Religião no Azerbaijão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte da série sobre
Azerbaijão
Azərbaycan
Flag of Azerbaijan.svg . Brasão de Armas do Azerbaijão

Cultura
Arte • Cinema
Música • Mídia
Esporte • Feriados

História

Política
Constituição
Relações exteriores

Demografia
Grupo étnico • Língua • Religião

Geografia

Divisões administrativas
Distritos • Cidades •
Regiões econômicas e distritos

Portal:Azerbaijão

O Islão é a religião dominante no Azerbaijão em número de seguidores com 95%.[1] 85% da população são muçulmanos xiitas e 15% são muçulmanos sunitas. A maior parte dos muçulmanos xiitas seguem os duodecimanas, enquanto a maior parte dos muçulmanos sunitas seguem os hanafitas.[2] No entanto, essa divisão não é rigorosa. Na maioria muçulmana, os costumes religiosos não são levados muito a sério, e a identidade muçulmana tende a basear-se mais na etnia e na cultura do que na religião. Os restantes 5% da população pertencem a outras religiões ou simplesmente a nenhuma. 4% da população são sobretudo cristãos, principalmente ortodoxos russos e apostólicos arménios (quase todos na região separatista de Nagorno-Karabakh). Outros cristãos são os ortodoxos georgianos, molokanos e os protestantes, principalmente luteranos. O Azerbaijão possui uma pequena população de 400 católicos. Na maioria são estrangeiros. O Azerbaijão conta com uma população de 8.800 judeus, a saber, os judeus ashkenazim, os judeus das montanhas e os judeus georgianos.[3] As comunidades religiosas mais recentes incluem o bahá'í eo hare krishna.

O Azerbaijão é um dos países mais seculares e irreligiosos do mundo.[4] [5] De acordo com uma recente pesquisa do Gallup, 53% dos entrevistados indicando a importância da religião na sua vida como pouca ou nenhuma. A mesma pesquisa indica que apenas 20% dos entrevistados participaram de serviços religiosos.[6]

O Azerbaijão é um estado secular, sem religião oficial; a constituição do Azerbaijão consagra a liberdade religiosa e de consciência, a menos que perturba a ordem pública e viola os princípios do humanismo; então, o Governo impõe algumas restrições sobre esse direito.[7] O Comitê Estadual do Trabalho com Organizações Religiosas relatou um total de 576 grupos religiosos, organizações e fundações. Esse número inclui 555 organizações islâmicas e 21 organizações não-islâmicas. As organizações religiosas não-islâmicas incluem 12 organizações cristãs, 6 organizações judaicas, 2 organizações bahá'í e 1 organização hare krishna.[8]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]