help Afghans fleeing Taliban or risk crisis - Merkel». Reuters. Consultado em 17 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2021 
  72. «Russian envoy describes Taliban's seizure of Kabul as somewhat unexpected». TASS. 16 de agosto de 2021. Consultado em 18 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2021 
  73. Baker, Rodger (9 de agosto de 2021). «Challenging Our Understanding of the Taliban». Stratfor. Consultado em 12 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2021 
  74. Lorena, Sofia (17 de agosto de 2021). «Taliban não querem "inimigos" e garantem direitos às afegãs "no quadro da "sharia""». Público 
  75. O’Neill, Jesse (18 de agosto de 2021). «Taliban kill woman for not wearing burqa on same day they vow to honor women's rights». New York Post (em inglês) 
  76. Coren, Anna (18 de Agosto de 2021). «The Taliban knocked on her door 3 times. The fourth time, they killed her». CNN 
  77. Tomlinson, Hugh. «Taliban in Afghanistan: Claims of beheadings and sex slaves». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460 
  78. Conrad, Naomi (e outros) (18 de agosto de 2021). «In Kabul, terrified Afghans wait for the call to safety». DW (em inglês) 
  79. «Iran and Russia move to fill diplomatic vacuum in Afghanistan». the Guardian (em inglês). 9 de julho de 2021 
  80. Liptak, Kevin (8 de Julho de 2021). «Biden defends pulling US out of Afghanistan as Taliban advances: 'We did not go to Afghanistan to nation-build'». CNN 
  81. Khan, Wajahat (9 de Julho de 2021). «Biden defends Afghanistan pullout as Taliban gain ground». Asia Nikkei