Abubakar Shekau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Abubakar Shekau
Outros nomes Darul Akeem wa Zamunda Tawheed
Darul Tawhee
Nascimento Década de 1960 ou 70
Shekau, Yobe, Nigéria
Morte 19 de maio de 2021 (46–56 anos)
Floresta de Sambisa, Borno, Nigéria
Nacionalidade nigeriano
Serviço militar
Lealdade AQMI Flag asymmetric.svg Estado Islâmico (2014–2016)
Flag of Jihad.svg Boko Haram (2002–2021)
Anos de serviço 2002–2021
Comando Boko Haram
Conflitos Insurgência islâmica na Nigéria
Religião Islão

Abu Mohammed Abubakar bin Mohammad al-Sheikawi[1][2][3] mais conhecido como Abubakar Shekau (nascido em 1965, 1969 ou 1975[4] – 19 de maio de 2021) foi um militante islamita radical, mais conhecido como líder do grupo extremista nigeriano Boko Haram.

Ele era responsável por inúmeros ataques bombistas, como o quartel-general da ONU em Agosto de 2011[5] e um posto de polícia, em Abuja, instalações públicas e igrejas católicos em toda Nigéria.[6] Durante o período que comandou o Boko Haram, a organização ficou notória por ações excessivamente violentas que causaram diversas mortes e instabilidade no norte e leste da Nigéria e em países vizinhos. Em maio de 2021, Abubakar Shekau morreu no meio de uma disputa de poder com um rival.[7][8]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Originalmente do Níger, embora também tenha sido afirmado que ele nasceu na aldeia nigeriano Shekau, estado de Yobe. Foi criado em Maiduguri, capital e a maior cidade do estado de Borno em Nigéria. Ele estudou com um clérigo e, em seguida, participou em Borno State College de estudos jurídicos e islâmicos para estudos superiores sobre o Islão. Foi lá onde encontrou seu líder espiritual Mohammed Yusuf (Boko Haram), um clérigo carismático.[9] Após a sua morte violenta em uma delegacia de polícia, Abubakar Shekau tomou a chefia da Boko Haram. Ao lado de sua língua materna, kanuri, também fala haussa, fulani. árabe e inglês.[10]

O grupo Boko Haram - que literalmente quer dizer “a educação ocidental é proibida” - quer estabelecer a Sharia (lei islâmica) no norte de Nigéria. Shekau era conhecido como "Darul Tawhid", um especialista em Tawhid, um conceito pelo monoteísmo ou a unicidade de Deus. Os analistas descreviam Shekau como um solitário e um mestre do disfarce. Ele não falava diretamente com os membros, optando por comunicar através de alguns confidentes selecionados.[3]

Em junho de 2013, os Estados Unidos oficialmente ofereceram uma recompensa de US$ 7 milhões por informações que levem à captura de Abubakar Shekau.[11] Desde 2009, vários rumores sobre sua morte passaram a circular, mas ele sempre aparecia em um vídeo para refutar essas alegações.

Apesar de não ter tido nenhuma confirmação até então, analistas políticos e militares continuavam afirmando que um combatente islamita chamado Mohamed Bashir estava se passando por Shekau, em uma estratégia midiática do grupo que visava prolongar a liderança de Abubakar. Uma fonte de inteligência nigeriana disse que Bashir tinha sido o responsável pela emissão de mensagens de vídeo nos últimos tempos, incluindo o sequestro de mais de 200 meninas da escola em Chibok, estado de Borno.[12]

Dias após a última mensagem passada por Mohamed, fontes militares anunciaram que soldados nigerianos o tinham matado em uma batalha contra os insurgentes do Boko Haram no dia 19 de Setembro em Konduga, Borno.[13]

A estratégia do grupo fez com que veículos midiáticos apresentassem controvérsias e dias antes do anúncio oficial de que Abubakar estava morto, oficiais tiveram que desmentir a mídia dizendo que quem tinha morrido na verdade era Mohamed Bashir ao invés da figura top do Boko Haram.[12]

Em 2009, as autoridades nigerianas acreditavam que Abubakar Shekau havia sido morto em confronto do Exército da Nigéria com o Boko Haram,[14] mas o próprio Shekau reapareceu novamente em vídeos desmentindo sua morte.[15]

No período que liderou o Boko Haram, de 2009 a 2021 (de forma incontestada até 2016), o grupo se expandiu de forma violenta e os comandados de Shekau eram conhecidos por sua agressividade e brutalidade. Embora considerado um homem inteligente, seu comportamento errático levava a críticas até mesmo dentro de sua organização.[16]

Com a ascensão do Estado Islâmico do Iraque e do Levante entre 2014 e 2015, Shekau começou a ser pressionado por seus comandantes e soldados para jurar lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico. Embora tenha feito seus votos de fideilidade, segundo fontes, Shekau ficou convencido de que al-Baghdadi acabaria destituído ele da liderança do Boko Haram. Em agosto de 2016, o Estado Islâmico indicou então Abu Musab al-Barnawi como novo líder do Boko Haram.[17] Shekau se recusou a reconhecer a autoridade de Barnawi e, junto com seus apoiadores, fundou um novo grupo, chamado Jamaat Ahlus Sunnah li Dawah wal Jihad, enquanto Barnawi liderou a facção chamada de "Estado Islâmico da Província da África Ocidental" (ISWAP, na sigla em inglês).[18] O grupo de Shekau tinha menos de 1 500 soldados, enquanto Barnawi liderava mais de 3 500 militantes armados.[19] Shekau supostamente passou a adotar a visão islamita dos Carijitas.

