Al-Shabaab

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Al-Shabaab
الشباب
ShababFlag.svg
Bandeira da Al-Shabaab.
Datas das operações 2002 - atualmente
Líder Ahmad Umar (Abu Ubaidah) (6 de Septembro 2014 – presente)
Ahmed Godane (Dezembro de 2007 – Setembro de 2014)
Área de atividade Sul da Somália
Ideologia Fundamentalismo islâmico
Principais ações Terrorismo
Tamanho 5,000 - 7,000[1]

Harakat al-Shabab al-Mujahideen (حركة الشباب المجاهدين), "Movimento do Jovem Guerreiro", conhecido geralmente como Al-Shabaab (em árabe: الشباب, "A Juventude"), também conhecido como Hizbul Shabaab ("A Juventude")[2] , e Movimento de Resistência Popular na Terra das Duas Migrações (MRP)[3] é um grupo terrorista e fundamentalista islâmico que atua primordialmente no sul da Somália. É uma organização afiliada a rede Al-qaeda.[4]

Historia[editar | editar código-fonte]

Desde a queda do ditador Mohamed Siad Barre em 1991, prevalece uma guerra civil na Somália. A milícia Al-Shabaab controla por anos grande parte da capital, Mogadíscio, e grandes áreas no centro e sul do país. Com o apoio de tropas etíopes e quenianas, um governo de transição conseguiu expulsar o grupo da capital e a maioria das outras cidades em 2011. No entanto, a milícia Al-Shebaab continuar ataques cometidos em Mogadíscio e no vizinho Quênia.

O grupo foi fundado em 2004,[5] logo em seguida à derrota sofrida pela União dos Tribunais Islâmicos (UTI) nas mãos do Governo Federal de Transição (GFT) e seus aliados, especialmente as forças armadas da Etiópia, durante a Guerra da Somália (2006-2009). Estima-se que 3 000 membros ou mais da UTI tenham entrado na clandestinidade e formado uma insurgência, com células armadas na capital, Mogadíscio, e por todo o país, passando então a conduzir ataques contra o governo e as forças etíopes. O termo Shabaab ("juventude") é comum a diversos grupos de jovens ao redor do mundo islâmico, e o movimento não deve ser confundido com outras organizações homônimas.

Referências

  1. "Estimated to number 5,000 to 7,000 fighters", Daily Star, September 8th 2014 (archive)
  2. Washington’s Self-Defeating Somalia Policy Matt Bryden, CSIS Policy Forum
  3. "Diplomats stress need for all-inclusive talks on the future of Somalia", Associated Press, 9 de fevereiro de 2007. Página visitada em 9-2-2007.
  4. Reuters (3 de fevereiro de 2015). EUA atacam líder do grupo Al Shabaab na Somália (em português) Reuters Brasil. Visitado em 5 de fevereiro de 2015.
  5. VOA. Visitado em 29 de Dezembro de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]