História da Indonésia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Réplica do crânio do Homem de Java, originalmente descoberto em Sangiran, Java Central.

A História da Indonésia foi moldada por sua posição geográfica, seus recursos naturais, a série de migrações humanas, contatos, economia e comércio, conquistas e política. A Indonésia é um país arquipélago de 17.508 ilhas (6.000 habitadas) que se estende ao longo do equador no Sudeste Asiático.

A posição estratégica do país promoveu o comércio internacional. O comércio, desde então, tem fundamentalmente moldado a história da Indonésia. A área da Indonésia é habitada por povos de várias migrações, criando uma diversidade de culturas, etnias e idiomas. Os acidentes geográficos do arquipélago e o clima, influenciaram significativamente a agricultura e o comércio, assim como a formação dos estados.

Pré-independência[editar | editar código-fonte]

A era dos Estados Islâmicos[editar | editar código-fonte]

Entrada do mausoléu de Agung de Mataram, no cemitério real de Imogiri, Yogyakarta.

Por volta do Século X, com a chegada de navegadores árabes provenientes do Omã e da Índia, o islamismo chegou ao arquipélago e, com ele, a expansão do Ummah Islâmico.

Quando o califado passou para as mãos dos Otomanos, foi iniciado um grande intercâmbio cultural entre as duas partes do oceano Índico e entre o Atlântico e o distante oceano Pacífico. Com a derrota dos safávidas em Tabriz e a aliança com os Moguls na Índia, os otomanos abriram as portas para o Extremo Oriente, e as fecharam para o Ocidente.[1]

O bloqueio comercial otomano provocou uma incansável busca por um caminho para as terras onde eram produzidas as especiarias. Os europeus ali chegaram em princípios do século XVI. Em 1511, Francisco Serrão e António de Abreu chegam às Ilhas Molucas e, na sua vontade de monopolizar o comércio das especiarias, lutam contra os diversos sultanatos islâmicos - luta que encaravam quase que como uma cruzada, já que tais sultanatos eram submetidos econômica e culturalmente ao califado otomano, apesar da imensa distância.

Período colonial[editar | editar código-fonte]

Fim da Guerra de Java (1825 - 1830): rendição do Príncipe Diponegoro ao General De Kock.

Começando no Século XVI, as sucessivas ondas de europeus - portugueses, espanhóis, holandeses e britânicos - procuraram dominar o comércio de especiarias em suas fontes na Índia e nas Ilhas Molucas da Indonésia. Isto significava encontrar um caminho para a Ásia, para recortar os comerciantes muçulmanos que, com sua saída de Veneza no Mediterrâneo, monopolizaram as importações de especiarias para a Europa. Com preços astronômicos na época, as especiarias eram altamente cobiçadas, não só para preservar e tornar a carne mal conservada aceitável, mas também como medicamentos e poções mágicas.

A chegada dos europeus no Sudeste Asiático é muitas vezes considerada como o divisor de águas em sua história. Outros estudiosos consideram este ponto de vista insustentável, argumentando que a influência européia durante os tempos das primeiras chegadas, nos Séculos XVI e XVII, foi limitada em termos de área e profundidade. Isto é, em parte, devido à Europa não ser a área mais avançada ou dinâmica do mundo no início do Século XV. Pelo contrário, a força expansionista principal deste tempo foi o Islão; em 1453, por exemplo, os turcos otomanos conquistaram Constantinopla, enquanto o Islão continuou a se espalhar através da Indonésia e das Filipinas. A influência européia, particularmente a dos holandeses,não teria o seu maior impacto na Indonésia até os Séculos XVIII e XIX.

