Violência religiosa na Índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A violência religiosa na Índia inclui atos de violência por parte de seguidores de um grupo religioso contra seguidores e instituições de outro grupo religioso, muitas vezes sob a forma de motins.[1] A violência religiosa na Índia, especialmente nos últimos tempos, tem geralmente envolvido hindus e muçulmanos,[2] apesar de incidentes de violência também envolverem cristãos, judeus e sikhs.

Apesar da constituição da Índia ser secular e tolerante religiosamente, a representação religiosa ampla em vários aspectos da sociedade, incluindo o governo, o papel ativo desempenhado por órgãos autônomos, tais como a Comissão Nacional de Direitos Humanos da Índia e a Comissão Nacional para as Minorias, e o trabalho feito por organizações não governamentais, atos esporádicos e, por vezes graves, de violência religiosa tendem a ocorrer como as causas principais da violência religiosa, muitas vezes são profundas na história, nas atividades religiosas e políticas da Índia.[3][4][5][6]

Juntamente com organizações domésticas, as organizações internacionais de direitos humanos, como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch publicam relatórios[7] sobre atos de violência religiosa na Índia. Ao longo do período de 2005 a 2009, uma média de 130 pessoas morreram por ano pela violência entre comunidades, ou cerca de 0,01 mortes por 100.000 habitantes. O estado de Maharashtra registrou o maior número total de mortes relacionadas com a violência religiosa durante esse período de 5 anos, enquanto Madhya Pradesh experimentou a maior taxa de mortalidade por ano por 100.000 habitantes entre 2005 e 2009.[8] Ao longo de 2012, um total de 97 pessoas morreram em toda a Índia pelos diversos distúrbios relacionados com a violência religiosa.[9] A taxa média anual mundial de mortes por violência intencional, nos últimos anos, tem sido de 7,9 por 100.000 pessoas.[10]

Índia moderna[editar | editar código-fonte]

Em 2010, depois que um artigo escrito por Taslima Nasrin foi publicado num jornal local, alguns o consideraram ofensivo ao Islã. A violência religiosa sacudiu Shimoga Karnataka com incêndio criminoso generalizado (mostrado acima) e saques. Duas pessoas morreram e 100 ficaram feridas.[11]

Violência religiosa e motins em grande escala têm ocorrido periodicamente na Índia desde a sua independência do domínio colonial britânico.

Motins comunais em Gujarat (1969)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Distúrbios em Gujarat em 1969

A violência religiosa iniciou-se entre hindus e muçulmanos entre setembro e outubro de 1969, em Gujarat.[12] Foi a violência entre hindus e muçulmanos mais mortal desde a partição da Índia em 1947.[13][14]

Os motins começaram depois de um ataque a um templo hindu em Ahmedabad, mas rapidamente se expandiram para as principais cidades e vilas de Gujarat.[15] A violência incluiu ataques a chawls muçulmanos por seus vizinhos dalit hindus.[14] A violência continuou ao longo de uma semana, em seguida, o tumulto foi reiniciado um mês depois. .[15][16] Cerca de 660 pessoas foram mortas (430 muçulmanos, o restante hindus), 1.074 pessoas ficaram feridas e mais de 48 mil perderam suas propriedades.[14][17]

Motins anti-sikh (1984)[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970, os sikhs em Punjab buscavam autonomia e se queixavam da dominação pelos hindus.[18] O governo de Indira Gandhi prendeu milhares de sikhs por sua oposição e demandas particularmente durante emergência indiana.[18][19] Na tentativa de Indira Gandhi de "salvar a democracia” através do estado de emergência, a constituição da Índia foi suspensa, 140.000 pessoas foram presas sem o devido processo, dos quais 40.000 foram sikhs.[20]

Depois que a Emergência foi suspensa, durante as eleições, ela apoiou Jarnail Bhindranwale, líder sikh, em um esforço para comprometer o Akali Dal, o maior partido político sikh. No entanto, Bhindranwale começou a se opor ao governo central e mudou a sua base política para o Darbar Sahib (Templo Dourado) em Amritsar, exigindo a criação de Punjab como um novo país.[18] Em junho de 1984, sob as ordens de Indira Gandhi, o exército indiano atacou o Templo Dourado com tanques e veículos blindados. Milhares de sikhs morreram durante o ataque.[18] Em retaliação à invasão do Templo Dourado, Indira Gandhi foi assassinada em 31 de outubro 1984 por dois guarda-costas sikhs.

