Crise de Timor-Leste de 1999

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A crise em Timor-Leste de 1999 começou quando as forças de oposição à independência deste país atacaram civis e criaram uma situação de violência generalizada em toda a região, principalmente na capital, Díli. A violência começou depois que a maioria dos timorenses votaram pela independência da Indonésia num referendo realizado em 1999.[1] Para impedir esses incidentes, que mataram cerca de 1 400 pessoas, fez-se necessário a implantação de uma força da Organização das Nações Unidas, (Força Internacional para Timor-Leste, formada principalmente por membros do Exército Australiano) para pacificar a situação e manter a paz.

Antecedentes: referendo[editar | editar código-fonte]

Em 1999, o governo indonésio decidiu, sob forte pressão internacional, realizar um referendo sobre o futuro de Timor-Leste. Portugal, que desde a invasão do território lutava pela sua independência, obteve alguns aliados políticos, em primeiro lugar na União Europeia, e depois de vários países do mundo, para pressionar a Indonésia. O referendo, realizado a 30 de agosto de 1999, deu uma clara maioria (78,5%) a favor da independência, rejeitando a proposta alternativa de Timor-Leste ser uma província autónoma no seio da Indonésia,[1] conhecida como a Região Autónoma Especial de Timor-Leste (RAETL).

Violência[editar | editar código-fonte]

Díli (2000).

Imediatamente após a publicitação dos resultados da votação, as forças paramilitares pró-indonésias de Timor-Leste, apoiadas, financiadas e armadas pelos militares e soldados indonésios realizaram uma campanha de violência e terrorismo de retaliação pelo resultado.[1] Cerca de 1 400 timorenses foram mortos e 300 000 timorenses foram forçados a deslocar-se para Timor Ocidental, a parte indonésia da ilha de Timor, como refugiados. A maioria da infraestrutura do país, incluindo casas, escolas, igrejas, bancos, sistemas de irrigação, sistemas de abastecimento de água e quase 100% da rede elétrica do país foram destruídos. Segundo Noam Chomsky: "Num mês, a grande operação militar assassinou cerca de 2 000 pessoas, estuprou centenas de mulheres e meninas, deslocou três quartos da população e destruiu 75% das infraestruturas do país."[2]

Força Internacional para Timor-Leste[editar | editar código-fonte]

Em todo o mundo, especialmente em Portugal, Austrália e Estados Unidos, os ativistas pressionaram os seus governos para tomarem medidas, e o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, ameaçou a Indonésia com sanções económicas, como a retirada dos empréstimos do Fundo Monetário Internacional.[3] O governo da Indonésia aceitou retirar as suas tropas e permitir que uma força multinacional no território para estabilização.[4] Ficou claro que a ONU não tinha recursos suficientes para combater as forças paramilitares diretamente. Em vez disso, a ONU autorizou a criação de uma força militar multinacional conhecida como Força Internacional para Timor-Leste (InterFET), com a Resolução 1264. A 20 de setembro de 1999 as tropas de paz da Força Internacional para Timor-Leste (InterFET), liderada pela Austrália, foram implantadas no país, o que pacificou a situação rapidamente.

As tropas da InterFET eram provenientes de vinte países, sendo cerca de 9 900 no total, no início; destes, 5 500 vieram da Austrália, da Nova Zelândia vieram 1 100 e ainda houve contingentes da Alemanha, Bangladexe, Brasil, Canadá, Coreia do Sul, Estados Unidos da América, Filipinas, França, Irlanda, Itália, Malásia, Noruega, Paquistão, Portugal, Quénia, Reino Unido, Singapura e Tailândia. A força foi conduzida pelo major-general Peter Cosgrove. As tropas desembarcam em Timor-Leste a 20 de setembro de 1999.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Ocurrió en Timor». El País (em espanhol). 7 de setembro de 1999 
  2. Chomsky, Noam; Otero, C.P. (2003). Radical Priorities (em inglês) 3.ª ed. Edimburgo: AK Press. p. 72. ISBN 978-1902593692 
  3. Valenzuela, Javier (11 de setembro de 1999). «Annan y Clinton denuncian la anarquía en Timor y piden una rápida intervención internacional». El País (em espanhol) 
  4. García, Javier (12 de setembro de 1999). «Indonesia cede a la presión internacional». El País (em espanhol)