História do Azerbaijão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mausoléu de Shirvanshahs, em Baku, capital do país.

A história do Azerbaijão é entendida como a história da região que agora forma a República do Azerbaijão. Topograficamente, a terra é contida pelas encostas do sul das montanhas do Cáucaso no norte, o Mar Cáspio no leste e as Terras Altas da Armênia no oeste. No sul, suas fronteiras naturais são menos distintas, e aqui o país se funde com o planalto iraniano.[1]

O Albânia caucasiana foi estabelecida em seu solo nos tempos antigos. A língua cáucaso-albanesa falada pelos fundadores da Albânia caucasiana foi provavelmente um antecessor da agora ameaçada língua udi falada pelo povo udis. Desde da época de Medos e do Império Aquemênida, até a chegada dos russos no século XIX, os territórios da República do Azerbaijão e do Irã geralmente compartilhavam a mesma história.[1][2] O Azerbaijão manteve seu caráter iraniano mesmo após a conquista árabe do Irã e a conversão dos habitantes da área ao Islã. [1]

Cerca de quatro séculos depois, tribos turcomanas oguzes sob a dinastia seljúcida entraram na área, e o Azerbaijão ganhou uma grande quantidade de habitantes turcomanos.[1] Ao longo dos séculos, à medida que a população original se misturava com os nômades turcos imigrantes, o número de falantes nativos de persa diminuiu gradualmente, e um dialeto túrquico hoje conhecido como azerbaijano (ou turco azeri) ganhou força.[1] Uma das dinastias regionais, os Shirvanshahs, depois de se tornarem um estado sob o teto do Império Timúrida, ajudaram os Timúridas na guerra contra o Canato da Horda Dourada.  Após a morte de Timur, dois estados turcos independentes e rivais emergiram na região, a saber, Qara Qoyunlu e Aq Qoyunlu.  Os Shirvanshahs, por outro lado, tornaram-se independentes novamente nesse processo e fortaleceram seus governos locais.

Após as guerras Russo-Persas de 1804-1813 e 1826-1828, Império Cajar foi forçado a ceder seus territórios caucasianos ao Império Russo; Os tratados de Gulistan em 1813 e Turkmenchay em 1828 definiram a fronteira entre a Rússia czarista e o Império Cajar.[3][4] A região ao norte do Arax era iraniana até ser ocupada pelo Império Russo durante o século XIX. De acordo com o Tratado de Turkmenchay, Império Cajar reconheceu a soberania russa sobre o Erivan, Naquichevão eTalysh Khanates (as últimas partes do Azerbaijão ainda estão com o irã).[5] Depois de mais de 80 anos fazendo parte do Império Russo no Cáucaso, a República Democrática do Azerbaijão foi estabelecida em 1918. O nome "Azerbaijão", adotado pelo Partido Musavat por razões políticas, foi usado para identificar a região adjacente do noroeste do Irã.[6][7][8]

O Azerbaijão foi invadido pelas forças soviéticas em 1920, o que levou ao estabelecimento da República Socialista Soviética do Azerbaijão. No início do período soviético, a identidade nacional do Azerbaijão foi finalmente forjada.[9] O Azerbaijão permaneceu sob o domínio soviético até o colapso da União Soviética em 1991, após o qual a República independente do Azerbaijão foi proclamada. Relações hostis com a vizinha República da Armênia e o Conflito do Alto Carabaque têm sido pontos focais na política do Azerbaijão desde a independência.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre o Azerbaijão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Azerbaijão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. a b c d e Swietochowski, Tadeusz (1985). Russo Azerbaijão, 1905-1920: A formação de uma identidade nacional em uma comunidade muçulmana. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 1 
  2. Gasimov, Zaur (2022). «Observing Iran from Baku: Iranian Studies in Soviet and Post-Soviet Azerbaijan». Iranian Studies. 55 (1): 38. doi:10.1080/00210862.2020.1865136 
  3. Harcave, Sidney (1968). Russia: A History: Sixth Edition. [S.l.]: Lippincott. p. 267 
  4. Mojtahed-Zadeh, Pirouz (2007). Boundary Politics and International Boundaries of Iran: A Study of the Origin, Evolution, and Implications of the Boundaries of Modern Iran with Its 15 Neighbors in the Middle East by a Number of Renowned Experts in the Field. [S.l.]: Universal. p. 372. ISBN 978-1-58112-933-5 
  5. Timothy C. Dowling [[1](https://books.google.nl/books?id=KTq2BQAAQBAJ&pg=PA728) Russia at War: From the Mongol Conquest to Afghanistan, Chechnya, and Beyond] pp 728–729 ABC-CLIO, 2 dec. 2014 ISBN 1-59884-948-4
  6. Dekmejian, R. Hrair; Simonian, Hovann H. (2003). Troubled Waters: The Geopolitics of the Caspian Region. [S.l.]: I.B. Tauris. p. 60. ISBN 978-1-86064-922-6. Until 1918, when the Musavat regime decided to name the newly independent state Azerbaijan, this designation had been used exclusively to identify the Iranian province of Azerbaijan. 
  7. Rezvani, Babak (2014). Ethno-territorial conflict and coexistence in the Caucasus, Central Asia and Fereydan: academisch proefschrift. Amsterdam: Amsterdam University Press. p. 356. ISBN 978-90-485-1928-6. The region to the north of the river Araxes was not called Azerbaijan prior to 1918, unlike the region in northwestern Iran that has been called since so long ago. 
  8. Atabaki, Touraj (2000). Azerbaijan: Ethnicity and the Struggle for Power in Iran. [S.l.]: I.B.Tauris. p. 25. ISBN 978-1-86064-554-9 
  9. Gasimov, Zaur (2022). «Observing Iran from Baku: Iranian Studies in Soviet and Post-Soviet Azerbaijan». Iranian Studies. 55 (1): 37. doi:10.1080/00210862.2020.1865136