O assassinato provocou motins em massa contra os sikh.[18] Durante os pogroms anti-sikhs de 1984 em Delhi, as autoridades governamentais e policiais do partido Congresso Nacional Indiano auxiliaram gangues em atacar de "forma metódica e sistemática" os sikhs e suas casas.[21] Como resultado dos pogroms, entre 10.000 a 17.000 foram queimados vivos ou mortos de outra forma, a população sikh sofreu danos à propriedade em massa, e pelo menos 50 mil sikhs foram deslocados.[22]

Os motins de 1984 alimentaram o movimento de insurgência dos sikhs. Nos anos de pico da insurgência, a violência religiosa pelos separatistas, grupos patrocinados pelo governo, e os braços paramilitares do governo era endêmica em todos os lados. A Human Rights Watch relata que os separatistas foram responsáveis por "massacres de civis, ataques contra minorias hindus no estado, ataques à bomba indiscriminados em lugares aglomerados, e o assassinato de vários líderes políticos".[23] A Human Rights Watch também afirmou que a resposta do governo indiano "levou à detenção arbitrária, tortura, execuções extrajudiciais e desaparecimento forçado de milhares de sikhs".[23] A insurgência paralisou a economia do Punjab até que iniciativas de paz e eleições foram realizadas em 1990.[23] As denúncias de encobrimento e “blindagem” de líderes políticos do Congresso Nacional Indiano sobre o seu papel nos crimes do motim de 1984 têm sido generalizadas.[24][25][26]

Limpeza étnica dos hindus caxemires[editar | editar código-fonte]

Na região da Caxemira, aproximadamente 300 pânditas caxemires foram mortos entre setembro de 1989 a 1990, em vários incidentes. No início de 1990, os jornais locais urdus Aftab e Al Safam convocaram os caxemires para uma jihad contra a Índia e ordenaram a expulsão de todos os hindus que optassem permanecer na Caxemira. Nos dias seguintes homens mascarados corriam pelas ruas disparando com AK-47 para matar hindus que não saíram. Avisos foram colocados nas casas de todos os hindus, dizendo-lhes que deveriam sair dentro de 24 horas ou morreriam.[27]

Desde março de 1990, estimativas de entre 300.000 a 500.000 pânditas emigraram da Caxemira[28] devido à perseguição por fundamentalistas islâmicos no maior caso de limpeza étnica desde a partição da Índia.[29] A proporção de pânditas caxemires no vale da Caxemira diminuiu de cerca de 15% em 1947 para, segundo algumas estimativas, menos de 0,1% desde que a insurgência na Caxemira assumiu um interesse religioso e sectário.[30]

Muitos pânditas caxemires foram mortos por militantes islâmicos em incidentes como o massacre de Wandhama em 1998 e o massacre dos peregrinos do Templo Amarnath em 2000.[31][32][33][34][35] Os incidentes de massacres e expulsão forçada têm sido denominados de limpeza étnica por alguns observadores.[27]

Envolvimento religioso na militância no nordeste da Índia[editar | editar código-fonte]

A religião começou a desempenhar um papel crescente no sentido de reforçar as divisões étnicas entre décadas de movimentos separatistas militantes no nordeste da Índia.[36][37][38]

O grupo separatista Frente de Libertação Nacional de Tripura (NLFT) proclamou a proibição do culto hindu e atacou membros das tribos animistas Reang e hindus Jamatia, no estado de Tripura. Alguns líderes tribais que resistiram foram mortos e algumas mulheres das tribos estupradas.

Segundo o governo de Tripura, a Igreja Batista de Tripura está envolvida no apoio ao NLFT e duas autoridades da igreja foram presas em 2000, uma delas por posse de explosivos.[39] No final de 2004, a Frente Nacional de Libertação de Tripura proibiu todas as celebrações hindus de Durga Puja e Saraswati Puja.[39] Na insurgência Naga, militantes tentam explorar a base ideológica cristã para a sua causa.[40]

Violência contra muçulmanos[editar | editar código-fonte]

A história da Índia moderna tem muitos incidentes de violência entre comunidades. Durante a partição de 1947 houve violência religiosa entre muçulmanos e hindus, muçulmanos e sikhs e muçulmanos e jainas em uma escala gigantesca.[41] Centenas de tumultos religiosos foram registrados desde então, em todas as décadas na Índia independente. Nesses distúrbios, as vítimas incluíram muitos muçulmanos, hindus, sikhs, cristãos, jainas e budistas.

