Religião na Suíça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Circle frame.svg

Religiões na suíça (Idade 15+, 2015-2017)[1]

  Catolicismo (36.5%)
  Outras Igrejas Calvinistas e Protestantes (2.9%)
  Cristãos Orientais não-catolicos (2.4%)
  Outros Cristãos (0.7%)
  Sem religião (25%)
  Outras religiões (6.9%)
  Não determinado (1.3%)

A Suíça é um secular estado reconhecido a nível federal pela sua Constituição. No entanto, a maior parte dos cantos, exceto Genebra e Neuchâtel, reconhece igrejas oficiais, em todos os casos incluindo a Igreja Católica e a Igreja Reformadora Suíça. Estas igrejas, e em alguns cantos também a Velha Igreja Católica e congregações judaicas, são financiadas por taxação oficial de aderentes. A nível federal, o Artigo 4.º - Capítulo 1 da Confederação Helvética afirma que toda a pessoa tem o direito de praticar a sua fé religiosa sem qualquer limitação por parte das autoridades e dos outros cidadãos sejam quais forem a nacionalidade ou origem.

Mapa da Suíça por religião.

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

O cristianismo é a religião predominante da Suíça à qual pertence mais de 70% da população, sendo as principais denominações a Igreja Católica (38,8% da população) e a Igreja Reformada Suíça (30,9%). 20,1% dos suíços não tem religião. A imigração trouxe o islã (4,5%, predominantemente kosovares) e a ortodoxia oriental (1,8%) como religiões minoritárias significantes (censo 2010). A pesquisa do Eurobarômetro realizada em 2005 mostrou que 48% da população é teísta, 39% expressaram crença em "um espírito ou força de vida", 9% ateísta e 4% agnóstico.

O país é historicamente equilibrado entre católico e protestante, com um complexa divisão de maiorias na maior parte do país. Um cantão, Appenzell, foi oficialmente dividido em seções católicas e protestantes em 1597.[2] As maiores cidades (Berna, Zurique e Basileia) são predominantemente protestantes. A parte central do país, assim como Ticino, são tradicionalmente católicas. A constituição suíça de 1848, sob a recente sensação dos confrontos de cantões católicos vs. protestantes que culminaram no Sonderbundskrieg, conscientemente definiu a Suíça como um estado que permite a coexistência pacífica de católicos e protestantes. Uma iniciativa de 1980 pedindo a completa separação entre Igreja e Estado foi rejeitada, com apenas 21,1% de votos favoráveis.

Apesar da constituição do país ser neutro e permitir qualquer confissão prática religiosa no país, um referendo contra a construção de minaretes de mesquitas muçulmanas foi realizado em 29 de Novembro de 2009. O resultado foi a aprovação do texto que proíbe a construção de tal estruturas no país.

Referências

  1. Statistik, Bundesamt für. "Religionen" (in German). Retrieved 2019-10-29.
  2. Reclus, Élisée (1881). The Earth and Its Inhabitants (em inglês). [S.l.]: D. Appleton and Company. 478 páginas 
Ícone de esboço Este artigo sobre a Suíça é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.