Atentado terrorista em Mogadíscio de dezembro de 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Atentado terrorista em Mogadíscio de dezembro de 2019
Ex-Control Afgoye está localizado em: Somália
Ex-Control Afgoye

Localização do posto de controle da polícia Ex-Control Afgoye, em Mogadíscio, Somália
Local Mogadíscio, Somália
Data 28 de dezembro de 2019
Tipo de ataque Ataque suicida
Arma(s) Caminhão bomba
Mortes 85 (+12 desaparecidos)
Feridos +140
Responsável(is) Al-Shabaab[1]

O atentado terrorista em Mogadíscio de dezembro de 2019 foi um atentado suicida ocorrido em 28 de dezembro de 2019, em que um caminhão-bomba matou pelo menos 85 pessoas no posto de controle da polícia Ex-Control Afgoye em Mogadíscio, Somália. Pelo menos outras 140 ficaram feridas, sendo várias em condições críticas, sendo que 12 pessoas ainda estão desaparecidas.[2] O grupo Al-Shabaab reivindicou a responsabilidade pelo ataque em 30 de dezembro.[1] O ataque foi o mais mortal na Somália desde o ataque de 14 de outubro de 2017 em Mogadíscio, que matou 587 pessoas.

Ataque[editar | editar código-fonte]

O ataque ocorreu em um cruzamento movimentado nos arredores de Mogadíscio, em um posto policial durante a hora de pico. O cruzamento principal liga Mogadíscio ao resto do sul e sudoeste da Somália.[3] O posto de controle Ex-Control Afgoye fica perto de um escritório de impostos e é usado por veículos que entram em Mogadíscio a partir da cidade vizinha de Afgooye.[4]

A explosão do caminhão-bomba causou danos maciços às áreas circundantes e deixou muitos dos mortos queimados, não sendo possível estabelecer reconhecimento do corpo. Mais de 20 dos mortos eram estudantes universitários que retornavam às aulas na Universidade Benadir,[5] cujo micro-ônibus foi demolido na explosão. Muitos outros ficaram feridos.[6] Quatro estrangeiros - incluindo dois engenheiros turcos, que estavam construindo uma estrada do posto de controle para a cidade - estavam entre os mortos no atentado.[5][7]

Reivindicação[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, nenhum grupo reivindicou a responsabilidade pelo ataque, embora o Al-Shabaab, um grupo islâmico radical, tenha realizado ataques suicidas anteriores na capital e era tido como suspeito principal.[8][9] Dois dias após o atentado, em 30 de dezembro, o Al-Shabaab oficialmente reivindicou a autoria do ataque, afirmando que o alvo era uma coluna de soldados turcos e somalis.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Grupo terrorista Al-Shabab assume responsabilidade por atentado na Somália». G1. 30 de dezembro de 2019. Consultado em 31 de dezembro de 2019 
  2. «Somalia car bomb attack death toll rises to 84». Xinhua (em inglês). Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  3. «Somalia suicide car bomb attack rocks capital, killing scores». CNN (em inglês). 28 de dezembro de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  4. «At Least 79 Dead in Truck Bomb Attack in Somalia's Capital». Bloomberg (em inglês). 28 de dezembro de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  5. a b «Somalia truck bombing kills at least 90». New York Post (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  6. «Bomb attack causes massive casualities in Somalia, draws condemnation». Xinhua (em inglês). 28 de dezembro de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  7. «Turkey offers condolence to Somalia over terror attack» (em inglês). AA. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  8. «Somalia Bombing Kills Nearly 80, Raising Fears of Resurgent Militancy». The New York Times (em inglês). 28 de dezembro de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  9. «Truck bomb kills scores in Mogadishu». The Guardian (em inglês). 28 de dezembro de 2019. Consultado em 29 de dezembro de 2019