Em 6 de dezembro de 1992, os membros do Vishva Hindu Parishad e Bajrang Dal destruíram a Mesquita Babri Masjid de 430 anos em Ayodhya[42][43] - foi alegado pelos hindus que a mesquita foi construída sobre o local de nascimento da antiga divindade Rama (e uma corte de Allahabad em 2010 determinou que o local foi de fato um monumento hindu antes da mesquita ser construída ali, com base em provas apresentadas pelo Inquérito Arqueológico da Índia[44]). Esta ação alegadamente causou humilhação para a comunidade muçulmana. Os conflitos religiosos resultantes provocaram pelo menos 1.200 mortes.[45][46] Desde então, o governo da Índia bloqueou ou fortemente aumentou a segurança nesses locais disputados ao incentivar tentativas de resolver esses litígios através de processos judiciais e negociações.[47]

Na sequência da destruição da Mesquita Babri em Ayodhya por nacionalistas hindus em 6 de dezembro de 1992, motins ocorreram entre hindus e muçulmanos na cidade de Mumbai. Quatro pessoas morreram em um incêndio no mercado madeireiro Asalpha em Ghatkopar, cinco foram mortos no incêndio de Bainganwadi; barracos ao longo da linha de trajeto portuário entre as estações Sewri e Cotton Green foram destruídos; e um casal foi retirado de um riquixá na vila Asalpha e queimado até a morte.[48] Os motins alteraram bastante a demografia de Mumbai, uma vez que os hindus se mudaram para áreas de maioria hindu e os muçulmanos se mudaram para áreas de maioria muçulmana.

Muitos edifícios de Ahmedabad foram incendiados na violência em Gujarat em 2002.

O incidente do incêndio ao trem Godhra, no qual hindus foram queimados vivos, alegadamente por muçulmanos ao fechar a porta do trem, levaram aos distúrbios em Gujarat em 2002, no qual na maioria dos mortos foram muçulmanos em um ato de retaliação. De acordo com o número de mortos dado ao parlamento em 11 de maio de 2005 pelo governo da Aliança Progressista Unida, 790 muçulmanos e 254 hindus foram mortos e outros 2.548 feridos. 223 pessoas estão desaparecidas. O relatório colocou o número de viúvas do motim em 919 e 606 crianças foram declaradas órfãs.[49][50][51] De acordo com um grupo de defesa interno, o número de mortes passou de 2000.[52][53][54][55][56] De acordo com o Congressional Research Service até 2000 pessoas foram mortas na violência.[57]

Dezenas de milhares de pessoas foram deslocadas de suas casas por causa da violência. De acordo com a repórter do New York Times Celia Williams Dugger, as testemunhas ficaram consternadas com a falta de intervenção da polícia local, que muitas vezes assistia os acontecimentos e não tomou nenhuma ação contra os ataques aos muçulmanos e a sua propriedade.[58] Líderes do Sangh Parivar,[59][60] bem como o governo de Gujarat[61][62] sustentam que a violência foi tumultos ou conflitos intercomunitários - reação espontânea e incontrolável pelo incêndio do trem Godhra.

O governo da Índia aplicou quase todas as recomendações do Comitê de Sachar para ajudar os muçulmanos.[63][64]

Violência contra cristãos[editar | editar código-fonte]

Um relatório de 1999 da Human Rights Watch indica níveis crescentes de violência religiosa contra os cristãos na Índia, perpetrados por organizações hindus.[65][66] Em 2000, os atos de violência religiosa contra os cristãos incluíram reconversão forçada de cristãos convertidos ao hinduísmo, distribuição de literatura ameaçadora e destruição de cemitérios cristãos.[65]

Em Orissa, a partir de dezembro de 2007, os cristãos foram atacados em Kandhamal e outros distritos, o que resultou na morte de dois hindus e um cristão, e a destruição de casas e igrejas. Os hindus afirmaram que os cristãos mataram um santo hindu Laxmananand, e os ataques aos cristãos foram retaliação. Entretanto, não houve provas conclusivas para apoiar esta reivindicação.[67][68][69][70][71] Vinte pessoas foram detidas na sequência dos ataques às igrejas.[70] Da mesma forma, a partir de 14 de setembro de 2008, houve vários incidentes de violência contra a comunidade cristã em Karnataka.

