Timor pré-colonial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Timor é uma ilha do Sudeste Asiático, considerada geologicamente um fragmento da crosta continental, que se situa ao lado da plataforma da Sonda, sendo uma das principais ilhas ao lado de Java e a Nova Guiné.[1] A história timorense foi moldada pelo colonialismo europeu desde 1515, no período em que o território foi dividido pelos holandeses ao oeste (atual Timor Ocidental na Indonésia) e pelos portugueses ao leste da ilha (atualmente conhecida como República Democrática de Timor-Leste).

Pré-história[editar | editar código-fonte]

A ilha de Timor foi povoada durante as migrações que moldaram a região da Australásia. Os antropólogos descrevem que os primeiros habitantes humanos no território foram os vedo-australoides, que chegaram do norte e oeste entre cerca de quarenta e dois mil anos atrás.[2][3][4] Em 2011, foram descobertos vestígios na caverna de Jerimalai, que mostram que estes primeiros colonos possuíam competências marítimas de alto nível, e implicitamente a tecnologia necessária para fazer travessias até a Austrália e outras ilhas, onde pescavam e consumiam um grande número de peixes como o atum.[5][6] Esta foi uma das primeiras evidências encontradas no mundo, sobre a tecnologia avançada da pesca de profundidade. Estas escavações também descobriram um dos anzóis mais antigos do mundo, de onze mil anos.[7][8]

A segunda migração por melanésios iniciou-se c. 3 000 a.C.,[9] após a mudança dos povos vedo-australoides ao interior montanhoso. Por último, os proto-malaios chegaram ao território timorense a partir do sul da China e do norte da península Indochinesa. Os comerciantes hacás são descendentes deste último grupo.[10] Alguns historiadores afirmam que os antepassados timorenses vieram da península da Malásia e o grupo étnico minangkabau das terras altas de Sumatra.[11]

Os timorenses na sua região[editar | editar código-fonte]

Os timorenses não eram povos marítimos, mas sim povos centrados em terra que não faziam contacto com outras ilhas e povos pelo mar. Timor era parte de uma região de pequenas ilhas pouco populosas por povos também centrados em terra que agora compõem a Indonésia oriental. O contacto com o mundo exterior ocorreu através dos comerciantes marítimos dos países como a China e a Índia que serviam o arquipélago. Além do comércio de escravos, os produtos comercializados na região eram o metal, arroz, os tecidos delicados, as moedas trocadas por especiarias locais, o sândalo, os chifres de cervos e a cera de abelhas.[11]

Na obra Nagarakretagama, as crónicas do Império de Majapait, Timor era designado como tributário,[12] mas o boticário português Tomé Pires escreveu no século XVI, que todas as ilhas de Java eram chamadas "Timor".[13] As crónicas do Império Majapait foram usadas no nacionalismo indonésio para reivindicar o território de Timor-Leste como parte da Indonésia.[14] Os primeiros exploradores europeus relatam que a ilha possuía pequenas chefaturas ou principados no início do século XVI, uma das mais significativas foi Wehali ou o reino de Wehale no centro de Timor, ao qual se alinharam os grupos étnicos tétum, búnaque e quémaque.[15]

No início do século XVI, os colonialistas europeus dividiram a ilha de Timor (os portugueses ao leste e os holandeses ao oeste), isolando os timorenses das histórias do arquipélago circundante.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Monk, Fretes & Reksodiharjo-Lilley 1996, p. 41–43
  2. «Sobre Timor-Leste». Sítio da presidência da República Democrática de Timor-Leste. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  3. «História de Timor-Leste». Sítio de José Ramos-Horta 
  4. Cunha, Luis Miguel Pinheiro da. «O impacto da cultura e sociedade europeias em Timor-Leste: aspectos de transculturação e de globalização» (PDF). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  5. Lusa (25 de novembro de 2011). «Descobertas em Timor-Leste revelam que humanos já pescavam há 42 mil anos». SAPO Notícias. SAPO 
  6. «Evidence of 42,000 year old deep sea fishing revealed». Past Horizons (em inglês). 26 de novembro de 2011. Consultado em 7 de novembro de 2016. Arquivado do original em 30 de abril de 2014 
  7. Zukerman, Wendy (24 de novembro de 2011). «Deep sea fishing for tuna began 42,000 years ago». New Scientist (em inglês) 
  8. «Anzóis com 23 mil anos descobertos em Timor-Leste». Diário de Notícias. 26 de novembro de 2011 
  9. Lea 2001, p. 42
  10. «História». Portal do governo de Timor-Leste. Consultado em 7 de novembro de 2016. Resumo divulgativoVersão em inglês 
  11. a b Taylor 2003, p. 378
  12. a b Taylor 2003, p. 377
  13. Magalhães, António Pinto Barbedo de (24 de outubro de 1994). «Population Settlements in East Timor and Indonesia» (em inglês). Universidade de Coimbra 
  14. «History of Timor» (PDF). Instituto Superior de Economia e Gestão (em inglês). Universidade de Lisboa. Consultado em 7 de novembro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 24 de março de 2009 
  15. «Pre-colonial history» (PDF). Centro de Estudos do Sudeste Asiático (em inglês). Universidade do Norte de Ilinóis. Consultado em 7 de novembro de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]