Independência[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Países Baixos foram ocupados pela Alemanha perderam a sua colónia para os japoneses. Com o fim da guerra, Sukarno, que tinha cooperado com os japoneses, declarou a independência da Indonésia.[2] Porém, os aliados apoiaram as forças neerlandesas na tentativa de recuperar a sua colónia. A guerra pela independência, denominada Revolução Nacional Indonésia, durou quatro anos e, sob pressão internacional, os Países Baixos foram forçados a reconhecer o novo estado.[3]

Período após a independência[editar | editar código-fonte]

A nova ordem[editar | editar código-fonte]

Nos anos 50 e 60, a ideologia anti-imperialista de Sukarno acabou por tornar a Indonésia crescentemente dependente da União Soviética e depois, da China. Ele alinhou-se ao socialismo e entrou em guerra com a Malásia. Em 1965 deu-se uma tentativa de golpe de estado. O general Suharto, que tinha ajudado a conter o golpe, toma o poder depois de um grande massacre.

Deposição de Suharto[editar | editar código-fonte]

Suharto foi reeleito cinco vezes e governou a Indonésia com auxílio dos militares.[4] Mas, com a crise económica asiática de 1997, o país voltou à rebelião e o presidente foi obrigado a renunciar, entregando o poder ao seu vice, B. J. Habibie.[5] Entretanto, nas eleições de 1999, Habibie foi derrotado por Megawati Sukarnoputri, filha de Sukarno. Sukarnoputri nem chegou a ser empossada, tendo sido substituída pelo seu partido político, liderado por Abdurrahman Wahid.[6]

A crise de Timor-Leste mudou o cenário, e Sukarnoputri voltou à presidência em 2001. Em 2004, nas primeiras eleições directas, foi eleito o presidente, Susilo Bambang Yudhoyono, que em 2009 foi reeleito para um segundo mandato.[7]

Terremoto e tsunamis de 2004[editar | editar código-fonte]

Ainda em 2004, a 26 de Dezembro, uma catástrofe abalou o país. Nesse dia, registou-se o maior terramoto dos últimos tempos (8,9 graus da escala de Richter), com epicentro ao largo da ilha de Samatra. O sismo originou maremotos e tsunamis que assolaram a costa de vários países do Sudeste Asiático, como o Sri Lanka (o mais afectado), seguido da própria Indonésia, Índia, Tailândia, Malásia, Maldivas e Bangladesh, tendo provocado milhares de mortos e de desalojados.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Katzer, Gernot. «Geographic Spice Index». gernot-katzers-spice-pages.com (em inglês). Consultado em 10 de novembro de 2018. 
  2. Klemen, L. (26 de julho de 2011). «The Dutch East Indies Campaign 1941-1942». Forgotten Campaign: The Dutch East Indies Campaign 1941-1942 website (salvo em Web Archive). Consultado em 10 de novembro de 2018. 
  3. «Dutch govt expresses regrets over killings in RI». The Jakarta Post (salvo em Web Archive). 8 de agosto de 2005. Consultado em 10 de novembro de 2018. 
  4. Bevins, Vincent (20 de outubro de 2017). «What the United States Did in Indonesia». The Atlantic (em inglês). Consultado em 10 de novembro de 2018. 
  5. «LATEST NEWS | President Suharto resigns». news.bbc.co.uk (em inglês). BBC News. 21 de maio de 1998. Consultado em 10 de novembro de 2018. 
  6. «Breaking Free From Betrayal». New Internationalist (em inglês). 5 de novembro de 1999. Consultado em 10 de novembro de 2018. 
  7. Selasa (18 de agosto de 2009). «SBY-Boediono Presiden-Wapres Terpilih 2009 - ANTARA News». Antara News (em indonésio). Consultado em 10 de novembro de 2018. 
  8. «Joint evaluation of the international response to the Indian Ocean tsunami: Synthesis Report» (PDF). TEC - Tsunami Evaluation Coalition (salvo em Web Archive). 25 de agosto de 2006. Consultado em 11 de novembro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre História da Indonésia


Flag-map of Indonesia.png Indonésia
História • Política • Forças Armadas • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Indonésia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.