Em 2007, os missionários cristãos estrangeiros se tornaram alvos de ataques.[72] Um missionário australiano, foi queimado vivo enquanto estava dormindo em sua caminhonete na vila Manoharpur no distrito de Keonjhar em Orissa, em janeiro de 1999.[65][72][73][74] Em 2003, Dara Singh foi condenado por liderar a gangue responsável.[75][76][77]

Em seus relatórios anuais sobre os direitos humanos de 1999, o Departamento de Estado dos Estados Unidos criticou a Índia pelo "aumento da violência social contra os cristãos".[78] O relatório listou mais de 90 incidentes de violência anticristã, que vão desde danos ao patrimônio religioso à violência contra peregrinos cristãos.[78]

Em Madhya Pradesh, pessoas não identificadas deformaram duas estátuas dentro da Igreja de São Pedro e Paulo em Jabalpur em chamas.[79] Em Karnataka, a violência religiosa foi direcionada contra os cristãos em 2008.[80]

Violência contra hindus[editar | editar código-fonte]

A passagem para o mandap permanente de Durga de Chattalpalli sendo fechada para evitar que os hindus entrassem na área.

Tem ocorrido uma série de ataques mais recentes a templos hindus e aos hindus por militantes muçulmanos. Destacam-se entre eles estão o massacre de Chamba de 1998, os ataques fidayeen no Templo Raghunath em 2002, o ataque ao Templo Akshardham em 2002 supostamente perpetrado pela organização terrorista islâmica Lashkar-e-Toiba[81] e os atentados de Varanasi em 2006 (supostamente perpetrados pelo Lashkar-e-Toiba ), resultando em muitas mortes e feridos. Os recentes ataques contra hindus por multidões de muçulmanos incluem o massacre de Marad, o incêndio no trem Godhra , etc.

Em agosto de 2000, Swami Shanti Kali, um popular sacerdote hindu, foi morto a tiros dentro de seu ashram, no estado indiano de Tripura. Os relatórios da polícia sobre o incidente identificaram dez membros da organização militante cristã NLFT, como sendo responsáveis pelo assassinato. Em 4 de dezembro de 2000, quase três meses depois de sua morte, um ashram, instituído por Shanti Kali em Chachu Bazar perto da delegacia de polícia de Sidhai foi invadido por militantes cristãos pertencentes à NLFT. Onze dos ashrams do sacerdote, escolas e orfanatos em todo o estado foram fechados pela NLFT.

Em setembro de 2008, Swami Laxmanananda, um popular guru hindu regional foi assassinado junto com quatro de seus discípulos por atacantes desconhecidos (embora uma organização maoísta mais tarde assumisse a responsabilidade por isso[82][83]), alegadamente devido à oposição provocativa do guru das atividades de conversão e propaganda missionária dos cristãos [carece de fontes?]. Mais tarde, a polícia prendeu três cristãos em conexão com o assassinato.[84] O deputado do Congresso Radhakant Nayak também tem sido apontado como uma pessoa suspeita no assassinato, com alguns líderes hindus pedindo a sua prisão.[85]

Incidentes menores de violência religiosa aconteceram em muitas cidades e vilas na Índia. Em outubro de 2005, cinco pessoas foram mortas em Mau em Uttar Pradesh durante um tumulto entre hindus e muçulmanos, que foi desencadeado pela proposta de celebração de um festival Hindu.[86]

Em 3 e 4 de janeiro de 2002, três hindus e dois muçulmanos foram mortos em Marad, perto Calecute devido a confrontos entre dois grupos que começaram depois de uma disputa por água potável.[87][88] Em 2001 três muçulmanos foram mortos por Rashtreeys Sevak Sangam ; em resposta a este incidente, em 2 de maio de 2003, oito hindus foram mortos por uma multidão de muçulmanos, no que se acredita ser uma continuação do incidente anterior.[88][89] Um dos agressores, Mohammed Ashker foi morto durante o caos . A Frente Nacional de Desenvolvimento (NDF), uma organização militante islâmica de direita foi suspeita como perpetradora do massacre de Marad.[90]