Após o racha dentro do Boko Haram, confrontos entre as facções de Shekau e Barnawi se tornaram comuns.[20] Mesmo assim, Shekau nunca aberamente renunciou sua lealdade ao Estado Islâmico, atribuindo as divisões internas a mera rivalidade.[21]

Morte[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2021, um grupo de militantes armados filiados a facção do Boko Haram ligada ao Estado Islâmico (EI) invadiram a floresta de Sambisa, no estado de Borno no nordeste da Nigéria. Nos últimos meses, o líder EI em território Nigeriano, Abu Musab al-Barnawi, reivindicou a liderança do Boko Haram e agora ele exigia a renúncia de Abubakar Shekau, que se recusou. Shekau concordou em se encontrar com um representante de al-Barnawi e durante a reunião, segundo fontes locais, ele teria detonado um colete com explosivos, se matando e ao comandante que al-Barnawi havia designado para o encontro.[22] Em junho, o Estado Islâmico confirmou o ocorrido, com al-Barnawi assumindo o comando do Boko Haram.[7]

Referências

  1. «Nigeria: Boko Haram - Shekau Presents Hostages». allAfrica Global Media. 14 de maio de 2014. Consultado em 8 de dezembro de 2014 
  2. «Nigeria military dismisses Boko Haram 'propaganda'». The Peninsula. Consultado em 8 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2014 
  3. a b Boko Haram leader Abubakar Shekau: A ruthless leader with a twisted ideology, CNN Online, 7 May 2014
  4. «Rewards for Justice - Wanted». www.rewardsforjustice.net. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  5. Grupo extremista assume ataque a prédio da ONU na Nigéria, BBC' Online, 26 de agosto 2011
  6. Quem é Boko Haram, grupo que sequestrou centenas na Nigéria, Exame, 7 de maio 2014
  7. a b Ahmad Salkida (5 de junho de 2021). «ISWAP Confirms Shekau's Death, Says Its Fighters Were Following ISIS Orders». Humangle. Consultado em 9 de junho de 2021 
  8. «Grupo dissidente confirma morte de líder do Boko Haram». DW.com. Consultado em 9 de junho de 2021 
  9. Líder de milícia que sequestrou 200 na Nigéria é cruel e contra Ocidente, UOL Noticias, recuperado em 8 de maio 2014
  10. BBC: "Nigeria's Boko Haram leader Abubakar Shekau in profile", 9 de maio de 2014
  11. Wanted: U.S places $7million bounty on Boko Haram leader, Shekau, Premium Times, recuperado a 8 de maio 2014
  12. a b «Military says: Bashir was killed not Shekau». Daily Times. 22 de setembro de 2014. Consultado em 28 de novembro de 2014 
  13. «Troops killed man acting as Boko Haram leader». CNN. 25 de setembro de 2014. Consultado em 28 de novembro de 2014 
  14. «Nigéria anuncia que líder do grupo islamita Boko Haram está morto». G1. 24 de setembro de 2014. Consultado em 28 de novembro de 2014 
  15. «Líder do Boko Haram aparece em vídeo e desmente sua morte». G1. Consultado em 28 de novembro de 2014 
  16. "From Obscurity to Global Visibility: Periscoping Abubakar Shekau", por Emeka Okereke.
  17. «Boko Haram in Nigeria: Abu Musab al-Barnawi named as new leader». BBC News. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  18. «Boko Haram's Shekau vows to fight IS group rival for leadership». France 24. 9 de agosto de 2016. Consultado em 10 de agosto de 2016 
  19. Ryan, Browne. «US warns of growing African terror threat». CNN. Consultado em 28 de setembro de 2018 
  20. Zenn, Jacob (24 de maio de 2021). «Killing of Boko Haram Leader Abubakar Shekau Boosts Islamic State in Nigeria» (PDF). Jamestown Foundation. Terrorism Monitor. 19 (10): 1–2 
  21. Murtala Abdullahi (26 de maio de 2021). «Shekau's Last Message Throws Light On Links With Global Terror Groups, ISWAP Offensive». Humangle. Consultado em 9 de junho de 2021 
  22. Murtala Abdullahi; Kunle Adebajo (20 de maio de 2021). «Boko Haram Strongman, Shekau, Dead As ISWAP Fighters Capture Sambisa Forest». Humangle. Consultado em 26 de maio de 2021 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.