Dálite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dalit)
Disambig grey.svg Nota: "Pária" e "Intocável" redirecionam a este artigo. Para o grupo étnico ou casta do sul da Índia e Sri Lanca, veja Paraiyar. Para outros significados, veja Intocáveis.

O termo dálite[1] (dalit) foi utilizado pela primeira vez em finais do século XIX pelo ativista Jyotirao Phule para designar o que, no sistema de castas do hinduísmo, são designados como "xudras", grupo formado por trabalhadores braçais, considerados pelos escritos bramânicos, sobretudo o Manava Darmaxastra, como "intocáveis" e impuros. O termo deriva de uma palavra em sânscrito que significa tanto "chão" quanto "feito aos pedaços". Desse modo, conota que a condição dos "dálites" é de oprimido e, portanto, não podem reverter essa situação. O termo, assim, é considerado preferível, pelos ativistas e intelectuais dálites, aos mais pejorativos "xudra" e "intocáveis".

Uma das mais relevantes personalidades dálites do século XX foi Dr. Ambedkar, jurista e primeiro ministro da justiça da Índia livre. Boa parte da resistência dos dálites no século XX advém de sua herança intelectual. Dentre os instrumentos constitucionais que a ele são devidos, consta a liberdade religiosa e proibição da intocabilidade - embora, na prática, muito preconceito ainda esteja vigente, mesmo nos dias de hoje.

O principal texto a organizar a sociedade de castas do hinduísmo são as Leis de Manu, ou Manavadarmasastra (em sânscrito). Segundo tal texto, recorrendo a um mito mais antigo dos Vedas, a criação foi assim realizada:

Brama criou os homens a partir das várias partes do seu corpo, gerando assim as castas:

  • brâmanes: os guardiões da ciência e os sacerdotes, que se originaram da boca de Brahma;
  • xátria: guerreiros e governantes, criados a partir dos braços da divindade;
  • vaixás: agricultores, pastores e comerciantes, originados das suas coxas;
  • sudras: servos, originados dos seus pés.

Há, apenas, essas quatro castas no sistema tradicional, não existindo uma quinta. Há muita confusão entre dois termos sânscritos, igualmente traduzidos por "casta", ou seja, "varna" e "jati". A primeira é em número de quatro, e apenas quatro. As jatis, por sua vez, são inúmeras. São comunidades endogâmicas, cada qual alocada numa posição no sistema anterior, de quatro castas.

Gandhi foi um grande crítico da exclusão dos dálites e os definiu como harijans, filhos de Hari. Suas críticas, porém, foram consideradas insuficientes por Ambedkar, por considerá-las de teor paternalista e, dessa forma, depreciativa quanto à liberdade e respeito em relação aos dálites. Tal impasse gerou inúmeros conflitos entre as duas grandes personalidades da independência indiana, incluindo uma greve de fome por parte de Gandhi, que não aceitava a destinação diferenciada de vagas nas universidades aos dálites, naquilo que é considerada uma das primeiras ações afirmativas em todo o mundo, proposta por Ambedkar. A partir das propostas desse último, a Constituição de 1947 não apenas proibiu a discriminação por castas, como instituiu leis específicas para promoções afirmativas e o acesso à educação e a postos de trabalho melhor remunerados.

Hoje em dia o sistema de castas da Índia é proibido, embora subsistam diferenciações em situações religiosas. Socialmente, pessoas de origem dálite podem alcançar lugares de destaque na sociedade. Em 1997, a Índia elegeu K. R. Narayanan, de origem dálite, enquanto presidente da Índia.

Subgrupos[editar | editar código-fonte]

Os dálites do norte da Índia incluem os dombas, chandalas, aqueles que trabalham com couro ( os chamar), com carcaças de animais (os mahar), os fazendeiros pobres, trabalhadores sem terra, escavadores de fossas (os bhangi), artesãos de rua, artistas folclóricos, varredores (chura) e lavadores de rua (dhobi). No sul da Índia, destacam-se os paraya, pulaya, mala, madiga como os mais importantes grupos dálites.

Etimologia e uso[editar | editar código-fonte]

A palavra dálite é uma forma vernacular do sânscrito दलित (dalita). Em sânscrito clássico, isso significa "dividido, dividido, quebrado, disperso". Esta palavra foi reutilizada no sânscrito do século XIX para significar "(uma pessoa) não pertencente a uma das quatro castas brâmanes".[2] Foi talvez o primeiro a ser usado neste sentido pelo reformador social baseado em Pune, no contexto da opressão enfrentada pelas antigas castas "intocáveis" de outros hindus.[3]

Intocáveis[editar | editar código-fonte]

Os intocáveis na sociedade hindu são aqueles que trabalham com trabalhos considerados indignos, sujos, lidando com os mortos (animais ou pessoas), com o lixo, ou outros empregos que requerem constante contato com aquilo que o resto da sociedade indiana considera abjeto e desagradável. São considerados individualmente imundos, impuros, e portanto não podem ter contato físico com os 'puros', vivendo separados do resto das pessoas. Ninguém pode interferir na sua vida social, pois os intocáveis são considerados menos que humanos e não são considerados parte do sistema de castas. Embora tenha sido abolido pela constituição, observa-se, na prática, que muitas comunidades continuam ligadas aos empregos que lhes eram destinados tradicionalmente, casam-se entre si e sofrem a discriminação da sociedade circundante, o que pode ser visto como resquício da sociedade de castas.

Umas das principais restrições enfrentadas por dálites ao longo de toda a história consta a de não poderem rezar ou adentrar os templos. Isso é objeto de crítica desde a Índia medieval por parte de grandes reformadores sociais e poetas como Kabir.

Nenhum intocável pode entrar no templo, pois iriam poluí-lo e impurificá-lo.

Referências

  1. «Dálite». Michaelis 
  2. "Dalit, n." OED Online. Oxford University Press, June 2016. Web. 23 August 2016.
  3. Mendelsohn, Oliver; Vicziany, Marika (1998). The Untouchables: Subordination, Poverty and the State in Modern India. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-55671-2 
Ícone de esboço Este artigo sobre demografia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.