Nos distúrbios de Deganga em 2010 depois que centenas de estabelecimentos comerciais e residências hindus foram saqueadas, destruídas e queimadas, dezenas de hindus foram gravemente feridos e vários templos hindus profanados e vandalizados por multidões islamitas liderada pelo deputado do Trinamul Congress Haji Nurul Islam.[91] Três anos mais tarde, durante os motins de Canning em 2013, várias centenas de empresas hindus foram alvejadas e destruídas por multidões islâmicas, no estado indiano de Bengala Ocidental.[92][93]

A violência religiosa provocou morte, ferimentos e danos a inúmeros hindus.[94][95] Por exemplo, 254 hindus foram mortos nos motins de Gujarat em 2002, dos quais metade foram mortos em disparos da polícia e o restante pelos desordeiros.[96][97][98] Nos tumultos de Bombaim em 1992, 275 hindus morreram.[99]


Referências

  1. «Census of India: Population by religious communities». 2001 
  2. (A) Violette Graff and Juliette Galonnier (2013), Hindu-Muslim Communal Riots in India II (1986-2011) Encyclopedia of Mass Violence, SciencesPo, Institut d'Etudes Politiques de Paris, France; (B) Violette Graff and Juliette Galonnier (2013), Hindu-Muslim Communal Riots in India I (1947-1986) Encyclopedia of Mass Violence, SciencesPo, Institut d'Etudes Politiques de Paris, France
  3. Rao, Prabhakar (dezembro de 2007). «Should religions try to convert others?». Consultado em 13 de março de 2015. Arquivado do original em 10 de março de 2012 
  4. «Teachings of religious tolerance and intolerance in world religions» 
  5. Subrahmaniam, Vidya (6 de novembro de 2003). «Ayodhya: India's endless curse» 
  6. «A new breed of missionary». The Christian Science Monitor. 1 de abril de 2005 
  7. «India:Events of 2007». Consultado em 13 de março de 2015. Arquivado do original em 4 de abril de 2008 
  8. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome prsindia
  9. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome toi2013
  10. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome gede
  11. Two killed in Shimoga as newspaper sparks Muslim riots Reuters (March 2, 2010)
  12. «History of Communal Violence in Gujarat». Concerned Citizens Tribunal - Gujarat 2002 
  13. Christophe Jaffrelot (2010). Religion, Caste, and Politics in India. [S.l.]: Primus Books. 377 páginas. ISBN 978-93-80607-04-7. Consultado em 6 de fevereiro de 2013 
  14. a b c Laurent Gayer; Christophe Jaffrelot (30 de maio de 2012). Muslims in Indian Cities: Trajectories of Marginalisation. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 53–60. ISBN 978-0-231-70308-6 
  15. a b Richard Edmund Ward (1992). India's Pro-Arab Policy: A Study in Continuity. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. p. 91. ISBN 978-0-275-94086-7 
  16. Subrata Kumar Mitra (2006). The Puzzle of India's Governance: Culture, Context And Comparative Theory. [S.l.]: Routledge. p. 140. ISBN 978-0-415-34861-4. Consultado em 6 de fevereiro de 2013 
  17. Yasmeen Peer (2007). Communal Violence in Gujarat: Rethinking the Role of Communalism and Institutionalized Injustices in India. [S.l.]: ProQuest. pp. 103–104. ISBN 978-0-549-51753-5 
  18. a b c d e Charny, Israel W. (1999). Encyclopedia of genocide. [S.l.]: ABC-CLIO. pp. 516–517. ISBN 978-0-87436-928-1. Consultado em 21 de fevereiro de 2011 
  19. J.S. Grewal, The Sikhs of the Punjab, (Cambridge, Cambridge University Press, 1990) 213
  20. J.S. Grewal, The Sikhs of the Punjab, (Cambridge, Cambridge University Press, 1990) 214; Inder Malhotra, Indira Gandhi: A Personal and Political Biography, (London/Toronto, Hodder and Stoughton, 1989) 178
  21. Kaur, Jaskaran; Crossette, Barbara (2006). Twenty years of impunity: the November 1984 pogroms of Sikhs in India (PDF) 2nd ed. Portland, OR: Ensaaf. pp. 3–5. ISBN 0-9787073-0-3 
  22. Mukhoty, Gobinda; Kothari, Rajni (1984). «Who are the Guilty ?». People's Union for Civil Liberties 
  23. a b c Protecting the Killers: A Policy of Impunity in Punjab, India (PDF). Volume 19, No. 14(C). [S.l.]: Human Right Watch. 17 de outubro de 2007. pp. 1–2  C1 control character character in |páginas= at position 3 (ajuda)
  24. Mustafa, Seema (9 de agosto de 2005). «1984 Sikhs Massacres: Mother of All Cover-ups». The Asian Age. p. 1 
  25. Agal, Renu (11 de agosto de 2005). «Justice delayed, justice denied». BBC News 
  26. «Leaders 'incited' anti-Sikh riots». BBC News. 8 de agosto de 2005 
  27. a b «When Kashmiri pandits fled Islamic Terror». Rediff.com 
  28. Kashmir's Pandits accuse Election Commission of discrimination against them OneIndia – 4 May 2009
  29. «Kashmiri Pandits in Nandimarg decide to leave Valley». Outlook. 30 de março de 2003 
  30. Kashmir: The scarred and the beautiful. New York Review of Books, 1 May 2008, p. 14.
  31. «'I heard the cries of my mother and sisters'». Rediff. 27 de janeiro de 1998 
  32. «Migrant Pandits voted for end of terror in valley». The Tribune. 27 de abril de 2004 
  33. «At least 58 dead in 2 attacks in Kashmir». CNN. 2 de agosto de 2000 
  34. «City shocked at killing of Kashmiri Pandits». The Times of India. 25 de março de 2003 
  35. Phil Reeves (25 de março de 2003). «Islamic militants kill 24 Hindus in Kashmir massacre». The Independent. Consultado em 7  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  36. Fernandes, Edna (2006). «Part II: The Crusaders, Chapter 11: 'Nagaland for Christ'». Holy Warriors: A Journey Into the Heart of Indian Fundamentalism. [S.l.]: Penguin Global. ISBN 978-0-670-05870-9 
  37. Subir Bhaumik (maio de 2004). «Religious Radicalism and Security in South Asia» (PDF). Asia-Pacific Center for Security Studies  |contribuição= ignorado (ajuda)
  38. «Anatomy of an Insurgency Ethnicity & Identity in Nagaland». Satp.org 
  39. a b «Church backing Tripura rebels». BBC. 18 de abril de 2000 
  40. Parratt (2003). «Christianity, ethnicity and structural violence: The north-east India case». Kangla Online. Consultado em 10 de março de 2008. ... it is clear that the Naga insurgency movements in India ... have to a degree a Christian ideological base... In the earlier days of the movement (Phanjoubam 1993:125) volunteer gospel teams preached under armed guard (one might almost say gun in one hand Bible in the other), and the conduct of the jungle camps was (and to some extent remains, like those in Myanmar) ordered by Christian spiritual activities. As with the non-Christian Meitei movements, the NSCN tended towards puritannical life style, banning alcohol and drugs, and discouraging sexual immorality. Provision of social amenities, like schools and clinics, goes hand in hand with religious teaching. [ligação inativa] 
  41. Gaborieau, Marc (junho de 1985). «From Al-Beruni to Jinnah: Idiom, Ritual and Ideology of the Hindu-Muslim Confrontation in South Asia». Anthropology Today. 1 (3): 7–14 
  42. «The Context of Anti-Christian Violence». Hrw.org 
  43. Tully, Mark (5 de dezembro de 2002). «Tearing down the Babri Masjid». BBC News 
  44. «Issues For Briefing» (PDF) 
  45. Gargan, Edward A. (16 de dezembro de 1992). «India, Acting on Militants, Ousts Local Rulers». New York Times 
  46. Serrill, Michael S. (21 de dezembro de 1992). «The Unholy War». New York Times 
  47. «Ayodhya excavation: Digging for trouble». 13 de março de 2003 
  48. Bombay Riots (1993),The Times Group
  49. Gujarat riot death toll revealed,BBC
  50. BJP cites govt statistics to defend Modi,Indian Express
  51. 254 Hindus, 790 Muslims killed in post-Godhra riots,Indiainfo.com
  52. Human Rights Watch 2006, p. 265.
  53. Why is Narendra Modi in Wembley?,The Guardian
  54. «India's Calculated Ethnic Violence». Digitalnpq.org 
  55. «Communal violence and nuclear stand-off». Csudh.edu 
  56. Dargis, Manohla. «India in crisis». International Herald Tribune 
  57. «India-U.S. Relations» (PDF) 
  58. Dugger, Celia W. Hindu Rioters Kill 60 Muslims in India New York Times. New York, N.Y.:1 March 2002. [1]
  59. «People Wanted Revenge And Got It». Outlook. 18 de março de 2002 
  60. «Muslim forum flays RSS resolution». The Hindu. Chennai, India. 19 de março de 2002 
  61. «Sectarian violence in India». The Economist. 1 de maio de 2002 
  62. «NGO says Gujarat riots were planned». BBC News Online. 19 de março de 2002 
  63. «Implementation of Sachar Committee recommendations». http://pib.nic.in/newsite/mainpage.aspx. Press Information Bureau, Government of India. 13 de julho de 2009 
  64. «Sachar Committee Report». http://www.minorityaffairs.gov.in. Ministry of Minority Affairs, Government of India. 5 de março de 2014. Arquivado do original em 17 de março de 2014 
  65. a b c «Anti-Christian Violence on the Rise in India» 
  66. Ram Puniyani (2003). Communal Politics: Facts Versus Myths. [S.l.]: SAGE. p. 167. ISBN 0-7619-9667-2 
  67. «Orissa carnage: Christian group demands CBI probe». The Times of India. 30 de dezembro de 2007 
  68. «India: Stop Hindu-Christian Violence in Orissa» 
  69. «Stop the hate crime» 
  70. a b «Fresh violence in Orissa, curfew continues» 
  71. «Church Attack: Indefinite curfew in Orissa». Consultado em 13 de março de 2015. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2007 
  72. a b «Hindu Extremists Attack Indian Churches, Torch Home of Prominent Christian». Consultado em 13 de março de 2015. Arquivado do original em 21 de outubro de 2012 
  73. Catholic priest killed in Mathura
  74. INDIA
  75. The Staines case verdict Arquivado em 1 de setembro de 2010, no Wayback Machine. V. Venkatesan, Frontline Magazine, 11–23 Oct 2003
  76. «Foreign News: Ex-Butterfly». Time. 6 de junho de 1932 
  77. «His faith, our faith - Hindustan Times». hindustantimes.com 
  78. a b «US rights report slams India for anti-Christian violence». 27 de fevereiro de 1999 
  79. «150-yr-old church set afire in Madhya Pradesh». The Times of India. 20 de setembro de 2008 
  80. «Protest in Delhi over violence against Christians - Thaindian News». thaindian.com 
  81. Bajrang Dal launches campaign,The Tribune
  82. «We killed Swami, Maoists say again» (Nota de imprensa). The Times of India. 6 de outubro de 2008 
  83. 'Majority of Maoist supporters in Orissa are Christians' The Hindu – 5 October 2008
  84. 3 arrested in Laxmanananda murder case Indian Express – 7 October 2008
  85. Net closes in on Cong MP for Orissa swami’s murder Indian Express – 27 December 2008
  86. Human Rights Watch World Report 2006
  87. «Kerala Communal Clashes: 62 get life for killing 8». The Tribune. 15 de janeiro de 2009 
  88. a b Marad can yet be retrieved
  89. «IMC India – 8 Hindus hacked to death by muslim mob in kerala». Consultado em 13 de março de 2015. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 
  90. NDF behind Marad massacre?
  91. Bandyopadhyay, Sabyasachi (14 de setembro de 2010). «Riot-scarred Deganga says Trinamool MP 'main villain'». Indian Express. Kolkata 
  92. Caesar Mandal (20 de fevereiro de 2013). «Violence after villager murder» 
  93. «West Bengal: 200 homes torched, shops ransacked in riots». Oneindia News. 21 de fevereiro de 2013 
  94. «Govt releases data of riot victims identifying religion - Indian Express». archive.indianexpress.com 
  95. «Government releases data of riot victims identifying religion - Hindustan Times». hindustantimes.com 
  96. «Who killed 254 Hindus in Gujarat? - Sify.com». sify.com 
  97. «Riots hit all classes, all faiths - The Times of India». timesofindia.indiatimes.com 
  98. «Out of Control». indiatoday.com 
  99. «Special: Mumbai riots a planned, perfected pogrom? - IBNLive». ibnlive.in.com 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]